Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

natureza

Na minha mão

NA MINHA MÃO

Fome, confiança, treino ou sobrevivência
Basta aguardar, ter consigo a paciência
Não sei, mas é de uma lindeza sem igual
Na minha mão a gaivota pousa, sensacional

Um voo no alto, plana mais baixo, desfila
No céu azul passeia, olhar fixo, não cochila
Sonda o espaço, avalia a segurança
Até optar por alguém que inspire confiança

A natureza é assim, está aí para ser admirada
Todo cuidado é pouco para não ser tão explorada
Ela carece de proteção, necessita ser preservada

Terra, céu, ar, gaivotas, eu, o mar
É um momento suave para recordar
Se apaixonar, querer repetir, retornar

Alda M S Santos

Uma obra de arte

UMA OBRA DE ARTE
Tento entender esse quadro
Que freneticamente vem sendo pintado
Certamente uma grande obra de arte
Não identifico o estilo, a época
Talvez por ser único, especial
De um artista atemporal
Mas sinto que faço parte
Do tudo que se usa, abusa
Mexe com todas as cores, odores
Mistura dores, flores, amores
A cada ângulo ou perspectiva
Uma nova visão mais diretiva
Noutros pontos de vista
Há dor, escuridão, nada atrativa
Não quero ser apenas uma observadora
Quero ser parte ativa, ainda que amadora
Busco um lugar, tintas, pincéis
Ofereço beijos, flores, perfumes, anéis
Faço um quadro bem meu
Banho-me nessa cachoeira de tintas coloridas
Tentando entender e fazer valer a vida
E o que faz essa grande obra entre nós repartida
Busco ser uma parte bem linda, produtiva e amiga…
Uma obra de arte…
Alda M S Santos

Natureza em mim

NATUREZA EM MIM

Quando entro numa mata densa
Numa trilha cercada de grandes árvores
Sempre me torno propensa
A ali seguir caminhando
Cada vez mais para dentro mergulhando
O barulho me encanta, o silêncio me satisfaz
Dessa natureza faço parte
Sinto-me forte, de tudo sou capaz
Quando entro numa mata densa
Encontro com a simplicidade
A magia que encanta, sem vaidade
Sinto Deus que mora em meu interior
Que me permite ser mais eu, de verdade
Encontro com as muitas de mim
Que nem sempre têm tanto espaço assim
Inspiro fundo, expiro devagar
E sigo com esperança meu caminhar…

Alda M S Santos

Um norte

UM NORTE

Pode haver coisa mais linda
Que uma estrada assim tão colorida
Cheiro de mato, de terra molhada
De uma vida que segue, não fica parada?

Verde em vários matizes, brilhantes
Aromas da natureza, marcantes
Sons que acalmam, energizantes
Cachoeira que seduz, atraente, hipnotizante

Não importa se há bichos
Eles fazem parte do encanto
São natureza viva, cada qual em seu canto

Há quem goste, há quem desgoste
Há quem fique totalmente perdido
Há quem encontre aqui o seu norte

Alda M S Santos

Conexão

CONEXÃO

É mágica a conexão que temos com a natureza
Flora, fauna, mananciais hídricos, pura beleza
Alegria ímpar que não podemos deixar se perder
É ela que reenergiza nossas baterias emocionais
Com seu silêncio pacífico, calmante
Sua intensidade viva, relaxante
Suas cores fortes, ricas, vibrantes
Não há mente que não se encontre
Não há corpo que não se encaixe
Não há coração que não fique forte
Não há alma que não encontre seu norte

Alda M S Santos

Em qualquer lugar

EM QUALQUER LUGAR

Uma brisa que a pele toda arrepia
Acorda para a vida, expõe a magia
Capaz de tirar o fôlego, linda paisagem
A natureza é bela, independente da roupagem

O Sol dá um espetáculo ao nascer ou se por
A chuva refresca, hidrata o corpo ou a flor
O mar convida para em suas ondas brincar
Sob um céu salpicado de estrelas nos amar

Não há como não se encontrar nessa beleza
Mundo mágico, especial, muita grandeza
Por onde se olhe com atenção há leveza

Cada detalhe de amor para nos encantar
O Criador nos colocou aqui para usar e cuidar
Da natureza, uns dos outros, em qualquer lugar

Alda M S Santos

Mar ou Rio?

MAR OU RIO?
Mar ou Rio, Rio ou Mar?
Água salgada, água doce
Onde a vida nasce, acontece…
Extensão de natureza até onde a vida alcança
Delícias que convidam ao mergulho
Mergulho nas águas, mergulho nos sentimentos
Mergulho em nós mesmos…
E eles se encontram, rio e mar
Nós nos encontramos…
Rio ou Mar?
Tanto faz! De preferência, que eu esteja lá…
Alda M S Santos

Mais bonito

MAIS BONITO

Que houve de mais bonito

Nesse ano que se fez finito

Que gostaríamos de levar conosco

Na alma, no coração, até o infinito?

Que houve de mais intenso

Nesse ano bastante tenso

Que foi leveza, ternura, acalento

Que queríamos que se tornasse consenso?

Que houve que gerou sorriso

Secou as lágrimas, fez-nos enternecer

E renovou o prazer de viver?

O que houve de mais bonito

Que foi amor, carinho e proteção

É o que queremos eternizar em nossa emoção

Que é eterno em seu coração?

Alda M S Santos

Mais que beleza

MAIS QUE BELEZA

Ela costuma agir assim
Encanta, atrai, conquista, traz para si
Essências, cores, texturas, brandura
Mexe com todos os sentidos, loucura
Ora doçura, candura, ora bravura
Arrebatadora, por vezes,  assustadora
Não a subestime, ela te laça, é enfeitiçadora
Ao botar os pés no chão de terra
Sentir o aroma úmido no topo da serra
Não importa se subindo a ladeira
Ou descendo a trilha para a cachoeira
Tudo é mais que uma simples brincadeira
Atenta ao canto e gorjeio dos pássaros
Ouvindo insetos em alvoroço no seu habitat
Sou outra pessoa ali despertada
Pela luz solar entre os galhos irradiada
Atraída, por ela sou totalmente dominada
Sinto-me em casa, tão fortalecida
Natureza para mim é mais que beleza
Natureza para mim é a própria vida!

Alda M S Santos

Tudo faz sentido

TUDO FAZ SENTIDO

Gosto do modo como tudo na natureza faz sentido
Como cada espécie ocupa seu lugar numa floresta
Por mais insignificante que pareça ser
Musgos, líquens, húmus em pequenas ou grandes árvores
O modo como elas crescem, retorcem em busca de luz
Como galhos, flores, frutos cumprem seu papel
De abrigar, alimentar, proteger outras espécies
Insetos, pássaros e até roedores
O modo como folhas e frutos caem aos pés da grande árvore
E lhe servem de nutrição e adubo
É perfeito como resistem às tempestades
Por mais forte que seja a ventania
Por mais galhos que se percam
O tronco permanece firme, sólido, enraizado
Umas protegem as outras, se alinham
A vida que há numa floresta é puro ensinamento
Sombra e luz, sol e chuva
Tempestade e calmaria
E ela permanece linda, forte, encantadora
Sendo música aos nossos ouvidos
Na dança harmoniosa de seus galhos
No sussurro do vento apaixonado a lhe acariciar
No frescor do riacho a hidratar suas raízes
É uma sintonia que nunca falha
Certamente abrigando seres mágicos, lendários e especiais
Sou maravilhosamente encantada…
Alda M S Santos

Lua e Sol

LUA E SOL

Vi tanto o Sol esses dias
Ele tanto iluminou e aqueceu
Mas a Lua não apareceu…

Não deu o ar de sua graça
Não foi vista no céu, no horizonte
Nem pelos namorados na praça, aos montes

Mesmo assim ela agiu todo o tempo
Nós a sentimos na maré, na velocidade dos ventos
Interferindo ativamente nas pessoas, nos sentimentos

Tanto tomei banho de Sol
Mas senti falta do banho de Lua
Estava numa fase de repouso, recolhimento

Nome tão sugestivo: Lua Nova
Será que sai da fase escura rejuvenescida
Mudada, mais forte, reabastecida?

Somos assim, pessoas de várias fases
Talvez menos certos de cada uma na consciência
Mas sabedores de sua importância e influência

Quero da Lua Nova a reflexão e inovação
E da Lua Cheia a magia, euforia, animação
Mas da Lua em qualquer fase quero lenda, amor e paixão

Alda M S Santos

Queda livre

QUEDA LIVRE

Se tem água, rio, mar ou cachoeira
Eu vou atrás, embrenho em trilhas na mata
Enfrento qualquer tempo ou adversidade
Só pelo prazer de ver aquele mundão d’água
Escorrendo nas pedras, queda livre
Lavando a fundo a alma da gente
Há total sinergia entre ela e eu
Respeito sua força, sua soberania
Não me canso nunca de admirar
Dali tiro boa parte de minha energia
Ao alto uma prece, uma oração
Por cada beleza a nós ofertada, gratidão…

Alda M S Santos

Gotas de magia

GOTAS DE MAGIA

Em cada gota que cai estrondosa
Arrepia a pele, sensação gostosa
Vem do alto, como chuva de magia
Tantos pedidos surgem, agradável sintonia

Imaginação corre solta, cria lendas
Quantas delas vivem ali, sem contendas
Gnomos, bruxas, magos e fadas
A proteger a natureza tão amada

É um mundo encantado, de paz
Conexão, harmonia que a natureza traz
Em cada detalhe, um pedido, uma oração
Se analisássemos bem, só seríamos gratidão

Alda M S Santos

SEDUÇÃO

SEDUÇÃO

Um toque de sedução
Leve, irresistível, puro
Nos envolve em emoção
Seja na luz ou na escuridão

Como um sonho, vem suave
Aos poucos, devagarzinho
Nos abraça, nos acolhe
Nos aquece de mansinho

Logo é torrente, sensação
Como onda fria, intensa vibração
Nos encanta, nos invade
Forte, prazerosa, sem maldade

Pura sedução em forma de natureza
É vida, é prazer, é grandeza!
Entregue-se!

Alda M S Santos

A natureza

A NATUREZA

A natureza fala conosco todo o tempo
Usa de muitos recursos para se comunicar
É deslumbrante, fala de vida
Às vezes nos tira para dançar

Grita nos trovões, nas tempestades
Sussurra nas leves ondas do mar
Abraça-nos nos raios do sol escaldante
Acaricia dois corpos de amor ao luar

Como brisa em nossos ouvidos um canto entoa
Aquece nossa pele, doce verão
Ora nos refresca numa leve garoa
É sempre amor, não importa a estação

Nas águas de uma cachoeira
Ela mostra sua beleza, sua magia
E eu cá embaixo entendo, não dou bobeira
E logo registro a poesia…

Alda M S Santos

Viva as árvores!

VIVA AS ÁRVORES!

Nao é porque purificam o nosso ar
Tampouco porque em tudo geram beleza
Ou porque ficam bem em qualquer lugar
Árvores são os mais belos símbolos da natureza

Grandes, pequenas, novas ou centenárias
Atendem as necessidades das mais primárias
São luz, calor, frescor, alegria, magia
Árvores são vida em harmonia, sabedoria

Acolhem ninhos, balançam ao sabor do vento Resistem às tempestades, a todo tormento
Imponentes, parecem ler nosso pensamento
Raízes fortes e galhos buscando o firmamento

Árvores falam a linguagem das fadas
Cantam o canto da brisa, da passarada
Amigas na primavera ou na invernada
Absorvem com carinho o abraço da alma enamorada

Viva as árvores!

Alda M S Santos

Aqui tem cachoeira

AQUI TEM CACHOEIRA

Aqui também tem cachoeira
Bela, forte, até assustadora
Se a gente der bobeira
Ela nos leva, arrebatadora

Atrás da queda, bem escondidinho
Os pássaros se reúnem, cantam juntinho
Saem ligeiros em revoada
Quem vê logo pensa
De onde veio essa passarada?

A queda d’água forma uma piscina
Onde nadam moças e moços fugindo da rotina
Sobre todos baila um sereno fininho
Ali, afoitos, roubam abraço e beijinho

Cachoeira, calor, sol, natureza
Venha se banhar, faça parte dessa beleza
Quer encanto, sossego, paz
Viva sem isso tudo se for capaz!

Alda M S Santos

Natureza em mim

NATUREZA EM MIM

Quando entro numa mata densa
Numa trilha cercada de grandes árvores
Sempre me torno propensa
A ali seguir caminhando
Cada vez mais para dentro mergulhando
O barulho me encanta, o silêncio me satisfaz
Dessa natureza faço parte
Sinto-me forte, de tudo sou capaz
Quando entro numa mata densa
Encontro com a simplicidade
A magia que encanta, sem vaidade
Sinto Deus que mora em meu interior
Que me permite ser mais eu, de verdade
Encontro com as muitas de mim
Que nem sempre têm tanto espaço assim
Inspiro fundo, expiro devagar
E sigo com esperança meu caminhar…

Alda M S Santos

Não quer

NÃO QUER
Ela não quer ser uma lembrança dos tempos áureos
Uma foto desbotada na estante de alguém
Uma marca impressa numa alma arrependida
Ou a saudade de uma relação doída
Ela não quer ser história passada
Nos livros a tristeza registrada
Ela não quer ser a magia
Rabiscada num livro velho de poesia
Ela quer se eternizar, se renovar
Ser desejada, cobiçada, uma joia rara, valorizada
Não tem um preço a se pagar
Mas tem valor que qualquer um pode conquistar
Cobra apenas cuidado e desejo de conservar
Ela não quer ser esquecida, embrutecida
Precisa de amor para ser abastecida
Ela é o que sustenta a vida
Ela é a natureza…viva…
Alda M S Santos

Conexão

CONEXÃO

É mágica a conexão que temos com a natureza
Flora, fauna, mananciais hídricos, pura beleza
Alegria ímpar que não podemos deixar se perder
É ela que reenergiza nossas baterias emocionais
Com seu silêncio pacífico, calmante
Sua intensidade viva, relaxante
Suas cores fortes, ricas, vibrantes
Não há mente que não se encontre
Não há corpo que não se encaixe
Não há coração que não fique forte
Não há alma que não encontre seu norte

Alda M S Santos

Banhos

BANHOS

Se existe algo bom é poder banhar

Banho de sol, lua, cachoeira ou mar

Não há pressa, melhor ir bem devagar

Banho de sol bronzeia, amolece

Banho de lua acalma, aquece

Banho de mar é forte, amortece

Banho de cachoeira é intenso, instigante

Água fria, desperta, é estimulante

Para o amor é parceria constante

Lua, sol, mar ou cachoeira

Leve contigo uma alma bem faceira

Seja feliz, aproveite a brincadeira

Lua, sol, mar ou cachoeira

Banhe-se, apaixone-se, não dê bobeira

É amor de verdade, para a vida inteira…

Alda M S Santos

Mar ou cachoeira?

MAR OU CACHOEIRA?

O mar é tão bom de se olhar

Águas mornas, convidativas, doce balanço

Vista infinita, atiça a imaginação mais bonita

Carrega em si muita poesia

Impossível resistir a sua magia

A cachoeira é puro mistério, águas geladas

Matas densas e encantadas

Morada das lendas, ogros, magos e fadas

Pássaros que cantam e bichos na madrugada

Um lugar que atrai, encanta e deixa a alma embriagada

Uma vez cachoeira, pessoa enfeitiçada

Uma vez mar, não dá para não voltar!

Mar ou cachoeira?

De alma aberta sou mais cachoeira

Mas nada me afastaria também do mar

Num lindo pôr do sol, sou bem praieira…

Mar ou cachoeira?

Alda M S Santos

Lua e Sol

LUA E SOL

Vi tanto o Sol esses dias

Ele tanto iluminou e aqueceu

Mas a Lua não apareceu…

Não deu o ar de sua graça

Não foi vista no céu, no horizonte

Nem pelos namorados na praça, aos montes

Mesmo assim ela agiu todo o tempo

Nós a sentimos na maré, na velocidade dos ventos

Interferindo ativamente nas pessoas, nos sentimentos

Tanto tomei banho de Sol

Mas senti falta do banho de Lua

Estava numa fase de repouso, recolhimento

Nome tão sugestivo: Lua Nova

Será que sai da fase escura rejuvenescida

Mudada, mais forte, reabastecida?

Somos assim, pessoas de várias fases

Talvez menos certos de cada uma na consciência

Mas sabedores de sua importância e influência

Quero da Lua Nova a reflexão e inovação

E da Lua Cheia a magia, euforia, animação

Mas da Lua em qualquer fase quero lenda, amor e paixão

Alda M S Santos

Sol

SOL

Ele nos dá a mais preciosa das lições todos os dias

Como ele, a vida se faz de ciclos, vai e vem

De repouso e atividade, claro e escuro

Frio e calor, companhia e solidão

Mas enquanto durar cada fase, precisamos aproveitar

Nada é tão contínuo ou ininterrupto

As interrupções precisam também ser aproveitadas

As mais belas e valiosas coisas da vida são gratuitas

E as despedidas não precisam ser tristes

Nem sempre significam o fim, um adeus

Podem ser apenas um até breve

Vale a vida que viveu, o amor que se fez

E se hoje não foi tão bom, amanhã é um novo dia

E novamente ele estará por aqui

Sempre disposto a gerar vida e calor

Nos permitir mais um dia para amar e acolher

Pois só assim vale a pena viver…

Alda M S Santos

Quero um banho

QUERO UM BANHO

Quero um banho de cachoeira

Daqueles que lavem a alma inteira

Que provoquem gritos de alegria

E nos permitam ter com a vida melhor sintonia

Quero um banho de mar

Daqueles que nos tirem o ar

Que nos façam sentir noutro mundo

Onde haja um lugar especial para amar

Quero um banho de ducha quentinha

Onde eu possa deixar ir embora pelo ralo

Tudo aquilo que me aperta o calo

Quero um banho de rio

Onde eu possa me deitar num cantinho sob o luar

E junto a uma árvore amiga poder desabafar

Alda M S Santos

Banhos de Lua

BANHOS DE LUA

A noite parecia não ter fim

Virava e mexia e nada do sono vir

Carneirinhos contava, a mente divagava

E, desistiu de dormir, enfim

Levantou-se devagar, e saiu dali

Cabelos emaranhados, descalça a caminhar

Longa camisola de seda a flutuar

Foi atraída pelo brilho fascinante do luar

Na imensidão de água, sob o brilho intenso da Lua

Foi despindo-se de tudo que a incomodava

Vestes, dores, medos, culpas, até ficar toda nua

A Lua de longe carinhosamente a chamava

E no encontro com o mar mais fascinada ficava

E, num banho de lua e mar, ao amor se entregava

Alda M S Santos

Escalando

ESCALANDO

Um galho de cada vez, se estica

Faz força, gira, apoia o pé

Dependura-se mais em cima

E escala a árvore como chimpanzé

Parece criança, dizem, é muita sapequice

Se tá difícil pede ajuda, insiste

E vai subindo, pura meninice

Senta, lá em cima nada é triste

Plantou aquela árvore, boa sensação

Regou, cuidou, viu crescer, não foi em vão

Agora é acolhida em seus galhos, seu coração

Em cima é encanto, embaixo é paraíso

Sombra que refresca, que acalma

E diverte-se na gangorra que traz leveza à alma

Alda M S Santos

Não tem explicação

NÃO TEM EXPLICAÇÃO

Não adianta questionar

Não tem explicação

Sequer posso argumentar

Sei apenas que é paixão

Relação intensa, muito especial

Com fenômenos naturais até parece anormal

Chuva, vendaval, temporal

É um encanto atemporal

Rios, lagos, mares, cachoeiras, natureza

Flores, bichos, matas, árvores, é muita grandeza

Não dá para resistir a tanta beleza

Posso dizer que sinto-me parte

De tudo isso que a mim fascina

E fazer parte já é algo que me ilumina…

Alda M S Santos

Na cachoeira, ao luar…

NA CACHOEIRA, AO LUAR…

Um dia ela acordou sem acordar, sabe como é, estava noutro mundo.

Andava nas trilhas da mata, pé ante pé. Ia em direção ao som que ouvia.

Era um som mágico. Não sabia se os outros também ouviam.

Não importava!

Ela só queria ir em direção à cachoeira. Seguia assim, toda faceira!

Buscava proteção!

Parecia ouvir passos indo na mesma direção, mas não via ninguém. Apenas sentia!

Sentia que alguém a seguia, mas nada temia. Era uma boa vibração, tal qual a que vinha da cachoeira e de seu coração.

Era noite ainda, o intenso luar iluminava o caminho.

Chegou à cachoeira, maravilhosa!

Sem sequer se despir, nela entrou. Lavou tudo, deixou lágrimas rolarem, lavou a alma…

Sua veste branca parecia uma segunda pele, grudada.

Foi atraída por uma força incomum.

E lá estava ele. Olhar profundo, doce, pidão!

Não teve medo, lentamente foi se aproximando…

E a ele estendeu a mão, os lábios, o corpo, a alma, o coração…

E toda a sua vida…

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

#flalfestival 2019

Miniconto- palavra “proteção”

Sedução

SEDUÇÃO

Um toque de sedução

Leve, irresistível, puro

Nos envolve em emoção

Seja na luz ou na escuridão

Como um sonho, vem suave

Aos poucos, devagarzinho

Nos abraça, nos acolhe

Nos aquece de mansinho

Logo é torrente, sensação

Como onda fria, intensa vibração

Nos encanta, nos invade

Forte, prazerosa, sem maldade

Pura sedução em forma de natureza

É vida, é prazer, é grandeza!

Entregue-se!

Alda M S Santos

No meio do rio

NO MEIO DO RIO

Uma estrada, a volta para casa

No meio da estrada, uma ponte

Sob a ponte, um outro caminho…

No meio do caminho tinha um rio

No meio do rio tinha uma pedra

No meio da pedra e de toda essa beleza

Estava eu…

Encantada, embriagada com toda essa natureza

Nas águas mornas do rio, muitos peixinhos

Beliscando meus pés, fazendo cócegas, risinhos

Ai que vontade de mergulhar

De roupa e tudo ou como vim ao mundo…

Apenas àquela maravilha poder me entregar

Ser feliz, relaxar…

Uma estrada, uma ponte

Um caminho, um rio, uma pedra

E lá estava eu…

Tentando ser mais eu!

Alda M S Santos

A natureza

A NATUREZA

A natureza fala conosco todo o tempo

Usa de muitos recursos para se comunicar

É deslumbrante, fala de vida

Às vezes nos tira para dançar

Grita nos trovões, nas tempestades

Sussurra nas leves ondas do mar

Abraça-nos nos raios do sol escaldante

Acaricia dois corpos de amor ao luar

Como brisa em nossos ouvidos um canto entoa

Aquece nossa pele, doce verão

Ora nos refresca numa leve garoa

É sempre amor, não importa a estação

Nas águas de uma cachoeira

Ela mostra sua beleza, sua magia

E eu cá embaixo entendo, não dou bobeira

E logo registro a poesia…

Alda M S Santos

Quero água

QUERO ÁGUA

Quero água!

Pode ser do rio ou do mar

Ou de uma bela cachoeira

Não sou tão exigente

Límpida, cristalina, quero é me banhar

Não dá para ficar de bobeira

Para não desidratar

O calor não tá de brincadeira

O ar tá seco, tá difícil respirar…

Quero água!

Uma piscina, uma ducha

Até mesmo um banho de mangueira

Mas bom mesmo seria

Uma boa chuva na moleira

Correr, brincar, me esbaldar

Poder na tempestade me encharcar

E depois, toda molhada, refrescada

Ter alguém para, toda faceira,

Poder abraçar e amar…

Quero água!

Alda M S Santos

Refresque-se!

REFRESQUE-SE!

Precisando de uma pausa ou um refresco?

Vá para o mato, área de linda natureza

Uma fazenda, um sítio, um parque na cidade

Procure um rio cristalino, tire a roupa, mergulhe

Nade de braçadas, deixe a água fria lavar tudo

Fique até sentir toda a musculatura aquecida

Até a correnteza levar embora pra longe todo mal

Se não for possível, sente-se à margem de uma lagoa

Coloque os pés na água

Inspire e expire profundamente várias vezes

Pense em tudo de negativo que aquelas águas estarão levando embora

Atraia para si apenas bons pensamentos

Conserve os sentimentos positivos

Faça uma oração pessoal e verdadeira

Agradeça cada coisa boa que tem na vida

Faça um trato consigo mesmo:

A despeito de tudo e de todos,

Manter a paz e a serenidade

Priorizar o amor sempre…

Esse desejo é forte e poderoso

Porque vem de dentro de você

Tente! Refresque-se!

Alda M S Santos

Sob o luar

SOB O LUAR

Sob a luz intensa do luar

Quero relaxar, me entregar

A um banho quente, envolvente

Que afaste tudo da mente

Exceto o prazer de ser gente

Quero um banho de Lua!

Sob a beleza da Lua

Por uma noite sem fim, sem pudor

Ou por toda a vida, de alma despida

Poder sem medo me abrir, me expor

Preciso de um banho de Lua!

Sob o poder e encanto da Lua

Deixar tocar e brilhar em mim

Raios de amor, gotas de poesia

Da pele suave à alma nua

Pura magia…

Quero um banho de poesia!

Embriagada de poesia ao luar

Mergulhada na ânsia de amar

Um nostálgico desejo me faz te chamar

Não quer comigo também se banhar

No mar, sob o luar?

Precisamos nos banhar

De lua

De poesia

De amor…

Alda M S Santos

Visita preciosa

VISITA PRECIOSA

Certas visitas quando chegam

São tão preciosas e queridas

Fazem-nos vibrar, sentir bem

Simplicidade e beleza que encantam

Mostram que o ambiente está receptivo

Trazem a paz consigo e nos dão sensação de pertencimento

A esse lugar, a esse plano, a essa natureza tão rica

Nos fazem crer que resta ainda uma esperança

Para o nosso tão lindo planeta

Que nos foi dado a cuidar e amar

Que pode ainda haver salvação

Para nossa alma, nosso coração

Para nós mesmos como membros dessa humanidade tão complexa

Precisamos acreditar e agir

Proteger-nos como espécie integrante de um todo maior

E, principalmente, fazer tornar sempre atual a lição

Amar aos outros como a nós mesmos

Aqui somos visitantes apenas

Que deixemos melhor que encontramos…

Alda M S Santos

Fascinação

FASCINAÇÃO

Não há fascínio tão grande

Quanto aquele diante do mar

Tanto faz se é a primeira

A segunda ou a vigésima vez a olhar

Um mundo de mistérios que amedronta e encanta

Beleza que se move, aquieta, envolvente

Dispara o coração, aciona a imaginação

E nos atrai para si, lentamente

Águas calmas ou revoltas

Numa dança contínua e sensual, cativante

Vai e volta, canta, silencia, conquista

Aos nossos pés repousa, apaixonante…

Entregues ficamos

Fascinante…

Alda M S Santos

Miniaturas

MINIATURAS

Somos miniaturas do mundo lá fora

Dessa bela natureza e vasto universo

Tudo em nós está em movimento

Somos perda e reparação

Somos destruição e reconstrução

Entre atração e repulsão

Formamos nossa galáxia interna

Nesse mundo interior tão cíclico

É necessário haver espaço para a dor de perder

Para a alegria de renascer

É preciso juntar os pedaços de nossa alma

Cada uma tem um lugarzinho especial nesse nosso multiverso

E é de extrema importância nesse nosso “passeio” por aqui

“Na (nossa) natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma…”

Alda M S Santos

Curas homeopáticas

CURAS HOMEOPÁTICAS

A natureza tem poderes curativos

Não apenas os que vêm das plantas medicinais, que brotam do chão

Natureza tem poderes curativos da emoção

Aqueles que trazem paz, acalmam o coração

Em doses homeopáticas e constantes

Atingem pontos importantes na alma

Via tato, visão, olfato, paladar, audição

Paulatinamente despertando a nossa reação

Nos salvam até de nós mesmos

Quando não enxergamos mais saída

E nos tornamos nós mesmos nossos maiores adversários…

Natureza desperta em nós o que é essencial

E que, por vezes, fica escondido em meio a tanta coisa artificial…

Alda M S Santos

Aproveite o orvalho

APROVEITE O ORVALHO

Mesmo nas noites mais secas e escuras

Nas mais frias e longas

O orvalho é produzido e depositado

Belo, natural, encantador, motivador

Quando tudo parecer secar e morrer

Quando tudo for noite fria, assustadora

Com seus barulhos ensurdecedores do silêncio

Aproveite o orvalho

E nova alvorada há de despontar na serra

Mais linda e iluminada que antes

Despertando e trazendo de volta vidas adormecidas

Com mais cores, brilho, beleza e perfume…

Alda M S Santos

Além do horizonte

ALÉM DO HORIZONTE

Além do horizonte tudo parece mais belo

Mesmo que inalcançável, inatingível

Ainda que fique apenas no mundo das ideias

Pode ser atrás de uma densa mata

Além do mar, no alto de uma montanha

Sentindo o doce cheiro de natureza

A terra úmida, a areia quente, a clorofila ou a maresia

Levando-nos ao nosso estado humano natural

Apesar de estarmos meio desconectados do todo

Respiramos profundamente, mergulhamos fundo nessa imagem

Aquela que nos instiga a alçar voo

Ainda que seja apenas nas asas da imaginação…

Vamos?

Alda M S Santos

Sol e chuva

SOL E CHUVA

Entardecer, o dia vai ceder o lugar para a noite

Ora sol, ora chuva, ora sol e chuva

Nessa disputa entre secos e molhados, quem vencerá?

Sei que o espetáculo sou eu quem curto

Cada flor, cada folha, cada matinho mais verde e brilhante

A cadelinha se espreguiça em busca de um carinho

Canarinhos já não se recolhem

Comem, voam, namoram na chuva e sol

Sequer se preocupam, acostumados a qualquer mudança

E às intempéries da natureza…

São resilientes!

Não carregam pesos desnecessários

São apenas o que são, criaturas do Criador

E se alegram por isso

Voam livres… vivem…

Alda M S Santos

Na varanda

NA VARANDA

Sentada na varanda ela vê a vida passar noutro ritmo

Com uma trilha sonora diferente, rica

Cantos, sem vozes, algazarra e encantos

Sob cores fortes, intensas, naturais

Observa o enredo matutino que se desenrola no telão da vida

Tudo ali fala, o silêncio grita, há comunicação

As palavras são supérfluas, desnecessárias

Canarinhos entram e saem do ninho sob o telhado

Conversam entre si, renovam e festejam a vida de seus ovinhos

Calangos passam correndo, saracuras idem

Beija-flores se refestelam e passeiam de flor em flor no jardim

Borboletas e joaninhas fazem a polinização

Lagartas sapecam quem ousa encostar nelas

A cadelinha se estira na grama macia e úmida

O sol reina sobre todos, debaixo de um céu de intenso azul

Cada qual sabe bem seu papel e o executa com alegria

E ela ali, a observar…

Busca dentro de si aquela mesma harmonia

Aquela “certeza” leve de também executar bem seu papel

Na tantas vezes complexa trama da vida…

Alda M S Santos

Confusão no ninho

CONFUSÃO NO NINHO

Uma barulheira próxima ao pingo de ouro no jardim

Atenta, observo tico-tico entrar e sair dali várias vezes com galhos no bico

Quando ela sai vou verificar: dois ovinhos num dia, três no outro

Quero ver o momento em que o pássaro preto, chupim, entra e bota seus ovos

E o tico-tico continua a chocar ovos alheios como seus

Mas esse momento nunca consigo “pegar”

Só dias mais tarde é que percebemos tico-tico orgulhosa do filhotinho

Chupim filhote, bem maior que a mamãe tico-tico

Criando o filhotinho de outra espécie, sem saber, enganada

Ou será que sabe?

Infiltra-se no ninho do outro, destrói vidas

Pois o chupim nasce primeiro e acaba por matar os tico-tico que chegam de fome

Como pode atitude tão oportunista de um ser que sequer pensa?

Não monta seu ninho, não choca, não cuida

Quer apenas aproveitar do que encontrou pronto…

E tico-tico mãe cuida, alimenta, protege…

Fosse no mundo dos humanos, por muito menos

Seria tragédia na certa!

Será que aprenderam conosco esse oportunismo

Ou ainda têm algo a nos ensinar que não percebemos?

Alda M S Santos

Névoa

NÉVOA

Caía uma névoa fininha

Daquelas que embaçam o tempo

Esfriam até nossos ossos

Da varanda, tomando uma xícara de café recém coado eu observava

Como a natureza tem a capacidade de atingir nossas emoções!

Quando fica assim sinto-me em outro mundo

Dizem que é o momento em que a tristeza e depressão têm seu auge

Tem-se a percepção de que a Terra parou…

Poucos passarinhos se arriscavam a sair de suas casas

A cigarra sossegou seu canto

Beija-flor aparecia e beijava mais rápido que o normal

Para logo se recolher e se aquecer

Parece que a ordem geral em suspense era: recolham-se!

Uns recolhiam-se para dentro de suas casas

Outros, para dentro de suas lembranças e emoções

Outros para os recônditos de suas almas inquietas

Muitos não achavam para onde se recolher

Perdidos…

Esses que costumam não achar o caminho de volta…

Gosto de tempo assim!

Saio admirando as flores molhadas

Os bichos recolhidos, as pessoas que passam apressadas

Ou aquelas que nem se importam com aquela névoa

Que insistia em atingir os ossos

Volto e vou acender o fogão à lenha

Aquecendo…

Alda M S Santos

Águas passadas

ÁGUAS PASSADAS

Águas passadas não movem moinhos

Diz sabiamente o ditado popular

Por que sempre voltamos ao mesmo moinho

Acreditando encontrar as mesmas águas a movê-lo

Ou buscando naquelas novas águas que agora o fazem rodar

As mesmas características anteriores?

Se o moinho é o mesmo, e continua sendo movido à água

Algo semelhante haverá entre essas e as águas passadas.

Buscamos nova familiarização, nova sintonia

O que nem sempre nos atentamos

É para o fato que o moinho também se modificou,

Não é o mesmo moinho de outrora

Tem fissuras, partes escurecidas, está mais silencioso ou barulhento

As mesmas águas que passaram e foram embora rio abaixo

Fizeram seu trabalho na roda do moinho

Deixaram ali sua marca…

Águas passadas não movem moinho

É verdade!

Mas o deixam cada vez mais forte e eficiente

E capaz de aproveitar melhor a força das novas águas …

Águas passadas são lições aprendidas

Nos livros dos moinhos de nossa existência…

Alda M S Santos

Pescaria

PESCARIA

Não estou nervosa, não estou tensa

Mas algo me leva a pescar…

Na beira do lago coloco a isca, lanço o anzol

Pesco a beleza que se transmuta em sons, movimentos e cores

Uma revoada de pássaros que canta no céu

Uma vaca que muge ao longe

O vento que balança as árvores e derruba frutos

As galinhas que cacarejam fugindo dos cães

A água que escorre numa bica e cai no lago

Uma tilápia que nada apressada na água calma

Pesco a beleza visual que dança descuidada sob meus olhos

Pesco o amor do criador em cada criatura

Uso apenas o anzol do desejo de paz

No qual coloco a isca da sensibilidade

Ouço alguém me chamar lá dentro

E saio com o cesto da alma carregado nessa pescaria…

Aceitam um pescado?

Alda M S Santos

Há esperança

HÁ ESPERANÇA

Há esperança, ah, esperança…

Aquela que vai, voa, se perde, volta

Flutua e pousa insegura em sua mão

Ah, esperança…

De asas leves, voo verdejante

Machucada, temerosa, insistente

Repousa em sua alma, batendo asas no ritmo de seu coração

Há esperança!

Voa na brisa suave, deixa-se levar nos vendavais

Ou apenas se recolhe num canto…

Espera, paciente, que alguém nela espere

Como toda esperança será a última a morrer

Ah, esperança…

Há esperança?

Alda M S Santos

Deixe-se levar

DEIXE-SE LEVAR

Deixe-se balançar ao sabor do vento que sopra forte

Ora para um lado, ora para o outro

Deixe-se encharcar pelas águas que inundam

Ora as doces do céu, ora as salgadas do oceano

Deixe-se emocionar pelos sentimentos dentro de si

Não resistir, não fincar pé, não engolir choro gera resiliência

A capacidade de envergar, mas não quebrar, nos fortalece

Quanto maior a capacidade de se flexibilizar

De mover-se ao sabor do que é maior, mais forte do que nós

Mais engrossamos nosso tronco, nossas raízes, nossa essência

Preservamos o que é importante…

As grandes árvores balançam ao sabor das ventanias

E suas raízes são cada vez mais profundas

Seu equilíbrio entre flexibilidade e rigidez é que garante sua sobrevivência…

Alda M S Santos

Aqua(Rio)

AQUA(RIO)

Quando pensamos que toda essa beleza que é uma região de praia

Grande extensão de areia para caminhadas à beira-mar…

Originaram-se de algo que se desfez

Da ação de ventos e chuvas sobre as rochas

Que foram se desprendendo em inúmeros pedacinhos

E, com o tempo, aos poucos, desgastes sucessivos

Acrescentando fragmentos de conchas e carapaças de animais

Juntaram-se até formar aquela areia fofinha…

Aquela imensidão que é o oceano que a gente vê

E toda a vida que existe ali embaixo que a gente não vê

Que desconhecemos e nem sempre respeitamos…

É a natureza nos ensinando que tudo se transforma

Que o que pode nos parecer ser o fim, perda irreparável

É apenas uma transformação

O início de algo maravilhoso e ímpar

Que não existiria sem as “perdas” sofridas

Que tantas vezes só lamentamos…

Alda M S Santos

#aquario

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: