Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

Sentimentos

Ainda me ama?

AINDA ME AMA?

Sei que me ama

Quando sou sorriso, alegria, atividade

Sei que me ama também

Quando sou entrega, amor, pura sensualidade

Ou luz, carinho, bondade, verdadeira amizade

Mas será que me ama ainda

Quando tudo fica escuro

O sorriso vira lágrima

A atividade cessa

O amor não tem pressa

A alegria arrefece

A sensualidade adormece…

E aí? A amizade se compadece?

Seu amor está condicionado a quê,

Para que possa permanecer ao meu lado?

Posso contar contigo, meu coração

Para ser, mesmo nos erros, meu abrigo, meu irmão?

Alda M S Santos

Eu quero

EU QUERO

Quero uma bússola,

Que me dê um norte

Que me aponte o caminho

E me torne mais forte…

Quero uma âncora,

Que me mantenha firme

Só a suavemente balançar

E não me deixe me afastar

Do que for um bom lugar…

Quero uma vela,

Que me leve lentamente

Ao sabor do vento,

Do bom sentimento

Para um lugar de autoconhecimento…

Quero asas grandes, coloridas

Que me levem para bem alto

Para apreciar os encantos

De uma vida mais bonita…

Quero um colo, bem quentinho

Que me ampare, me dê carinho

E me faça entender rapidinho

Que na vida o que vale mais

Pode estar bem pertinho…

Eu quero!

Alda M S Santos

Tudo de você

TUDO DE VOCÊ

Há alguém que conhece tudo de você

Tudo, tudo mesmo?

Suas qualidades, suas vitórias, seus sorrisos

Suas lágrimas, medos, fracassos

Preconceitos, mesquinharias, covardias

Aquilo que você tem vergonha de admitir até para si mesmo?

Não te vê apenas maquiado, mascarado

Do jeito que quer que te vejam

Mas enxerga além da superfície

Vê sua capacidade de se doar

Conhece seus direitos e avessos

Suas sedas suaves, suas belas costuras e bordados

Seus rotos, esfarrapados, cerzidos?

As vezes que caiu, levantou, derrubou ou salvou alguém

Aquelas em que quase desistiu

Ou que prosseguiu por prosseguir

Te encontra nos dias em que o sol brilha

Mas também naquele cantinho escuro de sua alma

Para onde você vai vez ou outra

E ficaria ali com você sendo seu abraço, seu apoio

Numa conversa verdadeira infinita…

Há alguém para quem você seja transparente

E mesmo assim te reconheça como belo ser humano

Que respeita sua história, não desiste de você

Está perto e, ainda assim, te ama?

Além de Deus, que nos ama com amor piedoso e misericordioso

Talvez você mesmo, que se entende e se aceita

Se possui outro alguém assim

Você é muito mais rico do que pensa…

Há alguém que saiba tudo, tudo de você?

Alda M S Santos

Momentos ilha

MOMENTOS ILHA

Existem pessoas de muitas personalidades

Emotividades, atividades, jeitos e trejeitos…

Cada qual, exatamente por essas particularidades,

Tem sua beleza, seu encanto

Criticar e se afastar é contraproducente

Cada um de nós “exige” ou doa um tipo diferente de atenção,

De carinho, de vida, de emoção…

Deus, em Sua infinita sabedoria,

Nos fez desse modo exatamente para nos completarmos

Não somos pedaços, mas podemos interagir para crescer

Ninguém é uma ilha isolada

Podemos até ter nossos momentos ilha,

Mas estamos cercados de seres humanos por todos os lados.

Em algum momento teremos que interagir uns com os outros

Para nadar e atravessar para o outro lado

Nossas semelhanças nos tornam humanos,

Nossas diferenças nos tornam vivos

Semelhanças e diferenças nos fazem amar

E viver…

Alda M S Santos

Desculpe-me

DESCULPE-ME

Desculpe-me pelas vezes em que não te ouvi

Por aquelas que fingi nada sentir

Desculpe-me pelas vezes que te fiz sofrer, chorar

E num pranto sentido mergulhar

Desculpe-me pelas vezes em que seu jeito desrespeitei

E fiquei perdida, desesperei

Desculpe-me por tentar fazer de ti o que não és

Para agradar aos outros, em tanto revés

Desculpe-me pelas vezes em que fui tão coração

E te magoei sem razão

Desculpe-me pelas vezes que, afoita,

Não te dei tempo para se recolher, repensar

Desculpe-me pelas vezes em que não vivi

Por medo insano de viver, quase morri

Desculpe-me, meu interior,

O lado mais verdadeiro de mim

Pelas vezes em que fingi não estar a fim

Desculpe-me pelas vezes em que errei

E quase joguei fora a chance de viver, não perdoei

Felizmente, aprendi, enfim

O que sou é o que há de mais belo e real para mim

E, antes de qualquer um, devo a mim mesma perdoar, amar

Até quando for permitido juntas este caminho atravessar…

Desculpe-me!

Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar que estou no mundo das possibilidades

Que ainda que algo se quebre, não dê certo

Sempre haverá novas realidades

Quero acreditar que estou num mundo direito

Que ainda que ele se vire do avesso

Sempre será possível fazer de novo, bem feito

Quero acreditar que estou no mundo dos sonhos

Que ainda que eles se tornem pesadelos

Nunca serão cansativos, enfadonhos

Quero acreditar que estou no mundo das amizades

Que mesmo que a gente chore ou sofra

Sempre teremos nelas a reciprocidade

Quero acreditar que estou no mundo da beleza

Que mesmo que tudo fique seco ou frio

Ainda acharei refrigérios na natureza

Quero acreditar que estou no mundo do amor

Que mesmo que ele esteja repleto de medos

Sempre será pra nós bem sedutor

Quero, preciso acreditar!

Alda M S Santos

Que somos?

QUE SOMOS?

Para alguns somos abraço bom

Para outros cumplicidade

Para outros ainda, a bondade…

Para alguns somos doçura

Para outros acolhimento

Para outros ainda, aborrecimento…

Para alguns somos a luz

Para outros, sintonia

Para outros ainda, a magia…

Para alguns somos sorriso

Para outros, sensualidade

Para outros ainda, amizade…

Para alguns somos companhia

Para outros, agonia

Para outros ainda, terapia…

Para alguns somos apenas dor

Para outros, jabuticabeira em flor

Para outros ainda, verdadeiro amor…

Para alguns somos beleza

Para outros, fortaleza

Para outros ainda, delicadeza…

Para alguns somos só euforia

Para outros, sabedoria

Para outros ainda, ousadia…

Para alguns somos razão

Para outros, coração

Para outros ainda, solidão…

Para alguns somos briga

Para outros, intriga

Para outros ainda, a própria vida…

Para alguns somos o sonho

Para outros, realidade

Para outros ainda, a saudade…

E a vida assim se faz veloz

Entre aquilo que somos para os outros

E aquilo que eles são para nós …

Alda M S Santos

Inteiros

INTEIROS

Não dá para viver como metades

Meias verdades não colam

Meias palavras não falam

Meios caminhos não levam a lugar algum

Meias certezas não descem

Meias vontades nada produzem

Meias curas não resolvem

Meios amores não acalentam

Meias vidas não satisfazem

Precisamos de totalidade

Precisamos de inteireza

Inteireza no amor, na paixão

Inteireza na compaixão, no amor irmão

Inteireza na alegria, na felicidade

Inteireza na verdade, na fraternidade

De metade em metade

Passamos a vida em pedaços

Partes que não se encaixam

Quebra-cabeças que não se completam

Não dá para buscar uma metade no outro

Nossas metades estão dentro de nós mesmos

Juntá-las nos torna inteiros

Prontos a encontrar outros inteiros, amiúde

E viver uma vida de completude…

Alda M S Santos

Sou parte

SOU PARTE

Apenas um pontinho na imensidão

Um grãozinho em tamanha grandeza

Uma parte aparentemente insignificante

Diante de tão vasta e maravilhosa natureza

Ainda assim, mesmo um pontinho ali, faço parte

Tanto verde, tanto céu, tanta vida, tanta história

E posso em tudo influenciar

Por atividade ou inércia

Posso modificar o ciclo natural das coisas

Tudo que faço ou não faço

Tem efeito dominó, atinge a tudo e a todos

Tem efeito bumerangue, retorna para mim mesma

Essa energia que a tudo atrai, repele ou contagia

Que se faz harmonia, magia, sintonia

Mostra que fazemos parte

Somos importantes por aqui

É uma grande responsabilidade

Sou parte! Somos parte!

Alda M S Santos

Na praça

NA PRAÇA

Na praça a vida passa

Rapidamente ou devagar

Pra lá e pra cá segue a massa

Sem parar, sem pensar

Na praça tem coreto, tem jardim

Tem igreja, santos e fiéis

Tem bancos, escadarias, ambulantes e cordéis

Tem flores, pássaros e jasmins

Na praça a vida se faz inteira, se faz pedaços

Tem paquera, beijos e abraços

Tem namoros e amassos

Tem alegrias, esperanças e cansaços

Bem ou mal, conscientes ou nem tanto

Vamos deixando nossas marcas

Enfatizando sorriso ou pranto

Nos corações dessa gente tão afoita

Tentando se fazer encanto…

Alda M S Santos

Aqui tem cachoeira

AQUI TEM CACHOEIRA

Aqui também tem cachoeira

Bela, forte, até assustadora

Se a gente der bobeira

Ela nos leva, arrebatadora

Atrás da queda, bem escondidinho

Os pássaros se reúnem, cantam juntinho

Saem ligeiros em revoada

Quem vê logo pensa

De onde veio essa passarada?

A queda d’água forma uma piscina

Onde nadam moças e moços fugindo da rotina

Sobre todos baila um sereno fininho

Ali, afoitos, roubam abraço e beijinho

Cachoeira, calor, sol, natureza

Venha se banhar, faça parte dessa beleza

Quer encanto, sossego, paz

Viva sem isso tudo se for capaz!

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

Dom de ser feliz

DOM DE SER FELIZ

Cada humano traz consigo o dom de ser feliz

Para cada qual usar como melhor lhe aprouver

Uns guardam, enterram

Outros economizam, usam pouco

Outros ainda gastam tudo de uma só vez

Há ainda os que o compartilham com os demais

Tem gente que o busca em grandes feitos

Atos heróicos ou intensas emoções

Mas ser feliz é simples

Pode estar no mar, na rosa ou num dedo de prosa

Em doar amor, fazer amor, ser o amor

Em buscar a magia na poesia, na sintonia

Não adianta buscar no outro o dom que está em si

O exterior pode até acender a centelha

Mas cabe a cada um manter acesa a chama

Que o torna um ser humano inteiro e feliz

E aprendemos, finalmente

Que o dom de ser feliz se multiplica

No ato da partilha, da divisão

Ninguém é feliz sozinho

Mas se a felicidade não nascer em nosso coração

Nada de fora será capaz de despertá-la

Como você tem usado esse dom que recebeu da Criação?

Alda M S Santos

O mundo lá fora

O MUNDO LÁ FORA

É bom levantar voo, viajar, voar, conhecer o mundo

Desbravar o universo lá fora, o mundo desconhecido

Mas isso só é válido se tivermos para onde voltar

É bom, é preciso ter mar aberto para navegar

Tanto quanto é preciso ter cais para retornar

É bom ter um céu azul infinito para plainar

Desde que se tenha onde pousar

É bom mergulhar nas profundezas do mundo de alguém

Mantendo um pé firme cá fora

Para podermos voltar para dentro de nós mesmos

Quando tudo parecer ruir, desmoronar

Nunca devemos ir a lugar algum

Se não soubermos de onde estamos saindo

E para onde poderemos voltar…

Alda M S Santos

Muita sede ao pote

MUITA SEDE AO POTE

Quem vai com muita sede ao pote

Com muita ânsia e gula em busca de saciedade

Acaba por derrubá-lo e morrer de sede

Se se demora demais perde-se o pote para outro sedento

Bom mesmo é ir devagar

Gole por gole, um pouquinho de cada vez

Antecipando o prazer da satisfação

Saciando aos poucos o desejo que se apresenta

Vale para todo tipo de sede

De água, de vinho, de amor ou de carinho

Física, profissional, financeira ou emocional

Se não se busca pelo pote d’água morre-se de sede

Se se quebra o pote perde-se o conteúdo

Morrendo de sede à beira do rio…

Tudo é uma questão do tamanho da sede

E da sabedoria na hora de satisfazê-la…

Tá com sede?

Alda M S Santos

Nossos desertos

NOSSOS DESERTOS

Em nossos desertos internos

Pode faltar água

O sol castigar a pele

A aridez do solo queimar os pés

As tempestades de areia machucarem o corpo

O calor excessivo do dia causar alucinações

A friagem congelante da noite paralisar a emoção

Mas nunca se perde a esperança

De descansar à sombra de um arbusto

De encontrar vida ativa

De encontrar um oásis…

Essa espera que nos faz enfrentar todos os medos

Toda a secura de nossos desertos internos

O desejo de sobreviver é maior

Mas é a expectativa e a visão de um oásis mais à frente

Que nos alimenta nesse duro caminhar

Que abastece o coração de vida

Que mantém a alma em atividade e estado de espera…

Não importa quando

Apenas sabemos que o oásis irá chegar…

Isso basta!

Alda M S Santos

Minha política

MINHA POLÍTICA

Não, eu não discuto política

Ela me entristece, magoa, fere, me tira do eixo

Faz-me perder as esperanças num mundo melhor

Prefiro viver a política como posso: agindo

Tentando ser a leveza onde tudo pesa

A balança para equilibrar desigualdades

A mão que se estende a quem está só

O colo que abraça e acolhe quem está perdido

Mesmo que eu mesma precise de colo também

Que chore, perca as esperanças ou a fé

Que também ache que não tem mais jeito muitas vezes

Agindo como posso na posição que estou

Não gosto de radicalismos

E é só isso que tenho visto em ambas as partes

Óbvio que tenho minha posição

Eu sou pelo amor, sempre

Eu o utilizo como minha régua, minha ferramenta

Minha medida para qualquer coisa ou situação

“O quanto há de amor nisso?- sempre me questiono

Avalio a qualidade das pessoas pelo amor

Ele me permite ter a tolerância suficiente com os diferentes

Ele me permite tentar entender quem pensa diferente de mim

Ele me ajuda a olhar pela perspectiva do outro

Ele me faz questionar até que ponto estou certa

Minha política é viver o amor, levar o amor

Portanto, sou contra qualquer exclusão, de qualquer tipo

Minha política é amar e fazer o bem, sempre

Qualquer coisa que fugir a isso, não me interessa

Não terá meu apoio ou aprovação!

Qual sua medida, sua régua?

Alda M S Santos

Em preto e branco

EM PRETO E BRANCO

Muitas vezes sou cor, multicor, sou arco-íris

Noutras sou preto e branco

Nuances de cinza, em sombras

Há quem me veja só em cores

Brilho, sorrisos, flores e amores

E me ignore quando preto e branco

Quando saudade, dor, lágrimas e apatia

Sou assim, essa mistura, essa aquarela, essa energia

Mas nenhum arco-íris surge antes da tempestade

Sem a chuva, o cinza , o medo não há magia

Só merece o brilho e intensidade das cores do arco-íris

Quem soube aceitar, lidar com o cinza, ser sintonia

Das próprias tempestades e ventanias

E não fugiu dos vendavais dos outros

Soube ser cais, ser porto

Daqueles que fazem nosso clima mais ameno

Em qualquer tempo, cor ou intempérie…

Como você se vê, me vê?

Alda M S Santos

O que você vê?

O QUE VOCÊ VÊ?

O que você vê quando olha para a vida ?

Uma estrada longa, quente e comprida

Ou uma sombra refrescante na subida

O sol forte que queima e dá lombeira

Ou seu brilho e calor que te faz desejar uma cachoeira

A chuva forte sem hora, sem cabimento

Ou o arco-íris que ilumina o firmamento

As árvores que produzem flores e frutos no quintal

Ou a sujeira que fazem no local

O mar azul que acolhe os banhistas

Ou a maré alta que invade a pista

A Lua Cheia que abraça os namorados

Ou a escuridão onde se escondem os marginalizados

A moça bonita, de olhar distante,

Sentada na areia, na beira do mar

Ou aquela de andar vacilante

Sonho distante, a caminhar?

Qual o seu olhar para a vida?

Isso irá determinar

O quanto ela pode ser colorida…

Alda M S Santos

Onde você quer ficar?

ONDE VOCÊ QUER FICAR?

Na vida há cobertor que não aquece

Água que a sede não mata

Abraço que a dor não amortece

Amizade que nó não desata

Há estrelas que não amenizam a escuridão

Sol que não ilumina nosso caminhar

Saudades que nos tiram o chão

Rios que não chegam ao mar

Há males que não nos deixam arredar pé

Há compaixão para a alguém estender a mão

Também tem energia que nasce junto da fé

E sabedoria ao tocar com delicadeza um coração

Na vida há também luz que vem de dentro

Amor que nos põe no centro

Calor que brota e alastra da alma parceira

Beijo que aquece a vida inteira

Na vida há todo tipo de lugar

Só precisamos saber onde queremos ficar…

Alda M S Santos

Nossos descartes

NOSSOS DESCARTES

Tudo que vivemos, usufruímos

Para o bem ou para o mal

Nos leva a produzir muitos lixos

Lixos físicos, lixos mentais, lixos emocionais

Nossos, dos outros, compartilhados

Muitos são só isso mesmo: lixos

E devem ser descartados, jogados fora

Enterrados, incinerados

Nada podem nos produzir de útil

Apenas entopem, lesam, pesam

Sobrecarregam nosso corpo, mente e alma

E nos fazem estacionar, morrer

Mas há lixos bons, são sucatas, reaproveitáveis, recicláveis

Renovam-se como árvores, a cada estação

São aqueles que nos ensinam a viver mais

Nos estimulam a criatividade

Ajudam a crescer, a evoluir, a amar melhor

O segredo do bem viver

É saber bem separá-los

Não ficar guardando lixos caco de vidro

Que quando menos esperamos machucam, cortam fundo

E jogando fora lixos que dariam uma linda obra de arte

Para enfeitar a galeria de nossas vidas

Vamos aprender?

Alda M S Santos

Mulher/menina

MULHER/MENINA

Ela caminha pela vida

Vestindo sorriso de menina, alma de mulher

Ou será sorriso de mulher, alma de menina?

Tanto faz, mulher/menina ou menina/mulher…

Ela caminha pela vida

Levando abraços, beijos, delicadeza

Em busca de resgatar da vida a pureza

E absorver da rosa a beleza…

Ela caminha pela vida

Deixando onde passa pequenas partes de si

Em cada canto um encanto

Junto a uma fragrância de jasmim…

Ela caminha pela vida

Trazendo consigo na alma, no sorriso

As cicatrizes de cada alegria, cada perigo

E as marcas de onde encontrou abrigo…

Ela caminha pela vida

Mulher/menina, menina/mulher

Até quando puder…

Alda M S Santos

Queria dormir

QUERIA DORMIR

Às vezes quero dormir

E acordar noutro lugar

Não sei se isso seria morrer

Mas tenho vontade de descansar

Não me acostumo a ver tanta dor

Tanta luta, tanta frustração

Se queremos apenas um viver

Sem tanta mágoa e violação

Mesmo tão triste e desanimada

Eu me recuso a fugir

Limpo as lágrimas, sorrio, coragem renovada

Prefiro ficar aqui e agir

Dormir. e acordar noutro lugar

Para outro dia irá ficar…

Alda M S Santos

Viagem

VIAGEM

Entre todas as viagens maravilhosas que já fiz

Na terra, no mar, no ar, pelo universo

A pé, usando rodas, velas ou motores

Longas ou curtas, sozinha ou acompanhada

Na beira de um rio, no alto de um pico

No meio do oceano, no alto, nas nuvens

Mergulhada nas páginas de um livro

Entre os takes de um bom filme

Nos versos de um poema escrito na varanda ao luar

A mais completa de todas foi sem sair do lugar

Nas cenas que busco ou crio na minha imaginação

Interagindo com meu universo interior

Edito, dou replay, apago, refaço

Avanço, passo em câmera lenta…

Mexo e remexo ao meu bel prazer

Ela não tem medos, não tem censura

Não tem limites ou barreiras

Não fere, não machuca, nem mata ninguém

Ela é livre e voa…

A viagem para dentro de nós mesmos

É a melhor que podemos fazer…

Alda M S Santos

Eu escolho

EU ESCOLHO

Entre as tantas partes de mim

As bem antagônicas ou paradoxais

Que todos nós temos, afinal

Eu escolho as que me fazem mais feliz

Que podem me tornar mais acessível

A quem precisar de ajuda, de amor fraterno

Aquelas bem claras em detrimento de outras escuras

As alegres como dia de sol

Mesmo gostando da nostalgia dos dias nublados

As flores perfumadas no jardim

Ao invés do conforto do quarto escuro

O sorriso e as palavras de incentivo

Ignorando a desesperança e tristeza

Não fecho os olhos para o que há de mau por aí

Para o que há de negativo em mim

Apenas tento, sempre que posso

Optar pelo que sei, por experiência própria

Que fará bem a mim

E a quem de mim se aproximar…

Longe de agradar a todos

Tento ser fiel a mim mesma

E nisso já tenho bastante trabalho…

Alda M S Santos

A primeira vez

A PRIMEIRA VEZ

Nunca se esquece ou se apaga

A emoção da primeira vez

Os primeiros amigos, as brincadeiras

Primeiro dia na escola, primeiro namorado

Um olhar, um beijo, um sorriso

O mergulho no mar, a escalada até uma cachoeira

Casamento, maternidade…

A vida é feita de emoções

Aquele friozinho na barriga, rosto ruborizado

Respiração entrecortada, ansiedade descontrolada

Tudo isso dá prazer de viver

Essa montanha russa alucinada

Mas nada se iguala ou se compara

À tranquilidade de uma vida sossegada

Um tranquilo carrossel que gira

A emoção de um rio que segue seu curso

Com alguns entraves no caminho, algumas quedas

Encantando-se com alguns banhistas que nele mergulham

Mas sem grandes sobressaltos, repleta de amor

A certeza de saber para onde vai, sem medos

Sendo valorizado, querido, amado…

Uma vida boa é feita de entrega e muitas primeiras vezes

Mas é melhor ainda uma vida

Que é feita de uma primeira vez que se eterniza…

Alda M S Santos

Medos

MEDOS

Tenho medos, alguns já são de estimação

Tenho medo de perder aqueles que amo

Mais ainda de me perder de mim mesma

Pois é em mim mesma que encontro todos eles

Tenho medo de perder as forças, a energia, a saúde

Mais ainda de perder o sorriso, a alegria de viver

Tenho medo de ficar dependente dos outros

Mais ainda de não ter ninguém de quem possa depender

Tenho medo de perder a visão

Mais ainda de perder a capacidade de ver com o coração

Tenho medo de adoecer de tanto me envolver

De tanto querer mudar algo nesse mundo desigual

Mas tenho mais medo ainda de perder a capacidade de me importar

Tenho medo de perder minhas lembranças

Mais ainda de não ser capaz de gerar novas boas memórias

Tenho medo de morrer muito cedo

Mais ainda de sobreviver àqueles que me são caros

Tenho medo de morrer de saudades, de viver de lágrimas

Mais ainda de não ter nada do qual possa sentir falta

Tenho medo de ir embora e deixar os outros na mão

Mais ainda de não fazer falta a ninguém…

Tenho muitos medos

Mas enquanto eles existirem é sinal que existo também

Uma vida sem medos

É uma vida sem nada valioso a ser perdido

Uma vida de fé, com medos, mas enfrentados

É uma vida que vale a pena ser vivida

Assim, sigo meu caminho…

Alda M S Santos

Tão pequenos

TÃO PEQUENOS

Tão pequenos somos nós

Diante da grandiosidade do universo

Tão grandes somos nós

Em busca de algo precioso

Tão pequenos somos nós

Quando nos recolhemos em nós mesmos

E ignoramos todo o resto

Tão grandes nos sentimos nós

Frente a tanta batalha inócua

Tão pequenos somos tantas vezes

Ao nos sentir perdidos e sem rumo

Tão grandes somos nós

Lutando, debatendo, ferindo, machucando a todos

Tão pequenos, tão grandes

Depende do referencial

O que vale de verdade, e é preponderante

É o que fazemos de especial

Quando nos sentimos tão grandes

Quando nos sentimos tão pequenos

Tão acompanhados ou tão solitários…

O mundo precisa de gente grande

Não de críticas ou julgamentos

O mundo precisa de gente grande

De sentimentos e de atitudes!

Alda M S Santos

Água ou fogo?

ÁGUA OU FOGO?

Água ou fogo, calor ou frescor

Calmaria ou tempestade

Doçura, delicadeza e bondade

Ou atitude, agitação, lutas, felicidade

Sem falso pudor?

Água ou fogo?

Em qual deles encontramos o que mais precisamos

Voo livre ou terra firme

Asas ou raizes

Liberdade ou segurança

Troncos ou galhos, flores ou frutos?

Que buscamos?

Almejamos aquilo que nos atiça, energiza

Ou aquilo que nos acalma, tranquiliza

Qual elemento mais nos completa

Água ou fogo?

É preciso ficar alerta

Água que lava, refresca,

Nos leva em seu curso

Ou fogo que nos aquece, alimenta, instiga,

Consome o que nos faz mal

Ativa o bem e apaga toda intriga?

Água ou fogo?

Depende do que mais necessitamos no momento

Ambos podem nos limpar, purificar

Nos permitir recomeçar…

Água ou fogo?

Que saibamos escolher o elemento certo

No momento mais incerto…

Alda M S Santos

Quero ser

QUERO SER

Quero ser a melhor brincadeira

Naqueles momentos mais sérios

O sorriso nos momentos de apreensão

A lágrima nos instantes mais alegres

O abraço na hora de solidão

Quero ser o forte analgésico

Nas dores crônicas, no mal agudo

A resposta nas dúvidas existenciais

A placa de largada para os desanimados

A esperança para os sonhos tão naturais

Quero ser a fé e a luz brilhante

Nos breus intensos do caminho

A saudade no coração de alguém

A coragem que brota insistente

A doçura para o amargor também

Quero ser broto de amor

Sementes colhidas do coração

Plantadas em terreno fértil

Nascidas nas terras da imaginação

E perpetuadas no jardim dos irmãos em comunhão

Quero ser…

Alda M S Santos

Seria muito?

SERIA MUITO?

Seria muito imaginar que fui o sonho de alguém

Que minha existência foi planejada

Que antes de aqui chegar eu existi em outro lugar

E foi a mente, a alma, o coração

A imaginação e o desejo de um alguém

Que me tornaram possível viver por aqui?

Será que estive antes no coração de meus pais

Que tudo estava combinado previamente

Que para esta dimensão eu viria

E que teria por aqui um trabalho a fazer?

Seria muito pensar que me materializei nesse plano

Para tornar real o amor de um alguém?

Seria muito imaginar que esperam algo de mim

Que me “vigiam” o existir e o fazer

Na esperança de que eu caminhe sempre para e pelo bem?

Sendo assim, seria muito pedir

Que me perdoassem os atos falhos

Os caminhos sem saída que peguei

As trilhas com inúmeras bifurcações que me enveredei

A luz que outras vezes ignorei?

Seria muito pedir, a quem sonhou comigo

A quem permitiu meu existir

Que estivesse sempre a meu lado

Levando-me pelas mãos para o melhor caminho

Que não me permitisse fugir

Orientando-me com palavras de doçura e carinho

Alertando-me aos buracos nas vias existenciais

Preparando-me para o porvir

Dando-me colo, atenção, amor?

É que pareço forte, sabe

Mas, a verdade, é que tantas vezes só quero um pouquinho de colo

De apoio e da certeza de que não estou só

Seria muito pedir?

Alda M S Santos

(Con)viver

(CON)VIVER

Ato ou efeito de viver com o outro

Não perto dele, mas junto com ele

Não apenas no mesmo espaço físico

Mas dentro do outro…

Conviver é interagir, é trocar

É ensinar, é aprender

É gargalhar juntos, chorar mais juntos ainda

É ouvir mesmo quando falta a sintonia

É ser colo quando o outro chora

É ser brisa quanto tudo parece pesado

É encontrar no outro o sorriso quando tudo está sisudo

É rir das próprias bobeiras e fraquezas

É orar juntos, beber juntos

É se perdoar, seguir o caminho mesmo cansado

Passear de mãos dadas, viajar, mesmo “na maionese”

É entender o outro apenas num olhar

É decifrar silêncios, é pedir explicações

É ser carinho e segurança, mesmo na corda bamba

É saber oferecer, mas também saber pedir, aceitar

É poder discordar, debater, brigar, se preciso for

É dormir e acordar lado a lado, é ser prazer, é fazer amor

É ter medos juntos, enfrentar o adversário no mesmo time

É nunca ter medo um do outro

É saber que somos uns para os outros aqui

Os maiores presentes que poderíamos ter recebido

E quando Ele em algum momento nos perguntar

“Que fez dos presentes que te confiei”?

Possamos responder com convicção

“(Con)vivi bem, respeitei, sobretudo, amei”!

Alda M S Santos

Pais e filhos

PAIS E FILHOS

Pais e filhos, filhos e pais…

Não sabemos o que o amanhã nos reserva

Quem vai para o outro lado da vida primeiro

O que podemos encontrar do lado de lá

Quanto tempo ainda nos resta do lado de cá

Uma hora a vida irá nos separar

O que é possível ser feito, que façamos agora

Quando ainda estamos por aqui

Para que não tenhamos que lidar com o arrependimento

Além da dor da falta e da saudade

Não importa o que cada um fez ou deixou de fazer por nós

Se acreditamos que cumpriram bem ou não seu papel

Vale o que nós fazemos por eles

Pela nossa capacidade de amar, de nos doar

De sermos gratos a quem nos deu a vida

De dar a eles um pouquinho de alegria e conforto

Cuidemos de nossos pais, eles não estarão aqui para sempre!

Te amo, papai! Que todos os dias sejam seus!

Alda M S Santos

Um rio que passou…

UM RIO QUE PASSOU…

O rio passa…

Límpido, cristalino ou nem tanto

Algumas vezes turvo e sem oxigênio

Águas calmas ou turbulentas

Em cursos de águas rasas, outras profundas

Arborizado ou não, matas ciliares protetoras

Espaços de assoreamentos e ausência de fluxo

Habitat de peixes e outras vidas que acolhe e alimenta

Enfrenta remansos ou quedas nas pedras em lindas cachoeiras

Irriga, favorece a vida em seu entorno

Recebe afluentes, transborda

Ou até parece secar em alguns pontos

Poluído, parece morrer…

Mas onde um rio passou sua marca deixou

Tudo que ele trouxe consigo

Ficará para sempre na vegetação que irrigou

Tudo que leva consigo irrigará outras margens, outros leitos

E vez ou outra a mina renasce e jorra vida novamente

Onde houve um rio fica a saudade

Ali sempre haverá a lembrança de vida, de umidade

Mesmo nas fases de seca…

Um rio sempre será um rio

Até que morra no mar…

Um rio passou, um rio ficou…

Na vida de quem naquelas águas se banhou…

Alda M S Santos

Na janela

NA JANELA

Na janela ela mergulha num mundo diferente

Ora tão longínquo, ora tão perto

Vive naquelas páginas uma história que não é sua

Mas que tantas vezes parecem escritas para ela

Mergulha nas dores e amores imaginários

Nas derrotas e vitórias, nos “personagens” tão diferentes

Chora e sorri, se alegra e se entristece

Aprende em cada página, em cada capítulo, uma lição:

A vida está em constante movimento

Nem tudo é sempre bom

Nem tudo é sempre ruim

Somos nós mesmos que construímos nosso caminho

E nele caminhamos…

Nem sempre levamos quem queremos

Há quem siga na frente

Há quem fique para trás

Há quem não queira ir conosco

Há quem a gente não quer levar

Mas a gente segue o nosso caminho

Na certeza de um dia chegar

A um lugar onde haja apenas paz…

E ela fica ali na janela…

Ora vivendo a história dos outros

Que no final das contas também são suas

Ora escrevendo a própria história

A história daqueles que caminham consigo

Juntos, à frente ou lá atrás

Todos fazem parte dessa história…

Alda M S Santos

Vá!

VÁ!

Vá! Não pare!

Crie em você um recanto de brincadeira e magia

Onde todos possam encontrar a criança perdida, a alegria

Vá! Não pare!

Conserve em você um colo amigo, acolhedor

Onde todos possam enxugar as lágrimas, esquecer a dor

Vá! Não pare!

Desperte em você uma alma caridosa, que se doa, que sorri, que abraça

Onde todos possam ter esperança e sentir que todo mal passa

Vá! Não pare!

Deixe refletir o amor e bondade em cada ato seu

Onde todos possam ver ali o carinho e cuidado de Deus!

Vá! Não pare!

Um mundo melhor começa em você, em cada um de nós!

Alda M S Santos

Meu mundo para

MEU MUNDO PARA

Nas mil voltas que esse mundo maluco dá

A gente vai tentando não cair, nos segurar

Apegando-nos a algo que nos faça seguir

Que não nos trave no mesmo lugar

Tantas vezes queremos tocar a campainha

Dar um sinal que avise que queremos parar

Cansados estamos, tontos, só queremos descer

Arrumar um cantinho, encolher para descansar

Girando por aí para todos os cantos

Notamos que tantas vezes precisamos é nos soltar

De algo a que nos apegamos e nos prende no mesmo lugar

Por não querer seguir, se envolver, participar

Tantas as travas, tantas as tristezas

Que podem fazer nosso mundo parar…

Urge focar nas alegrias, nos estímulos, no belo

No amor que precisamos para fazer nosso mundo girar…

Alda M S Santos

A gente combina

A GENTE COMBINA…

Vento que uiva, que canta

Fala baixinho, sussurrando

Ora grita, nervoso, intenso

Traz e leva pensamentos e desejos

Vento que passa veloz

Muda o plano de voo das aves,

Traz consigo tempestade atroz

Balança galhos das árvores

Que se curvam ao seu poder

E, resilientes, retomam seu prumo, até sem querer

Vento que acaricia feito brisa suave, que atiça

Que arrepia cada centímetro da pele, que enfeitiça

E que esquenta corpo e alma, lá dentro, bem fundo

Ou que, devastador, gela tudo em nosso mundo

Vento que chega sem qualquer aviso

Deixa em alvoroço rios e mares, impreciso

Pega toda a gente desprevenida

Correndo em busca de boa guarida

Ou se entregando a ele, sem saída

Vento que vem e que vai

Uma hora a gente combina direitinho

Quem sabe a gente não vai juntos pro mesmo caminho?

Alda M S Santos

Escolhas ou acaso

ESCOLHAS OU ACASO

Há dores, há diferenças, injustiças e dissabores

Mas também há coração, bondade, alegrias e amores

Escolhas ou acaso?

Há abandono, indiferença, tristeza e solidão

Mas também há companhia, carinho, cuidado e proteção

Escolhas ou acaso?

Há choro, lamentos, lembranças e saudade

Mas também há brincadeiras, músicas, sorriso e amizade

Escolhas ou acaso?

Há descrença, doenças, patologias e depressão

Mas também há abraços, beijos, tempo e doação

Escolhas ou acaso?

O mal pode ser obra do acaso

Mas o bem sempre será uma escolha!

Alda M S Santos

#carinhologos

Tudo em nós fala

TUDO EM NÓS FALA

Tudo em nós fala daquilo que há pulsando dentro da gente

O sorriso fala e não engana a um bom observador

Se ele ocultar em si alguma dor

O olhar de brilho ofuscante ou apagado fala

Aquele que encara ou, frustrado, se desvia

Fala também do coração que pulsa forte

Que se resguarda e se aquieta em letargia

O andar firme, trôpego ou confiante

Fala do peso ou leveza que se carrega nas costas, na alma

As mãos que se estendem, abraços que enlaçam

Falam de amor, de paz, de paixão

A força do que há plantado em nosso interior

Sempre irá florir ou morrer de algum modo

Em nosso exterior…

Alda M S Santos

Eis-me aqui

EIS-ME AQUI

Eis-me aqui, ora inteira, ora faltando pedaços

Mas ainda assim, eu mesma

Buscando a cola que irá reconectar

O pedaço que de mim se quebrar

Eis-me aqui, ora frágil, ora forte

Mas com a mesma essência

Procurando algo que possa preencher

O que hoje se tornou ausência

Eis-me aqui, ora louca, ora sã

Sem deixar de ser humana, machucada

Gritando silêncios em resposta a dores caladas

Eis-me aqui, ora amante, ora amada

Persistente em busca do que justifica todo o viver

A alegria do amor sempre fazer, refazer

Eis-me aqui, ora sorrisos, ora lágrimas

Sem nunca desistir dessa caminhada

Conquistando a reciprocidade que acalenta, a paz que alimenta…

Eis-me aqui…até quando?

Alda M S Santos

Falar de você

FALAR DE VOCÊ

Falar de você é um modo de te manter dentro de mim

Falar sobre você, (re)contar sua história, é reviver um pouco o que viveu

Falar de você é ser ora triste, ora feliz, ora saudosa

Falar de você é um modo de te amar à distância

Falar de você, lembrar de tudo que ensinou, é não deixar morrer aprendizados

Falar sobre você é a melhor maneira de fazer com que os outros te conheçam

Falar de você me faz ser melhor, mais complacente e solidária

Falar de você faz com que os outros te vejam em mim

Estar com quem te conhece é te trazer para perto

Viver com quem não te conhece é a possibilidade de levar você até eles

Falar sobre seu amor é levar os outros a acreditarem

Que tudo é possível no amor verdadeiro e puro

Falar sobre você, tentar viver como você viveu

É o único jeito de honrar o que fez por todos nós

Amando uns aos outros como Você nos amou

Sempre falarei de Você e de meu amor, do Seu amor

Se não em palavras, em atitudes…

Eu te amo, fica comigo, Jesus!

Alda M S Santos

Circularidade da vida

CIRCULARIDADE DA VIDA

Acredito nos ciclos vitais

Sejam da água, das plantas, da Lua

Das marés, da Terra ou dos humanos

Fazemos nossa própria rotação

Giramos em torno de nós mesmos e dos nossos

Sem percebermos que, tal qual a Terra em torno do Sol,

Fazemos também nossa translação em torno do mundo

E em cada parte desse ciclo que vamos criando

Enfrentamos marés altas, calmarias

Tsunamis e ressacas

E vamos aprendendo a lidar com cada uma

Protegendo-nos de riscos desnecessários

Acolhendo com tranquilidade fases ruins

Resistindo melhor ao gosto pelo supérfluo

Aproveitando ao máximo a face bela e luminosa do período amoroso

Aprendemos a nos fortalecer

Na certeza da circularidade da vida: tudo vai, tudo volta

E procuramos melhorar a cada ciclo

Sem perder nossa essência, nossa individualidade

O que faz de nós aquilo que somos: únicos!

Alda M S Santos

Ser feliz

SER FELIZ

Descobri um jeito simples de ser feliz

Não exige tanto esforço ou trabalho

Não há necessidade de acumular bens

Nem estar vestido na última moda

Dispensável ser sarado, esbelto, musculoso ou curvilíneo

Ou ter rosto de capa de revista

Não há necessidade de ter QI de Einstein

Ou a bondade da Madre Teresa de Calcutá

Não exige que esteja com alguém

Tampouco será problema se estiver sozinho

Basta ser o motivo da felicidade de alguém

Aquela pessoa que desperta sorrisos no outro

Aquela alma que parece carregar consigo o segredo da paz mundial

Que faz com que o outro se sinta acolhido e aquecido

Que faz com que se sinta alguém especial

Que exala, amor, luz, carinho, bondade

E faz outro ser se sentir valorizado, amado…

Aquela pessoa indispensável na vida de outro alguém

Que faz o dia ser mais belo simplesmente por ela existir

Isso é ser feliz: fazer feliz!

Simplesmente porque isso gera energia boa

Que flui em mão dupla

Vai e volta simultaneamente…

Quer ser feliz? Faça um alguém feliz!

Alda M S Santos

Histórias arrancadas

HISTÓRIAS RABISCADAS

São tantas as histórias, tantos os momentos

Bons ou ruins, saudosos ou amargos

E muitas vezes queremos rabiscar alguns capítulos

Arrancar algumas páginas

Apagar definitivamente algumas cenas dolorosas

Mas isso não é possível…

Tudo está gravado definitivamente

Seja rabiscado, arrancado, queimado, lançado fora

Tudo está lá em nosso HD interno

E salvo no Livro da Vida o qual não temos acesso

Podemos desfocar, desviar a atenção

Deixar ir embaçando por falta de uso

Grifar com brilho páginas mais interessantes

Destacar capítulos alegres e prazerosos

Colocar rosas a marcar o que se quer “reler”

Mas apagar, definitivamente, não dá!

Vira e mexe cenas reaparecem

E só podemos aprender com elas

Reeditar, consertar, reestruturar, melhorar o que for possível

E mandá-las novamente para a caixinha de histórias rabiscadas

Daquelas que só serão relidas do outro lado da vida…

Alda M S Santos

Plurais

PLURAIS

Gosto de pessoas plurais

Intensas, diversas, multi

Capazes de me despertar de qualquer letargia

E me inspirar a ser cada dia mais

Gosto de pessoas singulares, únicas

Daquelas que carregam o sol em si sem perecer

E mesmo nas noites mais escuras e frias

São capazes de brilhar e me aquecer

Gosto de pessoas plurais ou singulares

Contanto que enxerguem o mundo a sua volta, tudo natural

Que me vejam como as vejo

E façam-me sentir única, especial

Gosto de pessoas, todas elas

Desde que sejam reais, verdadeiras

Plurais ou singulares, pares ou ímpares

Que me façam sentir que existo, que sejam parceiras…

Gosto de pessoas…

Alda M S Santos

Além do horizonte

ALÉM DO HORIZONTE

Do horizonte multicor faço uma tela gigante da vida

Um filme de um viver, de um “passar” por aqui

Cada cor refletindo uma alegria, um êxtase

Uma dor, um prazer, um dissabor

Uma mistura delas tão nítida em alguns pontos

Tão confusa e borrada em outros

Filme que desperta sorrisos, satisfação

Lágrimas, tristeza, saudade, gratidão

Um filme de bilheteria singular

Será que nossa história passa em alguma outra tela por aí?

Causa emoção, esperança, dores e arrependimentos

Ou quem sabe tenha takes e cenas de amor e saudade?

Luz, escuridão, emoção, decepção, vida…

Cada uma delas retratando um momento especial

Porque viver é sempre especial

No horizonte multicor assisto a um filme que ainda acontece

E continuo produzindo novas cenas…

Gravando!

Alda M S Santos

Sentimentos tão (des)humanos

SENTIMENTOS TÃO (DES)HUMANOS

Determinação : Você poderia me arrumar um emprego? Quero trabalhar!

Arrependimento: Vim de Pouso Alegre e acabei aqui sem pouso.

Fome: Pode repetir? Estou faminto hoje!

Depressão: Faço uns bicos durante o dia, durmo no abrigo, saio às vezes, a depressão bate fundo.

Fé: Um dia estarei do lado que vocês estão, se Deus quiser!

Tristeza: Meu filhinho de três anos está internado.

Maternidade: Preciso de roupas de criança. Lembra de mim e do meu filhinho loirinho e de olho azul?

Vaidade: Gosto de sabonete cheiroso, esse é bom!

Preferências: Não posso com esse cobertor, sou alérgico, pinica!

Simplicidade: Tem um chinelo ou tênis? Se for grande pode ser de mulher mesmo!

Humildade: Não tem mais blusa de frio? Tenho frio! Pode me dar essa sua?

Satisfação: Que massa! Ganhei uma blusa do Galo(Atlético MG)

Simpatia: A vida na rua dói, moça! Tem pasta de dente aí, ajuda a sorrir!

Mulher: Acabaram os absorventes? Estava precisando…

Oportunismo: Tem gente que pega coisa que tem, eu não faço isso, não!

Má índole: Pode me dar uma sacola grande? Se a gente não dormir por cima eles roubam!

Vícios: Não dê cobertores para aqueles lá, não, que vendem para comprar “cola”.

Gratidão: Deus abençoe e proteja vocês!

Realidade: E assim segue a vida nas ruas de Belo Horizonte

Nos cantos, nas filas de doações, nas camas improvisadas

No fogo para aquecer, na bebida ou droga para esquecer

Nas barracas de cobertores que servem de casa, dia ou noite…

Sentimentos tão (des)humanos que transbordam

No meio de todos nós…

Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar num mundo de amor e paz

Mesmo que ainda tropecemos em seres humanos pelas calçadas

Quero acreditar na bondade inerente a todo ser humano

Mesmo que tantas atitudes nem pareçam humanas

Quero acreditar na força que nos faz persistir

Mesmo que a fraqueza física ou mental nos puxem para baixo

Quero acreditar que qualquer bem que se faça é um começo

Mesmo que pareça tão pouco aos olhos de tantos

Quero acreditar que posso espalhar a luz

Mesmo que o entorno tenha tanta escuridão

Quero acreditar na cola universal chamada amor

Capaz de a tudo colar, reintegrar e renovar

Mesmo que estejamos quebrados pela covardia e inércia

Cheios de cacos cortantes, algozes

Ferindo a todos a nossa volta e a nós mesmos

Quero acreditar num mundo melhor, de amor reinante

Preciso disso para continuar fazendo algo, agindo…

Acredita comigo?

Alda M S Santos

Ninguém rouba de nós

NINGUÉM ROUBA DE NÓS

O bem estar de saber-se num bom caminho

A satisfação de poder ajudar, doar carinho

A coragem de nas lágrimas nos aliviar

A capacidade de aprender com as falhas e recomeçar

Ninguém rouba de nós…

A saudade de um tempo bom, de alguém

Um passado de dores e amores, sem dever ninguém

A humildade de conseguir pedir perdão

A esperança de um amanhã com mais união

Ninguém rouba de nós…

A indignação diante de uma injustiça com alguém

A hombridade em nada ter tirado de ninguém

A liberdade de poder escolher companhia ou solidão

A felicidade que há em amar um irmão

Ninguém rouba de nós…

A honestidade de nunca deixar ninguém para trás

A serenidade de uma alma criança, em paz

A crença num Deus de amor, nossa fé

A delícia de ser quem se é…

Ninguém rouba de nós…

Só se a gente deixar que o façam …

Alda M S Santos

Por aí…

POR AÍ…

Ando por aí…

Ora concentrada, absorta

Ora distraída, dispersa

Atenta ao que parece não importar

Mas, na verdade, quero a todos motivar

Ando por aí…

Notando cores, construções, edificações

Percebendo também destroços, demolições

Ando por aí…

Tentando parear com quem caminha só

Buscando direcionar o passo de quem parece perdido

Ando por aí…

Levando abraços, sorrisos, um pouco de fé e esperança

Porque nessa vida o que mais pesa na balança

O que mais nos trará valor positivo

É aquilo que de nós foi amor, foi abrigo

Ando por aí…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: