Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

comportamento

A fome

A FOME

Que sabemos da fome

Aquela que leva alguém

A subtrair algo de outro alguém

Qualquer coisa que sacie o apetite voraz

Que preencha o vazio contumaz

E que já faz qualquer coisa, tanto faz?

Que sabemos dessa fome?

Um almoço, baião de dois, peixe assado

Salada, farofa, prato enfeitado

Ela passa, vende bijuterias, meia idade

Digo: não, obrigada, sorrio, ela sem qualquer vaidade

Vejo que seus olhos estavam na refeição

Volta, pergunta sem qualquer senão

Vocês não comem a cabeça, não?

Podem me dar quando acabar, então?

A ela entregamos boa parte da comida

Senta-se atrás da gente e come, esquece a partida

Ficamos a observar a mulher desnutrida

Que, satisfeita, enchia sua barriga

Olhava pra gente, sorria, agradecida

Não causei essa fome, não tirei nada de ninguém

Não sou governante, mas sou humana

Enquanto houver outro humano com fome

Sou responsável!

Que conhecemos dessa fome?

Alda M S Santos

Certezas

CERTEZAS

Quantas certezas já tivemos

E se desfizeram com o vento

Quantas dúvidas nos consumimos

E ainda assim, seguimos?

Quantas certezas nos sustentaram

E depois nos derrubaram

Quantas dúvidas nos derrubaram

E finalmente nos levantaram?

Quantas certezas nos salvaram

E depois nos enganaram

Quantas dúvidas nos enrijeceram

E, enfim, nos amoleceram?

Certezas e dúvidas…

Na dúvida, melhor não se fiar nas certezas

Nas certezas, um pouco de questionamento é de extrema nobreza…

Alda M S Santos

Muita sede ao pote

MUITA SEDE AO POTE

Quem vai com muita sede ao pote

Com muita ânsia e gula em busca de saciedade

Acaba por derrubá-lo e morrer de sede

Se se demora demais perde-se o pote para outro sedento

Bom mesmo é ir devagar

Gole por gole, um pouquinho de cada vez

Antecipando o prazer da satisfação

Saciando aos poucos o desejo que se apresenta

Vale para todo tipo de sede

De água, de vinho, de amor ou de carinho

Física, profissional, financeira ou emocional

Se não se busca pelo pote d’água morre-se de sede

Se se quebra o pote perde-se o conteúdo

Morrendo de sede à beira do rio…

Tudo é uma questão do tamanho da sede

E da sabedoria na hora de satisfazê-la…

Tá com sede?

Alda M S Santos

A humanidade perdeu

A HUMANIDADE PERDEU

A polícia venceu, o bem prevaleceu

Mas…

Um ônibus sequestrado, muitos reféns

Um homem armado ameaça vidas

Que se passa em cada mente, em cada coração?

Posso calcular!

Já estive em situação similar, arma na cabeça

Trancada no porta-malas, puro terror

Numa situação dessas ninguém vence

Nem quem foi abatido, tampouco quem abateu

A humanidade perdeu…

Quando um ser humano mata outro ser humano

Algo ali se rompe, o fio humano se parte

Toda vida tem seu valor

E se se perde, é triste

Não estou julgando ninguém

Situação difícil e complicada

Mas o que leva um ser humano a isso?

Não somos todos responsáveis?

Sinto-me triste!

Ele era filho de alguém, talvez pai de alguém…

Qual história de dor traz consigo?

Em que estamos transformando nossos jovens?

Temos feito algo para reduzir esse ciclo que forma marginais

Que exclui pessoas?

Que fazemos para reduzir desigualdades?

Uma mea-culpa todos devemos fazer…

Hoje, mais uma vez, a humanidade perdeu…

Alda M S Santos

A primeira vez

A PRIMEIRA VEZ

Nunca se esquece ou se apaga

A emoção da primeira vez

Os primeiros amigos, as brincadeiras

Primeiro dia na escola, primeiro namorado

Um olhar, um beijo, um sorriso

O mergulho no mar, a escalada até uma cachoeira

Casamento, maternidade…

A vida é feita de emoções

Aquele friozinho na barriga, rosto ruborizado

Respiração entrecortada, ansiedade descontrolada

Tudo isso dá prazer de viver

Essa montanha russa alucinada

Mas nada se iguala ou se compara

À tranquilidade de uma vida sossegada

Um tranquilo carrossel que gira

A emoção de um rio que segue seu curso

Com alguns entraves no caminho, algumas quedas

Encantando-se com alguns banhistas que nele mergulham

Mas sem grandes sobressaltos, repleta de amor

A certeza de saber para onde vai, sem medos

Sendo valorizado, querido, amado…

Uma vida boa é feita de entrega e muitas primeiras vezes

Mas é melhor ainda uma vida

Que é feita de uma primeira vez que se eterniza…

Alda M S Santos

Tão pequenos

TÃO PEQUENOS

Tão pequenos somos nós

Diante da grandiosidade do universo

Tão grandes somos nós

Em busca de algo precioso

Tão pequenos somos nós

Quando nos recolhemos em nós mesmos

E ignoramos todo o resto

Tão grandes nos sentimos nós

Frente a tanta batalha inócua

Tão pequenos somos tantas vezes

Ao nos sentir perdidos e sem rumo

Tão grandes somos nós

Lutando, debatendo, ferindo, machucando a todos

Tão pequenos, tão grandes

Depende do referencial

O que vale de verdade, e é preponderante

É o que fazemos de especial

Quando nos sentimos tão grandes

Quando nos sentimos tão pequenos

Tão acompanhados ou tão solitários…

O mundo precisa de gente grande

Não de críticas ou julgamentos

O mundo precisa de gente grande

De sentimentos e de atitudes!

Alda M S Santos

Data limite

DATA LIMITE

Uma data “limite” para a vida continuar ou se findar

Para o amor fluir, acontecer

Vida, tecnologia, ciência, evolução

Mas, principalmente, amor

Uma data limite na batalha contra a morte e destruição

Uma data limite para interação entre os seres da criação

Data limite para sentir-se parte, para ajudar, para a autoaceitação

Um mundo tão injusto e cruel

Mas cheio de oportunidades de crescimento, de compaixão

Nunca se falou tanto de amor

Nunca se “brigou” tanto pelo amor

Pelo amor aos pequenos, às minorias, àqueles que nem podem se defender

Amor a vegetais, animais, amor aos que não são “iguais”

Amor à natureza, ao planeta, à galáxia, a seres especiais

Quem é mesmo que sempre amou o diferente, o pequeno

Quem se entregou pelos fracos e pecadores

Quem lutou por justiça pelos desamparados?

Ele está aqui…tão perto…tão dentro…

Vamos deixar o amor fluir…

A data não é limite, é continuidade

Se você está aqui, você faz parte

Deixe o amor fluir de você, para você

A nova era chegou…

Alda M S Santos

#datalimite

Agasalhe seu coração

AGASALHE SEU CORAÇÃO

Massa de ar polar, temperaturas negativas

Ar congelante, pernas endurecidas, andar trôpego

A ordem é só uma: aquecer-se

Edredons, cobertores, sobretudos

Meias, botas, toucas e luvas são escudos

E uma bebida quente não faz mal não

Mas não deixe que a frieza lá de fora

Congele o seu coração

Aqueça sua alma e entre em ação

O frio que tanto te aflige

Age em dobro naquele irmão

Que está ao relento, ali no chão

Divida com ele seus agasalhos, seu pão

Seja abraço, seja acolhimento, seja compaixão

Se você por qualquer motivo ali não consegue chegar

Posso fazer a intermediação

E se não for pedir muito

Pode para ele também ser abrigo, ser oração?

Agasalhe seu irmão, aqueça seu coração!

Alda M S Santos

A chave

A CHAVE

Uma porta, uma fechadura, uma chave

Inseriu, girou, abriu

Nem sempre é assim tão simples

Pode estar emperrada como nunca se viu…

Às vezes a chave não é aquela

A fechadura está enferrujada

Ou talvez te falte o jeitinho

Para enfrentar essa parada

Outras vezes a porta não está à vista

Exigirá muito tato e habilidade

A chave não é tão concreta

Mas feita de carinho e intimidade

Não há portas intransponíveis

Tampouco fechaduras invioláveis

O que nos falta é perícia e perseverança

Para torná-las acessíveis, maleáveis

Se a força bruta não adiantou

A chave também não serviu

Não adiantará de nada arrombar

Use o amor, seja doce, seja gentil

E pela porta poderá entrar e ficar…

Alda M S Santos

A história se repete

A HISTÓRIA SE REPETE

A mesma angustiante história lá está

Continuamente a se repetir

Quer seja em nós, nos filhos, parentes ou amigos

Algo ela quer nos ensinar

Quem sabe um novo caminho a seguir?

Faz sorrir, faz chorar, faz desanimar, quase desistir

E ainda não aprendemos

Por isso ela está sempre a nos cercar

Tentando de todo modo nos alertar

Até quando vamos resistir?

A vida é sábia por natureza

Ela sempre se impõe, é forte

E tem uma ampla visão do porvir

No medo, na esperança, na dor

Até nas quedas que vier a permitir

Quer nos levar para novo patamar

De evolução, sabedoria e amor…

Alda M S Santos

Universo paralelo

UNIVERSO PARALELO

Alguns parecem viver num universo paralelo

Distantes e avessos ao que é tido como normal

Não gostam de seguir a boiada

Lutam por algo diferente, bem mais natural

Autênticos e verdadeiros

Não ferem a própria essência

Preferem ficar à margem

Ainda que acusados de demência

Entre tantos descaminhos

Dores e atrocidades de alta magnitude

Viver num universo paralelo

Além de autoproteção, chega a ser grande virtude…

Alda M S Santos

Ilusões

ILUSÕES

Carência faz-nos ver amor onde há só falsidade

Inocência faz-nos ver beleza onde há só aparência

Aparências impedem-nos de chegar à essência

Ilusões…

Fome faz-nos agradar com qualquer prato

Sede faz-nos alucinar com um oásis

Quedas fazem-nos inaptos para certos trajetos

Ilusões…

Culpas fazem-nos temer sanções assustadoras

Coração partido faz-nos acovardar diante de um novo amor

A fé, e somente ela, faz-nos sentir renovados

E nos leva aonde quisermos…

Alda M S Santos

Depende…

DEPENDE…

Um manhã ensolarada e morosa ou uma tarde longa e chuvosa

Uma noite na roça ao luar ou uma tarde na areia à beira-mar

Um inverno congelante ou um calor sufocante

Diante de uma sofisticada lareira ou em volta de uma simples fogueira

Uma cidadezinha do interior formosa ou uma grande metrópole famosa

Uma cachoeira na floresta ou uma praia deserta

Um sábado numa boate lotada ou um filme debaixo do edredom na madrugada

Um traje de gala sofisticado ou um vestido de flores delicado

Depende…

Tudo vai depender da companhia que se tem

Mais vale a escuridão de um caminho com um alguém

Que a iluminação de outro, na solidão, sem ninguém…

Alda M S Santos

Nossa toxicidade

NOSSA TOXICIDADE

Mundo tóxico em que vivemos

Onde dezenas de venenos são liberados

Agrotóxicos, “humanotóxicos”

Venenos banidos noutras partes

Têm livre uso por aqui

Alto índice de toxicidade

Nos alimentos, na água

Na agricultura, na cultura

Nas palavras, nas ações

No comportamento preconceituoso e discriminatório

Quem poderá dizer

Qual deles é mais fatal?

Matamos pragas, criamos doenças

Controlamos parasitas, descontrolamos nosso DNA

A ilusão de exterminar o que nos causa mal

Quer seja físico, emocional ou sócio comportamental

Torna o ser humano cada dia mais letal

Somos humanotóxicos com alto índice de toxicidade

Tentando aqui sobreviver mais um dia…

Alda M S Santos

Inhotim -Brumadinho- MG

Passa por dentro

PASSA POR DENTRO

Venha o que vier, estejamos onde estiver

Aconteça o que acontecer

Seja que problema for

A saída sempre passa por dentro

Por dentro de nós mesmos

Se é a saúde que incomoda

A mente que falha

O coração que aperta

O meio de fora que não ajuda

O outro que não corresponde

Não importa

Tudo só se resolve

Quando é absorvido e processado dentro de nós

Colocamos os problemas em nosso divã interior

Silenciamos e buscamos nossa “verdade”

Debatemos conosco mesmos

E chegamos a um bom veredicto

Uma boa saída

Nossos problemas se resolvem

Quando não fugimos deles

Ao contrário, nós os encaramos frente a frente

Sendo honestos e verdadeiros conosco mesmos

Assumindo nossas responsabilidades

Nas causas e nas consequências…

Toda saída tem um atalho

Que passa por dentro de nós!

Alda M S Santos

Sobras

SOBRAS

O que sobra aqui, falta lá

O que sobra lá, falta aqui

Espiritual, material, emocional

É preciso contrabalançar

Vivemos para tentar equilibrar

Fazer com que sobre menos

Lá e cá …

Diminuir as carências

De lá e de cá…

Equalizar essa balança

E fazer dessa dança existencial

Mais do que um solo que encanta

De preferência, um dueto emocionante

Um espetáculo sem igual…

Alda M S Santos

E o frio chegou…

E O FRIO CHEGOU…

E o frio chegou…

Tempo de desembaraços, de criar laços

De acertar os passos

E se aquecer em abraços

E o frio chegou…

Hora de fogueira ou lareira

Tempo de filme, pipoca e edredom

Na vitrola um nostálgico som

Luz baixa, química alta, tudo de bom

E o frio chegou…

Tempo de hibernar, reservar energia

Buscar intensamente uma calmaria

Numa taça de vinho encontrar a magia

E diante disso tudo entregar-se à vida

Que a tantos contagia…

E o frio chegou…

Alda M S Santos

Uns e outros

UNS E OUTROS

Há quem prefira encurtar caminhos

Outros optam por alongar-se nas distâncias

Há quem prefira devorar um biscoito

Outros o degustam saboreando pedacinho a pedacinho

Há quem prefira tomar e levar

Outros preferem conquistar e serem levados

Há quem prefira ganhar no grito

Outros gostam da suavidade encantadora de um sorriso

Há quem alce voos longínquos e inimagináveis

Outros preferem manter-se perto, não se afastar dos demais

Há quem prefira viver na segurança dos nados na superfície

Outros mergulham em busca de encantos escondidos

Há quem prefira ter fama, sucesso e veneração alheias

Outros contentam-se em não perder a própria admiração

Há uns e outros…

Todos lutando por um espaço!

Alda M S Santos

Não compro

NÃO COMPRO

Não compro essa “felicidade” que se vende por aí

Vitrines abarrotadas de produtos reluzentes

Enchem os olhos, agradam, atraem

Compradores seduzidos e ávidos

Hipnotizados diante de “seu” objeto de desejo

Pagam qualquer preço pelo seu sonho de consumo

Estoques lotados de mercadorias devolvidas

Consumidores insatisfeitos

Com felicidade vendida, embrulhada em bonitos pacotes

Feita em formas, em série, massificadas

Numa medida que não é da gente

Não compro essa “felicidade” que se vende por aí

Que não é feita no meu número, no meu manequim

Que precisa de reformas e retoques

Que deforma o que tem de belo na gente

Alegria fugaz à base de porcaria

Conteúdo feio em embalagem atraente

Sorriso que se desmancha na primeira ventania

Coração que sofre e chora dentro de um modelo apertado

Uma alma que perde o encanto, a magia

Não compro esse modelo de felicidade

Na verdade não quero nem doado

Bom mesmo é escalar a própria alegria na simplicidade

A felicidade deve ser feita sob medida

De cada alma, de cada coração…

Alda M S Santos

A pedra

A PEDRA

Uma pedra sendo todo dia lapidada

Martelo, formão, espátulas, lixas

Assim seguimos nós

Transformando-nos dia a dia numa escultura

Numa joia brilhante e preciosa, ou nem tanto

Mas de maior encanto e valor

Cuidando para não perder partes importantes

Retirando excessos e áreas pontiagudas

Aparando arestas, dando forma

Tratando cada detalhe com perícia e amor

Fazendo-nos uma obra de arte ímpar

Perante Aquele que nos criou

E nos observa e aguarda nosso retorno…

Alda M S Santos

Plano B

PLANO B

Não é bom ter um plano B, um substituto

Tampouco ser um plano B, uma reserva

A simples existência de um segundo plano

Aponta o descrédito que se tem no primeiro

E a não-entrega total a ele

Planos B sugam energias que deveriam ser aplicadas ao plano A

Quando se investe o bastante num “plano A”

Não há qualquer necessidade de plano alternativo

Ou prêmio de consolação

É preciso termos planos bons, originais

Dedicarmos a ele todo nosso potencial

E a cada vez que não funcionar

Recomeçar…

Ter um plano B não é ser precavido

É ser desconfiado, inseguro

Não faça de ninguém seu plano B

Não seja plano B de ninguém

Além de ser desrespeito com o outro

É desrespeito com seu próprio plano de vida

É desrespeito consigo mesmo!

Alda M S Santos

Um dia

UM DIA

Um dia ainda vamos entender

O bem que poderíamos ter feito

E não fizemos

O mal que poderíamos ter evitado

E não evitamos

Aquela dor que causamos a nós e aos outros

E não precisaríamos ter enfrentado

O novo rumo que poderíamos ter tomado

E não tomamos

Todos os avisos e alertas que recebemos

E ignoramos

As oportunidades de crescimento e renovação

E fechamos os olhos

As chances de fazer um movimento pelo amor e pela paz

E ficamos inertes

As famílias que poderíamos ter ajudo a construir

E destruímos

A vida que poderia ter sido bem vivida

E matamos…humanamente!

Mudar, construir o mundo grande lá de fora

Começa por não destruir o mundo pequeno no nosso entorno

Abrir as porteiras e deixar a luz nos iluminar de dentro para fora

Um mundo melhor precisa de cada um de nós!

Um dia pode ser tarde demais…

Alda M S Santos

Sem referencial

SEM REFERENCIAL

Cenário de catástrofe: terremoto, tsunamis, vendavais

Entulhos e mais entulhos, escombros

Nada mais de pé, sequer uma árvore, uma edificação

Nada que possa ser reconhecido, identificado

O banco da praça, a igreja

Uma torre de energia, um restaurante

A padaria da esquina, a casa de um amigo

Não há ruas, esquinas ou quarteirões

Apenas um todo de destruição

Perdidos, sem referencial…

Tantas vezes as ruínas estão em nós

Como encontrar alguém ali?

Como se encontrar ali?

Buscar em si aquele ponto de luz

Algo que permaneça inalterado

Que seja firme como rocha

Que nada nem ninguém consiga mudar

E ali se alojar aguardando as forças brotarem

Indicando um caminho para continuar

Um novo referencial

Para recomeçar…

Alda M S Santos

Silencie!

SILENCIE!

Às vezes o que precisamos é nos afastar de todos

Para nos sentirmos mais acompanhados, menos sós

Apagar os holofotes para podermos acender a luzinha que satisfaz

Silenciar para ouvir aquilo que a alma grita

Entender nossos monstros para poder derrotá-los

Errar para aprender a perdoar, a perdoar-se

Parar um pouco para conseguir prosseguir

Sentar com nosso anjo protetor e bater um longo papo

Quebrar-se todo para aprender a ser de novo inteiro

Às vezes precisamos fechar os olhos

Para poder enxergar aquilo que é essencial

E não está do lado de fora…

Feche os olhos, silencie!

Alda M S Santos

De ponta-cabeça

DE PONTA-CABEÇA

Se tudo parece errado, mal encaixado, fora do lugar

Oxigene, exercite, irrigue

Deixe a vida fluir, balance

Inverta prioridades, posições, mude de lugar

Fique de ponta-cabeça

Dê uma boa chacoalhada, uma remexida

Sinta o calor no rosto, a leveza

Pode bagunçar por uns tempos

Mas acaba devolvendo tudo para seus devidos lugares

De vez em quando fique de ponta-cabeça

Ver a vida por um novo ângulo

Enxergar tudo por uma nova perspectiva

Pode ser o que precisamos para recomeçar…

Alda M S Santos

Localização por satélite?

LOCALIZAÇÃO POR SATÉLITE?

Em tempos de GPS de todo tipo

Nos veículos, nos celulares, nos cartões de crédito

A nos proteger de roubos, assaltos, sequestros

Objetivando nos dar uma (pseudo)segurança

Intimidando todo tipo de meliante

Ao nos mostrar a localização de quem quer que seja

Em todo tempo e lugar, no mato, no mar

Na Terra ou no espaço…

Até onde podemos mesmo dizer que há segurança?

GPS que nos levam aonde a gente quiser

Ninguém fica mais escondido ou perdido

Há “olhos-vivos” por todos os lados e tudo veem

Mas o grande paradoxo desse mundo tão bem “localizável” digitalmente

É que nunca houve tantas pessoas perdidas de si mesmas…

Alda M S Santos

Buraco negro

BURACO NEGRO

Um grande abismo gravitacional

Que atrai para si tudo que se aproxima

Como um buraco negro na galáxia

A anos-luz de distância da terra

Alimenta-se, absorve, suga para si tudo que passa perto

Bom ou ruim, produtivo ou não

Quantas vezes somos assim?

Sugando sem critério a sorte ou o azar do outro

Suas alegrias e tristezas

Sua energia positiva ou negativa

Sua luz, sua escuridão, seus lixos existenciais

No buraco negro do espaço tudo desaparece lá dentro

Não sei o que isso causa com o tempo

Quanto a nós, chega o momento do basta

Muita coisa negativa absorvida e não processada

Não desaparece em nós, não some

Causa explosões, reverte-se em doenças físicas e emocionais

Transtornos diversos na alma

Morte em vida…

Precisamos de critério ao absorver energias alheias

Receber apenas o que pudermos processar e devolver em forma de luz…

Não somos um buraco negro!

Alda M S Santos

Distribuindo responsabilidades

DISTRIBUINDO RESPONSABILIDADES

Depois de apontarmos diversos culpados

Pelo que somos, fazemos ou deixamos de ser ou fazer

Pela situação em que nos encontramos

Pais, filhos, cônjuges, amigos, familiares, chefes

A escola, o emprego, o clima, a igreja, Deus

Depois de apontados diversos responsáveis pelos nossos entraves

Nossos erros e acertos

Depois de termos nos dado os devidos descontos

Que fica de verdade para nós mesmos?

Qual a responsabilidade que assumimos pelo que somos

Pelo que fizemos com a vida que nos foi oferecida

Pelas escolhas que foram nossas?

Pelo bem ou mal que causamos?

Quem ainda pode ser responsabilizado

Além de nós mesmos?

Tendo tudo isso esclarecido e assumido

Fica mais fácil prosseguir evitando cair nos mesmos buracos

Fugindo da escuridão e da falsa luz que ofusca…

Alda M S Santos

Quando apreciamos a solidão

QUANDO APRECIAMOS A SOLIDÃO

Um longo caminho a se percorrer

Como seres sociais que somos, sempre buscando companhia

Até gostar verdadeiramente da solidão

Não de estar só, pois isso nunca iremos gostar

Mas de estarmos conosco mesmos e apreciar isso

Não na fuga para um filme, um livro, um jogo

Mas bater um papo com nosso ser de ontem, de anteontem

Colocá-los frente a frente com o eu de hoje

Sem desviar os olhos no espelho, com vergonhas escancaradas e encaradas

Fazer as pazes com nossas escolhas, erros e acertos

Uma troca de autocompreensão e perdão

Para podermos nos ver amanhã, no futuro

Sem medos, ansiedades ou arrependimentos

Na certeza que demos nosso melhor como ser humano

E essa consciência só é possível na solidão, no autoconhecimento

Quando nos sentamos com a criança, o jovem e adulto que fomos, e somos

Pois todas elas ainda estão em nós

Só assim estaremos aptos a ter boas companhias…

Alda M S Santos

Conselheiros

CONSELHEIROS

Se quisermos saber se nosso conselho é bom mesmo,

Se nossas lições são dignas de serem colocadas em prática,

Se nossas críticas são válidas e construtivas

Basta pensar se o conselho serve para nós mesmos, de verdade

Se praticamos nossas próprias lições

Se as críticas não poderiam ser aplicadas também a nós

Porque opinar sobre a vida alheia é fácil

“Sentar no próprio rabo e puxar rabo alheio”- diria minha avó

Mas se tudo isso só vale para o outro

É melhor nos abstermos, recolhermos ao nosso canto e ficarmos em silêncio

Praticar em nossa vida nossos próprios conselhos

Só falar quando nós mesmos estivermos em condições para tal

Quando já tivermos escalado os galhos da árvore da sabedoria

Assim como “de boas intenções o inferno está cheio”

O mundo também está abarrotado de bons conselheiros…

Alda M S Santos

Estilingues e vidraças

ESTILINGUES E VIDRAÇAS

Estica bem, encaixa a pedra, prepara

E, ajeitando a pontaria, lança ao alvo

Certeiro ou não, sempre atinge alguém

Machuca, fere, opera ou não mudanças

Vidraças parecem tão seguras de si, “inatingíveis”

Vidraças trincadas, arranhadas, quebradas, atingidas

Tentam parecer fortes, se proteger, blindar-se

Mas as pedras sempre chegam

Estilingues são cruéis, nunca estão “satisfeitos”

Estilingues ou vidraças?

Qual nossa posição e olhar?

Somos alvo, peito aberto, vidraça, à mercê dos estilingues?

Somos estilingues lançando as pedras?

A visão de quem já foi estilingue

Muda sua postura quando vidraça?

Quais temos sido e como temos nos portado

Nessa luta incessante entre estilingues e vidraças?

Alda M S Santos

Barreiras físicas

BARREIRAS FÍSICAS

Barreiras físicas não impedem um sonho

Muros, cercas, barricadas não barram um ideal

Barreiras físicas, quando muito, retardam o objetivo

Dificultam a travessia, tornam a chegada mais valorizada e especial

Mas quando o sonho e a esperança são grandes e valiosos

Não há barreira física que impeça o avanço

Daquilo que é pura emoção…

Sonhos possuem asas, voam alto e atravessam qualquer obstáculo!

Alda M S Santos

Que nunca se aceite

QUE NUNCA SE ACEITE

Que nunca se aceite a submissão humana

Seja por qualquer razão ou alegação

Raça, cor, credo, gênero, cultura, opção sexual

Ideologia política, condição social ou financeira, títulos, religião

Que nunca se aceite a hierarquização humana

Aquela que gera opressão, fome, tortura, segregação

Medos, traumas, prisões, guerras, morte, exclusão

Que nunca se aceite que se humilhe e desumanize seres humanos

Sob o lema falso de Deus, da lei, da ordem e do progresso

Porque quando se submete a essas “leis”

Quando se aceita esse tipo de perversidade inócua

Quando não mais nos incomodamos, quando há omissão

Grande parte de nós já se afastou de Deus, já deixou de ser humano

Já deixou de ser coração…

Que nunca se aceite! Nunca!

#ditaduranuncamais

Alda M S Santos

Fotos Google

Desertificando

DESERTIFICANDO

Um planeta desértico estamos nos tornando

Picos de temperatura, amplitude racional, aridez emocional

Deserto de compaixão, de doação, sensação de solidão, abandono

Desconhecimento do outro, que parece tão longe ou inexistente

Perdidos e sem rumo, a esmo, presos à ingratidão

Grudados a “valores” questionáveis, a egos indomáveis

Mas como em todo deserto

Enquanto houver lembrança da umidade e frescor

Enquanto brilhar a esperança de um oásis

Enquanto estiver firme o desejo de mudança

Ainda será possível abrir os olhos e o coração

A despeito da ventania, da areia, do calor intenso

E, em marcha, seguir toda a humanidade

Um passo de cada vez

Um ser humano após o outro

Em busca de nova vida…

Alda M S Santos

Teimosia

TEIMOSIA

Uma vida de teimosias, de bater de pé, de insistências

Um joelho esfolado que cicatriza

Um braço fraturado que se cola

Um coração partido que não se emenda

Teimosias…

Uma lágrima que escorre junto a um sorriso que ilumina

Tal qual arco-íris pós tempestade

Um corpo alquebrado que se refresca num rio caudaloso

Que se renova num abraço carinhoso

Teimosias…

Uma mente conturbada em curto-circuito

Uma alma repleta e, paradoxalmente, ainda cheia de espaço

Um ser humano pensado e criado para não desistir

Quando tudo parecer ruir

Teimosias…

Amor: a maior teimosia do mundo

Mas a única capaz de ainda garantir o viver…

Alda M S Santos

Olhe para mim

OLHE PARA MIM

Olhe para mim, mas olhe devagar

Preste atenção, demore-se…

Olhe e me enxergue verdadeiramente como sou

Um alguém que precisa de você, de carinho e atenção

Não me deixe ir embora, silenciar

Não quero fugir para dentro de mim, me afastar

Quero estar com você, sentir você

Sentir-me uma pessoa amada…

Não quero mergulhar no meu mundo

Quero fazer parte do seu mundo também

Sinto-me só, um ninguém nesse mundo

Do qual tantas vezes quis ir embora

Nesse seu mundo tão “perfeitinho” sinto-me um nada

Olhe para mim! Me abrace!

Por favor, me enxergue, faça-me ver propósito nessa vida

Que eu possa ser importante, necessária ao menos pra você

Preocupe-se comigo, me imponha limites de amor e cuidado

Olhe para mim!- é o grito silencioso de tantas crianças e jovens

Ao se rebelarem, enfurnarem-se no quarto

Quebrarem regras, ultrapassarem limites

Tantas vezes têm “tudo”, mas falta-lhes o essencial

Sentir-se alguém no mundo de alguém

Falta amor em atitudes simples

O amor é que nos faz ter prazer no viver

Aquele amor demonstrado no cuidado e atenção diários

O amor é que impede que tantos queiram acabar com a vida, com o inexistir

“Olhe para mim!”

Alguém perto de nós está gritando esse pedido…

Prestemos atenção!

Alda M S Santos

Somos todos responsáveis

SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS

A cada vez que ignorei um grito de socorro

A cada vez que não ouvi um silêncio sofrido

Eu também fui responsável

A cada vez que não me importei com as lágrimas

A cada vez que chamei de frescura a dor do outro

A cada vez que menosprezei o diferente

Eu também fui responsável

A cada vez que exigi que os outros fossem iguais a mim

A cada vez que desconsiderei as dificuldades individuais

Eu também fui responsável

A cada vez que ignorei e me calei

Quando gordos, homossexuais, feios, negros ou pobres foram ridicularizados

Eu também fui responsável

A cada vez que nada fiz, que pensei “esse problema não é meu”

Eu contribuí para que uma tragédia pudesse crescer

E ganhar forma dentro de alguém já doente e excluído

É fácil e cômodo culpar a política, a segurança, a educação, a estrutura familiar

São culpados sim!

Mas que possamos assumir com coragem nossa parcela de culpa

A cada vez que nos fechamos em nosso mundo particular

Que somos individualistas e egoístas

Que pensamos que “amar a teu próximo como a ti mesmo”

Parece coisa de otário

Ou que ajudar o outro mais carente é “dar o peixe” para preguiçoso

Nós também fomos responsáveis

Por inércia ou instigando o mal

Nós contribuímos para que uma tragédia pudesse acontecer

Bem pertinho de nós …

Muitas vezes desconsiderando que estamos no mesmo mundo

Que ele gira e balança todo o tempo

E nada garante que não explodirá algo em nosso colo!

Somos responsáveis por cada flor impedida de germinar

Pensemos nisso!

Somos todos responsáveis!

Alda M S Santos

Jogo da vida

JOGO DA VIDA

Tal qual bola branca no bilhar

Que sofre o golpe inicial do taco

E lança todas as demais bolas

Num bate e rebate

Num vai e volta frenético

Umas sempre interferindo na trajetória das outras

Rumo à caçapa ou fugindo dela

Por menor que seja o movimento

Cada “tacada” nossa atinge muitas outras vidas

Somos bolas e tacos nessa grande sinuca

Ora tacando, ora sendo tacados

Desviando ou caindo nas caçapas da vida

Não existe movimento “inocente”

Calculado ou não, planejado ou descuidado

Até a inércia é um movimento que afeta todo o jogo…

Alda M S Santos

Mexidos e remexidos

MEXIDOS E REMEXIDOS

Sabe aqueles dias que nos sentimos um suco remexido

Daqueles que estavam “descansados”

Com o conteúdo sólido, denso, depositado no fundo

E o que é leve dando cor, leveza e sabor

Misturado, à mostra ou na superfície, facilitando a vida?

Aí vem algo e balança tudo

E o que “pesa” mistura-se novamente

Como vento que levanta a poeira assentada

Lança as folhas para todos os lados

Derruba galhos, agita lagos, lagoas e mares

Novo trabalho de descanso e repouso é exigido

Para a vida seguir leve, colorida e saborosa

Ainda que o pesado que repousa lá no fundo

Seja aquilo que dá vida e sustentação a todo o resto…

Alda M S Santos

Quero a verdade

QUERO A VERDADE

Quero toda e qualquer verdade

Aquela que é escondida atrás de um sorriso

Ou disfarçada num olhar fosco e vago

Quero a verdade que tentamos deletar da memória

Que possa magoar ou nos ferir fundo

Vinda num silêncio tenso ou num grito angustiado

Quero a verdade doce que traz alegrias ou esperanças

Capaz de curar qualquer dor

Quero a verdade amenizada nos eufemismos

Ou revestida e clareada nas metáforas

Quero a verdade que ficou perdida nos buracos do caminho

Aquela que foi acovardada nos medos e decepções

Quero a verdade que nos move, que dá o brilho ao olhar

Aquela que nos impulsiona sempre para frente

A despeito de qualquer entrave, obstáculo ou subterfúgio

Quero a verdade mesmo que cause vergonha, traumas ou culpas

Aquela que soterramos nos escombros de nós mesmos

Quero a verdade sempre, ofereço a verdade sempre

Mesmo que ela termine com um “perdoe-me”, “te amo”, “tenho orgulho de você”

A verdade deve ser sempre a liga de todo tipo de relação saudável

De amizade, de trabalho, de amor

Quero a verdade sempre!

Alda M S Santos

As tochas estão acesas

AS TOCHAS ESTÃO ACESAS

“Bruxas” expulsas de algum “paraíso”

Julgadas e condenadas à fogueira

Onde ardiam a queimar o ”mal”

Junto dos livros subversivos, e todo seu material

Conhecimento sempre foi problema

Para quem, sem argumentos, precisa de fantoches

É mais fácil dobrar um povo alienado

Que aceite se curvar, ser manipulado

Proíbem uma fala, um jeito de ser, uma expressão

Logo será um livro, um jeito de trabalhar, uma profissão

Quando assustarmos já estará acesa a “fogueira”

Na qual arderão os conhecimentos das “bruxas” de plantão

As tochas estão acesas…

Alda M S Santos

Ao sabor do vento

AO SABOR DO VENTO

Um barco, uma âncora, uma bandeira a balançar

Seus olhos observam, sua alma voa

Ao sabor do vento navegam no oceano

Leva para lá e traz de volta para cá

E nesse constante remexer, nessa brisa refrescante

Ora é paz, calmaria, ora é tempestade, inconstância

Tenta encontrar seu lugar, se encaixar

Ser barco, ser âncora, ser vento, ser pouso…

Joga água salgada no rosto, aquece-se ao sol

Tenta lavar e aquecer também a alma

E o barco balança, a âncora repousa

O porto está longe e a bandeira balança ao sabor do vento

Fecha os olhos e, como ela, solta-se, entrega-se, deixa-se levar…

Alda M S Santos

Gosto de gente

GOSTO DE GENTE

Gosto de gente

De barulho de gente silenciosa

De silêncio de gente barulhenta

De ter gente por perto

Ainda que não interaja com elas

Gosto de observar, de aprender com o que vejo

Gente me inspira, me faz refletir, me atrai

Gosto de gente que acerta, que erra

Sobretudo que aprende com os erros, que se desculpa

Gosto de gente malucona, fora dos padrões

Gosto de conversar com gente de verdade

Gente que é real, instável ou insegura

Gente imperfeita como eu, meio fora de órbita

Mas conectada em outras “gentes”

Gosto de imaginar uma história para cada um que vejo

Tenho até vontade de confrontar dados

Ou seja, gosto de gente que não se envergonha de ser gente

Gosto de gente que se comunica com o olhar

Gosto de imaginar o que o olhar diz

Gosto de gente que não passa por cima de gente em hipótese alguma

Gosto de gente que respeita gente, que dá as mãos

Gosto de um pouco de solidão também

De caminhar sozinha à beira-mar ou no meio do mato

E ruminar tudo que vejo e sinto

Assim fica mais fácil lidar com gente que mora dentro da gente

Inclusive as muitas de nós…

Gosto de gente!

Alda M S Santos

Precisamos nos armar de amor

PRECISAMOS NOS ARMAR DE AMOR

Já estamos armados!

Fomos aos poucos sendo armados com a navalha da intolerância

Temos posse do sentimento de superioridade de todo tipo

Portamos conosco o veneno social e fatal do preconceito

Carregamos no bolso sem trancas ou cuidados a revolta e angústia contra males sofridos

Nossa aptidão para uso e manuseio está determinada pela pontaria

Exames psicológicos atestam nossa normalidade e direito à “defesa”

Tudo isso junto torna as armas de fogo apenas detalhes letais

Facas, espadas, revólveres e quaisquer outras armas

São apenas instrumentos do motor da intolerância que já trazemos licenciados em nós

Tendo esse motor uma pedra, um pau, uma garrafa

Até mesmo nosso corpo são armas letais

Com o motor do preconceito e da superioridade liberados

A diferença entre a posse e o porte de armas é circunstancial

Fica a cargo da raiva ou humor que você carrega no momento

De quem tiver atravessado seu caminho

Em casa, no trânsito, no trabalho, nas relações “amorosas” ou sociais

Já estamos armados!

Se quisermos mudar algo precisamos nos armar de amor…

Alda M S Santos

Teias sociais e familiares

TEIAS SOCIAIS E FAMILIARES

Tecemos nossas relações familiares e sociais

Como uma grande teia, um emaranhado no qual transitamos bem

Conhecemos os cantos e recantos, os nós, os laços, os embaraços

As linhas paralelas, aquelas que nunca se cruzam

As vias mais frágeis, as mais resistentes

Mas, como numa teia, qualquer anormalidade

Um inseto distraído, intruso que chega movimenta toda a sua estrutura

A aranha tem trabalho para proteger seu espaço de invasores

Tecer novamente o que foi danificado

Temos trabalho para reconstruir nossas relações social e familiar

Quando elas sofrem qualquer dano ou perda: interna ou externa

Mas só nós podemos fazê-lo

Fomos nós que, como aranhas, as construímos

Nós, como aranhas, conhecemos cada ponto como ninguém

E logo nova teia estará pronta

Mais forte e ainda mais resistente!

Alda M S Santos

Enquanto isso…

ENQUANTO ISSO…

Enquanto a humanidade busca suas companhias

Enquanto seleciona o amor, a família, as amizades e afinidades

Enquanto conserva, mantém ou destrói relações

Focando demasiadamente em físicos padrão, em corpos jovens, bonitos e desejáveis

O que encontramos quase sempre

São corpos sarados e (des) acompanhados

Mentes tantas vezes doentes e solitárias

Almas abandonadas e tristes

Em seres humanos tantas vezes infelizes

Que não se sentem bem consigo mesmos, que roubam o bem estar de outros

Incapazes de ser ou de fazer alguém feliz

Sem chão, perdidos…

A humanidade precisa se reencontrar…

Alda M S Santos

Trocas imperceptíveis

TROCAS IMPERCEPTÍVEIS

Tantas trocas quase imperceptíveis

Gentilezas por sorrisos, grosserias por afastamento

Doação por gratidão, negligência por saturação

Respeito por admiração, superioridade por antipatia

Sinceridade por empatia, abraços por beijos, doces por queijos

Interesse por aproximação, desrespeito por violência, mentira por desconfiança

Atenção por carinho, ingratidão por inimizades

Descuidos por tanto faz…

A vida nos devolve aquilo que oferecemos

Muitas vezes sequer percebemos

Atraímos o que emitimos

A reciprocidade advém da sintonia de pensamentos e ações

Sintonia é coisa de alma…

Alda M S Santos

Perdas

PERDAS

De tudo que é passível de perdas

Quase nada se dá de uma vez, de supetão

Normalmente é perda gradativa, gradual

E podemos perceber se prestarmos a devida atenção…

O emprego, a lucidez, o lazer, a faculdade

A destreza, a saúde, a alegria, a agilidade

A confiança, a consciência, a fé, um amor ou uma amizade…

Tudo, tudo que se perde, que se vai, emite sinais

Quando precisa de uma injeção de ânimo, de dedicação

Quando já não está tão perto ou tão forte como se imaginava

Quando urge um sofro para manter o calor

Quando para manter vivo necessita mais cuidado e proteção…

Tudo que é passível de perdas

Emite luz de alerta, pisca-pisca ou holofote

No observar e no agir diário está a diferença entre sair vitorioso ou derrotado…

Alda M S Santos

A Lua mudou

A LUA MUDOU

A coluna dói mais quando a Lua muda de fase

Se o tempo esfria, aquela dor crônica nas articulações piora

Se o joelho incomoda já sabe que vem chuva

A Lua Cheia inspira os amantes

A maré baixa causa indisposição

A natureza dando sinais no corpo

Ou o corpo buscando justificativa para suas alegrias e mazelas?

Chuva, dias nublados, Sol, Lua, estrelas

Belezas, dores e amores inspiram poetas

Ou sua inspiração que faz com que vejam tudo isso

Onde ninguém mais vê?

Transformam em poemas o que veem lá fora

Ou o lá fora apenas ativa, atiça o que já têm cá dentro?

O joelho dói porque vai chover

Ou vai chover porque o joelho doeu?

Qual a mudança na Lua lá em cima

Que sensibiliza poetas cá embaixo?

Que marés são capazes de virar nossos ventos internos?

Ou será que a sensibilidade está bem mais perto daqui

E a Lua é apenas a Lua, o mar apenas o mar,

O amor apenas mais uma dor?…

A Lua mudou…

Alda M S Santos

Costurando amor sem medidas

COSTURANDO AMOR SEM MEDIDAS

Costuro uma peça de amor sem medidas

Uso tecidos finos, grossos, lisos ou estampados

Ora com moldes pré-definidos ou pilotos recebidos

Ora unindo partes afins aleatoriamente

Muitas vezes com todo cuidado e técnica possíveis

Usando entretelas, drapeados, instintivamente, testando, criando

Faço um alinhavo para não deixar nada escapar

Tenho o cuidado com acabamentos em bainha e cós

Utilizo recurso do viés para dar leveza e flexibilidade a peças rígidas

E sigo cosendo, ora em linha reta, ora zigue-zagueando ou em pontos cruz, artisticamente

Quando a linha apresenta nó, desembaraço com cuidado

Prossigo em pontos cheios, variados, corto, reinicio

Muitas vezes a peça se rasga, preciso cerzir e prosseguir

Faço alguns caseados, prego botões

Emendo partes que recebo, tenho que tirar outras que não combinam

Enlaço, faço arremates…

A peça nunca parece pronta, ajeito direitos e avessos, vou e volto

Mas insisto e persisto, vou usando-a assim mesmo

Ela só será entregue no destino final

Para o grande “Estilista” da vida avaliar…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: