Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Coração em prece

CORAÇÃO EM PRECE

Um momento de profunda reflexão
Buscando o que vai lá no fundo do coração
Elevo a Deus minha prece de gratidão
E coloco uns pedidos no altar da oração

Que fazer com gente que só pensa na maldade
Que não se irmana, a guerra é sua verdade
Peço ao Pai que nosso coração seja capaz
De permanecer no bem, saber espalhar a paz

Pai, não nos deixe seduzir por aquilo que é vão
Mantenha viva a fé de ver no bem a realização
Afaste de nós o desejo de luta e competição

Senhor Jesus, Pai de toda criação
Plante amor nos cantos desse mundão
Conte comigo, possa ajudar regar a plantação

Alda M S  Santos

Post Destacado

Poesia…meu lugar!

POESIA… MEU LUGAR!

Poesia tem a cor da delicada flor
Poesia tem o cheiro do amor
Gosto de morar nesse jardim
Como abelha polinizar, ser vida, enfim

Poesia tem poder curativo, calmante
Ali mergulho sem medo, nao é decepcionante
Poesia é o sumo da vida, adocicado
Poesia é a força e a suavidade ao meu lado

Poesia é igualitária, é democrática
Está para o rico, para o pobre, emblemática
Basta ligar o botão da emoção
E os olhos a levarão direto ao coração

Poesia está para o poeta
Como o esporte está para o atleta
Como o beijo doce da namorada
Ela é a inspiração para a alma apaixonada

Alda M S Santos

Quando…

QUANDO…

Quando um corpo requer outro corpo
Qualquer corpo pode tentar trazer conforto
Mas quando a alma depende de outra alma
É preciso muita persistência, muita calma

Quando a intimidade traz boa conversa amiga
Quando o silêncio é tranquilo, não gera briga
Quando a confiança é forte, soberana
A vida fica mais suave, doce, se irmana

Quando os caminhos se encontram num ponto
Os sonhos não geram tanto contraponto
A sensação de paz promove suave alegria
Dispensável ebulição sempre, há calor nessa magia

A vida é feita de muitos momentos
Bom mantermos só os bons no pensamento
Aqueles que despertam luz, união e sintonia
E jogar fora os que ferem, não têm harmonia

Alda M S Santos

Enquanto isso

ENQUANTO ISSO…
Enquanto o rio não corre para cima
Vou descendo nas suas loucas corredeiras
Enquanto não conseguimos tirar leite de pedras
Vou amaciando uns corações mais flexíveis e receptivos
Enquanto vamos brigando por um mundo mais justo e fraterno
Vou estendendo a mão, desviando dos buracos, ajudando, sendo ajudada
Enquanto procuro pela rosa mais cheirosa, bonita e perfeita
Vou cuidando das lindas flores do meu jardim
Enquanto a escuridão da noite cai sobre todos
Busco uma estrela cadente e faço um pedido
Enquanto o amor não vence todos os obstáculos
Percebo que o impossível é especialidade Dele
Enquanto a tempestade assustadora não passa
Observo sua beleza, seu poder de destruição e reconstrução
E escrevo um poema…
Alda M S Santos

Não é preciso!

NÃO É PRECISO!

Não precisa ser o primeiro a romper a fita da chegada
Basta manter a disposição após a largada
Não precisa estar no alto do pódio
Basta que esteja feliz, na paz, sem ódio

Tantas vezes entramos em infrutíferas disputas
Aquelas que machucam, não valem tanta luta
Não preciso competir com meu semelhante
Quero estar melhor que eu mesma a cada instante

Há tantas necessidades que não são prementes
Não podemos ficar delas dependentes
A vida pode ser mais leve, mais feliz
Se conseguirmos ouvir o que a alma nos diz

Corpo e coração têm algumas vontades urgentes
A mente vai dando o equilíbrio, sendo inteligente
Essa balança precisa estar em equilíbrio pra não tombar
Assim nossa vida tem mais sorrir, menos chorar

Alda M S Santos

Todo tempo

TODO TEMPO

Todo tempo ou hora, em qualquer lugar
Sempre é tempo de viver, de amar
Seja dia ou noite, inverno ou verão
Bom mesmo é poder ativar o coração

A alma requer sempre esse momento
Que se eternize, traga bom pensamento
Somos feitos de massa própria para o amor
Sovada, descansada, pronta para gerar calor

Uma vida baseada nessa especialidade
Que todos viemos com dons, capacidade
É receita certa para uma vida de verdade

Ser humano que não ama tende a definhar
E não falo só de amar/sensualizar, quero poetizar
Amor pede carinho, amizade, isso é bem- estar

Alda M S Santos

Bienal de SP, estou dentro

Bienal do Livro SP começa hoje. Estarei lá em 08/07. Aos paulistas que quiserem conhecer minha obra na Bienal…

Sobre eternidades

SOBRE ETERNIDADES

A palavra eterno traz a ideia de infinito
Algo que se perpetua no tempo e espaço
Isso te deixa alegre, feliz ou aflito?
Consegue lidar bem com esses laços?

Se for a saúde, a família, a amizade, o amor
É bom saber que é durável, não é finito
Mas se for angústia, medo, cansaço ou dor
Ou qualquer situação ruim não fica bonito

Sentir leveza frente às nossa eternidades
É necessário, urgente, afasta a ansiedade
Faz bem, traz paz, prazer, e doce felicidade

Mas se o eterno causar angústia, temor
Algo pode ser feito, mudar o cursor
E clicar em algo digno, que traga mais amor

Alda M S Santos

Quando olho para dentro

QUANDO OLHO PARA DENTRO

Quando olho para dentro a visão se amplia
Entendo o que se passa lá e cá, boa sinergia
O que sinto, o porquê, as faltas e os excessos
Fica mais fácil avaliar todo o processo

Quando olho para o interior, me encontro
Pergunto, respondo, silencio, confronto
Pode doer, fazer sofrer, fazer chorar
O caminho se descortina para poder continuar

Quando olho para aquele cantinho especial
Descubro o que me faz bem ou faz mal
Melhor, entendo o que não é primordial
Posso dispensar sem medo de vendaval

Quando mergulho em mim, saio da superfície
Busco pureza, claridade, afasto toda imundície
Vem a certeza que tudo que se quer resolver
Começa de dentro para fora, novo florescer

Alda M S Santos

Foi você!

FOI VOCÊ!

Foi você?
Que fez o Sol surgir na serra ou no mar
Aquecer a todos, sem ninguém deixar passar
E fazer aquela semente de esperança brotar?

Foi você?
Que trouxe brilho ao verde das matas, bela visão
Que me fez seguir em frente, com emoção
Os sonhos traçados dentro do coração?

Foi você?
Que minhas lágrimas deixou brotar
Mas não me deixou só, a chorar
Fez delas boa irrigação para a vida renovar?

Foi você?
Que sempre esteve por aqui
Que sinto pulsar forte dentro de mim
Quando tudo parece quase no fim?

Foi você?
Que é meu início, meu começo
Meu amor, minha vida, meu recomeço
Meu futuro, minha esperança, sem tropeço?

Foi você? Foi Você! Sempre é Você!

Alda M S Santos

A paz em mim

A PAZ EM MIM

A paz que tanto almejo
Que é de tantos o desejo
Começa no meu coração
Quando o ouço com atenção

A paz que o mundo precisa
Brota na minha alma, sensibiliza
Nasce e cresce se bem cuidada
Se necessário é bom também ser podada

A paz que quero distribuir
Chega quando evito discutir
Não preciso aceitar ou ser conivente
Basta respeitar quem de mim é diferente

A paz começa quando decido assim
Não me atormento, cuido de meu jardim
Nele floresce amor, companheirismo e união
Parceria, amizade e verdade como religião

Alda M S Santos

Bom mineiro

BOM MINEIRO

O bom mineiro é aquele que chega devagar
Tem doçura, calma e sensibilidade no olhar
Com jeitinho especial vai comendo pelas beiradas
Não desiste fácil, enfrenta qualquer parada

Simples por natureza, é bem hospitaleiro
Gosta de gente sincera, coração verdadeiro
Canjiquinha, tropeiro, doce de leite, pão de queijo
Junta tudo numa prosa regada a abraços e beijos

Gosta de praia,  roda de conversa e violão
Passeio na serra, na cachoeira, missa com sermão
Com verdade e bondade ganha seu coração

Alma feita de boa mistura de urbano e rural
Dentro do peito dele só cabe o que é natural
Se quiser morar ali, seja você, seja real

Alda M S Santos

Cabe direitinho

CABE DIREITINHO

Gosto de coisas que cabem direitinho
Que parecem ter sido feitas sob medida
Como minha cabeça em seu ombro acolhedor
Ou nossos pés entrelaçados sob o cobertor

Gosto de coisas que cabem direitinho
Como minhas mãos dentro das suas
Meu sorriso sob seu terno olhar
Minha segurança em seu modo de amar

Gosto de coisas que se harmonizam
Como um beijo suave ao amanhecer
Ou um caloroso e intenso abraço ao anoitecer

Gosto de me encaixar, me completar em você
Ou do modo como você se completa em mim
Caber direitinho faz muito bem, ah, faz sim

Alda M S Santos

No palco da vida

NO PALCO DA VIDA

No grande palco da vida há de tudo
Atores, autores, protagonistas e coadjuvantes
O momento pode ser eterno ou só um instante
Vale nossa entrega ali, alegre ou frustrante

Em algumas árias haverá choro, dor, drama
Em outras uma boa risada, comédia, fama
Vez ou outra seremos o ator principal
Noutras quereremos sumir,  nada especial

Haverá histórias boas, compartilhadas
Também solidão, jornada pesada
Haverá amor, amizade, carinho, lealdade
Abandono, decepção, bondade e maldade

Bom saber que ali somos atores e autores
Não dá para passar a outro o controle
Esse roteiro somos nós que damos vida
E a história pode ser curta ou bem comprida

Com luzes ou não, aplausos, vaias, indiferença
Cabeça erguida, o espetáculo não pode parar
Nesse palco ter plateia não faz diferença
Até o cerrar das cortinas iremos atuar

Alda M S Santos

Insisto!

INSISTO!

Insisto naquilo que não desiste de mim
Penso, reflito, tento ver se fica bem assim
Arrumo um cantinho, cuido, trato com carinho
E logo tudo parece bem, há sempre um jeitinho

Insisto na luta que parece improvável
Também naquela ideia que é bem louvável
Não desisto porque agora estou cansada
Lá no fundo busco forças para essa jornada

Já aprendi onde devo ir para buscar
O que minha alma pede sem parar
Ouço lá no fundo meu coração pulsar

É ele que me traz todas as respostas
Que a Criação dá às minhas mãos postas
Aliviada, insisto, resisto, sigo bem disposta

Alda M S Santos

No meio do caminho

NO MEIO DO CAMINHO

No meio do caminho 
Tinha buracos, tinha espinhos
Tinha amigos, tinha amores
Tinha poeira, tinha carinhos
E tinha você…

No meio do caminho
Tinha pedras, tinha árvores
Tinha rampas, tinha escadas
Tinha trabalho, tinha preguiça
E tinha você …

No meio do caminho
Tinha aviso, tinha perigo
Tinha desamparo, tinha abrigo
Tinha gritos, tinha silêncio
E tinha você …

No meio do caminho
Tinha sol, tinha chuva
Tinha luz, tinha escuridão
Tinha desânimo, tinha perseverança
E tinha você…

No meio do caminho
Tinha dor, tinha ansiedade
Tinha sorrisos, tinha lágrimas
Tinha medos, tinha afinidade 
E tinha você…

Mas no meio do caminho
Tinha o mundo todo perfeito
De belas escolhas recheado
Da saudade acompanhado
Mas era insignificante, pois não tinha você!

Qualquer caminho só será bonito
Se tiver você!
Valorize-se!

Alda M S Santos

Virou pó-esia!

VIROU PÓ-ESIA

Dizem que tudo acaba virando pó…
Eu prefiro acreditar que tudo vira pó- esia
As lembranças da infância ricas em alegria
As inquietações da adolescência cheias de fantasia
O amor da juventude carregado de magia

Tudo vira pó-esia!

O trabalho, nosso incansável labor
A família e suas especificidades, repletas de amor
As relações com o outro que nem sempre são flores
Os medos, dívidas, decepções, dissabores

Tudo vira pó-esia!

A mente clara, confusa ou atribulada
O corpo cansado dessa marcha às vezes pesada
O coração cheio ou vazio determinando umas paradas
Um todo humano que insiste nessa viagem, nessa jornada

Tudo vira pó-esia!

E virar poesia é um meio lindo de se eternizar
É encontrar num cantinho da gente um bom lugar
Virar poesia é saber que tudo valeu a pena
É salvar na nuvem da alma, é não ser pequena

Quero que minha vida, meus amores virem pó-esia!

Alda M S Santos

Saudade é arte!

SAUDADE É ARTE!

Saudade pulsa no peito de qualquer idade
Ora é inércia, ora é  desejo, ora é vontade
Tem a forma de uma rosa ou do espinho
Perfuma, alegra, é perdição ou caminho

Saudade tem a forma da noite enluarada
De casal abraçado na praça, gente apaixonada
Tem energia de criança sapeca, levada
De doce, de pipoca, de brincadeira engraçada

Saudade tem a nostalgia de idoso à beira-mar
Peito cheio de vazios, de lembranças a vagar 
Saudade tem cheiro de despedida
De alguém que se foi, deixou a alma dolorida

Saudade é aperto, mas pode ser leveza
Quando se faz as pazes com sua natureza
Há coisas que vão,  outras que ficam, faz parte
Saber disso é fazer da saudade uma bela obra arte

Alda M S Santos

Festa Junina

FESTA JUNINA

Chegou junho, festa dos santos
Santo Antônio, Pedro, Paulo e João
Trajes, comidas, brincadeiras de montão
Tem que ser forte, aguenta coração!

A moda de viola e sanfona é animada
Convida para a dança, anima a moçada
Num intenso e ritmado balancê
Os pares não param, anarriê!

Entre cumprimentos de damas e cavalheiros
No voo das andorinhas e gaviões
A festa de São João aproxima corações
E faz a vida repleta de recordações

Alda M S Santos

Eu posso, sim, escolher!

EU POSSO, SIM, ESCOLHER!

Sou eu quem decido se rio ou se choro
Se não ligo, não me importo, se ignoro
Sou eu quem opto pelo azul ou rosa
Se calo, silencio ou se fico toda prosa

Eu posso, sim, escolher!

Posso escolher entre seguir ou parar
Sentar, deitar, descansar, relaxar
Sou eu quem escolho meus caminhos
Se quero companhia ou se vou sozinha

Eu posso, sim, escolher!

Sou eu quem faço a opção pelo amor
Por acolher só o que não cause dor
Sou eu que seleciono o que abraçar
Também o que não serve, descartar

Eu posso, sim, escolher!

O que olhar ou admirar, me encantar
Aquilo que prefiro não ver, apagar
Sou eu quem escolho o que dançar
Ou a música que quero tocar

Eu posso, sim, escolher!
E asslm dou o tom do meu viver!

Alda M S Santos

Ipês

IPÊS

Pra todo lado que se olhe é lindo de se ver
Grandes, imponentes, maravilhoso florescer
Em vias quaisquer, rurais ou urbanas
Enchem os olhos, encantam a vida humana

Cores vivas, atraem o olhar mais desavisado
Difícil ficar alheio, não se sentir hipnotizado
Rosas, roxos, brancos, amarelos, azuis
Os ipês são da Criação uma linda obra, são luz

Florescer que se dá na seca, no inverno
Nos ensinando que todo tempo é tempo
De deixar brotar nosso querer interno
Ainda que tudo pareça frio no externo

O desejo é de apenas ficar ali
Observando a vida colorida a florir
Houve perda total das folhas, pareceu morrer
Antes desse lindo e colorido reviver

Alda M S Santos

Não são só palavras!

NÃO SÃO SÓ PALAVRAS

Elas podem ser impensadas
Rispidas, fortes, mal analisadas
Podem ferir, machucar, magoar
São lâminas fazendo a alma chorar

Não são só palavras!

Podem estar carregadas de desesperança
De desânimo, de cansaço, de mentira, destemperança
Podem instigar um lado negativo, punitivo
Fazendo de nós um coração fugitivo

Não são só palavras!

Podem estar recheadas de fé e amor
Trazendo luz, esperança, colo e calor
Podem animar, ser carinho, abraços e beijinhos
A doçura que todos precisamos para não seguir sozinhos

Não são só palavras!

Aquilo que falamos não pode mais ser recolhido
Vai encontrar um terreno para crescer, é sabido
Se quisermos plantar o bem, lançar ao vento
Vamos transmitir coisas boas do pensamento

Não são só palavras!

Alda M S Santos

Saudade

SAUDADE

Há dias em que a saudade aperta
Deixa coração e alma em alerta
Vida pulsando, chamando para reviver
Coisas lindas que fizeram a vida acontecer

A infância recheada de pureza
Adolescência permeada de incertezas
Vida adulta, construção de grandezas
Maturidade que abriu mão de tantas certezas

Amizades, amores,, sorrisos e alegrias
Trabalhos, família, dons, boas parcerias
Passeios, histórias de muitas magias

Tenho saudade, sempre tive, qualquer idade
Vida: caixinha de sonhos e realidades
Mexida, remexida, fazendo vibrar nossas verdades

Alda M S Santos

Vou seguir viagem

VOU SEGUIR VIAGEM

E se já viéssemos para essa viagem
Com o tempo contado de passagem
Dia certo de chegar, hora marcada de voltar
Será que já viemos com roteiro pronto
Lugares a conhecer, passear, onde morar
Pessoas com quem conviver, a quem amar
Com uma lista de coisas a fazer, realizar
Será que ainda falta muito para retornar?
O quanto da minha lista já está com ok
Quanto ainda está em aberto, pendente
Fico imaginando se os desvios de rota fazem parte
Ou se nada é desvio, tudo faz parte do pacote
Foi feito check-in,  será feito check-out
Haverá dívidas a pagar, como negociar?
Olho para trás… tanta coisa lá ficou
Miro lá na frente…até onde poderei ir?
Queria ver meu contrato inicial
Refazer algumas rotas, repetir alguns momentos
Sem contudo prejudicar o que ainda falta pra consumar
Sei que é uma viagem por vezes cansativa
Há dias que simplesmente dá vontade de parar
Deixar o vento levar tal qual ondas no mar
Penso que ele deve saber onde me fazer pousar
Será?
Se eu pudesse ver o que tem pela frente
Ficaria mais animada ou seria deprimente?
Ah…sei lá! Faz de conta que o melhor está por vir…
Vou alegremente seguir…

Alda M S Santos

Deixa rolar

DEIXA ROLAR

Não se perturbe tanto
Com aquilo que atormenta
Machuca, fere
Deixa rolar
Logo vai passar…

Não se vanglorie tanto
Com aquilo que é bonito
Encanta, alegra
Deixa rolar
Isso também vai passar…

Não se torture tanto
Com aquilo que parece não ter fim
O bom, o mau, o saudoso
Deixa rolar
Logo irá passar…

Entre começos e fins
Angústias e recomeços
A vida segue infinita
Deixa rolar
Ela sempre irá para onde tem esperança e gente bonita…

Deixa rolar…

Alda M S Santos

O mundo não é cor-de-rosa!

O MUNDO NÃO É COR- DE- ROSA!

O mundo não é cor-de- rosa, menina!
Sei disso, mas a cor que tanto fascina
Somos nós que damos a nuance, o tom
Quando colocamos ali parte de nosso dom

A vida oferece muitas cores, linda aquarela
Mas se não nos agradarem, basta abrir a janela
Misturar rosa, azul, verde, vermelha ou amarela
E fazermos linda arte em nossa tela

Nosso jeito de olhar e perceber a natureza
É capaz de criar em nós uma fortaleza
E nos brindar de perfume e beleza

Se está doendo, se está difícil seguir
Tento ver as cores de um belo jardim
Ali há cuidado do Pai, também há em mim

Alda M S Santos

Quando o mundo acabar

QUANDO O MUNDO ACABAR

Quando o mundo acabar, não quero chorar
Vou sentar num canto, refletir, analisar
Será que fiz tudo que me cabia
Sem esmorecimento, preguiça ou letargia?

Quando o mundo acabar, voltarei para casa
Livre de todos os pesos, leves asas
O quanto ficará de mim nesse espaço
Ao menos deixarei algum forte laço?

Quando o mundo acabar, não quero chorar
Serei grata, penso que o pranto vai chegar
Seja saudade, não arrependimento ou pesar

Mas enquanto o mumdo não acabar por aqui
Assumirei minha parte, vou amar, vou agir
O voo de volta por hora pode seguir sem mim

Alda M S Santos

Inverno, Sol preguiçoso

INVERNO, SOL PREGUIÇOSO

O dia demora para chegar, preguiçoso
Será que o Sol estava num abraço gostoso
Dormiu tranquilo, calmo, de conchinha
E esqueceu de abrir o dia de manhãzinha?

O jardim aguarda seu brilho, seu calor
Precisa de sua luz para ter mais cor
As flores são puro orvalho, estão molhadas
Lembrando da noite longa de brisa gelada

E a gente levanta meio ressabiado
Buscando um cantinho para ser esquentado
Queremos pelo rei ser abraçados

Logo a vida tem início, a lida começa
Um calorzinho chega sem pressa
Acolhemos com carinho, antes que se despeça

Alda  M S Santos

O que te salva

O QUE TE SALVA

Quanto mais coisas se perde
Mais valor têm as que ficam
Quanto mais pessoas vão embora, desistem
Mais valor têm as que ficam, insistem 

O que vem fácil sempre vai facilmente também
O que é difícil, demorado
Quase sempre é mais duradouro, valorizado
Portanto, não é bom desanimar
Algo extraordinário pode-se conquistar

Clichê ou démodé, tanto faz
Mas uma verdade não se desfaz:
A felicidade não está na quantidade
Mas naquilo que possuímos com qualidade

Entre idas e vindas, ganhos e perdas
Decepções e superações, derrotas e vitórias
A admiração que tem por si mesmo nunca deixe desaparecer
Porque é ela que te salva
Quando tudo parecer se perder…

Alda M S Santos

A salvo

A SALVO

Sempre buscamos estar a salvo por aqui
Protegidos e amparados para prosseguir
Encontrar em algo ou alguém
A delícia da paz, do amor também

Poder no cansaço ter onde se aconchegar
Um colo, um abraço, um beijo, um olhar
Uma palavra amiga, de total compreensão
Nesse mundo que muito nos lança na contramão

A natureza é bênção, é linda, é admirável
Mergulhar nela é mergulhar em si, no inimaginável
E, talvez, perceber o viver mais agradável

Ela nos permite estar a salvo em qualquer estação
Nos remete ao interior, ao coração
Quem atender ao chamado encontrará salvação

Alda M S Santos

Pedidos de socorro

PEDIDOS DE SOCORRO
O mundo pede socorro
Quem é capaz de ouvir?
Pedidos tão barulhentos quanto uma sirene
Ou tão silenciosos como uma lágrima que cai
Crianças precoces sempre de agenda lotada e irritadiças
Jovens perdidos em tantas “opções” de vida moderna
Trancados em seus quartos, “góticos”, marcas roxas debaixo de lenços
Idosos “protegidos” em suas fantasias e remédios
Sorrisos, lágrimas, saudades, abandono
Adultos espremidos entre a infância e a velhice
Solitários entre tantas obrigações e cobranças, entre tanta gente necessitada
Escondidos em suas tarefas, fugindo em seus smartphones
Atrás de amigos virtuais nas telas dos PCs na solidão da madrugada
Todos “gritando” por socorro
Quem é capaz de ouvir?
Cada qual gritando sua dor de um modo
No andar, no olhar, no se esconder, no se mostrar
Na solidão autoimposta, nas atividades excessivas
Nas rebeldias constantes, nas drogas lícitas ou ilícitas
Na irritação desmedida, nos vícios diversos
Quem é capaz de ouvir?
A dor atinge a todos, o grau é variável, de “normal” a patológico
No sentir e no demonstrar
Mas há sempre uma “droga” a nos salvar
Até que não haja mais salvação
Quem é capaz de ouvir?
“Ouvir” a dor do outro é um modo de nos enxergarmos também
E, talvez, conseguirmos nos salvar…
É preciso olhar devagar, demorar-se na dor do outro
Mergulhar fundo na própria dor
Até não mais temê-la, até conseguir diluí-la…
É preciso a pureza e confiança de uma criança para “herdar o reino do céu”
O mundo pede socorro
Quem é capaz de ouvir?
Alda M S Santos

Não vou discutir!

NÃO VOU DISCUTIR!

Não, não quero discutir, talvez debater
Por questão de respeito, isso posso fazer
Mas é importante não levantar a voz
Dizer a que veio, sem ser algoz

Não vou discutir, mas posso conversar
Conversando podemos crescer, nos acertar
Saber ouvir alguém sob outro ponto de vista
Mostra maturidade, uma atitude positivista

Debater ideias nos traz evolução
Não precisa concordar com a expressão
Só cresce quem se permite ouvir outra opinião

Porém, se fere nosso modo de ser, nossa essência
Bom evitar, preservar a saúde, ter prudência
Nem tudo vale nosso esforço, isso é sapiência

Alda M S Santos

Ilusões

ILUSÕES

Carência faz-nos ver amor onde há só falsidade
Inocência faz-nos ver beleza onde há só aparência
Aparências impedem-nos de chegar à essência

Ilusões…

Fome faz-nos agradar com qualquer prato
Sede faz-nos alucinar com um oásis
Quedas fazem-nos inaptos para certos trajetos

Ilusões…

Culpas fazem-nos temer sanções assustadoras
Coração partido faz-nos acovardar diante de um novo amor
A fé, e somente ela, faz-nos sentir renovados
E nos leva aonde quisermos…

Alda M S Santos

Não sustenta um olhar

NÃO SUSTENTA UM OLHAR

Não sustenta o olhar quem não quer se mostrar
Ou que não se sente bem naquele lugar
Não sustenta o olhar quem tem algo a esconder
Ou quer disfarçar qualquer desprazer

Desvia o olhar aquele que quer se preservar
Tratar de suas emoções, não se descuidar
Desvia o olhar se não sente no outro um amigo
Sabe que não seria aceito, nao teria abrigo

Não se demora num olhar, prefere fugir
Aquele que não quer fingir ou mentir
Gostaria de poder se entregar, se abrir

Não sustenta um olhar quem se sente perdido
A alma clama por pouso, silenciosa reclama
Deseja apenas poder mergulhar no olhar, sem qualquer drama

Alda M S Santos



E se…

E SE…

E se a vida nos ditasse melhor o compasso
Que talvez aquele fosse o último abraço
Como seria, teria feito diferença
Saber que não haveria mais aquela presença?

E se fosse a última noite, o último sono
Sem imaginar que o amanhã não teria dono
Um beijo quente, um amor envolvente
Haveria despedida mais eficiente?

Tantas possíveis últimas vezes vivemos
Sem imaginar a que sobrevivemos
Gostaria de me alongar mais nos momentos
Poder me demorar no que traz contentamentos

E se fosse o último sorriso, o último olhar
Quero abraçar forte, descansar nesse lugar
E se fosse por aqui a última, a derradeira luta
Peço a Deus que tenha sido válida tanta labuta

Alda M S Santos

Quando o amor se faz

QUANDO O AMOR SE FAZ

Quando o amor se faz
Todo mal e agonia se desfaz
Prazer revigora, a luz traz
Para a alma, alegria e paz

Quando o amor se faz
O corpo aquece,  vibra
O coração pulsa, fortalece
A vida se alonga, engrandece

Quando o amor se faz
Tudo fica mais belo, brilhante
A energia reluz, o bem conduz
Viver se torna fascinante

Quando o amor se faz…

Alda M S Santos

O amor está no ar

O AMOR ESTÁ NO AR…

Em cada canto, lugar ou recanto
No alto, na serra, na janela ou passarela
É dia de amar, de namorar, se encantar
Mas, há dia certo para amar?

O amor está no ar…

Se tiver alegria, harmonia, sintonia
Um carinho, um encanto, uma magia
Qualquer hora é hora, qualquer tempo é tempo
Todo dia é dia, pro amor não há contratempo

O amor está no ar…

Seja num castelo ou numa mansão
Num casebre, num chalé, de trem ou de avião
Namorar exige mesmo é parceria, atração
E que esteja bem guardadinho no coração

O amor está no ar…

Alda M S Santos

Somos todos namorados

SOMOS TODOS NAMORADOS

Estamos sempre em estado de namoro
Em modo de alegria e conquista, em decoro
Namoro por nós mesmos, pela existência
Por um viver sem tanta incongruência

Estado de namoro gera empatia
Desejo de ser e fazer bem, ser a alegria
Namorados sempre apaixonados e intensos
Ainda que não estejam sempre em consenso

Namoro exige um certo querer, desejar
O prazer de se envolver, se aprofundar
Estar por aqui é poder por tudo se encantar
A vida na superfície não é boa para amar

Quero ser sempre uma namorada
Da vida, da poesia, da minha alma amada
A vida fica melhor se admirada e reverenciada
Uma viagem especial, maravilhosa jornada

Alda M S Santos

Um sonho a mais

UM SONHO A MAIS

Sonhos que sonhamos juntos
Sonhos que buscamos juntos
Amantes, amados, namorados
Em todo tempo querendo estar lado a lado

Sonhos que têm alegria, que são parceria
Sonhos que trazem para a vida a magia
São aqueles sonhos de coração para coração
Tornam-se reais, encontram-se em qualquer multidão

A busca por boa companhia para sonhar, tornar realidade
Carinho a quem doar, de quem receber, com intensidade
É o que faz valer por aqui nossa humanidade

O sonho mais sonhado é de no outro se eternizar
De naquela alma poder para sempre morar
Sem quê e nem para quê, não precisa explicar

Alda M S Santos

Longe ou perto

LONGE OU PERTO?

Está longe se a vista não alcança
Está perto se até os cabelos balança
Está longe se já não traz lembrança
Está perto se na alma ativa uma dança

Mora longe se não há afinidade
Ainda que esteja perto na verdade
Mora perto quando está dentro da gente
Ainda que esteja anos luz à frente

Longe ou perto não é questão espacial
Vale mesmo ser alguém especial
Ao lado da gente ou bem distante
Importa se faz bater o coração num instante

Quero estar perto, também estar dentro
No corpo, na alma, no pensamento
Assim o longe será apenas um detalhe
E que nada por aqui atrapalhe!

Alda M S Santos

Juntos ou separados

JUNTOS OU SEPARADOS

Separados
Um é silêncio, outro é barulho
Um é calar, outro é falar
Um é humildade, outro é orgulho
Um é correr, outro é andar
Juntos são amor…

Separados
Um vive nas nuvens, outro é pé no chão
Um é sonho, outro é realidade
Um é dia claro, outro é noite escura
Um é presente, outro é saudade 
Juntos são amor…

Separados
Um é água, outro é fogo
Um é jogo, outro é sedução
Um é amargura, outro é doçura
Um é desvario, outro é paixão
Juntos são amor…

Separados
Um é semelhança, outro é diferença
Um é calmaria, outro é animação
Um é de briga, outro é de paz
Um é razão, outro é coração
Juntos são amor…

Namorados ou casados
Juntos ou separados
Em harmonia ou brigados
São eternos apaixonados…

Alda M S Santos

No pensamento

NO PENSAMENTO

No pensamento tudo começa
Ali a semente cresce sem pressa
O que faz mal ou faz bem, que fomenta
A guerra, a paz, o que a gente alimenta

No pensamento começa a desconfiança
Nele também se alastra a esperança
Ali cresce uma lembrança de dor
Mas o terreno é fértil para o amor

No pensamento escolhemos o que nutrir
Sabedores que tudo começa pequeno
Podemos podar, arrancar ou extrair

Quero irrigar apenas o que satisfaz
Nutrir só lembranças de amor e paz
Deixar virar árvore frondosa, sou capaz!

Alda M S Santos

Anoitece,amanhece

ANOITECE, AMANHECE

Esquenta, esfria, na solidão ou na companhia
O tempo exige da gente mais calor e energia
Coração repleto, a mente viaja, ora cheia, ora vazia

Anoitece, amanhece, a vida desperta a emoção
Se há luz em nosso coração
Fica para trás qualquer escuridão

A imaginação é especial, nosso ponto forte
Trilhas e caminhos diversos até encontrar um norte
Entre sorrisos e lágrimas, o amor se apresenta, melhor suporte

Nesse constante vai e vem, sobe e desce
Tantas vezes corpo e mente padecem
Mas a vida é soberana, a alma resplandece

Alda M S Santos

Tá doendo?

TÁ DOENDO?

“Mas tá doendo muito, muito mesmo”, a criança dizia
E em seu choro de dor se desfazia
Será que há como medir uma dor
Há como saber o que dói mais ou causa menos torpor?
Sei que causa dor aguda se ainda está aberta a ferida
Cabeça, dente, coluna, rim, nervo ciático, difícil a lida
Mas há outras dores difíceis de suportar
As que apertam e machucam o coração
Ou aquelas que trazem mágoa ou decepção
Dói não ter sua intensa afeição correspondida
Dói saber que aquela pessoa não era mesmo amiga
Dói o vazio da fome, a carência de nutriente
No corpo, na alma, no coração da gente
Dói perder por alguém a admiração
Dói saber que fez tanto por nada, indignação
Dói não conseguir se fazer entender
Também dói não saber com certas coisas viver
Dói se sentir envelhecer sem aproveitar o presente
Fixado no passado ou com o futuro imprevidente
Dói não saber sorrir, brincar, fazer do dia a dia algo prazeroso
Na verdade, viver pode ser bem doloroso
Melhor se fixar na cura, no que pode ser gostoso
Deixar a dor ir embora com o vento, sem lamento
Ou soprá-la para longe do pensamento
Assim o viver traz menos sofrimento…

Alda M S Santos

Amor sincero?

AMOR SINCERO!?

Uma pergunta um tanto descabida
Uma exclamação para lá de sofrida
Não é amor se não for sincero, isso é certo
Se há falsidade não se quer por perto

Amor é desejo, é luz, é sinceridade no olhar
É querer colo, dar colo, não querer separar
É vontade de estar junto, ser exclusividade
Amor bom cabem só dois, reciprocidade

Se há sombra, desconfiança ou tristeza
Não é amor, é dor, é sofrimento, é dureza
Covardia, maldade tiram do amor toda a beleza

Amor é bênção, é lição, doce sensação
Amor é, sim, sincero, quero essa emoção
Sem ele não dá para viver bem não

Alda M S Santos
Tarde de Poesias: AMOR SINCERO!?

Não me cabe

NÃO ME CABE

Nessa caixa não me cabe
Não é que eu não seja flexível
É que ela tende a me moldar
Colocar num padrão que me machuca
E que não vai me agradar

Nessa caixa não me cabe
Dobra daqui, dobra dali
Tira um pedaço desse lado
Aperta o outro, transfere de lugar
Até eu não mais me identificar

Nessa caixa não me cabe
E mesmo se coubesse eu não gostaria
É que prezo a liberdade de ser o que sou
Colocar-me ali me mataria

Nessa caixa não me cabe
Não sou boneca para viver em caixa, preciso de ar
Prefiro jardim, mata, rio, mar ou cachoeira
E assim quero viver a vida inteira…

Alda M S Santos

Uma lista

UMA LISTA

Quero fazer uma lista bem detalhada
Que sirva de guia quando desamparada
De um lado vou colocar erros e derrotas
No outro vitórias, alegrias, as boas rotas

Quero deixar bem claros e anotados
Os momentos floridos, perfumados
Os nomes de cada pessoa que convivi
Que me ensinaram a seguir, não desistir

Para cada defeito ou falha minha que apontar
Anotarei uma qualidade para equilibrar
Assim saberei que sou bem humana
Anjo, mulher, evolução nessa vida mundana

Será como uma autoavaliação
Mas sem temor ou punição
Servirá de luz, de norte, de reflexão
Naqueles momentos de descrença e solidão

Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com

Os três da sobrevivência

OS TRÊS DA SOBREVIVÊNCIA

Três minutos sem ar
Três dias sem água
Três semanas sem alimento
Essa é a lei dos “Três” da sobrevivência
É o que aguentamos sem perecer
Mas será que isso basta para poder viver?
O que mais é necessário para não apenas sobreviver
E viver com intensidade e alegria
Sendo e fazendo o bem em total harmonia?
Quanto tempo se vive sem companhia
Ou pode-se encontrar na solidão uma sintonia?
Será que suportamos a tirania
De uma vida tensa em seu dia a dia?
Será que dá para suportar bem
Estar sem carinho, sem amor, sem alguém
Há como medir a quantidade de amor
Que cada ser humano precisa para ser calor
Sendo o ar, a água e o alimento
Nessa vida nem sempre a contento?
O que representa nosso ar nesse lugar
Qual nossa água, sempre a nos hidratar
Alimento da alma é tão precioso quanto o pão
Sem ele pode haver vida, mas sem coração…
Quais são seus três da sobrevivência?

Alda M S Santos

O tempo, o vento…

O TEMPO, O VENTO…

Vento que venta sem cessar
Devagarinho ou vendaval a assustar
Arrepia a pele, nos faz divagar
Realize um sonho qualquer para alegrar?

Vento que parece o tempo levar embora
Tempo que nos leva sem demora
Posso fazer um pedido, por favor?
Demore-se mais onde houver amor…

Tempo que quase não se vê passar
Vento que faz carinho a sussurrar
Leve para o alto um recadinho meu
Aqui embaixo é difícil alcançar o apogeu

Tempo e vento são quase um
Invisíveis aos mortais, a olho nu
Mas podemos senti-los em nós
Quando passam fazendo ou desfazendo nós

Alda M S Santos

Você não pode abraçar o mundo

VOCÊ NÃO PODE ABRAÇAR O MUNDO!
Você não pode abraçar o mundo todo
Mas pode abraçar quem está a seu lado
Você não pode alimentar a todos que têm fome
Mas pode contribuir mais, evitando desperdícios
Você não pode aquecer a todos no inverno
Mas pode, além de cobertor, doar calor humano
Você pode não resolver os problemas de todo indivíduo
Mas pode evitar ser um problema a mais para tantos
Pode amenizar as dores de muitos com aquilo que talvez possa lhe parecer pouco
Mas pode ser o “tudo” de alguém
Pode ser os olhos de quem não vê a beleza, o brilho
Os ouvidos de quem não é ouvido, compreendido
O toque delicado em quem se sente excluído
O cuidado de amor que devolve a alguém a autoestima perdida
A palavra de estímulo para quem está desanimado
A mão acolhedora que ampara aquele que cai
O olhar e sorriso de amizade e carinho para quem se sente só
A cor, o brilho, o perfume, a boa lembrança no mundo tão cinzento de alguém
E, sim, o abraço fraterno a quem pouco tem…
Ainda que não possamos abraçar o mundo
Podemos “abraçar” o que dermos conta…
O bem contagia e se propaga
E pode atingir o mundo em efeito cascata
Enchendo também nosso mundo de cor, brilho, perfume e boas lembranças
Além de nos tornar cada dia  mais fortes, mais humanos…
Um mínimo parecidos com Ele
Quem doa amor, abraço e carinho, no ato de  “preencher” o outro, preenche-se
Podemos, sim, assim, abraçar o mundo!
Alda M S Santos

Pela raiz


PELA RAIZ

Se queremos manter, cuidamos da raiz
Isso todos sabem, até um aprendiz
Se desejamos que cresça irrigamos
Tratamos com carinho, adubamos

Se é flor a gente trata com jeitinho
Fica junto, admira, abre caminho
Se é erva daninha arrancamos de vez
Antes que estrague o canteiro, seria estupidez

Vale para plantas, gente, emoções
Não vale cultivar certas situações
Sob pena de apertar grilhões

Viemos munidos de sabedoria
Utilizar faz bem, gera alegria
Desatenção só traz desarmonia

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: