Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

balanço da vida

Eu gosto

EU GOSTO

Gosto de quem acredita que vale a pena
Não é superior, nivela, mantém a alma serena
Que sabe ser aconchego, acolhimento
Não desvaloriza dor, não desfaz do sofrimento

Gosto de quem sabe ser afeto, ser calor
Demonstra isso em atos e palavras com ardor
Esse mundo anda tão sem sentido, doloroso
Urge ser colo, ser abraço, ser amoroso

Gosto de quem sabe gostar, não machucar
Sabe compreender, ajudar, sem julgar
Gosto de gente que sabe ser gente, mesmo ao errar

Gosto de aprender com nossa humanidade
A cada passo ou descompasso ser verdade
Gratidão, liberdade, lealdade e simplicidade

Alda M S Santos

Espaços em branco

ESPAÇOS EM BRANCO
Ninguém precisa ter todos os espaços preenchidos
Ninguém precisa preencher “falhas” dos outros
Ou ter todos os seus “quadros” pintados
Precisamos de telas em branco
Para fazermos dia a dia nossa obra de arte
Todos nós necessitamos desse espaço livre dentro de nós
Para que haja oxigenação, livre transitar
Para que a imaginação cresça, o amor floresça
Para que a luz penetre, aqueça
Para que não soframos de excessos
Para que encontremos aquilo que procuramos
Para podermos acolher o que nos fizer crescer
Para que as emoções possam livremente se expressar
Para que não se crie bolor por falta de uso
Tampouco grandes feridas por fricção e uso inadequado
Para que quando voltarmos para casa
Tenhamos usufruído de todas as nossas possibilidades…
Alda M S Santos

As pedras do caminho

AS PEDRAS DO CAMINHO

Pedras de todos os tipos, cores e tamanhos Tantas vezes elas parecem pesar demais
Particularmente quando as carregamos sozinhos
Ou quando nelas tropeçamos no caminho
Algumas ignoramos, fingimos não ver
Que muito nos machucou, nos fez sofrer
Outras lançamos longe, queremos distância
E há ainda as que grudam em nossos sapatos
Essas precisamos partilhar, isso é fato
Não é tão fácil juntar e fazer delas um castelo
Como diz o poeta em seu poema tão belo
Pedras de estimação só aquelas nas quais podemos subir
Sentar e de lá de cima ver melhor o caminho a seguir
E é bom dividir com quem nos tem amor
Cada qual ajuda com uma parte, diminuiu o terror
Assim, uma pedra deixa de ferir tanto
Quando encontramos onde sorrir e acalmar nosso pranto

Alda M S Santos 

Uns e outros

UNS E OUTROS
Há quem prefira encurtar caminhos
Outros optam por alongar-se nas distâncias
Há quem prefira devorar um biscoito
Outros o degustam saboreando pedacinho a pedacinho
Há quem prefira tomar e levar
Outros preferem conquistar e serem levados
Há quem prefira ganhar no grito
Outros gostam da suavidade encantadora de um sorriso
Há quem alce voos longínquos e inimagináveis
Outros preferem manter-se perto, não se afastar dos demais
Há quem prefira viver na segurança dos nados na superfície
Outros mergulham em busca de encantos escondidos
Há quem prefira ter fama, sucesso e veneração alheias
Outros contentam-se em não perder a própria admiração
Há uns e outros…
Todos lutando por um espaço!
Alda M S Santos

Em equilíbrio

EM EQUILÍBRIO

Ser feliz é estar em paz
É em equilíbrio saber manter
Tudo aquilo que nos satisfaz
Que nos permite de todo o mal desfazer

Para cada dor ou dissabor
Equilibrar com fé e muito amor
Para cada desconfiança ou decepção
Oferecer esperança e um novo coração

A vida é um grande self-service
Estaremos mais saudáveis e bem cuidados
Se montarmos um prato nutritivo e equilibrado

Mas o amor, esse não tem medida
Gera equilíbrio em qualquer quantidade
Faz a liga de corpo e alma em qualquer idade

Alda M S Santos

Pontes

PONTES
Há pontes que nos levam
Outras nos trazem de volta
Tão bom ir, desbravar
Conhecer, buscar, se inteirar
Descobrir mundos e pessoas
Amar, aprender, ensinar, saberes trocar
Mesmo que nos causem medo transitar
Mas bom mesmo é aquela ponte
Que pegamos para voltar
E é só nossa essa travessia
Esse delicioso, por vezes, doloroso caminhar
Quase sempre cansativo retornar
Pontes que nós mesmos (des)construímos
Não ficam prontas a nos esperar
Mas que são erguidas com maestria
Quando impera o desejo de regressar
E descobrir, finalmente, que ali é nosso lugar…
Alda M S Santos

A casa só para nós

A CASA SÓ PARA NÓS
A casa tão pequena antes
Para tanto barulho e bagunça
Hoje parece grande e silenciosa
Vocês não estão aqui a correr
A disputar nossa atenção, nosso colo
A cair pelos cantos, a pedir “brinca comigo”
Queríamos tanto um espaço para nós
Que só vinha tarde da noite
Quando o sono já nos derrubava
Hoje a casa é toda para nós
Não há brinquedos pelo chão
Não há riscos na parede
Tudo arrumadinho e organizado
Não há risadas altas, choros dengosos
O cobertor não está no sofá da sala
A TV nos desenhos animados e vídeo-game
Os primos não vêm dormir juntos e fazer bagunça
Cadernos e livros não estão sobre a mesa
Aguardando a lição ser feita
Temos a sala, os quartos, cozinha, banheiros e quintal só para nós
Hoje essa casa que é toda para nós
Parece estranha aos nossos olhos saudosos
Podemos dormir, tomar banho, namorar quando quisermos
Sem sermos interrompidos por um pedido qualquer
Não precisamos sair correndo a levá-los para a escola
Para o futebol, o inglês a informática
Podemos dormir a noite toda
Vocês não vêm se infiltrar entre nós na cama
Fugindo dos pesadelos que curávamos com beijinho
Entregamos o cuidado de vocês a Deus
Cuja proteção está em toda parte
Já não saímos mais os quatro juntos para tudo
Hoje temos a casa toda para nós
Vocês estão buscando o mundo que tanto ensinamos
Com sabedoria, amor, bondade e responsabilidade
Estamos imensamente felizes e gratos a Ele
Peito inflado de amor e orgulho
Casa vazia, só para nós…
Agora o que queremos é um tempo só com vocês
A casa cheia de vocês…
Felizes ficamos quando vocês a preenchem novamente
Hoje somos nós que pedimos
“Brinca comigo”?
Mas sabemos que “nós quatro” sempre estaremos juntos
Ainda que em espaços, casas ou momentos diferentes
Casa feliz é casa cheia de amor
De gente que compartilha as dores e alegrias do viver…
Alda M S Santos- uma mãe

TOMBOS

TOMBOS

Qual o tombo mais alto, que mais machuca
Aquele que se cai de cima de uma árvore
Dos galhos verdes da esperança
Ou dos desejos de pujança?

O que se perde a classe, sai do salto
O que cai das expectativas de felicidade
Ou o que despenca da magia dos sonhos
E cai forte na cruel realidade?

Qual tombo machuca mais?
O que fere o corpo, causa fraturas
Ou o que faz sangrar o coração
Sem esperança de qualquer cura?

Qual tombo machuca mais?
A queda da razão ou da emoção?
A tristeza da desconfiança ou da decepção?
Qual ferida que não cura, não há cicatrização?

Qual?

Alda M S Santos

Desapego

DESAPEGO

Deixar para lá, essa é a nova ordem, desapegar
Não insistir no que só faz machucar
No que te afasta de si, te deixa sem lugar
Ou que tira o foco, faz nublar, faz chorar

Desapegar com consciência
Ter a alma livre, sem dependência
Somos feitos de mente e coração
Equilibrar é bom, não faz mal não

Busquemos assim o desapego
Mas não vale trocar um por outro apego
É preciso algo que traga paz e sossego

A vida pede carinho, busque arrego
Ainda que venha de si mesmo
Amar-se é por aqui um bom emprego

Alda M S Santos

Segue a rota

SEGUE A ROTA

Tantas vezes queremos deixar a vida escolher a rota, fazer o arco
Vontade de fechar os olhos, entrar no barco
Optar cansa, frustra, traz pesos e responsabilidades
Desejo de aguardar o que vier, entregar-me às novidades

Tipo o “deixa a vida me levar”, não quero optar
Quero brincar, passear, surtar, viajar, amar
Sem ter medo de não dar tempo ou do sonho acabar
Quero momentos lindos poder eternizar

Pode ser apenas um desejo de paz
Mesmo quando parecer coisa de gente maluca
Ou que tem preguiça, que não quer esquentar a cuca

Nesses momentos em que a vontade é de a vida entregar
Que sejamos raptados pelo amor, pelo bem
Que faça para nós aquilo que é certo, que convém

Alda M S Santos

Adeus

ADEUS

Tchau, até mais, bye, não quero dizer adeus
A Deus quero entregar os sonhos meus
Que Ele cuide bem de minha emoção
E nao deixe ir a alegria em meu coração

Não vou deixar ir embora
Se o abraço ainda se enlaça, se demora
Se o beijo ainda desperta tentações
Se lembranças são motivo de boas sensações

Não vou dizer adeus ao que a vida traz de bom
Que me faz dançar, cantar em alto e bom som
E amar em qualquer situação, em belo tom

Adeus, não, a Deus, sim
Ele sabe de tudo que se passa em mim
E me cuida como delicada flor de um jardim

Alda M S Santos

Escuridão (Dueto Brasil e Angola)

ESCURIDÃO ( Dueto Brasil e Angola)

Eu me assusto e temo a escuridão
Ela faz ver o que assombra o coração
E esconde o que seria bonito para a emoção
Busco a luz para iluminar esse mundão

Busco eu aquelas estrelas
Para iluminar esse escuro,
Para haver um bom futuro
Para esse mundão ter uma boa explicação!

Quando me assusto com a escuridão
Fecho os olhos para o todo, busco a solidão
Assim vejo melhor meu interior
E de lá trago a luz para todo o exterior

Sim! Levo comigo aquela lanterna
Que brilha de forma eterna Eu não vou desistir , vou
persistir até conseguir
Vencer essa escuridão que aterroriza o meu coração

Alda M S Santos & Pe Dro

Para ver melhor

PARA VER MELHOR

Está escuro e cinzento lá fora
Em pequenas gotas o mundo chora
Insistente desagua, sem demora
Parece não se preocupar com a hora

Tons de cinza de outras cores apagam nuances
Mexe com nosso interior, questiona alguns lances
Que há no cinza lá fora, no exterior
Que insiste em também acinzentar o interior?

Caminho por minhas trilhas internas
Umas já conhecidas, desbravadas
Outras ainda virgens a serem desvendadas

Fecho os olhos para ver bem e melhor
A pele arrepia, sinto a energia, a poesia
E mergulho em mim mesma, sonhos de magia

Alda M S Santos

Lapidação

LAPIDAÇÃO
O que somos, aquilo que nos tornamos
Vem sendo em nós lapidado ao longo do tempo
A cada momento diferente do viver
Uma camada nos é acrescentada
Ou, diferentemente, uma nos é retirada
Nosso ser é uma joia que vem sendo lapidada
Vamos sofrendo polimentos a cada amargura ou decepção
A cada medo, perda ou frustração
A cada confiança quebrada ou partida
A cada tristeza profunda sofrida
A cada caminhar ou estrada pelo outro interrompida
Nossa cerâmica abre trincas, fendas, fragiliza
Nossa alma sofre, chora, parece ruir
Mas a cada amor ou amizade que se vive
A cerâmica brilha, a alma se alegra
Se reconstrói, se refaz, fica mais bela
Nova camada polida e brilhante aparece
Mesmo que ainda possa doer ou amargar
Ela enfrenta novamente o viver
Mais experiente, mais forte, nem sempre mais feliz
Mas mais preparada para sofrer menos danos
No próximo polimento, na próxima lapidação
Viver é parecer inteiro, é construir laços
A despeito da alma ainda estar em pedaços
Alda M S Santos

Ferida

FERIDA
Aquela ferida que todos carregamos
Causada por um machucado doloroso
Relíquia de um tombo inesquecível
De bicicleta, da escada, do galho de uma árvore
De um sonho, do alto de uma esperança, de uma ilusão
Escorregando de um colo ou despencando de um coração qualquer
Ferida que está disfarçada, coberta por uma cicatriz
Para não chamar a atenção dos curiosos
Para não assustar os mais sensíveis
Para que se evite cutucar
Para que não sangre tudo outra vez
Para que cure, se cure, se cuide
Cicatrizes servem para nos lembrar que sobrevivemos
E que saudade é a bonita cicatriz da vida que doeu, sangrou
Que nos ensinou pela alegria e pela dor
Que ela pode ser bela
Mesmo com nossos machucados…
Alda M S Santos

Há luz no fim do túnel?

HÁ LUZ NO FIM DO TÚNEL?

Pode até haver uma luz no fim do túnel
Mas não quero dela depender
Não sei nem se chegarei até lá
Ou o que pode no caminho acontecer

Pode até haver uma luz no fim do túnel
Mas enquanto por aqui estiver enevoado
Prefiro ativar em mim algo abençoado
Para guiar meus passos, serem iluminados

Pode até haver luz no fim do túnel
Mas prefiro acender a luz que há em mim
Em algum lugarzinho bonito ela está sim

Pode até haver luz no fim do túnel
Mas confio em mim, nos abraços seus
Sei que essa luz não me abandona, vem de Deus

Alda M S Santos

Como confiar?

COMO CONFIAR?

Como confiar num mundo em que o Merthiolate não arde
Nas delícias da Coca-cola que desentopem sanitários
Nas sandálias Havaianas que arrebentam as tiras tão facilmente
No leite que não vira coalhada depois de três dias fora da geladeira
No Bombril que não tem mais mil e uma utilidades?

Como confiar?

Como confiar numa justiça com tantos pesos e medidas
Na palavra dada que de nada vale se não for documentada
Nos amores que não duram até que a morte os separe
Nas brigas entre rosas e cravos em que ambos não saiam despedaçados
Num “te amo para sempre” apenas se você me amar?

Como confiar?

Como confiar nas compatibilidades de gêneros, ao invés das incompatibilidades de gênios
Que “primeiro as damas” é coisa de feminismo ou machismo
Que ter um quintal sem muro é apenas utopia de Roberto Carlos?

Como confiar?

Nas crianças que dançam  “quadradinho” até o chão e não mais “Atiram o pau no gato”
Nos olhares dos pais que não são entendidos como alertas de perigo
Nos adultos isolados da infância e da velhice como seres inatingíveis?

Como confiar?

Como confiar na fé que se professa e não se vive
No ouro que não “compra” terreno no céu
Nos “homens de Deus” que têm doenças mundanas
Na felicidade encontrada apenas nas conquistas profanas?

Como confiar?

Nas amizades que, monetariamente, calculam perdas e ganhos
Na saudade que não dói, no machucado que não sangra
No abraço que não acalma, na família que não se enlaça
No beijinho que não cura qualquer mal?

Como confiar num mundo tão confuso, hipócrita e perdido?

Alda M S Santos

A primavera chegará

A PRIMAVERA CHEGARÁ

Podem deixar meus frutos cair
Minhas flores não vingarem
E as folhas voarem por aí
Meus galhos podem estar quebrados
E tudo parecer abandonado
Mas a primavera chegará …

Podem tirar tudo de mim
Deixar-me nua, frágil, exposta
Aos malefícios do desamor e do tempo
À mercê de todo contratempo
Mas a primavera chegará…

Minha raiz, minha base, minha essência
Estas estarão intocadas, recolhidas
Em intenso trabalho de regeneração
E, no tempo certo, com força total retornarão
A primavera chegará…

Assim é na natureza, nos seres humanos
Na seca, no deserto, nos corações mundanos
Assim também é no planeta, na Terra
Deus é bom, é Pai, nunca erra
A primavera chegará…

Alda M S Santos

Quero, posso, devo?

QUERO, POSSO, DEVO?

Quero, posso, devo?
O querer é o mais primário instinto
Satisfação, sobrevivência, aquilo que sinto
Invade sonhos, adentra nossa vontade
O poder passa pelo próprio interesse e capacidade
A constante busca por  prazer e felicidade
Alimentada pela imaginação e desejo de realização
O dever já é cerceado pela vida em comunidade
O que é adequado, avalizado, aprovado
Aquilo que não traria sanção ou danos ao coração
Entre quereres, poderes e  deveres
Entre ids, egos e superegos
Transitando entre vaidades satisfeitas e culpas
A vida vai se fazendo de dores e prazeres
Um caminho de sorrisos e alegrias
De tristezas, lágrimas,  fantasias
Um eterno cair e levantar, subir e descer
Encanto, conquista, vitórias e derrotas
Em busca do mais belo e intenso viver
Pelos caminhos que aprouver,  pelas melhores rotas

Alda M S Santos

Brilho

BRILHO
Buscamos o brilho das estrelas
Queremos a beleza e encanto da Lua
Almejamos um céu azul e ensolarado
Ou um destino de sombra e água fresca
Mas nem sempre o caminho até eles é brilhante
Ou a trilha sob nossos pés é plana
Tantas vezes teremos estradas esburacadas
Não haverá flores, perfume, brilho ou companhia
Mas não podemos desistir
É preciso persistir, insistir
E saber aproveitar quando houver luz sob nossos pés
Para seguir adiante, acreditando que tudo é possível
E que a roda da vida gira
Ora luz, ora escuridão
Ora companhia, ora solidão
Mas vale manter o brilho
Dentro de nós, sob nós…
Em frente! Enfrente!

Na onda

NA ONDA
Onda que chega, pesada, crescente
Forte, carregada de opiniões e palpites
Cega, radical, violenta, destrutiva
Daquelas com as quais não compactuamos
E querem nos arrastar consigo
Contra nossa vontade ou desejo
Naquela avalanche de negativismo
Precisamos fincar pé, lutar, nadar contra a corrente
Ou, simplesmente, deixar-nos levar
Não desperdiçar energia
Ver até onde dá pra ir sem nos ferir
E escolher o melhor momento para sair fora
Nadar de volta e retomar do local onde fomos arrastados
Encontrar o ponto essencial
Aquele que não fere nossos princípios e nossa consciência
Aquele que nos torna humanos
Uma hora toda onda passa e se desfaz…
Alda M S Santos

Enigmas

ENIGMAS
Sou feita de barulhos e de silêncios
Ora sou um, ora sou outro
Ambos necessários em mim…
Há quem goste dos barulhos
Há quem prefira os silêncios
Há quem não compreenda nem um, nem outro
Há quem desperte barulhos intensos
Há quem provoque silêncios profundos, tranquilos ou dolorosos
Há quem não saiba lidar com nenhum dos dois
Há quem consiga fazer a travessia de um para o outro
Sou feita de contrários, de antagonismos
E nessa luta frenética em mim
Vou desvendando meus enigmas
Tornando-me mais eu…
Alda M S Santos

Provisões

PROVISÕES

Arrumou bem arrumada sua bagagem
Nada queria deixar para trás naquela viagem
Seu intento era ter muitas provisões
Para enfrentar o que viesse, muitas emoções

Colocou boas memórias, muitas lembranças
Cada passo dado, estacionado, as andanças
Guardou na mala expectativas, sonho especial
O motor de tudo, suas vontades, seu natural

Seguiria em frente, não haveria um rumo
Certo é que buscaria onde quer que fosse
Um cantinho que oferecesse paz, um prumo

Abriria as porteiras da alma, sentaria à mesa, tomaria um café
Uma prosa longa, pacífica, demorada, desejada
Restaurando consigo a alegria, o autoconhecimento, a fé

Alda M S Santos

Entre as muitas de mim

ENTRE AS MUITAS DE MIM
Muitas vezes sou palavras sem fim
Tantas outras o silêncio habita em mim
Algumas vezes quero abraçar e acolher o mundo
Noutras, nem a meu próprio mundinho consigo acolher
Sou, às vezes, gargalhadas de alegria e satisfação
Tantas outras sou um sorriso tímido de decepção
Muitas vezes sou a animação, a atração
Noutras, quero me esconder num cantinho sem aparição
Muitas vezes sou dança, sou verso, sou sedução
Noutras tantas sou muito atrapalhada, sou tombo, sou confusão
Muitas vezes sou maternal, terna, emocional
Noutras sou tão sozinha, isolada, individual
Tantas vezes vejo adiante um mundo de oportunidades
Noutras só vejo agonia e infelicidade
Muitas vezes estou em paz com as muitas de mim
Tantas outras elas travam uma batalha de vida e morte bem ruim
Entre as muitas de mim
Perfumada de flores, de jasmim
Nessa constante contradição
Procuro enfeitar esse jardim…
Alda M S Santos

Não dá!

NÃO DÁ!

Não dá para viver na desconfiança

Na incerteza, na dúvida, na desesperança

A vida pede mais amor, mais aliança

Não dá para viver só de desejos e sonhos

Por mais belos e encantadores que sejam

O viver clama por momentos reais, mais risonhos

Não dá para viver contando as horas

Esperando que logo chegue aquela hora

E não deixar a alegria ir embora

Não dá para fugir para o mundo da imaginação

Precisamos voltar, recapitular, fazer a lição

Amar é tarefa que exige dedicação

Não dá viver sempre essa  montanha russa de sensações

Ora feliz, ora triste, tantas emoções

E a vida necessitando, gritando por ponderações

Não dá para esperar a magia cair do céu

Precisamos lançar mão de papel e pincel

E pintar aqui nosso divertido carrossel

Alda M S Santos

Quantos degraus

QUANTOS DEGRAUS?
Quantos degraus até o céu?
A escada é sinuosa, rolante, escorregadia, antiderrapante?
Quem pode subir, há restrições, limites de entrada?
Podemos levar alguém, sermos levados por alguém?
E se nos cansarmos no caminho, tropeçarmos, cairmos?
Podemos voltar a subir ou perdemos a vez?
Os últimos serão os primeiros?
Quantos degraus até o céu?
A entrada é franca? Paga-se com quê?
Qual a “moeda” de troca?
Muitas perguntas… Sei lá!
Enquanto isso vou fazendo do agora o meu céu
Tal qual crianças a brincar, a pular amarelinha
Continuo subindo até o céu…
Alda M S Santos

Renovação

RENOVAÇÃO

Hora de se recolher, hibernar, renovar
Perder folhas, abrir espaço para o novo chegar
Que seja lindo, que possa a tudo purificar
Uma alma leve e em paz tem seu lugar

A vida pede calma, pede paz e união
Que possamos num momento de introspecção
Encontrar num cantinho especial do coração
Um estoque de bondade, luz e compaixão

Afastar o que machuca, jogar fora a amargura
Restaurar a força, a energia e a bravura
Somos melhores quando semeamos a doçura
Se há ingratidão, doe perdão e mais ternura

Vamos saudar essa nova estação
Abrir espaço, ser luz em cada coração
Perde quem não sabe amar, ser emoção
Façamos um lindo louvor de purificação

Alda M S Santos

Diante do Espelho

DIANTE DO ESPELHO
Diante do espelho eis a questão:
Quem é essa que me retribui o olhar?
Que olha além do brilho úmido, do tom castanho?
Dos cílios negros, do piscar intermitente?
Que tenta atravessar, ver em 3D, do outro lado?
O que vê? O que quer? Do que precisa?
Corajosa, mantém o olhar fixo em mim.
Mergulho profundamente, navego ali, temo me perder.
Vasculho recantos escondidos, cutuco pontos doloridos
Áreas obscuras, fechadas, há muito trancadas.
Retiro descartes jogados num canto, recupero itens da lixeira,
Troco “objetos” de lugar, demoro-me junto a alguns sentimentos
Sento, converso com eles, negocio, tento compreendê-los,
Aceitá-los, aproveitá-los, reativá-los ou descartá-los.
Tanta gente que já se foi e está ali. Reencontros, sorrisos. Para sempre serão amadas.
Vejo muito, vejo tudo, entendo tanto!
Hora de voltar!
Ela continua a me olhar. Lágrimas escorrem ali…
Lubrificaram o caminho difícil.
Encaram-se. Sorriem.
Não foi difícil encontrar o caminho de volta.
Bastou seguir o amor, como migalhas de pão, deixado nas trilhas.
Apesar de tudo, são vitoriosas.
Lembram de um verso que leram:
“Perdoa o que tiver que perdoar, abrace o que tiver que amar e o resto deixa, que a vida se encarrega de afastar”- (Tati Zanella)
Ou trazer de volta.
Alda M S Santos

Energias

ENERGIAS

Estamos cercados por muitas energias
Umas atraímos, ficamos em sintonia
Outras repelimos, não há harmonia
E seguimos, assim, com autonomia

Há energia da natureza,  pura beleza
Há energia do amor, traz encanto, calor
Há energia que rejuvenesce, é vital
Faz bem à alma, enternece, alto astral

As energias que meu mundo escurecem
Não deixo por perto, me esmorecem
Ativo minha blindagem de luz, incandescem

Se armazeno energia térmica, química ou radiante
Tento espalhar a que puder ser mais contagiante
E absorver a que me iluminar, me fizer vibrante

Alda M S Santos

Descaminhos

DESCAMINHOS
Um caminho acertado se faz de muitos descaminhos
Quantos desalinhos são necessários para se alinhar
Quantos despareados encontramos antes de bem parear
Quantas lágrimas são necessárias para fazer brilhar o sorriso
Quanto precisamos nos perder para ter a certeza que nos encontramos
Quantos desatinos cometemos até conseguirmos nos atinar
Quanto precisamos entender do que se passa dentro de nós
Para entendermos minimamente o que se passa dentro do outro?
Quanto?
Todo histórico de acerto carrega consigo um sem número de rascunhos…
Alda M S Santos

Grade de proteção

GRADE DE PROTEÇÃO

Marcamos em nosso entorno o que nos causa mal
Uma caveira num produto que pode ser fatal
Uns cones onde transitar não seria o ideal
Grades de proteção onde há perigo real

Para as ameaças físicas sabemos nos alertar
Para poder da ameaça nos desviar
Que fazer quando o alerta precisa ser emocional
Fugir das tempestades, do vendaval?

Lembrar que não dá mais para mexer ali
Pode nos dar choques, nos ferir
Não mais nos enveredar nesses caminhos
Que parecem bonitos, mas são daninhos

Como avisar a alma, qual grade usar?
Que fazer para ela se proteger, se cuidar
Um quadro bem grande em letras garrafais
Escritas em alerta vermelho: AQUI JAMAIS?

Risco de abalo císmico da emoção
Proteja sua vida, sua lida, seu coração
Será que vale esse alerta, não há senão
Esse quadro de aprendizado e lição?

Tão importante quanto não cair num buraco
É não deixar o coração se expor, ficar fraco
Quem não aprende na primeira lição
Sofre depois em busca de recuperação

Alda M S Santos

Confusão interna, carinho externo

CONFUSÃO INTERNA, CARINHO EXTERNO
Ela acordou meio down. Um dia cheio a aguardava.
Adorava dias cheios, mas nem isso a animava a sair da cama.
Espreguiçou-se longamente e levantou. Escovou os dentes e nem quis se olhar no espelho. Seria assustador!
A bagunça interna estaria em seus olhos.
Resolveu fazer o que toda mulher faz nessas ocasiões: cuidaria do exterior primeiro.
Seria mais fácil. Aumentaria a autoconfiança e a atenção poderia ser total à bagunça interna.
Unhas, cabelos e pele tratados, partiu para a mente e o coração.
Conversou com amigos e familiares queridos.
Leu um livro que gostava, escreveu um pouco.
Partiu a ajudar os outros…
Talvez quando terminasse, a bagunça nem seria mais tão importante!
Alda M S Santos

Quisera

QUISERA
Quisera poder voar
Bem alto, bem longe
A tudo de lá observar
Devagarinho, asas bem abertas
Poder planar, descansar
Calmamente, escolher onde pousar
Quisera poder voar
Como que por encanto
Cessar a dor, o pranto
De uma nuvem qualquer fazer meu canto
De travesseiro, repouso e acalanto
Quisera poder voar
Passar pela mente de toda gente
Sondar a alma, fazer inspeção
Saber onde há pouso para meu coração
Quisera poder voar
Para o mundo da magia, da fantasia, da poesia
E levar comigo quem quiser amar
Quisera poder voar…
Alda M S Santos

Esqueça

ESQUEÇA!

Hoje é dia para esquecer
Qualquer coisa que machuca, faz sofrer
Não importa a causa, a razão
Se faz mal, vamos esquecer, então

Se tira seu sorriso, não dá liga
Se não borra seu batom, quer só briga
Nem faz mais frio na sua barriga
Melhor esquecer, sem qualquer intriga

Esqueça se não te faz encorajar
Se só medo quer causar
E não te ajuda a levantar

Se te cansa, desanima, não tem magia
Se magoa, nubla, mina sua energia
Esqueça, busque o que desperta sua poesia

Alda M S Santos

Não se culpe!

NÃO SE CULPE!

Se seu sol hoje não brilhou
Se a chuva a você encharcou
Não se culpe!
Arco-íris precisa de água e luz para colorir
E ser capaz de encantar e seduzir

Se o caminho parece longo demais
Se as flores já não perfumam mais
Não se culpe!
Sempre há trilhas, atalhos
Talvez neles recolha seus frangalhos

Se tudo parece um eterno estacionar
Se em você a alma está a divagar
Não se culpe!
A terra está girando devagar
E acaba colocando tudo no lugar

Se o viver te parece indiferente
Se não sabe mais ao certo o que sente
Não se culpe!
Observe bem, acolha, abrace, beije, seja gente
Acordar todo dia é um grande presente

Alda M S Santos

Loucuras?

LOUCURAS?
Quero ser um caracol, fechar-me dentro de mim mesma
Sair apenas quando a luz de fora entrar
Ou a de dentro conseguir iluminar tudo lá fora
Quero brincar de esconde-esconde
Encontrar um esconderijo bem original
E lá ficar até ser encontrada por alguém com a mesma ideia.
Quero inspirar fundo, bem fundo, sufocar-me em coisas boas
E expirar, jogando fora tudo que faz mal
Quero correr, correr muito, sem direção, até esgotar todas as forças e não sentir mais nada.
Quero ser uma bolha de sabão, subir, subir nas árvores, nas nuvens, encantar e desaparecer.
Quero mergulhar, sem máscaras ou snookers, sentir tudo, descobrir tudo
Afogar-me, se preciso for, e renascer.
Loucuras?
Às vezes são necessárias para se manter a sanidade.
Alda M S Santos

Curtir a paisagem

CURTIR A PAISAGEM

Sempre haverá algo para nos desagradar
Um barulho que não para de soar
Um silêncio que insiste em gritar
Um sonho que não quer realizar

Sempre haverá algo novo para lidar
Um sapato apertado a incomodar
Aquela roupa que não cai mais tão bem
Uma saudade que nem sempre convém

Não importa se é um desejo não atendido
Um amor no coração mal resolvido
Uma frustração por algo até descabido

Tudo isso faz parte dessa passagem
Saber lidar com isso, tornar boa a viagem
É relaxar e, apesar disso, curtir a paisagem

Alda M S Santos

Colisão

COLISÃO

Que fazemos por aqui- a pergunta não quer calar
Nuns momentos somos apenas mais um na multidão
Querendo gritar, mas apenas conseguindo silenciar
Querendo fugir em busca de uma resposta
Vagar por aí desejando ardentemente uma solução
A vida nem sempre se apresenta boa ou bela
Tantas vezes usa um idioma incompreensível
E só mesmo quando mergulhamos bem fundo
Ou quando saímos de nós mesmos e damos uma volta por aí
É que passamos a entender que a decepção pode ser dolorosa lição
Mas é a aula número um dos aprendizados de vida
E seguimos sozinhos vagando no espaço sideral de nós mesmos
Até a colisão, a explosão e a ressignificação…

Alda M S Santos

Nossa bagunça

NOSSA BAGUNÇA
Uma ampla sala arejada com poltronas aconchegantes
Um quarto quentinho, macio e acolhedor
Uma cozinha receptiva, com aroma de café e pão de queijo
Uma rede na varanda com uma vista da Serra
Um quintal com flores, frutos e balanço na goiabeira
Um gramado para brincar, dançar, se exercitar
Um sótão para guardar as bagunças e ferramentas…
Cada qual tem seu sonho de casa, de moradia
Mas para um lar todos têm o mesmo desejo
Que seja amoroso, pacífico, harmonioso
E isso independe da casa em que se mora
Depende muito de com quem se mora
E da sabedoria em manter organizados nossos ambientes internos
Nossa “casa” não é sempre um amplo espaço arejado
Mas também não pode ser toda ela um sótão bagunçado
Um lar “arrumado”, ou não, está diretamente ligado
Ao modo como cada pessoa presente ali
Lida com a bagunça que traz dentro de si
E com a bagunça que o outro traz consigo
Alda M S Santos

Nas batalhas

NAS BATALHAS
Batalha pelo pão que alimenta o corpo
Batalha pelas águas claras que hidratam o ser
Batalha pelo chão firme sob os pés
Batalha pelo céu azul que possibilita voos livres
Batalha pelo abraço gostoso que une os seres afins
Batalha pelos bons relacionamentos que enriquecem o viver
Batalha pelo amor recíproco que alimenta a alma
Batalha para sentir-se membro dessa nau
Batalha para ter onde repousar corpo, mente e coração
E viver um sonho real
De amor e compaixão…
Nas constantes batalhas para nos firmar como gente
Devemos nos cuidar para não perdermos nossa humanidade
Nas batalhas da vida precisamos, às vezes, nos render
Pedir uma trégua, talvez até nos sentir meio presos
Para poder sermos verdadeiramente livres e vitoriosos
E seguir em paz quando chegar o momento de voltar para casa
Alda M S Santos

Quero morar

QUERO MORAR

Quero morar num lugar especial
Tão longínquo quanto o espaço sideral
Onde eu possa silenciar ou gritar
Sem ninguém interromper ou se assustar

Quero morar sem pagar aluguel
Pintar as paredes, o chão, meu céu
Em cores vivas ou em tons papel
Brincar de roda e de passar anel

Quero morar numa casa de amplas janelas
De portas escancaradas, sem tramelas
Onde a brisa possa minha pele acariciar
E num sonho bonito me acalentar

Quero morar dentro de um coração
Mas não quero ficar apertada, não
Onde possa brincar de beijar, de amar
E ali ser pra sempre meu lugar

Alda M S Santos

O acaso existe?

O ACASO EXISTE?

O acaso é aquele que chega e faz acontecer
Expõe o que estava brincando de esconder
Não importa se te fará feliz ou sofrer
Ele chega e faz bagunça no seu viver

O acaso desnuda almas, clareia emoções
Um jeito de ser, atitudes e sensações
Abre portas, escancara janelas da alma
Confronta palavras e atitudes sem calma

Será mesmo coincidência, um acaso?
Ou não existe nada aqui por acaso
Não importando se é de teor profundo ou raso

Se o acaso quiser mostrar algo
É bom olhar, prestar atenção
Em tudo há que se tirar uma lição

Alda M S Santos

Devaneios

DEVANEIOS
Vou escrever uma história
Daquelas bem bonitas
Real ou imaginária
Talvez mesclada, realizada e sonhada
E colocar numa garrafa de vidro
Enrolada tal qual pergaminho
Exalando um pouco de perfume suave
Um beijo de batom rosa
Umas lágrimas desobedientes
Muitos sorrisos de satisfação e amor
Colocar uma rolha fechando a vácuo
E lançar no oceano…
Quem sabe um dia, décadas à frente, alguém a encontre
A esfregue para retirar marcas do tempo
E, tal qual gênio da lâmpada de Aladim
De lá de dentro a história se materialize novamente
Rica em detalhes e melhor vivida
Ou que apenas deixe para a posteridade
O registro de uma história de vida bonita
Espero que seja a nossa…
Alda M S Santos

Gosto

GOSTO

Gosto de quem, apesar da aridez, sabe florescer
De quem sabe, apesar da própria dor, acolher
De quem usa a sabedoria para enternecer
E nunca, nunca desiste de lutar por esse viver

Gosto de quem espalha delicadezas
Em forma de palavras, sorrisos, belezas
Na vida insiste, no amor acredita, usa sutilezas
Ainda que veja no entorno tanta aspereza

Gosto de quem não desiste do amor
Independente se já nele se perdeu
Mas não se deixou levar pelo rancor

Gosto de quem escolhe ser a própria poesia
Num mundo onde ganha espaço a agonia
Numa batalha por um pouco mais de harmonia

Alda M S Santos

Barulhos de dentro

BARULHOS DE DENTRO
Eta mundo barulhento!
Muitos e muitos decibéis a invadir nossos tímpanos
De todos os tipos, timbres, inúmeros ruídos
Graves, agudos, verdadeira poluição sonora.
Nossa percepção acústica acaba por se confundir.
Frequências sem padrão,
E o efeito é um sinal complexo.
Difícil de ser caracterizado com exatidão.
Tantas vezes são bem vindos!
Principalmente quando os escolhermos
Com o intuito de confundir outros ruídos de fora
Ou, particularmente, para abafar os barulhos de dentro.
Aqueles que gritam, confusos, não os entendemos, não aceitamos,
Tampouco conseguimos silenciá-los!
Cantamos alto, desafinados, rimos, choramos, dançamos
Aquela linda canção, no volume máximo, repetidas vezes.
Que nos isola lá de fora, nos isola cá de dentro
E, em transe, no meio do caminho, ficamos.
Aguardando quem sairá vitorioso:
O barulho de fora ou o barulho de dentro…
Alda M S Santos

Real

REAL

Sou assim, queira ou não, bem real
Acerto, erro, brinco, fico séria
Gosto de ser o máximo natural
Descabelada, arrumada, no salto ou descalça

Sou assim, queira ou não, bem real
Sorrio até a barriga doer
Choro até não mais poder
O rosto inchado, olhos vermelhos
Até passar o vendaval
Sou doçura, carinho, colo, desejo
Por vezes bem sensual

Sou assim, queira ou não, bem real
Ora distante, falante, alegre ou enraivecida
Isso tudo faz parte da vida
Ora pura candura, fácil leitura
Ora travessura, bravura, amargura
Buscando apenas uma cura

Sou assim, queira ou não, bem real
Ora lindeza, feiúra, pureza, levadeza, comunicação
Ora tristeza, dor, reflexão, introspecção, solidão
Apenas alguém que quer da vida amor, emoção, evolução
Sou assim, queira ou não, bem real…

Alda M S Santos

Pela estrada afora

PELA ESTRADA AFORA

“Pela estrada afora eu vou bem sozinha”
Vamos caminhar nessa estradinha?
Caminho do rio ou da floresta?
Para todo lado há lobos maus
Nem sempre dá para fazer a festa
Mas a magia do caminhar é sensacional
Vão em frente Chapeuzinhos e vovozinhas
Tentando escolher o melhor caminho
Em busca de seus doces, oferecendo suas doçuras
Fugindo do mal, das amarguras
Muitas vezes o coração é que é deserto
Mas cada qual segue sua sina, sua trilha
Sabendo que o mal pode estar por perto
Mas confiante que o bem também, por certo
Por vezes, fazem algumas travessuras
Afinal, o quadro da vida pede variadas pinturas
Seguem Chapeuzinhos, vovozinhas e lobos
Bons ou maus… aprendendo, afinal
Ora se cruzam, ora seguem em paralelas
Buscando o que há de bom por aqui
Até chegar à tardinha, ao sol poente do existir
E junto à própria consciência, feliz e contente, dormir…

Alda M S Santos

Preste atenção

PRESTE ATENÇÃO
Olhe para o que te falta, busque
Mas veja aquilo que você tem de verdadeiramente seu
Olhe devagar, absorva o positivo, o divino
Preste atenção!
Inspire fundo, sinta o perfume doce da paz
Mesmo que precise inspirar muitas vezes
Sinta-se vivo! Preste atenção!
Olhe no seu entorno
Natureza viva, ar puro, brisa suave, calor humano
Entregue-se! Delicie-se!
Veja quem te estende a mão, quem te cuida
Quem te abraça, te acolhe, te ama
Quem reza por você, pensa em você
Quem sempre te coloca como prioridade
Preste atenção!
Veja com um novo olhar tudo aquilo que está dentro de você
Demore-se um pouco nesse olhar, tenha calma
Preste atenção! Sinta-se!
Ainda que seja apenas você mesmo
Olhe! Veja de verdade! Preste atenção!
E valorize! Valorize-se!
Onde você se encontra, também encontra Deus
A vida é aquilo que fazemos dela…
Alda M S Santos

Somos nós

SOMOS NÓS

Somos nós que podemos escolher
Aquilo que em nós deve prevalecer
Se deixamos a entrada livre, porta aberta
Ou se esperamos com calma a hora certa

Somos nós que damos permissão
A toda e qualquer invasão de emoção
Escolhendo o que em nós é melhor cultivar
Alimentando o que nos fará crescer, frutificar

Em nós pode haver embates
Lutas, vitórias, derrotas, empates
Que nossa alma seja forte, não se mate

Os ventos trazem de tudo sem piedade
Brisas leves ou fortes tempestades
Que prevaleça a liberdade com dignidade

Alda M S Santos

Só sei que dói


SÓ SEI QUE DÓI

Não dá para identificar ao certo
A dor está lá, crescendo, remexendo
Indefinida, dor de quê, em quê?
Dor da (in)existência, enfraquecendo

Aperta a garganta, parece que sufoca
Ora deixa lágrimas presas rolarem
De onde vem, fura feito broca
Excesso de passado, ausência de futuro?

Um presente de realidades meio indesejadas
Repleto de sonhos, desejos, anseios
Em corações e almas bastante alucinadas

É preciso sanar a dor, apagar essa sensação
De que tudo é meio impossível, em vão
Crer na cura no amor, na esperança, sem senão

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: