Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

barreiras emocionais

Não gosto

NÃO GOSTO
Não gosto de saber
Dessa vida tão passageira
Não gosto de não saber
Das necessidades não atendidas
Não gosto de querer
Impossibilidades
Não gosto de não querer aquilo que me cabe
Não gosto de me envolver naquilo que não tem sentido
Não gosto de estar à parte do que tem verdadeira importância!
Não gosto da ausência de respostas
Não gosto de parecer mal agradecida
Não gosto de não gostar
Tento muito gostar
Mesmo do que não mereça meu gosto, meu gozo, meu prazer…
Gostando ou não gostando,
Vou seguindo meu caminho
Fazendo meu viver
Enquanto não perecer.
Alda M S Santos

A casa

A CASA
Era uma casa tão linda, iluminada, acolhedora
Ajudou a construir, tijolo a tijolo, decorou
Conhecia cada detalhe, cada recanto, cada morador
Cada espaço especial, cada fresta
Pontos fortes, fragilidades, a tudo amou
Abriu janelas, escancarou portas
Plantou flores, distribuiu perfume, delicadezas espalhou
Regou todos os canteiros do jardim com cuidado
Ajeitou as imperfeições do telhado
Grandes festas houve ali, bem animadas
A Lua refletindo na linda casa do lago testemunha dos afagos
Algumas tempestades enfrentou, ventanias acalmou
Ir e vir de visitantes encantados superou
Tinha naqueles corredores livre trânsito
Mas agora a chave se perdera, não a possuía
Já não tinha mais fácil acesso ali
De fora tudo parecia diferente, nada se apresentava do mesmo modo
A casa permanecia perfeita, cada dia mais formosa
Entre tantas outras na rua, bem parecidas, era a mais linda, tinha história
Sentia-se orgulhosa com tão linda construção
Morada que sempre faria parte de seu coração
Se quisesse entrar precisaria bater à porta
Aguardar permissão para estar em comunhão
Era um novo modo da vida seguir, continuar
Novas paredes construir, se proteger, telhados levantar
Sempre, sempre plantar belos jardins, cuidar, enfim
E jamais se esquecer que nunca, nunca se perde na vida por amar

Alda M S Santos

Pegadas

PEGADAS
Se daqui a um século
Tudo que existir de você
For aquilo que deixou registrado
Em palavras, versos quase apagados
Se seguissem suas pegadas
Aquelas impressas, leves ou pesadas
Conseguiriam ao menos de você fazer um esboço?
Em tudo que compôs, escreveu
Que iria sobressair como seu?
Paz, esperança, amor, tranquilidade
Medos, lutas, persistência, coragem, solidariedade
Qual seria seu retrato, seu moço?
Não é preciso um grande feito para se eternizar
Vários pequenos feitos também têm seu lugar
Suas pegadas, poetas, são suficientes
Para seu presente no futuro te eternizar?
Alda M S Santos

É preciso

É PRECISO

Não dá para engolir ou segurar
Aquilo que fica preso no peito
Que parece que vai entalar ou machucar
Se não fizer algo a respeito

Sentimento foi feito para se expressar
Não importa se é bonito ou feio
Se está preso pode uma hora estourar
Não vale a pena por nele um freio

Se for tristeza deixe a lágrima lavar
Se for desarmonia deixe o diálogo acertar
Se for decepção ache espaço para o perdão
Se for solidão busque outro coração

Se for alegria deixe o sorriso iluminar
Se for amor, deixe ocupar seu lugar
Se for esperança deixe a alguém contagiar
É preciso, de todo modo, a alma extravasar

Alda M S Santos

Dores

DORES

Qual a dor que mais dói em nós,
Aquela que nos isola, nos deixa sós?
A que corta laços, cria nós
Ou será a que o mundo todo escurece
E as cores já não nos enternecem?
Qual a dor que mais dói em nós
A que é forte, caráter pulsante
A que nos põe em luto, amargurante
A que nos torna um rio de lágrimas a brotar
Ou aquela que nos deixa tensos, sem lugar?
Qual a dor que mais dói em nós
Aquela em que culpamos a nós mesmos por ingenuidade
Ou a que a outros atribuímos, por insensibilidade?
Qual dor que mais dói em nós?
A que se cura com um chá e um analgésico
Ou aquele que pede mesmo é um colo, um abraço, doce anestésico?
Qual dor dói mais em nós?

Alda M S Santos

Fragilidade

FRAGILIDADE

Dias que qualquer coisa te faz rir ou chorar
Emoções à flor da pele, sensibilidade total
Não importa se é algo bom que acontece
Ou a decepção que te enfraquece, já é normal
Acaba em lágrimas, como rio, desaguando
Não entende bem o porquê
Ou se entende não quer fazer fuzuê
A vida sacode, joga para baixo e para cima
Para ver se você se convence que essa é sua sina
Não adianta esconder, fugir, desaparecer
Sempre haverá algo para te fazer muito sorrir
Ou para te fazer chorar, sofrer
Ora querer seguir, ora desistir
Mas, como sempre, a vida segue suas trilhas
Será que faltam ainda muitas milhas?
Tem horas que gostaria de saber
Só para ver se valeria a pena esse viver

Alda M S Santos

Entre rosas e espinhos

DUETO POÉTICO

ANGOLA & BRASIL

ENTRE ROSA E ESPINHOS

Quem ama rosas, quem ama jardins
Sabe que entre tantas cores, perfume e suavidade
Há espinhos que fazem parte, são afins
Como a vida com seu pacote de maldade e bondade (AMSS)

Rosa encarcerada nos espinhos
que se vergam nos seus contornos
vive caçando orifício para sair
almeja turistas lá fora atrair (MK)

Não pode dizer que ama a rosa se não aceita seus espinhos
Não pode dizer que ama a vida e só aceita seus carinhos
Na rosa espinhos machucam, afastam invasores, são proteção
Na vida os espinhos servem de aprendizado, são lição para evolução(AMSS)

Espinhos seduzem raios ardentes do sol
para a rosa da vida murchar
a água nasce para a rosa regar
sorvando suas gotas sempre vai se erguer(MK)

A rosa é encanto, fala de amor, de atração
O jardim é seu espaço, mas pode estar em cada coração
Na vida é presente, é beleza, com espinhos ou não
É ofertada a quem se tem amor, admiração e devoção (AMSS)

Rosa inserida nos espinhos
enfrenta raios ardentes
com gotas refrigerantes
não enterra sua fé
de algum dia se solevar (MK)

Amizade pode ferir, amor pode machucar
A vida é mesmo assim, tudo vem para nos ensinar
Se se aprende com beijinhos, também se aprende com espinhos
Tudo vale por aqui, nessa vida de (des)caminhos (AMSS)

Rosa que inocente é
é esmagada por espinhos
lírio que se abre como
boca que aufere um beijo
suga tanto e tanto fumo
não negreja o seu queijo
é rosa que sufoca espinhos
e está perto da mercê (MK)

Alda Maria Silva Santos
Moisés Kudimuena

Refém

REFÉM

A vida às vezes nos faz reféns
De emoções, sentimentos, situações
Que muitas vezes não nos convém
Pressões que vêm do outro
Energias diversas que vêm de alguém
É difícil e embaraçoso ser refém
Não dá para ser feliz, viver bem
Estando preso à negatividade de outrem
Bom mesmo é a livre consciência
Por mais complicado que seja se abstrair
É necessário trabalhar em si, evoluir
Lidar bem com o que entra e o que sai
Deixar ficar em nós só a benevolência
Mandar embora, extirpar, sem maledicência
Acender a luz, a paz, e a escuridão se esvai

Alda M S Santos

Compreensão

COMPREENSÃO

Há quem seja pura sensibilidade e intuição
Mas também há quem seja uma negação
Em matéria de leitura e compreensão
Nem desenhando e colorindo entende não
Não entende quando a chuva cai
Tampouco quando a tempestade se vai
Se o Sol brilhar e fizer aquecer
Nem assim a alegria irá entender
Se o que o vento traz é harmonia
Fica bem, mesmo não entendendo a magia
Mas se não há brisa, há furacão
Luta, esbraveja, não entende a desconstrução
Se a noite chegar e trouxer a escuridão
Nem adianta gastar energia, tentar
Quem não conseguir ver quando o sol raiar
Tampouco enxergará na claridade de uma noite de luar
Mas deixa o barco seguir seu rumo
Logo a vida endireita, acerta seu prumo

Alda M S Santos

Quero fazer um pedido

QUERO FAZER UM PEDIDO

Quero fazer um pedido à estrela cadente
Pode tornar realidade o meu sonho mais urgente?

Quero fazer um pedido ao gênio da lâmpada de Aladim
Pode trazer um amor na medida só para mim?

Quero fazer um pedido aos mais valentes ancestrais
Podem nos ensinar a não lutar por motivos tão banais?

Quero fazer um pedido à chuva que cai torrencial
Pode levar embora tudo aquilo que me faz mal?

Quero fazer um pedido à fada que mora em mim
Pode me afastar os medos de uma vida assim, assim?

Quero fazer um pedido ao Deus do amor e da paz
Pode nos ensinar um viver um pouco mais eficaz?

Quero fazer um pedido a todo mago, amigo da poesia
Promete não me deixar desistir de nela encontrar a magia?

Alda M S Santos

Agradeça!

AGRADEÇA!
Se a alegria chegar, aproveite e agradeça
Se a saudade bater, curta-a e agradeça
Se o desânimo tomar conta, levante-se e agradeça
Se a descrença invadir a mente, avalie e agradeça
Se a tristeza tomar conta, chore, permita-se…
Mas retome a fé, ore e agradeça
Porque tudo nessa vida
Tem razão de ser
Só ficam sem propósito
As coisas das quais
Não extraímos o melhor.
A alegria, o sorriso, a fé
A esperança, o carinho,
A amizade e o amor,
Têm mais valor quando
Sentimos sua falta!
Alda M S Santos

Somos fortes

SOMOS FORTES
Quando a gente ouve ou diz “você é forte, vai superar, isso vai passar”
Não quer dizer pouco caso com a dor ou sofrimento do outro
Quer dizer, quase sempre, “sei como é isso, uma hora há de passar”
Ainda que quem diz não tenha superado nada
Apenas tem tentado seguir a vida
Aprendendo a cada passo do caminhar, sozinho ou não
Que não é fingindo que a dor não existe
Ou engolindo o choro, tampouco se escondendo do mundo
Que tudo irá se encaixar…
Enfrentar o que fere e sangra dentro de si
Fazendo curativos de fé, usando compressas de amor
Tendo esperanças em dias mais amenos, apagando pesadelos, ativando sonhos bons
Evitando culpas, recriminações e autopiedade excessivas, confiando em si mesmo…
Isso fará o sol voltar a brilhar um dia
Isso é ser forte!
Essa capacidade de resistir todos temos
Chama-se sobrevivência e é forte em todo ser vivo
Apenas oscila e tem botões acionadores diferentes…
Somos fortes! 😇🙏
Alda M S Santos

As surpresas da vida

AS SURPRESAS DA VIDA
A vida todo o tempo a gente surpreende
Nem sempre como gostariamos, positivamente
Tantas vezes entristece, enraivece, esmorece
Crescemos quando aprendemos, dia a dia,
A aceitar e lidar corajosamente
Com os revezes e ventos contrários que ela nos traz
E até a sorrir e brincar na adversidade
Dançando na chuva, brincando nas poças d’água
Quando o sol se esconde, não aparece
Buscando uma sombra quando ele chega com total furor
E nos amolece de tanto calor
De nada adiantam a fúria, a amargura
Com o tempo aprendemos a colher frutos até nas desventuras
Sabedores que na circularidade do existir
Ora estamos em cima, ora embaixo
E dá para nos divertir aqui ou ali
Até chegar a hora de partir
Isso se chama maturidade
E não depende tanto da idade
Mas da sabedoria que cultivamos em qualquer realidade

Alda M S Santos

Quero (re)escrever

QUERO (RE)ESCREVER

Quero fazer uso de um lápis mágico
Escrever, reescrever, desenhar, ilustrar
Uma vida cheia de sonhos para realizar
A cada traço do meu lápis mágico
Tornar o mundo mais belo e encantado
Nessa dimensão maluca poder girar, parar, descansar
Quando escrever amizade, poder unir amigos de qualquer idade
Se escrever cachoeira, logo estar banhando, sem bobeira
Se desenhar um jardim, sentir você perto de mim
Ao traçar uma rosa, nos envolvermos numa longa prosa
Ah, e se escrever amor, em qualquer cor
Que possamos ser doçura, intensidade, calor
Sem medos, sem culpas, sem pudor
Um lápis mágico que possa desenhar sem parar
E se errar, que possa redesenhar, sem magoar
Quero com meu lápis mágico traçar um destino
Navegar nele com alegria, mesmo em desatino
Não perder o norte, ser forte, suporte
Até reescrever o momento derradeiro da morte
Sabedora de que fui e fiz o que era preciso nesse plano
Voltar sem arrependimentos para casa…

Alda M S Santos
Tarde de poesias- Meu lápis mágico

Uma fada, um ogro

UMA FADA, UM OGRO

Uma fada invadiu suavemente meus sonhos
Brilhava, flutuava, chegava, desaparecia
Eu estendia os braços e ela a mim se unia

Numa brincadeira de luz e sombra, reluzia
Nesse constante vai e vem um ogro surgia
Amedrontada, frágil, ao lembrar dela me fortalecia

O ogro chegava, tentava, assustava
De gato e rato brincava, não agradava
Mas a fada sem medo se levantava, me ajudava

O ogro desistia, ia embora, se cansava
E para aquele mundo encantado eu voltava
Quase como uma só, a fada me acompanhava

No reino dos sonhos ela era parte de mim, me encorajava
Nenhum ogro mais se aproximava
Fugia daquela magia que até a ele encantava

Alda M S Santos

Uma fada me disse

UMA FADA ME DISSE

Um dia uma fada me disse
Que para ser feliz é preciso amor levar
Em qualquer situação, tempo ou lugar
Que tudo pode falhar, só o amor não pode faltar…

Ela é uma fada de grande coração
Sempre nos ensinando uma lição
O mundo precisa dar-se as mãos
Para, finalmente, serem mais irmãos…

A fada me fez ver a realidade
Que não devo me (pre)ocupar tanto com a humanidade
Se eu for carinho, luz, solidariedade
Já estarei agindo em nome da bondade

Fada é a luz da Natureza
E sempre encontra nela a maior riqueza
Aquela que nos aproxima de Deus, de Sua grandeza
Num encontro de rara e intensa beleza…

Um dia Fada Luz me falou
E seguindo seus passos estou…

Alda M S Santos

Querer, poder, dever

QUERER, PODER, DEVER

Posso querer tanta coisa nessa vida
Não quer dizer que tudo me convém
Que posso tudo aquilo que quero
Mas sei que deveria querer o que posso
Seria mais fácil o viver, menos emocionante talvez
Ou menos produtivo e rico
Mas certamente menos doloroso
Mais feliz? Não dá para afirmar.
O querer é o estímulo primeiro
O poder é a limitação da sociedade
O dever é a consciência gerada, prioridade
Qual será nossa maior verdade?
Entre o querer, o poder e o dever vamos vivendo
Em cada situação evoluindo, aprendendo
Equilibrando nossa balança emocional
Evitando ser levado por qualquer vendaval
Deixando apenas nos refrescar nas águas desse canal
Em suma, o que fica em cada um de nós
É o que sobra ao desfazer tantos nós
Querer, poder e dever
E assim vai seguindo o viver…

Alda M S Santos

Falamos

FALAMOS

Falamos todo o tempo
Não importa se por palavras
Ou se falamos no silêncio
O olhar que se fixa ou desvia fala
A lágrima engolida ou derramada fala
O sorriso amarelo ou rasgado fala
A introspecção e reclusão falam
Toda a expressão corporal fala
Perde muito quem só às palavras se atém
Somos lidos ou ouvidos no silêncio também
Um bom e sensível observador
Sempre será um bom leitor
Do que é escrito, falado ou silenciado
Mas aos quatro ventos é expressado
Você é um bom ouvinte e leitor, desavisado?

Alda M S Santos

Blindagem

BLINDAGEM

Lá fora há muita negatividade
Temos medos, receios, ansiedades
De nos expor ao que trará infelicidade
Nos blindamos, trancamos preciosidades

Queremos deixar entrar só o que faz bem
Nada de forçar passagem, não convém
Mas a mesma porta tão bem blindada
Não permite entrada, nem saída, nada

Se a luz não entra, ela também não sai
Se o medo toma conta, o sorriso se esvai
Cuidemos do que em nós sobressai

Não dá para da vida nos esconder, nos blindar
A mesma blindagem que pode do mal proteger
Pode impedir do bem e do amor acontecer

Alda M S Santos

Certo ou errado?

CERTO OU ERRADO?

Que é pra você certo ou errado
É certo o que está na lei registrado
Se foge a ela está tudo errado
Ou há outros meios de separar certo e errado?

A lei divina diz uma coisa, a dos homens, outra
Avalio como errado se ferir um coração
Mas há modo de viver no certo
Sem nunca magoar um alguém, um irmão?

Alguns afirmam que não erra quem ouve o coração
Outros já dizem que coração não tem razão
É insano e faz besteiras de montão

Sei que não se pode agradar todo mundo, não
Melhor ouvir a consciência, dosar razão/emoção
Já dá muito trabalho cuidar do próprio coração

Alda M S Santos

Palavras

PALAVRAS

Se quiser ferir alguém, use palavras
Cortam como lâmina, queimam como brasa
Ficam como agulhas na pele enterradas
A cada mexida a dor aguda é atiçada

Há quem as use até sem perceber
Não tem sensibilidade para entender
Diz que é apenas seu modo de ser
Que não machuca o outro por querer

Mas há outros meios de se eternizar
Um jeito perfeito para se fazer lembrar
Basta palavras doces e de amor usar

Usá-las bem é um dom bonito de se ter
Melhor compor versos, fazer enternecer
Sendo para o outro puro e intenso prazer

Alda M S Santos

Precisamos falar de dor

PRECISAMOS FALAR DE DOR

setembroamarelo

Eles podem estar chorando
Mas também podem estar aí sorrindo, tentando
Podem estar dentro do quarto, alheios
Mas podem estar dentro de si mesmos, aí no seu meio
Podem estar gritando em silêncio sua dor
E nós não termos jeito para lidar com amor
Podem estar flertando com a morte
Não vendo na vida nenhum pouco de sorte
Não é fraqueza, não é frescura,
É patologia, é doença, precisa tratamento
É dor que tem no amor e atenção parte da cura
É não sentir da vida a beleza, a candura
É querer sumir para um universo paralelo
Onde não sinta mais tanto medo, tanto flagelo
A morte é natural, faz parte da vida
Mas desejá-la não é normal
O setembro amarelo é para sensibilização
Podemos salvar um irmão
Vamos buscar informação?


cvv.org.br disque 188


Alda M S Santos

Firmando laços

FIRMANDO LAÇOS

Cansaço, medo, dor, preocupação
Repouso, um pedido em forma de oração
Que haja paz, que o mal não prevaleça
Que num belo sonho tudo se esclareça

Caminhos nebulosos, difíceis, assustadores
A vida se apresenta, mostra suas dores
Passando por elas, em cada uma, aprendendo
Em cada tropeço, evoluindo, crescendo

Força, fé e coragem são renovadas
Em frente, gratidão, não estamos sós
Há anjos amigos, enviados a nós

Somos usados para desfazer os nós
O bem em olhares, palavras, abraços
Reforçando a parceria, firmando laços

Alda M S Santos

À flor da pele

À FLOR DA PELE

Sensibilidade que fragiliza
Que arrepia a pele, aromatiza
Que desperta medos escondidos
Que faz brotar sonhos já banidos

Sensibilidade que pede mais amorosidade
Que luta pela vida com vontade
No silêncio pidão dos olhos a divagar
Na suavidade de um sorriso a encantar

Sensibilidade à flor da pele
Delicada feito rosa recém desabrochada
Forte pela tempestade já enfrentada

Sensibilidade à flor da pele
Basta um só olhar, um pingo de atenção
Para o mundo desaguar e aquecer o coração

Alda M S Santos

Meu mundo para

MEU MUNDO PARA

Nas mil voltas que esse mundo maluco dá
A gente vai tentando não cair, nos segurar
Apegando-nos a algo que nos faça seguir
Que não nos trave no mesmo lugar

Tantas vezes queremos tocar a campainha
Dar um sinal que avise que queremos parar
Cansados estamos, tontos, só queremos descer
Arrumar um cantinho, encolher para descansar

Girando por aí para todos os cantos
Notamos que tantas vezes precisamos é nos soltar
De algo a que nos apegamos e nos prende no mesmo lugar
Por não querer seguir, se envolver, participar

Tantas as travas, tantas as tristezas
Que podem fazer nosso mundo parar…
Urge focar nas alegrias, nos estímulos, no belo
No amor que precisamos para fazer nosso mundo girar…

Alda M S Santos

É preciso descansar

É PRECISO DESCANSAR

É preciso descansar
O corpo, a mente, o coração
A alma pede paz, hibernação
Mas se para isso precisar
Vamos o corpo todo trabalhar
Ou buscar nesse vasto mundo um lugar
Onde possa a alma se recuperar
Tanto medo, tristeza, decepção
A esperança já perdeu o verde, desbotou
O amor necessita novo calor, esfriou
A beleza necessita novo viço, foscou
A fé já não move nem um barranco, arriou
“Felicidade não existe, diz a canção
“O que existe na vida são momentos felizes”
Nessa perspectiva, vamos vivendo
De momentos em momentos, sobrevivendo
É preciso descansar, respirar
Para nova energia encontrar
Para cada medo, tristeza, decepção, superar
E o amor, a esperança, a fé, a beleza, atiçar
Cansaço do corpo logo se recupera
Cansaço da alma é outra situação
Mas um bom meio é estender a mão
É saber que ao ajudar um irmão
Gera sinergia, de coração para coração
É preciso descansar…

Alda M S Santos

Matemática da vida

MATEMÁTICA DA VIDA

A matemática da vida nem sempre é exata
Muitas incógnitas permanecem desconhecidas
Nem todo problema tem uma solução
Não dá para resolver toda equação

Nem toda adição gera ganho real
A subtração tantas vezes parece mais natural
Para multiplicar é preciso primeiro bem dividir
Para não zerar,  desanimar ou desistir

Regra de três no amor não funciona
Um mais um que é a verdadeira soma
Mas a capacidade do coração é incalculável
E o valor de X é muito variável

Mas não se preocupe com isso, não 
Se um problema não se resolve com a razão
Na matemática do viver use a emoção
Quase sempre ela dita a melhor solução

Alda M S Santos

Mergulhos

MERGULHOS

Mergulhar em nossas águas turvas
Adentrar espaços de escuridão
Alcançar o fundo de nossas angústias
É um modo de encontrar absolvição

Seres em constante evolução
Precisamos do que vem lá de fora
Aquilo que movimenta nosso interior
Nos atiça, anima, impulsiona, revigora

O outro aciona nossa fonte de energia
Aquilo que traz para nós o caos
De onde irá brotar a rosa da sabedoria

Conhecer o outro é necessário, importante
Também interessante saber o que se passa no exterior
Mas nada se compara a desvendar nosso próprio interior

Alda M S Santos

O que me move?

O QUE ME MOVE?

O que me move, que não me deixa estacionar
Que me leva para outros lugares, me faz caminhar
O que me move, me faz estrelas alcançar
E num céu de anil poder voar?

O que me move, me embaralha a visão
Que faz bater mais forte o coração
O que me move, me acorda nos sonhos
Em busca de sua realização?

O que me move em direção ao infinito
Que me faz crer num mundo mais bonito
O que me move me instiga a crescer
Enfrentando a dor e o padecer?

O que me move é aquilo que me dá prazer
Que me faz ser mais gente
Gente que gosta de gente
Que quer ser feliz, fazendo mais gente contente

Alda M S Santos

No meio do caminho

NO MEIO DO CAMINHO

No meio do caminho
Tinha buracos, tinha espinhos
Tinha amigos, tinha amores
Tinha poeira, tinha carinhos
E tinha você…

No meio do caminho
Tinha pedras, tinha árvores
Tinha rampas, tinha escadas
Tinha trabalho, tinha preguiça
E tinha você …

No meio do caminho
Tinha aviso, tinha perigo
Tinha desamparo, tinha abrigo
Tinha gritos, tinha silêncio
E tinha você …

No meio do caminho
Tinha sol, tinha chuva
Tinha luz, tinha escuridão
Tinha desânimo, tinha perseverança
E tinha você…

No meio do caminho
Tinha dor, tinha ansiedade
Tinha sorrisos, tinha lágrimas
Tinha medos, tinha afinidade
E tinha você…

Mas no meio do caminho
Tinha o mundo todo perfeito
De belas escolhas recheado
Da saudade acompanhado
Mas era insignificante, pois não tinha você!

Qualquer caminho só será bonito
Se tiver você!
Valorize-se!

Alda M S Santos

Tão vasto mundo

TÃO VASTO MUNDO
Todo pássaro necessita voar
Seu destino é lá fora, no espaco, no ar
Mas ele começa em algum lugar
É no ninho que aprendeu a viver, a plainar
No ninho ele obteve todo cuidado e amor
Para enfrentar um jardim nem sempre com flor
Todo barco precisa sair do porto
Navegar em novas águas, desbravar
Conhecer o mundo, seus limites, navegar
Com todo o suporte que recebeu no porto
Para não naufragar…
Voar é necessário, navegar idem
É importante, faz parte da vida
Mas todo cuidado é pouco
Pois na ânsia do voo pode destruir seu ninho
Ou quebrar as tábuas fortes do cais
Ou quem ali esteve para ajudar e encorajar
A sabedoria e sucesso do voo e de todo navegante
Está em reconhecer-se mais forte
Quando tem para onde voltar
Quando lá fora parecer muito desgastante
Cuidemos com amor de nossos ninhos, nossos cais
O mundo é vasto, mas toda aeronave
Sempre precisa voltar para o hangar…
Alda M S Santos

Pra caminhar

PRA CAMINHAR

Preciso de um céu azul e ensolarado
Ou de uma chuvinha fina e refrescante
O tempo nem tanto importa nessa andança
Pra caminhar preciso fé e esperança

Preciso de um bom motivo
De um estímulo, um objetivo
Posso ir descalça, despida
Pra caminhar preciso estar de amor vestida

Preciso de companhia para seguir
De alguém que goste de comigo estar
Não é bom na vida sozinha caminhar

Pra caminhar preciso de um amor
Por alguém,  pela vida, pela natureza
Assim que se vence tristeza e dissabor

Alda M S Santos

Eu te diria

EU TE DIRIA

Olho para você e sinto saudade
Não é que aqui não seja um bom lugar
Apenas sua inocência e expectativa de felicidade
Me fazem nostálgica e levam-me a divagar

Olho para você e sinto arrependimentos
Pela coragem que não tive em alguns momentos
Ou pelos atropelos decorrentes do excesso de ousadia
Que nem sempre me trouxeram sabedoria

Olho para você e sinto orgulho
Apesar de tantas quedas e espinhos
Não nos perdemos uma da outra nos pedregulhos
Você e eu sempre traçamos juntas nossos caminhos

Olho para você e sinto alegria
Mas se pudesse, uma coisa eu te diria
Desculpe por algumas vezes ter te deixado para trás
Se tivesse deixado você agir mais
Tudo estaria mais em paz…

Olho para você, a criança que fui um dia
E sei que poderia muitas coisas te dizer
Mas é desnecessário, você me entende, há sintonia
Estivemos juntas ao nascer, no viver
E assim estaremos até morrer…

Alda M S Santos

Além do olhar

ALÉM DO OLHAR

O que está além do olhar
Que dele não carece para sentir
É apenas um algo a mais a nos suprir
E nossa alma sedenta saciar?

O que pode ser amado
Ainda que não esteja do lado
Ao alcance de nosso toque afiado
Ou do nosso olhar apaixonado?

O que está além do olhar
Mas que dele necessita para captar
Lá para o fundo da alma levar
E encher-nos de amor e desejo até extravasar?

Que há lá longe, além do olhar
Além do alcance de nossos abraços
Mas que é tão forte em nossos sonhos
Que alimentamos, apertando  os laços?

Que há além do olhar 
Seja o que for que se vê sem preciso olhar
É algo que vale a pena cultivar
É nutriente da alma carente de  amar…

Alda M S Santos 

Ela convida

ELA CONVIDA
Apenas um ser solitário na multidão consciente de si
Ouve ecos de muitos corações a tocar o seu
Caminha como se flutuasse entre nuvens de algodão
Uma pluma ao sabor do vento sendo levada
Um certo receio em acreditar no que via
A luz é forte, intensa, brilhante
Atinge de forma ímpar sua alma
Aquece cada recanto carente de calor
Gira, rodopia, se encanta com sons
Cada cor parece mais forte e bonita
Há música, melodia suave, quer dançar
Tudo parece mais belo, perfumado e colorido
Parece que estava presa num porão qualquer
Sequestrada pela vida, pela necessidade de crescimento
O resgate foi pago, a vida foi devolvida
E ali estava ela num mundo novo
Muito mais bonito, muito mais humano
No sentido mais literal e verdadeiro que poderia haver
Cada coração único e solitário via os demais de modo diferente
Sentia que era parte imprescindível no todo
Assim como todos os demais também eram necessários
O mundo agora só fazia sentido na união
Alguém chegou até ela, deu um abraço
Dançaram juntos pela rua a festejar
A comemorar uma nova chance de viver e fazer diferente
A esperança era o que havia no caminho a seguir
E convidava a todos: vamos?
Alda M S Santos

Fases

FASES
Uma massa colocada para descansar antes de crescer
Uma semente no escuro da terra para aquecer e germinar
Um período de ação e reação para se estabelecer a cura
Uma noite de sono antes do belo despertar
Um botão de rosa num lento e constante desabrochar
Uma lagarta no casulo preparando sua metamorfose
O engatinhar antes do andar ou correr
O se aproximar, conhecer, desejar, querer bem, antes do amar
Tudo é um processo feito de fases
Todas elas muito importantes de serem vivenciadas
Não há pressa, não necessita urgência
Em fogo brando tudo fica mais gostoso
A refeição é mais saborosa
O calor aquece mais, deixa dengoso
O amor mais carinhoso
A vida melhor vivida…
Que saibamos curtir com sabedoria o que se apresenta
Seja a reflexão, a fase dormência
Ou a ação com paciência…
Alda M S Santos

Conexão

CONEXÃO
Precisamos é de sintonia para bem viver
Mas não de qualquer sintonia
É necessária aquela sintonia encontrada na solidão
Onde acessamos nossos recantos mais secretos
Desvendando nossos segredos, fazendo livros abertos
No nosso quarto, numa mata densa ou numa praia deserta
Mas precisamos também nos conectar com o outro
Com alguém a quem se possa abrir o coração
Deixar a alma se expressar, se abrir, seja como for
Extravasar o sorriso, o prazer, sobretudo o medo e a dor
Sem medo de julgamentos, avaliações ou esquecimentos
Precisamos de sintonia para haver parceria
Precisamos nos conectar com a Criação
Através de tudo que Ele nos manda de antemão
Precisamos de alguém capaz de nos fazer crer
Que pode ser belo e lindo o amanhecer ou anoitecer
Precisamos de sintonia e conexão com o viver
Alda M S Santos

A porteira da vida

A PORTEIRA DA VIDA
Nem todo dia o sol brilha na minha janela
Muitas vezes não está convidativo lá fora
Não quero sair, não quero levantar, quero ficar aqui
Tentando encontrar a luz que falta lá fora
Num cantinho qualquer dentro de mim
Mexo, remexo, troco as coisas de lugar
Escorrego em lugares em que já caí
Retorno, choro, saio logo dali
Busco espaços onde o amor mantém a vitalidade
Alguns são só saudade, outros em plena atividade
Tropeço em gargalhadas, me aconchego em abraços
Refaço algumas trilhas, aperto alguns laços
Encontro com o que já deixou de ser, aceno em paz
Outros prefiro nem passar perto, cicatriz nova ainda
Rolo para lá e para cá, olho de novo a janela
Um solzinho sem vergonha ameaça aparecer
Quer saber? Vou ficar por aqui hoje…
Assim que estiver menos nebuloso faço acontecer
Acendo meu próprio sol, abro o sorriso
Visto- me de esperança, meu vestido mais colorido
E abro a porteira da vida, ela precisa ser bem vivida…
Alda M S Santos

Quanto tempo falta?

QUANTO TEMPO FALTA?
Quanto tempo falta para não se ter mais tempo?
Falta o tempo que o coração for capaz de suportar
Tanta gente longe sem poder se amar
Falta o tempo em que a alma aguentar
Sem querer ir embora chateada com esse lugar
Falta o tempo em que for possível chorar
Mas sem aos outros decepcionar ou magoar
Falta o tempo em que ainda conseguir sorrir
Por mais que tudo pareça ruir
Falta o tempo em que conseguir se aquecer
Longe de tudo, de um colo, sem fenecer
Falta o tempo em que o silêncio puder dizer
Aquilo que o peito carrega em seu intenso sofrer
Falta o tempo em que a fé ainda for capaz de remover montanhas
Não desistindo de desfazer tantas artimanhas
Falta o tempo em que a vida ainda pulsar
Num peito cansado de lutar
Mas que não desiste de caminhar e amar…
Esse tempo que ainda falta…
Alda M S Santos

Lapidação

LAPIDAÇÃO
O que somos, aquilo que nos tornamos
Vem sendo em nós lapidado ao longo do tempo
A cada momento diferente do viver
Uma camada nos é acrescentada
Ou, diferentemente, uma nos é retirada
Nosso ser é uma joia que vem sendo lapidada
Vamos sofrendo polimentos a cada amargura ou decepção
A cada medo, perda ou frustração
A cada confiança quebrada ou partida
A cada tristeza profunda sofrida
A cada caminhar ou estrada pelo outro interrompida
Nossa cerâmica abre trincas, fendas, fragiliza
Nossa alma sofre, chora, parece ruir
Mas a cada amor ou amizade que se vive
A cerâmica brilha, a alma se alegra
Se reconstrói, se refaz, fica mais bela
Nova camada polida e brilhante aparece
Mesmo que ainda possa doer ou amargar
Ela enfrenta novamente o viver
Mais experiente, mais forte, nem sempre mais feliz
Mas mais preparada para sofrer menos danos
No próximo polimento, na próxima lapidação
Viver é parecer inteiro, é construir laços
A despeito da alma ainda estar em pedaços
Alda M S Santos

Ela incomoda?

ELA INCOMODA?
Por que a solidão incomoda?
Por que é ela a que mais dói no recolhimento imposto?
Além das preocupações com a saúde em risco
Com o trabalho lá fora que não está sendo feito
Com o futuro que parece cada dia mais incerto
Com a economia que poderá trazer novos problemas
Aumentando as desigualdades sociais
Com pessoas amadas em risco constante…
Mas por que a solidão, o isolamento incomodam?
Não estamos acostumados à reflexão, à introspecção
Parece que o barulho lá de fora nos “salva” de nós
Da reunião que devemos ter conosco mesmos
A confusão do dia a dia nos impede de acessar nosso interior
Estar em casa, estar em nós mesmos acaba constrangendo
Lidar com nossa mais (im)pura natureza assusta
E é o que a humanidade mais precisa
Acessar o que há de mais humano em si mesma
Para talvez conseguir consertar esse mundo
E foi preciso um vírus para fazer isso…
Alda M S Santos

Eu queria

EU QUERIA
Eu queria poder entender os gritos silenciados
Aquela dor profunda escondida nos olhos alagados
Eu queria ter uma palavra capaz de curar a dor
Envolver o sofrimento num abraço de puro calor
Eu queria não me entristecer tanto com o mal
Saber que ele tem suas razões de ser
E procurar com suas linhas bordar
Um jardim encantado para se viver
Eu queria ser capaz de amar a todos igualmente
Saber que nem todos têm a mesma oportunidade
Não souberam plantar boa semente
Eu queria ser nesse mundo confuso, a esperança
Nunca, nunca desistir, persistir
Aquela que após tantas andanças
Trilhas sem saída e caminhos mal iluminados
Não desanima, segue nessa dança
E ainda quer ser companhia aos abandonados
Eu queria ser apenas um ser abençoado
Que por aqui caminha até ser chamado para o outro lado…
Alda M S Santos

Vai passar

VAI PASSAR
A dor vai passar
O medo vai embora
Ficarão por aqui
O amor, a luz, a poesia
Numa Terra renovada
Onde reinará a alegria
Acreditemos!
Alda M S Santos

Ele não enviou

ELE NÃO ENVIOU

Que Ele quer nos dizer
Quando nos faz recolher
Pelo futuro da humanidade temer
Sem muito poder fazer?

Que Ele quer nos ensinar
Ao nos levar a pensar
Para o lar retomar
E o mundo avaliar?

Ele quer nos levar à introspecção
Fazer -nos ter mais compaixão
Saber- nos mais fortes quando mais irmãos

Esse vírus Ele não nos enviou
Construção nossa, pura ambição
A cura virá do amor e da união

Alda M S Santos

Quantos degraus?

QUANTOS DEGRAUS?
Quantos degraus até o céu?
A escada é sinuosa, rolante, escorregadia, antiderrapante?
Quem pode subir, há restrições, limites de entrada?
Podemos levar alguém, sermos levados por alguém?
E se nos cansarmos no caminho, tropeçarmos, cairmos?
Podemos voltar a subir ou perdemos a vez?
Os últimos serão os primeiros?
Quantos degraus até o céu?
A entrada é franca? Paga-se com quê?
Qual a “moeda” de troca?
Muitas perguntas… Sei lá!
Enquanto isso vou fazendo do agora o meu céu
Tal qual crianças a brincar, a pular amarelinha
Continuo subindo até o céu…
Alda M S Santos

Um mundo novo

UM MUNDO NOVO
Tudo aponta para um mundo novo
Há medos, dúvidas, ansiedade
Inseguranças de toda a humanidade
O mundo como conhecemos está sendo testado, remexido
Mas há que se preservar a vida
Não é só aqui ou ali
O planeta todo está sendo ameaçado, sacudido
Precisamos mesmo de mudanças
Para garantir a vida, nossas andanças
Não é só um vírus que mata
Tudo o que ele traz consigo exige reflexões
Nesse momento de escolhas difíceis
Percebemos quais são nossas prioridades
De um, de outro, de toda uma comunidade
Que sobrará disso tudo?
Estamos prontos para lidar com isso
Para recomeçar do zero se preciso for
Há em nós suficiente coragem e amor?
Alda M S Santos

Mintam para nós

MINTAM PARA NÓS
A verdade anda tão nua, tão crua, cruel e dura demais
Que muitas vezes andamos preferindo uma mentira
Mais leve, mais doce, mais fácil de carregar
Pedimos para mentirem para nós
Para nos deixarem ser felizes assim, ao menos um pouquinho
Sem ter que brigar tanto, enfrentar tanto, lutar tanto
Fazer de conta que estamos num paraíso
Onde tudo é belo, calmo e pacífico
Tudo verde, um rio tranquilo, céu azul e aves a plainar
Todos se amam, ou ao menos não se odeiam
Se valorizam, cuidam dos seus, respeitam os outros
Não usurpam nada de ninguém
São compreensivos e solidários, estendem a mão
Se amam, não se matam…
Se a verdade da humanidade é tanta crueldade
Mintam pra gente!
Assim seremos poupados, ignorando tanta maldade
E teremos mais fé que tudo é possível!
Alda M S Santos

Quisera

QUISERA
Quisera poder voar
Bem alto, bem longe
A tudo de lá observar
Devagarinho, asas bem abertas
Poder planar, descansar
Calmamente, escolher onde pousar
Quisera poder voar
Como que por encanto
Cessar a dor, o pranto
De uma nuvem qualquer fazer meu canto
De travesseiro, repouso e acalanto
Quisera poder voar
Passar pela mente de toda gente
Sondar a alma, fazer inspeção
Saber onde há pouso para meu coração
Quisera poder voar
Para o mundo da magia, da fantasia, da poesia
E levar comigo quem quiser amar
Quisera poder voar…
Alda M S Santos

Ser coração

SER CORAÇÃO

Ser colo, acolhimento, empatia, sentimento
Exige uma alma sensível, receptiva
Domínio da própria emoção, com respeito
Que saiba ser amiga, compreensiva

Esse mundo onde tem imperado a dor, a solidão
Pessoas sentindo descaso e abandono
Rodeadas de gente, não há compreensão
Terreno fértil para aparecimento da depressão

Urge ser alguém que ouve e acolhe nesse mundão
Que estende a mão, sabe ser coração
Para aquele que se sente sem chão

O tempo corre , voa, não perdoa
Mas dá para ser ainda aquela alma boa
Que não quer passar por essa vida a toa

Alda M S Santos

Loucuras

LOUCURAS?
Quero ser um caracol, fechar-me dentro de mim mesma
Sair apenas quando a luz de fora entrar
Ou a de dentro conseguir iluminar tudo lá fora
Quero brincar de esconde-esconde
Encontrar um esconderijo bem original
E lá ficar até ser encontrada por alguém com a mesma ideia.
Quero inspirar fundo, bem fundo, sufocar-me em coisas boas
E expirar, jogando fora tudo que faz mal
Quero correr, correr muito, sem direção, até esgotar todas as forças e não sentir mais nada.
Quero ser uma bolha de sabão, subir, subir nas árvores, nas nuvens, encantar e desaparecer.
Quero mergulhar, sem máscaras ou snookers, sentir tudo, descobrir tudo
Afogar-me, se preciso for, e renascer.
Loucuras?
Às vezes são necessárias para se manter a sanidade.
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: