Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

Deus

NUM BANCO À BEIRA-MAR

NUM BANCO À BEIRA-MAR

Sonhei que estava num banco à beira-mar
Longe, distante, perdido estava o olhar
Ele chegou, sentou, se dispôs a conversar
Não saberia dizer quem era, parecia familiar

Quieto, tranquilo, transmitia paz
Deixou-me à vontade, método eficaz
Não tinha pressa, não pressionava
Sabia o que fazia, calmamente aguardava

Comecei a falar, não conseguia parar
Ele, muito empático, ouvia sem julgar
Parecia tudo entender, me acolhia com o olhar

Um dedo suave minha lágrima limpou
Com extremo carinho, corpo e alma abraçou
Parecia dizer: em frente, contigo sempre estou

Alda M S Santos

Senta aqui

SENTA AQUI
Senta aqui do meu lado, precisamos conversar
Quero falar de tudo que me alegra
De tudo que sinto falta
Da falta que você me faz
Daquilo que me faz chorar…
Senta aqui do meu lado, só nós dois
Quero jogar conversa fora, sorrir
Rir de mim mesma, da vida
Chorar pelos meus erros e falhas
Ouvir suas histórias e bons conselhos
Senta aqui do meu lado
Quero brincar, te contar casos
Quero dividir contigo o prazer de ter aqueles que amo
Ou as tristezas de não poder ser útil a tantos outros
Lamentar por aqueles que partiram
E que deixaram vazios e saudades
Senta aqui do meu lado
Conversar com você é vencer medos
É saber-me aceita mesmo com todas as minhas falhas
É sentir acolhimento e seu olhar de amor
É sorrir chorando, é chorar sorrindo
É olhar ao longe e enxergar dentro de mim mesma
É perceber que há muito ainda a viver
E saber que VOCÊ, como prometeu
Estará comigo até o fim dos tempos… Senta aqui, vamos conversar!
Alda M S Santos

Quantos degraus?

QUANTOS DEGRAUS?
Quantos degraus até o céu?
A escada é sinuosa, rolante, escorregadia, antiderrapante?
Quem pode subir, há restrições, limites de entrada?
Podemos levar alguém, sermos levados por alguém?
E se nos cansarmos no caminho, tropeçarmos, cairmos?
Podemos voltar a subir ou perdemos a vez?
Os últimos serão os primeiros?
Quantos degraus até o céu?
A entrada é franca? Paga-se com quê?
Qual a “moeda” de troca?
Muitas perguntas… Sei lá!
Enquanto isso vou fazendo do agora o meu céu
Tal qual crianças a brincar, a pular amarelinha
Continuo subindo até o céu…
Alda M S Santos

Onde está o milagre que preciso?

ONDE ESTÁ O MILAGRE QUE PRECISO?

Onde posso Deus encontrar?
Buscamos tantas vezes sem cessar
Qual será o seu lugar?
No céu, nas igrejas, nos altares pra se adorar?
Queremos milagres, provas concretas
Uma voz, uma luz, uma cura, coisa certa
Nessa ânsia insana, maluca, incerta
Fechamos os olhos para o óbvio, não ficamos alertas
Ignoramos o bom dia alegre de um ente querido
A palavra doce e sincera daquele amigo
O carro que não pegou e de algum mal nos livrou
A dor que deu uma trégua, um tempo
A saudade que mexe com o sentimento
Tudo isso é Deus em movimento
O sol que não se esquece de nascer
A lua que vem iluminar o anoitecer
Um sorriso, um olhar terno, uma mão estendida
Uma conversa, uma história bem vivida
Deus está na Sua criação
Na natureza, na magia, na poesia
Nos anjos sem asas que Ele nos envia
Olhe mais demoradamente e verá Deus no outro
E encontrará Deus em você mesmo
Isso já é um grande milagre…
Entregue-se… viver é um milagre…

Alda M S Santos

Seja como for

SEJA COMO FOR

Uns rezam, outros oram, outros fazem preces
Uns choram, uns pedem, outros silenciam ou agradecem
Cada qual fala com Deus a seu modo
Outros dizem ser agnósticos, não acreditam Nele
Como pode? -ouso perguntar
Mas não é isso que irá me incomodar
Procuro coração piedoso e caridoso
Observo mais o agir que o falar
E se puder ver Deus no agir
Para mim é o bastante para seguir
Deus é amor, seja como for…

Alda M S Santos

Ele me trouxe

ELE ME TROUXE

Gosto de pensar que cheguei aqui trazida pelas águas

Isso explicaria meu encanto por elas, doces ou salgadas

Quando Ele decidiu que eu deveria vir para cá

Pensou que seria para mim um bom modo de chegar

Posso passar horas nelas admirando, olhando

Curtindo, andando, amando…

É uma fantasia multicor, surreal

Por vezes parece tão distante, outras tão real

Mas é um misto de encanto, respeito, medo, ansiedade

Será que também voltarei como cheguei, será verdade?

Nos braços das águas para minha definitiva morada na eternidade?

Enquanto isso não acontece

Não importa se amanhece, entardece ou anoitece

Vou por aqui admirando toda essa beleza

Quero mesmo é fazer parte dessa natureza…

Alda M S Santos

Lendo a minha mão

LENDO A MINHA MÃO

A cigana quis ler a minha mão

Antes, porém, me pediu autorização

Ela olhou-me nos olhos, confiei

Seu olhar transmitia sabedoria, acreditei

Um pouco ansiosa, meio tensa, aguardei

Ela olhava minha mão, passava os dedos nas linhas

Olhou de novo em meu rosto, suspirei

Que será que ela tanto via que a detinha?

Disse que eu era firme em meus propósitos

Sabia bem o que queria ou não

E quando amava, amava de montão

Até aí estava tudo certo, então

Vais passar por mudança, perrengue sério

Não dá ainda para saber qual é o mistério

Mas depende só de você saber lidar com tal revertério

Assustei, preocupei, medrei, na oração busquei refrigério

Alda M S Santos

Contabilizando

CONTABILIZANDO

Quantos nãos sua felicidade, sem minguar, suporta

Quantos sins sua tristeza precisa para fechar comportas

Quantos talvez sua segurança aguenta sem desfalecer

Quantos tanto faz você aguenta antes de morrer?

Quantos sorrisos te fazem das lágrimas esquecer

Quantos abraços são necessários para a dor desaparecer

Quanta luz você precisa para deixar de escurecer

Quanta saudade você tolera sem enlouquecer?

Quanta fé é necessária para você, das cinzas, renascer

Quanto milagre precisa acontecer para você aprender

Que quanto mais amor doar, mais irá receber?

Quanto?

Alda M S Santos

Tá no ar

TÁ NO AR

Tá no brilho de mais um dia que se inicia

No despertar com ânimo e energia

Na gratidão que o viver propicia

No desejo de fazer deste um bom dia

Tá no ar, na brisa suave, no leve caminhar

Nos pássaros que cantam, confiantes, a voar

Nas crianças que sorriem, que correm a nos abraçar

Nos idosos postos ao sol para se esquentar

Tá na rosa que se abre para o amanhecer

Naquelas que também já vão perecer

Na vida de fartura ou de carecer

Tá no ar, tá no sorriso, no ato de se doar

Não precisa ir longe, está em todo lugar

O amor de Deus não falta, saiba encontrar…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: