Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Poesia

POESIA

Poesia não é para entender, não é para explicar

Poesia é para sentir, para se fazer sentir

Poesia não é para racionalizar, equacionar

Poesia é para apreciar, emocionar

Pois é fruto das boas energias

Que transbordam de algo ou alguém

E viram versos, poemas

Poesia é para alguém faminto de magia, de encanto

Não são todos que sabem uma poesia apreciar

Poesia é para a alma de simplicidade alimentar

De emoções, de amor, de beleza e encanto

Poesia faz a vida fazer sentido

Sem precisar explicar!

Alda M S Santos

Queria dormir

QUERIA DORMIR

Às vezes quero dormir

E acordar noutro lugar

Não sei se isso seria morrer

Mas tenho vontade de descansar

Não me acostumo a ver tanta dor

Tanta luta, tanta frustração

Se queremos apenas um viver

Sem tanta mágoa e violação

Mesmo tão triste e desanimada

Eu me recuso a fugir

Limpo as lágrimas, sorrio, coragem renovada

Prefiro ficar aqui e agir

Dormir. e acordar noutro lugar

Para outro dia irá ficar…

Alda M S Santos

A humanidade perdeu

A HUMANIDADE PERDEU

A polícia venceu, o bem prevaleceu

Mas…

Um ônibus sequestrado, muitos reféns

Um homem armado ameaça vidas

Que se passa em cada mente, em cada coração?

Posso calcular!

Já estive em situação similar, arma na cabeça

Trancada no porta-malas, puro terror

Numa situação dessas ninguém vence

Nem quem foi abatido, tampouco quem abateu

A humanidade perdeu…

Quando um ser humano mata outro ser humano

Algo ali se rompe, o fio humano se parte

Toda vida tem seu valor

E se se perde, é triste

Não estou julgando ninguém

Situação difícil e complicada

Mas o que leva um ser humano a isso?

Não somos todos responsáveis?

Sinto-me triste!

Ele era filho de alguém, talvez pai de alguém…

Qual história de dor traz consigo?

Em que estamos transformando nossos jovens?

Temos feito algo para reduzir esse ciclo que forma marginais

Que exclui pessoas?

Que fazemos para reduzir desigualdades?

Uma mea-culpa todos devemos fazer…

Hoje, mais uma vez, a humanidade perdeu…

Alda M S Santos

Única

ÚNICA

Sou como uma taça de cristal

Caída, quebrada, colada

Arrumada várias vezes, levantada

Para a vida brindar, animar

Não sou menos valiosa por isso

Tampouco menos bonita

Sou diferente!

Minhas emendas me tornam única

Minhas cicatrizes e marcas me fortalecem

Meus machucados me tornam solidária

Aos machucados dos outros

Minhas dores e medos me fazem empática

Às dores e medos alheios

Minhas falhas e imperfeições me fazem compreender melhor

As falhas e imperfeições das pessoas

O que eu vivi, construí e trago até aqui

Só me é valioso na medida que posso agir

E ajudar outra taça a se reconstruir…

Sou taça renovada, reconstruída!

E daí?

Alda M S Santos

As portas

AS PORTAS

Temos várias portas de acesso a nós

Aquelas que permitem que as pessoas cheguem

Que se assentem e decidam ficar

Às vezes são apenas janelas,

Ou pequenas frestas…

Por causa de medos e traumas anteriores

Quem chega tem o trabalho de descobrir

O melhor modo de entrar, nos conquistar e nos fazer bem…

Assim se dá com Deus

Tantas vezes Ele tenta chegar nas alegrias diárias

Através da família, dos amigos, de um amor

No trabalho ou na igreja

E muitas vezes não percebemos

Não O deixamos passar por essas portas

Às vezes só permitimos que Deus entre através das lágrimas

Dos momentos de sofrimento ou dor

Somos nós que escolhemos quem tem acesso a nós

Quando e onde…

Estejamos atentos as nossas portas

E a quem temos permitido acesso a nosso interior

Quem entra pode ajudar a arrumar a bagunça

Ou bagunçar o que já está arrumado…

Que saibamos fechar algumas portas desnecessárias

Abri-las para o amor de verdade, sem medos

E que Deus possa entrar por todas as portas!

Alda M S Santos

Há quem deixe…

HÁ QUEM DEIXE…

Há quem deixe o brilho do sorriso

Também há quem deixe a sombra escura do olhar

Há quem deixe um jeito especial de ouvir e se calar

Também há quem deixe uma língua afiada ao criticar

Há quem deixe o calor de um ombro acolhedor

Há também quem deixe a dor de modo ensurdecedor

Há quem deixe uma alegria, uma brincadeira

Também há quem deixe uma rabugice, uma implicância, uma bobeira

Há quem deixe um perfume, cores e um jeito sensual de ser

Há também quem deixe a indiferença prevalecer

Há quem deixe belas palavras, carinhos e versos

Também há quem nada diga, apenas deixa a fadiga

Há quem deixe marcas de um amor que se fez

Também há quem deixe medos e inseguranças

Há quem deixe o sonho do amor em seu esplendor

Também há quem fique e dê ao sonho um caráter de realidade, animador

Todos deixam suas marcas nos outros quando se vão

Quais marcas andamos imprimindo por aí?

Alda M S Santos

De igual para igual?

DE IGUAL PARA IGUAL?

Somos tão iguais em nossas diferenças

Tão diferentes em nossas semelhanças

E isso é o que nos completa como seres humanos

Um olhar que tem no outro a resposta para suas inquietações

Uma palavra que abraça e alivia suas dores

Um carinho que fala silenciosamente o que faz bem

Um estar perto, mesmo longe, um estar dentro que traz paz

Um sorriso correspondido a dizer “te amo”

Um beijinho soprado de longe

Aconchego…

Aquele grito preso na garganta

Mas que extravasa no olhar

De igual para igual

Sem importar nível cultural, situação financeira

Credo, gênero, raça, idade

Estamos por aqui para nos completarmos

Nos ajudarmos a crescer, evoluir

E o único jeito que sei que funciona

É através do amor…

Na duvida do que fazer, ame!

Não sabe amar? Não tem problema!

Amar se aprende amando…

De igual para igual!

Alda M S Santos

Sem caixas, por favor!

SEM CAIXAS, POR FAVOR!

Há pessoas que vivem cercadas de caixas

E nelas vão distribuindo as outras pessoas de acordo com seus critérios

Algumas caixas elas aceitam, outras descartam

E há ainda as caixas que ficam de reserva

Só gostam daquelas que cabem direitinho ali

Ou que se adequam para “enquadrar”

Muito complicado caber nas caixas alheias

Muitas vezes sobram partes da gente para fora

Que logo extirpam de nós

Noutras precisamos forçar, nos dobrar inteiros para entrar ali

Ou temos que nos moldar tanto para adaptar

Que além de doer muito

Com o tempo não mais nos reconhecemos

Quem gosta da gente nos aceita como somos

Claro que podemos melhorar, evoluir

Mas não a esse custo, ingresso muito caro a se pagar

Não dá para forçar tanto para agradar aos outros

Não importa por qual razão

Essas caixas costumam ser prisões

E prisão é sempre prisão

Mesmo que venha enfeitada de sol, lua ou coração…

Se coubermos de verdade na vida de alguém

O coração aceita do jeitinho que somos

Pacote de defeitos e qualidades…

Sem caixas, por favor!

Alda M S Santos

Viagem

VIAGEM

Entre todas as viagens maravilhosas que já fiz

Na terra, no mar, no ar, pelo universo

A pé, usando rodas, velas ou motores

Longas ou curtas, sozinha ou acompanhada

Na beira de um rio, no alto de um pico

No meio do oceano, no alto, nas nuvens

Mergulhada nas páginas de um livro

Entre os takes de um bom filme

Nos versos de um poema escrito na varanda ao luar

A mais completa de todas foi sem sair do lugar

Nas cenas que busco ou crio na minha imaginação

Interagindo com meu universo interior

Edito, dou replay, apago, refaço

Avanço, passo em câmera lenta…

Mexo e remexo ao meu bel prazer

Ela não tem medos, não tem censura

Não tem limites ou barreiras

Não fere, não machuca, nem mata ninguém

Ela é livre e voa…

A viagem para dentro de nós mesmos

É a melhor que podemos fazer…

Alda M S Santos

No amor e na guerra

NO AMOR E NA GUERRA

No amor e na guerra vale tudo

Afirma a “sabedoria” popular

Uma vez que “tudo” pode não ser bom

Não dá para nisso se fiar…

Na guerra é disputa por territórios

Petróleo, religião ou pedaço de pão

No amor é “disputa” também por território

Espaço dentro da alma, do carinho, da emoção

Por um cantinho especial no coração…

Na guerra sempre há perdedores

Ainda que alguém pense ter vencido

No amor só há vencedores

Ainda que alguém pense ter perdido…

Não, no amor e na guerra não vale tudo…

Só vale aquilo que sejamos capazes de carregar

No bolso, na mente ou no coração

Na “derrota” ou na “vitória” …

Alda M S Santos

O tempo cura?

O TEMPO CURA?

O tempo não cura nada

Ele passa, passa, e algumas coisas ficam mais leves

Ele, sabiamente, nos permite cobrir as feridas

Com uma grossa cicatriz de proteção

Perdem o tom vermelho brilhante

Tornam-se mais rosadas até quase parecerem sumir

E ela fica ali para ser vista e relembrada

Algumas cicatrizes todos podem ver

Outras, são muito internas

E só quem as possui tem acesso

Ficam escondidas atrás de sorrisos

De uma alma que se doa, de mãos que trabalham

O tempo não cura!

O tempo nos ensina a lidar com o que não tem cura

O tempo nos permite olhar para as cicatrizes

E retirar dali aprendizado em meio ao que já foi dor aguda

O tempo pode até nos ajudar

A fazer de uma cicatriz algo novo, útil e belo

Uma obra de arte que merece ser vista por todos

Cada qual lida do seu jeito

Com as feridas, o tempo e suas cicatrizes

Tornando-os aliados ou adversários…

Alda M S Santos

Eu escolho

EU ESCOLHO

Entre as tantas partes de mim

As bem antagônicas ou paradoxais

Que todos nós temos, afinal

Eu escolho as que me fazem mais feliz

Que podem me tornar mais acessível

A quem precisar de ajuda, de amor fraterno

Aquelas bem claras em detrimento de outras escuras

As alegres como dia de sol

Mesmo gostando da nostalgia dos dias nublados

As flores perfumadas no jardim

Ao invés do conforto do quarto escuro

O sorriso e as palavras de incentivo

Ignorando a desesperança e tristeza

Não fecho os olhos para o que há de mau por aí

Para o que há de negativo em mim

Apenas tento, sempre que posso

Optar pelo que sei, por experiência própria

Que fará bem a mim

E a quem de mim se aproximar…

Longe de agradar a todos

Tento ser fiel a mim mesma

E nisso já tenho bastante trabalho…

Alda M S Santos

A primeira vez

A PRIMEIRA VEZ

Nunca se esquece ou se apaga

A emoção da primeira vez

Os primeiros amigos, as brincadeiras

Primeiro dia na escola, primeiro namorado

Um olhar, um beijo, um sorriso

O mergulho no mar, a escalada até uma cachoeira

Casamento, maternidade…

A vida é feita de emoções

Aquele friozinho na barriga, rosto ruborizado

Respiração entrecortada, ansiedade descontrolada

Tudo isso dá prazer de viver

Essa montanha russa alucinada

Mas nada se iguala ou se compara

À tranquilidade de uma vida sossegada

Um tranquilo carrossel que gira

A emoção de um rio que segue seu curso

Com alguns entraves no caminho, algumas quedas

Encantando-se com alguns banhistas que nele mergulham

Mas sem grandes sobressaltos, repleta de amor

A certeza de saber para onde vai, sem medos

Sendo valorizado, querido, amado…

Uma vida boa é feita de entrega e muitas primeiras vezes

Mas é melhor ainda uma vida

Que é feita de uma primeira vez que se eterniza…

Alda M S Santos

Mais um presente!

MAIS UM PRESENTE!

Escrever um livro,

Plantar uma árvore

Criar um filho

Acho que estou bem encaminhada

Já fiz os três…

Mas não estou pronta para ir embora

Quero ver os frutos de cada um

Do livro escrito com prazer

Da árvore cuidada com carinho

Dos filhos, razão do meu viver…

Mais um Engenheiro, agora são dois

E com selo de qualidade UFMG, que é inquestionável

Motivo de orgulho e admiração

E todo amor da família SANTOS

“Minha” contribuição para esse mundo cão

Que sua dedicação gere bons frutos, meu filho

Parabéns! Felicidades! Te amo!

Mamãe

Alda M S Santos

Medos

MEDOS

Tenho medos, alguns já são de estimação

Tenho medo de perder aqueles que amo

Mais ainda de me perder de mim mesma

Pois é em mim mesma que encontro todos eles

Tenho medo de perder as forças, a energia, a saúde

Mais ainda de perder o sorriso, a alegria de viver

Tenho medo de ficar dependente dos outros

Mais ainda de não ter ninguém de quem possa depender

Tenho medo de perder a visão

Mais ainda de perder a capacidade de ver com o coração

Tenho medo de adoecer de tanto me envolver

De tanto querer mudar algo nesse mundo desigual

Mas tenho mais medo ainda de perder a capacidade de me importar

Tenho medo de perder minhas lembranças

Mais ainda de não ser capaz de gerar novas boas memórias

Tenho medo de morrer muito cedo

Mais ainda de sobreviver àqueles que me são caros

Tenho medo de morrer de saudades, de viver de lágrimas

Mais ainda de não ter nada do qual possa sentir falta

Tenho medo de ir embora e deixar os outros na mão

Mais ainda de não fazer falta a ninguém…

Tenho muitos medos

Mas enquanto eles existirem é sinal que existo também

Uma vida sem medos

É uma vida sem nada valioso a ser perdido

Uma vida de fé, com medos, mas enfrentados

É uma vida que vale a pena ser vivida

Assim, sigo meu caminho…

Alda M S Santos

Tão pequenos

TÃO PEQUENOS

Tão pequenos somos nós

Diante da grandiosidade do universo

Tão grandes somos nós

Em busca de algo precioso

Tão pequenos somos nós

Quando nos recolhemos em nós mesmos

E ignoramos todo o resto

Tão grandes nos sentimos nós

Frente a tanta batalha inócua

Tão pequenos somos tantas vezes

Ao nos sentir perdidos e sem rumo

Tão grandes somos nós

Lutando, debatendo, ferindo, machucando a todos

Tão pequenos, tão grandes

Depende do referencial

O que vale de verdade, e é preponderante

É o que fazemos de especial

Quando nos sentimos tão grandes

Quando nos sentimos tão pequenos

Tão acompanhados ou tão solitários…

O mundo precisa de gente grande

Não de críticas ou julgamentos

O mundo precisa de gente grande

De sentimentos e de atitudes!

Alda M S Santos

Água ou fogo?

ÁGUA OU FOGO?

Água ou fogo, calor ou frescor

Calmaria ou tempestade

Doçura, delicadeza e bondade

Ou atitude, agitação, lutas, felicidade

Sem falso pudor?

Água ou fogo?

Em qual deles encontramos o que mais precisamos

Voo livre ou terra firme

Asas ou raizes

Liberdade ou segurança

Troncos ou galhos, flores ou frutos?

Que buscamos?

Almejamos aquilo que nos atiça, energiza

Ou aquilo que nos acalma, tranquiliza

Qual elemento mais nos completa

Água ou fogo?

É preciso ficar alerta

Água que lava, refresca,

Nos leva em seu curso

Ou fogo que nos aquece, alimenta, instiga,

Consome o que nos faz mal

Ativa o bem e apaga toda intriga?

Água ou fogo?

Depende do que mais necessitamos no momento

Ambos podem nos limpar, purificar

Nos permitir recomeçar…

Água ou fogo?

Que saibamos escolher o elemento certo

No momento mais incerto…

Alda M S Santos

Quero ser

QUERO SER

Quero ser a melhor brincadeira

Naqueles momentos mais sérios

O sorriso nos momentos de apreensão

A lágrima nos instantes mais alegres

O abraço na hora de solidão

Quero ser o forte analgésico

Nas dores crônicas, no mal agudo

A resposta nas dúvidas existenciais

A placa de largada para os desanimados

A esperança para os sonhos tão naturais

Quero ser a fé e a luz brilhante

Nos breus intensos do caminho

A saudade no coração de alguém

A coragem que brota insistente

A doçura para o amargor também

Quero ser broto de amor

Sementes colhidas do coração

Plantadas em terreno fértil

Nascidas nas terras da imaginação

E perpetuadas no jardim dos irmãos em comunhão

Quero ser…

Alda M S Santos

Seria muito?

SERIA MUITO?

Seria muito imaginar que fui o sonho de alguém

Que minha existência foi planejada

Que antes de aqui chegar eu existi em outro lugar

E foi a mente, a alma, o coração

A imaginação e o desejo de um alguém

Que me tornaram possível viver por aqui?

Será que estive antes no coração de meus pais

Que tudo estava combinado previamente

Que para esta dimensão eu viria

E que teria por aqui um trabalho a fazer?

Seria muito pensar que me materializei nesse plano

Para tornar real o amor de um alguém?

Seria muito imaginar que esperam algo de mim

Que me “vigiam” o existir e o fazer

Na esperança de que eu caminhe sempre para e pelo bem?

Sendo assim, seria muito pedir

Que me perdoassem os atos falhos

Os caminhos sem saída que peguei

As trilhas com inúmeras bifurcações que me enveredei

A luz que outras vezes ignorei?

Seria muito pedir, a quem sonhou comigo

A quem permitiu meu existir

Que estivesse sempre a meu lado

Levando-me pelas mãos para o melhor caminho

Que não me permitisse fugir

Orientando-me com palavras de doçura e carinho

Alertando-me aos buracos nas vias existenciais

Preparando-me para o porvir

Dando-me colo, atenção, amor?

É que pareço forte, sabe

Mas, a verdade, é que tantas vezes só quero um pouquinho de colo

De apoio e da certeza de que não estou só

Seria muito pedir?

Alda M S Santos

(Con)viver

(CON)VIVER

Ato ou efeito de viver com o outro

Não perto dele, mas junto com ele

Não apenas no mesmo espaço físico

Mas dentro do outro…

Conviver é interagir, é trocar

É ensinar, é aprender

É gargalhar juntos, chorar mais juntos ainda

É ouvir mesmo quando falta a sintonia

É ser colo quando o outro chora

É ser brisa quanto tudo parece pesado

É encontrar no outro o sorriso quando tudo está sisudo

É rir das próprias bobeiras e fraquezas

É orar juntos, beber juntos

É se perdoar, seguir o caminho mesmo cansado

Passear de mãos dadas, viajar, mesmo “na maionese”

É entender o outro apenas num olhar

É decifrar silêncios, é pedir explicações

É ser carinho e segurança, mesmo na corda bamba

É saber oferecer, mas também saber pedir, aceitar

É poder discordar, debater, brigar, se preciso for

É dormir e acordar lado a lado, é ser prazer, é fazer amor

É ter medos juntos, enfrentar o adversário no mesmo time

É nunca ter medo um do outro

É saber que somos uns para os outros aqui

Os maiores presentes que poderíamos ter recebido

E quando Ele em algum momento nos perguntar

“Que fez dos presentes que te confiei”?

Possamos responder com convicção

“(Con)vivi bem, respeitei, sobretudo, amei”!

Alda M S Santos

Pais e filhos

PAIS E FILHOS

Pais e filhos, filhos e pais…

Não sabemos o que o amanhã nos reserva

Quem vai para o outro lado da vida primeiro

O que podemos encontrar do lado de lá

Quanto tempo ainda nos resta do lado de cá

Uma hora a vida irá nos separar

O que é possível ser feito, que façamos agora

Quando ainda estamos por aqui

Para que não tenhamos que lidar com o arrependimento

Além da dor da falta e da saudade

Não importa o que cada um fez ou deixou de fazer por nós

Se acreditamos que cumpriram bem ou não seu papel

Vale o que nós fazemos por eles

Pela nossa capacidade de amar, de nos doar

De sermos gratos a quem nos deu a vida

De dar a eles um pouquinho de alegria e conforto

Cuidemos de nossos pais, eles não estarão aqui para sempre!

Te amo, papai! Que todos os dias sejam seus!

Alda M S Santos

Anjos que choram

ANJOS QUE CHORAM

Absorvendo nossas quedas e dores

Anjos se machucam, anjos choram

Choram quando veem que insistimos no caminho errado

Choram quando nos ferimos

Choram quando ferimos os outros

Choram quando não conseguem nos ajudar

Choram quando choramos…

E o mundo chora com eles

Aqueles que estão por aí

Insistentes, persistentes, corajosos

Que se machucam, se ferem, se doem, se doam

Por aqueles que protegem nas dores

Que acolhem no sofrimento, na fragilidade

Se olharmos bem, se apurarmos nossos ouvidos

Seremos capazes de ouvir o choro dos anjos

De ver seu sofrimento atrás de sorrisos

Suas lágrimas silenciosas nas batalhas por nós

Por lutar por seres humanos melhores

Por um mundo melhor,

Anjos choram…

Quem são nossos anjos?

Alda M S Santos

Um rio que passou…

UM RIO QUE PASSOU…

O rio passa…

Límpido, cristalino ou nem tanto

Algumas vezes turvo e sem oxigênio

Águas calmas ou turbulentas

Em cursos de águas rasas, outras profundas

Arborizado ou não, matas ciliares protetoras

Espaços de assoreamentos e ausência de fluxo

Habitat de peixes e outras vidas que acolhe e alimenta

Enfrenta remansos ou quedas nas pedras em lindas cachoeiras

Irriga, favorece a vida em seu entorno

Recebe afluentes, transborda

Ou até parece secar em alguns pontos

Poluído, parece morrer…

Mas onde um rio passou sua marca deixou

Tudo que ele trouxe consigo

Ficará para sempre na vegetação que irrigou

Tudo que leva consigo irrigará outras margens, outros leitos

E vez ou outra a mina renasce e jorra vida novamente

Onde houve um rio fica a saudade

Ali sempre haverá a lembrança de vida, de umidade

Mesmo nas fases de seca…

Um rio sempre será um rio

Até que morra no mar…

Um rio passou, um rio ficou…

Na vida de quem naquelas águas se banhou…

Alda M S Santos

Na janela

NA JANELA

Na janela ela mergulha num mundo diferente

Ora tão longínquo, ora tão perto

Vive naquelas páginas uma história que não é sua

Mas que tantas vezes parecem escritas para ela

Mergulha nas dores e amores imaginários

Nas derrotas e vitórias, nos “personagens” tão diferentes

Chora e sorri, se alegra e se entristece

Aprende em cada página, em cada capítulo, uma lição:

A vida está em constante movimento

Nem tudo é sempre bom

Nem tudo é sempre ruim

Somos nós mesmos que construímos nosso caminho

E nele caminhamos…

Nem sempre levamos quem queremos

Há quem siga na frente

Há quem fique para trás

Há quem não queira ir conosco

Há quem a gente não quer levar

Mas a gente segue o nosso caminho

Na certeza de um dia chegar

A um lugar onde haja apenas paz…

E ela fica ali na janela…

Ora vivendo a história dos outros

Que no final das contas também são suas

Ora escrevendo a própria história

A história daqueles que caminham consigo

Juntos, à frente ou lá atrás

Todos fazem parte dessa história…

Alda M S Santos

Vá!

VÁ!

Vá! Não pare!

Crie em você um recanto de brincadeira e magia

Onde todos possam encontrar a criança perdida, a alegria

Vá! Não pare!

Conserve em você um colo amigo, acolhedor

Onde todos possam enxugar as lágrimas, esquecer a dor

Vá! Não pare!

Desperte em você uma alma caridosa, que se doa, que sorri, que abraça

Onde todos possam ter esperança e sentir que todo mal passa

Vá! Não pare!

Deixe refletir o amor e bondade em cada ato seu

Onde todos possam ver ali o carinho e cuidado de Deus!

Vá! Não pare!

Um mundo melhor começa em você, em cada um de nós!

Alda M S Santos

Refresque-se!

REFRESQUE-SE!

Precisando de uma pausa ou um refresco?

Vá para o mato, área de linda natureza

Uma fazenda, um sítio, um parque na cidade

Procure um rio cristalino, tire a roupa, mergulhe

Nade de braçadas, deixe a água fria lavar tudo

Fique até sentir toda a musculatura aquecida

Até a correnteza levar embora pra longe todo mal

Se não for possível, sente-se à margem de uma lagoa

Coloque os pés na água

Inspire e expire profundamente várias vezes

Pense em tudo de negativo que aquelas águas estarão levando embora

Atraia para si apenas bons pensamentos

Conserve os sentimentos positivos

Faça uma oração pessoal e verdadeira

Agradeça cada coisa boa que tem na vida

Faça um trato consigo mesmo:

A despeito de tudo e de todos,

Manter a paz e a serenidade

Priorizar o amor sempre…

Esse desejo é forte e poderoso

Porque vem de dentro de você

Tente! Refresque-se!

Alda M S Santos

Esconde-esconde

ESCONDE-ESCONDE

1,2,3,4….20!

Lá vou eu, quem escondeu, escondeu…

Tão divertida brincadeira de criança

Já não tem mais tanta graça assim

Não temos paciência para nada procurar

Sequer sabemos por onde começar

Quando sabemos, não queremos perder tempo

Optamos pelo mais fácil, à mão, debaixo do nosso nariz

Perdemos o prazer da brincadeira

O encanto da descoberta, da partilha

A alegria de brincar coletivamente…

Mas continuamos a nos esconder

Escondemos sentimentos, desejos, angústias

Escondemos o que somos de verdade

Escondemos dores e mágoas

Escondemos até amor e alegrias

Por medo de compartilhar e perder

Escondemos nosso verdadeiro eu

Tantas vezes até de nós mesmos

Para viver bem num mundo de hipocrisias

Assim, abrimos mão da saúde física e mental …

Saudade do tempo das brincadeiras de esconde-esconde

Aquelas em que um podia salvar a todos

Aquelas em que os maiores danos eram joelhos esfolados

E no outro dia tudo estava bem…

Alda M S Santos

Essa luz…

ESSA LUZ…

Passa por pequenas frestas

Clareia o caminho, nos guia

Tantas vezes é ignorada

Essa luz é condutora de energia

Passe o tempo que passar

Sempre será ela a mais procurada

Essa luz acende esperanças, insiste

Invade recantos mais escuros

Não teme a dor, não desiste

Escala montes, derruba muros

Essa luz reflete o que há na alma

É condutora, principalmente de amor

Abre trilhas, constrói pontes

Atrai e une sentimentos e pessoas afins

Liga, conecta interior ao exterior

Essa é a luz do Senhor!

Deixe-se iluminar!

Alda M S Santos

O tempo não conta

O TEMPO NÃO CONTA

Neles, os poetas, a brisa toca mais suavemente

As flores têm mais perfume, mais cor, mais espinhos

A chuva cai mais torrencial, assustadora

E o sol aquece mais rapidamente

Neles, os poetas, o abraço enlaça melhor

O olhar enxerga mais detalhes

Os beijos são pura emoção

E as conversas são longas e com melhor teor

Neles, os poetas, o amor se faz mais intenso, mais terno

O coração bate em uníssono, em harmonia

As ondas arrebentam suaves a seus pés

Numa explosão de pura alegria

Neles, os poetas, o tempo não se conta, se canta

O caminho se faz noutro ritmo, como um rio

O amor é a liga de tudo que há

E a vida sempre os encanta

Neles, os poetas, a vida é pura poesia

Nada há que não possa ser sentido

Eles são os escritores que fazem dela versos, poemas

E a abrem a todos por pura cortesia…

Alda M S Santos

Meu mundo para

MEU MUNDO PARA

Nas mil voltas que esse mundo maluco dá

A gente vai tentando não cair, nos segurar

Apegando-nos a algo que nos faça seguir

Que não nos trave no mesmo lugar

Tantas vezes queremos tocar a campainha

Dar um sinal que avise que queremos parar

Cansados estamos, tontos, só queremos descer

Arrumar um cantinho, encolher para descansar

Girando por aí para todos os cantos

Notamos que tantas vezes precisamos é nos soltar

De algo a que nos apegamos e nos prende no mesmo lugar

Por não querer seguir, se envolver, participar

Tantas as travas, tantas as tristezas

Que podem fazer nosso mundo parar…

Urge focar nas alegrias, nos estímulos, no belo

No amor que precisamos para fazer nosso mundo girar…

Alda M S Santos

A gente combina

A GENTE COMBINA…

Vento que uiva, que canta

Fala baixinho, sussurrando

Ora grita, nervoso, intenso

Traz e leva pensamentos e desejos

Vento que passa veloz

Muda o plano de voo das aves,

Traz consigo tempestade atroz

Balança galhos das árvores

Que se curvam ao seu poder

E, resilientes, retomam seu prumo, até sem querer

Vento que acaricia feito brisa suave, que atiça

Que arrepia cada centímetro da pele, que enfeitiça

E que esquenta corpo e alma, lá dentro, bem fundo

Ou que, devastador, gela tudo em nosso mundo

Vento que chega sem qualquer aviso

Deixa em alvoroço rios e mares, impreciso

Pega toda a gente desprevenida

Correndo em busca de boa guarida

Ou se entregando a ele, sem saída

Vento que vem e que vai

Uma hora a gente combina direitinho

Quem sabe a gente não vai juntos pro mesmo caminho?

Alda M S Santos

Obra valiosa

OBRA VALIOSA

Tantas vezes acreditamos que

Em se tratando de construção antiga

O melhor é jogar tudo ao chão

E recomeçar do zero, evitar a fadiga

Refazer tudo, não investir tempo em reparos…

Pensamos que reformar é trabalho perdido, sai caro

Serviço porco, costumamos dizer

E se nosso Criador nos olhasse nessa mesma perspectiva?

Nossas paredes trincadas por abalos sofridos

Nossa cobertura danificada pelas tempestades de granizo

Áreas com mofo, descascadas, esquecidas num canto

Infiltrações importantes em partes fundamentais

Ferrugem corroendo nossa estrutura emocional

Base gasta pelo uso excessivo e impensado

Portas e janelas mal instaladas, soltas

Espaços impróprios que não recebem luz

Rede elétrica com falhas, produzindo choques no coração

Será que valeria a pena a reforma

Ou Ele preferiria começar conosco do zero

Levar-nos de volta para refazer o trabalho?

Como anda essa obra valiosa que somos nós mesmos?

Temos cuidado bem dela?

Ou terá que ser demolida?

Alda M S Santos

Refúgio

REFÚGIO

Quero encontrar um refúgio

Um lugar de paz e sossego

Onde possa me abrigar

Quando minh’alma precisar se calar

Quero encontrar um refúgio

Para o qual eu possa fugir

Quando tudo parecer difícil

E poder relaxar, sem fingir

Quero encontrar um refúgio

Para os males buscar reparo

Que me traga discernimento, refrigério

Quem sabe em mim mesma obter amparo

Quero encontrar um refúgio

Acho um lugar, mergulho em mim mesma

Lá encontro paz, lá encontro Deus!

Alda M S Santos

Escolhas ou acaso

ESCOLHAS OU ACASO

Há dores, há diferenças, injustiças e dissabores

Mas também há coração, bondade, alegrias e amores

Escolhas ou acaso?

Há abandono, indiferença, tristeza e solidão

Mas também há companhia, carinho, cuidado e proteção

Escolhas ou acaso?

Há choro, lamentos, lembranças e saudade

Mas também há brincadeiras, músicas, sorriso e amizade

Escolhas ou acaso?

Há descrença, doenças, patologias e depressão

Mas também há abraços, beijos, tempo e doação

Escolhas ou acaso?

O mal pode ser obra do acaso

Mas o bem sempre será uma escolha!

Alda M S Santos

#carinhologos

Click: poeta das imagens

CLICK: POETA DAS IMAGENS

Capta em qualquer canto

Um encanto ou beleza qualquer

Terra, mar, rio, mata, gente

E surge um desejo premente

Eternizar aquele momento

Fazer de tudo para fixar na mente

Aquele segundo especial, envolvente

Mexe daqui, ajeita dali, senta, deita

Se encaixa num ângulo perfeito

Busca sua musa, a melhor luz, a mais aparente

Quer capturar a essência genuína daquele lugar

Click! Atua o poeta das imagens

E “escreve” ali sua poesia

Para sempre eternizada

Em sua objetiva, objetivamente

Em seus olhos, em sua mente

Numa alma que deseja viver da beleza

Que não se cansa de procurar, de gravar

Ainda que desajeitadamente

O que de mais intenso e belo ali encontrar…

Fotografia: a arte de fazer da imagem uma poesia…

Alda M S Santos

Fada, fadinha

FADA, FADINHA

Fada, fadinha

Que faz da vida pura magia

E transforma dores em doces sabores

Quero te fazer um convite:

Quer ser minha fada madrinha?

Fada, fadinha

Que é doçura, sonho, encanto

Não quer me abraçar, cuidar de mim

E pra sempre enxugar meu pranto?

Fada, fadinha

Que é amizade, é bondade

Cura mal de todo tipo

Não quer aplacar essa saudade

Que vira e mexe me invade?

Fada, fadinha

Que tem poderes, asas, voo, imaginação

É luz, brilho, cor, é fantasia

Que tal juntar-se a mim

Com sua varinha de condão

E sermos juntas pura poesia?

Alda M S Santos

Tudo em nós fala

TUDO EM NÓS FALA

Tudo em nós fala daquilo que há pulsando dentro da gente

O sorriso fala e não engana a um bom observador

Se ele ocultar em si alguma dor

O olhar de brilho ofuscante ou apagado fala

Aquele que encara ou, frustrado, se desvia

Fala também do coração que pulsa forte

Que se resguarda e se aquieta em letargia

O andar firme, trôpego ou confiante

Fala do peso ou leveza que se carrega nas costas, na alma

As mãos que se estendem, abraços que enlaçam

Falam de amor, de paz, de paixão

A força do que há plantado em nosso interior

Sempre irá florir ou morrer de algum modo

Em nosso exterior…

Alda M S Santos

Eis-me aqui

EIS-ME AQUI

Eis-me aqui, ora inteira, ora faltando pedaços

Mas ainda assim, eu mesma

Buscando a cola que irá reconectar

O pedaço que de mim se quebrar

Eis-me aqui, ora frágil, ora forte

Mas com a mesma essência

Procurando algo que possa preencher

O que hoje se tornou ausência

Eis-me aqui, ora louca, ora sã

Sem deixar de ser humana, machucada

Gritando silêncios em resposta a dores caladas

Eis-me aqui, ora amante, ora amada

Persistente em busca do que justifica todo o viver

A alegria do amor sempre fazer, refazer

Eis-me aqui, ora sorrisos, ora lágrimas

Sem nunca desistir dessa caminhada

Conquistando a reciprocidade que acalenta, a paz que alimenta…

Eis-me aqui…até quando?

Alda M S Santos

Falar de você

FALAR DE VOCÊ

Falar de você é um modo de te manter dentro de mim

Falar sobre você, (re)contar sua história, é reviver um pouco o que viveu

Falar de você é ser ora triste, ora feliz, ora saudosa

Falar de você é um modo de te amar à distância

Falar de você, lembrar de tudo que ensinou, é não deixar morrer aprendizados

Falar sobre você é a melhor maneira de fazer com que os outros te conheçam

Falar de você me faz ser melhor, mais complacente e solidária

Falar de você faz com que os outros te vejam em mim

Estar com quem te conhece é te trazer para perto

Viver com quem não te conhece é a possibilidade de levar você até eles

Falar sobre seu amor é levar os outros a acreditarem

Que tudo é possível no amor verdadeiro e puro

Falar sobre você, tentar viver como você viveu

É o único jeito de honrar o que fez por todos nós

Amando uns aos outros como Você nos amou

Sempre falarei de Você e de meu amor, do Seu amor

Se não em palavras, em atitudes…

Eu te amo, fica comigo, Jesus!

Alda M S Santos

Circularidade da vida

CIRCULARIDADE DA VIDA

Acredito nos ciclos vitais

Sejam da água, das plantas, da Lua

Das marés, da Terra ou dos humanos

Fazemos nossa própria rotação

Giramos em torno de nós mesmos e dos nossos

Sem percebermos que, tal qual a Terra em torno do Sol,

Fazemos também nossa translação em torno do mundo

E em cada parte desse ciclo que vamos criando

Enfrentamos marés altas, calmarias

Tsunamis e ressacas

E vamos aprendendo a lidar com cada uma

Protegendo-nos de riscos desnecessários

Acolhendo com tranquilidade fases ruins

Resistindo melhor ao gosto pelo supérfluo

Aproveitando ao máximo a face bela e luminosa do período amoroso

Aprendemos a nos fortalecer

Na certeza da circularidade da vida: tudo vai, tudo volta

E procuramos melhorar a cada ciclo

Sem perder nossa essência, nossa individualidade

O que faz de nós aquilo que somos: únicos!

Alda M S Santos

Ser feliz

SER FELIZ

Descobri um jeito simples de ser feliz

Não exige tanto esforço ou trabalho

Não há necessidade de acumular bens

Nem estar vestido na última moda

Dispensável ser sarado, esbelto, musculoso ou curvilíneo

Ou ter rosto de capa de revista

Não há necessidade de ter QI de Einstein

Ou a bondade da Madre Teresa de Calcutá

Não exige que esteja com alguém

Tampouco será problema se estiver sozinho

Basta ser o motivo da felicidade de alguém

Aquela pessoa que desperta sorrisos no outro

Aquela alma que parece carregar consigo o segredo da paz mundial

Que faz com que o outro se sinta acolhido e aquecido

Que faz com que se sinta alguém especial

Que exala, amor, luz, carinho, bondade

E faz outro ser se sentir valorizado, amado…

Aquela pessoa indispensável na vida de outro alguém

Que faz o dia ser mais belo simplesmente por ela existir

Isso é ser feliz: fazer feliz!

Simplesmente porque isso gera energia boa

Que flui em mão dupla

Vai e volta simultaneamente…

Quer ser feliz? Faça um alguém feliz!

Alda M S Santos

Há dias assim…

HÁ DIAS ASSIM…

Há dias de extremo cansaço

Falta a coragem, sobra desejo de jogar a toalha

Há dias de muita agitação

Energia e vontade de tudo fazer, melhorar

Há dias de dúvidas intensas

A fé mina, raciocínio falha, inércia pura

Há dias de emoções turbulentas

Desestruturam, balançam e tiram tudo do lugar

Há dias de calmaria, paz

O barco da vida segue seu curso sem grandes solavancos

Há dias de mergulhos emocionantes e profundos nas águas da vida

Mas também há dias de emoções rasas e superficiais

Tudo parece não fazer sentido

Há dias de amor, paixão, sintonia

Tudo é beleza, carinho e acolhimento

Há dias de ausência de conexão e interatividade

Falta comunicação, silêncios e distância prevalecem

Há dias de saudades, de esperança

Onde o presente fica espremido entre passado e futuro

Há dias de sonhos e realidades interagindo

Tentando encontrar um equilíbrio que satisfaça

Há dias felizes, outros nem tanto

Enquanto houver dias por viver

Sempre haverá dias assim…

Alda M S Santos

Histórias arrancadas

HISTÓRIAS RABISCADAS

São tantas as histórias, tantos os momentos

Bons ou ruins, saudosos ou amargos

E muitas vezes queremos rabiscar alguns capítulos

Arrancar algumas páginas

Apagar definitivamente algumas cenas dolorosas

Mas isso não é possível…

Tudo está gravado definitivamente

Seja rabiscado, arrancado, queimado, lançado fora

Tudo está lá em nosso HD interno

E salvo no Livro da Vida o qual não temos acesso

Podemos desfocar, desviar a atenção

Deixar ir embaçando por falta de uso

Grifar com brilho páginas mais interessantes

Destacar capítulos alegres e prazerosos

Colocar rosas a marcar o que se quer “reler”

Mas apagar, definitivamente, não dá!

Vira e mexe cenas reaparecem

E só podemos aprender com elas

Reeditar, consertar, reestruturar, melhorar o que for possível

E mandá-las novamente para a caixinha de histórias rabiscadas

Daquelas que só serão relidas do outro lado da vida…

Alda M S Santos

Plurais

PLURAIS

Gosto de pessoas plurais

Intensas, diversas, multi

Capazes de me despertar de qualquer letargia

E me inspirar a ser cada dia mais

Gosto de pessoas singulares, únicas

Daquelas que carregam o sol em si sem perecer

E mesmo nas noites mais escuras e frias

São capazes de brilhar e me aquecer

Gosto de pessoas plurais ou singulares

Contanto que enxerguem o mundo a sua volta, tudo natural

Que me vejam como as vejo

E façam-me sentir única, especial

Gosto de pessoas, todas elas

Desde que sejam reais, verdadeiras

Plurais ou singulares, pares ou ímpares

Que me façam sentir que existo, que sejam parceiras…

Gosto de pessoas…

Alda M S Santos

Travessia

TRAVESSIA

A ponte está aí, convidativa

A gente olha, fica tentado

Rústica, bela, longa, atrativa

Mas tenta enxergar do outro lado

A ponte a nós se apresenta

E se não pudermos pegar o caminho de volta?

Aqui, mesmo confuso, já é conhecido

Será que pode haver uma reviravolta?

Que haverá do outro lado

Dor, luta, sofrimento, morte, partida

Apenas uma continuidade disso tudo aqui

Ou haverá mais união, amor, compaixão, vida

Preocupações, tentações, medos e vontades, sedução

Sentimentos que lutam dentro da gente

Enquanto isso, sequer percebemos ou notamos

Que isso tudo é simbolismo, somos a ponte, a evolução…

Essa travessia não é escolha

Nós a fazemos sem perceber

Ela acontece à nossa revelia

Quando vamos ver, já acabou o viver…

Alda M S Santos

Além do horizonte

ALÉM DO HORIZONTE

Do horizonte multicor faço uma tela gigante da vida

Um filme de um viver, de um “passar” por aqui

Cada cor refletindo uma alegria, um êxtase

Uma dor, um prazer, um dissabor

Uma mistura delas tão nítida em alguns pontos

Tão confusa e borrada em outros

Filme que desperta sorrisos, satisfação

Lágrimas, tristeza, saudade, gratidão

Um filme de bilheteria singular

Será que nossa história passa em alguma outra tela por aí?

Causa emoção, esperança, dores e arrependimentos

Ou quem sabe tenha takes e cenas de amor e saudade?

Luz, escuridão, emoção, decepção, vida…

Cada uma delas retratando um momento especial

Porque viver é sempre especial

No horizonte multicor assisto a um filme que ainda acontece

E continuo produzindo novas cenas…

Gravando!

Alda M S Santos

Sentimentos tão (des)humanos

SENTIMENTOS TÃO (DES)HUMANOS

Determinação : Você poderia me arrumar um emprego? Quero trabalhar!

Arrependimento: Vim de Pouso Alegre e acabei aqui sem pouso.

Fome: Pode repetir? Estou faminto hoje!

Depressão: Faço uns bicos durante o dia, durmo no abrigo, saio às vezes, a depressão bate fundo.

Fé: Um dia estarei do lado que vocês estão, se Deus quiser!

Tristeza: Meu filhinho de três anos está internado.

Maternidade: Preciso de roupas de criança. Lembra de mim e do meu filhinho loirinho e de olho azul?

Vaidade: Gosto de sabonete cheiroso, esse é bom!

Preferências: Não posso com esse cobertor, sou alérgico, pinica!

Simplicidade: Tem um chinelo ou tênis? Se for grande pode ser de mulher mesmo!

Humildade: Não tem mais blusa de frio? Tenho frio! Pode me dar essa sua?

Satisfação: Que massa! Ganhei uma blusa do Galo(Atlético MG)

Simpatia: A vida na rua dói, moça! Tem pasta de dente aí, ajuda a sorrir!

Mulher: Acabaram os absorventes? Estava precisando…

Oportunismo: Tem gente que pega coisa que tem, eu não faço isso, não!

Má índole: Pode me dar uma sacola grande? Se a gente não dormir por cima eles roubam!

Vícios: Não dê cobertores para aqueles lá, não, que vendem para comprar “cola”.

Gratidão: Deus abençoe e proteja vocês!

Realidade: E assim segue a vida nas ruas de Belo Horizonte

Nos cantos, nas filas de doações, nas camas improvisadas

No fogo para aquecer, na bebida ou droga para esquecer

Nas barracas de cobertores que servem de casa, dia ou noite…

Sentimentos tão (des)humanos que transbordam

No meio de todos nós…

Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar num mundo de amor e paz

Mesmo que ainda tropecemos em seres humanos pelas calçadas

Quero acreditar na bondade inerente a todo ser humano

Mesmo que tantas atitudes nem pareçam humanas

Quero acreditar na força que nos faz persistir

Mesmo que a fraqueza física ou mental nos puxem para baixo

Quero acreditar que qualquer bem que se faça é um começo

Mesmo que pareça tão pouco aos olhos de tantos

Quero acreditar que posso espalhar a luz

Mesmo que o entorno tenha tanta escuridão

Quero acreditar na cola universal chamada amor

Capaz de a tudo colar, reintegrar e renovar

Mesmo que estejamos quebrados pela covardia e inércia

Cheios de cacos cortantes, algozes

Ferindo a todos a nossa volta e a nós mesmos

Quero acreditar num mundo melhor, de amor reinante

Preciso disso para continuar fazendo algo, agindo…

Acredita comigo?

Alda M S Santos

Beijos de todo tipo

BEIJOS DE TODO TIPO

São tantos e de todos os tipos

Aqueles de carinho de um pai ou de uma mãe

Os dados na bochecha de um amigo/irmão

Os que se dá na mão, por cavalheirismo

Os que se dá na testa, por proteção

Os que são de amor, alegria e confiança de uma criança

Os que se estala no rosto em agradecimento

Os que são dois em cumprimento

Há ainda os que se dá como selinho nos lábios

Se o cumprimento for mais íntimo

Há os que são beijos acompanhados de abraços na pontinha dos pés de amor/amigo

Ou os que são mais longos, apaixonados, em entrega e promessa de algo mais

Há aqueles de tesão em que abraços, braços e corpos acompanham

E há os de amor, cumplicidade, suaves e ternos que carregam uma vida consigo…

Há beijos de todo tipo…

Gosto de todos, desde que sejam verdadeiros!

Alda M S Santos

Ousadia de viver

OUSADIA DE VIVER

Quero viver sem perder a ousadia

A ousadia de ser quem eu sou

A despeito de opiniões em contrário

De palavras paralisantes ou silêncios cortantes

Quero manter a ousadia

De buscar aquilo que muitos acreditam ser impossível

De escalar os montes que acreditar valerem o esforço

De descer rolando se me aprouver

De sentar e esperar quando minha alma pedir isso

Quero viver com a ousadia

De descartar aquilo que não merece ser conservado

De lutar pelo que merece ser conquistado

E de ainda brigar mesmo quando a batalha parecer perdida

Quero viver com a ousadia

De ser maluca, às vezes, para manter a sanidade

De ser criança sempre, para não perder a simplicidade

De ser feliz, mesmo infeliz em alguns momentos de saudade

Quero nunca perder a ousadia de simplesmente viver

De ser “eu” em meio a tantos outros eus…

Que eu nunca perca a ousadia…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: