Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

autoconhecimento

Se um dia eu me perder

SE UM DIA EU ME PERDER
Se um dia eu me perder
Procure-me onde haja muito verde, muita mata, ar puro,
Se um dia eu me perder
Procure-me onde as águas sejam límpidas a refletir o céu,
Se um dia eu me perder
Procure-me num roseiral, em meio às borboletas azuis,
Se um dia eu me perder
Procure-me na alegria inocente de um grupo de crianças,
Se um dia eu me perder
Procure-me nos grãos de areia da praia ao pôr do sol,
Se um dia eu me perder,
E ainda assim não me encontrar,
Não busque em mim, olhe dentro de você,
Se me procuras, é porque me amou,
Se me amou de verdade, eu também te amei,
Certamente uma parte bonita de mim estará gravada em você,
Uma parte grande de você estará presa em mim,
E poderá levar-me a me encontrar…em você, em mim,
Comigo, com você!
Se um dia eu me perder de mim…
Alda M S Santos

RÓTULOS

RÓTULOS

Não me adapto com rótulos
Não há um que consiga definir
Por mais que tente não é correto
É uma prisão que acaba por excluir

Ou te colocam além ou aquém
Daquilo que você realmente é
E, você, se não ficar atento
Se perde, tentando ser o que não quer

Rótulos nos limitam, travam
Ignoram que a vida é evolução
Impedem o agir da emoção, da razão

Quero a liberdade de ser eu
Se houver conceitos, que sejam meus
E, se quiser, você pode uni-los aos teus

Alda M S Santos

Não me cabe

NÃO ME CABE

Nessa caixa não me cabe
Não é que eu não seja flexível
É que ela tende a me moldar
Colocar num padrão que me machuca
E que não vai me agradar

Nessa caixa não me cabe
Dobra daqui, dobra dali
Tira um pedaço desse lado
Aperta o outro, transfere de lugar
Até eu não mais me identificar

Nessa caixa não me cabe
E mesmo se coubesse eu não gostaria
É que prezo a liberdade de ser o que sou
Colocar-me ali me mataria

Nessa caixa não me cabe
Não sou boneca para viver em caixa, preciso de ar
Prefiro jardim, mata, rio, mar ou cachoeira
E assim quero viver a vida inteira…

Alda M S Santos

Em busca de mim

EM BUSCA DE MIM
Sempre fui apaixonada por água
Não nado bem, tampouco bebo o bastante
Mas ela exerce verdadeiro fascínio em mim
Não importa como se apresente:
Rio, cachoeira, mar, lagoa, chuva, nascentes…
Posso ficar horas admirando!
Água tem o poder de me acalmar
Molho os pés, a nuca, lavo o rosto, sento à beira
Ouço o barulho suave do rio ou furioso da cachoeira ou tempestade,
Mergulho, sinto seu frescor, lavando tudo.
Tudo é encanto!
Quero ali ficar até tudo de negativo ir embora
Encher-me de positividade
Restabelecer a confiança, o amor
A fé no ser humano, na vida, em mim mesma
Enquanto houver água correndo,
Haverá encanto, haverá vida.
Água que nasce, que brota
Que corre, que cai, que vai, me leva…
Em busca de outros caminhos
De outras águas,
Em busca de mim…
Alda M S Santos

O poder

O PODER

Há poder num dia ensolarado
De encantar e se fazer admirado
Há poder num dia chuvoso
De ser nostálgico, meio dengoso

Há poder numa noite de amor
De reenergizar, aquecer, ser calor
Há poder numa amizade, na bondade
Aquela que traz aconchego, serenidade

Há poder no acolhimento, na empatia
Há luz, caminhos são vislumbrados
Num conselho há magia, sabedoria

Mas só nós podemos mudar nossa história
O poder de verdade está dentro da gente
Esperando para ser despertado e encarado de frente

Alda M S Santos

Moro num lugar

MORO NUM LUGAR

Moro num lugar simples e encantador

Nada paguei por ele, veio de graça

Tantas vezes tem brilho e cor

Talvez eu tenha pedido, merecido

Às vezes fica úmido, escuro, até meio mofado

Noutras é dia lindo, ensolarado

Mas é o que tenho de mais meu, mais concreto

A mim cabe saber cuidar, amar, estar por perto

Zelar, seja nos dias de luz ou escuridão

Nos dias em que há festa no salão

Quando fica apertado e parece não me caber

Ou quando sobra tanto espaço que não sei o que fazer

Pode ser muitas vezes uma mansão luxuosa

Noutras uma casinha simples no pé da serra

Não posso partilhar com qualquer um minha morada

Pois é casa simples, especial, até sagrada

Mas gosto de dividir com pessoas especiais

Com as quais me sinto bem, amada

O prazer de aqui morar, ser abraçada

Essa casa, meu corpo, onde minha alma fez morada

Alda M S Santos

Em preto e branco

EM PRETO E BRANCO

Muitas vezes sou cor, multicor, sou arco-íris

Noutras sou preto e branco

Nuances de cinza, em sombras

Há quem me veja só em cores

Brilho, sorrisos, flores e amores

E me ignore quando preto e branco

Quando saudade, dor, lágrimas e apatia

Sou assim, essa mistura, essa aquarela, essa energia

Mas nenhum arco-íris surge antes da tempestade

Sem a chuva, o cinza , o medo não há magia

Só merece o brilho e intensidade das cores do arco-íris

Quem soube aceitar, lidar com o cinza, ser sintonia

Das próprias tempestades e ventanias

E não fugiu dos vendavais dos outros

Soube ser cais, ser porto

Daqueles que fazem nosso clima mais ameno

Em qualquer tempo, cor ou intempérie…

Como você se vê, me vê?

Alda M S Santos

Única

ÚNICA

Sou como uma taça de cristal

Caída, quebrada, colada

Arrumada várias vezes, levantada

Para a vida brindar, animar

Não sou menos valiosa por isso

Tampouco menos bonita

Sou diferente!

Minhas emendas me tornam única

Minhas cicatrizes e marcas me fortalecem

Meus machucados me tornam solidária

Aos machucados dos outros

Minhas dores e medos me fazem empática

Às dores e medos alheios

Minhas falhas e imperfeições me fazem compreender melhor

As falhas e imperfeições das pessoas

O que eu vivi, construí e trago até aqui

Só me é valioso na medida que posso agir

E ajudar outra taça a se reconstruir…

Sou taça renovada, reconstruída!

E daí?

Alda M S Santos

Entre as muitas de mim

ENTRE AS MUITAS DE MIM

Muitas vezes sou palavras sem fim

Tantas outras o silêncio habita em mim

Algumas vezes quero abraçar e acolher o mundo

Noutras, nem a meu próprio mundinho consigo acolher

Sou, às vezes, gargalhadas de alegria e satisfação

Tantas outras sou um sorriso tímido de decepção

Muitas vezes sou a animação, a atração

Noutras, quero me esconder num cantinho sem aparição

Muitas vezes sou dança, sou verso, sou sedução

Noutras tantas sou muito atrapalhada, sou tombo, sou confusão

Muitas vezes sou maternal, terna, emocional

Noutras sou tão sozinha, isolada, individual

Tantas vezes vejo adiante um mundo de oportunidades

Noutras só vejo agonia e infelicidade

Muitas vezes estou em paz com as muitas de mim

Tantas outras elas travam uma batalha de vida e morte bem ruim

Entre as muitas de mim

Perfumada de flores, de jasmim

Nessa constante contradição

Procuro enfeitar esse jardim…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: