Busca

Tag

Sentimentos

Um pé e um coração fraturados…

UM PÉ E UM CORAÇÃO FRATURADOS …

Um pé quebrado, machucado

Pé engessado, pé fraturado

Dói muito, dor aguda, dor sofrida

Uma muleta, uns saltos, uns cuidados

Em dois meses logo está curado

E basta umas sessões de fisioterapia

Para poder voltar pra lida

Coração machucado, magoado

Dói tanto, dor que não tem nome, peito apertado

Desilusão que não tem remédio

O mundo parece feio, acabado

Que fazer para acabar com esse mal, esse tédio?

Sensação de que tudo foi em vão

Tristeza que atinge a alma

Dor que vem da profunda decepção

Que se pode fazer para retomar de novo a calma?

Será que se engessado, em repouso colocado

E com umas sessões de psicoterapia

O coração estará pronto para de novo ser amado

E reencontrar de novo a alegria?

Dar tempo ao tempo, não se culpar

Deixá-lo alegrias viver

Ter fé, confiar em si mesmo, se amar

E nunca da vida se esconder

Assim se cura um coração magoado

Afinal, perdeu foi quem não soube ser amado…

Alda M S Santos

De volta para casa

DE VOLTA PARA CASA

Quero pegar o caminho mais gostoso

Nem sempre flores, tantas vezes pedregoso

Quero pegar um atalho que me leve ao que amo

Àquilo que nunca deixou de existir

Quero pegar o caminho de volta para casa

Quero pegar o caminho do qual me afastei

Em busca daquilo que estava tão perto

Quero pegar o caminho que tão bem conheço

Que poderia perfazer de olhos fechados até aqui

Quero pegar o caminho de volta para casa

Quero pegar o caminho que me leve até mim

Aquela que outros caminhos percorreu

Voltas e voltas que deu para chegar cansada, voltar crescida

Quero pegar o caminho de volta para casa

Aquela que sempre esteve aqui

Que sabe o que quer e habita em mim

E logo percebi que todos os caminhos, afinal,

Eram necessários para me trazer de volta para casa

Para me trazer de volta para mim …

Oi! Voltei! Senti saudades!

Alda M S Santos

Eu me rendo

EU ME RENDO

Um friozinho da manhã

A relva toda molhada de orvalho

Um passeio a cavalo

O sol brilhando atrás da serra

Eu me rendo…

Pássaros cantando, bois mugindo

Cachorros brincando, patos nadando

A vida acontecendo

Eu me rendo…

Uma tarde preguiçosa

A rede na varanda

Todos parecem aboletados em algum canto

Uma soneca relaxante, aroma de café

Eu me rendo…

A noite chegando

A escuridão abraçando todos os espaços

Todos buscando abrigo

A lua reinando no céu

Gatos namorando em cima do telhado

E a gente cá embaixo

Eu me rendo…

A vida acontecendo lá fora

A vida acontecendo cá dentro

Eu me rendo…

Alda M S Santos

Sob o luar

SOB O LUAR

Sob a luz intensa do luar

Quero relaxar, me entregar

A um banho quente, envolvente

Que afaste tudo da mente

Exceto o prazer de ser gente

Quero um banho de Lua!

Sob a beleza da Lua

Por uma noite sem fim, sem pudor

Ou por toda a vida, de alma despida

Poder sem medo me abrir, me expor

Preciso de um banho de Lua!

Sob o poder e encanto da Lua

Deixar tocar e brilhar em mim

Raios de amor, gotas de poesia

Da pele suave à alma nua

Pura magia…

Quero um banho de poesia!

Embriagada de poesia ao luar

Mergulhada na ânsia de amar

Um nostálgico desejo me faz te chamar

Não quer comigo também se banhar

No mar, sob o luar?

Precisamos nos banhar

De lua

De poesia

De amor…

Alda M S Santos

Universo paralelo

UNIVERSO PARALELO

Alguns parecem viver num universo paralelo

Distantes e avessos ao que é tido como normal

Não gostam de seguir a boiada

Lutam por algo diferente, bem mais natural

Autênticos e verdadeiros

Não ferem a própria essência

Preferem ficar à margem

Ainda que acusados de demência

Entre tantos descaminhos

Dores e atrocidades de alta magnitude

Viver num universo paralelo

Além de autoproteção, chega a ser grande virtude…

Alda M S Santos

Aboletada

ABOLETADA

Ando meio cansada

Ainda não sei bem de quê

Quero apenas ficar aboletada

Até descobrir o porquê

De tanto andar desse jeito

Inquieta e sempre atarefada

Mesmo não sendo nenhum defeito

Quero mais é ficar aboletada

Andei levando alfinetada

De gente que não é muito camarada

Mas não me importo, sou arretada

E ficarei, sim, aboletada

Pensando, meio encasquetada

A uma conclusão cheguei

Tão bom ficar aboletada

Que até já descansei

E antes de ser mal interpretada

Seguirei assim agitada e com a vida encantada

E deixo uma coisa decretada

Sempre que quiser ficarei de novo na natureza aboletada!

Alda M S Santos

Injusta

INJUSTA

A vida pode ser cruel

Dolorosa, intensa, parcial

A cada um de nós caberá

Torná-la menos desigual

Muitas vezes parece tão longa

Noutras é por demais curta

Mas é o que fazemos por ela

Que a tornará menos injusta

Buscamos no outro a alegria

Ou a paz que de nós fugiu

Sequer percebemos que está na gente

O prazer de viver que um dia sumiu

Mesmo injusta ela é só nossa

Mas se torna mais bela

Quando destrancamos portas fechadas

E sorrisos abrimos em nossa janela…

Mesmo injusta ainda podemos fazer dela

Uma linda e encantadora aquarela…

Alda M S Santos

Na multidão

NA MULTIDÃO

Na multidão procura-se amenizar a solidão

Mas na multidão aumenta-se ainda mais essa sensação

Se com alguém dali não houver uma conexão

E enquanto não se perde essa ilusão

De que muita gente não é para ela a solução

A solidão continuará a apertar o coração…

Solidão é estado interior

É desarmonia entre tanta gente dentro da gente

Com tanta gente do lado de fora

É alma desgrudada do corpo

Mal que não se resolve no exterior

Um sintoma que é falha na sintonia interna

Ou ausência de um amor:

O próprio!

É preciso reconectar-se!

Alda M S Santos

Gratidão

GRATIDÃO

Entre os mais belos sentimentos

Figura a nobre gratidão

Saber reconhecer o valor

De quem sempre te estendeu a mão

A ela compara-se apenas a compaixão

O saber se colocar no lugar de um irmão

E para ele transferir o que temos de melhor no coração

Você pode ser ou fazer de tudo

Mas se não souber ser agradecido

Àqueles que te ajudam a ser o que é

Nunca será bom de verdade

Fazer o bem é gratidão

Ser gratos à vida, a Deus, ao universo

Nos fortalece, nos reabastece

Daquilo que nutre e alimenta toda alma grata:

O amor!

Alda M S Santos

Sobre amor, sobre amar

SOBRE AMOR, SOBRE AMAR

Se não valoriza o que você é

Se te pede para fazer o que você não gosta

Se quer te fazer outra mulher

Ou não se importa com o que você quer

Não te ama!

Se não te prioriza

Se não diz que você é linda

Se não te olha nos olhos

Nem te abraça apertado

Não te ama!

Se não passeia contigo

Se não assiste com você um filme de amor

Se não dança agarradinho à sua cintura

Se não dorme de conchinha

Nem toma banho juntinho

Não te ama!

Se não te protege

Se te põe em risco

Se põe em dúvida sua moral

Ou faz de tudo um vendaval

Não te ama!

Mas se tem um olhar especial

Um ombro que te cabe direitinho

Um beijo de arrepiar o cangote

Um abraço de urso quentinho

Coração grande e terno colinho

Palavras e ouvidos de puro carinho

Principalmente, respeita o seu jeitinho

E aceita seu amor, mesmo imperfeito

Ele te ama!

Mas sobre amor, sobre amar

Só a gente mesmo para saber ou falar…

Alda M S Santos

Baile dos Namorados!

BAILE DOS NAMORADOS

É noite de baile!

Nas canções começa toda a magia

Sob luzes, ora juntos, ora separados

Alegria contagiante, sinergia

Uns mais contidos, outros mais animados

É noite de baile!

Banda retrô, sessenta, setenta ou oitenta

Somos todos transportados via coração

Ativa-se a máquina do tempo

Levando todos para outra dimensão

É noite de baile!

O baile é dos casados, eternos namorados

Reina paz, carinho, aproximação

Tudo ali se atrai, se renova

Não há como fugir dessa emoção…

É noite de baile!

Alda M S Santos

Depende…

DEPENDE…

Um manhã ensolarada e morosa ou uma tarde longa e chuvosa

Uma noite na roça ao luar ou uma tarde na areia à beira-mar

Um inverno congelante ou um calor sufocante

Diante de uma sofisticada lareira ou em volta de uma simples fogueira

Uma cidadezinha do interior formosa ou uma grande metrópole famosa

Uma cachoeira na floresta ou uma praia deserta

Um sábado numa boate lotada ou um filme debaixo do edredom na madrugada

Um traje de gala sofisticado ou um vestido de flores delicado

Depende…

Tudo vai depender da companhia que se tem

Mais vale a escuridão de um caminho com um alguém

Que a iluminação de outro, na solidão, sem ninguém…

Alda M S Santos

Imperfeita

IMPERFEITA

Ela é assim, imperfeita

Interessante, atraente, convidativa

Ora boa, outras nem tanto

Mas com fé a gente se ajeita

Ela é assim, imperfeita

Bela, cinzenta ou colorida, engraçada

Faça rir ou faça chorar

Ninguém nunca a rejeita

Ela é assim, imperfeita

Inteira ou faltando pedaços

Repleta de amores e desamores

E de coragem que a gente respeita

Ela é assim, imperfeita

Nem sempre como almejamos

Mas é a vida que a gente não enjeita

E a amamos mesmo assim:

Imperfeita!

Alda M S Santos

Dentro do coração

DENTRO DO CORAÇÃO

Afixados nas paredes de um lar de idosos

Acima de cada cama, estão ali, à mostra

Uma colagem dos sonhos de cada um

Feita de recortes de revistas e um bom papo

Sonhos não têm idade

Nascem e crescem dentro do coração da gente

Uns tornam-se realidade

Outros existem para fazer brilhar a luz do olhar

De quem insiste em viver nesse lugar…

Ali para todos verem, expostos em papel

Os sonhos desses idosos falam, gritam

“Tenho muitos anos de vida

Mas nunca deixarei de sonhar

Pois quando isso acontecer

Já terei deixado de viver…

Alda M S Santos

Não me cabe

NÃO ME CABE

Nessa caixa não me cabe

Não é que eu não seja flexível

É que ela tende a me moldar

Colocar num padrão que me machuca

E que não vai me agradar

Nessa caixa não me cabe

Dobra daqui, dobra dali

Tira um pedaço desse lado

Aperta o outro, transfere de lugar

Até eu não mais me identificar

Nessa caixa não me cabe

E mesmo se coubesse eu não gostaria

É que prezo a liberdade de ser o que sou

Colocar-me ali me mataria

Nessa caixa não me cabe

Não sou boneca para viver em caixa, preciso de ar

Prefiro jardim, mata, rio, mar ou cachoeira

E assim quero viver a vida inteira…

Alda M S Santos

Tudo é novo!

TUDO É NOVO!

Tantos momentos únicos, ímpares

Como todos eles o são

Mesmo que pareça tudo igual

Não há repetição…

O entardecer acontece todo dia no horizonte

Mas sempre com novos matizes

A aurora desponta todas as manhãs na serra

Clara, intensa e brilhante na nossa janela

Mas não somos os mesmos a observá-la

Cada olhar, cada abraço, cada raiva ou decepção

Sempre ficarão para trás, serão passado, ainda que a gente queira segurá-los

Amanhã, novos olhares, novos abraços, novas raivas ou decepções

E o amor…

Esse que doamos ou recebemos é sempre novo

E isso é o motor do viver…

Alda M S Santos

Demolição

DEMOLIÇÃO

Demolir é tão importante quanto construir

Tantas vezes é pré-requisito para uma nova construção

Trincar, quebrar, desmoronar, ruir

O que não serve mais deixar cair, jogar no chão

Entregar-se, se preciso, à emoção

Sofrer, chorar, lamentar, mas levantar

Das ruínas tirar uma lição

Aproveitar o que for útil, der suporte

Regar com suor, sorrisos ou lágrimas esse chão

E ali construir base sólida, forte

Aproveitar a demolição para recomeçar

Nova e bela construção

Um novo castelo nascido em nós ressurge

Só assim mantém-se vivo nosso coração…

Alda M S Santos

Prazer instantâneo

PRAZER INSTANTÂNEO

Despertar um sorriso no olhar

Por mais discreto que seja

É tarefa prazerosa demais

Um sorriso lá, outro cá

E a tristeza não tem lugar…

Tantas vezes é preciso tão pouco

Para fazer alguém feliz, para sentir-se feliz

Nesse mundo tão louco

Onde quase nada de bom se ouve, se diz

Há coisas cuja reciprocidade é instantânea

Carinhos, beijos, abraços e sorrisos

Quando simples e verdadeiros

Na alma têm efeito bumerangue

Vão e voltam de maneira simultânea

Delicioso prazer momentâneo de caráter duradouro…

Alda M S Santos

#carinhologos

Pessoas

PESSOAS

Lembrar das pessoas de nossas vidas

E perceber o que cada uma fez ou deixou em nós

Deixa-nos ora saudosos, ora aliviados

É trabalho catártico, terapêutico

Vêm à mente palavras ou ações

Boas ou ruins, algumas já esmaecidas ou quase apagadas

Outras ainda marcantes como digitais

Muitas vezes nos esquecemos do cheiro, da voz, das palavras, do olhar

Mas sempre nos lembraremos

Da sensação que nos causaram

Dos sentimentos despertados

De como nos acordaram para a vida

Ou do modo que nos apagaram ou jogaram para baixo

Focar nos sentimentos bons que ficaram em nossa alma

É um modo inteligente de seguir em frente…

Pessoas são pessoas, errando ou acertando

Ser marcante positivamente

Deixar boas lembranças registradas nos corações dos outros

Deve ser um propósito de vida…

Alda M S Santos

Coretos

CORETOS

Para mim, coretos remetem a interior

Interior de cidades,

Interior da gente…

Qualquer cidadezinha tem ao menos um

Qualquer pessoa já subiu em um!

Todos temos num coreto uma história

Em cada história uma saudade

Sempre são pontos turísticos,

Nas praças das igrejas, nos centros, nos jardins,

Músicas, festivais, passeios de casais de mãos dadas,

Revisitamos e nos esbaldamos nas lembranças

Olhares, paqueras, romance, namoro…

E uma foto no coreto…

Olha o passarinho!

Alda M S Santos

Guanhães MG

Zoo

ZOO

Nesse mundo animal

Quero ser um bicho qualquer

Desde que bem selvagem e irracional

Guiado pelos naturais instintos

Sabedor do bem e do mal

Nesse mundo cheio de razão

Quero ser de outra espécie ou philo

Aqui não há vez para o coração

Não quero ser homosapiens

Abro mão, prefiro ser emoção…

Nesse mundo tão perdido

Descaminhos, escuros, vacilos

Onde tudo já parece falido

Quero de novo me encontrar

Entre bichos não corrompidos encontrarei abrigo

Mundo zoo!

Alda M S Santos

Presentes

PRESENTES

Há muitas maneiras vistosas

Coloridas, enfeitadas com laçarotes

Que certos “presentes” são embrulhados

E a nós oferecidos por aí

Como consumidores vorazes

Muitas vezes até pagamos para tê-los

E a decepção é grande

Ao notarmos que a propaganda era enganosa

Que a ideia não era assim tão original

A vitrine nos fazia ver brilho onde não existia

Novidade no que era apenas repetição

Mesmo produto ultrapassado com nova roupagem

O conteúdo não correspondia ao embrulho

Notamos que “levamos gato por lebre”

Fomos ludibriados…

Será mesmo?

Podemos mesmo culpar o engodo do outro

Ou devemos assumir nossa vaidade

Ao querer levar algo tão “valioso e belo”

Sem avaliar sabiamente o que era oferecido?

A culpa é de quem presenteia

Ou de quem se deixa presentear?

Nesse comércio onde tudo se vende ou se troca

Sábio é quem sabe o que comprar

E não se deixa mais enganar…

Alda M S Santos

Nudez

NUDEZ

Fiquemos nus!

É preciso ser autêntico, real

Retirar as máscaras

Que escondem o que é feio

Arrancar os disfarces

Que cobrem o que não é tão agradável

Lavar com água fria

Todo resquício de maquiagem

Apagar qualquer sinal

De adereços ou acessórios complementares

Mostrar exatamente aquilo que somos

Sem medos de rejeição

Para o outro, nosso espelho

Para nós mesmos, nossa autoaceitação

Silenciar qualquer artifício

Usado para impressionar

Fiquemos nus!

Beleza precisa se sustentar na nudez

Não na nudez do corpo

Beleza precisa se sustentar

Na nudez da alma

Límpida, clara, transparente e encantadora

És capaz de se apresentar nu?

Alda M S Santos

Fazer as pazes

FAZER AS PAZES

É preciso fazer as pazes

Com aqueles que nem sempre agimos como deveríamos

Pelas atitudes não tomadas quando necessário

Pela inaptidão em estender a mão

Pelo uso inadequado dos dons recebidos

É preciso fazer as pazes

Pelos erros cometidos contra os outros

Voluntária ou involuntariamente

Pela incapacidade de voltar atrás e desfazer algo

Pelos medos que impedem de seguir em frente

Mas é preciso, principalmente, fazer as pazes consigo mesmos

Encarar a própria fragilidade e/ou (des)humanidade

Reconhecer-se falho, errante, imperfeito, aprendiz

Perdoar-se, propor-se a fazer diferente daí em diante

E seguir…

Reconciliar-se com o outro é fundamental

Mas passa pela reconciliação conosco mesmos

Façamos as pazes!

Alda M S Santos

Visita preciosa

VISITA PRECIOSA

Certas visitas quando chegam

São tão preciosas e queridas

Fazem-nos vibrar, sentir bem

Simplicidade e beleza que encantam

Mostram que o ambiente está receptivo

Trazem a paz consigo e nos dão sensação de pertencimento

A esse lugar, a esse plano, a essa natureza tão rica

Nos fazem crer que resta ainda uma esperança

Para o nosso tão lindo planeta

Que nos foi dado a cuidar e amar

Que pode ainda haver salvação

Para nossa alma, nosso coração

Para nós mesmos como membros dessa humanidade tão complexa

Precisamos acreditar e agir

Proteger-nos como espécie integrante de um todo maior

E, principalmente, fazer tornar sempre atual a lição

Amar aos outros como a nós mesmos

Aqui somos visitantes apenas

Que deixemos melhor que encontramos…

Alda M S Santos

Jeito de olhar

JEITO DE OLHAR

Um passo atrás pode ser avançar

A tempestade pode vir para limpar

A queda pode ensinar a levantar

O vendaval pode colocar as coisas no lugar

Tudo depende do jeito de olhar

Chorar ensina a valorizar o sorriso

Medo e inércia nem sempre são coisas de indeciso

Talvez seja um modo de usar o perigo

Para encontrar melhor abrigo

Tudo depende do jeito de olhar

Solidão nem sempre é ausência de companhia

Talvez seja escolha de pessoas

Que usam de muita sabedoria

Ao não insistir em buscar no outro

Aquilo que encontram em si mesmas: paz e sintonia

Tudo depende do jeito de olhar

Preta, branca, cinza ou multicor

A vida sempre será uma tela

Para artistas que pintam com estilo e amor

E usam a paleta preferida para torná-la ainda mais bela…

Tudo depende do jeito de olhar

Do jeito de a vida encarar …

Alda M S Santos

Lançando laços

LANÇANDO LAÇOS

A vida eu sigo lançando laços

Desfazendo nós, conquistando abraços

Numa brincadeira séria procuro me divertir

Ora sou mágica, ora bailarina, ora palhaça

Nesse circo faço meu espetáculo

Percorro caminhos, venço distâncias, detono o cansaço

Não provoco grandes barulhos ou estardalhaço

Me protejo, no picadeiro tento não me partir em mil pedaços

Mesmo que, muitas vezes, seja ferida pelos estilhaços

Sigo nessa travessia em busca de luz e paz

Procuro demarcar meu próprio espaço

Tentando não depender de aplausos

Cuidadosa para não afastar os gostosos amassos

Nesse eterno vai e vem, levanta e cai

Me desembaraço, me enlaço, me desfaço e me refaço

Alinho a fé, a coragem e nossos passos

Para chegar ao final dessa travessia num único compasso

Sigo a vida lançando laços…

Alda M S Santos

Silêncio barulhento

SILÊNCIO BARULHENTO

No meu silêncio barulhento acalmo meus gritos

No meu barulho silencioso afogo minhas angústias

Silêncios que gritam, gritos que calam

Pacífico tormento…

Nas minhas angústias molhadas rego meus solitários momentos

Desses momentos (re)nascem traumas e sonhos

Dessa solidão bem nutrida colho as mudas de esperança

E descarto os medos já crescidos

Feito mato entre flores, enfrentamento

As esperanças viçosas e perfumadas tal qual rosas vermelhas

Alimentam e alegram meu viver nesse jardim, puro renascimento

E quanto mais as distribuo por aí

Mais elas crescem e perfumam em mim…

Alda M S Santos

Deixe o vento levar…

DEIXE O VENTO LEVAR

Se está difícil fique contra o vento

Sem medos ou anseios

Abra os braços, a alma, sem lamento

Deixe o vento levar…

Feche os olhos, deixe-se tocar

Arrepiar, arrancar todo o tormento

Não segure nada que machuca ou angustia

Deixe o vento levar…

Forte ou frágil, seja resistente, sem ressentimento

Se só traz dor ou impede seu crescimento

Deixe o vento levar…

Inspire fundo, expire, libere todo o sentimento

O que for bom retornará para ti

Sem prejuízos ou arrependimento

Deixe o vento levar…

O que ficar vale uma vida, ainda que por breve momento…

Alda M S Santos

Fim

FIM

Do princípio ao fim

Ou do fim ao princípio

Tantas questões dentro de mim

Chego só, volto só

Enfim, qual é o propósito

Disso tudo, Serafim

Será o fim?

Aterrisso sem nada saber

Tenho tanto ainda para aprender

E já começo a voltar

Para casa regressar

Perco a mobilidade, a habilidade

A memória e, por vezes, a consciência

Não é uma incongruência

Disso tudo, Serafim?

Tudo que amealhei por aqui

Não mais me pertencerá

O que me acompanhará é aquilo que ganhei ou perdi

Conquistei ou doei, e que poderei também deixar

Com quem esteve comigo do princípio ao fim

Chego nua, volto vestida de Lua, perfume de jasmim

Várias fases, brilho e luz…

Um ciclo que se fecha em mim e me conduz…

Alda M S Santos

Sobras

SOBRAS

O que sobra aqui, falta lá

O que sobra lá, falta aqui

Espiritual, material, emocional

É preciso contrabalançar

Vivemos para tentar equilibrar

Fazer com que sobre menos

Lá e cá …

Diminuir as carências

De lá e de cá…

Equalizar essa balança

E fazer dessa dança existencial

Mais do que um solo que encanta

De preferência, um dueto emocionante

Um espetáculo sem igual…

Alda M S Santos

Estar perto

ESTAR PERTO

Quando algo incomodar a quem se ama

Nem sempre é preciso expor, falar, dialogar

Um simples silenciar pode ajudar

Às vezes nada concreto falta

Talvez apenas uma angústia no existir

Uma saudade de não se sabe o quê

Uma mágoa qualquer do viver, do porvir

Uma esperança por um sonho difícil

Pode ser uma preocupação excessiva

A fé que esqueceu de se fortalecer

Algo bom que deixou de acontecer

Ou apenas uma fase de muito cansaço

Dores emocionais, carência pessoal

Para qualquer uma dessas coisas

Basta ficar pertinho, estar ali, bem sentimental

Um toque, uma presença, um carinho especial

É um remédio sem erro, de eficácia total!

Alda M S Santos

Põe na conta

PÕE NA CONTA

Aquele sorriso amarelo e sem graça

Aquela angústia que machuca e o peito amassa

Aquela vontade de chorar que não passa

Põe na conta das tristezas que nos fazem crescer

Aquele sol que nos acorda com alegria

Acompanhado de um beijo de bom dia

E de um café quente que anestesia

Põe na conta dos encantos que nos fazem florescer

Aquele sonho bom do qual não queremos acordar

Aquela lembrança ou saudade gostosa que nos faz vibrar

Aquele abraço e cuidado que só o amor é capaz de proporcionar

Põe na conta das esperanças que nos fazem viver…

Alda M S Santos

Uns e outros

UNS E OUTROS

Há quem prefira encurtar caminhos

Outros optam por alongar-se nas distâncias

Há quem prefira devorar um biscoito

Outros o degustam saboreando pedacinho a pedacinho

Há quem prefira tomar e levar

Outros preferem conquistar e serem levados

Há quem prefira ganhar no grito

Outros gostam da suavidade encantadora de um sorriso

Há quem alce voos longínquos e inimagináveis

Outros preferem manter-se perto, não se afastar dos demais

Há quem prefira viver na segurança dos nados na superfície

Outros mergulham em busca de encantos escondidos

Há quem prefira ter fama, sucesso e veneração alheias

Outros contentam-se em não perder a própria admiração

Há uns e outros…

Todos lutando por um espaço!

Alda M S Santos

Overdose

OVERDOSE

Overdose de informações

Contradições e imposições

Sobra mentira, falta verdade

Sinto-me grogue

Chuva de insanidade

Cataclismas de infortúnios

Perdas, roubos, assalto da individualidade

Sinto-me em curto-circuito

Overdose apocalíptica, letal

Meteoros destruidores, esse é o intuito

Queda de princípios, choque anafilático

Como combater esse mal?

Overdose, excessos, povo fanático

Vou-me embora, fugir desse quartel general

Preciso da alegria e da paz do meu quintal…

Alda M S Santos

Válvula de escape

VÁLVULA DE ESCAPE

Uma válvula para aliviar a pressão

Para relaxar de toda tensão

Uma corrida no fim de tarde

Uma conversa com toque de saudade

Um cineminha de mãos dadas ao anoitecer

Um sorvete na praça da igreja para espairecer

Um livro na rede ao luar

Dançar num baile até cansar

Ou uma caminhada à beira-mar

Seja qual for sua válvula de escape

Nunca a deixe de ativar

Não aliviar a pressão

Pode causar grande confusão…

Alda M S Santos

Marqueteiros do amor

MARQUETEIROS DO AMOR

Deixe-se contagiar, não se vacine

Não feche as portas do coração

Distribua “quentinhas”, abraços, remédios

Faça arte, cante, dance, pinte, doe carinho

Espalhe esperança num mundo melhor

Baixe a guarda, deixe-se atingir

Abra sua alma, deixe esse “vírus” do bem te pegar

Ele te imuniza contra tristeza

Afasta a angústia e desesperança

Abastece suas reservas emocionais de alegria

Cria uma barreira bem visível contra o mal

Há muitos vírus do ódio e da indiferença por aí

Assim como também há vírus do amor e da esperança

Apenas o mal é mais divulgado, mais propagado

Seu merchandising tem sido melhor

Pulverize o bem, contagie alguém

Seja marqueteiro do amor

Amor é contagiante!

Alda M S Santos

#carinhologos

Uma festa

UMA FESTA

A vida é uma festa, independente da magnitude dela

Se uma pequena reunião ou um grande baile

Só precisamos nos situar

E saber em qual parte dela estamos

Na fase da preparação

Planejamento, expectativa, ansiedade, preocupação

No auge, a hora em que ela rola, pura emoção

É só curtição, alegria, brilho, animação

Mas se for fim de festa, quando todos vão embora

É cansaço, limpeza, organização

Aí vem a fase do “vazio”

Aquele que existe entre o fim de uma festa

E a preparação de outra

Fase do repouso e descanso, fase de germinação

E uma festa não acontece sem passar por cada etapa

Aproveitar o que cada uma oferece é essencial

Saber que o fim de uma festa

Não é o fim da vida ou da alegria

É início de outra fase de preparação

Novas festas sempre virão

Até o fechar definitivo do salão…

Alda M S Santos

Amplitude emocional

AMPLITUDE EMOCIONAL

Um pico de extrema alegria, prazer, euforia

Outro de grande tristeza, dor, apatia

Qual a amplitude emocional

A distância média que separa os picos opostos?

Oscilação emocional que causa choques e rachas

Como reduzir a amplitude emocional

O morno que tempera o quente e o gelado

A companhia que é meio termo entre a solidão e a multidão

O amor que quebra o gelo do tanto faz

A paz que equilibra esses extremos

Onde encontrar?

Alda M S Santos

Pacto sagrado

PACTO SAGRADO

Apesar de parecer uma coisa só

Certas coisas não estão necessariamente ligadas

Ter uma igreja e ser uma igreja não são a mesma coisa

Ter Deus no coração e nas atitudes é diferente

É possível ter Deus sem frequentar qualquer igreja

E ser, racionalmente, ateu ou agnóstico

Assim como é possível estar dentro de um templo todos os dias

E não ter Deus em si mesmo

Na vida diária junto aos outros

O ideal seria aquele pacto sagrado

Que fazemos conosco mesmos:

Ter Deus em nós e em nossas ações

Independente do que acontece a nossa volta

De quem nos cerca, do ambiente profano que se agiganta

Ou do falso sagrado que se propaga

De quem usa Seu nome para se autopromover

Mas O mantém longe de si

Deus está em nós quando se reflete nas nossas atitudes

Façamos este pacto sagrado:

Levar e refletir Deus em nós e em tudo que fizermos

Alda M S Santos

Prescreveu?

PRESCREVEU?

O crime prescreve, o mal idem

A dor, a angústia, a decepção

Até o amor prescreve

Deixa de fazer sorrir

Passa o tempo e tudo prescreve

Deixa de fazer sentido, deixa de fazer sentir

Certo? Talvez!

Não prescreve o que é reescrito

Dia após dia, continuamente

Grafado com a pena e o tinteiro do eterno

Pintado com cores vivas, tinta a óleo

Emoldurado com arte, cuidado e beleza

Assinado com letras firmes e legíveis

Pendurado nas paredes centrais de nosso existir

Prescreve?

O que é verdadeiro nunca prescreve!

Alda M S Santos

Quero voar

QUERO VOAR

Não quero voar muito alto

Não quero atingir grandes altitudes

Tampouco alcançar outros planetas ou galáxias

Atingir pontos nunca alcançados

Se estiver sozinha…pesada

Prefiro voar baixo, plainar na altura das nuvens

De onde possa ver todos que voam também

Que ajeitam suas asas, que lutam

Que traçam um plano de voo e o seguem

Ou que precisam mudar por danos ou condições climáticas

Que ajudam a fortalecer as asas de outro “pássaro”

Que não ficam atrapalhando a rota

De quem já sabe voar

Não quero voar muito alto

Se para isso estiver “empatando” voo alheio

Se estiver pesando as asas de alguém

Se não puder levar comigo aqueles que amo…

Quero voar, mas quero levar vocês comigo!

Alda M S Santos

Névoa

NÉVOA

Névoa fina e densa que amanhece

Como aquela que vez ou outra desce e fica dentro da gente

Que invade todos os espaços

Adentra cada cantinho escondido

Não aquece, esfria, não ilumina, escurece

Mas é o sinal de um tempo passado, que esmorece

Prenúncio de chuvas, tempestades

Ou de sol forte mais tarde?

Quem sabe resquícios, sobras, lembranças

Daquilo que um dia foi sólido

E, em forma de nebulosidade, retorna

E logo se condensa em nós

Névoa fina que cai

Em forma de saudade…

Alda M S Santos

É mágico

É MÁGICO

É mágico caminhar sobre o tracejado feito pelo coração

As linhas retas, as curvas sinuosas

Perfazer trilhas aconchegantes e arborizadas

Subir encostas escorregadias e perigosas

Naquelas partes mais difíceis do caminho

Abrir os braços buscando equilibrar-se

Valer-se do olhar de incentivo e aquiescência do outro

E, se cair, que seja nos braços daquele que nos acompanha

É mágico

Caminhar nas marcas deixadas pelo coração

Sem tirar os pés do chão, tampouco deixar de voar e sonhar

É mágico trocar um sorriso de paz e “estou aqui”

Com quem divide conosco esse tempo e trajeto

Nas mãos dadas pelo companheirismo

Nas mentes em sintonia pelo respeito

Nas almas que cantam em uníssono a alegria de viver

E de estar juntos…

É mágico!

Alda M S Santos

Miniaturas

MINIATURAS

Somos miniaturas do mundo lá fora

Dessa bela natureza e vasto universo

Tudo em nós está em movimento

Somos perda e reparação

Somos destruição e reconstrução

Entre atração e repulsão

Formamos nossa galáxia interna

Nesse mundo interior tão cíclico

É necessário haver espaço para a dor de perder

Para a alegria de renascer

É preciso juntar os pedaços de nossa alma

Cada uma tem um lugarzinho especial nesse nosso multiverso

E é de extrema importância nesse nosso “passeio” por aqui

“Na (nossa) natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma…”

Alda M S Santos

O som do silêncio

O SOM DO SILÊNCIO

Silêncio fala, silêncio grita

Na linguagem universal da dor

Da saudade ou do amor…

No entanto nem todos ouvem

Som em altíssima frequência

Quem ouve e não entende se incomoda

Busca um refúgio, faz barulhos diversos

Quer tirá-lo desse transe de comunicação

Tenta de outro modo algo dizer

Silêncio…

O som do silêncio é calmante

Para quem sintoniza na mesma frequência

Silêncio…

O som do silêncio é estressante

Para quem só ouve o nada que tanto diz

Silêncio…

Silenciando vamos tudo dizendo

Àqueles que sabem ouvir…

Alda M S Santos

Outon(ando)

OUTON(ANDO)

Cores amarronzadas, folhas secas, leves, caídas

Levadas pelo vento friozinho que arrepia a pele

Deixo-me levar suavemente

Tal qual folha caída da gigante árvore

Busco um repouso num cantinho qualquer

Encolhimento, proteção, recolhimento

Tempo de hibernar, dormir, voltar para dentro de si

Repor energias, reabastecer o corpo

Tudo é silêncio, cuidado, organização do caos

Aquecendo a alma e o coração vou outon(ando)

Aguardando um casulo crescer, a borboleta se formar

Linda e necessária estação

Lá fora e cá dentro…

Até um novo florescer…

Alda M S Santos

Não vale!

NÃO VALE!

Não vale sufocar, tirar o ar

Não vale enterrar viva uma raiva

Um sentimento ou uma emoção

Não é saudável engolir as lágrimas, engolir em seco

Expresse-se!

Chore, gargalhe, grite, perdoe, peça perdão

Cultive apenas o que faz bem, ame!

Tapar uma ferida não cicatrizada

É cultivar uma infecção que pode ser fatal

Deixe rolar, deixe sair, purgar, ir embora

Represas super lotadas se rompem

Baús estufados mofam, trancas enferrujam

É preciso liberar espaço para o bem circular

Para o sorriso aquecer, a vida fluir…

Alda M S Santos

Silencie!

SILENCIE!

Às vezes o que precisamos é nos afastar de todos

Para nos sentirmos mais acompanhados, menos sós

Apagar os holofotes para podermos acender a luzinha que satisfaz

Silenciar para ouvir aquilo que a alma grita

Entender nossos monstros para poder derrotá-los

Errar para aprender a perdoar, a perdoar-se

Parar um pouco para conseguir prosseguir

Sentar com nosso anjo protetor e bater um longo papo

Quebrar-se todo para aprender a ser de novo inteiro

Às vezes precisamos fechar os olhos

Para poder enxergar aquilo que é essencial

E não está do lado de fora…

Feche os olhos, silencie!

Alda M S Santos

Houve um tempo

HOUVE UM TEMPO

Houve um tempo em que os dias eram pequenos

Para tanto que se havia a fazer

Também houve um tempo em que eram tão longos

Por não saber exatamente o que fazer…

Houve um tempo em que percebi

Que a extensão dos dias está diretamente ligada ao prazer de viver

Hoje os dias têm o tamanho que têm de ter

E a eles eu me adequo, tendo ou não o que fazer

Sabendo que haverá um tempo

Que não notarei sua extensão

E nada poderei fazer

Exceto lembrar do que fiz ou deixei de fazer

Houve um tempo…

Alda M S Santos

Cachoeira do Tabuleiro- Conceicao do Mato Dentro

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: