LÁGRIMAS

Há quem diga que só choro alto alivia
Mas de todo tipo pode ser um pranto
Aquele apertado na cama macia
Ou o que quietinho se esconde num canto

Há choro doloroso debaixo das águas do chuveiro
Ou aquele que incha o rosto inteiro
Também pode ser caminhando na chuva
Para com ela se misturar sem guarda-chuva

Todo choro, escandaloso ou contido
Nunca deixará de ser sofrido
O que todo pranto busca é um abrigo

Quem muito viveu essa lição aprendeu
Todo mundo um dia um choro escondeu
Mas, cedo ou tarde, um sorriso apareceu…

Alda M S Santos