Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

amor com a vida

E se…

E SE…
E se pudéssemos escolher
Entre o poder e o dever
Entre o ficar e o partir?
E se pudéssemos escolher
Entre o parar e o andar
Entre o chorar e o sorrir?
E se pudéssemos escolher
Entre estar só ou acompanhado
Entre viver ou deixar-se viver,
Ativo ou passivo, autor ou personagem?
E se pudéssemos escolher?
Sempre podemos, mas a cada escolha, uma renúncia
A cada renúncia, uma possível dor…
Alda M S Santos

Etarismo?

ETARISMO?

Criança brinca, adulto trabalha, idoso descansa
Via de regra, é o costume, a norma, o conceito
Fugiu disso já vem julgamento, o pré-conceito

Criança estuda, adulto namora, cria família
Idoso dorme, joga dama, faz a sesta, letargia
Criança trabalhar, adulto descansar e idoso namorar gera conflito
E já se quer resolver tudo na exclusão ou no grito

O que não se sabe é que cada um tem em si
Uma criança, um adulto, um idoso para emergir
Se se respeita os próprios limites e não fere ninguém
Quem poderá julgar o que se passa com alguém?

Sou quem eu quiser com amor e respeito
Nesse mundo tão desumano se for bater no peito
Que seja para dizer: vivo com magia, com alegria
No mais, cada qual seja feliz em sua (ir)real fantasia

Alda M S Santos

Eu sou

EU SOU…

Sou aquela que intensa e alegre chega
Sou amor, carinho que se aconchega
Sou triste, desanimada, acabrunhada
Nessa vida tantas vezes desordenada

Sou aquela que se vai, que chora e sorri
Que briga pelo que quer, sem desistir
Ora frágil, ora forte, ora sem norte
Tentando não depender muito da sorte

Sou aquela que precisa de gente
Para ficar bem, ser mais contente
Não abro mão de um pouco de introspecção
Aquela que se obtém na solidão

Sou apenas mais um alguém
Que erra, que conserta, que acerta também
Encontro a paz na natureza, na simplicidade
Num amor pleno, verdadeiro e sem maldade

Alda M S Santos

Livre-arbítrio?

LIVRE-ARBÍTRIO?

Como lidar com esse mundo?
Gente maltratando gente, jeito imundo
Nação contra nação, irmão contra irmão
A natureza que grita por salvação

Como lidar com discriminação e corrupção
Cidadão que se acha dono da situação
Ofendem e maltratam a natureza
Flora, fauna…a vida perde sua riqueza

Humanos que condenam outros humanos
Causando na humanidade grandes danos
O amor já não é olhado com simpatia
O ódio tem alcançado o alto, a soberania

Como somos olhados pela Criação
Que Deus pensa desse viver sem compaixão
Vai nos dar corda, respeitar nossa decisão
Ou livre-arbítrio não será boa opção?

Alda M S Santos

Ainda é!

AINDA É!

Barco ancorado no porto ainda é barco
Trem atracado na estação ainda é trem
Aeronave pousada no hangar ainda é aeronave
Passarinho quietinho no ninho ainda sabe voar
Povo cansado de acreditar ainda pode confiar
Repouso e atividade, tempos que todos temos
Reabastecer energias, encher o tanque
O barco ainda almeja desbravar oceanos
O trem quer seguir novos trilhos
A aeronave vislumbra as alturas, o espaço
Passarinho sabe que sairá voando do ninho
E nós? Há uma esperança que nos alimenta
Uma fé que nos anima e apascenta
A coragem de ser novo humano e sonhar
Ser barco, trem, aeronave, passarinho
E nunca mais se sentir sozinho
Nesse ir, vir, partir, repousar…

Alda M S Santos

Valores

VALORES

Meus valores ditam minhas ações
Causam alegrias, dores, despertam emoções
Minha inércia também é um modo de agir
Meus oásis, meus desertos, meu sentir

Para todo lado há o que ser admirado
Também há aquilo a ser ignorado
Eu escolho o que permito me incomodar
Também aquilo que em mim pode morar

Há momentos em que tudo parece escurecer
Lá no fundo buscamos nosso alvorecer
Só assim podemos fazer cada acontecer

Temos trabalho importante nessa empreitada
Fica mais fácil manter por perto gente aliada
Fazer o bem a quem precisar, ser mãos dadas

Alda M S Santos

Organizando

ORGANIZANDO
Organizando…
Nas gavetas de cima, aqueles que me amam incondicionalmente.
Preciso da força que me dão apenas por estarem  por perto.
Nas gavetas intermediárias, os críticos, os questionadores, analíticos, julgadores.
Preciso deles para me instigar e fazer crescer.
Nas gavetas de baixo, os falsos, hipócritas, mesquinhos, que se julgam melhores e superiores.
Em todas elas quem merece e/ou precisa de amor.
Nas de cima, aqueles fáceis de amar.
Nas intermediárias, os que aprendo dia a dia a amar.
Nas últimas, aqueles que nunca devo esquecer: para nunca me tornar e para, se possível, mudá-los de gavetas.
Ninguém de nossas vidas deve ser excluído, apenas remanejado.
Não estão ali por acaso…
Nos ajudam a seguir o curso de nossas vidas.
Alda M S Santos

Poder de viver

PODER DE VIVER

Temos o poder de colocar luz ou escuridão
Em cada passo dado nesse mundão
De escolher o que irá nos causar impacto
Em nosso corpo ou emoções, isso é fato!

Deixar nosso dia colorido, não escurecer
Depende de nós não nos deixarmos entristecer
Conseguir fazer a noite escura brilhar
Ter o poder de ser lua ou estrela, de encantar

Mundo anda tão triste, notícias do mal
Vamos alimentar o bem, afastar vendaval
Quero poder abraçar, ser amor e carinho
Na falha, pedir desculpas com jeitinho

Ganhamos esse poder da criação
Chama-se livre arbítrio, usemos então
Eu escolho plantar sementes de alegria
Para poder colher flores e frutos de harmonia

Alda M S Santos

Amigo oculto?

AMIGO OCULTO?
Estamos em tempo de amigo oculto, amigo secreto, amigo da onça…
Muitas são as variações.
O que vale mesmo é a brincadeira, a confraternização
Pessoas que dividiram espaços de trabalho, de estudo, de vida.
Brincadeiras à parte, gosto mesmo é de amigos declarados, às claras, revelados.
Amigos de verdade nem conseguem se esconder, não precisam.
Basta um olhar que todos já sabem: são amigos.
E presenteiam-se todos os dias com aquele abraço gostoso, aquele olhar que compreende nosso interior.
Aquele puxão de orelhas, alertas de perigo, sinal de fogo.
Amigo que grita, que sussurra, que gargalha, que chora junto.
Amigo que passa sms, que conta que sonhou contigo, que perde no jogo pra gente, ou ganha e a gente nem se importa.
Amigo que sabe seu número de roupas e calçado, que diz que você emagreceu ou que está com o cabelo desgrenhado… E você sabe que tudo é carinho.
Amigo que a gente empresta o marido ou esposa…bem, nem tão amigo assim.
Até aceito um amigo oculto de vez em quando…
Mas bom mesmo é brincar de amigo declarado a vida toda.
Alda M S Santos

Desejo

DESEJO

Desejo de catar lindezas por aí
Em todo canto poder me abstrair
Em grandes campos ou passarelas
Jardins de lindas flores amarelas

Desejo de me envolver só na simplicidade
Ignorar o que não agrega, a maldade
Mentiras e falsos profetas mandar embora
Quero a paz e a luz que sei, não demora

Chega a chuva, a luz, o calor do sol
Sob estrelas, frio, brisa ou arrebol
Quero a sabedoria simples do girassol

Viver num universo paralelo é perigoso
Por aqui pode estar difícil, pedregoso
Bom cuidar do jardim interno, ser cauteloso

Alda M S Santos

O que se vê…

O QUE SE VÊ…

Em cada amanhecer, através de minha janela
Imagino uma grande tela branca em aquarela
Quais as cores e dores que pinto nela?
Imagino ali uma extensa e convidativa passarela

Os tons que vou observar e escolher cabem a mim
As flores que vou pintar farão original meu jardim
Os valores que vou priorizar, as companhias
Serão especiais nessa minha travessia

Vejo dores, gritos, violência e insanidade
Vejo embates, vejo fé, medos, fragilidade
Também vejo coragem, amor, paz, realidade

Minha aquarela é móvel, muda de tom
Tem borrões e bordões de lágrimas, tem som
Tem música que acalma a alma, tem colo e edredom

Alda M S Santos

E a jabuticabeira ali…

E A JABUTICABEIRA ALI…

E se a vida fosse uma grande jabuticabeira
Convidativa ali na cerca, bem na beira
Carregadinha de frutos para quem quiser saborear
Só chegar, colher e aproveitar

O mundo anda tão complicado
Coisas simples são deixadas de lado
Só é aplaudido o que é difícil de ser conquistado
O que é natural já não é valorizado

Disputas e lutas são incentivadas
Verdades e mentiras são calibradas
Num eterno ringue brigas são travadas

E a jabuticabeira ali no meu caminho
Diminuo o passo, sorrio, sou passarinho
Me aboleto ali, colho e como devagarinho

Alda M S Santos

Acalma tua alma

ACALMA TUA ALMA

Sempre algo para abalar a paz
Sacudir o coração, tornar o ser incapaz
Urge buscar um pouco de serenidade
Resgatar momentos de luz e felicidade

O foco não precisa ser na dor, na ferida
Remexer demais não ajuda, cabeça erguida
Reflexão, sossego, não entrar nessa pilha
Bom voar na imaginação, acumular milhas

Tanto já foi enfrentado e vencido
Há momentos em que tudo parece frágil, falido
Mas a força está lá dentro, desejo suprido

Cada qual tem seu modo de ser, seu limite
Mas todos ouvimos da Criação o convite
Vencer o que faz mal, a vida permite

Alda M S Santos

Acreditar e florescer

ACREDITAR E FLORESCER

Precisamos acreditar que tudo está como tem que estar
E se não estiver que vamos lutar para colocar
Urge saber que cada um é mais um trabalhador
Que assim, agindo, é por todos um vencedor

Precisamos acreditar que somos Pátria Amada
Que não vamos desistir de nossa jornada
Aqui fomos plantados, aqui vamos florescer
Sorrir, chorar, fazer o melhor acontecer

Acreditamos que o mundo bonito começa em nós
Nos corações em laços, sem nós
Deus conosco sempre, nos ônus e bônus, contras e prós

Quero acreditar que vamos vencer
Muito há por lutar, por todos, por fazer
O mundo não para, felizes ou não, vamos todos viver!

Alda M S Santos

Para além do espelho

PARA ALÉM DO.ESPELHO

Não basta olhar só para si
Ao se olhar no espelho precisa ver além
Não é suficiente você estar bem
É preciso que o outro esteja bem também
Que possa ter chance de ser mais alguém
Um mundo melhor não gira em torno de mim
Uma visão ampla, de sociedade, para a comunidade
É o jeito mais certeiro de ser mais humanidade
Quando olho para o meu entorno, para fora 
Tiro o foco de mim, abro a porta para o mal ir embora
As janelas da alma permitem a entrada
De quem pode ser a razão dessa nossa jornada
Você está bem? Que bom! Divida com alguém!
Pense em alguém, coloque-se no lugar de outrem
Assim seu agir será sempre para o bem!

Alda M S Santos

Ar-mando um arsenal

AR-MANDO UM ARSENAL

Quero uma gente bonita e armada
Mais que isso, uma população amada
De luz, de paz, de bem-aventurança
No peito a alegria do amor e da esperança

Montar para nós um grande arsenal bélico
Capaz de combater todo mal maquiavélico
Saúde, alimento do corpo para toda população
Escolas para a mente, poesia e educação

Quero uma blindagem de sabedoria e respeito
De fé, de espiritualidade pulsando no peito
E no olhar o amor sendo lançado de todo jeito

Quero entender o que vem da Criação
Os ensinamentos de amor, a grande lição
Amar a Deus, a todos, a si, sem alienação

Alda M S Santos

O quanto vale uma vida?

O QUANTO VALE UMA VIDA?

O quanto vale uma vida?
Seguimos questionando nessa lida
Pode valer mais que ouro ou diamante
Ou parecer ser um vazio, nada importante

O quanto vale uma vida?
Quer seja curta ou comprida
Como podemos fazer essa reflexão
Pesar o quanto carregamos de emoção

O quanto vale uma vida?
Há um jeito bom de se fazer essa medida?
Se temos saúde, um alguém, alegrias
Se vencemos as dores, decepções e agonias…

O quanto vale uma vida?
Essa benção a nós cedida
Que em alguns momentos parece pesada
Noutros é felicidade a ser partilhada

O quanto vale uma vida?
Será que é assim mesmo, sofrida?
Olho para o espelho, sorrindo ou chorando
Fica a questão em mim pulsando

Acredito: a vida vale o que invisto nela
O sol que deixo entrar em minha janela
O amor que irrigo em meu coração
São o motor do existir, sem qualquer senão

Alda M S Santos

Boa leitura

BOA LEITURA

É preciso que se faça uma boa leitura
De cada ponto, de cada nó, de cada conjectura
Faz-se necessário sabedoria e bravura
Agir com delicadeza e doçura
Evita de causar por aqui grandes fissuras
Bom quando conseguimos apagar as amarguras
Não nos perder nos giros da vida, nas tonturas
Sabedores que haverá tempos de faltas, de farturas
Aprendendo a lidar com as decepções e desventuras
Entendendo quando ser firmeza ou ternura
Por aqui faz diferença nosso agir, nossa postura
Quando tudo parecer escuro, bom fazer boa mistura
De cores, de luz, de natureza, de aventura
Assim, o que faz bem  em nós perdura…

Alda M S Santos

Continuidade…

CONTINUIDADE…

Estão ali aparentes apenas três pontinhos…
Sinalizando continuidade, expondo caminhos…
Não são o final, nem início, tampouco parada…
São vida que segue nessa eterna jornada…

Eu falo, me expresso, te passo a vez…
Você recebe no peito, acolhe…timidez?
Trabalha, reflete, organiza, rebate a bola…
Nessa brincadeira somos Piu-piu e Frajola…

Gostaria que essa emoção nunca parasse…
Pois é! Seria tão bom se nada mudasse…
Será? Gosto de saber que tudo é evolução…
Que o que é belo pulsa forte em meu coração…

São assim essas simples reticências…
Respeitando com calma, sem influências…
Porém, são luz, abertura, são continuação…
Nem ponto, nem interrogação, são inspiração…

Alda M S Santos

Ria, não desista, sorria!

RIA, NÃO DESISTA, SORRIA!

Se o tempo tá carrancudo e feio
Se a maldade avança sem freio
Se a luz parece quase se apagar
Faça seu sol não se esquecer de brilhar

Ria, não desista, sorria!

Se o amor tá sendo perseguido pelo ódio
Se tá difícil manter a esperança no pódio
Se no entorno tudo parece desarrumado
Distribua bondade, traga a paz para seu lado

Ria, não desista, sorria!

Se as armas usadas são muito cruéis
Se há gente duvidosa, mentirosa, nada fiéis
Se não há como saber o melhor caminho
Pergunte-se: quem nunca me deixa sozinho?

Ria, não desista, sorria!

Se fala do bem, faz o bem, propaga o bem
Se ajuda e acolhe a todos, sem olhar a quem
Se não abandona, é luz no túnel de alguém
Caminhe junto, esteja junto, sem porém

Ria, não desista, sorria!

Alda M S Santos

A vida está aí!

A VIDA ESTÁ AÍ!

A vida está aí!

Com suas cores, brilho, seu céu azul
Também com seus nublados, sombras, escuros
Tantas pontes nos caminhos, também há muros
Seguimos nessa viagem, sacolejando nessa nau
Algumas vezes até relaxamos, noutras enfrentamos o vendaval

A vida está aí!

Vamos sorrir, vamos chorar, sofrer, amar
Vamos seguir sozinhos, acompanhados
Bem rapidamente, sem tempo, ou bem devagar
Mas vamos ser intensos, ser nosso maior aliado

A vida está aí!

Muitas são as oportunidades, os desafios, as chances
Os perigos, as dúvidas, os riscos
Sabendo mesclar equilíbrio, pés no chão e uma boa dose de loucura
Somos capazes de alcançar alturas inimagináveis

Alda M S Santos

Mundo armado

MUNDO ARMADO

Vivemos num mundo muito armado
Na tentativa de nos manter preparados
Para enfrentar guerras até mesmo atemporais
Vamos levantando barricadas emocionais

Até nosso vocabulário é destravado
Visando disparar verbos para todo lado
Dentro da gente a munição fica armazenada
Mirando um alvo qualquer para serem lançadas

Todos querendo ter poder de fogo
Rajadas fortes para ganhar o jogo,
As trincheiras escondendo alto poder de destruição
Bombardeio, campos minados, risco de explosão

Nesse mundo em que todos estão armados
Falta que todos possam se sentir mais amados
Esse é o meio de levantar a bandeira branca
Ser paz, compaixão, aliança, conversa franca

Alda M S Santos

No colo da lua

NO COLO DA LUA

Poderosa no espaço, em rotação ou translação
A Lua é do poeta uma grande inspiração
Dos amantes é colo e aconchego
Dos que sofrem é acolhimento, fuga, arrego

A imaginação por ali corre solta
A alma em paz ou caos vive à solta
Tantas perguntas e inquietações
Somos apenas humanos-problemas em busca de soluções

Na noite escura ela ilumina o céu
Cá na terra sacode corações, rasga o véu
Une quem se afina, o resto deixa ao léu

Bom quando podemos captar essa magia
Trazer para dentro de nós essa filosofia
Saber que há fases de tristeza e alegria

Alda M S Santos
Domingão Poético: Poetizando no colo da lua

Cheiro no ar

CHEIRO NO AR

Há um cheiro diferente no ar
Cheiro de coisa nova chegando devagar
Será o sonho que vem se realizar
Alimentando a alma de vontade de passear?

Há cheiro de umidade, de brisa
De chuva, terra sedenta que fragiliza
Há suor no rosto, arrepio na pele
Busca de aroma e cor, algo que nos impele

No ar passeia o que vai na emoção
Quase palpável o que transborda no coração
Será o momento de dividir essa sensação
Que faz bem, rega a vida, é nutrição?

Há no ar algo com cara de urgência
Que não pode ficar para depois, gera turbulência
Na vida há tempo de plantar e colher
É preciso saber o momento de fazer acontecer

Alda M S Santos

Quando deixamos Deus agir…

QUANDO DEIXAMOS DEUS AGIR

Quando deixamos Deus agir
Nota-se só bênçãos, não há decepção
Qualquer contratempo vira lição
Há brisa suave sob sol quente
Há calor do abraço para toda a gente

Quando deixamos Deus agir
Os corações pulsam ritmado, forte
Perdidos encontram seu rumo, seu norte
Cansados encontram oásis, refrigério
Viver é algo leve, acaba-se o mistério

Quando deixamos Deus agir
O tempo difícil fica para trás
O hoje é prazeroso, a vida se refaz
Amizades se renovam, o amor é eficaz
Alianças se eternizam, o olhar é perspicaz

Quando deixamos Deus agir
O medo é vencido pela luz, pela coragem
O futuro torna-se bela miragem
A esperança energiza nossa alma em alta voltagem

Basta deixar Deus agir em nós!

Alda M S Santos

Fazendo morada

FAZENDO MORADA

Em busca de paz, de tranquilidade
Deixo minha porta entreaberta
Não fecho e nem abro demais
O sol precisa entrar, iluminar o lugar
Abro bastante para só entrar o que for especial
E deixar sair o que já não está tão legal
Nela serei porteira atenta e criteriosa
Se for leve, perfumado, bonito e colorido
Encontrará passagem, morada certa, abrigo
Mas se for cinza, sisudo ou amargo
Peço para ir embora, não cabe, cria embargo
Descobri que para se ter paz e tranquilidade
Destino melhor sou eu mesma, minha verdade
Ainda que seja repleta de sonhos, na realidade
São meus, aqueles que cuido e alimento
Que me fazem bem, me dão alento
Abro as portas e deixo fazer morada
O que já é sorriso e empatia na chegada
Mas se não tiver o brilho e a docilidade
Se for só cobrança, cercear a liberdade
Vá em paz, aqui não roubará minha felicidade

Alda M S Santos

Porque vivo

PORQUE VIVO

Já chorei de alegria até a barriga doer
De emoção até não mais poder
Ou de angústia até amanhecer
Isso porque vivo…

Já tive medo de alguém perder
De não poder ver meus filhos crescer
De adoecer, envelhecer, dos outros depender
Isso porque vivo…

Já implorei pela vida, tive medo da morte, da escuridão
Rezei por todos, pedi perdão
Muitas vezes acompanhada, outras na solidão
Isso porque vivo…

Já tive muitas amizades, já fiquei na saudade
Brinquei, fui séria, lutei por liberdade
Nunca quis ser apenas uma metade
Isso porque vivo…

Já me organizei, arrumei o que estava bagunçado
Já fiz burradas, baguncei o que estava arrumado
Quase desisti de ver tudo de novo organizado
Isso porque vivo…

Já ganhei, vibrei, comemorei
Já perdi, sofri, quis sumir, revoltei
Amei, fui amada, correspondida, ignorada
Aprendi, cresci, me empolguei
Encontrei o caminho, voltei
Isso porque vivo…

Num saldo positivo vou vivendo, vou seguindo
Cada dia mais longe do começo
Não necessariamente perto do fim
Só de pensar, estremeço
Isso porque vivo…

Alda M S Santos

Uma fogueira

UMA FOGUEIRA

Uma noite escura atiçando o pensamento
Estrelas piscando no firmamento
Ar gelado, escondem-se as criaturas
Recolhimento e avaliação, falta ou fartura?

Muita lenha, friozinho pedindo uma fogueira
Conversa boa, ficar de zoeira, de bobeira
Saborear marshmalow aquecido na brasa
Bochechas rosadas, risadas, alma em casa

Momentos simples que aquecem a emoção
Preenchendo instantes de brincadeiras, união
Uma música cantada, tocada num violão
Desafinados, não importa, faz bem pro coração

A vida não precisa de muito para ser feliz
Basta que a gente se disponha a ser aprendiz
O cardápio que ela oferece é substancial
Fazer a escolha certa é essencial

Alda M S Santos

O quanto?

O QUANTO?

O quanto do seu saber serve
Para aumentar o saber de alguém
O quanto do seu dizer é capaz
De oportunizar o dizer de alguém

O quanto?

O quanto do seu sorriso é luz
Que ilumina o caminho de alguém
O quanto de suas lágrimas permitem
Que o outro não se sinta sem ninguém

O quanto?

O quanto de suas posses e conquistas
São instrumentos do bem, bem vistas
O quanto de seus dons são partilhados
Com quem precisa ao seu lado

O quanto?

O quanto a simplicidade é um caminho
Feito de terra e um monte de passarinho
Daqueles que se quer brincar, aventurar
Na certeza de que não há melhor lugar

O quanto?

O quanto de sua energia é distribuída
A quem sente sua força reduzida
O quanto de seu amor é doação
É abraço, é colo, aconchego para o irmão

O quanto?

Alda M S Santos

Tempo para tudo sob o céu

TEMPO PARA TUDO SOB O CÉU

Há tempo para tudo debaixo do céu
Já diz o versículo que levanta todo véu
Há tempo de plantar e de colher
Em todos os momentos do viver

Há tempos que são concomitantes
Tempo de alegrias e dores lancinantes
Choramos por aquilo que machuca, destrói
Sorrimos pelo que nosso amor constrói

Tempo de fechar trilhas, desistir
Tempo de abrir caminhos, insistir
Tempo de mandar o que fere ir embora
Tempo de acolher o que faz bem, sem demora

Sigamos plantando, podando, irrigando
Arrancando, jogando fora, descartando
Colhendo a semente que gerou vida e amor
Lançando fora o que não traz mais calor

Alda M S Santos

Dia do pão de queijo

DIA DO PÃO DE QUEIJO

Diz que hoje é dia do pão de queijo
Bobagem é essa?
Mesma coisa de dizer que tem dia de beijo
Mineiro gosta de queijo igualzinho gosta de beijo
Todo dia, toda hora, sem demora
Quentinho, acompanhado ou sozinho, com cafezinho
Pao de queijo é desculpa para prosear
Para chamar a moça para passear
Para qualquer data comemorar
Pão de queijo é energia para subir a serra
Para ganhar dos outros no cabo de guerra
É alimento antes ou depois da refeição
É sabor que alegra o coração
E junta só gente boa em qualquer situação…
Todo dia é dia de pãozinho de queijo
Aceitam?

Alda M S Santos

Não chore!

NÃO CHORE!

Não chore, se chorar, lave a alma e siga
A vida requer paz, não vale qualquer briga
Se conseguir, prefira um sorriso iluminado
Ainda que ele comece de lágrimas molhado

Não chore, ou só chore para amenizar o coração
Mas não fique preso nessa dor, não
Entenda a causa de toda essa situação
Fuja dela, alimente o que alivia a tensão

Não chore, prefiro a alegria de fazer você sorrir
Não me faça chorar, prefiro que me leve a amar
Não chore, esteja comigo, seja meu porto, meu abrigo
Gosto do calor do colo de um amor amigo

Não chore, a vida é luta intensa e constante
Não vale jogar a toalha, ela passa num instante
Vamos brincar, passear, cantar e amar
Assim o.choro não tem aqui bom lugar

Alda M S Santos

A vida em cores e odores

A VIDA EM CORES E ODORES

Vejo a vida em muitas e misturadas cores
Em sonhos, devaneios, gente, bichos e flores
Numa amalucada e saudável interação
Essa viagem vai se tornando rica em emoção

Beija-flor que degusta o néctar no jardim
Flores que atraem, se abrem, felizes, enfim
Borboletas, abelhas e joaninhas
Fazem a cor, o odor e a beleza de manhãzinha

A vida tem a cor e o aroma que a gente pinta
Ainda que doa e alegria a gente não sinta
Vale ser Sol, ser oceano e a paz a gente pressinta

Gosto de gente que gosta de toda gente
Gosto de gente que se faz presente
Gosto de gente que é o amor que a gente sente

Alda M S Santos

A gente combina…

A GENTE COMBINA…
Vento que uiva, que canta
Fala baixinho, sussurrando
Ora grita, nervoso, intenso
Traz e leva pensamentos e desejos
Vento que passa veloz
Muda o plano de voo das aves,
Traz consigo tempestade atroz
Balança galhos das árvores
Que se curvam ao seu poder
E, resilientes, retomam seu prumo, até sem querer
Vento que acaricia feito brisa suave, que atiça
Que arrepia cada centímetro da pele, que enfeitiça
E que esquenta corpo e alma, lá dentro, bem fundo
Ou que, devastador, gela tudo em nosso mundo
Vento que chega sem qualquer aviso
Deixa em alvoroço rios e mares, impreciso
Pega toda a gente desprevenida
Correndo em busca de boa guarida
Ou se entregando a ele, sem saída
Vento que vem e que vai
Uma hora a gente combina direitinho
Quem sabe a gente não vai juntos pro mesmo caminho?
Alda M S Santos

Toma lá, dá cá!

TOMA LÁ, DÁ CÁ!

Seria bem matemático se a vida fosse assim
Um toma lá, dá cá, noves fora, equacionar, enfim
Mas não sou tão adepta das Ciências Exatas
Sou da área de humanas, nem sempre tão sensata

Prefiro lidar com sentimento, emoção
O que ofereço aqui não precisa reposição
Se o bem fluir livre para outro alguém
Estarei feliz desse jeitinho também

Fico pensando se Deus fosse assim tão matemático
Em sua avaliação fosse tão exato e prático
Se quisesse nos cobrar na ponta do lápis o que ofereceu
Será que a conta bateria certinho, seu Dirceu?

Gosto de ser assim: o que tenho me foi doado
Veio da Criação, até mesmo o que foi conquistado
Se puder fazer melhor a vida de outro ser humano
Penso que estarei realizando algo bom nesse plano

Alda M S Santos

Tenho você!

TENHO VOCÊ!

Não estamos sós nessa viagem
Em cada tempestade, em cada estiagem
Posso sentir você a me acolher, me abraçar
Dando- me as mãos, não me deixando naufragar

Não estamos sós nessa vida
Tantas vezes dolorida, sofrida
Em cada gesto de dor, de amor, de carinho
Sei que foi você que me enviou cada anjinho

Não estamos sós nessa nossa jornada
Escolhemos estar aqui enfrentando toda invernada
Ainda que tanta maldade esteja disseminada
Sinto que tenho você, não estou desamparada

Não estamos sós nessa trilha, nesses caminho
Ainda que às vezes me isole e vá chorar num cantinho
Posso sentir com força seu amor, seu abraço
Dizendo “sei que dói”, e juntando meus pedaços

Definitivamente, não estamos sós! Gratidão!

Alda M S Santos

Digo sim, digo não!

DIGO SIM, DIGO NÃO!

Digo sim para um dia bonito e ensolarado
Abro-me para a vida, para um mundo  abençoado
Digo sim para cada trilha do caminho
Torcendo que seja acompanhada, nunca sozinha

Digo não para o que machuca meu coração
Para o que é maldade, falsidade ou desunião
Digo não para qualquer tipo de desumanidade
Afasto de mim o que não agrega, não quero em minha realidade

Digo sim para o amor, para a amizade
Para os abraços quentes, carinho de verdade
Digo sim para a beleza e leveza da natureza
Essa magia que devemos cuidar com delicadeza

Digo não para a revolta ou pessimismo
Digo sim para a fraternidade, companheirismo
Digo não para a dor, qualquer extremismo
Digo sim para Deus, minha fonte de otimismo

Alda M S Santos

Não combinam

NÃO COMBINAM

Há coisas que não se encaixam, não combinam
É preciso esforço para ver se se acertam
Praia e chuva pedem uma dose extra de coragem
Lua e estrelas sem um amor parecem bobagem

Cachoeiras e rios que não chegam ao mar são desperdício
Ausência de humor, muita pirraça são na vida mau indício
Sol sem alegria, sem animação é  bobagem
O vento que não leva o negativo é só friagem

Vitória com preguiça é embromação
Amizade com mentira é decepção
Amor sem parceria, com mentira é solidão

Gaiolas e asas são um insulto à liberdade
Sorriso que não chega aos olhos é falsidade
Amor sem acolhimento, não é alimento, não é de verdade

Alda M S Santos

Tudo pode acontecer

TUDO PODE ACONTECER

O mundo segue girando no espaço
Ora seguimos firmes, ora fora de compasso
Cansa-nos tantas vezes algumas expectativas
Quando sabemos de tantas negativas

Tanta dor, tanta desumanidade
Mas tudo pode acontecer, na verdade
Para aquele que crê que tudo se constrói
Cada ato é importante, nem precisa ser herói

O amor sempre pedirá por reciprocidade
Compaixão, carinho e bondade
Como um sol se pondo na serra
Amar é certeza de que a vida não erra

Tudo pode acontecer nessa viagem
Aqui viemos para lutar com coragem
Nunca desistir deve ser nosso maior lema
E buscar nossa poesia, o amor como tema

Alda M S Santos

Das pedras, das rosas…

DAS PEDRAS, DAS ROSAS…

Ah, aqui tem pedras e muitos arranha- céus
Também tem parques, tem matas e jardins
Tem demônios, santos, anjos e querubins
Tem Casa das Rosas, gente calada e toda prosa
Tem gente sozinha e acompanhada
Também tem pompa e gente abandonada
Tem mirante, brisa fresca, sol quente
Tem museus, livrarias, tem muita gente
E somos nós que escolhemos o que curtir
Em tudo um jeitinho para se distrair
Tem também amizade linda na cidade da garoa
Amiga hospitaleira, acolhedora, gente boa
E cá estamos nós, mineiros agradecidos
Entre pedras ou rosas, aceitando o que a vida nos tem oferecido…

Alda M S Santos

Bom mineiro

BOM MINEIRO

O bom mineiro é aquele que chega devagar
Tem doçura, calma e sensibilidade no olhar
Com jeitinho especial vai comendo pelas beiradas
Não desiste fácil, enfrenta qualquer parada

Simples por natureza, é bem hospitaleiro
Gosta de gente sincera, coração verdadeiro
Canjiquinha, tropeiro, doce de leite, pão de queijo
Junta tudo numa prosa regada a abraços e beijos

Gosta de praia,  roda de conversa e violão
Passeio na serra, na cachoeira, missa com sermão
Com verdade e bondade ganha seu coração

Alma feita de boa mistura de urbano e rural
Dentro do peito dele só cabe o que é natural
Se quiser morar ali, seja você, seja real

Alda M S Santos

No palco da vida

NO PALCO DA VIDA

No grande palco da vida há de tudo
Atores, autores, protagonistas e coadjuvantes
O momento pode ser eterno ou só um instante
Vale nossa entrega ali, alegre ou frustrante

Em algumas árias haverá choro, dor, drama
Em outras uma boa risada, comédia, fama
Vez ou outra seremos o ator principal
Noutras quereremos sumir,  nada especial

Haverá histórias boas, compartilhadas
Também solidão, jornada pesada
Haverá amor, amizade, carinho, lealdade
Abandono, decepção, bondade e maldade

Bom saber que ali somos atores e autores
Não dá para passar a outro o controle
Esse roteiro somos nós que damos vida
E a história pode ser curta ou bem comprida

Com luzes ou não, aplausos, vaias, indiferença
Cabeça erguida, o espetáculo não pode parar
Nesse palco ter plateia não faz diferença
Até o cerrar das cortinas iremos atuar

Alda M S Santos

Ipês

IPÊS

Pra todo lado que se olhe é lindo de se ver
Grandes, imponentes, maravilhoso florescer
Em vias quaisquer, rurais ou urbanas
Enchem os olhos, encantam a vida humana

Cores vivas, atraem o olhar mais desavisado
Difícil ficar alheio, não se sentir hipnotizado
Rosas, roxos, brancos, amarelos, azuis
Os ipês são da Criação uma linda obra, são luz

Florescer que se dá na seca, no inverno
Nos ensinando que todo tempo é tempo
De deixar brotar nosso querer interno
Ainda que tudo pareça frio no externo

O desejo é de apenas ficar ali
Observando a vida colorida a florir
Houve perda total das folhas, pareceu morrer
Antes desse lindo e colorido reviver

Alda M S Santos

Deixa rolar

DEIXA ROLAR

Não se perturbe tanto
Com aquilo que atormenta
Machuca, fere
Deixa rolar
Logo vai passar…

Não se vanglorie tanto
Com aquilo que é bonito
Encanta, alegra
Deixa rolar
Isso também vai passar…

Não se torture tanto
Com aquilo que parece não ter fim
O bom, o mau, o saudoso
Deixa rolar
Logo irá passar…

Entre começos e fins
Angústias e recomeços
A vida segue infinita
Deixa rolar
Ela sempre irá para onde tem esperança e gente bonita…

Deixa rolar…

Alda M S Santos

A salvo

A SALVO

Sempre buscamos estar a salvo por aqui
Protegidos e amparados para prosseguir
Encontrar em algo ou alguém
A delícia da paz, do amor também

Poder no cansaço ter onde se aconchegar
Um colo, um abraço, um beijo, um olhar
Uma palavra amiga, de total compreensão
Nesse mundo que muito nos lança na contramão

A natureza é bênção, é linda, é admirável
Mergulhar nela é mergulhar em si, no inimaginável
E, talvez, perceber o viver mais agradável

Ela nos permite estar a salvo em qualquer estação
Nos remete ao interior, ao coração
Quem atender ao chamado encontrará salvação

Alda M S Santos

Anoitece,amanhece

ANOITECE, AMANHECE

Esquenta, esfria, na solidão ou na companhia
O tempo exige da gente mais calor e energia
Coração repleto, a mente viaja, ora cheia, ora vazia

Anoitece, amanhece, a vida desperta a emoção
Se há luz em nosso coração
Fica para trás qualquer escuridão

A imaginação é especial, nosso ponto forte
Trilhas e caminhos diversos até encontrar um norte
Entre sorrisos e lágrimas, o amor se apresenta, melhor suporte

Nesse constante vai e vem, sobe e desce
Tantas vezes corpo e mente padecem
Mas a vida é soberana, a alma resplandece

Alda M S Santos

Uma lista

UMA LISTA

Quero fazer uma lista bem detalhada
Que sirva de guia quando desamparada
De um lado vou colocar erros e derrotas
No outro vitórias, alegrias, as boas rotas

Quero deixar bem claros e anotados
Os momentos floridos, perfumados
Os nomes de cada pessoa que convivi
Que me ensinaram a seguir, não desistir

Para cada defeito ou falha minha que apontar
Anotarei uma qualidade para equilibrar
Assim saberei que sou bem humana
Anjo, mulher, evolução nessa vida mundana

Será como uma autoavaliação
Mas sem temor ou punição
Servirá de luz, de norte, de reflexão
Naqueles momentos de descrença e solidão

Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com

Fazer as pazes

FAZER AS PAZES

É preciso fazer as pazes

Com aqueles que nem sempre agimos como deveríamos
Pelas atitudes não tomadas quando necessário
Pela inaptidão em estender a mão
Pelo uso inadequado dos dons recebidos

É preciso fazer as pazes

Pelos erros cometidos contra os outros
Voluntária ou involuntariamente
Pela incapacidade de voltar atrás e desfazer algo
Pelos medos que impedem de seguir em frente

Mas é preciso, principalmente, fazer as pazes consigo mesmos

Encarar a própria fragilidade e/ou (des)humanidade
Reconhecer-se falho, errante, imperfeito, aprendiz
Perdoar-se, propor-se a fazer diferente daí em diante
E seguir…
Reconciliar-se com o outro é fundamental
Mas passa pela reconciliação conosco mesmos
Façamos as pazes!

Alda M S Santos

No automático

NO AUTOMÁTICO

Nada mais cansativo, tenso e doloroso
Que viver no automático, no modo tedioso
Não há escolhas, opções, há imposição
Das coisas da vida que não geram emoção

A vida requer envolvimento, prazer
Simpatia,  empatia em tudo que for fazer
O desejo de se entregar, se envolver
Faz tudo ter significado nesse viver

Quando a alma não se sensibiliza
Parece anestesiada, robótica, não verbaliza
É chegada a hora de ligar o vitaliza

Sem redundância, viver é um presente de amor
Mas se não há alegria, conversemos com o Criador
Busquemos no Alto, em nós mesmos, mais disposição e calor

Alda M S Santos

Um pouco de ação!

UM POUCO DE AÇÃO!

Quero uma vida que se faça verbo, ação
Um modo diferente de ser coração
Brincar em todo lugar, cantar, sorrir
Se chorar que seja para limpar, a alma lavar

Que o trabalho não seja só um meio de vida, mas de prazer
Que as amizades sejam fortes para não enlouquecer
Que o amor seja para o coração enternecer
E as carências nos façam lutar, não esmorecer

Se não der para correr, vamos andar
Buscar a paz e alegria em todo lugar
A vida está aí para a gente desfrutar

Chegará o dia de voltar para casa
Enquanto isso, voe, bata suas asas
Abrace a vida, vai lá e arrasa!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: