Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

BANHOS DE LUA

Saiu nossa primeira Antologia BANHOS DE LUA

https://online.pubhtml5.com/wdzl/rbkj/

Obrigada a todos. 

https://online.pubhtml5.com/wdzl/rbkj/

Ventos e ventanias

VENTOS E VENTANIAS

Ventos e ventanias que vêm e que vão
Vendavais que nos tiram do chão
Tempestades que abalam estruturas
Mas põem em teste a força de muitas criaturas

Alguns apenas trazem um leve frescor
Outros mexem com nosso interior
Batem portas e quebram janelas
Que deixamos abertos ou com fracas tramelas

Há ainda aqueles tipo furacão
Que aparentam trazer somente destruição
Na verdade levam embora o que era apenas perdição
O que ficar vale a pena a reconstrução

Tudo bem pesado e medido
Depois de passado o perigo
É avaliar o que restou
E aproveitar o que de bom ficou…

Ventos, ventanias, tempestades, furacões
Fazem parte de toda vida que não almeja a perfeição
Mas, madura, sabe que é assim
Que se escala degraus na evolução

…Alda M S Santos

Não me cabe

NÃO ME CABE

Nessa caixa não me cabe
Não é que eu não seja flexível
É que ela tende a me moldar
Colocar num padrão que me machuca
E que não vai me agradar

Nessa caixa não me cabe
Dobra daqui, dobra dali
Tira um pedaço desse lado
Aperta o outro, transfere de lugar
Até eu não mais me identificar

Nessa caixa não me cabe
E mesmo se coubesse eu não gostaria
É que prezo a liberdade de ser o que sou
Colocar-me ali me mataria

Nessa caixa não me cabe
Não sou boneca para viver em caixa, preciso de ar
Prefiro jardim, mata, rio, mar ou cachoeira
E assim quero viver a vida inteira…

Alda M S Santos

Só preferências

SÓ PREFERÊNCIAS
Prefiro assim:
Uma mente recheada do bem, ideia genial
A um bolso cheio do vil metal
Um coração em dor, mas colorido de amor
A um repleto de vazios, por isso incolor
Prefiro assim:
Um passeio na praia, um namoro ao luar
A um requintado restaurante para jantar
Um olhar suave e sincero que me desvenda, me entenda
A um visionário num mundo cheio de contendas e reprimendas
Prefiro assim:
Um sorvete na praça na gangorra a brincar
A um espetáculo grandioso que me deixe sem lugar
Percorrer uma trilha na mata para a cachoeira encontrar
A um passeio no shopping para compras realizar
Prefiro assim:
Ver o brilho no olhar ao seu amor me declarar
A uma joia preciosa que nem terei como usar
Seu carinho e delicadeza ao habilmente me despir
A alma, o corpo, o coração, para nunca mais fugir …
Só preferências…
Alda M S Santos

A música

A MÚSICA
A música tem poderes especiais na vida da gente
Podem ser calmantes, relaxantes
Às vezes são enérgicas, instigantes
Podem nos fazer sorrir, animar
Ou trazer a saudade, fazer chorar…
Num quarto fechado com fones de ouvido
No carro, bem alto, dirigindo
No trabalho, o labor produzindo
Com o outro, animando, aquecendo, o amor fluindo
Há quem prefira uma forte batida, dançante
Numa festa, em turma, ritmo alucinante
Há quem goste de um toque suave, calmante
As românticas e doces para dançar a dois
Aquelas que parecem traduzir nossos corações
Há quem goste de cantar bem alto
Deixar fluir a emoção, extravasar…
Nossa vida produz e carrega em si uma trilha sonora
Pura poesia que nos faz viver o agora
Ou relembrar dos doces tempos de outrora
Qual o ritmo que sua vida toca?
Qual sua trilha sonora?
Alda M S Santos

Melhor companhia do mundo

MELHOR COMPANHIA DO MUNDO
Viver é a habilidade de nos refazer sempre
Curtir cada momento, eternizando-os
Ou transformando-os em algo tolerável,
Que não nos machuque, não nos domine.
Viver é a capacidade de mergulhar em todos os sentimentos,
De neutralizar alguns, refazer outros, transformar outros tantos.
É manter-nos de pé, enquanto a roda da vida gira forte
Ou levantar, quando cair, mesmo que ainda tonto.
Viver é, principalmente, quando se está no chão, sofrido,
Ainda ser capaz de estender a mão e ajudar.
Viver é saber valorizar as companhias que se tem, todas elas,
Mas, essencialmente, estar acompanhado, ainda que só,
É encontrar em si mesmo a melhor companhia do mundo.
Alda M S Santos

Mais abençoada

MAIS ABENÇOADA

Não dá para saber ao certo em tempos de grande tribulação
Se a vida vale mais ou menos em meio a tanta confusão
Ela se perde tão facilmente e por quase nada
Nem sempre sentimos que está abençoada

A emoção é sacudida, muito balançada
Pela dor, pela angústia, pela saudade, por quase nada
O coração precisa aconchego, o corpo pede abrigo
Somos gregários, precisamos de amigos

O risco tão eminente da perda a faz mais valorizada
Busquemos um momento de reflexão e introspecção
Para encontrar a paz em nós, na oração

Urge manter a alma elevada, a saúde preservada
Acreditar que juntos somos mais fortes
Sendo firmes na fé, sem perder nosso norte…

Alda M S Santos

Jardim (des)humano

JARDIM (DES)HUMANO

Um dia Deus quis encher a Terra de jardins
Num colocou rosas, cravos, violetas e jasmins
Tantas flores lindas, coloridas, perfumadas
Todas elas por beija-flores e abelhas apreciadas
Num outro jardim gigante colocou pessoas, humanos
Pretos, brancos, amarelos e vermelhos
Mas o que aconteceu foi (des)humano
No jardim das flores havia diversidade, harmonia
Quanto mais perfume, maior a magia
Quanto mais cores, mais insetos atraía
Mas no jardim dos humanos havia primazia
Brancos se achavam superiores
Excluíam as demais cores, covardia
Matavam, do poder abusavam, picardia
O jardim humano nem parecia divino
Se quiser aprender algo seja das flores inquilino…

Alda M S Santos.

Iluminando

ILUMINANDO

Sigo iluminando os caminhos pelos quais eu passo
Um esforço a mais para manter a esperança eu faço
Não dá para caminhar na escuridão
Não dá para viver sem luz no coração

Procuro voar, ainda que na aeronave da imaginação
Ou nadar nas águas profundas de minha emoção
Abasteço com o combustível de boas lembranças
De um viver de alegrias e muitas andanças

A vida vai se fazendo, estejamos inertes ou agindo
Marcas vão sendo em todos impressas
Em muitas almas tantas vezes controversas

Quero me encontrar em mim,
Preciso não me perder nesse louco motim
Por uma vida que faça sentido do inicio ao fim …

Alda M S Santos

Meu céu

MEU CÉU

Meu céu sou eu quem faço

Lá fora pode estar cinzento
Mas cá dentro eu escolho as cores
Desato nós, bordo, crio laços
Em meu coração marco o compasso

Não que seja algo fácil não me ferir
As nuvens negras às vezes pesam
Cansa ser forte, tentar sorrir
Sob a tormenta, lutar, resistir

É preciso focar no essencial
No que nos dá prazer de viver
Aguardar calmamente o sinal
Para o amor que a vida nos oferecer

Pego a paleta, minha aquarela
Azul, verde, vermelho, rosa ou amarela
Abuso das cores, na alma faço uma sentinela
A guardar o arco-íris que pinto na minha janela

Meu céu sou eu quem faço…

Alda M S Santos

Licença poética

LICENÇA POÉTICA
Peço licença poética para enxergar o mundo
Quero vê-lo sob meu toque particular, sem regras
Gramaticais, ortográficas ou sintáticas
Quero tocá-lo com meu olhar perscrutador, amoroso ou invasivo
Quero flexionar gênero, número ou grau a meu bel prazer
Sem métricas, sem rimas, sem coesão, incoerentemente
Dá licença?
Quero plurais onde me apetecer, onde me sentir muito só
Singular onde acreditar ser mais conveniente
Ficar maiúscula onde me sentir melhor, puder ser o bem
Ser minúscula quando quiser sumir, me esconder como ênclise nas palavras sem nexo
Sempre iniciando, sem pontos finais, exclamando sempre
Sem separações de sílabas ou outras quaisquer
Em contínuas reticências
Questionando o que sangrar ou machucar…
Dá licença?
Quero conjugar os verbos viver, amar ou partir a meu modo, sem imperativos
Com os sujeitos que julgar adequados, simples, complexos ou ocultos
Sem pretextos ou pretéritos, sem objetos diretos ou indiretos
Usar a voz ativa e passiva quando for amor, sem preconceitos de pessoa, gênero ou qualquer tipo
Quero atribuir belos predicados, abusar de vícios de linguagem
Dá licença?
Quero ouvir o silêncio de um coração que grita ou a música das águas geladas de uma cachoeira
Ouvir a declaração de amor das estrelas numa noite quente ou a solidão da lua sem parceiros
Cegar-me com o brilho do sorriso de quem ama
Aquecer-me sob o sol escondido atrás das nuvens escuras
Chorar com a saudade em gotas que escorre e cria sulcos naquele rosto que insiste em sorrir
Dá licença?
Quero abraçar a poesia que há em mim, no outro
Fazer amor incansavelmente com a vida com a mesma paixão
De um casal que se “pega” e se beija com entrega apaixonada num canto escuro qualquer
Quero fazer desse viver o mais lindo poema
Usando nesses escritos a licença que só a alma pode conferir
Dá licença?
Alda M S Santos

Ser a diferença

SER A DIFERENÇA

Não podemos ser ou fazer tudo
Não dá para num toque mudar o mundo
Mas com jeitinho dá para algo melhorar
E a dor e desigualdade amenizar

Podemos ser a diferença

Quando nossa palavra falar de esperança
Nosso olhar transmitir emoção
Quando nossas atitudes forem de compaixão
Acolhendo a dor de um irmão

Assim seremos a diferença

Usar um dom que se tem, qualquer um
Físico, emocional, intelectual
É algo que a todos convém
Para tornar a vida por aqui menos desigual

Podemos ser a diferença

Um sorriso despertar, um colo oferecer
Levar o pão para alimentar um necessitado
Ser o abraço que acolhe um coração desamparado
Pode ser um meio de mudar o mundo

Um ser humano de cada vez
Podemos fazer a diferença
Uma alma acolher, com sensatez
Podemos ser a diferença…

Alda M S Santos

Eu te diria

EU TE DIRIA

Olho para você e sinto saudade
Não é que aqui não seja um bom lugar
Apenas sua inocência e expectativa de felicidade
Me fazem nostálgica e levam-me a divagar

Olho para você e sinto arrependimentos
Pela coragem que não tive em alguns momentos
Ou pelos atropelos decorrentes do excesso de ousadia
Que nem sempre me trouxeram sabedoria

Olho para você e sinto orgulho
Apesar de tantas quedas e espinhos
Não nos perdemos uma da outra nos pedregulhos
Você e eu sempre traçamos juntas nossos caminhos

Olho para você e sinto alegria
Mas se pudesse, uma coisa eu te diria
Desculpe por algumas vezes ter te deixado para trás
Se tivesse deixado você agir mais
Tudo estaria mais em paz…

Olho para você, a criança que fui um dia
E sei que poderia muitas coisas te dizer
Mas é desnecessário, você me entende, há sintonia
Estivemos juntas ao nascer, no viver
E assim estaremos até morrer…

Alda M S Santos

Embalagens

EMBALAGENS
Estamos sempre a buscar o amor.
Nessa busca desenfreada não percebemos
Que ele pode estar bem perto de nós,
Já ter passado ou ido embora.
Na maioria das vezes o ignoramos, negligenciamos,
Fazemos pouco caso, até o maltratamos.
É que o amor pode se apresentar em diversas embalagens:
Grandes, econômicas, foscas, brilhantes
Cheia de detalhes e chamativa,
Simples e sem cor …
E o aceitamos ou não pela embalagem.
Enquanto não valorizarmos mais o conteúdo
Que a embalagem em que se apresenta
Perderemos muitas oportunidades de sermos felizes.
Alda M S Santos

Inverno gelado

INVERNO GELADO
É frio, é inverno
O ar gelado atinge nossa pele
Atravessa nosso corpo
Tenta gelar até o coração
É inverno, a vida recolhida
Céu azul, sol que não esquenta
Não podemos deixar a alma ser atingida
É inverno, frio, gelado
Não dá para ficar desamparado
Uma sopa, um chocolate quente, um vinho
Um conhaque, uma lareira, um abraço quentinho
E frio, inverno, gelado
Bom aquecer os pés, enrolar num cobertor
Mas bom mesmo é manter a alma aquecida de amor
É inverno, se aqueça…
Alda M S Santos

Zoo

ZOO

Nesse mundo animal
Quero ser um bicho qualquer
Desde que bem selvagem e irracional
Guiado pelos naturais instintos
Sabedor do bem e do mal

Nesse mundo cheio de razão
Quero ser de outra espécie ou philo
Aqui não há vez para o coração
Não quero ser homosapiens
Abro mão, prefiro ser emoção…

Nesse mundo tão perdido
Descaminhos, escuros, vacilos
Onde tudo já parece falido
Quero de novo me encontrar
Entre bichos não corrompidos encontrarei abrigo

Mundo zoo!

Alda M S Santos

Fez as malas…e foi

FEZ AS MALAS… E FOI
Quando não mais a cabia, sentia-se apertada e desconfortável
Fez as malas e foi…
Quando o que se apresentava não era o bastante, machucava, atemorizava
Fez as malas e foi…
Quando caiu por terra a esperança de tudo melhorar, do chão se levantar 
Fez as malas e foi…
Quando o amor não mais justificava as batalhas sofridas
Fez as malas e foi…
Quando o viver produzia mais nuvens escuras e pesadas,
Chovia mais lágrimas que sorrisos
Havia mais chuva que dias ensolarados
Fez as malas e foi…
Ou quando a paixão por isso aqui não foi grande o bastante para fazer o amor acontecer
E a tristeza e desolação se aliavam ao medo que trazia no olhar
Sequer deu tempo de fazer as malas
Simplesmente, foi…
Tentando não olhar para trás
E levou na bagagem apenas dor e saudades de tempos mais livres
Em que abraços só nos contagiavam de alegria …
Mas quando o amor apertava tanto o peito, a consciência doía,
A saudade feria, a vida se esvaía
Fez as malas, encheu-se de fé e esperança, de Deus
E…voltou…
Ir ou ficar, lutar ou desistir,
Esperar, acreditar, se proteger e confiar,
O que é maior prova de amor à vida?
Alda M S Santos

Conto de fadas

CONTO DE FADAS
Quisera acreditar na vida como num conto de fadas
Daqueles que a gente sabe que ao final tudo fica bem
Gente malvada perde, é punida
Moças belas e meigas têm tudo que sonham
Príncipes sempre aparecem na hora exata
Como salvadores das donzelas em perigo
O bem é bem, o mal é mal
Não há dúvida, não há senão
O amor é um prêmio a cada bom coração
Mas a vida não é um conto de fadas
As donzelas nem sempre são tão meigas e cordatas
Felizmente…
Os príncipes muitas vezes chegam atrasados ou se perdem
Infelizmente…
Ou não sabem o que e quando fazer
Lamentavelmente …
Não há felizes para sempre
Cada um de nós precisa dia a dia construir sua felicidade
Como a gata borralheira em seu borralho
A bruxa em frente ao espelho querendo ser cada dia mais bela
Os anões trabalhando na mina o dia todo
Ou a bela que ainda continua adormecida….
Não quero felicidade de conto de fadas
Quero uma felicidade cada dia mais real
De preferência, que nos dê algum sinal
Conquistada, amada, mesmo um pouco anormal
Vida de verdade não é perfeita
Nem precisa …
Basta que saibamos ser felizes na imperfeição
Mas uma fada ou mago de vez em quando não faz mal não
Um pouquinho de fantasia faz bem a qualquer coração…
Alda M S Santos

Reiniciando

REINICIANDO

Tudo em preto e branco, branco e preto
Ou em tons acinzentados, desmantelados
A vida parece em modo de espera
E meio sem saber, humanos subjugados
Lá fora agora está quase tudo proibido
Ficar cá dentro muitas vezes parece castigo
Onde estão as cores, as flores, os amores
Tantos se perguntam, andam perdidos…
Beijo, abraço, um toque, uma visita? – pode não
Você não sabe que põe os outros em risco, cidadão?
Humanidade que tantas vezes pairou na superfície
Sente-se obrigada a aprofundar, mergulhar em si mesma
Desacostumada com a solidão, sente-se desafortunada
Tão habituada a usar máscaras de proteção de sentimentos
Se vê coagida a usar máscaras de barreira contra contaminação
Um sorriso amarelo que disfarçava dores, dizia “tudo bem”
Agora nada valem se não chegar aos olhos que é o que veem
Tantas dúvidas, medos, ansiedades e inseguranças
Enquanto uns questionam o que virá disso tudo
Há quem festeje, quer que o mundo seja formatado
E outros querendo apenas que ele reinicie
Dando nova oportunidade de fazer diferente
Reaprender a amar, confiar, ser mais gente
Que valha a pena…reiniciando….
Alda M S Santos

Jeito de olhar

JEITO DE OLHAR

Um passo atrás pode ser avançar
A tempestade pode vir para limpar
A queda pode ensinar a levantar
O vendaval pode colocar as coisas no lugar

Tudo depende do jeito de olhar

Chorar ensina a valorizar o sorriso
Medo e inércia nem sempre são coisas de indeciso
Talvez seja um modo de usar o perigo
Para encontrar melhor abrigo

Tudo depende do jeito de olhar

Solidão nem sempre é ausência de companhia
Talvez seja escolha de pessoas
Que usam de muita sabedoria
Ao não insistir em buscar no outro
Aquilo que encontram em si mesmas: paz e sintonia

Tudo depende do jeito de olhar

Preta, branca, cinza ou multicor
A vida sempre será uma tela
Para artistas que pintam com estilo e amor
E usam a paleta preferida para torná-la ainda mais bela…

Tudo depende do jeito de olhar
Do jeito de a vida encarar …

Alda M S Santos

Vida de poeta

VIDA DE POETA
Escrever é um ato catártico
Faz-me rever, me refazer
Construir, desconstruir, reconstruir
O papel aceita, a tela idem
Não há censura ou julgamento
Caneta ou teclado mandam ver
Aceitam bem todo sentimento  
Desde sempre, há muito tempo
Escrever me traz contentamento
Crónicas, contos, poemas
Uns partilháveis, outros não
Vale expressar a emoção
Sempre um olhar atento a captar
A poesia que há em todo lugar
No viver do outro, na natureza,
No amar, no chorar, no sofrer
No poeta tudo é inspiração
Tudo é poesia em combustão  
Com uma intensidade que assusta
Nessa vida nem sempre justa
O poeta é um ser que não cabe em si
Para estar pleno precisa repartir
A dor, o amor, a alegria, a saudade
Tudo aquilo que houver intensidade
Ser poeta é partilhar humanidade
Alda M S Santos

Uma paixão

UMA PAIXÃO
Escrevo sorrindo, escrevo chorando
Bem alerta ou meio em transe
Envolvida bastante na situação
Ou observando de fora uma emoção
Escrevo como ato de protesto ou indignação
Um grito de revolta ou rebelação
Ou um silêncio de frustração
Também em forma de oração
Quase sempre com muita satisfação
Ou pura expressão da gratidão
Escrevo para conversar com meus botões
Para dialogar também com o outro
Para tornar claro algo meio nebuloso
Para não me afogar em mim mesma
Em braçadas mergulho nesse mar gostoso
Em águas claras ou turvas da emoção
Minhas, do outro, da situação
Escrever é para mim revelação
Desde ontem, desde sempre, para sempre
Escrever é pura paixão…
Ser poeta é fazer da vida um constante ato de amor
De paz, luz, gratidão e reflexão …
Alda M S Santos

Remotamente

REMOTAMENTE
Mundo digital, virtual, cyber, tecnológico
Quase tudo se faz de modo remoto, à distância
Um computador que acessa o outro
Que coloca pessoas “lado a lado”
Quer seja para uma conferência de trabalho
Uma reunião familiar, de amigos, um aniversário
Comemorações diversas, encontros, orações
O contato quase parece real
Quase…
Ainda não inventaram um modo de amar remotamente
Talvez até exista amor à distância, acesso remoto
Mas o prazer de um olhar face a face
Um sorriso, um abraço, o perfume, o calor
A delícia que é e o poder que tem o contato
Nada há que substitua
Amor não se faz remotamente…
Alda M S Santos

Lembranças futuras

 LEMBRANÇAS FUTURAS
Todos os dias construindo, abrindo caminhos
Plantando uma flor, aparando os espinhos
Tentando espalhar perfume, distribuir carinhos
Procurando ser a brisa que refresca
O vento que leva pra longe os maus fluidos
Ao olhar para trás, se possível, não quero ter arrependimentos
Quero me ver na fé e na oração buscando entendimentos
Quero saber que fui frágil, fui forte
Que não fiquei parada contando com a sorte 
Quero me ver acolhendo o outro, sendo abrigo
Abraçando a vida, sendo ouvido amigo
Chorando ou sorrindo, nunca desistindo
Nas minhas lembranças futuras quero saber que tentei
De todas as formas ser o bem
Que me doei e não me neguei ao amor por medo da dor
Que errei, caí, me arrependi, levantei, segui
Que fui capaz de falhas alheias desculpar
Mas, principalmente, que fui capaz de me perdoar
Que lutei contra o que de negativo carreguei
Procurei melhorar,  evoluir, encontrar um bom lugar
Até o momento de para casa poder voltar
Nesse gigantesco mar mergulhar
Se não for possível, quero voltar para cá e consertar…
Alda M S Santos

Há braços, abraços…

HÁ-BRAÇOS, ABRAÇOS…

Sinceridade que desarma, carinho que surpreende

Afeto que toca, sorriso que encanta

Há braços, abraços…

Quentes, longos, pipoca

Na pontinha dos pés, perfumados

Encolhidinhos no peito, de ladinho

Receosos, no colo, sensuais,

Apertadinhos, ou que não querem largar…

Acompanhados de doces palavras, silenciosos,

Qualquer que seja ele, necessário!

Há braços, abraços

Marcantes, inesquecíveis, saudosos…

Que possamos oferecê-los

Que saibamos recebê-los!

Alda M S Santos

Nunca se fez tão necessário

NUNCA SE FEZ TAO NECESSÁRIO
Abraço
Nunca fez tanta falta
Sua capacidade de apaziguar
De fazer um corpo curar
Aquecer a alma, fortalecer
Fazer o coração rejuvenescer
Abraço
Nunca foi tão necessária
A energia boa que conduz
Que nos faz tocar mais que braços
Que atinge a emoção, aperta os laços
Abraço
Tão simples, tão quente, ativador da vida
De pais, filhos, amigos
Aciona o que há de mais terno
Aquece corpo e alma dos amantes
Abraço
Quando for de novo liberado
Penso que iremos abusar
E a cada dia mais valorizar
A doce entrega nos braços de alguém…
Ah, abraços…
Alda M S Santos

Provisões

PROVISÕES
Em tempos difíceis recorremos ao que guardamos como provisões
Aquelas que acumulamos em tempos de vacas mais gordinhas
Sabiamente, muitas vezes nos preparamos para tempos de carestia
Com as reservas que fazemos até mesmo sem perceber
Quer seja na gordura corporal para usar em tempos de frio e doenças
No dinheirinho reservado com sacrifício na poupança
Ou nas boas emoções e lembranças guardadas no coração…
Na hora da dificuldade, da doença, da fome, do desalento ou solidão
Precisamos acessar nossas despensas internas e fazer resgate
Da energia, do dinheiro, do alimento, das lembranças saudáveis
Feliz aquele que soube acumular lindezas e doçuras na alma
Que fez estoque de amor, boas ações e gentilezas
Que guardou um abraço, um beijo, um carinho, um amor
Que traz consigo protegido das tormentas uma reserva de paz
São elas que irão agora nos salvar
Que saibamos usar e compartilhar…
Alda M S Santos

Nos versos da canção

NOS VERSOS DA CANÇÃO 

Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão

Reza o dito popular quase aceito como lição

Será isso mesmo, meu irmão?

Uma moeda de ouro saqueada 

Se de quem roubou também for usurpada

Tem a dívida perdoada, consciência suavizada

E se o que se rouba é o coração 

E no lugar só deixa solidão? 

Cem anos de perdão?

Não parece muito justo, cidadão!

Ladrão que rouba ladrão também precisa compaixão

Ou roubou tá roubado não importa a situação?

Bom mesmo é por todos uma bela oração 

Porque quem rouba coração 

Deveria ter por certa a obrigação 

De também deixar-se roubar,  ter um pouco de afeição 

Trazer paz e alegria, cuidar da emoção 

E fazer do amor uma poesia 

Cantada nos lindos versos da canção 

Alda M S Santos 

Colheitas

COLHEITAS
A gente (es)colhe o que planta
Ou plantamos e não sabemos o que colhemos?
Tanto faz, mas certo é que não basta só plantar
Plantação exige cuidado, irrigação
Exige carinho diário, proteção
Se a semente for boa, germinará, por certo
Mas não é certo que será você que irá colher
Se não for aquele que soube fazer florescer
Se foi quem deixou a semente à sua própria sorte
Plantar qualquer um pode
Colher, só aquele que soube cuidar
Vale no terreno (in) fértil da agricultura
Mais ainda no terreno (in)fértil da emoção
Alda M S Santos

Que eu possa ser

QUE EU POSSA SER
Há tanta coisa por aqui a ser vista
Mas nem todas elas são bonitas
Queria ter um olhar bem seletivo
E aprofundar, ajudar, ser mais coração
Em busca daquilo que requer atenção
Queria notar a dor atrás de um sorriso
A fome de amor naquele desejo de sumir
Ou na vontade de morrer, de fugir
Queria poder ser a mão que se estende
O sopro de vida que afasta a poeira acumulada
Numa tez já muito vivida e cansada
Pelas batalhas há muito travadas
Queria ser o ponto de luz na escuridão
A esperança a despertar no olhar nova emoção
O abraço que agasalha e aquece o frio na alma
A companhia daquele que cansou da solidão
Ou que necessita apenas se sentir amado
Por aqueles que ama, ser notado, valorizado
Queria ser apenas um instrumento de amor
Nos momentos em que nada parecer fazer sentido
Quando tudo que se vê for a indiferença
Poder levar a fé, a energia, o desejo de viver
Através do pão que o corpo alimenta
Ou da amizade que tira do coração a tormenta
Queria ser a vida onde a morte se apresenta
Que eu possa ser…
Alda M S Santos

DOMINGO É POESIA

DOMINGO É POESIA
Domingo é dia de acordar tarde
Ou de levantar com o sol, ser um girassol
É dia de observar a chuva no telhado
Sentir falta de um tempo passado
Domingo é dia de tudo ou nada acontecer 
De fazer hora ou deixar rolar o querer
Na cama quentinha,  debaixo do cobertor
É sorrir para a vida, agradecer, ir ver Nosso Senhor  
Dia de fugir da rotina, tomar sol na praça
Ou de pedalar e se exercitar na lagoa, de graça
É dia de brincar, sair, passear,  a família visitar
De paquerar, conquistar, amar
É dia de rever amigos, abraçar, ser abrigo
Domingo é dia de ler um bom livro
De assistir um bom filme no sofá ou no cinema
De ficar quietinho, fazer um poema
Domingo é, em si,  pura poesia…
Alda M S Santos

Além do olhar

ALÉM DO OLHAR

O que está além do olhar
Que dele não carece para sentir
É apenas um algo a mais a nos suprir
E nossa alma sedenta saciar?

O que pode ser amado
Ainda que não esteja do lado
Ao alcance de nosso toque afiado
Ou do nosso olhar apaixonado?

O que está além do olhar
Mas que dele necessita para captar
Lá para o fundo da alma levar
E encher-nos de amor e desejo até extravasar?

Que há lá longe, além do olhar
Além do alcance de nossos abraços
Mas que é tão forte em nossos sonhos
Que alimentamos, apertando  os laços?

Que há além do olhar 
Seja o que for que se vê sem preciso olhar
É algo que vale a pena cultivar
É nutriente da alma carente de  amar…

Alda M S Santos 

Onde o Sol nasce

ONDE O SOL NASCE

Quero ir lá onde o Sol nasce

Não aquele que se vê do alto de um edifício

Tampouco aquele que entra nas frestas da janela

Ou aquele que do avião parece uma bola amarela

Quero ir lá onde o Sol brilha mais bonito

Onde seu calor é mais forte, intenso, uma aquarela

Quero ir lá onde o Sol nasce

Talvez na linha do horizonte, no fim do mar

Ou atrás daquele pico bem alto que quero escalar

Onde nada possa haver entre ele e eu, quero conversar

Olhos nos olhos, pura luz a brilhar

Quero ir lá onde o Sol nasce

Quero senti-lo aquecer minha pele

Arrepiar, queimar, animar, me bronzear

Quero ir lá onde o Sol nasce, atrás da cachoeira

Preciso trocar uma ideia com ele, não posso dar bobeira

Quero perguntar para ele como se faz

Para todo dia morrer atrás do monte, tudo esquecer

E novamente lindo e forte renascer

A cada manhã num belo e novo alvorecer

E vver feliz com um amor, sem doer

Será que ele poderá me dizer?

Preciso aprender…

Alda M S Santos

Sem pretensões

SEM PRETENSÕES
Não quero ser a mais inteligente que entende até tudo de tudo
Ou que ignora pensadores e construtores do saber
Nem a mais culta ou sociável que agrada a todos
Tampouco a mais bela, a que para o trânsito
Ou a perfeitinha e boazinha que a todos atende
Aquela totalmente maleável, pacífica, que nunca se enerva
Sorrindo sob o peso do andor
Que molda-se ao gosto do freguês
Nem mesmo a madame mais chique ou luxuosa
Não quero! Impossível!
Não tenho essa pretensão
Seria impossível conquistar, pesado manter, difícil sustentar
E totalmente desnecessário…
Quero apenas ser eu mesma
Prefiro as imperfeições que vão sendo aparadas
Nas dificuldades e decepções diárias
Quero ser inteligente o bastante para sempre evoluir
Sabendo até onde ir
Sem contudo me afastar dos outros
Culta e sociável o suficiente para atrair boa gente
Bela o bastante por fora,
Mas de um modo a não ofuscar ou distorcer o que vier de dentro
Coração bondoso a ponto de me colocar no lugar do outro
Na medida exata para poder ajudar, ser útil, sem ser tola
Flexível, resiliente, mutável
Sem ferir meus princípios e essência
Aquela que procura sorrir sempre, mas que chora, que se enerva
Que ama, que sente saudade, que namora
Que às vezes quer sumir…
Chique o suficiente a ponto de trocar
Qualquer programa ou prato sofisticado
Por um banho de rio, um livro na rede e uma pizza gigante…
E sempre irei amar quem me aceitar como sou
Ainda que não seja desse jeitinho aí…
Tudo mais é pura falácia!
Alda M S Santos

Um dia

UM DIA 

Um dia ainda vamos acordar

E sermos livres para por aí caminhar

Mais que isso, poderemos confiar

Que o mundo se tornou um bom lugar 

Bastaria um leve e atento olhar 

Para saber que nada se deveria temer 

Pois haveria menos humanos a sofrer 

E sempre seria prazeroso viver

Um dia ainda iremos acordar 

E saberemos o valor de poder tocar 

Chegar perto, abraçar,  beijar, amar 

Deixar fluir a emoção…

Estamos em hibernação 

Juntando forças, recarregando bateria

E, ao despertar, tudo será energia 

Para ser usada em prol da vida 

Com muito mais amor e alegria 

Um dia…tudo será harmonia…

Alda M S Santos 

Era a vida

ERA A VIDA
Caminhava devagar numa praia deserta, sozinha
Chutava as águas, descalça, olhar no horizonte
Vez ou outra se abaixava para pegar uma conchinha
Um vestido leve e fino ao sabor do vento
Mexia também com seu pensamento
Sabia que deveria estar ali, mas não entendia
Simplesmente seguiu um desejo, a magia
Faltava algo para tudo se encaixar
Mas por que nada acontecia?
Seguiu sua suave e intrigante caminhada
Avistou alguém ao longe, ficou arrepiada
Seria a brisa, a expectativa ou uma cilada?
Não tinha medo, seguiu o vulto que lhe acenava
Correu, segurou sua mão e sumiram na mata fechada
Coração aos saltos, sorriram, nada importava
Era a vida que numa nova forma se apresentava…
Alda M S Santos

Yogando

YOGANDO
Saudar a vida, saudar o universo
Ser parte de um todo, conexão
Cada parte de nós ser verso e reverso
Ser em nós mesmos a inspiração
Busca de luz, de reflexo, reflexão
Ser do bem e do amor, a propagação
A vida pede socorro, num mundo ainda tão incerto
Precisamos nos encontrar em nós
Em cada músculo, cada respiração
Inspirar natureza, expirar renovação
Em cada movimento livre ou planejado
Ser a mais pura vibração
Namastê!
Alda M S Santos
Com Deva Daya

Vestida de amor

VESTIDA DE AMOR
De que você gostaria de sair por aí vestida
Cobrir-se toda, encolhida, protegida
Ficar um pouco da vida escondida
Talvez mais calma, mais contida?
Pode vestir -se de flores, perfumadas, sem pudores
Ou prefere cobrir-se de água corrente, nada mais, água somente
Que tal sair por aí, vestida de coragem
Altiva, confiante, segura, bela plumagem
Pode vestir-se também de sorrisos
Rasgados, sinceros, nunca apagados
Mas bom mesmo é vestir-se de emoções
Das mais belas e doces sensações
Eu prefiro sair por aí vestida de amor
É uma veste sem cor, transparente
Que faz bem para a alma da gente
Como você queria se vestir por aí?
Alda M S Santos

Ela é poesia

ELA É POESIA
É poesia quando amamenta
Ou quando a dor acalenta
É poesia quando se faz ciumenta
E também quando brigas apascenta
É poesia quando o calor aumenta
Quando no frio é vestimenta
Ou quando acalma a tormenta
É poesia quando o mal afugenta
Quando a alegria fomenta
Ou quando por bem argumenta
É poesia quando a ordem regulamenta
Quando as emoções incrementa
Ou quando o corpo ornamenta
É poesia quando silenciosa, rabugenta ou barulhenta
É triste poesia quando viver sem eles tenta
É poesia quando de amor não se aguenta
É poesia, magia, de alegria a alma quase se arrebenta
É simplesmente, mãe
Sempre poesia, com vinte, trinta ou cinquenta
Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com

Você é um poeta?

VOCÊ É UM POETA?
Que é ser poeta?
É fazer versos, rimas, métricas
Descrever o amor, a dor, a natureza
Declarar paixões, desejos, anseios
A saudade, a alegria, a tristeza, a harmonia
Também …
Mas ser poeta é mais do que fazer poemas
Poeta é um jeito de ser e viver
É abrir janelas, escancarar portas, criar frestas
É descobrir atalhos, desbravar
Caminhar por caminhos desconhecidos
É se expor, ser o concreto e o abstrato
É um estilo de vida, de sensibilidade
De observação e maturidade
Ser poeta é ser emoção, coração
Ser luz na escuridão, aliviar a tensão
E a poesia que o poeta sente por aí
Ele expressa de modo escrito, expõe sua confusão
Nao importa se em versos, contos
Crônicas, romances, prosas
Ser poeta é parecer humanamente cheio e intenso
Mesmo quando estiver vazio, sem qualquer senso
Ser poeta é em tudo buscar o prazer
É ter tesão pela vida, mesmo no sofrer
É sempre estar propenso para o viver…
Você é um poeta?
Alda M S Santos

Como fazer amor

Declamado no YouTube link abaixo

COMO FAZER AMOR

Fazer um poema é como fazer amor

É preciso interesse, desejo

Um olhar terno, talvez um pouco de pudor

Uma lenta aproximação, um beijo

E, no tempo de cada um, nasce o poema

Faz-se o amor…

Fazer um poema é como fazer amor

Não dá para ser de qualquer jeito

É preciso encanto, admiração

Captar a magia, a poesia, o pulsar do coração

E, com total entrega e paixão

Nasce um poema

Faz-se o amor…

Fazer um poema é como fazer amor…

Alda M S Santos

Na minha arca

NA MINHA ARCA

Vou preparar uma arca para navegar
Parece que o mundo está para naufragar
Não quero ser pega desprevenida
Preciso ser forte  para não ser abatida

Que tenho de mais valioso para levar
Preciso fazer uma lista, pensar
Não vou nada esquecer, posso precisar
Tanta coisa, será que a arca vai aguentar?

Decidi levar gente, muita gente
Família,  amigos, afetos e desafetos
Em cada um há de ter algo diferente
Que nos faça melhores daqui para frente

Minha arca é meu coração
Anda apertadinho, coitadinho
Saudades de abraçar toda essa gente
Que o faz bater, ser mais contente

O que você levaria em sua arca?

Alda M S Santos

A namorada

A NAMORADA

Ela pode ser doce,  meiga, linda, sedutora 

Se apresentar nua, vestida, colorida, tentadora 

Chegar de mansinho ou de supetão

Mas nunca irá te deixar na mão 

Se você souber dela cuidar

Nunca irá se decepcionar

Pode ser sério ou com ela brincar 

Sorrir, correr, se cansar, chorar 

Mas jamais deixe de namorar, de amar

Se quiser ter um belo amor por toda a vida

Não fuja, seja verdadeiro, corajoso

Ela é valente, corajosa e boa de briga 

É a namorada encantada, amada, querida 

Não a perca, seja atraente, envolvente 

Abrace forte sua namorada, confie

Aceite-a como ela é, deixe-se levar 

Apaixone-se por ela todos os dias  

Namore muito, namore com a vida…

Alda M S Santos 

 

Qual o barulho do seu silêncio?

QUAL O BARULHO DO SEU SILÊNCIO?

Qual o barulho do seu silêncio?
Ele grita alto, é ensurdecedor
Aperta sua voz, é sufocador
Ou se recolhe, renovador?

Qual o barulho do seu silêncio?
Forte como águas de uma cocheira
Suave como banho na banheira
Ou sedutor como moça namoradeira?

Qual o barulho do seu silêncio?
Reflexivo, introspectivo, envolvente
Extrovertido, audaz, caliente
Ou pacífico, calmante, atraente?

Qual o barulho do seu silêncio?
Emocionante como lágrima que cai
Entorpecente como a dor que se vai
Eloquente como o amor que nos atrai?

Qual o barulho do seu silêncio?

Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com

INTIMIDADE

INTIMIDADE
É bom ter intimidade
Faz bem, cria afinidade
Intimidade intelectual ativa o pensar
As ideias, o conversar, fazem-nos avançar
É bom ter intimidade
É gostoso, gera autenticidade
Intimidade física dá liberdade
De tocar, abraçar, beijar, se achegar
Fazer amor, seduzir, o outro conquistar
É bom ter intimidade
É prazeroso, mesmo na simplicidade
Intimidade de alma, coração, emocional
Conosco mesmos, com o outro
Como essa não tem igual
Ela carrega a paz consigo
Confiança, segurança, empatia
Poucos a têm, todos a querem encontrar um dia
Alda M S Santos

Revelação

REVELAÇÃO
Quero revelar todas as fotos que minha lente captou
Nem sempre tão objetivamente assim
Mas capturadas todas elas em momentos de intensa emoção
Numas pode haver luz e escuridão
Noutras alegria, descontração
Pode haver talvez insegurança e tristeza no olhar
Desejo, tensão, atração no modo de me expressar
Podem ter sido registradas num instante de puro amor
Alguns talvez sejam apenas lembranças
Outros são as atuais andanças
E há ainda os que alimentam esperanças
De um viver sempre em evolução
Quero, preciso revelar todas essas fotografias em mim
Registradas nessa longa trajetória
É fazer delas um grande álbum, enfim
De uma vida, de luta, de história
Onde possa mergulhar numa tarde de nostalgia
E tudo reviver, aprofundando a magia
Quero revelar todas as fotos contidas na lente do meu olhar…
Alda M S Santos

Mulher

MULHER
Nem tão imprevisível ou indecifrável assim
Um pouco complexa e com uma dose extra de sensibilidade
Menina, moça, mulher sempre em fases
Que se intercalam, se interpoem, até assustam
Aos mais desavisados e insensíveis às suas agruras
Não perde sua essência deliciosamente feminina
Maliciosamente apaixonada pelo cuidado e carinho
Encantadoramente sedutora quando quer algo
Indefinível, às vezes, sorriso, enigmático
Presa ou predadora, ou ambas, dependendo da situação
E daí se de vez em quando ela chora, sorri
Não sabe se silencia ou grita?
É intensa, emocional, passional, sentimental
É um ser humano nem sempre compreendido
Por muitos não é valorizado devidamente
Mas quem uma delas conquista verdadeiramente
Que rega de cuidado, carinho, paixão, amor e proteção
Terá amor e dedicação infinitas
Por mais de uma vida, esteja convicto
Essa é a mulher, única, ímpar e incomparável
Estás preparado para conhecer e amar?
Alda M S Santos

Ah, se eu pudesse

AH, SE EU PUDESSE
Ah, se eu pudesse e coragem não me faltasse
Muito mais que três desejos eu iria realizar
Nem precisaria de gênio da lâmpada
Queria mesmo era ter o prazer de alcançar
Por meu próprio esforço e mérito
Poder aquele amor tornar eterno
Aqueles amigos alcançar e dar um abraço fraterno
O mundo todo girar levando muita humanidade
Paz, união, alegria em meio à simplicidade
São muitos os sonhos, ah se eu pudesse
Mas só esses três vou te contar
Deixarei você seus próprios desejos sonhar
Alda M S Santos

online.pubhtml5.com/wdzl/olps/

Meu livro em português e espanhol. Só abrir e ler…

Um amor leve

UM AMOR LEVE
Todos queremos um amor,
Mas não aquele amor pesado, que entristece,
Que mais causa lágrimas que sorrisos.
Queremos um amor leve como as asas de uma gaivota,
Que flutue sobre os pesos e reveses,
Que pouse apenas onde queira.
Que caminhem de mãos dadas na praça,
Que se lambuzem de pipocas e beijos no cinema,
Que corram juntos na praia, que se molhem na chuva,
Ou que se escondam abraçadinhos no mesmo guarda-chuva…
Um amor que entenda o olhar, frio ou quente, que nunca seja indiferente,
Que dancem na sala, que festejem com champagne qualquer coisa e, de “pilequinho” caseiro, apaguem grudados no sofá.
Que dialoguem, que riam das próprias bobagens, que compartilhem silêncios tranquilos,
Que troquem num beijo uma bala de hortelã,
Que se aqueçam debaixo de um cobertor de lã.
Que joguem paciência, que se joguem nos abraços,
Que leiam juntos, que escrevam poemas, ou sejam a própria poesia, a inspiração.
Que lavem juntos o banheiro, que se banhem juntos no chuveiro,
Que o amor encha nosso dia, que não nos abandone nos sonhos,
E que aguarde nosso amanhecer pra dizer “bom dia, com você!
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: