Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

Sentimentos

Transição

TRANSIÇÃO

Se você está aqui, você já faz parte

Já terá papel preponderante nessa arte

Já está incluído nas mudanças, no porvir

Fique atento, cuide de suas andanças, seu existir

A transição planetária está aí, é para evoluir

É tempo de fazer algo, não se eximir

Abrace o bem, seja o bem, espalhe o bem

Não seja por aqui apenas mais um alguém

A natureza grita, seres extraterrenos estão na jogada

Crianças já vêm renovadas, intensas, preparadas

Abra-se, fique na parada, deixe sua alma ser lavada

A vida flui e nos convida ao batente

A mudança está ocorrendo, você está contente?

Acorde, lute, vá para a linha de frente!

Alda M S Santos

Devagarzinho

DEVAGARZINHO

Chegou devagar, entrou, ficou na antessala

Foi avaliando o espaço, se aproximando

Trazia grande bagagem, estava cheia a mala

Ia aos poucos seu lugarzinho conquistando

Não quis saber de nada de falsidade

Seu desejo era de apenas partilhar o viver

Em busca de paz e tranquilidade

E de uma doce e recíproca amizade

Nos sonhos ela entrou, conquistou, ficou

Não quis mais fugir, seu coração se encantou

E daquele lugarzinho se apossou

Uma fada, um anjo protetor

Todos nós precisamos na vida

Na realidade, nos sonhos, seja como for…

Alda M S Santos

Coração calado

CORAÇÃO CALADO

Uma angústia, uma sensação de pesar

Peito apertado, coração calado

Não sei de onde vem esse “inexistir”

Que às vezes dá vontade de sumir

Premonição, certeza de um porvir

Que nem sempre será belo, pode ferir

Mas talvez traga um certo avanço, crescimento

Que nos permita mais rápido evoluir

Sol meio incerto de sua posição

Parece saber que haverá momento de reclusão

Quando o coração for chamado à ação

Céu carregado, nuvens pesadas

Uma alma elevada, às vezes cansada

Mas segura de sua caminhada

Alda M S Santos

Terreno fecundo

TERRENO FECUNDO

Quanto mais coisa ruim eu percebo

Mais me impressiono com pequenas belezas

Se de um lado há dores e brigas de dar medo

Também há beijos e abraços, doces levezas

Para cada idoso abandonado

Penso na vovó que tem o neto ao seu lado

Para cada criança que perdeu a infância

Penso no amor que posso doar em abundância

Se quisemos equilibrar essa balança

É preciso ignorar a tristeza

E chamar a vida para uma contradança

Não dá para salvar o mundo

Mas um pouco de sabedoria

Faz do amor terreno fecundo

Alda M S Santos

Amor, amar

AMOR, AMAR

Há vários tipos de amar

Mas o amor é um só

E o mais lindo jeito de amar

É aquele que sabe cuidar

Amor sorriso, luz, amor anseios

Amor pele, sonhos, amor abrigo

Amor de esperanças e desejos

Amor que se faz amigo, afasta o perigo

Amor que se entende num olhar

Amor que se eterniza no silenciar

Amor que busca na saudade um bom lugar

Amor natureza, beleza, intensidade

Amor em qualquer idade, sem maldade

Amor que faz da vida sua verdade….

Alda M S Santos

Amor e/ou paixão

AMOR E/OU PAIXÃO

Se há admiração, respeito, cuidado,

Se chega de mansinho, acha seu cantinho

E ali encontra aconchego e carinho

É amor!

Se arde, queima, é tensão, confusão

Se chega, invade espaços, derruba tudo

Desapropria moradores, bota fogo, deixa mudo

É paixão!

Paixão é desassossego, intensidade

É pular do trem em movimento, tormento

É insanidade!

Amor é sentar na janela, intimidade

Aproveitar a paisagem, doce sentimento

É cumplicidade!

Gostamos de ambos, juntos, mãos dadas é o paraíso

Um equilíbrio que faz incendiar a alma, rasgar sorriso

Paixão é fogo avassalador

Tantas vezes confundido com amor

Paixão é o ninho preparado

Para o amor receber, se desenvolver

E quando amadurece, fica meio de lado

Mas esse ninho será sempre revisitado…

Amor é luz, paixão é luz

A diferença está na intensidade

E na durabilidade do brilho e calor

Enquanto a luz no amor tende a aumentar com o tempo

A luz da paixão arrefece, é fogo brando, doce ardor

Amor é o que fica quando as labaredas cessam

Mas mantém o coração em paz e cheio de calor…

Alda M S Santos

Quem de mim irá cuidar?

QUEM DE MIM IRÁ CUIDAR?

Mexo para lá, mexo para cá

Cuido de um, cuido do outro

Entre tantas mexidas e cuidados

Fico a pensar: quem de mim um dia irá cuidar?

Não há como saber quem poderá a mim se dedicar

A vida é apenas um constante esperar

Enquanto só posso imaginar

Faço o que me cabe: de mim mesma vou cuidar

Enquanto a pergunta persiste e angustia

Melhor ir seguindo sendo energia

Buscando no viver essa doce magia …

Bom é que aprendendo do outro cuidar

Vou assimilando que a vida é doação

Na hora certa, Deus me mandará anjos cheios de compaixão….

Alda M S Santos

Aqueles dias

AQUELES DIAS

Aqueles dias em que ela sequer quer levantar

A luz do Sol passa pela janela, invasora

Os pássaros já cantam lá fora

Indiferentes ao que se passa dentro dela

Sonhos estranhos, medos, desejo de proteção

Movimento de gente cuja vida já começou

Seguindo a marcha…

Por que, às vezes, é tão difícil tocar em frente?

Não é preguiça, não é desânimo

É uma angústia estranha, que aperta

Ficar deitada até esse sentimento passar

Ou levantar e a vida enfrentar?

O portão se abre, um carro sai

Uma oração, ela espreguiça como uma gata

Se estica toda na frente do espelho

Tem saúde, tem um caminho pela frente

Sorri, levanta, a vida segue

Eram só pesadelos…

Não é o fim, ela pensa e vai enfrentar os medos

Seguindo a marcha, a própria marcha

“Tocando em frente”…

Alda M S Santos

Nublado

NUBLADO

O Sol se cobriu, virou pro canto, escondeu seu rosto

Não quer amanhecer, tampouco aparecer

Hoje não estará brilhando em seu posto

Precisa de descanso, se recolher

Nuvens escuras são seu denso cobertor

Recolhido em si tudo está nublado

Ele necessita sossego, por favor

Não adianta insistir, não está animado

Talvez sua reflexão gere lágrimas, doa

E venha a chuva para tudo lavar

Talvez um vento assopre pra longe, devagar

E com um lindo sorriso amarelo abra o véu

E como fogo caloroso volte a brilhar no céu…

Alda M S Santos

Caos, cais

CAOS, CAIS

Ventos, granizo

Tempestade, ondas gigantes

Nosso barco está frágil, vai tombar

Nossa vida prestes a perecer

A coragem começa a se esvair

Chacoalha tudo, quebra, desmonta

Caos…

Mas tudo passa, estamos alquebrados

Ainda assim, levantamos mais fortes

Buscamos abrigo

Ressaca, calmaria

Reconstrução, esperança

Cais…

Do caos ao cais

Nem tanto num

Nem tanto noutro

A vida vai acontecendo…

Alda M S Santos

Quase nada sabemos

QUASE NADA SABEMOS

O que se passa com quem se fecha no quarto

Com quem se esconde atrás de um sorriso

De atitudes que atraem ou afastam

Ou atrás de um comportamento diferente ou “antinatural”

Quase nada sabemos …

Todo excesso carrega em si uma falta

Se nos déssemos ao trabalho de investigar

Se tivéssemos habilidade para apurar, ajudar, sem julgar

Talvez não existissem tantas faltas

Quase nada sabemos…

Tantos mundos fechados nos quartos, claros ou escuros

Nos sorrisos, nos falsos abrigos

Quase nada sabemos…

Alda M S Santos

Na cachoeira, ao luar…

NA CACHOEIRA, AO LUAR…

Um dia ela acordou sem acordar, sabe como é, estava noutro mundo.

Andava nas trilhas da mata, pé ante pé. Ia em direção ao som que ouvia.

Era um som mágico. Não sabia se os outros também ouviam.

Não importava!

Ela só queria ir em direção à cachoeira. Seguia assim, toda faceira!

Buscava proteção!

Parecia ouvir passos indo na mesma direção, mas não via ninguém. Apenas sentia!

Sentia que alguém a seguia, mas nada temia. Era uma boa vibração, tal qual a que vinha da cachoeira e de seu coração.

Era noite ainda, o intenso luar iluminava o caminho.

Chegou à cachoeira, maravilhosa!

Sem sequer se despir, nela entrou. Lavou tudo, deixou lágrimas rolarem, lavou a alma…

Sua veste branca parecia uma segunda pele, grudada.

Foi atraída por uma força incomum.

E lá estava ele. Olhar profundo, doce, pidão!

Não teve medo, lentamente foi se aproximando…

E a ele estendeu a mão, os lábios, o corpo, a alma, o coração…

E toda a sua vida…

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

#flalfestival 2019

Miniconto- palavra “proteção”

Identidade

IDENTIDADE

Quando a identidade está meio confusa

Não nos enxergamos, está desfocada

Perdemos a essência daquilo que somos

Bons amigos nos trazem de volta, dão uma animada

Sem pedir, nos relembram aquilo que fomos, que somos

Nos devolvem a luz do que nos é essencial

Fazem-nos ver sob o olhar do amor

Aquilo que deixamos se perder no corriqueiro, no trivial

Nada melhor que quem conosco conviveu

De nós trabalho, alegria e amor recebeu

Para nos fazer crer que ainda existimos

Que pelas dificuldades não nos consumimos

O outro é o espelho amigo que reflete o melhor de nós

Quando precisamos reativar nossa identidade

Ser para nós mesmos mais amor, mais bondade!

Alda M S Santos

O que me toca fundo

O QUE ME TOCA FUNDO

O que me toca mais fundo?

A sinfonia de pássaros numa árvore na janela

O desabrochar de um botão de rosa

O som suave no leito de um rio

A força torrencial das águas de uma cachoeira

O constante vai-e-vem das ondas do mar

Uma canção feita de versos singelos

Uma valsa dançada por um par em sincronia

O sorriso puro de uma criança

Uma mãe que amamenta seu filho

Um jovem de joelhos a rezar

O abraço de um casal apaixonado

A saudade nos olhos de um idoso que sofre abandonado pela vida

A bondade no coração de quem se doa?

Não sei…

São muitas as coisas tristes na vida,

Mas são tantas as coisas tocantes e lindas,

Que por elas vale um esforço para viver!

Alda M S Santos

Poetar

POETAR

A habilidade de os sentidos apurar

Acionar até o sexto sentido

Nada perder, tudo captar no ar

Até o que parece falido

Ter um novo olhar, mais atento

Ativar olfato, audição, aguda percepção

Ter em si mesmo novo alento

Potencializar ainda mais a intuição

Entraves enxergar, parcerias buscar

Não querer sozinho caminhar

Será que isso é poetar?

O poeta Estevam disse que poetar é

“Transmitir angelicais inspirações”

Vou mais além: é receber, processar e repartir sensações…

Alda M S Santos

Certezas

CERTEZAS

Quantas certezas já tivemos

E se desfizeram com o vento

Quantas dúvidas nos consumimos

E ainda assim, seguimos?

Quantas certezas nos sustentaram

E depois nos derrubaram

Quantas dúvidas nos derrubaram

E finalmente nos levantaram?

Quantas certezas nos salvaram

E depois nos enganaram

Quantas dúvidas nos enrijeceram

E, enfim, nos amoleceram?

Certezas e dúvidas…

Na dúvida, melhor não se fiar nas certezas

Nas certezas, um pouco de questionamento é de extrema nobreza…

Alda M S Santos

(Re)encontro de almas

(RE)ENCONTRO DE ALMAS

Antes de virem para esse mundo

De um outro mundo bem diferente

Onde tudo é claro, nítido, sem subterfúgios

Será que as almas gêmeas ou afins

Fazem algum combinado para se reconhecerem por aqui?

Um olhar mais demorado

Um toque eletrizante, um poema emocionante

Talvez um sorriso sem igual

Ou até mesmo uma piscadela especial?

Um abraço mais demorado, um beijo assustado

Quem sabe uma palavra, como um código, abracadabra

Ou uma senha que só elas saberiam?

Poderia ser também um lugar marcado

Como uma cachoeira, local isolado

Onde se banhariam como no passado…

Saboreando sorvete no banco da praça

Na fila do cinema comprando pipoca, meio sem graça

Num hospital tomando uma injeção

Ganhando bala na festa de Cosme e Damião

Na igreja, na praia, na fazenda montada no alazão

Ou, simplesmente, no último lugar em que deitaram e rolaram

E, apaixonadamente, se amaram?

Penso que há sim esse código, senha

Ou seja lá como se chame

Se ficarmos mesmo atentos

Talvez a gente até possa ouvir os sinos

Ou os anjos dizendo:

“Até que enfim, sinto perfume de jasmim”!

Você já (re)encontrou alguma alma assim?

Alda M S Santos

Quero a paz

QUERO A PAZ

Quero a paz de uma manhã de pássaros a cantar

Lembrando que a vida é breve, é bela

E que não vale a pena chorar

Quero a paz que sinto num abraço fraterno

Que diz “te amo” sem palavras

E faz todo meu mundo mais terno

Quero a paz que reina numa cachoeira

Um sorriso doce que ilumina até a alma

E na natureza, intensa à sua maneira

Quero a paz de um amor verdadeiro

Onde haja confiança, prazer, intensidade

Daqueles aos quais nos entregamos por inteiro…

Alda M S Santos

Lutos

LUTOS

Vivemos uma vida de lutos, de perdas

De despedidas, de adeus, de dores

Choramos, sofremos…

Mas toda morte e despedida trazem consigo um renascer

Um broto de vida, novo, lindo

Um recomeço…

Abrir a janela de nossos corações

Deixar a luz entrar, aquecer a terra fértil de nossa alma

Chorar, se preciso for, para irrigar

Deixar brotar nova flor, novo amor

Luto é fim de uma etapa

Recomeço de outra, nova semente pronta para crescer

Novo jardim florir, perfumar, encantar

Como ela será só depende dos jardineiros envolvidos

Sentir uma perda, viver o luto é natural e até necessário

Aceitar a mudança e cultivar o novo é essencial

Que sempre saibamos nos despedir

E acolher as novas sementes…

Alda M S Santos

Brilha mais

BRILHA MAIS

Inspire fundo, expire lentamente

Feche os olhos, afaste todos os pensamentos

Leve sua mente para um lugar de paz e serenidade

Onde haja apenas você consigo mesmo

Você e seu desejo de em nada pensar

Apenas sentir o ar entrando e saindo de si

O sangue circulando em suas veias

Levando oxigenação e vida a todo seu corpo

Irrigando a mente e a alma

O coração pulsando…

Que há em sua mente?

O que permanece ali

Brilhando ainda mais quando os olhos se fecham

Que se mantém a despeito de tudo

Isso que brilha na escuridão de seus olhos fechados

Que se torna mais nítido num mundo calado

É aquilo pelo qual vale a pena viver…

Alda M S Santos

Deixa

DEIXA

Deixa a luz entrar, devagar

Iluminar teu olhar, a todos encantar

Deixa a vida mexer, remexer

A dor arrefecer pra ninguém esmorecer

Deixa o mal virar pó

Todo ele, sem tempo, sem dó

Deixa o bem fluir, invadir

E a toda gente fazer sorrir

Deixa o amor acontecer

Não importa quando ou quanto

Seja prazer, faça aquecer

Da alvorada ao anoitecer

Deixa!

Alda M S Santos

Uma nova chance

UMA NOVA CHANCE

Ela ouvia a música no carro. Era noite, vidros semi abertos.

Cantarolava a canção pensando no mundo de coisas a fazer.

Dia seguinte seria o Dia das Mães, almoço, família…

Celular no colo para acionar GPS se precisasse. Ela se perdia facilmente.

O dia tinha sido puxado com a visita ao asilo. O porta-malas estava lotado de roupas para doação.

À noite tudo ficava mais confuso, lugares desconhecidos. Pegou umas fichas para o encontro de jovens na casa de um casal e já retornava para casa, queria descansar.

Descendo a rua o celular escorregou e caiu no chão do carro. Abaixou-se para pegar, reduziu a marcha e quando levantou já tinha uma arma apontada para a sua cabeça.

Foi tudo muito rápido, ele já entrou empurrando-a para o outro banco.

Ela tremia e chorava, enquanto ele gritava para ela calar a boca. Olhos vermelhos, moletom enorme, capuz. Era jovem e muito magro!

Ela implorou para ser deixada para trás. Que poderia levar tudo, mas que a deixasse.

“Cala a boca, cala a boca, cala a boca”- ele gritava enquanto passava as mãos na cabeça soltando o volante e segurando desajeitadamente a arma.

Com um medo enorme e com muita pena dele ela disse:

“Amanhã é Dia das Mães, sou mãe, tenho filhos, tenho mãe, por favor me deixe aqui”.

“Cala a boca, cala a boca”- drogado, ele gritava!

“Por favor, tenho dois filhos, você tem mãe”?

Nessa hora ela sentiu a arma batendo com muita força em sua fronte. Não viu mais nada!

Voltou a si sem saber onde estava ou quanto tempo tinha passado. A cabeça latejava…

Tentou se levantar, tudo escuro, bateu a cabeça, as pernas não conseguiam se esticar. O cheiro de amaciante e uma luzinha por uma pequena fresta fizeram-na perceber que estava trancada no porta-malas.

Claustrofobia e medo tomaram conta dela. Onde estava?

Carros ao longe, cachorros latiam. Estava num lugar deserto.

Esperou um pouco e teve medo de que tocassem fogo no carro. Tinha acontecido isso muito por ali!

Começou a forçar a tranca batendo forte os pés. Chutava o canto dos faróis e gritava por socorro!

“Por favor, alguém me ajude, fui sequestrada, socorro”- gritava e chorava e chutava o carro fazendo muito barulho.

“Quem está aí?- ouviu uma voz lá de fora .

“Fui assaltada, estou trancada no porta-malas, por favor me tira daqui!”

E ela chorava mais ainda, de medo, frustração, dor, agonia…

Mas quando ouviu vozes perto do carro, alguém acionando a polícia, e a porta do carro se abrindo para ela sair por dentro, entre tantos sentimentos prevaleceu o da alegria.

Estava a salvo, ele a tinha deixado sobreviver por algum motivo.

Estava a muitos quilômetros de casa.

As lágrimas rolavam insistentes, mas só pensava na alegria de estar viva para o Dia das Mães.

Uma oração silenciosa: “Obrigada, Senhor”!

Alda M S Santos

O abismo

O ABISMO

A música tocava, ela seguia

Na estrada longa e vazia

Vez ou outra um carro surgia

E sumia…ela seguia

Pra onde não sabia, apenas ia…

O céu de intenso azul reluzia

Ela olhava, admirava, e a lágrima escorria

Que era aquilo lá longe na via

Algo naquele lugar a atraía

E, então, mais rápido ela seguia

Cansada, parou à margem de um abismo

Ele lá estava, muita agonia

Olhava lá para baixo, tão distante, intensa magia

Um medo estranho ela sentia

Ali ficou sentada, balançando os pés, nada resolvia

Sentindo o peso que o abatia

Olharam-se, um tácito acordo surgia

Por fim, olhou de novo para o sol que se punha no horizonte

Amanhã de novo ele nasceria

Então, decidiram-se: como o sol eles seriam

Todas as noites adormeceriam

Mas na manhã seguinte sempre acordariam

Dispostos a brilhar por mais um dia

E o abismo para trás deixariam…

Alda M S Santos

Com o coração

COM O CORAÇÃO

Quer que dê certo?

Coloque sempre o coração

Se ele se alegra, prossiga

Se ele chora, reavalie

Se faz alguém chorar

Mude de atitude

Se ele está só, dê-lhe atenção

Tantas vezes falta na solidão

É a própria companhia

Aquela da qual nunca podemos abrir mão

Sentar num cantinho qualquer

Vasculhar nossos cantinhos esquecidos

Cutucar mesmo onde dói, limpar as feridas

Deixar a luz entrar, arejar

E conversar conosco mesmos

Fazer as perguntas certas

Ser sincero nas respostas

E novas atitudes tomar:

Nunca desistir de nos amar!

Cuidar de nosso emocional

É fundamental…

Viver com o coração

É ter a melhor razão para nunca desistir de si

É ter munição de sobra para as batalhas cotidianas

Com o coração pode até demorar mais

Mas a vitória é garantida!

Alda M S Santos

Idosos: nosso passado, nosso futuro

IDOSOS: NOSSO PASSADO, NOSSO FUTURO

Carentes de amor, carentes de afeto

Uma memória repleta de passado

Um futuro distante, meio incerto

Um presente às vezes magoado

De quem quer alguém ao seu lado

São idosos, muitos anos idos

Tempo para o o idoso é algo duvidoso

A barra de rolagem está quase no fim

Querem amor, abrigo, amigos

São nosso passado e futuro, enfim…

Dia dos idosos para quê?

Para nos lembrar de que o tempo passa

Para nos fazer as mãos estender

E para finalmente entender

Que essa é parte importante do viver…

Alda M S Santos

Ainda me ama?

AINDA ME AMA?

Sei que me ama

Quando sou sorriso, alegria, atividade

Sei que me ama também

Quando sou entrega, amor, pura sensualidade

Ou luz, carinho, bondade, verdadeira amizade

Mas será que me ama ainda

Quando tudo fica escuro

O sorriso vira lágrima

A atividade cessa

O amor não tem pressa

A alegria arrefece

A sensualidade adormece…

E aí? A amizade se compadece?

Seu amor está condicionado a quê,

Para que possa permanecer ao meu lado?

Posso contar contigo, meu coração

Para ser, mesmo nos erros, meu abrigo, meu irmão?

Alda M S Santos

Eu quero

EU QUERO

Quero uma bússola,

Que me dê um norte

Que me aponte o caminho

E me torne mais forte…

Quero uma âncora,

Que me mantenha firme

Só a suavemente balançar

E não me deixe me afastar

Do que for um bom lugar…

Quero uma vela,

Que me leve lentamente

Ao sabor do vento,

Do bom sentimento

Para um lugar de autoconhecimento…

Quero asas grandes, coloridas

Que me levem para bem alto

Para apreciar os encantos

De uma vida mais bonita…

Quero um colo, bem quentinho

Que me ampare, me dê carinho

E me faça entender rapidinho

Que na vida o que vale mais

Pode estar bem pertinho…

Eu quero!

Alda M S Santos

Tudo de você

TUDO DE VOCÊ

Há alguém que conhece tudo de você

Tudo, tudo mesmo?

Suas qualidades, suas vitórias, seus sorrisos

Suas lágrimas, medos, fracassos

Preconceitos, mesquinharias, covardias

Aquilo que você tem vergonha de admitir até para si mesmo?

Não te vê apenas maquiado, mascarado

Do jeito que quer que te vejam

Mas enxerga além da superfície

Vê sua capacidade de se doar

Conhece seus direitos e avessos

Suas sedas suaves, suas belas costuras e bordados

Seus rotos, esfarrapados, cerzidos?

As vezes que caiu, levantou, derrubou ou salvou alguém

Aquelas em que quase desistiu

Ou que prosseguiu por prosseguir

Te encontra nos dias em que o sol brilha

Mas também naquele cantinho escuro de sua alma

Para onde você vai vez ou outra

E ficaria ali com você sendo seu abraço, seu apoio

Numa conversa verdadeira infinita…

Há alguém para quem você seja transparente

E mesmo assim te reconheça como belo ser humano

Que respeita sua história, não desiste de você

Está perto e, ainda assim, te ama?

Além de Deus, que nos ama com amor piedoso e misericordioso

Talvez você mesmo, que se entende e se aceita

Se possui outro alguém assim

Você é muito mais rico do que pensa…

Há alguém que saiba tudo, tudo de você?

Alda M S Santos

Momentos ilha

MOMENTOS ILHA

Existem pessoas de muitas personalidades

Emotividades, atividades, jeitos e trejeitos…

Cada qual, exatamente por essas particularidades,

Tem sua beleza, seu encanto

Criticar e se afastar é contraproducente

Cada um de nós “exige” ou doa um tipo diferente de atenção,

De carinho, de vida, de emoção…

Deus, em Sua infinita sabedoria,

Nos fez desse modo exatamente para nos completarmos

Não somos pedaços, mas podemos interagir para crescer

Ninguém é uma ilha isolada

Podemos até ter nossos momentos ilha,

Mas estamos cercados de seres humanos por todos os lados.

Em algum momento teremos que interagir uns com os outros

Para nadar e atravessar para o outro lado

Nossas semelhanças nos tornam humanos,

Nossas diferenças nos tornam vivos

Semelhanças e diferenças nos fazem amar

E viver…

Alda M S Santos

Desculpe-me

DESCULPE-ME

Desculpe-me pelas vezes em que não te ouvi

Por aquelas que fingi nada sentir

Desculpe-me pelas vezes que te fiz sofrer, chorar

E num pranto sentido mergulhar

Desculpe-me pelas vezes em que seu jeito desrespeitei

E fiquei perdida, desesperei

Desculpe-me por tentar fazer de ti o que não és

Para agradar aos outros, em tanto revés

Desculpe-me pelas vezes em que fui tão coração

E te magoei sem razão

Desculpe-me pelas vezes que, afoita,

Não te dei tempo para se recolher, repensar

Desculpe-me pelas vezes em que não vivi

Por medo insano de viver, quase morri

Desculpe-me, meu interior,

O lado mais verdadeiro de mim

Pelas vezes em que fingi não estar a fim

Desculpe-me pelas vezes em que errei

E quase joguei fora a chance de viver, não perdoei

Felizmente, aprendi, enfim

O que sou é o que há de mais belo e real para mim

E, antes de qualquer um, devo a mim mesma perdoar, amar

Até quando for permitido juntas este caminho atravessar…

Desculpe-me!

Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar que estou no mundo das possibilidades

Que ainda que algo se quebre, não dê certo

Sempre haverá novas realidades

Quero acreditar que estou num mundo direito

Que ainda que ele se vire do avesso

Sempre será possível fazer de novo, bem feito

Quero acreditar que estou no mundo dos sonhos

Que ainda que eles se tornem pesadelos

Nunca serão cansativos, enfadonhos

Quero acreditar que estou no mundo das amizades

Que mesmo que a gente chore ou sofra

Sempre teremos nelas a reciprocidade

Quero acreditar que estou no mundo da beleza

Que mesmo que tudo fique seco ou frio

Ainda acharei refrigérios na natureza

Quero acreditar que estou no mundo do amor

Que mesmo que ele esteja repleto de medos

Sempre será pra nós bem sedutor

Quero, preciso acreditar!

Alda M S Santos

Que somos?

QUE SOMOS?

Para alguns somos abraço bom

Para outros cumplicidade

Para outros ainda, a bondade…

Para alguns somos doçura

Para outros acolhimento

Para outros ainda, aborrecimento…

Para alguns somos a luz

Para outros, sintonia

Para outros ainda, a magia…

Para alguns somos sorriso

Para outros, sensualidade

Para outros ainda, amizade…

Para alguns somos companhia

Para outros, agonia

Para outros ainda, terapia…

Para alguns somos apenas dor

Para outros, jabuticabeira em flor

Para outros ainda, verdadeiro amor…

Para alguns somos beleza

Para outros, fortaleza

Para outros ainda, delicadeza…

Para alguns somos só euforia

Para outros, sabedoria

Para outros ainda, ousadia…

Para alguns somos razão

Para outros, coração

Para outros ainda, solidão…

Para alguns somos briga

Para outros, intriga

Para outros ainda, a própria vida…

Para alguns somos o sonho

Para outros, realidade

Para outros ainda, a saudade…

E a vida assim se faz veloz

Entre aquilo que somos para os outros

E aquilo que eles são para nós …

Alda M S Santos

Inteiros

INTEIROS

Não dá para viver como metades

Meias verdades não colam

Meias palavras não falam

Meios caminhos não levam a lugar algum

Meias certezas não descem

Meias vontades nada produzem

Meias curas não resolvem

Meios amores não acalentam

Meias vidas não satisfazem

Precisamos de totalidade

Precisamos de inteireza

Inteireza no amor, na paixão

Inteireza na compaixão, no amor irmão

Inteireza na alegria, na felicidade

Inteireza na verdade, na fraternidade

De metade em metade

Passamos a vida em pedaços

Partes que não se encaixam

Quebra-cabeças que não se completam

Não dá para buscar uma metade no outro

Nossas metades estão dentro de nós mesmos

Juntá-las nos torna inteiros

Prontos a encontrar outros inteiros, amiúde

E viver uma vida de completude…

Alda M S Santos

Sou parte

SOU PARTE

Apenas um pontinho na imensidão

Um grãozinho em tamanha grandeza

Uma parte aparentemente insignificante

Diante de tão vasta e maravilhosa natureza

Ainda assim, mesmo um pontinho ali, faço parte

Tanto verde, tanto céu, tanta vida, tanta história

E posso em tudo influenciar

Por atividade ou inércia

Posso modificar o ciclo natural das coisas

Tudo que faço ou não faço

Tem efeito dominó, atinge a tudo e a todos

Tem efeito bumerangue, retorna para mim mesma

Essa energia que a tudo atrai, repele ou contagia

Que se faz harmonia, magia, sintonia

Mostra que fazemos parte

Somos importantes por aqui

É uma grande responsabilidade

Sou parte! Somos parte!

Alda M S Santos

Na praça

NA PRAÇA

Na praça a vida passa

Rapidamente ou devagar

Pra lá e pra cá segue a massa

Sem parar, sem pensar

Na praça tem coreto, tem jardim

Tem igreja, santos e fiéis

Tem bancos, escadarias, ambulantes e cordéis

Tem flores, pássaros e jasmins

Na praça a vida se faz inteira, se faz pedaços

Tem paquera, beijos e abraços

Tem namoros e amassos

Tem alegrias, esperanças e cansaços

Bem ou mal, conscientes ou nem tanto

Vamos deixando nossas marcas

Enfatizando sorriso ou pranto

Nos corações dessa gente tão afoita

Tentando se fazer encanto…

Alda M S Santos

Aqui tem cachoeira

AQUI TEM CACHOEIRA

Aqui também tem cachoeira

Bela, forte, até assustadora

Se a gente der bobeira

Ela nos leva, arrebatadora

Atrás da queda, bem escondidinho

Os pássaros se reúnem, cantam juntinho

Saem ligeiros em revoada

Quem vê logo pensa

De onde veio essa passarada?

A queda d’água forma uma piscina

Onde nadam moças e moços fugindo da rotina

Sobre todos baila um sereno fininho

Ali, afoitos, roubam abraço e beijinho

Cachoeira, calor, sol, natureza

Venha se banhar, faça parte dessa beleza

Quer encanto, sossego, paz

Viva sem isso tudo se for capaz!

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

Dom de ser feliz

DOM DE SER FELIZ

Cada humano traz consigo o dom de ser feliz

Para cada qual usar como melhor lhe aprouver

Uns guardam, enterram

Outros economizam, usam pouco

Outros ainda gastam tudo de uma só vez

Há ainda os que o compartilham com os demais

Tem gente que o busca em grandes feitos

Atos heróicos ou intensas emoções

Mas ser feliz é simples

Pode estar no mar, na rosa ou num dedo de prosa

Em doar amor, fazer amor, ser o amor

Em buscar a magia na poesia, na sintonia

Não adianta buscar no outro o dom que está em si

O exterior pode até acender a centelha

Mas cabe a cada um manter acesa a chama

Que o torna um ser humano inteiro e feliz

E aprendemos, finalmente

Que o dom de ser feliz se multiplica

No ato da partilha, da divisão

Ninguém é feliz sozinho

Mas se a felicidade não nascer em nosso coração

Nada de fora será capaz de despertá-la

Como você tem usado esse dom que recebeu da Criação?

Alda M S Santos

O mundo lá fora

O MUNDO LÁ FORA

É bom levantar voo, viajar, voar, conhecer o mundo

Desbravar o universo lá fora, o mundo desconhecido

Mas isso só é válido se tivermos para onde voltar

É bom, é preciso ter mar aberto para navegar

Tanto quanto é preciso ter cais para retornar

É bom ter um céu azul infinito para plainar

Desde que se tenha onde pousar

É bom mergulhar nas profundezas do mundo de alguém

Mantendo um pé firme cá fora

Para podermos voltar para dentro de nós mesmos

Quando tudo parecer ruir, desmoronar

Nunca devemos ir a lugar algum

Se não soubermos de onde estamos saindo

E para onde poderemos voltar…

Alda M S Santos

Muita sede ao pote

MUITA SEDE AO POTE

Quem vai com muita sede ao pote

Com muita ânsia e gula em busca de saciedade

Acaba por derrubá-lo e morrer de sede

Se se demora demais perde-se o pote para outro sedento

Bom mesmo é ir devagar

Gole por gole, um pouquinho de cada vez

Antecipando o prazer da satisfação

Saciando aos poucos o desejo que se apresenta

Vale para todo tipo de sede

De água, de vinho, de amor ou de carinho

Física, profissional, financeira ou emocional

Se não se busca pelo pote d’água morre-se de sede

Se se quebra o pote perde-se o conteúdo

Morrendo de sede à beira do rio…

Tudo é uma questão do tamanho da sede

E da sabedoria na hora de satisfazê-la…

Tá com sede?

Alda M S Santos

Nossos desertos

NOSSOS DESERTOS

Em nossos desertos internos

Pode faltar água

O sol castigar a pele

A aridez do solo queimar os pés

As tempestades de areia machucarem o corpo

O calor excessivo do dia causar alucinações

A friagem congelante da noite paralisar a emoção

Mas nunca se perde a esperança

De descansar à sombra de um arbusto

De encontrar vida ativa

De encontrar um oásis…

Essa espera que nos faz enfrentar todos os medos

Toda a secura de nossos desertos internos

O desejo de sobreviver é maior

Mas é a expectativa e a visão de um oásis mais à frente

Que nos alimenta nesse duro caminhar

Que abastece o coração de vida

Que mantém a alma em atividade e estado de espera…

Não importa quando

Apenas sabemos que o oásis irá chegar…

Isso basta!

Alda M S Santos

Minha política

MINHA POLÍTICA

Não, eu não discuto política

Ela me entristece, magoa, fere, me tira do eixo

Faz-me perder as esperanças num mundo melhor

Prefiro viver a política como posso: agindo

Tentando ser a leveza onde tudo pesa

A balança para equilibrar desigualdades

A mão que se estende a quem está só

O colo que abraça e acolhe quem está perdido

Mesmo que eu mesma precise de colo também

Que chore, perca as esperanças ou a fé

Que também ache que não tem mais jeito muitas vezes

Agindo como posso na posição que estou

Não gosto de radicalismos

E é só isso que tenho visto em ambas as partes

Óbvio que tenho minha posição

Eu sou pelo amor, sempre

Eu o utilizo como minha régua, minha ferramenta

Minha medida para qualquer coisa ou situação

“O quanto há de amor nisso?- sempre me questiono

Avalio a qualidade das pessoas pelo amor

Ele me permite ter a tolerância suficiente com os diferentes

Ele me permite tentar entender quem pensa diferente de mim

Ele me ajuda a olhar pela perspectiva do outro

Ele me faz questionar até que ponto estou certa

Minha política é viver o amor, levar o amor

Portanto, sou contra qualquer exclusão, de qualquer tipo

Minha política é amar e fazer o bem, sempre

Qualquer coisa que fugir a isso, não me interessa

Não terá meu apoio ou aprovação!

Qual sua medida, sua régua?

Alda M S Santos

Em preto e branco

EM PRETO E BRANCO

Muitas vezes sou cor, multicor, sou arco-íris

Noutras sou preto e branco

Nuances de cinza, em sombras

Há quem me veja só em cores

Brilho, sorrisos, flores e amores

E me ignore quando preto e branco

Quando saudade, dor, lágrimas e apatia

Sou assim, essa mistura, essa aquarela, essa energia

Mas nenhum arco-íris surge antes da tempestade

Sem a chuva, o cinza , o medo não há magia

Só merece o brilho e intensidade das cores do arco-íris

Quem soube aceitar, lidar com o cinza, ser sintonia

Das próprias tempestades e ventanias

E não fugiu dos vendavais dos outros

Soube ser cais, ser porto

Daqueles que fazem nosso clima mais ameno

Em qualquer tempo, cor ou intempérie…

Como você se vê, me vê?

Alda M S Santos

O que você vê?

O QUE VOCÊ VÊ?

O que você vê quando olha para a vida ?

Uma estrada longa, quente e comprida

Ou uma sombra refrescante na subida

O sol forte que queima e dá lombeira

Ou seu brilho e calor que te faz desejar uma cachoeira

A chuva forte sem hora, sem cabimento

Ou o arco-íris que ilumina o firmamento

As árvores que produzem flores e frutos no quintal

Ou a sujeira que fazem no local

O mar azul que acolhe os banhistas

Ou a maré alta que invade a pista

A Lua Cheia que abraça os namorados

Ou a escuridão onde se escondem os marginalizados

A moça bonita, de olhar distante,

Sentada na areia, na beira do mar

Ou aquela de andar vacilante

Sonho distante, a caminhar?

Qual o seu olhar para a vida?

Isso irá determinar

O quanto ela pode ser colorida…

Alda M S Santos

Onde você quer ficar?

ONDE VOCÊ QUER FICAR?

Na vida há cobertor que não aquece

Água que a sede não mata

Abraço que a dor não amortece

Amizade que nó não desata

Há estrelas que não amenizam a escuridão

Sol que não ilumina nosso caminhar

Saudades que nos tiram o chão

Rios que não chegam ao mar

Há males que não nos deixam arredar pé

Há compaixão para a alguém estender a mão

Também tem energia que nasce junto da fé

E sabedoria ao tocar com delicadeza um coração

Na vida há também luz que vem de dentro

Amor que nos põe no centro

Calor que brota e alastra da alma parceira

Beijo que aquece a vida inteira

Na vida há todo tipo de lugar

Só precisamos saber onde queremos ficar…

Alda M S Santos

Nossos descartes

NOSSOS DESCARTES

Tudo que vivemos, usufruímos

Para o bem ou para o mal

Nos leva a produzir muitos lixos

Lixos físicos, lixos mentais, lixos emocionais

Nossos, dos outros, compartilhados

Muitos são só isso mesmo: lixos

E devem ser descartados, jogados fora

Enterrados, incinerados

Nada podem nos produzir de útil

Apenas entopem, lesam, pesam

Sobrecarregam nosso corpo, mente e alma

E nos fazem estacionar, morrer

Mas há lixos bons, são sucatas, reaproveitáveis, recicláveis

Renovam-se como árvores, a cada estação

São aqueles que nos ensinam a viver mais

Nos estimulam a criatividade

Ajudam a crescer, a evoluir, a amar melhor

O segredo do bem viver

É saber bem separá-los

Não ficar guardando lixos caco de vidro

Que quando menos esperamos machucam, cortam fundo

E jogando fora lixos que dariam uma linda obra de arte

Para enfeitar a galeria de nossas vidas

Vamos aprender?

Alda M S Santos

Mulher/menina

MULHER/MENINA

Ela caminha pela vida

Vestindo sorriso de menina, alma de mulher

Ou será sorriso de mulher, alma de menina?

Tanto faz, mulher/menina ou menina/mulher…

Ela caminha pela vida

Levando abraços, beijos, delicadeza

Em busca de resgatar da vida a pureza

E absorver da rosa a beleza…

Ela caminha pela vida

Deixando onde passa pequenas partes de si

Em cada canto um encanto

Junto a uma fragrância de jasmim…

Ela caminha pela vida

Trazendo consigo na alma, no sorriso

As cicatrizes de cada alegria, cada perigo

E as marcas de onde encontrou abrigo…

Ela caminha pela vida

Mulher/menina, menina/mulher

Até quando puder…

Alda M S Santos

Queria dormir

QUERIA DORMIR

Às vezes quero dormir

E acordar noutro lugar

Não sei se isso seria morrer

Mas tenho vontade de descansar

Não me acostumo a ver tanta dor

Tanta luta, tanta frustração

Se queremos apenas um viver

Sem tanta mágoa e violação

Mesmo tão triste e desanimada

Eu me recuso a fugir

Limpo as lágrimas, sorrio, coragem renovada

Prefiro ficar aqui e agir

Dormir. e acordar noutro lugar

Para outro dia irá ficar…

Alda M S Santos

Viagem

VIAGEM

Entre todas as viagens maravilhosas que já fiz

Na terra, no mar, no ar, pelo universo

A pé, usando rodas, velas ou motores

Longas ou curtas, sozinha ou acompanhada

Na beira de um rio, no alto de um pico

No meio do oceano, no alto, nas nuvens

Mergulhada nas páginas de um livro

Entre os takes de um bom filme

Nos versos de um poema escrito na varanda ao luar

A mais completa de todas foi sem sair do lugar

Nas cenas que busco ou crio na minha imaginação

Interagindo com meu universo interior

Edito, dou replay, apago, refaço

Avanço, passo em câmera lenta…

Mexo e remexo ao meu bel prazer

Ela não tem medos, não tem censura

Não tem limites ou barreiras

Não fere, não machuca, nem mata ninguém

Ela é livre e voa…

A viagem para dentro de nós mesmos

É a melhor que podemos fazer…

Alda M S Santos

Eu escolho

EU ESCOLHO

Entre as tantas partes de mim

As bem antagônicas ou paradoxais

Que todos nós temos, afinal

Eu escolho as que me fazem mais feliz

Que podem me tornar mais acessível

A quem precisar de ajuda, de amor fraterno

Aquelas bem claras em detrimento de outras escuras

As alegres como dia de sol

Mesmo gostando da nostalgia dos dias nublados

As flores perfumadas no jardim

Ao invés do conforto do quarto escuro

O sorriso e as palavras de incentivo

Ignorando a desesperança e tristeza

Não fecho os olhos para o que há de mau por aí

Para o que há de negativo em mim

Apenas tento, sempre que posso

Optar pelo que sei, por experiência própria

Que fará bem a mim

E a quem de mim se aproximar…

Longe de agradar a todos

Tento ser fiel a mim mesma

E nisso já tenho bastante trabalho…

Alda M S Santos

A primeira vez

A PRIMEIRA VEZ

Nunca se esquece ou se apaga

A emoção da primeira vez

Os primeiros amigos, as brincadeiras

Primeiro dia na escola, primeiro namorado

Um olhar, um beijo, um sorriso

O mergulho no mar, a escalada até uma cachoeira

Casamento, maternidade…

A vida é feita de emoções

Aquele friozinho na barriga, rosto ruborizado

Respiração entrecortada, ansiedade descontrolada

Tudo isso dá prazer de viver

Essa montanha russa alucinada

Mas nada se iguala ou se compara

À tranquilidade de uma vida sossegada

Um tranquilo carrossel que gira

A emoção de um rio que segue seu curso

Com alguns entraves no caminho, algumas quedas

Encantando-se com alguns banhistas que nele mergulham

Mas sem grandes sobressaltos, repleta de amor

A certeza de saber para onde vai, sem medos

Sendo valorizado, querido, amado…

Uma vida boa é feita de entrega e muitas primeiras vezes

Mas é melhor ainda uma vida

Que é feita de uma primeira vez que se eterniza…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: