Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

amor do pai

Desculpe!

DESCULPE!

Se nem sempre soube o que dizer
Se nem sempre consegui te ouvir, entender
Se não aceitei quando quis me acolher
Desculpe!

Pelos caminhos apertados onde entrei
Pelas vezes que fugi, te ignorei
E não soube ser grata, decepcionei
Desculpe!

Pelas dores que às vezes te culpei
Cobrei, e o erro era meu, bem sei
Pelas vezes que desesperei, não confiei
Desculpe!

Pela minha humanidade,  falhei
Em Sua bondade,  me reencontrei
A ti,  gratidão, não desistirei
Por isso… desculpe!

Alda M S Santos

Você comigo

VOCÊ COMIGO

Gostaria de ter você em minha rotina
Quando meu coração for de uma doce menina
Ou quando ele estiver frágil, numa alma pequenina
Gostaria de ter você na minha rotina
Quando o Sol brilhar lá em cima
E aquecer meu corpo arrepiado
Ou quando na tempestade precisar da sua mão
Para afastar meu medo da escuridão
Gostaria de ter você na minha rotina
Quando eu sorrir até a barriga doer
Ou quando tudo for lágrimas
E não tiver a quem recorrer
Gostaria de ter sempre você em minha rotina
Para me mostrar o bom caminho
Para me amparar no voo fora do ninho
Para nunca me deixar sentir sozinha
Gostaria de ter sempre você em minha rotina
Para me encorajar em minha sina feminina
Para poder dizer o que sempre esperei
“Em frente, não te abandonarei
Eu estarei contigo até o fim dos tempos…”

Alda M S Santos

NUM BANCO À BEIRA-MAR

NUM BANCO À BEIRA-MAR

Sonhei que estava num banco à beira-mar
Longe, distante, perdido estava o olhar
Ele chegou, sentou, se dispôs a conversar
Não saberia dizer quem era, parecia familiar

Quieto, tranquilo, transmitia paz
Deixou-me à vontade, método eficaz
Não tinha pressa, não pressionava
Sabia o que fazia, calmamente aguardava

Comecei a falar, não conseguia parar
Ele, muito empático, ouvia sem julgar
Parecia tudo entender, me acolhia com o olhar

Um dedo suave minha lágrima limpou
Com extremo carinho, corpo e alma abraçou
Parecia dizer: em frente, contigo sempre estou

Alda M S Santos

Senta aqui

SENTA AQUI
Senta aqui do meu lado, precisamos conversar
Quero falar de tudo que me alegra
De tudo que sinto falta
Da falta que você me faz
Daquilo que me faz chorar…
Senta aqui do meu lado, só nós dois
Quero jogar conversa fora, sorrir
Rir de mim mesma, da vida
Chorar pelos meus erros e falhas
Ouvir suas histórias e bons conselhos
Senta aqui do meu lado
Quero brincar, te contar casos
Quero dividir contigo o prazer de ter aqueles que amo
Ou as tristezas de não poder ser útil a tantos outros
Lamentar por aqueles que partiram
E que deixaram vazios e saudades
Senta aqui do meu lado
Conversar com você é vencer medos
É saber-me aceita mesmo com todas as minhas falhas
É sentir acolhimento e seu olhar de amor
É sorrir chorando, é chorar sorrindo
É olhar ao longe e enxergar dentro de mim mesma
É perceber que há muito ainda a viver
E saber que VOCÊ, como prometeu
Estará comigo até o fim dos tempos… Senta aqui, vamos conversar!
Alda M S Santos

Renascimento

RENASCIMENTO 
Quaresma, quarentena, reclusão,  introspecção
Preparação para algo novo, inigualável
Que vem trazendo mudanças, renovação
Gestadas no berço da alma, incomparável
Ele se recolheu, sofreu, foi testado
Saiu mais forte, venceu a morte
Por amor, compaixão,  ressurreição
Por nós,  filhos, amor incondicional
Só nos pede algo tão claro, essencial
Que nos amemos  uns aos outros de modo igual  
Será sempre Páscoa cada vez que formos perdão
E a alguém que sofre saber estender a mão
Vida nova a todos nós!
Alda M S Santos

COMUNHÃO

COMUNHÃO
Na fé, aguardemos dias melhores
Agindo no bem para nova construção
Crendo que Ele tem um propósito para tudo
Na esperança buscando vida e regeneração
Sigamos todos em comunhão
Alda M S Santos

Salve-se quem puder

SALVE-SE QUEM PUDER
Tempos difíceis vivemos
A vida como a conhecemos pede socorro
Preta, branca, amarela ou vermelha
Salve-se quem puder
Somos capazes de ouvir?
A humanidade corre risco
Nem isso é capaz de nos unir?
Salve-se quem puder
Não há como se esconder ou fugir
Dinheiro, bens, títulos, posses diversas nada valem
O único modo de nos salvarmos
O único transporte possível para nos tirar daqui
É o que carregamos dentro de nós
A medida exata entre razão, amor, compaixão
A capacidade de nos vermos como espécie
Como um todo que faz parte de algo maior
Salve-se quem puder não é lema individual
Só nos salvaremos se agirmos coletivamente
Não há como se salvar deixando o outro para trás
Na perspectiva da continuidade da vida
Ou nos salvamos todos, ou nos perdemos como raça, como espécie…
Salvemo-nos todos se pudermos!
Alda M S Santos

Impotente

IMPOTENTE

Sinto- me meio impotente tão parada
Mas não me sinto desconfortável, isolada
Por estar em casa, que tanto amo
O que me incomoda é não poder escolher
Onde e quando ficar, o que fazer
Ter a liberdade de ir e vir cercada é ruim
Sinto-me frágil, medos por aqueles que amo
Medo pela humanidade…
Mas nesse caos todo, sinto-me esperançosa
Podemos usar os dons que possuímos para ajudar
Ser aquela palavra amiga
Aquele ouvido atento
Na nossa família, entre os nossos
Um vírus que nos obriga o retorno ao lar
Que será que quer nos ensinar?
Creio que não é por acaso tudo isso
A vida sabe usar de muitos mecanismos
Para salvar a Terra e os seus
Sairemos diferentes dessa pandemia
Que possamos sair melhores
A vida se impõe
Podemos ajudar com boas conversas
Não espalhando o pânico, sendo amor e verdade
Sendo luz, levando a esperança, a caridade…

Alda M S Santos

Não estamos sozinhos

NÃO ESTAMOS SOZINHOS
Nesse tão esburacado caminho
É preciso nele buscar a sombra
As flores, os frutos, um riozinho
JESUS disse que não estaríamos sozinhos
Confio e sigo…
Essa pandemia há de passar
E muito aprendizado irá nos deixar
Que a fé e amor sejam nosso guia…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: