Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

poeta

Ouvindo poesia

OUVINDO POESIA

Quem pensa que poesia só se escreve, se engana
Muito antes de ser escrita, verbalizada ou declamada
Já foi sentida, entendida e escutada
Abusando da sensibilidade que se tem aguçada

Pássaros cantam poesia na alvorada
Em doces e belos tons, rima apaixonada
Entregues, não desistem, persistem nessa empreitada
Até ter rendida para si a linda namorada

Árvores são poesia aos quatro ventos sussurrada
Gostam de se fazer sentir, serem abraçadas
Junto das flores são alimento, beleza, poesia perfumada

Poetas são esponja, são ímã, alma encantada
Sintonizam suavemente no canto da passarada
Deixam o coração falar, pela brisa ser levada

Alda M S Santos

Poeta

POETA

Poeta, aquilo que sai da sua cabeça
É algo que talvez nunca se esqueça
Aquilo que sai da sua cachola
E um pouco até extrapola
Vira versos, poemas, te ajuda a sair de sola

Poeta, aquilo que sai da sua alma
Que vem do coração até a palma da sua mão
Transborda sentimentos, escreve, extravasa
Vira versos, poemas, são levados pelo vento
Lavam a alma, atingem outro coração…

Poeta, o que passa por sua cabeça
Vira sonho, faz um atalho pelo coração
Deixa você mais leve, doce, sublime
Te lava por dentro, te redime
Isso se chama amor, revestido de inspiração
E te faz ser mais emoção…

Poeta, que se passa em seu coração?

Alda M S Santos

Nasce a poesia

NASCE A POESIA

Ela brota em nós, suave doçura
Rompendo barreiras da terra escura
Tal qual semente que a luz procura
Desabrocha, encanta, louca fissura

Alimentada por nossos sentimentos
Aquecida em densos momentos
Irrigada pelas lágrimas dos tormentos
Despertada na alegria dos acontecimentos

É sonho, é realidade em letras versada
Escrita, declamada, aclamada
No outro se vê, encontra morada

A poesia nasce e cresce assim
Nos poetas, em você, em mim
Seguindo, inseparáveis, até o fim

Alda M S Santos

Simplesmente, amo!

SIMPLESMENTE, AMO!

Será que precisa mesmo esse desvendar
De um amor, um intenso precisar
Quer saber a razão, o porquê
De um viver agarrado assim em você

É necessidade que não sai
Um desejo que não se esvai
É um modo de partilhar
Emoções que estão meio sem lugar

Tantas vezes não há como falar
Não se sabe como expressar
Mas você nos permite esse passear

Uma vez que encontra essa sintonia
Nos versos, na prosa, na poesia
Não há mais jeito, abrir mão é heresia

Alda M S Santos

Quando os versos não saem

QUANDO OS VERSOS NÃO SAEM
Vontade danada de escrever, de organizar esse caos
Colocar pra fora o que se espreme aqui dentro.
Mas é tanta coisa misturada, tanta pressão!
Não há uma válvula de escape,
Não há saída de emergência,
E todos os sentimentos, toda essa poesia em mim
Que poderiam vir a ser um poema,
Ficam travados em frases sem nexo,
Se confundem num texto complexo,
E os versos não se materializam,
Se apertam na saída, barram a passagem
A magia e encanto se perdem.
E nada sai…
Quando os versos não saem,
Morre um pouco a poesia,
Morre um pouco de mim…
Alda M S Santos

A cor da poesia

A COR DA POESIA

Qual a cor da poesia, da sua poesia?
Há pitadas coloridas de magia
Ou tem brilhos, reflexos, sintonia
Qual sua mais doce fantasia?

Sua poesia é quente, apaixonada
Escarlate, vermelha, encantada
Ou é branca, receptiva, criativa
Permite minha ação, é interativa

Que tal fazermos assim
Juntar minhas cores com suas cores
Uma bela mistura de dores e amores

Assim, quem sabe é possível
Realizar na poesia nossa aura multicor
E um mundo mais colorido, recheado de amor

Alda M S Santos

Click: poeta das imagens

CLICK: POETA DAS IMAGENS

Capta em qualquer canto
Um encanto ou beleza qualquer
Terra, mar, rio, mata, gente
E surge um desejo premente
Eternizar aquele momento
Fazer de tudo para fixar na mente
Aquele segundo especial, envolvente

Mexe daqui, ajeita dali, senta, deita
Se encaixa num ângulo perfeito
Busca sua musa, a melhor luz, a mais aparente
Quer capturar a essência genuína daquele lugar
Click! Atua o poeta das imagens

E “escreve” ali sua poesia
Para sempre eternizada
Em sua objetiva, objetivamente
Em seus olhos, em sua mente
Numa alma que deseja viver da beleza
Que não se cansa de procurar, de gravar
Ainda que desajeitadamente
O que de mais intenso e belo ali encontrar…

Fotografia: a arte de fazer da imagem uma poesia…

Alda M S Santos

Somos todos poesia

SOMOS TODOS POESIA
Em nosso caminhar do dia a dia
Tristes, felizes, falantes ou calados
Tranquilos, afoitos, solitários ou acompanhados
Somos todos poesia…
Carentes, completos, amantes ou amados
Profundos ou superficiais, intensos nessa louca travessia
Juntos, separados, magoados ou abandonados
Somos todos poesia…
Doentes, sadios, loucos ou apaixonados
Sentados no caminho, subindo numa árvore, seguindo ou parados
Lutando por uma fantasia ou sofrendo de paralisia
Somos todos poesia…
Poesia aberta a quem possa apreciá-la
Poesia que carece de alguém que a leia, que a sinta
E possa transformar nosso avesso em versos
Que organize nossa confusão em rimas
E que faça de nós um poema, sua maior obra-prima
Somos todos poesia…
Alda M S Santos

Vou com asas

VOU COM ASAS

O desejo de voar é grande
Para um mundo mais colorido
Menos nebuloso, nem tão dolorido
De brisa suave, terno abrigo
Abro minhas asas…as asas da poesia
Elas permitem viajar no tempo
Um pouquinho pro passado, sem lamento
Para o futuro, bem a contento
Abro minhas asas…as asas da poesia
Com elas posso no alto planar
Lentamente a tudo observar
Num ímpeto fundo mergulhar
E num doce colo pousar
Abro minhas asas…as asas da poesia
Levo comigo quem quero, me faz bem
Num romântico passeio à Lua
Noutra dimensão, vou além
Num voo de alma, de coração, busco alguém
Abro minhas asas…as asas da poesia
São fortes, intensas, pura magia
Fazem o mundo mais belo, inebria
Recheiam minha vida de alegria
Não abro mão das asas da poesia…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: