Busca

Categoria

amadurecimento

Rascunhos

RASCUNHOS

Não há borrachas, tampouco corretivos

Não dá para apagar ou descartar

Não escrevemos nossa história a lápis

A vida é pintada à tinta

Com as cores que escolhemos

Direto na tela final

Não dá para viver de ensaio

Não dá para ficar rascunhando

A vida é um espetáculo ao vivo

Não se pode parar, retornar

Ou ficar aguardando boa luz

Essa obra-prima é original, única versão

É sempre uma finalização

Não faça rascunhos, não viva de esboços

Talvez não haja tempo para passar a limpo…

Alda M S Santos

Luz e sombra

LUZ E SOMBRA

Ora luz, ora sombra

Ora claridade, ora escuridão

E ali ficamos nós buscando equilíbrio

Entre a liberdade e a prisão

Entre luzes e sombras

Procuramos um caminho enxergar

Um passo após o outro

A trilha que irá nos acalmar

Fechamos e abrimos os olhos

Para com a penumbra nos acostumar

Inspira, expira, relaxa

Para a paz poder reinar…

Alda M S Santos

Deixa rolar

DEIXA ROLAR

Não se perturbe tanto

Com aquilo que atormenta

Machuca, fere

Deixa rolar

Logo vai passar…

Não se vanglorie tanto

Com aquilo que é bonito

Encanta, alegra

Deixa rolar

Isso também vai passar…

Não se torture tanto

Com aquilo que parece não ter fim

O bom, o mau, o saudoso

Deixa rolar

Logo irá passar…

Entre começos e fins

Angústias e recomeços

A vida segue infinita

Deixa rolar

Ela sempre irá para onde tem esperança e gente bonita…

Deixa rolar…

Alda M S Santos

A história se repete

A HISTÓRIA SE REPETE

A mesma angustiante história lá está

Continuamente a se repetir

Quer seja em nós, nos filhos, parentes ou amigos

Algo ela quer nos ensinar

Quem sabe um novo caminho a seguir?

Faz sorrir, faz chorar, faz desanimar, quase desistir

E ainda não aprendemos

Por isso ela está sempre a nos cercar

Tentando de todo modo nos alertar

Até quando vamos resistir?

A vida é sábia por natureza

Ela sempre se impõe, é forte

E tem uma ampla visão do porvir

No medo, na esperança, na dor

Até nas quedas que vier a permitir

Quer nos levar para novo patamar

De evolução, sabedoria e amor…

Alda M S Santos

Aprendi, aprendendo…

APRENDI, APRENDENDO…

Aprendi que…

Nem toda lágrima é de dor ou tristeza

Tampouco todo sorriso é de alegria

Que só vale a pena manter quem é de verdade

Quem torna real nossa fantasia

Aprendi que…

Ser humano implica em também sofrer

Encarar com coragem tudo que aparecer

E, mesmo assim, não desistir de tentar

Porque a felicidade é prêmio pelo qual vale a pena lutar

Aprendi que…

A vida passa, as pessoas idem

Mas o que realmente importa, é valioso

Não é tão fluido ou fugaz

Eterniza-se em nós, é grandioso…

Aprendi… aprendendo…

Alda M S Santos

Não me cabe

NÃO ME CABE

Nessa caixa não me cabe

Não é que eu não seja flexível

É que ela tende a me moldar

Colocar num padrão que me machuca

E que não vai me agradar

Nessa caixa não me cabe

Dobra daqui, dobra dali

Tira um pedaço desse lado

Aperta o outro, transfere de lugar

Até eu não mais me identificar

Nessa caixa não me cabe

E mesmo se coubesse eu não gostaria

É que prezo a liberdade de ser o que sou

Colocar-me ali me mataria

Nessa caixa não me cabe

Não sou boneca para viver em caixa, preciso de ar

Prefiro jardim, mata, rio, mar ou cachoeira

E assim quero viver a vida inteira…

Alda M S Santos

Demolição

DEMOLIÇÃO

Demolir é tão importante quanto construir

Tantas vezes é pré-requisito para uma nova construção

Trincar, quebrar, desmoronar, ruir

O que não serve mais deixar cair, jogar no chão

Entregar-se, se preciso, à emoção

Sofrer, chorar, lamentar, mas levantar

Das ruínas tirar uma lição

Aproveitar o que for útil, der suporte

Regar com suor, sorrisos ou lágrimas esse chão

E ali construir base sólida, forte

Aproveitar a demolição para recomeçar

Nova e bela construção

Um novo castelo nascido em nós ressurge

Só assim mantém-se vivo nosso coração…

Alda M S Santos

Zoo

ZOO

Nesse mundo animal

Quero ser um bicho qualquer

Desde que bem selvagem e irracional

Guiado pelos naturais instintos

Sabedor do bem e do mal

Nesse mundo cheio de razão

Quero ser de outra espécie ou philo

Aqui não há vez para o coração

Não quero ser homosapiens

Abro mão, prefiro ser emoção…

Nesse mundo tão perdido

Descaminhos, escuros, vacilos

Onde tudo já parece falido

Quero de novo me encontrar

Entre bichos não corrompidos encontrarei abrigo

Mundo zoo!

Alda M S Santos

Fazer as pazes

FAZER AS PAZES

É preciso fazer as pazes

Com aqueles que nem sempre agimos como deveríamos

Pelas atitudes não tomadas quando necessário

Pela inaptidão em estender a mão

Pelo uso inadequado dos dons recebidos

É preciso fazer as pazes

Pelos erros cometidos contra os outros

Voluntária ou involuntariamente

Pela incapacidade de voltar atrás e desfazer algo

Pelos medos que impedem de seguir em frente

Mas é preciso, principalmente, fazer as pazes consigo mesmos

Encarar a própria fragilidade e/ou (des)humanidade

Reconhecer-se falho, errante, imperfeito, aprendiz

Perdoar-se, propor-se a fazer diferente daí em diante

E seguir…

Reconciliar-se com o outro é fundamental

Mas passa pela reconciliação conosco mesmos

Façamos as pazes!

Alda M S Santos

Passa por dentro

PASSA POR DENTRO

Venha o que vier, estejamos onde estiver

Aconteça o que acontecer

Seja que problema for

A saída sempre passa por dentro

Por dentro de nós mesmos

Se é a saúde que incomoda

A mente que falha

O coração que aperta

O meio de fora que não ajuda

O outro que não corresponde

Não importa

Tudo só se resolve

Quando é absorvido e processado dentro de nós

Colocamos os problemas em nosso divã interior

Silenciamos e buscamos nossa “verdade”

Debatemos conosco mesmos

E chegamos a um bom veredicto

Uma boa saída

Nossos problemas se resolvem

Quando não fugimos deles

Ao contrário, nós os encaramos frente a frente

Sendo honestos e verdadeiros conosco mesmos

Assumindo nossas responsabilidades

Nas causas e nas consequências…

Toda saída tem um atalho

Que passa por dentro de nós!

Alda M S Santos

Um dia normal

UM DIA NORMAL

Nada de extraordinário ou excepcional

Tudo que preciso e quero

É a bênção de um dia normal

Por isso não me desespero

Um dia normal nasce primeiro dentro da gente

Da vontade de fazer diferente

Antes até do nascer do sol que nos aquece

Na família que nos ensina o amor, nosso presente

E nos corações agradecidos em prece

Quero somente a paz de um dia normal

Aquela certeza de que tudo está em seu devido lugar

Sem necessidade de ter que colher algo especial

Apenas o sorriso no rosto, reflexo de uma alma plena

E finalmente, sob a luz do luar, descansar…

Quero apenas um dia normal…

Alda M S Santos

Você está curado?

VOCÊ ESTÁ CURADO?

Se já não dói quando o tempo esfria

Se não muda de cor de acordo com as fases da Lua

Você está curado…

Se não fica febril ou não tosse mais

Se os espirros e coriza foram embora

Você está curado…

Se os pesadelos não mais te atormentam, os calafrios cessaram

Crises de pânico e tristeza passaram

Você está curado…

Se a cicatriz fechou, não mais sangra

Se as lembranças são apenas lembranças e não machucam mais

Você está curado…

Se não chora ao ouvir aquela música ou passear naquele jardim

Se um poema, um livro ou autor são apenas boa literatura

Você está curado…

Mas se a mágoa é maior do que a esperança

Se oferecer o perdão é mais difícil que a revolta

Ainda não curou…

Se as minhocas na cabeça ainda são assustadoras, incomodam

As borboletas ainda reviram o estômago

Ainda não curou…

Se só quer dormir ou sumir

Se se esconder é melhor que viver

Ainda não curou…

Mas se quer mesmo se curar

Física, mental ou emocionalmente

Escolha viver e os males enfrentar

A vida é receptiva aos que sabem lutar!

Alda M S Santos

Deixe o vento levar…

DEIXE O VENTO LEVAR

Se está difícil fique contra o vento

Sem medos ou anseios

Abra os braços, a alma, sem lamento

Deixe o vento levar…

Feche os olhos, deixe-se tocar

Arrepiar, arrancar todo o tormento

Não segure nada que machuca ou angustia

Deixe o vento levar…

Forte ou frágil, seja resistente, sem ressentimento

Se só traz dor ou impede seu crescimento

Deixe o vento levar…

Inspire fundo, expire, libere todo o sentimento

O que for bom retornará para ti

Sem prejuízos ou arrependimento

Deixe o vento levar…

O que ficar vale uma vida, ainda que por breve momento…

Alda M S Santos

Sobras

SOBRAS

O que sobra aqui, falta lá

O que sobra lá, falta aqui

Espiritual, material, emocional

É preciso contrabalançar

Vivemos para tentar equilibrar

Fazer com que sobre menos

Lá e cá …

Diminuir as carências

De lá e de cá…

Equalizar essa balança

E fazer dessa dança existencial

Mais do que um solo que encanta

De preferência, um dueto emocionante

Um espetáculo sem igual…

Alda M S Santos

Põe na conta

PÕE NA CONTA

Aquele sorriso amarelo e sem graça

Aquela angústia que machuca e o peito amassa

Aquela vontade de chorar que não passa

Põe na conta das tristezas que nos fazem crescer

Aquele sol que nos acorda com alegria

Acompanhado de um beijo de bom dia

E de um café quente que anestesia

Põe na conta dos encantos que nos fazem florescer

Aquele sonho bom do qual não queremos acordar

Aquela lembrança ou saudade gostosa que nos faz vibrar

Aquele abraço e cuidado que só o amor é capaz de proporcionar

Põe na conta das esperanças que nos fazem viver…

Alda M S Santos

Uns e outros

UNS E OUTROS

Há quem prefira encurtar caminhos

Outros optam por alongar-se nas distâncias

Há quem prefira devorar um biscoito

Outros o degustam saboreando pedacinho a pedacinho

Há quem prefira tomar e levar

Outros preferem conquistar e serem levados

Há quem prefira ganhar no grito

Outros gostam da suavidade encantadora de um sorriso

Há quem alce voos longínquos e inimagináveis

Outros preferem manter-se perto, não se afastar dos demais

Há quem prefira viver na segurança dos nados na superfície

Outros mergulham em busca de encantos escondidos

Há quem prefira ter fama, sucesso e veneração alheias

Outros contentam-se em não perder a própria admiração

Há uns e outros…

Todos lutando por um espaço!

Alda M S Santos

Overdose

OVERDOSE

Overdose de informações

Contradições e imposições

Sobra mentira, falta verdade

Sinto-me grogue

Chuva de insanidade

Cataclismas de infortúnios

Perdas, roubos, assalto da individualidade

Sinto-me em curto-circuito

Overdose apocalíptica, letal

Meteoros destruidores, esse é o intuito

Queda de princípios, choque anafilático

Como combater esse mal?

Overdose, excessos, povo fanático

Vou-me embora, fugir desse quartel general

Preciso da alegria e da paz do meu quintal…

Alda M S Santos

Válvula de escape

VÁLVULA DE ESCAPE

Uma válvula para aliviar a pressão

Para relaxar de toda tensão

Uma corrida no fim de tarde

Uma conversa com toque de saudade

Um cineminha de mãos dadas ao anoitecer

Um sorvete na praça da igreja para espairecer

Um livro na rede ao luar

Dançar num baile até cansar

Ou uma caminhada à beira-mar

Seja qual for sua válvula de escape

Nunca a deixe de ativar

Não aliviar a pressão

Pode causar grande confusão…

Alda M S Santos

Escondidos

ESCONDIDOS

Quantas palavras não ditas

Um silêncio sufoca?

Quantas questões e dúvidas dolorosas

Uma sabedoria esconde?

Quantas angústias e lágrimas intermitentes

Um sorriso camufla?

Quanta inteligência e bondade

Uma simplicidade carrega?

Quantos medos e traumas

Uma coragem disfarça?

Quantas loucuras e desatinos

Uma sanidade “sossega”?

Quanta esperança e fé

Um orgulho embaça?

Quanto companheirismo e amizade

Uma distância destrói?

Quanta evolução e aprendizado

Uma soberba apaga?

Quanto carinho e amor

Uma indiferença mata?

Quanta vida feliz

A inércia impossibilita?

Quanta coisa boa anda escondida

Nos recônditos secretos de nós mesmos

Aguardando para ser revelada

E navegar no barco da vida?

Alda M S Santos

Sabores

SABORES

Somos temperos dando sabor à vida

Ora azedos como limão, ora amargos como fel

Tantas vezes doces como mel

Noutras uma deliciosa mistura de sabores

Temperando os nossos e os pratos alheios

Colhendo sabores na fonte, no pé

Distribuindo-os in natura a quem souber degustar

Mas há quem prefira ser sempre amargo

Não sabe ser doce, tampouco agridoce

Nem para si, nem para os pratos alheios

Insiste em colocar um toque de amargor excessivo

Ou um falso doce

E desandar pratos que antes eram dos deuses

A vida necessita de bons chefs…

Alda M S Santos

A pedra

A PEDRA

Uma pedra sendo todo dia lapidada

Martelo, formão, espátulas, lixas

Assim seguimos nós

Transformando-nos dia a dia numa escultura

Numa joia brilhante e preciosa, ou nem tanto

Mas de maior encanto e valor

Cuidando para não perder partes importantes

Retirando excessos e áreas pontiagudas

Aparando arestas, dando forma

Tratando cada detalhe com perícia e amor

Fazendo-nos uma obra de arte ímpar

Perante Aquele que nos criou

E nos observa e aguarda nosso retorno…

Alda M S Santos

O telefone do céu

O TELEFONE DO CÉU

Quero o telefone do céu

Preciso ligar para lá

Quem sabe passar um SMS

Dizer que preciso falar

Pedir que mandem o GPS

Quem sabe não vou visitar?

Quero o telefone do céu

Preciso resolver umas pendengas

Solicitar bons conselhos, conquistar amizades

Quem sabe não tem sinal

E posso matar umas saudades?

Quero o telefone do céu

Preciso muito me conectar

Mas se um outro meio existir

Não vou me importar ou cansar

Quem sabe um contato especial, não dá pra desistir

E talvez eu possa logo subir e lá morar?

Alguém tem o telefone do céu?

Alda M S Santos

Dia do trabalho

DIA DO TRABALHO

Dons, ofícios, trabalho

Habilidades recebidas, desenvolvidas, dedicação

Ação diária, suor do rosto,

A serviço: corpo, mente, alma, coração

Trabalho, dons, ofícios, dedicação

Inexiste dom ou trabalho superior

Obrigação que se torna prazer, lazer, diversão

Não há juízo de valor

Trabalho, dons, ofícios, habilidades, vocação

Que nunca nos falte a gratidão

Pelo ofício que realizamos com amor

E, em contrapartida, nos garante o pão…

Alda M S Santos

Miniaturas

MINIATURAS

Somos miniaturas do mundo lá fora

Dessa bela natureza e vasto universo

Tudo em nós está em movimento

Somos perda e reparação

Somos destruição e reconstrução

Entre atração e repulsão

Formamos nossa galáxia interna

Nesse mundo interior tão cíclico

É necessário haver espaço para a dor de perder

Para a alegria de renascer

É preciso juntar os pedaços de nossa alma

Cada uma tem um lugarzinho especial nesse nosso multiverso

E é de extrema importância nesse nosso “passeio” por aqui

“Na (nossa) natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma…”

Alda M S Santos

Outon(ando)

OUTON(ANDO)

Cores amarronzadas, folhas secas, leves, caídas

Levadas pelo vento friozinho que arrepia a pele

Deixo-me levar suavemente

Tal qual folha caída da gigante árvore

Busco um repouso num cantinho qualquer

Encolhimento, proteção, recolhimento

Tempo de hibernar, dormir, voltar para dentro de si

Repor energias, reabastecer o corpo

Tudo é silêncio, cuidado, organização do caos

Aquecendo a alma e o coração vou outon(ando)

Aguardando um casulo crescer, a borboleta se formar

Linda e necessária estação

Lá fora e cá dentro…

Até um novo florescer…

Alda M S Santos

Sintonizando

SINTONIZANDO

Estar em sintonia perfeita

Ouvir a estação sem interferências, claramente

Curtir aquela música suave

Nem sempre é fácil!

Por vezes a vida se assemelha

A uma estação de rádio mal sintonizada

A comunicação não flui, há chiadeira

Entender a música que toca é tarefa complicada

A mensagem sai truncada, barulhenta, sem nexo

Muitas vezes o silêncio, o toque, o olhar dizem mais

E a gente segue tentando cantar o que gosta

Expressando a vibração que sente nos versos

Dançando em falso no escuro, buscando acertar o passo com o outro, parear

Mexendo e girando para lá e para cá nesse viver complexo

Tentando, ao menos conosco mesmos, sintonizar…

Alda M S Santos

Ele é amigo

ELE É AMIGO

Não tenha medo ou receio

Pode não parecer, mas ele é amigo

É paciente quando possibilita reflexões e aprendizados

Mesmo que nos faça não só sorrir, mas também chorar

É sábio mesmo quando é rápido e veloz

Quando parece nos abandonar ou deixar para trás

Quando parece nos limitar ou cortar nossas asas

Mesmo sem nos tocar ele nos atinge

Não há como fugir dele

Seu efeito é variável de pessoa para pessoa

Age de modo individual em cada mente

Influencia com doçura ou amargura cada coração

Ainda que pareça só fazer o mal

Ele é amigo, tenta parear conosco

É um remédio que se não cura, imuniza

De longe ou de perto, ele está sempre presente

Mesmo à nossa revelia o tempo age

E porque age é nosso amigo

Sempre!

Percepção que só se tem quando ele passa…

Alda M S Santos

Deixe as águas rolarem

DEIXE AS ÁGUAS ROLAREM

Deixe as águas caírem e rolarem

Sejam das nuvens, das cachoeiras ou dos olhos

Águas represadas por muito tempo

Geram dores, malefícios, ficam ácidas, apodrecem

Águas paradas causam tragédias e destruição

E o que poderia ser uma chuvinha fina, uma garoa bem vinda

Torna-se um furacão perigoso e assustador

Deixe as águas rolarem

Elas sempre lavam o que está sujo

Elas sabem e encontram o caminho a seguir…

Alda M S Santos

As folhas que perdemos

AS FOLHAS QUE PERDEMOS

Uma grande e frondosa árvore

Quantas folhas produziu, quantas flores e frutos gerou

Quantas folhas secaram, caíram, “perderam-se”?

Mas a cada folha seca que caiu

A cada estação ou jornada que enfrentou

Ela engrossou tronco, aumentou galhos

Fortaleceu e aprofundou raiz

Tornou-se mais copada e bela, mais resistente às intempéries

Não controlamos as folhas ou frutos que perdemos

Mas, como acontece com as árvores,

Onde folhas, flores e frutos

Caem aos seus pés, viram húmus e as nutrem através do solo

O mesmo se dá conosco…

Cada folha perdida, chorada, sentida ou não

Nos fortalece, firma nossa emoção

Nutre nossa alma e nos abastece de amor…

Na verdade, nenhuma folha se perde

Nunca!

Quanto mais folhas e frutos “perdemos”

Deixamos cair, irem “embora”

Mais fortes nos tornamos…

Somos árvores!

Alda M S Santos

De frente

DE FRENTE

Encarar a vida de frente

Mesmo que ela não seja sempre

Como uma tarde na praia, ao sol poente

E tantas vezes a brisa não seja tão gostosa

Daquelas que balançam nossos cabelos

Ou arrepiam suavemente nossa pele

Mas a ventania nos arraste para caminhos esburacados

E jogue areia em nossos olhos

Dificultando o ver, o prosseguir

Encarar a vida de frente

Não ignorando os percalços e entraves

Mas nos reabastecendo sempre

De amor, de sorrisos, abraços e beijos

Ainda que nas lembranças e esperança

De uma tarde na praia ao sol poente…

Alda M S Santos

Conselheiros

CONSELHEIROS

Se quisermos saber se nosso conselho é bom mesmo,

Se nossas lições são dignas de serem colocadas em prática,

Se nossas críticas são válidas e construtivas

Basta pensar se o conselho serve para nós mesmos, de verdade

Se praticamos nossas próprias lições

Se as críticas não poderiam ser aplicadas também a nós

Porque opinar sobre a vida alheia é fácil

“Sentar no próprio rabo e puxar rabo alheio”- diria minha avó

Mas se tudo isso só vale para o outro

É melhor nos abstermos, recolhermos ao nosso canto e ficarmos em silêncio

Praticar em nossa vida nossos próprios conselhos

Só falar quando nós mesmos estivermos em condições para tal

Quando já tivermos escalado os galhos da árvore da sabedoria

Assim como “de boas intenções o inferno está cheio”

O mundo também está abarrotado de bons conselheiros…

Alda M S Santos

Ovelhas: qual delas é você?

OVELHAS: QUAL DELAS É VOCÊ?

Ovelhas brancas, negras, “coloridas”

Qual delas é você?

A quem você aponta como ovelha negra

Da família, do trabalho, da igreja, das amizades

Já pensou no que ela significa pra você?

No que tem a te ensinar, proporcionar

No que você tem perdido por só criticar

Por se achar melhor, superior

Por ignorar ou, simplesmente, se afastar?

Ovelhas negras têm missão especial

Foram escolhidas a dedo por Ele

Seu trabalho por aqui é (des)equilibrar o meio

É mexer em estruturas tão firmes, intactas e castradoras

Aparentemente corretas, mas cruéis e paralisantes

Aquelas que te provocam raiva, dor, vergonha ou compaixão

O diferente instiga, cutuca, sofre, faz sofrer

Se devidamente aproveitado em seu meio

Provocará mudanças evolutivas

Nos outros, em si mesmo

Quanto mais diferente a ovelha negra for

Quanto mais excluída e excludente

Maior e mais importante seu trabalho por aqui

São as ovelhas negras que ousam mudar

Que se contrapõem ao “certo” de todos

Que agem “errado” por questionar padrões cruéis e ultrapassados

Que encaram os desafios, que abrem e despertam sorrisos

Que gritam e se rebelam, se revelam, nos revelam

E dão um pontapé naqueles que delas fazem pouco

Mesmo que entre lágrimas…

Que ovelha é você?

Alda M S Santos

Barreiras físicas

BARREIRAS FÍSICAS

Barreiras físicas não impedem um sonho

Muros, cercas, barricadas não barram um ideal

Barreiras físicas, quando muito, retardam o objetivo

Dificultam a travessia, tornam a chegada mais valorizada e especial

Mas quando o sonho e a esperança são grandes e valiosos

Não há barreira física que impeça o avanço

Daquilo que é pura emoção…

Sonhos possuem asas, voam alto e atravessam qualquer obstáculo!

Alda M S Santos

Impotência

IMPOTÊNCIA

Impotência diante de um mundo que parece girar tão rápido

Mas em tantas outras vezes parece tão estacionado

Impotência diante da dor do outro

Quando só nos cabe oferecer um abraço

Impotência diante de perdas irreversíveis

Quando só nos resta a dolorosa saudade

Impotência diante da esperança desbotada, sem cor

Quando falta tinta para pintá-la, renová-la, sem pudor

Impotência diante da própria inércia

Quando, cansados, quase desistimos

Quase caímos, quase entregamos os pontos

Quase…

Mas preferimos, como Fernando Sabino, fazer

“Da queda um passo de dança”

E seguir…

Alda M S Santos

Desertificando

DESERTIFICANDO

Um planeta desértico estamos nos tornando

Picos de temperatura, amplitude racional, aridez emocional

Deserto de compaixão, de doação, sensação de solidão, abandono

Desconhecimento do outro, que parece tão longe ou inexistente

Perdidos e sem rumo, a esmo, presos à ingratidão

Grudados a “valores” questionáveis, a egos indomáveis

Mas como em todo deserto

Enquanto houver lembrança da umidade e frescor

Enquanto brilhar a esperança de um oásis

Enquanto estiver firme o desejo de mudança

Ainda será possível abrir os olhos e o coração

A despeito da ventania, da areia, do calor intenso

E, em marcha, seguir toda a humanidade

Um passo de cada vez

Um ser humano após o outro

Em busca de nova vida…

Alda M S Santos

Teimosia

TEIMOSIA

Uma vida de teimosias, de bater de pé, de insistências

Um joelho esfolado que cicatriza

Um braço fraturado que se cola

Um coração partido que não se emenda

Teimosias…

Uma lágrima que escorre junto a um sorriso que ilumina

Tal qual arco-íris pós tempestade

Um corpo alquebrado que se refresca num rio caudaloso

Que se renova num abraço carinhoso

Teimosias…

Uma mente conturbada em curto-circuito

Uma alma repleta e, paradoxalmente, ainda cheia de espaço

Um ser humano pensado e criado para não desistir

Quando tudo parecer ruir

Teimosias…

Amor: a maior teimosia do mundo

Mas a única capaz de ainda garantir o viver…

Alda M S Santos

Celeiro humano

CELEIRO HUMANO

Palavras podem ludibriar, enganar

Comportamento é sempre claro, não mente

Boas pessoas: boas ações

Más pessoas: más ações

Certo? Não necessariamente!

Comportamento não é previsível, não é matemática

Emoções não são uma ciência exata

Boas pessoas erram, aprendem

Más pessoas acertam, mudam, melhoram

Errar, cair, aprender, crescer, evoluir

Tudo isso é inerente ao ser humano

Não existem humanos santos

Anjos não vivem aqui, estão muito além de nós

Nesse grande celeiro humano

Há grãos de todo tipo e formatos

Em diferentes fases de maturação

E cada qual atinge seu ápice no tempo certo

Ser maduro é bom, é nosso objetivo

Mas não se chega lá sem antes ter sido verde…

Alda M S Santos

Outra vez?

OUTRA VEZ?

Vai e volta, passa o tempo

E as mesmas situações se repetem

De novo

Replay, outra vez

Mais uma vez…

Conosco ou com os nossos

A mesma dor por perto

Repeteco

Algo a nos dizer

Que fazer?

Lições não aprendidas

Oportunidades ignoradas

Erros não aproveitados, falhas esquecidas

Lágrimas jorradas

Batem sempre na mesma porta

Sempre querem algo nos dizer

Chamar a atenção, ativar o olhar, o fazer

O que não se aproveitou ou se aprendeu lá

Retorna para o lado de cá

Até que possamos estar aptos

A seguir, a prosseguir

Sem precisar tanto ferir, tanto repetir…

E poder um pouco mais sorrir…

Alda M S Santos

Aura multicor

AURA MULTICOR

Enquanto a massa é cinzenta,

A aura é multicor, arco-íris, brilhante

Cabe à massa cinzenta fazer o papel tirano, rabugento

A alma, pela aura, faz o papel da alegria, do contentamento

A razão é quase sempre cinzenta e sisuda

A emoção é colorida e, muitas vezes, alegre, absurda

Nosso bem estar necessita da organização do cinza

Mas precisa também do encanto vibrante das cores,

Não podemos abrir mão do tom cinza, neutro,

É ele que possibilita às cores sua existência

É a tela receptiva na qual pintamos nosso mundo

Uma vida mesclada de cinzas, negros, cores, brancos e encantos

Fazer um bonito colorido nem sempre é tão simples

Mas é o que dá prazer ao viver…

Alda M S Santos

Olhe para mim

OLHE PARA MIM

Olhe para mim, mas olhe devagar

Preste atenção, demore-se…

Olhe e me enxergue verdadeiramente como sou

Um alguém que precisa de você, de carinho e atenção

Não me deixe ir embora, silenciar

Não quero fugir para dentro de mim, me afastar

Quero estar com você, sentir você

Sentir-me uma pessoa amada…

Não quero mergulhar no meu mundo

Quero fazer parte do seu mundo também

Sinto-me só, um ninguém nesse mundo

Do qual tantas vezes quis ir embora

Nesse seu mundo tão “perfeitinho” sinto-me um nada

Olhe para mim! Me abrace!

Por favor, me enxergue, faça-me ver propósito nessa vida

Que eu possa ser importante, necessária ao menos pra você

Preocupe-se comigo, me imponha limites de amor e cuidado

Olhe para mim!- é o grito silencioso de tantas crianças e jovens

Ao se rebelarem, enfurnarem-se no quarto

Quebrarem regras, ultrapassarem limites

Tantas vezes têm “tudo”, mas falta-lhes o essencial

Sentir-se alguém no mundo de alguém

Falta amor em atitudes simples

O amor é que nos faz ter prazer no viver

Aquele amor demonstrado no cuidado e atenção diários

O amor é que impede que tantos queiram acabar com a vida, com o inexistir

“Olhe para mim!”

Alguém perto de nós está gritando esse pedido…

Prestemos atenção!

Alda M S Santos

Sou mulher, sou minha!

SOU MULHER, SOU MINHA!

Ora sou forte, ora sou frágil

Sou humana, feminina, carente ou autossuficiente

Não sou mais nem menos que você

Posso ser razão ou emoção,

Pés no chão ou cabeça nas nuvens

Sou mel, sou fel, rosa ou azul

Multicor!

Choro sorrindo, sorrio chorando

Transbordo amor!

Rosa ou espinho, ora ferida, ora ferindo

Se você me enxergar e bem cuidar

Se me aceitar como sou e a mim respeitar

Terá uma alma sempre leal para te amar

Posso te fazer chorar, mesmo sem querer

Mas posso ser a razão do seu sorriso

Aquela que desperta seu lado bom, te faz crescer

Posso ocupar qualquer espaço que eu queira

Profissional, social, pessoal, amoroso

Inclusive um lugarzinho especial dentro de você

Não sou sua costela, tampouco um corpo apenas

Mas posso ser seu coração

Assim como você também pode ser o meu

Não para tomarmos posse um do outro

Mas por querermos e escolhermos estar juntos

Por saber que só somos plenos

Quando encontramos no outro

Aquilo que atiça o melhor de nós…

Sou mulher, sou feminina e, como todas elas,

Posso ser sua, nua e crua, mistério

Mas antes de tudo sou minha!

Alda M S Santos

#diainternacionaldamulher

Nossa estrela

NOSSA ESTRELA

Quanto menos luz externa

Mais a luz interna se faz necessária

Para não nos perdermos na noite escura…

Felizmente, a bateria dela é recarregável

Não se estoca, não se acumula

Possui vários modos de acionamento

Só se esgota por falta de atividade

Quanto mais se usa, mais se tem

Quando a vida ficar mais escura lá fora

Quando os medos forem grandes

Os pesadelos maiores que os sonhos bons

Mais nossa estrela precisará brilhar dentro de nós

E quanto mais ela brilhar dentro de nós

Mais ela poderá atingir nosso entorno

E meu brilho com seu brilho

Pode nos iluminar e iluminar parte desse mundo

Enquanto estivermos por aqui

Quiçá quando dele partirmos também…

Brilhemos juntos, coração com coração!

Alda M S Santos

Se quebrar…

SE QUEBRAR…

E se quebrar?

Se quebrar, pode até se lamentar

Mas logo pegue, cole, conserte, refaça

Jogue fora o que puder ferir

Substitua o que não servir mais

Recupere o que é essencial

Retire devagar e com carinho o que estiver inteiro

A essência sempre permanece intacta

O dano pode estar apenas na superfície, no invólucro

O conteúdo profundo é blindado pelo amor

Não importa o tempo de existência

Mesmo que pareça quebrado

O que é profundo e verdadeiro atravessa décadas

E permanece guardado misturado às areias do tempo

Protegido nas perfumadas gavetas secretas de nossa alma

Registrado tal qual marca de ferro quente na pele

Quebrou? E daí?

Aproveite a oportunidade para renovar o viver…

Alda M S Santos

Mexidos e remexidos

MEXIDOS E REMEXIDOS

Sabe aqueles dias que nos sentimos um suco remexido

Daqueles que estavam “descansados”

Com o conteúdo sólido, denso, depositado no fundo

E o que é leve dando cor, leveza e sabor

Misturado, à mostra ou na superfície, facilitando a vida?

Aí vem algo e balança tudo

E o que “pesa” mistura-se novamente

Como vento que levanta a poeira assentada

Lança as folhas para todos os lados

Derruba galhos, agita lagos, lagoas e mares

Novo trabalho de descanso e repouso é exigido

Para a vida seguir leve, colorida e saborosa

Ainda que o pesado que repousa lá no fundo

Seja aquilo que dá vida e sustentação a todo o resto…

Alda M S Santos

Next!

NEXT!

A vida, muitas vezes, parece com aqueles cadastros online

Onde há lacunas obrigatórias a serem preenchidas

Não adianta ignorar, fingir que não viu

Recusar-se a cumprir a tarefa

Não há como prosseguir!

Sempre aparecerão os erros que impedem “a próxima página”

Ou os resolvemos, ou empacamos ali

São “problemas” cuja solução são a senha para o próximo passo

São erros(!) cujo alerta sinaliza que há algo impedindo a passagem

Que é preciso voltar atrás, corrigir, consertar, preencher

Ou, simplesmente, ficar ali estacionado

Não é vergonha pedir ajuda

Há erros e lacunas que não resolvemos sozinhos

Vergonha é repetir o mesmo erro até ser bloqueado

Next! Em frente! Enfrente!

Alda M S Santos

Preste atenção

PRESTE ATENÇÃO

Olhe para o que te falta, busque

Mas veja aquilo que você tem de verdadeiramente seu

Olhe devagar, absorva o positivo, o divino

Preste atenção!

Inspire fundo, sinta o perfume doce da paz

Mesmo que precise inspirar muitas vezes

Sinta-se vivo! Preste atenção!

Olhe no seu entorno

Natureza viva, ar puro, brisa suave, calor humano

Entregue-se! Delicie-se!

Veja quem te estende a mão, quem te cuida

Quem te abraça, te acolhe, te ama

Quem reza por você, pensa em você

Quem sempre te coloca como prioridade

Preste atenção!

Veja com um novo olhar tudo aquilo que está dentro de você

Demore-se um pouco nesse olhar, tenha calma

Preste atenção! Sinta-se!

Ainda que seja apenas você mesmo

Olhe! Veja de verdade! Preste atenção!

E valorize! Valorize-se!

Onde você se encontra, também se encontra Deus

A vida é aquilo que fazemos dela…

Alda M S Santos

Conversando

CONVERSANDO

Tão similares algumas conversas

Se feitas com intensidade e verdade

A conversa com nosso mentor que nos orienta

A conversa com nosso amor que nos acalma

A conversa com amigos leais que nos alertam

A conversa conosco mesmos que nos direcionam

Similares quando nos dispomos a ouvir realmente

A sentir Deus falando através deles

A meditação nada mais é que uma conversa conosco mesmos

Quando buscamos em nossa essência, em nosso mais íntimo

Deus falando em nós…

Através de tudo que Ele permite que esteja conosco

Dos nossos sucessos e fracassos

Sorrisos e lágrimas, ganhos e perdas

Deus fala conosco todo o tempo…

Cabe a nós a disposição para ouvir…

Alda M S Santos

Levezas

LEVEZAS

Não quero pesos, encostos

Preciso dispensar excesso de bagagens

Particularmente cargas emocionais que subjugam a alma e o corpo

Distribuir com equidade os demais “pesos”

Tornando-os mais leves, prazerosos de carregar

Preciso de mais confiança, esperança e paz

Preciso de mais cores, mais brisa, mais brilho

Mais reflexos positivos de mim nos outros

Dos outros em mim

Preciso manter a fé na humanidade

A fé em mim mesma

Por um mundo onde reinem

A suavidade, a beleza, a delicadeza

O encanto, o amor e a magia

Que nos atinja a todos

E que aconteça em via dupla

Que haja reciprocidade!

Alda M S Santos

Talvez

TALVEZ

Talvez um dia eu possa me arrepender

Talvez no futuro tudo venha a ser diferente

É até bom mesmo que seja, que mude

Mudança gera força, crescimento

Mas, hoje, é o que tenho

E, hoje, posso agir, escolher um caminho do qual me orgulhe

Talvez não saiba ao certo como agir

Mas sigo minha intuição, meu coração

Se ele dói, se aperta, é porque o caminho não é o melhor

Tem pedras, buracos, posso cair, me machucar

Ou não conseguir impedir a queda de alguém querido

Mudo a rota, a altitude, o voo

Balanço, fico insegura, nem sempre tranquila, tenho medos

Mas sigo em frente no hoje, mantendo o equilíbrio

Talvez amanhã nem esteja mais aqui

Mas quero levar comigo e deixar por aqui

A lembrança de alguém que fez tudo que pôde por amor

Talvez o amanhã mude, ou seja ainda melhor

Creio nisso e sigo…

Talvez…

Alda M S Santos

Ilusão da vaidade

ILUSÃO DA VAIDADE

Acreditar-se bom, importante, valorizado, especial

Inteligente, belo, leal, amigo, companheiro, humano…

Ser tudo isso é de valor inestimável

Desde que não seja ilusão da vaidade…

Quando a vaidade nos cega

Acaba por nos fazer superestimar o que temos ou somos

Quase sempre em prejuízo da realidade

Além de, muitas vezes, machucar os outros

Isso nos leva para um destino certo: a decepção

O que atrasa e torna áspero o caminho para o aprendizado…

Buscar cada dia nos tornarmos melhores é sabedoria

Melhor que fomos ontem, menos do que podemos ser amanhã

Mas nunca para superar este ou aquele indivíduo

Nossa “disputa” deve ser interna

E se for bem trabalhada já nos tomará bastante tempo

E a vitória e o sucesso serão bem mais doces e reais …

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: