Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

relacionamentos

Na vida da gente

NA VIDA DA GENTE

Há gente de todo tipo na vida da gente

Gente com quem a gente ri, pura amizade
Gente com quem a gente briga, pura falsidade
Gente que a gente quer distante, falta reciprocidade
Gente que nos põe para baixo, pura maldade

Há gente de todo tipo na vida da gente

Gente que nos instiga a superar e afastar o pranto
Gente que nos abraça com o olhar, puro encanto
Gente que foi embora, por desencanto
Gente que veio para ficar, se fazendo nosso recanto

Há gente de todo tipo na vida da gente

Gente com quem a gente faz amor, pura sensualidade
Gente que está longe da gente, muita saudade
Gente que nos ama desse jeitinho, pura intimidade
Gente que faz melhor a vida da gente, pura felicidade…

Com tanta gente na vida da gente
Será que ainda falta mais gente?

Há gente de todo tipo na vida da gente…

Alda M S Santos

Só preferências

SÓ PREFERÊNCIAS
Prefiro assim:
Uma mente recheada do bem, ideia genial
A um bolso cheio do vil metal
Um coração em dor, mas colorido de amor
A um repleto de vazios, por isso incolor
Prefiro assim:
Um passeio na praia, um namoro ao luar
A um requintado restaurante para jantar
Um olhar suave e sincero que me desvenda, me entenda
A um visionário num mundo cheio de contendas e reprimendas
Prefiro assim:
Um sorvete na praça na gangorra a brincar
A um espetáculo grandioso que me deixe sem lugar
Percorrer uma trilha na mata para a cachoeira encontrar
A um passeio no shopping para compras realizar
Prefiro assim:
Ver o brilho no olhar ao seu amor me declarar
A uma joia preciosa que nem terei como usar
Seu carinho e delicadeza ao habilmente me despir
A alma, o corpo, o coração, para nunca mais fugir …
Só preferências…
Alda M S Santos

Não somos mais os mesmos…

NÃO SOMOS MAIS OS MESMOS…

Ontem éramos de um jeito

Hoje somos de outro

Amanhã, se vier, teremos mudado também

Dizer que somos os mesmos

Que nunca mudaremos

Que seremos sempre assim dessa maneira

Que esse é nosso jeito

Quer seja qualidade ou defeito

É minimizar nossa capacidade de evolução

De aprendizado e de abstração

Você me transforma, eu te transformo

O amor nos transforma cada dia mais, sua ausência, idem

O mesmo se dá com medo, angústia e decepção

Nós melhoramos no convívio com os outros

Tudo isso é liga da massa que nos molda

Que nos faz diferentes a cada dia

Ainda que sempre imperfeitos, mantendo nossa essência

Somos maleáveis nas mãos da criação

E isso, felizmente, ainda é nossa salvação…

Alda M S Santos

Olhe para mim

OLHE PARA MIM

Olhe para mim, mas olhe devagar

Preste atenção, demore-se…

Olhe e me enxergue verdadeiramente como sou

Um alguém que precisa de você, de carinho e atenção

Não me deixe ir embora, silenciar

Não quero fugir para dentro de mim, me afastar

Quero estar com você, sentir você

Sentir-me uma pessoa amada…

Não quero mergulhar no meu mundo

Quero fazer parte do seu mundo também

Sinto-me só, um ninguém nesse mundo

Do qual tantas vezes quis ir embora

Nesse seu mundo tão “perfeitinho” sinto-me um nada

Olhe para mim! Me abrace!

Por favor, me enxergue, faça-me ver propósito nessa vida

Que eu possa ser importante, necessária ao menos pra você

Preocupe-se comigo, me imponha limites de amor e cuidado

Olhe para mim!- é o grito silencioso de tantas crianças e jovens

Ao se rebelarem, enfurnarem-se no quarto

Quebrarem regras, ultrapassarem limites

Tantas vezes têm “tudo”, mas falta-lhes o essencial

Sentir-se alguém no mundo de alguém

Falta amor em atitudes simples

O amor é que nos faz ter prazer no viver

Aquele amor demonstrado no cuidado e atenção diários

O amor é que impede que tantos queiram acabar com a vida, com o inexistir

“Olhe para mim!”

Alguém perto de nós está gritando esse pedido…

Prestemos atenção!

Alda M S Santos

Somos todos responsáveis

SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS

A cada vez que ignorei um grito de socorro

A cada vez que não ouvi um silêncio sofrido

Eu também fui responsável

A cada vez que não me importei com as lágrimas

A cada vez que chamei de frescura a dor do outro

A cada vez que menosprezei o diferente

Eu também fui responsável

A cada vez que exigi que os outros fossem iguais a mim

A cada vez que desconsiderei as dificuldades individuais

Eu também fui responsável

A cada vez que ignorei e me calei

Quando gordos, homossexuais, feios, negros ou pobres foram ridicularizados

Eu também fui responsável

A cada vez que nada fiz, que pensei “esse problema não é meu”

Eu contribuí para que uma tragédia pudesse crescer

E ganhar forma dentro de alguém já doente e excluído

É fácil e cômodo culpar a política, a segurança, a educação, a estrutura familiar

São culpados sim!

Mas que possamos assumir com coragem nossa parcela de culpa

A cada vez que nos fechamos em nosso mundo particular

Que somos individualistas e egoístas

Que pensamos que “amar a teu próximo como a ti mesmo”

Parece coisa de otário

Ou que ajudar o outro mais carente é “dar o peixe” para preguiçoso

Nós também fomos responsáveis

Por inércia ou instigando o mal

Nós contribuímos para que uma tragédia pudesse acontecer

Bem pertinho de nós …

Muitas vezes desconsiderando que estamos no mesmo mundo

Que ele gira e balança todo o tempo

E nada garante que não explodirá algo em nosso colo!

Somos responsáveis por cada flor impedida de germinar

Pensemos nisso!

Somos todos responsáveis!

Alda M S Santos

Pobres de nós

POBRES DE NÓS

“Nem tudo que reluz é ouro”

A vida vai nos ensinando pouco a pouco

Tombo a tombo, escuridão a escuridão

Batalha por batalha, derrota ou vitória

Nem todo sorriso é felicidade

Pode ser também desejo de se manter forte

Nem toda lágrima é negativa

Pode ser a limpeza que faltava nesse terreno baldio que somos tantas vezes

Uma vida festeira pode carregar uma pessoa solitária

Buscando companhias na agitação do cotidiano

Nem toda bela estampa exterior revela um interior bonito

Nem toda imagem familiar de comercial de margarina

Revela uma vida tão simples, fácil e bonita

O que cada um de nós enxerga do outro

É apenas aquilo que o outro permite que seja visto

Por dentro, cada qual sabe de si

Suas lutas e dificuldades, suas derrotas diárias

E o quanto custa manter um sorriso ou segurar uma lágrima

Nem tudo que reluz é ouro

Mas todo ouro, mesmo fosco, não lapidado, carrega seu valor

Muitas vezes quem está ao nosso lado aparentemente “tão feliz”

Enfrenta males que sequer desconfiamos

São poucos que conseguem atravessar essa couraça protetora do cotidiano

E ver o que o outro realmente é ou precisa

Pobres de nós!

Alda M S Santos

Next!

NEXT!

A vida, muitas vezes, parece com aqueles cadastros online

Onde há lacunas obrigatórias a serem preenchidas

Não adianta ignorar, fingir que não viu

Recusar-se a cumprir a tarefa

Não há como prosseguir!

Sempre aparecerão os erros que impedem “a próxima página”

Ou os resolvemos, ou empacamos ali

São “problemas” cuja solução são a senha para o próximo passo

São erros(!) cujo alerta sinaliza que há algo impedindo a passagem

Que é preciso voltar atrás, corrigir, consertar, preencher

Ou, simplesmente, ficar ali estacionado

Não é vergonha pedir ajuda

Há erros e lacunas que não resolvemos sozinhos

Vergonha é repetir o mesmo erro até ser bloqueado

Next! Em frente! Enfrente!

Alda M S Santos

Incompletos

INCOMPLETOS

Seres humanos incompletos

Todos somos!

Crer-nos completos é uma falha

Seria o primeiro passo para a impossibilidade de crescer

A completude implicaria num ser sem espaços vagos

Sem capacidade de absorver algo novo

Somos incompletos no ser, no sentir, no agir

E a cada dia podemos sentir algo novo

A cada dia podemos agir de modo diferenciado

Para, a cada dia, podermos nos tornar um novo ser

Ainda assim, incompletos!

Preenchendo nossos vazios físicos, mentais, emocionais

Nossa alma é um espaço oco que vamos preenchendo

Com as coisas, sentimentos e pessoas que nos fazem bem

Infinitamente…

Alda M S Santos

Roubos

ROUBOS

Podem nos roubar o sorriso

Mas nunca a alegria de viver

Podem nos roubar o sossego, a calma

Mas nunca a paz que trazemos na alma

Podem nos roubar um sentimento

Mas nunca um coração disposto a amar

Podem nos roubar a confiabilidade

Mas nunca a fé na humanidade

Podem nos roubar a autoconfiança

Mas nunca o amor-próprio

Podem nos roubar noites de sono

Mas nunca nossa capacidade de sonhar

Podem nos roubar o apetite

Mas nunca nossa fome de viver

Podem nos roubar a vida

Mas nunca nossa eternidade…

Podem nos roubar a beleza de alguns capítulos

Mas nunca a pureza e grandeza de toda nossa história…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: