Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Reflexo

REFLEXO

Somos reflexo daquilo que vivemos

Das vitórias alcançadas, das batalhas travadas

Das negações recebidas, das derrotas sofridas

Das pessoas que nos cercam

Do amor que conosco compartilham

Sofremos influências do meio todo o tempo

Positivas ou negativas

Mas não precisamos ser esponjas

Não devemos absorver tudo que se apresentar

Podemos repelir o que fizer mal

Tentar ser mais ímã, atrair mais o que nos é afim

Quem olha para nós enxerga apenas parte do que refletimos

A outra parte fica muitas vezes camuflada pelo que ela é ou sente

Por isso o que somos verdadeiramente nunca é visto totalmente

O brilho nos olhos, o sorriso espontâneo

O carinho que se doa, a autenticidade,

Muitas vezes não passa no filtro “carregado” do outro…

Vamos refletir mais amor

Ele atravessa qualquer filtro!

Alda M S Santos

Leve-me com você

LEVE-ME COM VOCÊ

Leve-me com você

Não importa para onde

Apenas leve-me para onde for

A direção a seguir fica a cargo do amor

Leve-me com você

Coloque-me no colo, mas se isso não for possível

Nunca me tire do coração

Só assim poderei segui-lo

Só assim vale a pena ir contigo

Leve-me com você

Ouça minha voz, sua companheira de todas as horas

Ouça meus desejos, sintonize-os com os seus

Guie-se por eles, acolha-os

E nunca estará sozinho

Leve-me com você

Como marca digital na sua pele

Como emoção boa no coração

Como uma luz acesa na alma

Eternizados um no outro

Não importando aonde estejamos

Leve-me com você,

Levo-o comigo…

Alda M S Santos

Entre as muitas de mim

ENTRE AS MUITAS DE MIM

Muitas vezes sou palavras sem fim

Tantas outras o silêncio habita em mim

Algumas vezes quero abraçar e acolher o mundo

Noutras, nem a meu próprio mundinho consigo acolher

Sou, às vezes, gargalhadas de alegria e satisfação

Tantas outras sou um sorriso tímido de decepção

Muitas vezes sou a animação, a atração

Noutras, quero me esconder num cantinho sem aparição

Muitas vezes sou dança, sou verso, sou sedução

Noutras tantas sou muito atrapalhada, sou tombo, sou confusão

Muitas vezes sou maternal, terna, emocional

Noutras sou tão sozinha, isolada, individual

Tantas vezes vejo adiante um mundo de oportunidades

Noutras só vejo agonia e infelicidade

Muitas vezes estou em paz com as muitas de mim

Tantas outras elas travam uma batalha de vida e morte bem ruim

Entre as muitas de mim

Perfumada de flores, de jasmim

Nessa constante contradição

Procuro enfeitar esse jardim…

Alda M S Santos

Intimidade

INTIMIDADE

Intimidade é aquela relação prazerosa que cultivamos

Com quem nos é especial

Onde tudo podemos dizer, fazer, trocar

Sem nos envergonhar e, com isso, aliviar todo mal

Quem tem boas relações de amor, de amizade

Quase nunca é acometido pela solidão

Encontra nessa pessoa a disponibilidade

E a intimidade que complementa toda boa relação

A intimidade pede reciprocidade

Confiança que se abastece na troca, conexão

Nudez em sua totalidade

Intimidade não só de corpos, mais conhecida como paixão,

Mas intimidade de mente, sintonia

Principalmente, intimidade de almas, magia…

Uma boa intimidade de almas nunca se acaba

Vai além da vida…

Alda M S Santos

Nunca desistir de mim

NUNCA DESISTIR DE MIM

Não desistir de mim, esse é o trato

Não importa o que eu fizer

Ou o estado de minhas emoções

Se estiver forte e vitoriosa

Ou frágil e chorosa

Se estiver contente e esperançosa

Ou carente e nada amorosa

Se agir com sabedoria ou cometer uma burrada apocalíptica

Não desistir de mim, esse é o trato

Quando sou a fortaleza em que os outros se apoiam

Ou quando sequer tenho forças para chorar

Ser minha maior amiga sempre

Daquelas que acariciam, elogiam, incentivam

Mas que também ralham, puxam as orelhas, e nunca abandonam

Não desistir de mim, esse é o trato

Não posso parar, estacionar

Preciso prosseguir, cuidando para não cair

Consciente que estarei dando o melhor de mim…

Pois só assim poderei merecer o melhor dos outros

Não desistir de mim, nunca!

Esse é o trato!

Alda M S Santos

Vá lá e faça o melhor

VÁ LÁ E FAÇA O MELHOR

“Vá, filho, desça lá e faça o melhor que puder”

E, corajosos, tendo-o por perto naquele momento, descemos

E cá estamos errando e acertando

Tantas vezes trocando os pés pelas mãos

Outras tantas correspondendo a tão altas expectativas sobre nós

Pedindo ajuda em momentos de tristeza e solidão

Implorando perdão nas sucessivas burradas que cometemos

Agradecendo pela oportunidade de estar aqui

Pelas chances de crescimento e aprendizado

Pelos anjos bons que enviou para que não nos sentíssemos tão sozinhos

E, principalmente, por não nos ter abandonado

Mesmo que tantas vezes a gente se sinta só e triste

Em meio a tanta maldade, tanta desumanidade, tanta saudade

E queira logo voltar para casa…

Que nossas energias e fé se fortaleçam

E que nunca, nunca nos abandone

Que nos permita vê-Lo nos outros

E que os outros possam vê-Lo em nós

Amém!

Alda M S Santos

É o desejo

É O DESEJO

É o desejo de saber mais que me faz compreender

É o desejo de entender que me faz aprender

É o desejo de descobrir que me impele a agir

É o desejo de mudar que me ensina a sonhar…

É o desejo de tudo conhecer que me faz crescer

É o desejo da grandiosidade que me ensina a humildade

É o desejo de viajar que me ensina a voar

É o desejo de não me afastar que me faz ficar…

É o desejo de me eternizar que me faz te amar

É o desejo de te ver feliz que me torna aprendiz

É o desejo de vencer a saudade que me torna realidade

É o desejo de promover a união que me leva a estender a mão…

É o desejo de não me perder que me leva a escrever

É o desejo de ter que me leva a ser

É o desejo de poetizar que me faz me emocionar

É o desejo de amar que me faz me encantar…

É o desejo que a tudo move

Que também me move…

Alda M S Santos

Se vem…

SE VEM…

Se vem do coração é por sedução, nunca por coação

Se vem da emoção é por conquista, nunca por violação

Se vem do interior é desejo, é inspiração, nunca enganação…

Se vem de Deus é perdão, é compaixão

Nunca culpa ou embromação

Se vem da alma é profundo, é pacífico, é união

Nunca superficial ou inquietação…

Se vem do amor é prazer, é verdade, gera saudade

Nunca mentira ou maldade

Se vem do amor é infinito, é para toda a eternidade

Não termina na distância, na vontade ou na infelicidade…

O que vem do amor nunca se acaba

Multiplica-se infinitamente…

Alda M S Santos

Disfarces

DISFARCES

A vida é para quem gosta de enigmas

Para quem não perde as estribeiras

E fica até o fim nessa brincadeira

Aqueles que conseguem perceber e agradecer

Os anjos disfarçados de amigos

Os aprendizados atrás das dores

Os colos disfarçados de sermões

A proteção escondida num adeus

A vitória que muitas vezes parecia ser uma perda

E há ainda alguns entraves no caminho também

Pistas falsas escondidas atrás de sorrisos

Caminhos duvidosos em belas pessoas

Coisas e bens materiais se passando por felicidade

Inveja se interpondo em estradas que seriam limpas

Invasores de espaços e bens alheios

Mas ela também vai ensinando

E quem se dispõe a aprender

Já consegue escapar de suas ciladas

Já não leva gato por lebre

Percebe que a felicidade é a que mais se encontra disfarçada

E que o amor também é o mais fraudado

Um bom “jogador” nessa vida

Sabe que a felicidade não tem qualquer requinte

E que o amor é o mais complexo, mas o mais simples dos sentimentos

Retire tudo, qualquer adereço, qualquer acessório

Qualquer artificialidade ou maquiagem

Quando estiver despido de tudo

Nu de corpo e de alma

Se o que ficar estiver limpo, se te fizer bem, isso é amor

Se encontrar o amor aí encontrou a felicidade

Sem disfarces!

Alda M S Santos

Nada por viver

NADA POR VIVER

Não quero deixar nada por viver

Tanta gente indo embora tão cedo, deixando muito por fazer

Que aumenta em nós a necessidade de nada deixar por viver

Com o cuidado de, com isso, nada no outro fazer morrer

Parece que há tanto ainda por aprender

Tantos lugares a passear, a conhecer

Muito ainda a doar, a ajudar, a nos compadecer

Tanto amor ainda por fazer…

Não quero deixar nada aqui para viver

Quero brincar mais, sorrir mais, sem reclamar quando doer

Porque tudo isso faz parte do viver

Extraí da vida tudo o que ela oferecia, quero poder dizer

Quero em tudo intensidade, interação, paixão

A vida do outro lado haverá afazeres diferentes, outra distração

Daqui levarei lembranças, emoção, satisfação

E, se Deus quiser, nada deixarei

Além de marcas boas de saudade em cada coração…

Não quero deixar nada por viver…

Alda M S Santos

Dona do meu destino

DONA DO MEU DESTINO

Sou assim meio louca, imperfeita

Já desisti de tentar a todo custo ser aceita

Quero apenas não decepcionar a mim mesma

Sem desatino, ser a dona do meu destino

Sou assim meio inquieta, mais coração, menos razão

Tentando ser um pouco menos emoção

Buscando em tudo a magia do existir

Querendo nada da vida prender, deixar fluir

Sou a que quer sempre mais atividade

Mas que se contenta na singela e rica simplicidade

A que sonha voar alto, puro encanto

Mas que se realiza na magia de um doce encontro…

Por aqui vou tentando não viver de favor

Não ser clandestina, inquilina

Apenas buscando ser a dona do meu destino…

Alda M S Santos

Invernos íntimos

INVERNOS ÍNTIMOS

Gosto de chuva, de dias nublados, de inverno

Neles dá para notar melhor quem tem luz própria

Dá para melhor sentir o calor dos humanos

Não dá para se esconder atrás da luz ou calor do Sol

Não dá para fingir que tudo está bem

Não dá para deles tomar energia por empréstimo

Não que seja errado se energizar no Sol

Na claridade de um dia de verão

Pelo contrário, a natureza está aí para isso

Mas ela apenas complementa nossa essência

O que somos verdadeiramente não se perde num dia chuvoso

Não se esfria num dia de inverno

Não fica cinzento porque amanheceu nublado

Nosso sol e calor internos precisam brilhar e aquecer

Ainda, ou principalmente, quando lá fora estiver frio e chuvoso

É assim que superamos nossos invernos íntimos

Assim que clareamos nossas emoções nubladas

Assim que aquecemos nossa alma quando o coração esfria de dor ou saudade

Assim que lavamos nosso interior, mesmo com lágrimas

Assim que sobrevivemos ao tempo de hibernação…

Alda M S Santos

Agasalhe seu coração

AGASALHE SEU CORAÇÃO

Massa de ar polar, temperaturas negativas

Ar congelante, pernas endurecidas, andar trôpego

A ordem é só uma: aquecer-se

Edredons, cobertores, sobretudos

Meias, botas, toucas e luvas são escudos

E uma bebida quente não faz mal não

Mas não deixe que a frieza lá de fora

Congele o seu coração

Aqueça sua alma e entre em ação

O frio que tanto te aflige

Age em dobro naquele irmão

Que está ao relento, ali no chão

Divida com ele seus agasalhos, seu pão

Seja abraço, seja acolhimento, seja compaixão

Se você por qualquer motivo ali não consegue chegar

Posso fazer a intermediação

E se não for pedir muito

Pode para ele também ser abrigo, ser oração?

Agasalhe seu irmão, aqueça seu coração!

Alda M S Santos

Bom mesmo

BOM MESMO

Bom mesmo é viver a vida

De tal modo que não deixe para ela saída

A não ser se aliar a nós

Nos ajudando a eliminar qualquer algoz

Bom mesmo é dar o melhor da gente

Para todos igualmente

E se isso parecer impossível

Que façamos, para tanto, todo o possível

Bom mesmo é cuidar direitinho

Com amor, respeito e muito carinho

Daqueles que recebemos como presente

Para dar sentido à vida da gente

Bom mesmo é ser agradecido

A tudo que nos foi consentido

Com sabedoria e muita calma

Aceitar o fim, quando chegar, com paz na alma…

Alda M S Santos

De pele ou de alma?

DE PELE OU DE ALMA?

Uns são música, outros são apenas barulho

Uns são preciosidades, outros são entulho

Uns são mente, outros são emoção

Uns são coração, outros são perdição

Uns são frescor, outros são terror

Uns são atalho, outros são abismo

Uns são realidade, outros são fantasia

Uns são saudade, outros são nostalgia

Uns são luz, outros são escuridão

Uns são amanhecer, outros são entardecer

Uns são poesia, outros são melodia

Uns são sonho, outros pura magia…

Uns são sede, outros são oásis

Uns são paixão, outros são solidão

Uns são de pele, outros são de alma

Uns são ternos, outros são eternos…

O que o outro é para nós

Ou o que somos para o outro

Sempre será uma relação dual

De ser e de permitir-se ser especial…

Alda M S Santos

Sou amante

SOU AMANTE

É frio, é calor

É cachoeira, é cobertor

É a vida em fúria, em extremos

Em busca de mais amor

É frio lá fora

É aquecimento aqui dentro

Porque ela é atrevida

E a vida só vale se faz sentir, se faz sentida

É frio, é calor

Tanto faz, proibido é proibir

É preciso trair o tempo

Com a alegria de existir

Que alonga todo momento…

É frio, é calor

É lareira, é fervor

Em inverno gelado ou verão escaldante

É preciso viver com ardor

Nessa vida da qual sou amante…

Alda M S Santos

Prontos para dizer adeus?

PRONTOS PARA DIZER ADEUS?

Um bom dia rotineiro ao amanhecer

A conversa trivial no café da manhã

O beijo de “vá com Deus” nos filhos

O banho rápido, o perfume, o vestido rodado, preferido

O ônibus lotado, o sinal fechado

O sorriso dado a um funcionário gentil

A impaciência na fila do banco

A discussão infrutífera com o chefe

Um dia cansativo no trabalho

O happy-hour adiado

Aquele abraço não valorizado

Um olhar de admiração ignorado

O amor que se fez ao adormecer…

E se tudo isso fosse pela última vez?

Se tudo fosse despedida?

Se não mais pudesse ser vivido?

Faria alguma diferença para você?

Se fosse possível rebobinar, faria algo diferente?

Certamente estaríamos mais atentos aos detalhes

O abraço seria demorado, o sorriso mais valorizado

O carinho estendido, a impaciência eliminada

Daríamos valor ao que realmente tem valor!

Lutaríamos pelo que queremos

Não desejaríamos o que não pode ser nosso

Aceitaríamos as pessoas como elas são…

Mas sempre estamos nos despedindo!

Por não saber o que nos aguarda no segundo seguinte

E também porque o momento nunca se repete

A situação sempre será diferente, não há reprises

Valorizemos cada segundo como se fosse o último

Sem demagogia, ele não volta mais!

Estamos sempre nos despedindo…

Prontos para dizer adeus?

Alda M S Santos

A música que a vida toca

A MÚSICA QUE A VIDA TOCA

A vida é um grande musical

Toca músicas animadas, dançantes

Também toca músicas tristes, frustrantes

Tantas vezes aprendemos o ritmo, dançamos com prazer

Mas a música que a vida toca nem sempre irá nos satisfazer

Muitas vezes teremos vontade de chorar

Outras, até desejo de partir, não mais bailar

Mas precisaremos aprender a dançar

Porque a vitrola da vida não para de tocar

Podemos dançar sozinhos

Mas melhor mesmo é quando dançamos com um par…

Com o outro aprende-se nova coreografia

A dançar a dois com harmonia

Rimos dos erros e tropeços

Até novas canções passamos a tocar

Uma dança aos pares ou em grupos

Tem muito mais magia…

Posso até ter minha canção favorita

Mas ela só fará mais sentido

E se tornará ainda mais prazerosa e bonita

Se tiver alguém que aceite dançá-la comigo…

Alda M S Santos

Onde carregas?

ONDE CARREGAS?

Onde carregas o que amas?

No pulso a contar o tempo

A te enternecer todo o momento?

Na carteira bem guardado

Onde proteges o valorizado?

Onde carregas o que amas?

Naquela imagem no celular estampada

Num cartão na página do livro marcada

Na camiseta em coração silkada

Ou numa declaração no corpo tatuada?

Onde carregas o que amas?

Na pele tal qual fragrâncias impregnadas

Na mente em muitas memórias ativadas

No coração em todos os espaços demarcados

Na alma, enfim, o amor eternizado…

Onde carregas o que amas?

Alda M S Santos

A chave

A CHAVE

Uma porta, uma fechadura, uma chave

Inseriu, girou, abriu

Nem sempre é assim tão simples

Pode estar emperrada como nunca se viu…

Às vezes a chave não é aquela

A fechadura está enferrujada

Ou talvez te falte o jeitinho

Para enfrentar essa parada

Outras vezes a porta não está à vista

Exigirá muito tato e habilidade

A chave não é tão concreta

Mas feita de carinho e intimidade

Não há portas intransponíveis

Tampouco fechaduras invioláveis

O que nos falta é perícia e perseverança

Para torná-las acessíveis, maleáveis

Se a força bruta não adiantou

A chave também não serviu

Não adiantará de nada arrombar

Use o amor, seja doce, seja gentil

E pela porta poderá entrar e ficar…

Alda M S Santos

Fazemos parte daqueles que amamos

FAZEMOS PARTE DAQUELES QUE AMAMOS

Fazemos parte de um jardim que plantamos, cuidamos

Fazemos parte da casa onde moramos, cada marca na parede, cada móvel

Fazemos parte da escola que frequentamos, da quadra de esportes, da biblioteca

Fazemos parte da igreja onde oramos, trabalhamos

Fazemos parte de cada espaço onde dia após dia deixamos um pouco de nós

Há ali nossas marcas, nosso trabalho, nossa energia

Mas, principalmente, fazemos parte das pessoas com as quais convivemos

Com aquelas com as quais trocamos laços de afeto, carinho, companheirismo

Amizade, cumplicidade, confidências, amor

Quanto maior a troca entre elas, mais serão parte uma da outra

Como com aquelas pessoas com as quais nos sentimos em casa

Como se fôssemos feitos da mesma massa, mesma essência

Sensação de pertencimento, fazem bem e pronto

Essas pessoas fazem parte da gente

Fazemos parte delas, para sempre

Estejam onde estiverem…

É muito bom fazer parte dos espaços onde estivemos

Mas é incomparável fazer parte de alguém

Ou ser parte de alguém…

Assim somos eternos naqueles que amamos e nos amaram…

Alda M S Santos

Araras urbanas

ARARAS URBANAS

Variadas peças, cores e tamanhos

Expostas numa grande arara urbana

Feita das grades sobre muros no centro da cidade

O cliente chega, pega, olha, até experimenta

Não há atendentes, não há provadores

Há alguns expectadores

Algumas peças seminovas

Outras um pouco surradas

Menos surradas que os clientes que por elas procuram

Não há marcas, sequer se preocupam com isso

O que precisam é que sirva

Não há sacolas, não embalam

Vestem umas sobre as outras

Não estocam nada, não guardam nada também

A marca que vejo ali é só uma: compaixão

Aliada à solidariedade e amor

Não há caixa, não há preços

Um cartaz diz apenas: DOAÇÃO

O cliente pega o que lhe serve

E vai embora…

Mas não vai para sua casa

Fica por ali mesmo, nesse espaço que tem sido seu lar…

Quando precisa de algo “novo”

Recorre novamente às araras urbanas

Você tem algo para doar

Para essas araras alimentar?

Alda M S Santos

Lavo a alma

LAVO A ALMA

Debaixo de uma cachoeira gelada

Abro um sorriso assustada

Solto um grito, encantada

E saio de alma lavada

Água que alegra, que anima

Desperta-me para a vida

Banha-me, não tenho saída

E saio de alma despida

Água que escorre das rochas

Com a força da natureza

Nunca vi tamanha beleza

E saio de alma indefesa

Ali deixo a tristeza, a solidão

A pureza que brota do chão

Deve ser essa a razão

De minh’alma ser só emoção

Água, terra, natureza e eu

Renovação, encanto, sintonia

Um banho de pura magia

Na alma banhada de energia…

Alda M S Santos

SOS CORAÇÃO

SOS CORAÇÃO

O sol está alto no céu

E aquilo ali é uma cama

E está “feita” onde todos transitam

Cobertores embolados, papelões rasgados

Alguns ainda dormem

Sujos, barbados, vestidos da cor das ruas

Às vezes uma sacola com “tudo” o que têm na vida

Serve a eles de travesseiro

Guardam outras poucas peças de roupas

Talvez um pente ou uma escova de dentes

Um espelho quebrado, será?

Uma fotografia de outros tempos

Mas aquilo é uma cama!

Ali no meio do caminho

Exposta a todas as intempéries

Logo vai escurecer e esfriar, é inverno

Como pode um ser humano viver assim?

Dependentes da generosidade alheia

Será que levam ao pé da letra a passagem bíblica (Mt 6, 25-34)

Das aves do céu e dos lírios do campo

Que Deus alimenta, veste e cuida sempre?

Ou já em nada mais creem?

São muitas as histórias

São imigrantes que vieram e não encontraram emprego

Usuários de entorpecentes perdidos de si mesmos

Pessoas brigadas com familiares

Doentes da mente, do corpo, da alma…

Mas são pessoas!

E nós que temos também nossa cama

Nosso lar, nossas coisas, nossas conquistas

Até que ponto podemos ser considerados humanos

Se nada disso nos sensibilizar

Não nos fizer agir para isso tudo amenizar?

A humanidade pede socorro

SOS CORAÇÃO!

Alda M S Santos

Eclipses

ECLIPSES

Os eclipses encantam tanto do lado de lá

Que paramos sempre para observar

Lua entre Terra e Sol

Luz e sombra a nos fascinar

A olho nu ficamos do lado de cá

Ou nos telescópios a admirar…

Tantos eclipses acontecem em nós

Do lado de dentro, do lado de cá

Quando algo tapa nosso sol

Tudo escurece, vira breu

Mergulhados ali ficamos, tontos

Aguardando a vida girar

E devolver tudo para seu devido lugar

Para a gente de novo se aprumar…

Pós eclipse a vista arde

Pupilas dilatadas pela escuridão

Demoramos a recuperar a visão

Mas sabemos que nunca é tarde

Coração acelerado pela ansiedade

Aguarda a luz nos trazer de volta à realidade…

Alda M S Santos

Cercas

CERCAS

Há cercas de madeira ou de aço

Outras de concreto ou bambu

Mas as mais cerceadoras do mundo

São as feitas de medo, de tabu

Algumas delas basta uma serra para tombar

Outras precisam de uma talhadeira para quebrar

Mas as mais fáceis(?) de derrubar

São as que exigem o ato de amar

Amor quebra barreiras

Derruba grades, abre porteiras

É a arma mais forte do mundo

Mas só se encontra em coração fecundo…

Alda M S Santos

Equilíbrio

EQUILÍBRIO

É preciso força e equilíbrio

Para poder na vida se firmar

Não deixar a peteca cair

E ter aonde se apoiar

É preciso força e equilíbrio

Para confiar nos próprios passos

Não deixar ninguém para trás

E criar eternos laços

É preciso força e equilíbrio

Para manter pés assentados no chão

Ainda assim alto e longe voar

Pelas trilhas coloridas da imaginação

É preciso força e equilíbrio

Na mente, na alma, no coração

Para nunca deixar-se abater

Quando ferir fundo a emoção…

É preciso força e equilíbrio!

Alda M S Santos

A chave

A CHAVE

Uma porta, uma fechadura, uma chave

Inseriu, girou, abriu

Nem sempre é assim tão simples

Pode estar emperrada como nunca se viu…

Às vezes a chave não é aquela

A fechadura está enferrujada

Ou talvez te falte o jeitinho

Para enfrentar essa parada

Outras vezes a porta não está à vista

Exigirá muito tato e habilidade

A chave não é tão concreta

Mas feita de carinho e intimidade

Não há portas intransponíveis

Tampouco fechaduras invioláveis

O que nos falta é perícia e perseverança

Para torná-las acessíveis, maleáveis

Se a força bruta não adiantou

A chave também não serviu

Não adiantará de nada arrombar

Use o amor, seja doce, seja gentil

E pela porta poderá entrar e ficar…

Alda M S Santos

Assim somos feitos

ASSIM SOMOS FEITOS

Do barulho das gargalhadas de alegria

Do colo quentinho que doamos, pura magia

Da luz de cada olhar que o bem irradia

Do mel de um beijo de bom dia

Assim somos feitos…

De uma oração no tapete ajoelhados

Dos gritos de medo na garganta sufocados

Dos abraços na ponta dos pés, apertados

Do adormecer no travesseiro de lágrimas molhado

Assim somos feitos…

Do passado que ficou na saudade

Do hoje que se impõe sem piedade

Do amanhã que aguardamos com ansiedade

Do viver sempre em busca da felicidade

Assim somos feitos…

Alda M S Santos

Hoje rezei por você

HOJE REZEI POR VOCÊ

Hoje rezei por você

Como faço sempre há muito tempo

Pedi a Deus que o ilumine e proteja

Que não se deixe dominar por atitudes impensadas

Que não se entregue a vãs filosofias

Que honre sua história, seu passado

Que não decepcione os tantos filhos que de ti dependem

Hoje rezei por você

Pedi a Deus para não deixá-lo perder sua nobre grandeza

O espírito bondoso, solidário e camarada

A receptividade, o acolhimento, a capacidade de abraçar a todos

Ainda que não esteja tão bem

Hoje rezei por você

Sinto que anda precisando de orações mais do que nunca

Pedi a Deus para protegê-lo daqueles que querem te derrubar

Para mantê-lo na trajetória do bem

Para te entregar nas mãos daqueles que querem te fazer crescer

Sem ser preciso excluir ou retirar nada de ninguém

Hoje rezei por você

Porque quando você está bem

Eu também fico bem

E milhares de famílias ficam em paz e harmonia

Hoje rezei por você

Como faço há muito tempo

E continuarei para sempre a pedir a Deus

Que você, meu Brasil, não caia nas tentações do mal

Que resista e não se deixe abater ou dominar

Que esteja a salvo e proteja seus milhões de filhos brasileiros

Hoje rezei por você, Brasil, que amo! 🇧🇷

Alda M S Santos

Páginas arrancadas

PÁGINAS ARRANCADAS

No livro de sua vida

Há mais capítulos novos

Ou páginas arrancadas

Há mais histórias apagadas

Ou novas registradas

Há mais folhas já usadas a desprender, esquecer

Ou mais em branco, a escrever

Há mais partes bem romanceadas

Que carregam marcas calientes de batom

Ou há mais dor nas vidas dos outros roubadas

Há muitos trechos daqueles de gargalhada solta

Ou mais de lágrimas escorridas

Que é melhor manter escondidas

Há mais corações grudados

Ou trechos rabiscados

Há ilustrações emocionantes

Ou textos longos e fatigantes

A leitura é prazerosa, instigante

Ou cansativa, massante

A autoria é sua, compartilhada

Ou você a entregou de mão beijada

É uma história para na estante ficar esquecida

Ou lida, relida, revivida

Você recomendaria esse livro

Ainda que para si mesmo?

Alda M S Santos

Onde mais aprendes

ONDE MAIS APRENDES

Nos desertos ressequidos que atravessas

Na pele fina pelo sol castigada

Nos olhos irritadiços que poupas

Na alma de cansaço fustigada

É onde mais aprendes…

Nas negativas que recebes

Na busca incessante por descanso, por uma rede

Na chuva que não irriga seu solo interior

Nos oásis que não satisfazem sua sede

É onde mais aprendes…

Nas batalhas que já não queres lutar

No propósito de, ainda assim, seguir em frente

Nos medos que precisas enfrentar

Para com a vida não ser descrente

É onde mais aprendes…

Nas lembranças de tempos difíceis

Na força que te fez valente

Nas lutas que enfrentou, sobreviveu

No amor que se fez presente

Foi onde mais aprendeste…

Alda M S Santos

Deixa ir…

DEIXA IR…

Se faz mais mal que bem

Se não traz mais prazer

Se já é de outro alguém

É chegada a hora

Deixa ir…

Se sorrir é complicado

Se chorar agora é a lei

Se o tempo está mal aproveitado

É chegada a hora

Deixa ir…

Se não pode livre voar

Se as grades sufocam e apertam

Se perdeu a graça de brincar

É chegada a hora

Deixa ir…

Se as marcas são de frustração

Se pra viver não tem motivação

Se não encontra mais morada em seu coração

É chegada a hora

Deixa ir…

Mas se a angústia apertar de emoção

Se a saudade machucar o coração

E a alma não encontrar a razão

É chegada a hora

No retorno está a solução

Chame, grite

Deixe voltar…

Alda M S Santos

Um brinde

UM BRINDE

Ao sol que nos aquece toda manhã

À vida que nos permite sonhar com um amanhã

Aos caminhos que a nossa frente se descortinam

Às pedras que a refletir nos ensinam

Tim tim!

Às lágrimas que lavam nossa alma

Aos amigos que nos trazem a calma

Às janelas dos sorrisos que nos iluminam

Às belas flores que em nós germinam

Tim tim!

À noite que nos acolhe sedenta

Às estrelas que iluminam nossa vida, às vezes cinzenta

À esperança que em nós desperta

À vida, às vezes, tão incerta

Tim tim!

Ao amor que brota em nosso peito

À saudade que faz tudo ser perfeito

Ao trabalho que nos enobrece

E à diversão que o cansaço amortece

À vida!

Tim tim!

Alda M S Santos

No meio do caminho

NO MEIO DO CAMINHO

No meio do caminho

Tinha buracos, tinha espinhos

Tinha amigos, tinha amores

Tinha poeira, tinha carinhos

E tinha você…

No meio do caminho

Tinha pedras, tinha árvores

Tinha rampas, tinha escadas

Tinha trabalho, tinha preguiça

E tinha você …

No meio do caminho

Tinha aviso, tinha perigo

Tinha desamparo, tinha abrigo

Tinha gritos, tinha silêncio

E tinha você …

No meio do caminho

Tinha sol, tinha chuva

Tinha luz, tinha escuridão

Tinha desânimo, tinha perseverança

E tinha você…

No meio do caminho

Tinha dor, tinha ansiedade

Tinha sorrisos, tinha lágrimas

Tinha medos, tinha afinidade

E tinha você…

Mas no meio do caminho

Tinha o mundo todo perfeito

De belas escolhas recheado

Da saudade acompanhado

Mas era insignificante, pois não tinha você!

Qualquer caminho só será bonito

Se tiver você!

Valorize-se!

Alda M S Santos

Onda de quê?

ONDA DE QUÊ?

Onda de calor, quarenta graus, frente quente

Daquelas que sugam a energia da gente

Onda de frio, temperaturas baixas, frente gelada

Daquelas que nos fazem encolher na madrugada

Tanta onda que aparece por aí

Queria tanto saber quando chegará por aqui

A onda de amor, frente de bondade

Que é dessa que tanto precisa a humanidade

Onda de compaixão, um pouquinho de atenção

Que levanta alguém do chão, que acolhe o irmão

Onda de solidariedade, que atinge qualquer idade

Desperta a piedade, atiça a caridade

Onda de carinho, chegando de mansinho

Daquelas que matam a saudade

Que nos pegam e nos dão um colinho

E afastam qualquer maldade…

Quando a onda do amor irá nos abater?

Só queria saber…

Alda M S Santos

Na vida da gente

NA VIDA DA GENTE

Há gente de todo tipo na vida da gente

Gente com quem a gente ri, pura amizade

Gente com quem a gente briga, pura falsidade

Gente que a gente quer distante, falta reciprocidade

Gente que nos põe para baixo, pura maldade

Há gente de todo tipo na vida da gente

Gente que nos instiga a superar e afastar o pranto

Gente que nos abraça com o olhar, puro encanto

Gente que foi embora, por desencanto

Gente que veio para ficar, se fazendo nosso recanto

Há gente de todo tipo na vida da gente

Gente com quem a gente faz amor, pura sensualidade

Gente que está longe da gente, muita saudade

Gente que nos ama desse jeitinho, pura intimidade

Gente que faz melhor a vida da gente, pura felicidade…

Com tanta gente na vida da gente

Será que ainda falta mais gente?

Há gente de todo tipo na vida da gente…

Alda M S Santos

Timing

TIMING

Tão triste é perder

Aquele instante certo

A conexão que se dá

Nos momentos mais incertos

Quando Lua e Terra se alinham

Na imensidão do universo

Também por aqui há pessoas

Num eclipse que se traduz em versos

Vagam astros, estrelas e planetas

Em rotação ou translação

Todos têm o timing ideal

Ora são luz, ora escuridão

O timing entre humanos é mais complexo

Vagam num céu individual

Buscam sintonias sem nexo

Num viver que se pretende plural…

Alda M S Santos

Oceano

OCEANO

Ora calmo, ora tempestuoso

Leves ondas, ressaca brava, tormenta

Nossas vidas como oceano perigoso

Tem céu claro e também nebuloso

Ora teremos que fundo mergulhar

Ora precisaremos saltar

Noutras vezes o jeito é resistir, esperar

Só não podemos desistir, desanimar

Há piratas saqueadores a enfrentar

Mas também navios valentes a nos salvar

Muitas vezes na superfície boiar para não cansar

Ou apenas esperar e confiar

A calmaria passa, a tempestade também

O segredo está em aproveitar o que de bom cada uma tem

Porque sempre têm algo a nos dizer

É só chega do outro lado quem soube com o viver, aprender…

Alda M S Santos

Sorrisos

SORRISOS

Tão bom poder sorrir, escondendo a dor com coragem

E saber que por sorrir já estou na vantagem

Tão bom vencer os medos com um sorriso

E espantar os monstros sem qualquer aviso

Tão bom poder sorrir com alegria

Sem precisar disfarçar qualquer nostalgia

Tão bom despertar sorrisos de satisfação

E sentir que em nós pode estar a razão

Tão bom poder admirar seu lindo sorriso

E tantas vezes saber que sou dele o motivo

Tão bom sorrirmos juntos em harmonia

Vivendo em nós mesmos toda a fantasia

Sem medos ou receios, com ousadia

Encontrando em nosso viver toda a poesia…

Tão bom poder ser sorriso…

Alda M S Santos

Queria voar

QUERIA VOAR

Queria tanto voar…

Não a bordo de um avião

Ou dentro de máquina de aço qualquer

Queria bater minhas asas

Como águia, ou um gavião

Poder ir a qualquer canto

Onde não houvesse nenhum pranto

Queria tanto voar…

Lá do alto observar a tudo

Vista privilegiada desse mundão

Liberdade de ir e vir, sem prisão

E poder a quem precisar estender a mão

Queria tanto voar…

Mas sou um ser humano

A nós foram dadas outras habilidades

Podemos andar, pensar, falar, menos voar

Pensando bem, eu trocaria qualquer uma delas

Pela capacidade de subir, voar, plainar…

Queria tanto voar…

Já que isso não é possível

E confio no Senhor da Criação

Daqui fico curtindo e acenando

E voando apenas na imaginação…

Vamos voar?

Alda M S Santos

A cor da solidão

A COR DA SOLIDÃO

Solidão tem cor, tem cheiro, sabor

Solidão tem até som, talvez de cachoeira

E não é sempre cinza, pode até ser prata

Tampouco é silêncio total, às vezes é musical

A solidão tem a cor que a gente pinta

O cheiro que a gente guarda

O som que toca dentro da gente

Solidão é estado de espera

Solidão pode até ser barulhenta

Tocar uma música suave

Pode ter cheiro de saudade

E ser da cor verde ou magenta

Solidão é a vida que não desistiu

Que não quer mais tanta gente

Fica com quem quis, persistiu

Que resolveu morar mais dentro da gente…

A cor da solidão é a cor que nosso amor-próprio pinta…

Alda M S Santos

Rascunhos

RASCUNHOS

Não há borrachas, tampouco corretivos

Não dá para apagar ou descartar

Não escrevemos nossa história a lápis

A vida é pintada à tinta

Com as cores que escolhemos

Direto na tela final

Não dá para viver de ensaio

Não dá para ficar rascunhando

A vida é um espetáculo ao vivo

Não se pode parar, retornar

Ou ficar aguardando boa luz

Essa obra-prima é original, única versão

É sempre uma finalização

Não faça rascunhos, não viva de esboços

Talvez não haja tempo para passar a limpo…

Alda M S Santos

Um pé e um coração fraturados…

UM PÉ E UM CORAÇÃO FRATURADOS …

Um pé quebrado, machucado

Pé engessado, pé fraturado

Dói muito, dor aguda, dor sofrida

Uma muleta, uns saltos, uns cuidados

Em dois meses logo está curado

E basta umas sessões de fisioterapia

Para poder voltar pra lida

Coração machucado, magoado

Dói tanto, dor que não tem nome, peito apertado

Desilusão que não tem remédio

O mundo parece feio, acabado

Que fazer para acabar com esse mal, esse tédio?

Sensação de que tudo foi em vão

Tristeza que atinge a alma

Dor que vem da profunda decepção

Que se pode fazer para retomar de novo a calma?

Será que se engessado, em repouso colocado

E com umas sessões de psicoterapia

O coração estará pronto para de novo ser amado

E reencontrar de novo a alegria?

Dar tempo ao tempo, não se culpar

Deixá-lo alegrias viver

Ter fé, confiar em si mesmo, se amar

E nunca da vida se esconder

Assim se cura um coração magoado

Afinal, perdeu foi quem não soube ser amado…

Alda M S Santos

De volta para casa

DE VOLTA PARA CASA

Quero pegar o caminho mais gostoso

Nem sempre flores, tantas vezes pedregoso

Quero pegar um atalho que me leve ao que amo

Àquilo que nunca deixou de existir

Quero pegar o caminho de volta para casa

Quero pegar o caminho do qual me afastei

Em busca daquilo que estava tão perto

Quero pegar o caminho que tão bem conheço

Que poderia perfazer de olhos fechados até aqui

Quero pegar o caminho de volta para casa

Quero pegar o caminho que me leve até mim

Aquela que outros caminhos percorreu

Voltas e voltas que deu para chegar cansada, voltar crescida

Quero pegar o caminho de volta para casa

Aquela que sempre esteve aqui

Que sabe o que quer e habita em mim

E logo percebi que todos os caminhos, afinal,

Eram necessários para me trazer de volta para casa

Para me trazer de volta para mim …

Oi! Voltei! Senti saudades!

Alda M S Santos

Eu me rendo

EU ME RENDO

Um friozinho da manhã

A relva toda molhada de orvalho

Um passeio a cavalo

O sol brilhando atrás da serra

Eu me rendo…

Pássaros cantando, bois mugindo

Cachorros brincando, patos nadando

A vida acontecendo

Eu me rendo…

Uma tarde preguiçosa

A rede na varanda

Todos parecem aboletados em algum canto

Uma soneca relaxante, aroma de café

Eu me rendo…

A noite chegando

A escuridão abraçando todos os espaços

Todos buscando abrigo

A lua reinando no céu

Gatos namorando em cima do telhado

E a gente cá embaixo

Eu me rendo…

A vida acontecendo lá fora

A vida acontecendo cá dentro

Eu me rendo…

Alda M S Santos

Um colinho

UM COLINHO

Tantas vezes tudo que precisamos

É de um pouquinho de atenção

Cuidado, carinho e delicadeza

E um colinho não faz mal não…

Se a dor é no corpo, um colinho neutraliza

Se a dor é no coração, um colinho cicatriza

Se a dor é na mente, um colinho exorciza

Se a dor é de saudade, um colinho ameniza

Mas se a dor não tem nome,

E corpo e alma dela padecem

Não tem jeito não

De um colinho ela carece…

Alda M S Santos

Luz e sombra

LUZ E SOMBRA

Ora luz, ora sombra

Ora claridade, ora escuridão

E ali ficamos nós buscando equilíbrio

Entre a liberdade e a prisão

Entre luzes e sombras

Procuramos um caminho enxergar

Um passo após o outro

A trilha que irá nos acalmar

Fechamos e abrimos os olhos

Para com a penumbra nos acostumar

Inspira, expira, relaxa

Para a paz poder reinar…

Alda M S Santos

Um banho de Lua

UM BANHO DE LUA

Fechei os olhos na quente e escura noite

Natureza rica, água refrescante

Apenas sentindo o brilho da Lua

Banhar meu corpo provocante

Em suaves versos ela me envolve

Busca encantar-me com sua poesia

Leva-me para outra galáxia

Num mundo mágico de quase heresia

Já ali entregue, quase rendida

Nessa doce troca, sem medida

Sou puro amor, por ela absorvida

Já não quero mais nada desse mundo

Já nada mais preciso dessa vida…

Alda M S Santos

Sob o luar

SOB O LUAR

Sob a luz intensa do luar

Quero relaxar, me entregar

A um banho quente, envolvente

Que afaste tudo da mente

Exceto o prazer de ser gente

Quero um banho de Lua!

Sob a beleza da Lua

Por uma noite sem fim, sem pudor

Ou por toda a vida, de alma despida

Poder sem medo me abrir, me expor

Preciso de um banho de Lua!

Sob o poder e encanto da Lua

Deixar tocar e brilhar em mim

Raios de amor, gotas de poesia

Da pele suave à alma nua

Pura magia…

Quero um banho de poesia!

Embriagada de poesia ao luar

Mergulhada na ânsia de amar

Um nostálgico desejo me faz te chamar

Não quer comigo também se banhar

No mar, sob o luar?

Precisamos nos banhar

De lua

De poesia

De amor…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: