Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

amor com a vida

É preciso fazer as pazes

É PRECISO FAZER AS PAZES

É preciso fazer as pazes
Estar de bem consigo, novos ares
Buscar fora e dentro de si bons lugares
Deixar de fora as culpas, os males

É preciso fazer as pazes
Aceitar nossas falhas nessa jornada
O corpo que nem sempre agrada
A emoção que às vezes nos degrada

É preciso fazer as pazes
Com o outro que não nos aceita
Com a vida que nunca é perfeita
Conosco mesmos por tanta desfeita

É preciso fazer as pazes
Com o passado que nos magoou
Com o futuro que não chegou
Com o presente, que é onde estou

É preciso fazer as pazes…

Alda M S Santos

Sabiá apaixonado

SABIÁ APAIXONADO

Queria entender o seu canto
Não sei se é alegria ou pranto
Se chama pela companheira
Ou faz show para tomar a dianteira

Parece encontro já marcado
Entre dois afoitos namorados
No mesmo lugar, na mesma hora
Sabiá parece cantar “não demora”

Mas nada dela chegar ali
Canta alto, entoa “estou aqui”
Para, observa e voa para o caqui

O canto cessou, o amor chegou
Agora alegria silenciosa restou
Deixa quieto, para lá eu não vou

Alda M S Santos

Fada Coração

FADA CORAÇÃO

A Fada Luz queria tanto saber
Um modo de ser e fazer feliz
Resolveu rodar o mundo inteiro
Até descobrir o segredo

Num jardim, entre rosas,
Em meio a tanta luz e calor
Deu de cara com a Fadinha Sol
Que afirmou que para ser feliz
Era preciso saber a todos aquecer, fazer crescer…

Numa noite de lua e estrelas
Encantou-se com a Fadinha Estrela,
Sentada na Lua Cheia
E, brilhante, não tinha dúvidas:
A felicidade estava em iluminar caminhos…

Seguiu uma trilha até o horizonte
E foi dar no mar, numa praia distante
Ali estava satisfeita sob um coqueiro a Fadinha Água
Convicta, afirmou: ser feliz é matar a sede de viver

Fadinha Luz pensativa ficou, acreditava em todas elas
Era preciso aquecer, iluminar, matar a sede de vida
Mas sabia que algo ainda não estava completo
Sentia que ser feliz era mais que isso

E no meio de tanta criança feliz
Brincando, cantando, sorrindo e dançando
Encontrou, de olhos brilhantes, a Fada Coração
E ali descobriu que a felicidade
Estava em saber se doar, amar, ser irmão…

E Fada Luz aprendeu a lição:
Ser feliz é saber amar, é ser carinho
É ser pureza, é ser criança
É ser da vida o coração!

Alda M S Santos

Firmando laços

FIRMANDO LAÇOS

Cansaço, medo, dor, preocupação
Repouso, um pedido em forma de oração
Que haja paz, que o mal não prevaleça
Que num belo sonho tudo se esclareça

Caminhos nebulosos, difíceis, assustadores
A vida se apresenta, mostra suas dores
Passando por elas, em cada uma, aprendendo
Em cada tropeço, evoluindo, crescendo

Força, fé e coragem são renovadas
Em frente, gratidão, não estamos sós
Há anjos amigos, enviados a nós

Somos usados para desfazer os nós
O bem em olhares, palavras, abraços
Reforçando a parceria, firmando laços

Alda M S Santos

Tem poder

TEM PODER

Que mais sobre você tem poder
De fazer tudo do melhor acontecer
Não te deixar desanimar ou esmorecer
Te fazer vibrar, em belos tons florescer?

Que tem poder de te fazer mover
Te afastar da inércia, fazer efervescer
Tirar do lugar suas internas montanhas
Sem subterfúgios ou artimanhas

Se a banda passa você segue a dança
Se a menina sorri logo ativa sua esperança
Coração anda cansado de tanta andança

Quer um dia de chuva pra se sentir descansado
Se for ensolarado pra deixar mais animado
No fundo, quer mesmo o amor pra ficar mais encantado

Alda M S Santos

Desculpe!

DESCULPE!

Se nem sempre soube o que dizer
Se nem sempre consegui te ouvir, entender
Se não aceitei quando quis me acolher
Desculpe!

Pelos caminhos apertados onde entrei
Pelas vezes que fugi, te ignorei
E não soube ser grata, decepcionei
Desculpe!

Pelas dores que às vezes te culpei
Cobrei, e o erro era meu, bem sei
Pelas vezes que desesperei, não confiei
Desculpe!

Pela minha humanidade,  falhei
Em Sua bondade,  me reencontrei
A ti,  gratidão, não desistirei
Por isso… desculpe!

Alda M S Santos

Água ou fogo

ÁGUA OU FOGO?
Água ou fogo, calor ou frescor
Calmaria ou tempestade
Doçura, delicadeza e bondade
Ou atitude, agitação, lutas, felicidade
Sem falso pudor?
Água ou fogo?
Em qual deles encontramos o que mais precisamos
Voo livre ou terra firme
Asas ou raizes
Liberdade ou segurança
Troncos ou galhos, flores ou frutos?
Que buscamos?
Almejamos aquilo que nos atiça, energiza
Ou aquilo que nos acalma, tranquiliza
Qual elemento mais nos completa
Água ou fogo?
É preciso ficar alerta
Água que lava, refresca,
Nos leva em seu curso
Ou fogo que nos aquece, alimenta, instiga,
Consome o que nos faz mal
Ativa o bem e apaga toda intriga?
Água ou fogo?
Depende do que mais necessitamos no momento
Ambos podem nos limpar, purificar
Nos permitir recomeçar…
Água ou fogo?
Que saibamos escolher o elemento certo
No momento mais incerto…
Alda M S Santos

Quero ser

QUERO SER

Quero ser a melhor brincadeira
Naqueles momentos mais sérios
O sorriso nos momentos de apreensão
A lágrima nos instantes mais alegres
O abraço na hora de solidão

Quero ser o forte analgésico
Nas dores crônicas, no mal agudo
A resposta nas dúvidas existenciais
A placa de largada para os desanimados
A esperança para os sonhos tão naturais

Quero ser a fé e a luz brilhante
Nos breus intensos do caminho
A saudade no coração de alguém
A coragem que brota insistente
A doçura para o amargor também

Quero ser broto de amor
Sementes colhidas do coração
Plantadas em terreno fértil
Nascidas nas terras da imaginação
E perpetuadas no jardim dos irmãos em comunhão

Quero ser…

Alda M S Santos

Um olhar vago

UM OLHAR VAGO
Ela estava sentada naquele banco debaixo de uma grande árvore no parque.
Gostava muito de ir ali para pensar, relaxar, abstrair-se dos problemas.
Tempo frio, vento de agosto, o sol brilhava, mas pouco aquecia.
Jardim bem cuidado, lindas flores, perfumado, borboletas e beija-flores.
Crianças corriam, subiam, desciam, escorregavam, pedalavam, riam. Totalmente alheias ao mundo confuso dos adultos.
Um grupo de mães mais a frente vigiava. Falavam do mundo infantil. Algumas com bebês nos carrinhos, vez ou outra ofereciam água às crianças.
Um casal enamorado sentado de frente um para o outro, imersos um no outro.
Um senhor de idade meio indefinida, cabelos ralos e brancos, parecia distraído, acessando muitas lembranças. Carregava um jornal que não lia, olhar ao longe.
E ela ali, pensando, imaginando, observando…
As crianças continuavam a algazarra. Uma bola veio aos seus pés, jogou de volta com um sorriso.
O casal parecia cada vez mais desligado do entorno, mais mergulhados em si mesmos.
As mulheres continuavam uma conversa animada sobre os preços no mercado.
O senhor lentamente se levantou, limpou uma sujeira imaginária na própria calça, conferiu o banco, guardou o jornal na sacola e veio andando.
Derrepente a bola passou veloz no ar em direção àquele senhor.
Ela, num impulso, saltou e interceptou a bola antes que atingisse o alvo. Certamente derrubaria aquele senhor.
As mães ralharam e chamaram as crianças para ir embora. Umas reclamavam, outras choravam.
O casal olhou distraído para aquilo que ousava tirá-los de seu mundo e voltou a se beijar.
O senhor demonstrou gratidão, aceitou a sugestão dela e sentou-se novamente.
Olhou bem para ela, sorriu, um doce sorriso que iluminou todo aquele rosto.
Pegou o jornal, abriu, tirou de dentro dele um livro, o seu livro…
“É você, não é?” – afirmou sem esperar resposta com surpresa e alegria. “Adoro seus poemas”.
Ela também sorriu. A poesia tomou conta do parque .
A conversa fluía solta, o olhar já não era mais vago…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: