Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

balanço da vida

Esqueça

ESQUEÇA!

Hoje é dia para esquecer
Qualquer coisa que machuca, faz sofrer
Não importa a causa, a razão
Se faz mal, vamos esquecer, então

Se tira seu sorriso, não dá liga
Se não borra seu batom, quer só briga
Nem faz mais frio na sua barriga
Melhor esquecer, sem qualquer intriga

Esqueça se não te faz encorajar
Se só medo quer causar
E não te ajuda a levantar

Se te cansa, desanima, não tem magia
Se magoa, nubla, mina sua energia
Esqueça, busque o que desperta sua poesia

Alda M S Santos

Não se culpe!

NÃO SE CULPE!

Se seu sol hoje não brilhou
Se a chuva a você encharcou
Não se culpe!
Arco-íris precisa de água e luz para colorir
E ser capaz de encantar e seduzir

Se o caminho parece longo demais
Se as flores já não perfumam mais
Não se culpe!
Sempre há trilhas, atalhos
Talvez neles recolha seus frangalhos

Se tudo parece um eterno estacionar
Se em você a alma está a divagar
Não se culpe!
A terra está girando devagar
E acaba colocando tudo no lugar

Se o viver te parece indiferente
Se não sabe mais ao certo o que sente
Não se culpe!
Observe bem, acolha, abrace, beije, seja gente
Acordar todo dia é um grande presente

Alda M S Santos

Loucuras?

LOUCURAS?
Quero ser um caracol, fechar-me dentro de mim mesma
Sair apenas quando a luz de fora entrar
Ou a de dentro conseguir iluminar tudo lá fora
Quero brincar de esconde-esconde
Encontrar um esconderijo bem original
E lá ficar até ser encontrada por alguém com a mesma ideia.
Quero inspirar fundo, bem fundo, sufocar-me em coisas boas
E expirar, jogando fora tudo que faz mal
Quero correr, correr muito, sem direção, até esgotar todas as forças e não sentir mais nada.
Quero ser uma bolha de sabão, subir, subir nas árvores, nas nuvens, encantar e desaparecer.
Quero mergulhar, sem máscaras ou snookers, sentir tudo, descobrir tudo
Afogar-me, se preciso for, e renascer.
Loucuras?
Às vezes são necessárias para se manter a sanidade.
Alda M S Santos

Curtir a paisagem

CURTIR A PAISAGEM

Sempre haverá algo para nos desagradar
Um barulho que não para de soar
Um silêncio que insiste em gritar
Um sonho que não quer realizar

Sempre haverá algo novo para lidar
Um sapato apertado a incomodar
Aquela roupa que não cai mais tão bem
Uma saudade que nem sempre convém

Não importa se é um desejo não atendido
Um amor no coração mal resolvido
Uma frustração por algo até descabido

Tudo isso faz parte dessa passagem
Saber lidar com isso, tornar boa a viagem
É relaxar e, apesar disso, curtir a paisagem

Alda M S Santos

Colisão

COLISÃO

Que fazemos por aqui- a pergunta não quer calar
Nuns momentos somos apenas mais um na multidão
Querendo gritar, mas apenas conseguindo silenciar
Querendo fugir em busca de uma resposta
Vagar por aí desejando ardentemente uma solução
A vida nem sempre se apresenta boa ou bela
Tantas vezes usa um idioma incompreensível
E só mesmo quando mergulhamos bem fundo
Ou quando saímos de nós mesmos e damos uma volta por aí
É que passamos a entender que a decepção pode ser dolorosa lição
Mas é a aula número um dos aprendizados de vida
E seguimos sozinhos vagando no espaço sideral de nós mesmos
Até a colisão, a explosão e a ressignificação…

Alda M S Santos

Nossa bagunça

NOSSA BAGUNÇA
Uma ampla sala arejada com poltronas aconchegantes
Um quarto quentinho, macio e acolhedor
Uma cozinha receptiva, com aroma de café e pão de queijo
Uma rede na varanda com uma vista da Serra
Um quintal com flores, frutos e balanço na goiabeira
Um gramado para brincar, dançar, se exercitar
Um sótão para guardar as bagunças e ferramentas…
Cada qual tem seu sonho de casa, de moradia
Mas para um lar todos têm o mesmo desejo
Que seja amoroso, pacífico, harmonioso
E isso independe da casa em que se mora
Depende muito de com quem se mora
E da sabedoria em manter organizados nossos ambientes internos
Nossa “casa” não é sempre um amplo espaço arejado
Mas também não pode ser toda ela um sótão bagunçado
Um lar “arrumado”, ou não, está diretamente ligado
Ao modo como cada pessoa presente ali
Lida com a bagunça que traz dentro de si
E com a bagunça que o outro traz consigo
Alda M S Santos

Nas batalhas

NAS BATALHAS
Batalha pelo pão que alimenta o corpo
Batalha pelas águas claras que hidratam o ser
Batalha pelo chão firme sob os pés
Batalha pelo céu azul que possibilita voos livres
Batalha pelo abraço gostoso que une os seres afins
Batalha pelos bons relacionamentos que enriquecem o viver
Batalha pelo amor recíproco que alimenta a alma
Batalha para sentir-se membro dessa nau
Batalha para ter onde repousar corpo, mente e coração
E viver um sonho real
De amor e compaixão…
Nas constantes batalhas para nos firmar como gente
Devemos nos cuidar para não perdermos nossa humanidade
Nas batalhas da vida precisamos, às vezes, nos render
Pedir uma trégua, talvez até nos sentir meio presos
Para poder sermos verdadeiramente livres e vitoriosos
E seguir em paz quando chegar o momento de voltar para casa
Alda M S Santos

Quero morar

QUERO MORAR

Quero morar num lugar especial
Tão longínquo quanto o espaço sideral
Onde eu possa silenciar ou gritar
Sem ninguém interromper ou se assustar

Quero morar sem pagar aluguel
Pintar as paredes, o chão, meu céu
Em cores vivas ou em tons papel
Brincar de roda e de passar anel

Quero morar numa casa de amplas janelas
De portas escancaradas, sem tramelas
Onde a brisa possa minha pele acariciar
E num sonho bonito me acalentar

Quero morar dentro de um coração
Mas não quero ficar apertada, não
Onde possa brincar de beijar, de amar
E ali ser pra sempre meu lugar

Alda M S Santos

O acaso existe?

O ACASO EXISTE?

O acaso é aquele que chega e faz acontecer
Expõe o que estava brincando de esconder
Não importa se te fará feliz ou sofrer
Ele chega e faz bagunça no seu viver

O acaso desnuda almas, clareia emoções
Um jeito de ser, atitudes e sensações
Abre portas, escancara janelas da alma
Confronta palavras e atitudes sem calma

Será mesmo coincidência, um acaso?
Ou não existe nada aqui por acaso
Não importando se é de teor profundo ou raso

Se o acaso quiser mostrar algo
É bom olhar, prestar atenção
Em tudo há que se tirar uma lição

Alda M S Santos

Devaneios

DEVANEIOS
Vou escrever uma história
Daquelas bem bonitas
Real ou imaginária
Talvez mesclada, realizada e sonhada
E colocar numa garrafa de vidro
Enrolada tal qual pergaminho
Exalando um pouco de perfume suave
Um beijo de batom rosa
Umas lágrimas desobedientes
Muitos sorrisos de satisfação e amor
Colocar uma rolha fechando a vácuo
E lançar no oceano…
Quem sabe um dia, décadas à frente, alguém a encontre
A esfregue para retirar marcas do tempo
E, tal qual gênio da lâmpada de Aladim
De lá de dentro a história se materialize novamente
Rica em detalhes e melhor vivida
Ou que apenas deixe para a posteridade
O registro de uma história de vida bonita
Espero que seja a nossa…
Alda M S Santos

Gosto

GOSTO

Gosto de quem, apesar da aridez, sabe florescer
De quem sabe, apesar da própria dor, acolher
De quem usa a sabedoria para enternecer
E nunca, nunca desiste de lutar por esse viver

Gosto de quem espalha delicadezas
Em forma de palavras, sorrisos, belezas
Na vida insiste, no amor acredita, usa sutilezas
Ainda que veja no entorno tanta aspereza

Gosto de quem não desiste do amor
Independente se já nele se perdeu
Mas não se deixou levar pelo rancor

Gosto de quem escolhe ser a própria poesia
Num mundo onde ganha espaço a agonia
Numa batalha por um pouco mais de harmonia

Alda M S Santos

Barulhos de dentro

BARULHOS DE DENTRO
Eta mundo barulhento!
Muitos e muitos decibéis a invadir nossos tímpanos
De todos os tipos, timbres, inúmeros ruídos
Graves, agudos, verdadeira poluição sonora.
Nossa percepção acústica acaba por se confundir.
Frequências sem padrão,
E o efeito é um sinal complexo.
Difícil de ser caracterizado com exatidão.
Tantas vezes são bem vindos!
Principalmente quando os escolhermos
Com o intuito de confundir outros ruídos de fora
Ou, particularmente, para abafar os barulhos de dentro.
Aqueles que gritam, confusos, não os entendemos, não aceitamos,
Tampouco conseguimos silenciá-los!
Cantamos alto, desafinados, rimos, choramos, dançamos
Aquela linda canção, no volume máximo, repetidas vezes.
Que nos isola lá de fora, nos isola cá de dentro
E, em transe, no meio do caminho, ficamos.
Aguardando quem sairá vitorioso:
O barulho de fora ou o barulho de dentro…
Alda M S Santos

Real

REAL

Sou assim, queira ou não, bem real
Acerto, erro, brinco, fico séria
Gosto de ser o máximo natural
Descabelada, arrumada, no salto ou descalça

Sou assim, queira ou não, bem real
Sorrio até a barriga doer
Choro até não mais poder
O rosto inchado, olhos vermelhos
Até passar o vendaval
Sou doçura, carinho, colo, desejo
Por vezes bem sensual

Sou assim, queira ou não, bem real
Ora distante, falante, alegre ou enraivecida
Isso tudo faz parte da vida
Ora pura candura, fácil leitura
Ora travessura, bravura, amargura
Buscando apenas uma cura

Sou assim, queira ou não, bem real
Ora lindeza, feiúra, pureza, levadeza, comunicação
Ora tristeza, dor, reflexão, introspecção, solidão
Apenas alguém que quer da vida amor, emoção, evolução
Sou assim, queira ou não, bem real…

Alda M S Santos

Pela estrada afora

PELA ESTRADA AFORA

“Pela estrada afora eu vou bem sozinha”
Vamos caminhar nessa estradinha?
Caminho do rio ou da floresta?
Para todo lado há lobos maus
Nem sempre dá para fazer a festa
Mas a magia do caminhar é sensacional
Vão em frente Chapeuzinhos e vovozinhas
Tentando escolher o melhor caminho
Em busca de seus doces, oferecendo suas doçuras
Fugindo do mal, das amarguras
Muitas vezes o coração é que é deserto
Mas cada qual segue sua sina, sua trilha
Sabendo que o mal pode estar por perto
Mas confiante que o bem também, por certo
Por vezes, fazem algumas travessuras
Afinal, o quadro da vida pede variadas pinturas
Seguem Chapeuzinhos, vovozinhas e lobos
Bons ou maus… aprendendo, afinal
Ora se cruzam, ora seguem em paralelas
Buscando o que há de bom por aqui
Até chegar à tardinha, ao sol poente do existir
E junto à própria consciência, feliz e contente, dormir…

Alda M S Santos

Preste atenção

PRESTE ATENÇÃO
Olhe para o que te falta, busque
Mas veja aquilo que você tem de verdadeiramente seu
Olhe devagar, absorva o positivo, o divino
Preste atenção!
Inspire fundo, sinta o perfume doce da paz
Mesmo que precise inspirar muitas vezes
Sinta-se vivo! Preste atenção!
Olhe no seu entorno
Natureza viva, ar puro, brisa suave, calor humano
Entregue-se! Delicie-se!
Veja quem te estende a mão, quem te cuida
Quem te abraça, te acolhe, te ama
Quem reza por você, pensa em você
Quem sempre te coloca como prioridade
Preste atenção!
Veja com um novo olhar tudo aquilo que está dentro de você
Demore-se um pouco nesse olhar, tenha calma
Preste atenção! Sinta-se!
Ainda que seja apenas você mesmo
Olhe! Veja de verdade! Preste atenção!
E valorize! Valorize-se!
Onde você se encontra, também encontra Deus
A vida é aquilo que fazemos dela…
Alda M S Santos

Somos nós

SOMOS NÓS

Somos nós que podemos escolher
Aquilo que em nós deve prevalecer
Se deixamos a entrada livre, porta aberta
Ou se esperamos com calma a hora certa

Somos nós que damos permissão
A toda e qualquer invasão de emoção
Escolhendo o que em nós é melhor cultivar
Alimentando o que nos fará crescer, frutificar

Em nós pode haver embates
Lutas, vitórias, derrotas, empates
Que nossa alma seja forte, não se mate

Os ventos trazem de tudo sem piedade
Brisas leves ou fortes tempestades
Que prevaleça a liberdade com dignidade

Alda M S Santos

Só sei que dói


SÓ SEI QUE DÓI

Não dá para identificar ao certo
A dor está lá, crescendo, remexendo
Indefinida, dor de quê, em quê?
Dor da (in)existência, enfraquecendo

Aperta a garganta, parece que sufoca
Ora deixa lágrimas presas rolarem
De onde vem, fura feito broca
Excesso de passado, ausência de futuro?

Um presente de realidades meio indesejadas
Repleto de sonhos, desejos, anseios
Em corações e almas bastante alucinadas

É preciso sanar a dor, apagar essa sensação
De que tudo é meio impossível, em vão
Crer na cura no amor, na esperança, sem senão

Alda M S Santos

Meu pequeno mundo

MEU PEQUENO MUNDO

Meu mundo é pequeno diante desse mundão
Tantas vezes acredito que sairá de órbita
E ficará à deriva, perdido na escuridão
Numa nau desértica e inóspita

A pequenez dá a ideia que não faz diferença
Aquilo que faço ou desfaço, por (des)crença
Mas como num jogo de peças de dominós
Elas estão ligadas, ainda que pareçam sós

Não vamos sozinhos, somos partes do todo
Uma mexida qualquer abala, causa incômodo
Para o bem ou para o mal, sem engodo

Esse mundão é feito de pequenos mundos
Mudá-lo exige realizar sonhos profundos
Ativar em nós a paz, união e amor fecundos

Alda M S Santos

Encaixes

ENCAIXES
Quase tudo nessa vida depende de combinações e encaixes perfeitos
Bola na cesta do basquete, na raquete do tenista, na rede do gol
Veículos na pista, altitudes dos voos, barcos nas rotas
Portas nas casas, fechaduras nas portas, chaves nas fechaduras
Sapatos nos pés, roupas no corpo, alimentos no organismo
O anel no dedo, uma mão na outra, cabecinha no ombro
As palavras nas frases, as frases nos textos, os textos nos contextos
Passamos a vida buscando essas combinações
Afinando a percepção, aperfeiçoando esses encaixes
Mas nem tudo é tão prático e fácil assim
Alguns encaixes exigirão uma perícia maior
A fé e o indivíduo, o cidadão e sua profissão,
Uma pessoa com a outra, o indivíduo consigo mesmo
Mente, alma, coração num só corpo
Sorriso no rosto, alegria na alma, um abraço que se enlaça
Um corpo no outro… uma alma na outra.
Como crianças com seus Legos, vamos tentando
Encaixando, montando, desmontando, aprendendo
E, se possível, nos divertindo enquanto brincamos
Enquanto vivemos…
Alda M S Santos

Não vou só

NÃO VOU SÓ

Não vou só por esses caminhos
Carrego lembranças de muitos carinhos
Menina, moça ou uma (in)segura mulher
Fragilidade e força para o que der e vier

Não vou só nessa viagem
Atenta, encanto-me com a paisagem
Se o que se apresenta é a solidão
Visto-me de sonhos, acalento do coração

Não vou só nessa jornada
Acompanha-me a fé, sou abençoada
Entre tudo e todos estou amparada

Não vou só nessa travessia
Em busca do bem, da alegria
Vou fazendo versos, espalhando a poesia

Alda M S Santos

Equilíbrio

EQUILÍBRIO

Busco um ponto firme de equilíbrio
Abro os braços, abro a mente e o coração
Tentando achar aquele ponto, a conexão
Aquela que mantém ativos corpo e emoção

Vou devagar, tateando, passo a passo
Balançando para lá e para cá, fazendo laços
Nesse caos de fora não me enlaço
Na desordem de dentro me desfaço

Fecho os olhos, quero o equilíbrio
A luz lá de dentro, a paz certeira
Busco em cada cantinho ser mais inteira

No abrir de braços e balançar do coração
Acho no amor, na intensa emoção
O ponto do equilíbrio, a sustentação

Alda M S Santos

Amor que conduz

AMOR QUE CONDUZ

Tudo parece tão fora de lugar
Ficamos sem chão, a divagar
Tudo está fora de foco, embaçado
Para onde ir, para que lado?

A esperança anda balançada
Em meio a tanta coisa errada
Está difícil essa parada
Vontade de fugir, fazer nada

Mas ela é intensa, poderosa
Brota do mais fundo de nós
De uma alma forte e vigorosa

A esperança no amanhã é a luz
Que ilumina o caminho, que reluz
Por e pelo amor que nos conduz

Alda M S Santos

Essência do existir

ESSÊNCIA DO EXISTIR

Voltar é reavaliar, é reconsiderar
É refazer a memória, um lugar
É dar continuidade também
É repensar o que nem sempre faz bem
Voltar é um modo de restaurar
Ainda que momentaneamente
Algo que ficou lá atrás
Mas ainda nos atiça, se faz presente
Mesmo em momento fugaz
Voltar é possibilitar o prosseguir
Pois nesse constante ir e vir
Está a essência de nosso existir

Alda M S Santos

Cúmplices

CÚMPLICES

Somos cúmplices, trocamos nossa magia
Tudo se encaixa perfeitamente em nós
Há sintonia, parceria, harmonia
Nossa vida é de laços, desfazendo nós

Meu mundo não é tão perfeito assim, eu tento
Mas junto dela sinto-me bem pequena
Apenas uma flor ao vento
Ainda assim, a natureza me faz plena

O que faz bem deixo em mim chegar
Para o belo e doce sempre haverá lugar
Fundo e repetidamente vou inspirar

Somos cúmplices e complementares 
Uma interação de amor e admiração
Sem ela não há vida, emoção ou proteção

Alda M S Santos

Quero um mundo

QUERO UM MUNDO

Quero um mundo de brisa suave
Mas quando não for possível
Que eu curta e sobreviva à tempestade
Sem brigas, sem reservas, sem maldade

Quero ver um mundo de belo horizonte
Ainda que olhe para dentro de mim
Ou bem longe, atrás da serra, dos montes
Que eu possa ser minha própria fonte

Quero um mundo de luz, de paz
Que ilumine minha transitória escuridão
Nesse viver regado de solidão

Quero um mundo onde caiba amores e amizades
São esperança, alegria em qualquer idade
Afastam o mal, são energia, a verdadeira felicidade

Alda M S Santos

A magia

A MAGIA

Que tira você do foco, te deixa sem chão
Que abala sua mente, sua emoção
Te lança em alta voltagem
E faz da vida uma doce miragem?

Uma injustiça te deixa revoltado
A desigualdade te faz desanimado
A caridade faz crer que algo pode ser mudado
Nesse mundo que tudo parece abandonado?

Uma alma boa, um querer alucinado
Um alguém que te deixa atarantado
Ou a doce magia de um coração apaixonado?

Que te faz mover, agir, navegar
Nesse oceano sempre a avançar
Em busca da magia que vale a pena conquistar?

Alda M S Santos

Não podemos!

NÃO PODEMOS!

Mesmo estando muitas vezes
Entre o Sol e as nuvens
Entre molhar na chuva ou se esconder
Entre a luz e a escuridão
Entre a saúde ou a doença
Entre a fé e a desesperança
Entre o amor ou a indiferença
Entre o sorriso ou as lágrimas
Entre a alegria ou a decepção
Entre a dor ou a forte emoção
Entre o ir ou ficar
Entre o fazer ou deixar rolar
Entre o ontem, o hoje
Ou o futuro do coração
Nosso lugar é só nosso
Nele só nós podemos agir
Não podemos desistir da vida…

Alda M S Santos

Não aceite menos

NÃO ACEITE MENOS

Não aceite menos que você merece
Corra atrás daquilo que te fortalece
Se não te anima, faz mal, enfraquece
Deixe de lado, não carece
Sol precisa brilhar, gerar calor
Chuva vem para irrigar, fazer brotar a flor
Ondas são para encantar, afastar a dor
Amor tem que ser delicadeza, cuidado
Carinho debaixo do cobertor
Olhar precisa agradar, atrair
Atenção que faz feliz, faz sorrir
Somos responsáveis por nossa felicidade
Por tudo que fazemos por aqui
Da vida devemos cobrar, exigir
Lutar, ir atrás, prosseguir
Mas nunca aceitar menos do que merecemos
Pois só assim vale esse viver, bem sabemos

Alda M S Santos

Suave travessia

SUAVE TRAVESSIA

Ora a vida pede calma
Ora grita por agitação
Há incertezas que doem a alma
É preciso atender ao coração

Quando há uma certa letargia
A esmorecer o corpo, lenta agonia
Ou quando há descompasso
Entre a razão e coração, eu passo

Ora o tempo por aqui é longo
Tantas outras vezes se esvai, é fugaz
Não dá para se fazer de incapaz

Para uma proveitosa viagem, em sintonia
Uma tranquila, leve e suave travessia
Busquemos entre nós a harmonia

Alda M S Santos

Quando falta o ar…

QUANDO FALTA O AR…

Entre tantas as coisas a nos faltar
Se for matéria já nem tem em nós lugar
Se for um sentimento bom para apaziguar
Buscamos sedentos para nos emocionar

Há tanta coisa que pode nos faltar
Acostumados já estamos a lidar
Até por alguns momentos ficamos sem ar
Quando a emoção vem nos subjugar

Mas só assim ele é bom se faltar
Pois representa expectativa de alegria
E não quando a vida foge, agonia

Na maior fonte de oxigênio do mundo
Falta o ar, falta vida, cuidado, proteção
Que Deus nos abençoe, nos estenda a mão

Alda M S Santos

Haverá tempo?

HAVERÁ TEMPO?
Tantas vezes a vida parece tão curta
Parece debochar da ingenuidade da gente
Atiça o desejo, mostra algumas lindas possibilidades
Mas que não estão ao alcance da nossa vontade
Inacessíveis, inexploráveis, impossíveis, inexplicáveis
Por inúmeros e variados motivos
Não teremos tempo…
Será que haveria tempo para conhecermos
Todos os lindos lugares por aí
Para fazermos tantas maravilhosas amizades
Para amarmos a todos sem vaidade
Para sermos a diferença para alguém nesse mundo gigante
Mas ao mesmo tempo tão pequeno?
Será que há tempo para explorar tudo por aí
Como criança curiosa e sedenta de vida
Será que haverá tempo para a autoexploracão?
Somos tão extensos e lindos como tudo que há
Uma miniatura complexa desse mundão vasto
Talvez a resposta irônica para essa questão seja:
Nada há lá fora que você não possa encontrar primeiro em si mesmo
Ame-se, explore-se, conheça-se, divirta-se consigo mesmo
E tudo o mais será lindo complemento
E o tempo será apenas… o tempo…
Alda M S Santos

Se eu pedir, vou ganhar?

SE EU PEDIR, VOU GANHAR?

Bom, dizem que quem pede, ganha
Será que é preciso fazer barganha?
É dando que se recebe
Será que é isso que se percebe?

Se eu quero sorriso, preciso sorrir
Se quero companhia, não posso fugir
Se quero beleza, preciso encantar
Se quero amor, também preciso amar

Há muitos jeitos de algo pedir e ganhar
Basta estar atento ao expressar
O olhar, o sorriso, o silêncio sabem falar

A magia acontece nesse vai e vem
Nessa troca intensa do bem
De quereres e desejos que convém

Alda M S Santos

Tarde de poesias: Se pedir eu vou ganhar?

Aqueles dias

AQUELES DIAS

Aqueles dias dos quais ninguém está livre
Cuja vontade é achar um cantinho para hibernar
Sem ninguém para incomodar
Nada ou tudo falar, pensar, repensar, adormecer
Quando não conseguimos o quebra-cabeças montar
E tudo que queremos é sair desse mal-estar
Onde será esse lugar?
Será preciso num avião decolar
Ou num barco alcançar o alto mar
Ao volante dirigir sem rumo até cansar
Ir até o céu com as estrelas e a Lua conversar
Num foguete à via láctea chegar
Ou será que está mais perto e bastaria apenas
Mergulhar nos recônditos secretos de nosso ser
Sorrir, chorar, brigar, apaziguar, debater
E ali ficar até desfalecer ou renascer…

Alda M S Santos

Minhas pedras

MINHAS PEDRAS

Há coisas que devemos por bem compartilhar

Alegrias, amor, sorrisos, carinho

Coisas que fazem bem trocar

Também é bom, até necessário, falar, conversar

Desabafar, dividir com alguém as pedras do caminhar

Mas é importante também saber a hora de calar

Há pedras que podemos com o outro revezar

Outras são só nossas, não dá para repassar

Sob pena de o peso ser grande demais

Para que qualquer um possa carregar

Melhor deixar apenas as flores perfumar

As minhas, as suas, as nossas pedras

Um dia serão um belo calçamento

Onde desfilarão somente bons sentimentos

Alda M S Santos

Seria possível?

SERIA POSSÍVEL?

Só por um dia eu gostaria de poder ser certeira no agir
Não ter qualquer dúvida, medo ou impedimento
Ser a mão que leva um toque de amor por onde for
Ter a palavra certa para acender uma alma apagada
Ser o abraço acochado para aquecer um corpo cansado
Seria possível?
Só por um dia curar dor com um beijo
Desânimo e sofrimento com um sorriso
Depressão com a empatia de um coração
Ser as asas de quem não pode voar
O sonho de quem não pode mais sonhar
A realidade boa de quem vive na desilusão
Sem amargura, sem decepção ou ilusão
Ser amor, paz, esperança, emoção…
Seria possível?
E nessa cura que de mim sai
Que para mim também retorne
Em forma de luz, de energia, magia
Amor de Deus…
Só por um dia, todos os dias…
Seria possível?

Alda M S Santos

Intuição

INTUIÇÃO

Mulher sempre sabe, sente, pressente
A intuição sempre é um alerta presente
Pode não ter dela a consciência total
Mas ela indica o caminho a seguir, o ideal

Chamem de sexto sentido, sensor anti- perigo
Uma proteção a mais contra o inimigo
Sente quando é amada, querida, desejada
Também onde não é bem vista, é invejada

Intuição indica quando manter um bem querer
Sugere afastamento de um provável sofrer
Chega como brisa suave sem muito mover

Sábia é a mulher que a tem como aliada
Procura ouvi-la, não deixá-la ignorada
A intuição é nossa alma anjo, alada, amada

Alda M S Santos

Passeio em mim

PASSEIO EM MIM

Gosto de passear em mim
Em meus espaços ensolarados
Nos meus jardins encantados
Nos meus sonhos amalucados

Gosto de passear em mim
Nos meus recantos mais secretos
Nos meus caminhos nem sempre retos
Nos meus desejos tantas vezes incertos

Gosto de passear em mim
Derrapar nas dúvidas das curvas sinuosas
Nas memórias doces, às vezes perigosas
Nas esperanças do amanhã, majestosas

Gosto de passear em mim
Posso me cansar ou relaxar
Me perder, para me encontrar
E retomar o caminho de me amar…

Alda M S Santos

O último raio de sol

O ÚLTIMO RAIO DE SOL
Os últimos raios de sol estão brilhando no horizonte
Irradiam e refletem todo o trabalho de um dia nas águas do oceano
Descansam ali toda a energia despendida em forma de luz e calor
Deitam nele suas esperanças de um novo amanhecer
Um olhar ao longe também repousa
Ela acalma o seu coração diante desse espetáculo gratuito a lhe dizer:
A vida é cíclica, tudo vai, tudo volta
Tenha calma na alma
Que a paz reinará!
Alda M S Santos

Esperanças

ESPERANÇAS
Espero mais de mim que dos outros
Espero não me deter diante dos obstáculos
Espero depender menos dos outros
Mas sabendo que não sou uma ilha
Precisamos uns dos outros, de partilha
Espero nunca perder a capacidade de sonhar
De sorrir, nunca desistir
Mas, especialmente, ser capaz de realizar
Os meus, os seus, os nossos sonhos
Como indivíduos, como humanidade
Cada vez mais forte, em busca de luz e verdade
Por aqui, espero…
Alda M S Santos

Saudades de mim

SAUDADES DE MIM
Saudades de mim…
Do tempo em que eu me bastava
Não por autossuficiência,
Mas por saber o que buscar
Como, porque, quando.
Saudades de mim…
Do tempo em que eu era o bastante
Não para todos,
Mas para aqueles que me são caros…
Saudades de mim…
Do tempo em que eu sempre estava aqui.
Que me atendia prontamente ao primeiro chamado
E não era preciso gritar tão alto.
Ou me encontrar no silêncio mais profundo de mim mesma.
Saudades de mim…
Alda M S Santos

Sobre as águas

SOBRE AS ÁGUAS
Queria ser capaz de correr sobre as águas
Com toda a confiança de nunca afundar
Até chegar do outro lado do horizonte
Onde o mar se encontra com o céu
Ou sobrevoar as águas tal qual pássaro
E mergulhar vez ou outra em busca de um peixe
Num barco também não seria nada mal
Numa maré baixa deixar-me levar
Debruçar sobre ele e jogar água para todos os lados
Sei lá!
Sinto uma atração irresistível pela água
Uma atração que causa-me medo e prazer
Parece que ela me chama todo o tempo
Será que se eu atendesse esse chamado seria capaz de voltar?
Conseguiria? Quereria?
Daqui fico a observar, a sonhar, a imaginar
Com os pezinhos na areia
Na beira do mar…
Alda M S Santos

Chegando 2021

Chegando 2021…
Que seja encantador, que haja sintonia
Que seja mágico, que gere alegria
Que tenha a Lua, que brilhe noite e dia
Que tenha amor, que tenha a poesia
Alda M S Santos

REINANDO

REINANDO

O rei acorda bem cedinho
Sem cerimônia, invade todos os espaços
Aproveita qualquer fresta, ilumina
Sabe que é necessário, esquenta
A vida que carrega consigo é soberana
A fotossíntese possibilita, alimenta
Sempre a nos dizer que o amanhecer é seu
Aconteça o que acontecer estará ali
Aquecendo nosso corpo, nossa pele
Ativando nossas emoções mais internas
Despertando sonhos, desejos, sensações
Por mais escura e fria que tenha sido a noite
Ainda que os pesadelos tenham atormentado
Ele traz a certeza da realidade, é abençoado
Essa circularidade natural gera segurança
Desejos de prosseguir em nossas andanças
Independente da nossa disposição ou humor
É inegável seu calor, seu esplendor
Nada é tão certo quanto o sol amanhecer
No mar, na serra, na mata, dentro do ser
Que se impõe após cada anoitecer
Assim, a vida segue, se faz acontecer
Vamos?

Alda M S Santos

Além das nuvens

ALÉM DAS NUVENS

Subindo, subindo, além das nuvens
Cada vez mais alto, mais longe
Qual seria o limite permitido
Para um coração tão incontido?

Além das nuvens, altitude indefinida
Desejo de subir, seguir, não parar
Buscar o que há além do que a vista alcançar
Até não ser mais possível retornar

Quem sabe haverá no espaço
Aquilo que não encontramos aqui embaixo
E nos faça entrar de novo no mesmo compasso

Talvez haja um botão liga/desliga
Que afaste a letargia, a briga, a fadiga
E plugue a todos no amor, na mesma cantiga?

Alda M S Santos

Não precisa

NÃO PRECISA

Não precisa estar sempre a sorrir
Basta saber suportar quando a lágrima surgir
Não precisa ser sempre energia e disposição
Basta esperar de volta a animação
Não precisa ser belo como capa de revista
Basta que seja amor e em mim invista
Não precisa me dar a vida, o mundo
Basta que eu seja parte essencial no seu mundo
Não precisa uma fé que remova montanhas
Basta que remova a desesperança das entranhas
Não precisa haver sempre intenso desejo ou paixão
Mas um amor que perdure além de qualquer emoção
Não precisa que os caminhos sejam sempre floridos
Mas que haja companhia nos vales descoloridos
Não importa se haverá desertos a trilhar
Mas que o oásis seja o bastante para refrigerar
Não precisa que a vida seja fácil por aqui
Mas que tenha momentos que valham a pena seguir

Alda M S Santos

Como rosa

COMO ROSA

Como uma rosa quero receber feliz a chuva da madrugada
E amanhecer viçosa e alegre mais uma alvorada

Como rosa quero me aquecer ao sol agradecida
E exalar para todos meu perfume intenso, bem colorida

Como rosa que atrai borboletas e joaninhas para se alegrar
Quero encantar quem de mim se agradar

Como rosa quero de intrusos me proteger
Se preciso, usar meus espinhos para me defender

Como rosa quero estar entre flores num jardim
Ou nas mãos de alguém apaixonado, a fim, enfim…

Como rosa quero cor, perfume, delicadeza, intensidade
Ser prazer e alegria nesse mundo cheio de maldade

Como rosa quero carinho, amor, presença e cuidado
De um jardineiro que sabe o que faz, apaixonante, apaixonado

Como rosa quero deixar doçura numa alma impregnada
Quando minhas pétalas forem adubo na terra molhada

Alda M S Santos

Um lugar

UM LUGAR

Se fecharmos nossos olhos podemos ir a qualquer lugar
Para o friozinho na Serra numa fogueira esquentar
Ou ver o pôr do sol tropical numa tarde à beira-mar

Se fecharmos nossos olhos podemos fazer o mundo girar
Ser atraídos pela Lua e juntos até ela poder viajar
Deitar tranquilamente em seu quarto crescente e namorar

Se fecharmos os olhos podemos a vida inteira mudar
Quando de mala e cuia formos um coração habitar
E fazer dali a morada mais linda desse lugar

Se fecharmos os olhos podemos nossa alma desnudar
Torná-la intensa, pura, pronta a se completar
Aí já poderemos nossa missão por aqui finalizar…

Alda M S Santos

Reflexos da alma

REFLEXOS DA ALMA

Sabe aquele olhar do qual você não consegue desviar
Ou aquele que, ao contrário, você não consegue enfrentar?
Devem-se à intensidade de sentimentos nele contidos
Olhares são reflexos do que vai na alma
São luz ou escuridão, toda a emoção
Nada escapa a um olhar atento
O que vai no outro olhar de sentimento
Falam de mágoa, de tristeza,  falam de dor
Falam de alegria, de desejo, falam de amor
Falam de esperança, de magia, falam da beleza da flor
Despertam a magia, acendem o calor
Podem provocar frio na barriga
Ou até criar uma briga
São diretos, certeiros, disfarçados ou sem pudor
Acabam com a letargia ou o torpor
São o modo que Deus criou
De nos fazer encontrar com quem Ele nos enviou
Para tornar nosso caminho mais suave
Enquanto estivermos por aqui nessa nave
Tentando ser e fazer feliz com um olhar que sorri
Que diz, “aconteça o que acontecer, estou aqui”
Que anda dizendo seu olhar por aí?

Alda M S Santos

Não gosto

NÃO GOSTO
Não gosto de saber
Dessa vida tão passageira
Não gosto de não saber
Das necessidades não atendidas
Não gosto de querer
Impossibilidades
Não gosto de não querer aquilo que me cabe
Não gosto de me envolver naquilo que não tem sentido
Não gosto de estar à parte do que tem verdadeira importância!
Não gosto da ausência de respostas
Não gosto de parecer mal agradecida
Não gosto de não gostar
Tento muito gostar
Mesmo do que não mereça meu gosto, meu gozo, meu prazer…
Gostando ou não gostando,
Vou seguindo meu caminho
Fazendo meu viver
Enquanto não perecer.
Alda M S Santos

Alma cigana

ALMA CIGANA

Uma alma cigana intensamente sensível
Viajante, livre, terna, meio imprevisível
Que dança, que canta, que o corpo balança
Atravessa o mundo buscando a contradança
Alma cigana que gosta de natureza
Se esbalda em intensa beleza
Vê o amor como único caminho da felicidade
Por ele se entrega, se mostra, é a pura verdade
Numa vida de sonhos, de realidade
De alegria, de força, de coragem
Fazendo por aqui uma vida de intensidade

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: