Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Como rosa

COMO ROSA

Como uma rosa quero receber feliz a chuva da madrugada

E amanhecer viçosa e alegre mais uma alvorada

Como rosa quero me aquecer ao sol agradecida

E exalar para todos meu perfume intenso, bem colorida

Como rosa que atrai borboletas e joaninhas para se alegrar

Quero encantar quem de mim se agradar

Como rosa quero de intrusos me proteger

Se preciso, usar meus espinhos para me defender

Como rosa quero estar entre flores num jardim

Ou nas mãos de alguém apaixonado, a fim, enfim…

Como rosa quero cor, perfume, delicadeza, intensidade

Ser prazer e alegria nesse mundo cheio de maldade

Como rosa quero carinho, amor, presença e cuidado

De um jardineiro que sabe o que faz, apaixonante, apaixonado

Como rosa quero deixar doçura numa alma impregnada

Quando minhas pétalas forem adubo na terra molhada

Alda M S Santos

Ame!

AME!

Simplesmente sentar num banco num canto

Com alguém, como um anjo, desabafar o pranto

A vista no horizonte do intenso e belo mar

Brincar, cantar, falar, ouvir, sorrir, chorar

Apenas um tempo sem medos, sem solidão

Encontrando ali apoio, paz, um abraço irmão

Estamos todos na caixa de achados e perdidos por aqui

Até ser encontrado por quem saiba pra onde ir

A humanidade busca se encontrar

Mas o mapa não aponta bem o lugar

Passamos pelo outro para a nós mesmos chegar

“Ame a teu próximo como a si mesmo”

Não precisa sair andando a esmo

Muitas vezes o próximo a ser amado é você mesmo…

Alda M S Santos

Um lugar

UM LUGAR

Se fecharmos nossos olhos podemos ir a qualquer lugar

Para o friozinho na Serra numa fogueira esquentar

Ou ver o pôr do sol tropical numa tarde à beira-mar

Se fecharmos nossos olhos podemos fazer o mundo girar

Ser atraídos pela Lua e juntos até ela poder viajar

Deitar tranquilamente em seu quarto crescente e namorar

Se fecharmos os olhos podemos a vida inteira mudar

Quando de mala e cuia formos um coração habitar

E fazer dali a morada mais linda desse lugar

Se fecharmos os olhos podemos nossa alma desnudar

Torná-la intensa, pura, pronta a se completar

Aí já poderemos nossa missão por aqui finalizar…

Alda M S Santos

Fadinha encantada

FADINHA ENCANTADA

Quisera ter alma limpa e purificada,

Muita leveza no gesto e no escrever

Certeira e destra em minha alçada,

Sempre amando a Natureza e o ser.

Quisera ser uma mágica fadinha,

Linda, sonhada, doce e bem amada,

De repente, de anjo à bruxinha,

Sendo mais que encantada, abençoada

Esta é a fadinha que eu sonho ser,

Em minhas poesias, que brinco, gracejo,

Quero levar luz, amor, beijos e desejo

E viva a fadinha purificada, sempre bem acompanhada

De poetas, bruxos, feiticeiras amadas

É a fadinha, aquela que sonho e parece encantada

Alda M S Santos

Adivinhação

ADIVINHAÇÃO

Sonhei que tinha acordado com o poder de adivinhar

Bastava olhar alguém e sua alma podia enxergar

Rapidinho percebia de quem poderia gostar

Ou no coração de quem eu já tinha bom lugar

Para uns eu olhava e dava vontade de chorar

De outros eu queria apenas me distanciar

Havia aqueles que queria muito abraçar e beijar

E outros, tão ternos, o que fazer melhor nem contar

Parecia coisa boa ter poder de adivinhação

Saber de longe o que se passa em um coração

Mas, afinal, não é assim grande coisa, não

Só valeria a pena se a adivinhação

Viesse acompanhada com poder de ação

Aquela que no coração do outro faz transformação

Alda M S Santos

Humanidade

HUMANIDADE

Uma juventude que morre, que mata

Que luta, que busca, que se maltrata

Que se perde e não mais se acha

Que podemos fazer nesse viver cheio de racha?

Um mundo cheio de ofertas

Daquelas bem enganadoras

Será que dá para estarmos alertas

E escolhermos uma mais pacificadora?

Uma terra fértil, uma semente boa

Regada com carinho, de afeto adubada, não será à toa

Crescerá alma de luz, de amor em pessoa

Uns cuidando dos outros, estamos todos nessa nau

Respondemos pelo bem ou pelo mal em busca do paraíso afinal

Amar, cuidar, tratar para um mundo menos desigual…

Alda M S Santos

Banhos

BANHOS

Se existe algo bom é poder banhar

Banho de sol, lua, cachoeira ou mar

Não há pressa, melhor ir bem devagar

Banho de sol bronzeia, amolece

Banho de lua acalma, aquece

Banho de mar é forte, amortece

Banho de cachoeira é intenso, instigante

Água fria, desperta, é estimulante

Para o amor é parceria constante

Lua, sol, mar ou cachoeira

Leve contigo uma alma bem faceira

Seja feliz, aproveite a brincadeira

Lua, sol, mar ou cachoeira

Banhe-se, apaixone-se, não dê bobeira

É amor de verdade, para a vida inteira…

Alda M S Santos

Espaço aéreo

ESPAÇO AÉREO

No céu das possibilidades é possível voar

Um voo solo ou acompanhado

Traçar planos de voo, rota

Ou simplesmente seguir despreocupado

No céu das possibilidades a vista é linda

Aquela pensada, imaginada, sonhada

Não há limites, não há medos ou sanções

O voo é pacífico, não há luta armada

Nesse espaço aéreo nunca me perco de mim

Naquela atitude tudo parece tão claro

O que quero, posso, desejo são perguntas ao mesmo sim

No céu das possibilidades voo devagar

Não há pressa, não há destino a alcançar

Largada e chegada são apenas pontos do mesmo viajar…

Alda M S Santos

Vivendo do mar

VIVENDO DO MAR

Para uns a diversão, lazer, contemplação

Para outros o trabalho, a lida, o ganha-pão

Seja no pescado em alto-mar

Ou nas atividades à beira-mar

Muitos fazem dali seu dia a dia, seu lugar

Nativos já conhecem sua impar linguagem

Quando está bravo, de ressaca, qual sua mensagem

Quando a maré vai subir ou baixar

Se vai chover ou o quanto irá ventar

Sabem direitinho até onde se pode brincar

Respeitam a natureza, de onde vem seu sustento

A pele já castigada pelo sol, são gratos a todo momento

Turistas vêm para passear, conhecer, se apaixonar

Pela cultura, encantos naturais, querem fundo mergulhar

Se gostarem certamente irão voltar

Talvez até venham a fazer dali o seu novo lar

Bom mesmo é que nativos e turistas

Saibam cuidar, amar, preservar

Esses maravilhosos encantos que a Criação veio nos presentear…

Alda M S Santos

Quem sou?

QUEM SOU?

Sou o amor, o carinho, os erros e acertos

Sou a risada, a lágrima, as dores, os consertos

Sou aqueles a quem tenho apreço

Sou bondade, solidariedade, preguiça ou animação

Sou beijo, sorriso, abraço de montão

Sou a marca da paixão que deixo em seu coração

Sou fada, sou bruxa em noite de luar

Sou a magia, a poesia que há em cada olhar

Sou porção de Deus por aqui a passar

Sou a noite, o dia, o Sol e a Lua

Sou família, sou amigos, sou vento, tempestade crua

Sou eu, natureza, clareza, de alma nua…

Alda M S Santos

O barco do tempo

O BARCO DO TEMPO

Tão longo, tão curto, tão fugaz

Independente de nós o barco está passando

Inertes, estacionados ou correndo atrás

O tempo vamos curtindo, significando

Queremos espichá-lo quando há prazer

Encurtá-lo quando nos faz sofrer

Talvez até dar um bom replay

Pausar, voltar, avançar, atracar, não sei

Aqui é diferente do lado de lá do horizonte

Uma vida inteira aqui lá é um piscar

Mas não podemos escolher onde ficar

Melhor aceitar e aproveitar esse presente

Tão abstrato, ilusório, nada linear

E pra menos errar, procuremos mais amar

Alda M S Santos

A morte

A MORTE

Sempre parecerá mórbido falar de morte

Enquanto ela for vista como um fim, uma punição

O desconhecimento do porvir causa apreensão

Quando o legado que se tem não traz satisfação

É preciso saber viver, diz a canção

E isso inclui também saber morrer

Ainda que machuque o coração

É a única certeza nesse mundão

Aprender, crescer, encarar tudo como lição

Captar tudo que ela puder nos ensinar

E aproveitar esse momento para evolução

Aceitar a morte como transição

Deve fazer parte de nosso caminhar

Para uma vida que continua noutro lugar

Alda M S Santos

Pegadas

PEGADAS

Se daqui a um século

Tudo que existir de você

For aquilo que deixou registrado

Em palavras, versos quase apagados

Se seguissem suas pegadas

Aquelas impressas, leves ou pesadas

Conseguiriam ao menos de você fazer um esboço?

Em tudo que compôs, escreveu

Que iria sobressair como seu?

Paz, esperança, amor, tranquilidade

Medos, lutas, persistência, coragem, solidariedade

Qual seria seu retrato, seu moço?

Não é preciso um grande feito para se eternizar

Vários pequenos feitos também têm seu lugar

Suas pegadas, poetas, são suficientes

Para seu presente no futuro te eternizar?

Alda M S Santos

Não sei

NÃO SEI

Não sei em qual parte do caminho eu estou

Sei que o que vivi já é bem mais do que restou

Quantativa ou qualitativamente

Não dá para saber acertadamente

Sei que por muito já passei, alegrias vivenciei

Trouxe vidas ao mundo, trabalhei, magoei, amei

Já ganhei, perdi, tive momento frustrante

Já fui amada, necessária, importante

Não sei se cumpri o script a mim designado

Se fiz ao menos boa parte do combinado

Ou se ficarei devendo algo para momento mais afortunado

Uma coisa afirmo com toda certeza, eu me entreguei

Sou humana, errei, acertei, desanimei, continuei

Mas em tudo dedicação e amor coloquei, nisso não falhei

Alda M S Santos

Efeito borboleta

EFEITO BORBOLETA

Tanto ela passou para chegar até ali

Colorida, brilhante, linda, intensa

Livre, leve, voando e a tantos encantando

Quase pareceu morrer, se desfazer

Apertos, insegurança, luz e escuridão

Tempo de se recolher e esperar pela transformação

Em muitos momentos de dor e solidão

Chorou, sorriu, insistiu, não desistiu, acreditou

No valor da vida, no poder do amor, da criação

Precisou ser força quando a fragilidade queria reinar

Ser coragem onde o medo queria imperar

Ser luz onde a escuridão não deixava lugar

E, metamorfoseando-se, de lagarta à borboleta

De prisão à liberdade, de menina à mulher

Ei-las ali, lutando por sua melhor faceta!

Alda M S Santos

Poetas

POETAS

Todo poeta é adepto de um pouco de solidão

Pois é desses momentos que brota a inspiração

Mergulhamos em densa ou suave conversação

Vamos para um cantinho de nós mesmos em reflexão

Somos nós, poetas, uma espécie ruminante da criação

Tudo ingerido, ruminamos, fazemos a “digestão”

Num canto, acompanhados pela nossa imaginação

Usamos o amor que trazemos em nosso coração

Criamos prosas, versos, nossa mais íntima exibição

Daquilo que em nós extravasa, e é muita emoção

Não dá para guardar, não fazemos estoque, não

Se você viu um poeta em momento introspecção

Talvez ele te ignore ou não te dê muita atenção

Mais saiba, não é descaso, é a arte da criação

Alda M S Santos

Lendo a minha mão

LENDO A MINHA MÃO

A cigana quis ler a minha mão

Antes, porém, me pediu autorização

Ela olhou-me nos olhos, confiei

Seu olhar transmitia sabedoria, acreditei

Um pouco ansiosa, meio tensa, aguardei

Ela olhava minha mão, passava os dedos nas linhas

Olhou de novo em meu rosto, suspirei

Que será que ela tanto via que a detinha?

Disse que eu era firme em meus propósitos

Sabia bem o que queria ou não

E quando amava, amava de montão

Até aí estava tudo certo, então

Vais passar por mudança, perrengue sério

Não dá ainda para saber qual é o mistério

Mas depende só de você saber lidar com tal revertério

Assustei, preocupei, medrei, na oração busquei refrigério

Alda M S Santos

Mar ou cachoeira?

MAR OU CACHOEIRA?

O mar é tão bom de se olhar

Águas mornas, convidativas, doce balanço

Vista infinita, atiça a imaginação mais bonita

Carrega em si muita poesia

Impossível resistir a sua magia

A cachoeira é puro mistério, águas geladas

Matas densas e encantadas

Morada das lendas, ogros, magos e fadas

Pássaros que cantam e bichos na madrugada

Um lugar que atrai, encanta e deixa a alma embriagada

Uma vez cachoeira, pessoa enfeitiçada

Uma vez mar, não dá para não voltar!

Mar ou cachoeira?

De alma aberta sou mais cachoeira

Mas nada me afastaria também do mar

Num lindo pôr do sol, sou bem praieira…

Mar ou cachoeira?

Alda M S Santos

Vestida de luar

VESTIDA DE LUAR

Na madrugada, como quem não quer nada

Ela apareceu para me avisar

Caminhava e brincava à beira-mar

Chutava as águas, corria e voltava, girava

Não sossegava no mesmo lugar

Dizia a bruxinha que não parava de falar

Não se preocupe, tenha fé, tudo vai melhorar

Quando o sol raiar a bruxinha não poderá ficar

Mas não fique triste, o mundo é de quem persiste

Siga com amor, faça seu caminho

Leve alguém sempre, com carinho

E se pensar em desistir, lembre-se

Voce não pode abraçar o mundo

Mas prometeu não deixar ninguém para trás

Quando quiser, chame, estou aqui

Estou em você, você em mim

Na noite escura ou de luar

Se precisar, é só chamar…

E foi embora sobre as águas do mar…

Alda M S Santos

Mundo encantado

MUNDO ENCANTADO

À beira-mar ela segue seu caminhar

Cabelos ao vento, onda que é música no pensamento

Nada há melhor ali que na areia andar descalça

Sol que aquece, que é luz, que abraça

Segue chutando as águas, maré baixa, praia vazia

Parece outro mundo, foi transportada, pura magia

Quer seguir caminhando, nunca parar

Será onde depois da curva vai dar?

O desejo é de apenas seguir em frente

Afastar qualquer angústia ou medo da mente

Ir até um mundo encantado, magicamente habitado

Fadas, bruxas, duendes, sereias, anjos, enfim

Que digam “tá tudo bem, venha para junto de mim”

E ali eu me sentiria voltando para casa

Finalmente, sentaria e descansaria as asas…

Quer ir comigo?

Alda M S Santos

Lua e Sol

LUA E SOL

Vi tanto o Sol esses dias

Ele tanto iluminou e aqueceu

Mas a Lua não apareceu…

Não deu o ar de sua graça

Não foi vista no céu, no horizonte

Nem pelos namorados na praça, aos montes

Mesmo assim ela agiu todo o tempo

Nós a sentimos na maré, na velocidade dos ventos

Interferindo ativamente nas pessoas, nos sentimentos

Tanto tomei banho de Sol

Mas senti falta do banho de Lua

Estava numa fase de repouso, recolhimento

Nome tão sugestivo: Lua Nova

Será que sai da fase escura rejuvenescida

Mudada, mais forte, reabastecida?

Somos assim, pessoas de várias fases

Talvez menos certos de cada uma na consciência

Mas sabedores de sua importância e influência

Quero da Lua Nova a reflexão e inovação

E da Lua Cheia a magia, euforia, animação

Mas da Lua em qualquer fase quero lenda, amor e paixão

Alda M S Santos

Mudanças

MUDANÇAS

De nada adianta negar, fugir ou temer

As mudanças sempre irão acontecer

Na natureza, no espaço, dentro do ser

Felizmente isso faz parte do viver

A Lua, o vento, as marés são grandes agentes de mudanças

Derrubam, constroem e destroem em suas andanças

Formam dunas de areia, unem ou separam localidades

E atingem a todos nós em qualquer idade

Bom mesmo quando decidimos o que mudar

Ou o que devemos não mais aceitar, permitir

O que vale a pena manter, investir

Ir fundo em nós mesmos, crescer, evoluir

Somos um barco e não devemos ficar à deriva

Assumir o controle para onde ir é essencial

Essa é a mudança mais importante, fundamental

Um ser que muda a si mesmo faz do mundo um lugar bem especial

Alda M S Santos

Sol

SOL

Ele nos dá a mais preciosa das lições todos os dias

Como ele, a vida se faz de ciclos, vai e vem

De repouso e atividade, claro e escuro

Frio e calor, companhia e solidão

Mas enquanto durar cada fase, precisamos aproveitar

Nada é tão contínuo ou ininterrupto

As interrupções precisam também ser aproveitadas

As mais belas e valiosas coisas da vida são gratuitas

E as despedidas não precisam ser tristes

Nem sempre significam o fim, um adeus

Podem ser apenas um até breve

Vale a vida que viveu, o amor que se fez

E se hoje não foi tão bom, amanhã é um novo dia

E novamente ele estará por aqui

Sempre disposto a gerar vida e calor

Nos permitir mais um dia para amar e acolher

Pois só assim vale a pena viver…

Alda M S Santos

Se um dia…

SE UM DIA…

Se um dia eu voltar aqui

Quero ter poder de escolha

Onde nascer, com quem conviver

E aqueles com quem partilhar o amor

Não me importo em ter que lidar com a dor

Se puder ser acolhida, acolher, levar um pouco de calor

Quero poder estar perto, ser parte da natureza

Poder me extasiar com sua beleza

Quero me embriagar de magia

Viver entre poetas, ser a poesia

Se possível, estar na mata ou perto do mar…

A única riqueza que faço questão

É a de trazer bons sentimentos no coração

Não preciso de luxo ou ostentação

Troco tudo pela paz e o abraço de um irmão

De gente bonita de alma e amigos do coração

Quero nem muito pedir

Quero ser apenas gratidão

E ter vocês nessa vida de evolução…

Alda M S Santos

Abraço acochado

ABRAÇO ACOCHADO

-Por que aqui é a cidade do abraço?-pergunto

-Ah, porque a cidade acolhe e abraça- logo dizem

A todos que aqui chegam, com graça- completam

Isso parece bom mesmo!

E alguém aí sabe dizer o que é um abraço acochado?

Conheço muito de abraços

Grudados, grátis, na pontinha dos pés, amassados

Com ternura e cuidado, interessado

Com beijinhos e palavras de carinho

Mas esse acochado ainda não sei definir qual é!

Seria debaixo da colcha, que envolvem as coxas?

Acho que vou perguntar!

Afinal, sou mineira numa terra de cearenses

Alguém aqui há de saber me dizer!

-Abraço acochado? Onde tu viu isso?- pergunta sorrindo o bugueiro.

-Pra todo lado, uai! O que é?

– Ah, é um abraço muito apertado de quebrar as costelas.

Aprendi mais uma na cidade dos abraços: abraço acochado!

Alguém aí gosta?

Alda M S Santos

Paraíso

PARAÍSO

Tudo que é bom, que queremos bem definir

Nós chamamos de paraíso

Um lugar lindo e tranquilo é paraíso

Um local chique e sofisticado é paraíso

Um cantinho simples e mágico é paraíso

Um viver de respeito e carinho é paraíso

Um trabalho que nos agrada é paraíso

Um ambiente almejado, que acalma, é paraíso

Boas e verdadeiras amizades são paraíso

Um alguém que aquece e acelera o coração é paraíso

Relações saudáveis e amorosas levam ao paraíso

Boas lembranças, saudades, esperanças, são paraíso

Paraíso pode ser diferente para um ou para outro

Mas sempre irá remeter a um local ou situação sem problemas

Onde reinam a paz, o amor, a bem-aventurança

Aqui é lindo, sofisticado, a Lagoa Paraíso

Mas quantos paraísos temos no dia a dia

E sequer demos conta?

Quantos paraísos diários ignoramos?

Quando você se sente num paraíso?

Alda M S Santos

Poetizando

POETIZANDO

Poetizar: ato ou efeito de transformar em versos

Aquilo que não sai da mente, da alma

Que é forte, intenso, pura emoção

Que machuca ou alegra, que aperta o coração

Poetizar é um modo de verbalizar

Aquilo que está intenso, que precisa extravasar

Que em versos rimados vai se transformar

Para o poeta não se sentir sufocar

Poetizar é dividir com o outro o que parece tormento

É lançar ao vento, ao tempo, a todo momento

Uma gama colorida e enorme de sentimento

Poetizar é se tratar, se auto-analisar

É buscar no outro um alguém para encantar

Se alegrar, se curar, se amar…

Alda M S Santos

O Chiado do amor

O CHIADO DO AMOR

Um maravilhoso pôr do sol se iniciava e ele começou:

-“Um dia o sol se apaixonou pelas águas do mar,

Elas eram tão lindas, refrescantes, de um azul tão intenso

Que ele não foi capaz de resistir”…

-…”As águas do mar sentiram os braços longos e quentes do sol

Durante todo o dia a acariciá-la e acabou por corresponder àquele amor”- ela continuou.

-“Porém, era um amor impossível, tão diferentes! Tão distantes!

Era inconcebível que ficassem juntos!”- ambos disseram.

-“Mas não conheciam a força e poder do amor, daqueles que queriam realmente ficar juntos.

Para poder ter o prazer de se encontrar com as águas do mar, o sol todas as tardes

Descia devagarzinho e deixava-se morrer para o mundo, por uma noite inteira,

Para ter o prazer de mergulhar e viver abraçado àquelas águas tão queridas”!

-“Por isso o pôr do sol é o símbolo dos casais apaixonados.

Dizem que casais que se amam de verdade são capazes de

Ouvir o chiado de prazer do sol ao tocar o mar quando se põe.”

– Isso é sintonia. Muitos casais possuem, mesmo de longe. Pena que hoje morrer de amor e matar por amor tenham uma conotação tão ruim!

-Isso porque o que chamam de amor pode ser tudo, menos amor!

E aquele casal que repetia esse ritual há quase 60 anos,

Levantou-se daquele banco à beira-mar e saiu de mãos dadas.

O sol começava a se encostar nas águas do mar e eles, sorrindo,

Ouviram: ttttssssssss, o chiado do amor!

Alda M S Santos

Espinhos

ESPINHOS

Eles sempre vão existir

Fazem parte da vida, da natureza

Com os espinhos vamos aprendendo

A curtir o que há de encanto, de beleza

Não adianta deles fugir

Sempre estarão por aqui

Estamos de passagem por essa nau

E devemos descobrir o bom em cada mau

Bom é enxergar a luz em cada ponto de escuridão

A pétala macia em cada espinho que machuca a mão

O amor que se esconde em cada coração

Somos privilegiados, abençoados

Tudo isso nos foi doado, presenteado

Não há mal que não possa ser remediado

Alda M S Santos

Confiança

CONFIANÇA

A confiança funciona assim:

Primeiro você olha, observa

Olha de novo

Se aproxima, não resiste

Tem medo, insiste

Vai assim mesmo

Olha nos olhos

Vai chegando devagar

Um pé, outro pé

Uma asa que bate meio insegura

Mais uns pulinhos

Quando vê já está perto

Está dentro, está entregue

Está nas mãos, no coração

Assim funciona a confiança

Assim funciona o amor

E fica para sempre…

Alda M S Santos

Vamos brincar?

VAMOS BRINCAR?

Eu digo “BARCO”

E expressões e palavras vamos associar

Vamos ver quem mais diz, sem errar?

Não vale parar, não vale pensar

O que vier à mente tem que verbalizar

Assim, num dueto uma história vamos montar

Vamos lá? Barco!

Peixe, pescador, alto-mar

Madrugada, ganha-pão ao Luar

Anzol, isca, rede, no intenso balançar

Uma moça, pureza, uma sereia a cantar

Sensualidade, beleza, nas águas a brilhar

Pescador encantado pula ao mar

De pescador a peixe ele vai virar

Não mais se importa, a sereia quer pegar

E ela, meio mulher, meio peixe, um amor quer encontrar

Uma canção envolvente, um pescador carente

Uma sereia bela, solitária, de alma quente

Um amor se faz presente em dois corações a se apaixonar

Corpos se fundem, almas se confundem

E voltam para o barco sob a Lua, a balançar, a avançar

O sol já vai nascer, a sereia pode perecer

Quer levá-la para a areia ao amanhecer

Pescador já pensa na saudade, no sofrer

Pescador volta a remar, a vida enfrentar

Nada pescou, pescador, pecador?

Sim, pesquei o amor…

E todas as madrugadas volta o pescador

Em busca da sereia, de seu canto, seu corpo, seu amor…

Quem ganhou?

O barco, a sereia, o pescador, o amor…

Alda M S Santos

A fome

A FOME

Que sabemos da fome

Aquela que leva alguém

A subtrair algo de outro alguém

Qualquer coisa que sacie o apetite voraz

Que preencha o vazio contumaz

E que já faz qualquer coisa, tanto faz?

Que sabemos dessa fome?

Um almoço, baião de dois, peixe assado

Salada, farofa, prato enfeitado

Ela passa, vende bijuterias, meia idade

Digo: não, obrigada, sorrio, ela sem qualquer vaidade

Vejo que seus olhos estavam na refeição

Volta, pergunta sem qualquer senão

Vocês não comem a cabeça, não?

Podem me dar quando acabar, então?

A ela entregamos boa parte da comida

Senta-se atrás da gente e come, esquece a partida

Ficamos a observar a mulher desnutrida

Que, satisfeita, enchia sua barriga

Olhava pra gente, sorria, agradecida

Não causei essa fome, não tirei nada de ninguém

Não sou governante, mas sou humana

Enquanto houver outro humano com fome

Sou responsável!

Que conhecemos dessa fome?

Alda M S Santos

Nossa pequenez

NOSSA PEQUENEZ

Diante da grandiosidade da natureza

E hipnotizados frente a tanta beleza

Não há como não sentir

Como somos tão pequenos por aqui

Somos nada mais que um grão de areia

Apenas um fio nessa grande teia

Força natural que impressiona

Que nos leva para frente, nos impulsiona

Mesmo sendo tão pequenos

Podemos por aqui atuar, amar

Escolher entre destruir, cuidar, preservar

Somos a porção de vida racional

A brincar como em nosso quintal

Respondemos por essa parte do espaço natural

Alda M S Santos

A língua do amor

A LÍNGUA DO AMOR

A linguagem do amor é universal

Pode ser sintonizada em qualquer canal

Sempre será falada e entendida

Pelos mais necessitados, gente sofrida

Ela grita no silêncio das carências

Ela se cala na angústia das dependências

Ela se aninha no carinho do acolhimento

Ela se faz entender em cada sofrimento

Abraço fala, beijo fala, colo fala

Falam a linguagem dos anjos, do amor

Todos aqueles que sabem acalentar uma dor

Linguagem inata, mas que pode também ser aprendida

Por toda uma geração tão perdida

Que não encontra em ninguém uma guarida

Alda M S Santos

Como tudo começou …

COMO TUDO COMEÇOU…

Não há ninguém no colo

Tampouco na poltrona da frente ou de trás

Ninguém para eu me preocupar se está bem

Se tem fome, sede, sono ou medo

Se precisarei segurar a mão

Deixar que fique na janela pra apreciar a vista

Negociar os desejos e vontades

Apartar brigas e incentivar a parceria

Parece que a vida deu uma volta quase completa

E retornou ao começo…

Há pouco tempo eles caminhavam conosco

Os sonhos e planos eram similares aos nossos

O ponto de partida e chegada eram os mesmos

Ainda dependiam de nós…

Hoje já fazem seus próprios voos

Solo ou com novas companhias

Felizmente? Certamente!

Pode não ter sido o suficiente

Mas foram abastecidos do que tínhamos de melhor

Acrescentaram o que oferecemos ao que já possuíam

Já podem voar sozinhos, alcançarão novos ares

Conquistarão seus próprios espaços

Farão seus próprios ninhos

Mas por que parece tão estranho?

Por que ainda sentimos um vazio

A sensação de que está faltando alguém?

Precisamos reaprender a viver sozinhos

A viver com o círculo quase se fechando

Início e fim se aproximando

Que acontece quando a volta se completa?

Termina ou recomeça?

Já que não temos acesso a essa informação

Precisamos seguir voando

Mesmo com as asas já gastas, alcançando novos ares

Confiando que tudo acabará como tem que ser

Que esse plano de voo já foi feito noutra dimensão…

Boa viagem a todos os tripulantes e passageiros

Sozinhos ou acompanhados, isso é só um detalhe

Sempre voarão conosco em nossas mentes

Eternamente em nossos corações e orações…

Alda M S Santos

Revelação

REVELAÇÃO

Um dia iremos acordar

Abrir não só os olhos para o dia

Abrir a alma para realmente despertar

Ser luz, paz, o amor que a todos contagia

Nesse dia tudo irá fazer sentido

Tudo que por aqui foi sofrido

Os percalços, as companhias, a solidão

Os momentos em que ouvimos um não

Quando esse dia de revelação chegar

Ou a gente irá chorar ou muito se alegrar

Pelo tempo que soubemos usar ou desperdiçar

Quiséramos nada ter a lamentar

Poder apenas agradecer, abraçar

E, feliz, ter a certeza que valeu a pena amar

Alda M S Santos

Um coração de cada vez

UM CORAÇÃO DE CADA VEZ

Se quisermos mudar o mundo

Devemos começar bem devagar

De pouco em pouco, um coração de cada vez

Não adianta querer apressar

Um coração de cada vez

Oferecemos carinho, tempo, dedicação

Logo não haverá de amor, escassez

Se para com cada um tivermos atenção

De nada adianta vestir o corpo

Pouco vale oferecer o pão

Nossa carência maior alimentar a alma

Uma delicadeza para o coração

Coração bem tratado, bem curado

Espalha amor de montão

E, um coração de cada vez,

Saímos da solidão, vamos mudando esse mundão!

Alda M S Santos

Qual a cor do seu amor?

QUAL A COR DO SEU AMOR?

Se o amor tivesse cor

Qual seria a cor do seu amor?

Seria branco feito a neve

Amarelo como o sol brilhante

Negro como a noite envolvente

Vermelho como coração pulsante

Ou seria confuso, furta cor?

Qual a cor do seu amor?

Rosado feito rosa acanhada

Verde feito mata na chuvarada

Magenta feito moça assanhada

Rubro feito desejo em noite enluarada

Negro feito olhos de prazer na madrugada

Qual a cor do seu amor?

O amor tem a cor da emoção

A cor de uma saudade que aperta o coração

A cor de um beijo ardente de tensão

A cor de todo o arco-íris quando há afinação

A cor de um sorriso de prazer

Por sentir-se do viver a maior razão

Amor é de toda cor

Amor é da cor do prazer

Da cor de toda pele que brilha

Pelo intenso prazer de viver!

Alda M S Santos

Dia da consciência negra

Contabilizando

CONTABILIZANDO

Quantos nãos sua felicidade, sem minguar, suporta

Quantos sins sua tristeza precisa para fechar comportas

Quantos talvez sua segurança aguenta sem desfalecer

Quantos tanto faz você aguenta antes de morrer?

Quantos sorrisos te fazem das lágrimas esquecer

Quantos abraços são necessários para a dor desaparecer

Quanta luz você precisa para deixar de escurecer

Quanta saudade você tolera sem enlouquecer?

Quanta fé é necessária para você, das cinzas, renascer

Quanto milagre precisa acontecer para você aprender

Que quanto mais amor doar, mais irá receber?

Quanto?

Alda M S Santos

A cura

A CURA

Qual a cura para um mundo de amargura

Para humanos tão sem ternura

Que pouco fazem por evolução

E não temem a própria extinção?

Qual a cura para um mundo tão sem compaixão

Egoísta, que vive na alienação

Quer tudo, é imediatista, destrói o futuro

E já não sabe mais como ser puro?

Qual a cura para você, para nós

Há como desatar tantos nós

Refazer os laços, oferecer mais abraços?

Já foi apontada a cura para tanto desengano

Houve um Alguém que disse, um Senhor

Que a cura para qualquer mal é o amor…

Alda M S Santos

Qual o tamanho do seu sonho?

QUAL O TAMANHO DO SEU SONHO?

Como medir um sonho que se tem?

Como fazer para bem dimensionar

Dá para mensurar pela (im)possibilidade de realizar?

Qual o tamanho do seu sonho?

É maior o que mais dinheiro gastaria

Ou aquele que mais abrir mão exigiria?

É de bom tamanho o que aproxima da realidade

Ou aquele que traria mais felicidade?

Qual o tamanho do seu sonho?

É maior o que for justo sem onerar ninguém

Ou aquele que engrandece a alma de quem o obtém?

É grande o bastante o que gera prazer e paz

Ou o que não se esvai, se eterniza, não é fugaz?

Qual o tamanho do seu sonho?

Alda M S Santos

Mineirinha

MINEIRINHA

Toda Cidade Mineira é assim

Tem igreja de pedra, tem estrada real

Tem seresta no pé da serra, um pomar no quintal

Tem festa no histórico coreto da praça

Tem moço bonito e moça cheia de graça

Toda Cidade Mineira é assim

Tem cavalgada, tem gente animada

Tem comida boa, tem vaca atolada

Tem peão, tem leilão, tem quentão

Tem trabalhador ganhando o seu pão

Toda Cidade Mineira é assim

Tem colheita farta, tem trabalho, tem festival

De jabuticaba, de queijo, de beijo no milharal

Tem fé de tardezinha na linda missa campal

Toda Cidade Mineira é assim

Tem amigos numa boa prosa com café e confiança

Ao som da viola tem gente de vida mansa

Que quer simplicidade e do amor não se cansa

Então, toda Cidade Mineira é assim…

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

33º FESTIVAL DA JABUTICABA DE SABARÁ

Bodas de pérola

BODAS DE PÉROLA

Já faz tanto tempo, não consigo mensurar

Mas o relógio não parou de girar

São 35 anos, diz o calendário

Eu era uma menina num mundo temerário

E nos aproximamos, nos enamoramos

Dois terços de minha vida são com você

Casamos, dois filhos lindos criamos

Que ainda falta para nos acontecer?

Você sempre soube meus sonhos, meus desejos

Trocamos alegria, dor, beijos

Nem sempre foram flores, houve também espinhos

Mas compartilhamos conquistas, dividimos caminhos

São 35 anos lado a lado, 30 anos de casados

Será que imaginaríamos nossas vidas separados?

“Até que a morte nos separe”, foi nossa promessa

Ela que demore, não temos pressa!

Sonhamos uma vida juntos, bonita

Juntos a temos realizado

Que possam vir mais trinta

A gente enfrenta, lado a lado!

Alda M S Santos

Beija-flor

BEIJA-FLOR

Beija-flor nos ensina uma lição

Daquelas boas que atingem o coração

Aproveite a vida, tenha leveza

Busque doçuras e perfumes

Espalhe simplicidade, lindeza

Vá sempre com delicadeza

Aproxime-se com jeitinho

Não acumule nada, toque com carinho

Deixe-encantar pela cor, pela beleza

Não exclua nada ou ninguém

Mas saiba onde o pouso convém

Beija-flor, encanto da natureza

Conta para mim seu segredo de pureza

De flor em flor, jardim em jardim

Não se apaixona?

Como mantém sua nobreza?

E, tendo tanto, não se deixa levar pela avareza?

Beija-flor, qual seu segredo de amor?

Alda M S Santos

Quisera

QUISERA

Quisera ser uma fada e ter todo o conhecimento

Poderes do bem, do discernimento

Saber distinguir o que será de bom aproveitamento

E o que não irá trazer aborrecimento

Quisera poder afastar o mal com um simples toque

Despertar a todos para o bem, para a luz, sem choque

Não ser enganada, ter poderes sobrenaturais

Daqueles que nos fazem querer amar mais e mais

Quisera ser uma fada capaz de consertar o mundo

Colocar a Terra de novo nos eixos, em órbita

Despertar sentimentos nobres e profundos

Quisera ser uma fada, não ficar apavorada

Mas se conseguir a paz em minh’alma já estarei abençoada

Já poderei levar bons adeptos comigo nessa escalada

Alda M S Santos

E se…

E SE…

E se a Terra se rebelasse

A Natureza se revoltasse

O céu as estrelas não enfeitassem

Os namorados sob a Lua não se animassem

Será que iríamos acordar?

E se as cachoeiras secassem

As fadas ali não mais voltassem

As ondas do mar estacionassem

Os rios dos obstáculos não desviassem

Será que iríamos acordar?

E se as flores se fechassem

As árvores, tristes, tombassem

O sol de nascer se esquecesse

A chuva de nós se escondesse

Será que iríamos acordar?

E se o amor não mais nos alimentasse

Dia e noite por aqui se misturassem

A beleza e delicadeza não nos encantassem

A poesia não mais da tristeza nos salvasse

Será que iríamos acordar?

A vida no planeta Terra pede socorro

Quando iremos acordar?

Alda M S Santos

Queremos

QUEREMOS

Queremos alguém que nos faça amor, que nos tire a dor

Que nos beije com a delicadeza e a fome de um beija-flor

Queremos alguém que nos afaste os monstros, acenda a luz

Que seja o anjo amigo que por caminhos lindos nos conduz

Queremos alguém que goste de amar na chuva, na cachoeira se banhar

Que pule a janela e nos leve a caminhar de mãos dadas ao luar

Queremos alguém que nos abrace, nos dê colo, nos faça cafuné

Nos fortaleça e nos restaure a esperança e a fé

Queremos alguém que nos bote para dormir, acorde juntinho

E que seja, acordado ou dormindo, nosso sonho de carinho

Queremos alguém que nos mantenha junto a si, não nas grades de uma prisão

Mas alguém que nos enlace nos laços do amor e da proteção

Queremos alguém…

Alda M S Santos

Quero fazer um pedido

QUERO FAZER UM PEDIDO

Quero fazer um pedido à estrela cadente

Pode tornar realidade o meu sonho mais urgente?

Quero fazer um pedido ao gênio da lâmpada de Aladim

Pode trazer um amor na medida só para mim?

Quero fazer um pedido aos mais valentes ancestrais

Podem nos ensinar a não lutar por motivos tão banais?

Quero fazer um pedido à chuva que cai torrencial

Pode levar embora tudo aquilo que me faz mal?

Quero fazer um pedido à fada que mora em mim

Pode me afastar os medos de uma vida assim, assim?

Quero fazer um pedido ao Deus do amor e da paz

Pode nos ensinar um viver um pouco mais eficaz?

Quero fazer um pedido a todo mago, amigo da poesia

Promete não me deixar desistir de nela encontrar a magia?

Alda M S Santos

Onde foi parar?

ONDE FOI PARAR?

Onde foi parar a alegria de brincar na chuva

De correr na enxurrada, dispensar guarda-chuvas?

Onde foram parar as brincadeiras na rua

Aquelas com os amigos coloridos sob a Lua?

Onde foram parar os bate-papos na calçada à noitinha

Os abraços e amassos no alpendre da madrinha?

Onde foi parar a expectativa por uma carta

A dor de barriga por um amor que não se farta?

Onde foram parar os sonhos, os contos de fadas

A esperança no futuro, vidas mais amadas?

Onde foi parar a animação num banho de rio

De tanque, de mangueira por horas a fio?

Onde foi parar a alegria na simplicidade

Quando passamos a querer mais e mais numa insanidade?

Quando foi que passamos a enxergar só a maldade

E com isso encontramos só infelicidade?

Quando?

Alda M S Santos

Gentileza

GENTILEZA

Gentileza cai leve como gota de orvalho

Deposita-se suavemente no coração da gente

Mesmo quando se vai, a fragrância permanece

Na sensação boa que a dor amortece

Como se tivéssemos sido tocados por um anjo

Gentileza não custa nada a quem oferece

Mas pode significar o mundo para um alguém

Que talvez não tenha mais nada ou ninguém

Gentileza é alma nua, vestida apenas de amor

Que aprendeu no jardim da vida a delicadeza da flor

Gentileza é do caráter, mas pode ser aprendida

Certamente também deve ser ensinada

Vem das boas pessoas, das bem educadas

Daquelas que sabem o quanto é ruim

serem abandonadas

Ela quase sempre vem de um sorriso acompanhada

Por isso gentileza está associada à beleza

Aquela que se manifesta nas atitudes de firmeza

E só uma alma bela sente a grandeza

Já plantou, já ofereceu, já recebeu

Já se deixou tocar hoje pela gentileza?

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: