NUM BANCO À BEIRA-MAR

Sonhei que estava num banco à beira-mar
Longe, distante, perdido estava o olhar
Ele chegou, sentou, se dispôs a conversar
Não saberia dizer quem era, parecia familiar

Quieto, tranquilo, transmitia paz
Deixou-me à vontade, método eficaz
Não tinha pressa, não pressionava
Sabia o que fazia, calmamente aguardava

Comecei a falar, não conseguia parar
Ele, muito empático, ouvia sem julgar
Parecia tudo entender, me acolhia com o olhar

Um dedo suave minha lágrima limpou
Com extremo carinho, corpo e alma abraçou
Parecia dizer: em frente, contigo sempre estou

Alda M S Santos