Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

aprendizado

Educação libertadora

EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Ele acreditou na capacidade do ser humano sempre aprender
Ele afirmou que há aprendizado recíproco no ato de ensinar
Divulgou e defendeu a educação, um exímio intelectual
Sempre a apontou como o melhor meio de justiça social
Filosofou e intelectualizou a Pedagogia do Oprimido
Acreditou na capacidade de cada um construir seu saber
Sem eliminar o que puder do outro receber
Apenas incentivando a disposição interna e a individualidade
Freire responde pelo que há de mais democrático na intelectualidade
Para ele não há saber superior, apenas saberes diferentes
Todos aprendemos na troca constante ou intermitente
A máxima de Freire: a leitura do mundo precede a leitura da palavra
Ou seja, a leitura de nós mesmos e do outro é essencial
A qualquer um que pretenda crescer, modo gradual
Ninguém é superior a ninguém, isso é pontual
Mas, mesmo o.contrariando, Paulo Freire é sabedoria sem igual

Alda M S Santos
SARAU CENTENÁRIO DE PAULO FREIRE

Qual sua natureza?

QUAL SUA NATUREZA?

Olho para o céu, tão negro, tantos pontinhos brilhantes
Estrelas que estão a anos-luz de distância, piscantes
E ainda irradiam brilho, luz, magia
Encantam, atraem, seduzem, são pura energia
Tão poderosas, mas para se mostrarem precisam da escuridão
Fico a imaginar o quanto de força e brilho em nós
Está lá dentro aguardando  para desatar nós
Quando tudo parecer escuro ou solitário cá fora
A luz que se evidencia na escuridão
A própria companhia que nos acolhe na solidão
A sabedoria que brota na dureza do chão
O amor que chega ou vai embora a cada estação…
As estrelas estão no meu céu agora
Mas em algum lugar há sol nessa hora
Ou o céu está tristonho, nublado
Ou a chuva cai, torrencial, tempo fechado
Mas o que vale lembrar é que as estrelas estão lá
E quando tudo estiver bem escuro
É o momento de deixarmos que brilhem
E extrair e contemplar o melhor dessa beleza
Do céu, lá de fora ou de nossa própria grandeza
E em você, há sol, estrelas, chuva, qual sua natureza?

Alda M S Santos

Intuição

INTUIÇÃO

Aquela intensa e contínua sensibilidade
Sempre a alertar, despertar a curiosidade
Tornar alerta, avaliar a credibilidade
Sexto sentido, intuição ou mediunidade

Uns dizem que o santo não bateu
Que o sinal vermelho acendeu
Quando é assim, aprendi, sou mais eu
Acredito no que em mim nasceu

A vida tem meios de nos alertar
Aos pouquinhos sabe nos orientar
E o melhor caminho irá nos apontar

Basta não ignorar os contínuos sinais
Por mais insignificantes, não são banais
Corpo, mente, coração, juntos são sensacionais

Alda M S Santos

Roda pião, bambeia pião

RODA PIÃO, BAMBEIA PIÃO

Somos piões sendo por outros girados
Pelas mãos de alguns somos balançados
Ficamos rodando, rodando, sendo forçados
Até pararmos no próprio eixo, avariados

A vida pede luta, pede análise, pede calma
Tanto por fazer, precisamos paz na alma
Urge ter sabedoria, buscar informação
Saber quem nos comanda, exige nossa atenção

Queremos o bem, a harmonia, a paz, afinal
Mas estamos sendo sacudidos num vendaval
E o pião vai girando desgovernado, sem final

Todo cuidado é pouco para não cairmos na tentação
De agir contra o que acreditamos, ferir nosso coração
A luz deve sempre prevalecer, seguirmos em evolução

Alda M S Santos

Tenho medo…

TENHO MEDO…

Esse mundo anda tão estranho, tão assustador
Muito humano sendo usurpador
De direitos, de vontades, espalhando dor
Tenho medo de tanta gente do mal, sem pudor

A noção do certo e do errado está distorcida
Só se vê uma longa e desfreada corrida
Para ver quem ao outro se impõe
E seu modo de ser e viver se sobrepõe

Relações de mentira, muita insanidade
Ameaças, medos, sobra maldade
Aprisionamento, exclusão, falta autenticidade

A vida pede sabedoria, pede verdade
A Deus clamamos por bênçãos e bondade
Que possamos crescer em paz e liberdade

Alda M S Santos

O uso do cachimbo

O USO DO CACHIMBO

O uso do cachimbo faz a boca torta
Para o bem ou para o mal, quem se importa?
Na visão do vício pelo tabaco, pelo fumo
Já é sabido que faz mal, não me acostumo

Numa visão mais ampla e genérica
Há muitas coisas tortas, homéricas
Cada um sabe o tanto que é nocivo
O mal uso que se faz do que parece atrativo

Tudo que é excessivo faz mal
Bom mesmo é saber dosar, ser racional
Ainda que seja algo muito emocional

Se for para entortar ou endireitar
Que seja por atos de amor e compaixão
Um vício cujo uso faça bem ao nosso irmão

Alda M S Santos

Sexta-feira, treze

SEXTA-FEIRA, TREZE

Sexta-feira treze, dia de cuidar de nossos gatos pretos

Sejam eles quais forem

Sexta-feira treze, dia de proteger nossos bichinhos

Daqueles que têm o “azar” da ignorância

E neles descontam suas fobias, superstições e preconceitos

Sexta-feira treze, quatorze ou quinze

Com gatos pretos, cães marrons ou pessoas amarelas

Debaixo de uma escada ou sobre um arranha-céu

Dia de acreditar que a sorte se faz todo dia

Começando com ambos os pés

Dia de saber que despedidas são sempre tristes, sobre pontes ou não

Que fazer caretas é feio todo o tempo, que calçados virados são apenas distração

Sorte somos nós que fazemos, de segunda a segunda

Primeiro a trinta e um, a gosto de Deus

De preto, de branco ou multicolorido

Tendo ou não os pés varridos

O amor não será varrido de nós

Se mantivermos atitudes de bondade, sabedoria e compaixão…

Boa sexta-feira a todos! ❤️ 🐈Alda M S Santos

Enquanto Seu Lobo não vem

ENQUANTO SEU LOBO NÃO VEM

“Vamos passear na floresta enquanto seu lobo não vem”
Onde há “lobos” mais malvados e perigosos
Que podem matar, ferir, deixar doente
Onde é a floresta em que há mais meliante
Na mata, na selva de pedra, ou dentro da gente?
Que fazer, correr, fugir ou enfrentar
Mostrar a ele qual é o seu lugar?
As florestas verdes são menos perigosas
São o que são, não falseiam, não enganam
Saber o que esperar é luta justa
Quando não enxergamos o mundo tão cor de rosa
Mas uma coisa é certa, clara, cristalina
Quando se sabe bem a fome de seu lobo interior
A força que tem, a coragem, a sensibilidade
O Calcanhar de Aquiles, a fragilidade
Sao facilmente domados os lobos do exterior
Vamos passear na floresta?.
Alda M S Santos

Perdão

PERDÃO

Uma das maiores virtudes, prova de nossa evolução
É saber perdoar nos outros sua imperfeição
Aqueles que nos envolvem em suas malhas
Desculpar, deixar seguir e nos manter distantes de suas falhas
Mas importante mesmo e nem sempre tão fácil
É perdoar em nós mesmos as más escolhas
Os caminhos escuros, nem sempre retos
Nossas fragilidades, nossos desejos tão incertos
Culpa pesa, remorso idem, a dor sobrecarrega
É sabido que autopunição atrasa, ninguém nega
Deixar para trás o que nos paralisa
E buscar no hoje, no agora, o que nos avaliza
Essa é a sabedoria que o viver exige
A vida nos oferece opções variadas
Cabe a nós mesmos fugir das ciladas
Olhar com olhos de amor e perdão para si
É saber que o passado se foi, deixou lição
E o futuro chega sempre, está logo ali
Perdoe, perdoe-se, olhe ao longe
O sinal da vida está aberto!

Alda M S Santos

Virtudes e defeitos

VIRTUDES E DEFEITOS

Quais minhas mais belas virtudes
E meus mais desastrosos defeitos
Será que consigo ressaltar o que é bonito
E apagar aos poucos o que traz atrito?

Qualidades nos fazem ser admirados
Defeitos nos repelem, nos olham de lado
Posso adquirir uma virtude com o tempo
E melhorar o que não está a contento?

A vida ensina, as experiências também
Na alvorada o Sol renasce, faz o bem
Em cada raio de luz é vida renovada
É sabedoria para enfrentar qualquer parada

Posso sempre evoluir, isso é certo
Ser meu melhor a cada dia, coração liberto
Para cada defeito que me desagrade
Te darei em dose dupla uma bela qualidade

Alda M S Santos

Não é sorte!

NÃO É SORTE!

A mim dizem que é sorte
O acaso que agiu a favor
Mas ao avaliar o empenho empregado
Afirmo que conquistei tal valor

Insistem que sou mulher de sorte
Esse adjetivo não é o mais adequado
Lutei, busquei, confiei, conquistei
Nada foi subtraído ou roubado
Prefiro dizer que meu mundo foi abençoado

Podem afirmar que é sorte
Mas melhor acreditar que é dedicação
Um tanto de trabalho e amor
E coragem para enfrentar qualquer atribulação

Sorte ou azar são obras do acaso, da dúvida, do temor
Bênção é obra da fé, do trabalho e do amor
Não é sorte, é Deus!

Alda M S Santos

Pétalas caídas

PÉTALAS CAÍDAS

Um lindo jardim, um maravilhoso e colorido roseiral
Rosas em botões ou abertas enfeitando o quintal
Algumas já murchando, pétalas caindo
Se desfazendo, para onde será que estão indo?

Aos seus pés, bem junto à raiz, pétalas vão repousar
Cumpriram sua missão de embelezar e perfumar
Ali pelas intempéries serão consumidas
Pelo frio, vento, chuva, sol abastecerão a raiz, novas vidas

Nada se perde de nossas pétalas que caem, elas têm seu papel
São nossos momentos passados, ainda que pareça cruel
Elas alimentam e adubam nosso hoje, nosso amanhã
Mostram-nos que a esperança nunca é vã

Essa circularidade de vida, de momentos a sentir
Uns chegando, outros passados, outros por vir
São a certeza que há razão em todo existir
E que também há emoção, coração, não dá para desistir

Alda M S Santos

Evoluir sempre

EVOLUIR SEMPRE

Nessa vida de comandantes e comandados
Estamos sempre a mudar de posição, de lado
Importante é saber como melhor agir
Sempre no e pelo bem seguir

Quando comandante ser amor, ser luz
Ser a paz, o caminho, a direção que melhor conduz
Quando comandado ser bondade e humildade
Ter sabedoria, discernimento e liberdade

Bom ter claro nossa responsabilidade
Em qualquer lado deixar de fora a vaidade
Entender que estamos aqui para evoluir, essa é a verdade

Se errar, consertar, se cair, levantar
Sempre guardar bem, a lição registrar
E eternamente ao Alto agradecer e orar

Alda M S Santos

Mundo difícil

MUNDO DIFÍCIL

Há por aqui gente de todo tipo
Em diferentes fases de evolução e aprendizado
Há quem se doe, seja crédulo, ajude
E há quem não saiba sequer ser amado

Há quem veja sempre o lado bom das pessoas,
Sabe ser carinho, acolhimento e respeito
Mas há quem não entenda esses sentimentos
E queira sempre tirar proveito

E a balança está sempre a oscilar
Crédulos, descrentes e aproveitadores
Em quantos ainda podemos confiar?

Inspirar esperança,, não deixar de acreditar
Pois quando se perder a fé na humanidade
É jogar a toalha antes da luta terminar

Alda M S Santos

Leituras

LEITURAS
Há leituras e leituras…
Há quem leia um poema e se emocione
Há quem leia uma capa e se admire
Há quem leia um número e racionalize
Há quem leia apenas palavras e viaje
Há quem leia um corpo e se encante
Há quem leia um olhar e ali se perca
Há quem leia um toque e retribua
Há quem leia um abraço e devolva
Há quem leia um sorriso e se ilumine
Há quem leia a distância e a percorra
Há quem leia o silêncio e grite em resposta
Há quem leia uma dor e se solidarize
Há quem leia uma lágrima e a enxugue
Há quem leia uma saudade e vá nela morar
Há quem leia mais uma história fictícia e desista
Há quem nessa história se encaixe e insista
Há quem leia um momento doce e se lambuze
Há quem apenas decifre códigos gráficos
E há quem leia e interprete tudo isso
De acordo com suas vivências…
Como você me lê, lê os outros?
Alda M S Santos

Dúvidas e certezas

DÚVIDAS E CERTEZAS

Há tantos medos, dores, inseguranças
Tantas dúvidas, falta o chão, falta esperança
As certezas nem sempre trazem bonança
Confiar anda difícil em meio a tanta lambança

Nosso planeta passa por grandes provações
Nós nos metemos em grandes atribulações
Criamos nosso caos, nossas tentações
Perdidos ficamos, tentando fugir dos furacões

São várias as opções e caminhos
As encruzilhadas são verdadeiros descaminhos
Tantas vezes só queremos a proteção de nosso ninho

Urge saber a hora certa e como nos proteger
De lutar, enfrentar, não nos esconder
A mudança precisa vir de nós, se quisermos vencer

Alda M S Santos

Na guerra ou na paz

NA GUERRA OU NA PAZ

Em tempos de guerra foge-se de campo aberto
Soldados expostos assim seriam alvo certo
Protegem-se na mata em fardas camufladas
Ou escondidos atrás de barricadas

Nas lutas da vida não é diferente
Tenta-se a todo custo ser previdente
Não expor seus ataques ou defesas
Para não ser preciso virar a mesa

Mas é fundamental saber quando recuar
Pois a vida muitas vezes se impõe
Sábio é quem aceita, não se interpõe

Chegará a hora de avançar
A vitória pode vir para quem souber esperar
E não desanima, sabe seu potencial valorizar

Alda M S Santos

Curas

CURAS

Somos como uma casa cheia de remendos
Trincas abertas, fechadas, cicatrizes e fendas
Troca daqui, troca dali, põe, repõe, substitui
E a casa fica com uma aparência de nova
Só quem nela mora sabe de todas as reformas
Cada base reconstruída, vigas levantadas
Estrutura a duras penas renovada
Como nossas dores, alma machucada
Lágrimas molhando a massa da nova fachada
Amizades substituindo amizades falidas
Amores curando feridas de outros amores
Brilhos e sorrisos eliminando medos e dores
A vida se renovando em novos jardins, novas flores
Medicamentos que vão tratando corpo, alma, coração
Só não dá pra ficar dependente, não
Remédio bom, que cura, ilumina, vitaliza
Não pode escurecer ou matar um coração…

Alda M S Santos

Agruras da maldade

AGRURAS DA MALDADE

Somos muito mais fortes que pensamos
Deus nos fez assim, aparência de flor
Delicadeza de pétala de rosa, suavidade
Perfume, encanto, aparente fragilidade
Mas é falácia, pura ingenuidade
Somos santidade ou somos o profano
Depende de quem em nós se fizer engano
Somos a textura da pétala ou o espinho da rosa
Somos meninas, moças, somos mulheres!
Se não conquistamos nosso espaço pela delicadeza
Deus nos deu espinhos para nossa defesa
Roseirais aguentam a chuva, o sol, o vento
Podem perder pétalas, botões, ser sofrimento
Mas se juntam, se alinham, se protegem
Perder uma pétala, um botão, uma rosa
Não diminui em nada o roseiral
O essencial está enraizado, forte
Regado nas noites de sereno e lágrimas, sem norte
O que se perde por ação da natureza
Ou até mesmo ação humana, malvadeza
Volta para a terra e será adubo, nutrição
Volta para a alma, será motor para o coração
A fortalecer o que houver de bom, ser renovação
Roseiras que foram podadas dão as mais lindas rosas
Mulheres que foram magoadas, feridas, decepcionadas
Em sua emoção cinicamente violentadas
Crescem, se fortalecem, brilham, engrandecem
O olhar delas é misto de delicadeza, força e superação
Não será qualquer um que poderá derrubar esse roseiral, não
Rosas e mulheres podadas se abrem novas para a vida
Preparadas para o caminho, o amor, a lida
Nada segura uma mulher consciente de sua força e fragilidade
Que venceu e se fortaleceu nas agruras da maldade!

Alda M S Santos

Lágrimas

LÁGRIMAS

Há quem diga que só choro alto alivia
Mas de todo tipo pode ser um pranto
Aquele apertado na cama macia
Ou o que quietinho se esconde num canto

Há choro doloroso debaixo das águas do chuveiro
Ou aquele que incha o rosto inteiro
Também pode ser caminhando na chuva
Para com ela se misturar sem guarda-chuva

Todo choro, escandaloso ou contido
Nunca deixará de ser sofrido
O que todo pranto busca é um abrigo

Quem muito viveu essa lição aprendeu
Todo mundo um dia um choro escondeu
Mas, cedo ou tarde, um sorriso apareceu…

Alda M S Santos

Reflexos da alma

REFLEXOS DA ALMA

Sabe aquele olhar do qual você não consegue desviar
Ou aquele que, ao contrário, você não consegue enfrentar?
Devem-se à intensidade de sentimentos nele contidos
Olhares são reflexos do que vai na alma
São luz ou escuridão, toda a emoção
Nada escapa a um olhar atento
O que vai no outro olhar de sentimento
Falam de mágoa, de tristeza,  falam de dor
Falam de alegria, de desejo, falam de amor
Falam de esperança, de magia, falam da beleza da flor
Despertam a magia, acendem o calor
Podem provocar frio na barriga
Ou até criar uma briga
São diretos, certeiros, disfarçados ou sem pudor
Acabam com a letargia ou o torpor
São o modo que Deus criou
De nos fazer encontrar com quem Ele nos enviou
Para tornar nosso caminho mais suave
Enquanto estivermos por aqui nessa nave
Tentando ser e fazer feliz com um olhar que sorri
Que diz, “aconteça o que acontecer, estou aqui”
Que anda dizendo seu olhar por aí?

Alda M S Santos

Qual a cor do seu amor?

QUAL A COR DO SEU AMOR?

Se o amor tivesse cor
Qual seria a cor do seu amor?
Seria branco feito a neve
Amarelo como o sol brilhante
Negro como a noite envolvente
Vermelho como coração pulsante
Ou seria confuso, furta cor?

Qual a cor do seu amor?
Rosado feito rosa acanhada
Verde feito mata na chuvarada
Magenta feito moça assanhada
Rubro feito desejo em noite enluarada
Negro feito olhos de prazer na madrugada

Qual a cor do seu amor?
O amor tem a cor da emoção
A cor de uma saudade que aperta o coração
A cor de um beijo ardente de tensão
A cor de todo o arco-íris quando há afinação
A cor de um sorriso de prazer
Por sentir-se do viver a maior razão

Amor é de toda cor
Amor é da cor do prazer
Da cor de toda pele que brilha
Pelo intenso prazer de viver!

Alda M S Santos
Dia da consciência negra

Sexto sentido

SEXTO SENTIDO

Além dos cinco sentidos tão conhecidos
Visão, audição, olfato, paladar, tato
Todos temos um sexto sentido
Uns dão atenção, outros não, é fato

É aquela intuição, que num momento paralisa
Que interpreta uma expressão, analisa
Que em segundos capta a atração, o amor
É também capaz de prevenir, afastar uma dor

A intuição é o sexto sentido que nos diferencia
Nos faz confiar um no outro, o olhar sentencia
Que nos faz agir por emoção, sentir a sintonia

A intuição nos faz selecionar uns entre bilhões
Nos faz amar, encantar, abraçar, nos atrair
Faz confiar, nos entregar, sem medo do porvir

Alda M S Santos
Tarde de poesias: sexto sentido

Essa gente simples

ESSA GENTE SIMPLES

Em cada cantinho um gesto dessa gente
Que mostra a simplicidade no jeito de ser gente
O jeitinho de sorrir e cumprimentar
A doçura do olhar e o modo de prosear
A disponibilidade sempre em ajudar
Podem estar lavando a toalha na pedra
Trançando os cabelos sentada no quintal
Dependurando roupas no varal
Ou servindo um almoço caseiro pro pessoal
Nunca deixam de atender aquele que chega
Abrem as porteiras da sua fazenda
Oferecem um pouco de sua merenda
Deixam você colher jabuticaba no seu terreiro
Pegam a escada, nada cobram, seria um exagero
Essa simplicidade no agir que encanta
Que faz dessa alma simples e acolhedora
A beleza dessa terra e dessa gente encantadora
Quanto mais simples, mais humilde, mais se doa
Deus colocou nesse cantinho só gente boa…

Alda M S Santos

Sabedoria da flor

SABEDORIA DA FLOR

Para tudo que se deseja conquistar
Há meios e meios de se alcançar
Há quem use espinhos para se defender 
Outros a delicadeza para convencer

Nem sempre é certo que se chegará ao intento
Mas quem usa a sabedoria da flor a seu favor
Que quando mais apertada mais perfumada
Tem menos risco de sofrer nessa empreitada

Se há um caminho rápido, mais curto
Mas que põe a todos em surto, em exaustão
Não fará bem, será frágil competição

Se a estrada parece longa, demorada
Tente observar a natureza, a passarada
Algo de bom fará sua alma se sentir amada

Alda M S Santos

Palavras

PALAVRAS

Se quiser ferir alguém, use palavras
Cortam como lâmina, queimam como brasa
Ficam como agulhas na pele enterradas
A cada mexida a dor aguda é atiçada

Há quem as use até sem perceber
Não tem sensibilidade para entender
Diz que é apenas seu modo de ser
Que não machuca o outro por querer

Mas há outros meios de se eternizar
Um jeito perfeito para se fazer lembrar
Basta palavras doces e de amor usar

Usá-las bem é um dom bonito de se ter
Melhor compor versos, fazer enternecer
Sendo para o outro puro e intenso prazer

Alda M S Santos

Super-heróis

SUPER- HERÓIS

Queria ter essa fé nos super-heróis
Acreditar que nos salvam de todo mal
Que nunca seremos levados no vendaval
Que nos carregariam de volta ao nosso quintal

Queria ter essa fé nos super-heróis
Saber que estaria protegida
Num super abraço seria acolhida
Num intenso olhar seria entendida

Sentir que há alguém a nos amparar
Que das adversidades irá nos afastar
Que nada os impedirá de por nós lutar

Crianças, neles acreditamos piamente
Crescemos e os buscamos inconscientemente
Maduros, sabemos que os heróis vivem dentro da gente

Alda M S Santos

O que cabe no coração

O QUE CABE NO CORAÇÃO

Que ficará na lembrança?
Agosto chegando, com o perdão do trocadilho
Não esteve muito ao nosso gosto não
Que ficará na lembrança, haverá esperança?
Rostos mascarados, olhos assustados
Abraços que não deu, pessoas que perdeu
Um refúgio em si mesmo que escondeu
Que você perdeu?
Nesse balanço da vida que pareceu tão fugaz
Houve algo para te trazer a paz?
Que fez de bom, cresceu, desenvolveu
Questionou se seria da humanidade o apogeu
Ou simplesmente não se importou, relaxou
Se entregou aos braços de Morfeu?
Teve piedade, compaixão, caridade
Entre as dores coração amoleceu ou endureceu
A vida continuou a ser um espetáculo
Ao qual você assistiu cansado , inerte
Ou levantou da cama, do sofá, lutou, agiu?
Que você perdeu?
Amizades, um amor, festas, trabalho
Foi grato às oportunidades ou se enfureceu?
Oito de doze, dois terços do ano se foram
Um vírus, uma pandemia, lições ficarão
Bom é ser o bem, fazer o bem, estender a mão
Manter só aquilo cujo valor cabe no coração…

Alda M S Santos

Aprendi

APRENDI
Aprendi a viver com a água encanada
Mas não perdi o gosto de no rio ser banhada
Aprendi a transitar em rua asfaltada
Mas amo em caminhos de terra fazer minha caminhada
Aprendi a viver de certa forma engaiolada
Mas minha alma se encanta com a liberdade da passarada
Aprendi a não temer o escuro da madrugada
Pois sei que Ele sempre manda a beleza da alvorada
Aprendi a conviver com alma machucada
Pois sei que cedo ou tarde estará cicatrizada
Aprendi a viver, às vezes, perdida nessa estrada
Pois acabo me encontrando quando me percebo amada
Aprendi por frascos ser dia a dia perfumada
Mas não o desejo de me perfumar na floresta encantada
Aprendi a ver a luz em ruas enfileirada
Mas nada se compara ao brilho de uma noite enluarada
Aprendi enfrentar as dificuldades de uma vida entrincheirada
Mas nunca saberei lidar com a vida que se faz desprezada
Alda M S Santos

Qual o barulho do seu silêncio?

QUAL O BARULHO DO SEU SILÊNCIO?

Qual o barulho do seu silêncio?
Ele grita alto, é ensurdecedor
Aperta sua voz, é sufocador
Ou se recolhe, renovador?

Qual o barulho do seu silêncio?
Forte como águas de uma cocheira
Suave como banho na banheira
Ou sedutor como moça namoradeira?

Qual o barulho do seu silêncio?
Reflexivo, introspectivo, envolvente
Extrovertido, audaz, caliente
Ou pacífico, calmante, atraente?

Qual o barulho do seu silêncio?
Emocionante como lágrima que cai
Entorpecente como a dor que se vai
Eloquente como o amor que nos atrai?

Qual o barulho do seu silêncio?

Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com

Quarentena

QUARENTENA

Vou colocar um coração em quarentena
Isolado, afastado, separado para não (se) contaminar
Logo, logo ele se livra da pena
E poderá voltar a vibrar, a amar

Vou colocar um corpo em quarentena
Para acalmar músculos e nervos
A fadiga evitar, a inércia apagar
Em busca de uma vida mais amena 

Vou colocar uma mente em quarentena
Descansar, renovar,  reciclar, reavaliar
Evitar curtos-circuitos cerebrais
E voltar reenergizada, querendo mais

Vou colocar uma alma em quarentena
Apenas para ela acompanhar nessa missão 
Um todo de corpo, mente, coração  
E não deixá -los separados, sempre aliados

Vou colocar-me em quarentena
Para uma vida mais doce e  plena…

Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar que tudo vai passar
Que logo vou poder sair, trabalhar
Brincar, passear, abraçar, amar
Ter a “vida” de novo para me ocupar

Mas não quero que volte a ser como antes
Quero que esse medo de tudo perder
Tenha mudado algo dentro de cada ser
Que tenham acordado para o que vale a pena viver

Que aproveitemos a reclusão e introspeção
Para autoanálise, autocrítica e autoavaliação
Que tudo sirva de aprendizado e lição

Que tenhamos sentido a nossa fragilidade
Também a força que brota na necessidade
E a importância da compaixão e solidariedade

Alda M S Santos

Perfeição: Deus me livre!

PERFEIÇÃO: DEUS ME LIVRE!
Deus me livre de ser perfeita!
Argh para as pessoas ditas perfeitinhas!
Isso mesmo! Ou a pseudo-perfeição que há por aqui
A pessoa que toma para si e senta no trono da perfeição
E dali passa a julgar o que os outros fazem, não fazem
O que eles são ou não são, até aquilo que pensam
Medindo tudo com a régua de seu agir e pensar sempre tão “perfeito”
São sempre os pais mais dedicados, os profissionais mais exemplares
As pessoas mais corretas e “legais”, literalmente, do mundo
E no trono do qual se julgam dignas
Abusam da intolerância e impaciência, são ranzinzas
São o juiz e o carrasco do agir, pensar, rezar, ser ou não ser do outro
Imputam a pena máxima, sem dar o direito de recorrer da sentença
E esquecem a maior lição da verdadeira perfeição
Aquela que passou por aqui através Dele em forma humana
A empatia, a compreensão, a compaixão, a solidariedade
A capacidade de entender as falhas e dificuldades humanas
A habilidade de usar o que acha que tem de melhor em prol do outro
Nunca para diminuir ou se gabar ou afastar pessoas
A perfeição está atrelada a amor e perdão, à simplicidade
À capacidade de rir de si mesmo, reconhecer os próprios erros
Gosto de gente imperfeita, sim, são reais, autênticas
E se dispõem a melhorar a cada dia ajudando e sendo ajudada
A perfeição verdadeira não temos por aqui
A perfeição é divina!
Alda M S Santos

Minhas pedras

MINHAS PEDRAS

Há coisas que devemos por bem compartilhar

Alegrias, amor, sorrisos, carinho

Coisas que fazem bem trocar

Também é bom, até necessário, falar, conversar

Desabafar, dividir com alguém as pedras do caminhar

Mas é importante também saber a hora de calar

Há pedras que podemos com o outro revezar

Outras são só nossas, não dá para repassar

Sob pena de o peso ser grande demais

Para que qualquer um possa carregar

Melhor deixar apenas as flores perfumar

As minhas, as suas, as nossas pedras

Um dia serão um belo calçamento

Onde desfilarão somente bons sentimentos

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

Já quis

JÁ QUIS

Já quis falar, já quis calar, já quis fugir
Já quis chorar até derreter, já quis sorrir, sem conseguir
Já quis desistir, já quis sumir
Já quis amar, desabafar, a alma lavar
Já quis brigar, quis cobrar, quis insistir
E nesse vai e vem de quereres
Nessa luta de angústia, prazeres e deveres
Na roda viva de emoções e obrigações
A vida prevalece cheia de razões
Enfrentando calmarias, turbulências e furacões…

Alda M S Santos

Tão fácil

TÃO FÁCIL

Tão fácil ficar aqui deitada
Vendo a chuva escorrendo na janela
Tentando não pensar em nada
Tão fácil fingir que não vejo
Que o relógio segue sem parar
Independente do que eu desejo
Tão fácil me ligar no silêncio de fora
Fingindo que o barulho de dentro
Vai passar a qualquer hora
Tão fácil brincar de faz-de-conta
Ser fada, deusa, sereia, rainha, bruxinha
Ignorar que a vida nem sempre é boazinha
Tão fácil ver sempre o lado bom
Ser Pollyanna, fazer o jogo do contente
Sem passado, sem futuro, só presente
Tão fácil…pode até não ser
Mas a gente vai tentando
Brincando, amando, versando, pra melhor viver
Alda M S Santos

O silêncio

O SILÊNCIO

Nada diz mais que um bom silêncio

Aquele que sentamos conosco e nos passamos a limpo

Boas perguntas, respostas sinceras

Sem medo de sermos devorados por famintas “panteras”

Um auto divã, real, sem expectativas vãs

Quem sou, o que gosto, o que me incomoda

Porque me deixo girar nessa roda

Que aceito, o que permito, o que me deixa aflito

Quem amo, quem tolero, quem evito

O que me mantém por aqui, ativo, cativo

Silêncio lá fora, barulho cá dentro

Ele muito diz para quem se dispõe a ouvir

Ou para quem não tem com quem falar, para onde ir

Silêncio, conhecido também como solidão

Pode ser um grande amigo nesse mundo nem sempre irmão…

Alda M S Santos

A luz brilha para todos?

A LUZ BRILHA PARA TODOS?
Num espetáculo de fogos no céu de Copacabana
Sob os braços abertos do Cristo Redentor
Uma música animada no palco ali armado
A luz pipocava no céu em cores e formas variadas
Uns nas festas luxuosas nas grandes coberturas
Outros deitados nos cantos, no asfalto, na vida dura
As vestes brancas pediam paz para o novo ano chegando
Uns mendigando, muitos vendendo, outros roubando
Alguns apenas esbanjando o que tinham
Outros festejando como podiam
Será que tentavam equalizar diferenças, injustiças
Equilibrar uma balança meio descalibrada?
Poucos com tanto, tantos com tão pouco
Será que não percebiam a parte errada
Tanto de quem dos outros tirava
Como daqueles que apenas esbanjavam?
E Iemanjá ia devolvendo as oferendas, matéria
Certamente queria essência…
Humanos de todo gênero, idade, nação, profissão
Condição social, financeira, religião
Todos de olhos no alto saudavam o novo ano que chegava
A luz maravilhosa no céu brilhava para todos
Será que iluminava a cada um do mesmo modo?
E a imagem do Cristo Redentor ali, sabedor de tudo, abençoava
E, mais que todos, pedia amor e paz para essa gente que tanto amava…
Alda M S Santos

Quisera

QUISERA

Quisera ser uma fada e ter todo o conhecimento

Poderes do bem, do discernimento

Saber distinguir o que será de bom aproveitamento

E o que não irá trazer aborrecimento

Quisera poder afastar o mal com um simples toque

Despertar a todos para o bem, para a luz, sem choque

Não ser enganada, ter poderes sobrenaturais

Daqueles que nos fazem querer amar mais e mais

Quisera ser uma fada capaz de consertar o mundo

Colocar a Terra de novo nos eixos, em órbita

Despertar sentimentos nobres e profundos

Quisera ser uma fada, não ficar apavorada

Mas se conseguir a paz em minh’alma já estarei abençoada

Já poderei levar bons adeptos comigo nessa escalada

Alda M S Santos

Uma fada me disse

UMA FADA ME DISSE

Um dia uma fada me disse

Que para ser feliz é preciso amor levar

Em qualquer situação, tempo ou lugar

Que tudo pode falhar, só o amor não pode faltar…

Ela é uma fada de grande coração

Sempre nos ensinando uma lição

O mundo precisa dar-se as mãos

Para, finalmente, serem mais irmãos…

A fada me fez ver a realidade

Que não devo me (pre)ocupar tanto com a humanidade

Se eu for carinho, luz, solidariedade

Já estarei agindo em nome da bondade

Fada é a luz da Natureza

E sempre encontra nela a maior riqueza

Aquela que nos aproxima de Deus, de Sua grandeza

Num encontro de rara e intensa beleza…

Um dia Fada Luz me falou

E seguindo seus passos estou…

Alda M S Santos

Como é possível?

COMO É POSSÍVEL?

Como é possível, ao mesmo tempo

Estar tão perto, estando tão longe

Estar tão longe, estando tão perto

Estar tão dentro, sem haver cabimento

Como é possível, ao mesmo tempo

Ser tão doce sorriso, escondendo amargas lágrimas

Ser tão acolhedor colo, estando carente de aconchego

Ser reflexo de si mesmo, de tão brilhante luz,

Tendo apenas uma faísca acesa

Como é possível, ao mesmo tempo

Ser o amor em meio a tanta indiferença

A esperança em meio a dolorosa ingratidão

A paz em meio a tanta maldade e confusão

Como é possível, ao mesmo tempo

Ser o norte quando se está perdido

O recomeço depois de haver desistido

A continuidade de um viver intenso, meio sofrido

Quando sabemos que a qualquer hora

Seremos pelo tempo engolidos, consumidos?

Como é possível?

Alda M S Santos

Minha política

MINHA POLÍTICA

Não, eu não discuto política

Ela me entristece, magoa, fere, me tira do eixo

Faz-me perder as esperanças num mundo melhor

Prefiro viver a política como posso: agindo

Tentando ser a leveza onde tudo pesa

A balança para equilibrar desigualdades

A mão que se estende a quem está só

O colo que abraça e acolhe quem está perdido

Mesmo que eu mesma precise de colo também

Que chore, perca as esperanças ou a fé

Que também ache que não tem mais jeito muitas vezes

Agindo como posso na posição que estou

Não gosto de radicalismos

E é só isso que tenho visto em ambas as partes

Óbvio que tenho minha posição

Eu sou pelo amor, sempre

Eu o utilizo como minha régua, minha ferramenta

Minha medida para qualquer coisa ou situação

“O quanto há de amor nisso?- sempre me questiono

Avalio a qualidade das pessoas pelo amor

Ele me permite ter a tolerância suficiente com os diferentes

Ele me permite tentar entender quem pensa diferente de mim

Ele me ajuda a olhar pela perspectiva do outro

Ele me faz questionar até que ponto estou certa

Minha política é viver o amor, levar o amor

Portanto, sou contra qualquer exclusão, de qualquer tipo

Minha política é amar e fazer o bem, sempre

Qualquer coisa que fugir a isso, não me interessa

Não terá meu apoio ou aprovação!

Qual sua medida, sua régua?

Alda M S Santos

Em preto e branco

EM PRETO E BRANCO

Muitas vezes sou cor, multicor, sou arco-íris

Noutras sou preto e branco

Nuances de cinza, em sombras

Há quem me veja só em cores

Brilho, sorrisos, flores e amores

E me ignore quando preto e branco

Quando saudade, dor, lágrimas e apatia

Sou assim, essa mistura, essa aquarela, essa energia

Mas nenhum arco-íris surge antes da tempestade

Sem a chuva, o cinza , o medo não há magia

Só merece o brilho e intensidade das cores do arco-íris

Quem soube aceitar, lidar com o cinza, ser sintonia

Das próprias tempestades e ventanias

E não fugiu dos vendavais dos outros

Soube ser cais, ser porto

Daqueles que fazem nosso clima mais ameno

Em qualquer tempo, cor ou intempérie…

Como você se vê, me vê?

Alda M S Santos

Na janela

NA JANELA

Na janela ela mergulha num mundo diferente

Ora tão longínquo, ora tão perto

Vive naquelas páginas uma história que não é sua

Mas que tantas vezes parecem escritas para ela

Mergulha nas dores e amores imaginários

Nas derrotas e vitórias, nos “personagens” tão diferentes

Chora e sorri, se alegra e se entristece

Aprende em cada página, em cada capítulo, uma lição:

A vida está em constante movimento

Nem tudo é sempre bom

Nem tudo é sempre ruim

Somos nós mesmos que construímos nosso caminho

E nele caminhamos…

Nem sempre levamos quem queremos

Há quem siga na frente

Há quem fique para trás

Há quem não queira ir conosco

Há quem a gente não quer levar

Mas a gente segue o nosso caminho

Na certeza de um dia chegar

A um lugar onde haja apenas paz…

E ela fica ali na janela…

Ora vivendo a história dos outros

Que no final das contas também são suas

Ora escrevendo a própria história

A história daqueles que caminham consigo

Juntos, à frente ou lá atrás

Todos fazem parte dessa história…

Alda M S Santos

A gente combina

A GENTE COMBINA…

Vento que uiva, que canta

Fala baixinho, sussurrando

Ora grita, nervoso, intenso

Traz e leva pensamentos e desejos

Vento que passa veloz

Muda o plano de voo das aves,

Traz consigo tempestade atroz

Balança galhos das árvores

Que se curvam ao seu poder

E, resilientes, retomam seu prumo, até sem querer

Vento que acaricia feito brisa suave, que atiça

Que arrepia cada centímetro da pele, que enfeitiça

E que esquenta corpo e alma, lá dentro, bem fundo

Ou que, devastador, gela tudo em nosso mundo

Vento que chega sem qualquer aviso

Deixa em alvoroço rios e mares, impreciso

Pega toda a gente desprevenida

Correndo em busca de boa guarida

Ou se entregando a ele, sem saída

Vento que vem e que vai

Uma hora a gente combina direitinho

Quem sabe a gente não vai juntos pro mesmo caminho?

Alda M S Santos

Tudo em nós fala

TUDO EM NÓS FALA

Tudo em nós fala daquilo que há pulsando dentro da gente

O sorriso fala e não engana a um bom observador

Se ele ocultar em si alguma dor

O olhar de brilho ofuscante ou apagado fala

Aquele que encara ou, frustrado, se desvia

Fala também do coração que pulsa forte

Que se resguarda e se aquieta em letargia

O andar firme, trôpego ou confiante

Fala do peso ou leveza que se carrega nas costas, na alma

As mãos que se estendem, abraços que enlaçam

Falam de amor, de paz, de paixão

A força do que há plantado em nosso interior

Sempre irá florir ou morrer de algum modo

Em nosso exterior…

Alda M S Santos

Plurais

PLURAIS

Gosto de pessoas plurais

Intensas, diversas, multi

Capazes de me despertar de qualquer letargia

E me inspirar a ser cada dia mais

Gosto de pessoas singulares, únicas

Daquelas que carregam o sol em si sem perecer

E mesmo nas noites mais escuras e frias

São capazes de brilhar e me aquecer

Gosto de pessoas plurais ou singulares

Contanto que enxerguem o mundo a sua volta, tudo natural

Que me vejam como as vejo

E façam-me sentir única, especial

Gosto de pessoas, todas elas

Desde que sejam reais, verdadeiras

Plurais ou singulares, pares ou ímpares

Que me façam sentir que existo, que sejam parceiras…

Gosto de pessoas…

Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar num mundo de amor e paz

Mesmo que ainda tropecemos em seres humanos pelas calçadas

Quero acreditar na bondade inerente a todo ser humano

Mesmo que tantas atitudes nem pareçam humanas

Quero acreditar na força que nos faz persistir

Mesmo que a fraqueza física ou mental nos puxem para baixo

Quero acreditar que qualquer bem que se faça é um começo

Mesmo que pareça tão pouco aos olhos de tantos

Quero acreditar que posso espalhar a luz

Mesmo que o entorno tenha tanta escuridão

Quero acreditar na cola universal chamada amor

Capaz de a tudo colar, reintegrar e renovar

Mesmo que estejamos quebrados pela covardia e inércia

Cheios de cacos cortantes, algozes

Ferindo a todos a nossa volta e a nós mesmos

Quero acreditar num mundo melhor, de amor reinante

Preciso disso para continuar fazendo algo, agindo…

Acredita comigo?

Alda M S Santos

Não é sorte!

NÃO É SORTE!

A mim dizem que é sorte

O acaso que agiu a favor

Mas ao avaliar o empenho empregado

Afirmo que conquistei tal valor

Insistem que sou mulher de sorte

Esse adjetivo não é o mais adequado

Lutei, busquei, confiei, conquistei

Nada foi subtraído ou roubado

Prefiro dizer que meu mundo foi abençoado

Podem afirmar que é sorte

Mas melhor acreditar que é dedicação

Um tanto de trabalho e amor

E coragem para enfrentar qualquer atribulação

Sorte ou azar são obras do acaso, da dúvida, do temor

Bênção é obra da fé, do trabalho e do amor

Não é sorte, é Deus!

Alda M S Santos

Equilíbrio

EQUILÍBRIO

É preciso força e equilíbrio

Para poder na vida se firmar

Não deixar a peteca cair

E ter aonde se apoiar

É preciso força e equilíbrio

Para confiar nos próprios passos

Não deixar ninguém para trás

E criar eternos laços

É preciso força e equilíbrio

Para manter pés assentados no chão

Ainda assim alto e longe voar

Pelas trilhas coloridas da imaginação

É preciso força e equilíbrio

Na mente, na alma, no coração

Para nunca deixar-se abater

Quando ferir fundo a emoção…

É preciso força e equilíbrio!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: