Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

Vida

No presente

NO PRESENTE

Busco no passado uma explicação
Algo que justifique o hoje, uma razão
Lá há dores e alegrias, derrotas e vitórias
Há belos registros, várias histórias

Lanço o olhar lá na frente, no futuro
Ainda que haja uma barreira, um muro
Ele é recheado de esperanças e expectativas
Tento ser mais racional, menos intempestiva

Olho para o hoje, o agora, o momento
Quero agir no que me traz contentamento
Preciso ser mais atenta, atitudes assertivas
O passado e o futuro são questões exaustivas

Quero usar o passado com sabedoria
As lições que trouxe, a boa energia
O futuro é uma incógnita, a ele peço licença
Vou agir no presente, fazer a diferença

Alda M S Santos

Lápis e borracha

LÁPIS E BORRACHA
Histórias escritas, desenhadas
Grafitadas, coloridas!
A cada dia um novo traço, um novo risco
Uma palavra mal escrita, um traçado mal feito
Ou até tudo bem feito, mas no livro errado
E lá surgem lágrimas a borrar toda a obra!
Borrachas tornam-se necessárias
Apagar o que deixou de ser parte da história,
Ou que não pode continuar sendo…
Borrachas deixam marcas, sombras
Mas tudo pode ser reaproveitado
Uma palavra mal dita pode ser inserida noutro contexto
Uma frase noutro capítulo
Um capítulo noutro momento
Uma pedra pode se transformar numa flor
Uma flor numa borboleta no roseiral
Uma lágrima numa gota a regar o novo jardim.
Que será sempre revisitado no fundo de nós.
Nesse livro da nossa vida
Podemos, precisamos ter muitos críticos,
Editores deverão ser ouvidos,
Mas somos nós que selecionamos as palavras, os riscos, os rabiscos
Que farão os capítulos dessa história
Somos nós que daremos cor ao que for importante
E deixaremos em escala de cinza o que precisa sair de cena,
Ou ficar nos bastidores desse espetáculo chamado vida.
Alda M S Santos

Coisas de Deus

COISAS DE DEUS

O Sol, a chuva, o arco-íris pós-tempestade
A Lua em fases a brincar na obscuridade
O rio que corre levando vida até o mar
Se perdendo e se achando nesse caminhar

Tudo isso são coisas de Deus…

Um amor que sofre, que pede, que se doa
Que evolui, se autoabastece, se aperfeiçoa
A vida que diz sim, não ou talvez
E nos deixa na fartura ou escassez

Também isso são coisas de Deus?

O sorriso confiante de uma criança
Um olhar idoso carregado de esperança
O fogo que alimenta o amor dos amantes
As expectativas não satisfeitas, frustrantes

Tudo isso…será que são coisas de Deus?

Deus está na criança que, feliz, confia
Está no adulto que da sua sombra desconfia
Está num viver que nem sempre contagia
Está naquele que segue a sua revelia

Tudo isso são coisas de Deus!

Mas o que fazemos com o que se apresenta
Se se atrai o bem, se o mal afugenta
É nossa responsabilidade, nossa verdade
Não dá para viver sem naturalidade

Alda M S Santos

Sustentável?

SUSTENTÁVEL

Quero poder aplicar à minha história
Os três eRRes da vida sustentável
Já pensou poder reciclar, reutilizar, reduzir
Fazendo um viver mais saudável?
Começaria reduzindo preocupações e ansiedades
Passaria a reciclar o que já parece descartável
Como as angústias das memórias, das saudades
Faria delas um pote de alegrias e boas lembranças
Para ser revisitado em minhas constantes andanças
E iria muitas vezes reutilizar, esse o R mais útil
Reutilizar o corpo, a mente, a alma, o que der
Reativar sorrisos, doçuras, prazeres, emoções
Particularmente as que aproximam corações
Sei que precisarei de outros eRRes muitas vezes
O R de recusar aquilo que não me convém
O R de rebater de volta o que não quero também
O R de reescrever o que já não é tão bonito
E, finalmente, o R de recomeçar
Quantas vezes for preciso nesse lugar
Tudo por uma vida emocional mais sustentável
Será que tudo isso pode ser viável?

Alda M S Santos

Qual o trato?

QUAL O TRATO?

Como cheguei até aqui?
Nesse lugar que não sei bem definir
Que ora me faz feliz, me faz sorrir
Ora é um grande equívoco, dói seguir

Que me trouxe até aqui, para quê?
De onde vim, qual foi o trato
Tudo parece ora bem concreto, noutras tão abstrato
Se desistir, há multa por quebra de contrato?

Será que existe um outro lugar, outro “aqui”?
Onde serei acolhida, bem-vinda
Ou serei avaliada, colocada na berlinda
Cumpridora, devedora, quando isso se finda?

Olho em volta para tudo isso aqui
Ora tem tanto por fazer ainda, qual a sentença
Será que sou daqui ou posso sair, pedir licença
Preciso saber para poder fazer a diferença…

Alda M S Santos

Sem definição

SEM DEFINIÇÃO

Há tanta coisa sem definição…só sensação
Gosto assim, sem precisar definir, só sentir
Sem precisar explanar, só o prazer de encantar 

Há tanta coisa sem definição…só sensação
Como o Sol que vai e vem, sem se esquecer de ninguém
Como a Lua que guarda segredos, dissipa os medos 

Há tanta coisa sem definição…só sensação
Como a cachoeira que lava toda zonzeira
Que acolhe e abraça toda a gente namoradeira 

Há tanta coisa sem definição…só sensação
Como a chuva que cai despretensiosa, fininha ou torrencial
Molha a terra, enche os rios, irriga nossa secura existencial 

Há tanta coisa sem definição…só sensação
Como o amor que faz morada num coração, sem permissão
Faz sorrir, faz chorar, faz viver uma vida com toda a emoção

Há tanta coisa sem definição…só sensação
Para que cobrar razão, ter tanta indagação
Se o que vale mais a pena nem tem explicação?

Alda M S Santos

Esconderijos

ESCONDERIJOS

Somos, a vida toda, eternas crianças
A brincar conosco de esconde-esconde
São vários esconderijos nessas andanças
E vamos tentando não cair desse bonde

Há nessa nossa viagem refúgios diversos
Para cada situação ou momento adverso
Ora escondemos numa atividade exterior
Ora bem lá dentro de nós, nosso interior

Às vezes estamos atrás de um sorriso feliz
Noutras num momento de lágrimas ou oração
Ou naqueles em que estendemos nossa mão

Esconder pode ser um momento de nos refazer
Poupar energias, encontrar a harmonia
Para seguir esse caminho em total sintonia

Alda M S Santos

Meu céu

MEU CÉU

Meu céu nem sempre está limpo, céu de brigadeiro
Digno de grandes voos no fim de semana inteiro
Por vezes fica escuro, tenso, carregado
Só se consegue ver que está bem pesado

Gosto da grandeza da imensidão celeste
Seja em norte, sul, leste ou oeste
Para todo lado há algo insondável
Que desperta o desejo, o inimaginável

Se escuro, deixar de voar será o ideal?
Aguardar que tenha condição especial?
Ou seguir assim mesmo, não temer o vendaval?

Meu céu pode mudar a qualquer hora
Olho, me recolho, espero, não demora
Logo meu voo será intenso por aí a fora …

Alda M S Santos

Sou capaz

SOU CAPAZ

Sou capaz de manter um sonho guardado
Nem sei por quando tempo, aguardando aliado
Sou capaz de amar sem medidas
Desejando colo, aconchego, guarida

Sou capaz de voar por aí, meio perdida
Na imaginação que flui, meio dividida
Sou capaz de chorar pela ingratidão
Também pela bondade de um coração

Sou capaz de encarar a vida de frente
Mesmo quando tudo parece dormente
Sou capaz de me recolher em meu cantinho
Aquele que me leva para um só caminho

Sou capaz até mesmo de desistir
Até encontrar nova razão para seguir
Sou capaz de lutar pra fazer valer por aqui
Minha existência, minha vida, meu porvir

Alda M S Santos

É preciso permitir-se!

É PRECISO PERMITIR-SE!
É preciso se permitir sorrir para o bem propagar, o bem atrair
Mas também é preciso se permitir chorar,
Para a tristeza extravasar, a alma lavar.
É preciso se permitir amar para a vida ser plena, o coração não ser pequeno,
Mas também é preciso se permitir não gostar, se afastar do que faz mal,
Para respeitar a si e ao outro.
É preciso ser permitir falar, dizer tudo que agrada ou incomoda,
Mas também é preciso se permitir calar, silenciar, segredar,
Para não magoar, não magoar-se!
É preciso se permitir ser o que é, viver a própria essência,
Mas também é preciso saber aceitar a essência dos outros.
É preciso se permitir viver,
Mas de um modo que não fira ou impossibilite a vida alheia.
É preciso permitir e permitir-se!
Alda M S Santos

De pouquinho em pouquinho

DE POUQUINHO EM POUQUINHO

Um passo de cada vez, sem atropelar
Dá para ir longe nessa viagem, nesse lugar
Fora ou dentro de órbita, só ou acompanhado
A vida gira, segue, sabe o que deixar de lado

O sorriso pode se esconder, o olhar ficar apagado
Mas de pouquinho em pouquinho dá para esquecer
O que deixa o coração triste e amargurado
E buscar nas reservas internas uma razão de ser

Bem devagarinho dá para ir cicatrizando
Com carinho e atenção, a alma vai acalmando
Não desistir de seguir, tampouco ficar chorando
Até a ferida ficar curada, não dá para ficar cutucando

De gota em gota dá para cuidar do broto
Hidratar, reanimar, cozer o que estiver roto
Quero mesmo é apagar o que está dolorido
E pintar sempre nessa tela um novo colorido

Alda M S Santos

Quem sou eu para questionar?

QUEM SOU EU PARA QUESTIONAR?

Tenho direito às minhas sombras!

Até o Sol se esconde no horizonte, tira um tempo para si
As rosas perdem suas pétalas que adubam o jardim
A Lua tem suas fases, sua luz e sua escuridão
O rio tem tempo de seca, quase desertificação

Tenho direto às minhas sombras!

Os ipês têm tempo de beleza, de florescer
Mas também têm períodos em que parecem morrer
O mar tem as marés, altas, baixas, as ressacas
Os trópicos também têm períodos de friaca

Também tenho direito às minhas sombras!

Até mesmo a fé tem momentos em que não move tantas montanhas
Ou os heróis tiram a capa, sem grandes façanhas
O amor tem momentos carentes, em que tem mais fome ou sede
E a vida pede uma pausa, um descanso na rede

Então, quem sou eu para questionar minhas sombras?

Alda M S Santos

Quero ouvir

QUERO OUVIR

Quero apurar meus ouvidos
Colocar ali toda sensibilidade
Ajustar no processo todos os envolvidos
E ouvir bem tudo que vier, com alteridade

Quero ouvir o que a voz cala
Mas a opacidade da lágrima grita
Ou o brilho do olhar nos fala
Aquilo que traz a alma contrita

Quero ouvir em sonhos o amor manifesto
Nas palavras, na expressão corporal
Quero captar o que vem por protesto
Escutar os ensinamentos de cada vendaval

Quero ouvir o som suave do vento
O que ele diz no nosso pensamento
Entender o que falam as águas da cachoeira
Ou o Sol que vai sumindo na ribanceira

Há muitos dizeres, audição, compreensão
Basta afinar os ouvidos com o coração
Se houver bondade, luz e emoção
Tudo que for “dito” terá boa interpretação

Quero dizer, quero ouvir…
Você me ouve?

Alda M S Santos
Tarde de Poesias. Tema: Quero ouvir

Sem saber o porquê

SEM SABER O PORQUÊ

Quando o peito aperta sem saber o porquê
Se tudo parece nublado sem razão de ser
A energia fica seca como areia no deserto
E nem se sabe se quer alguém por perto

Que se pode fazer?

Falta uma conexão importante, especial
Desejo de embrenhar no fundo do quintal
Em meio às folhas e galhos pós-vendaval
Ali parece ser acolhedor,  nada convencional

Que se pode fazer?

Um vazio que, paradoxalmente, é pesado
Uma angústia que nos deixa à parte, de lado
Questiona-se a razão de tudo isso aqui
E bate um desejo grande de partir

Que se pode fazer?

A vida vai sempre ensinando o caminho
Mostrando por onde seguir, mesmo sozinho
Abrindo trilhas em nossas matas fechadas
Se possível, levando boas almas aliadas

Assim, talvez, se encontre a razão de ser
E, finalmente, se saiba o que fazer…

Alda M S Santos

Eu te dei

EU TE DEI

Eu te dei…
A tela branca para pintar o seu sol
As árvores frondosas onde canta o rouxinol
As estrelas brilhantes para iluminar o seu céu
Uma linda paleta para satisfazer seu pincel

Eu te dei…
A chuva prata que irriga sua plantação
Que mata a sua sede e de sua criação
Que alimenta seus desejos de amor
Que te faz na vida um sonhador

Eu te dei…
A brisa para seu rosto refrescar
O rio para seu corpo banhar
A Lua para seu amor encantar
As rosas para sua vida perfumar

Só Eu te dei tanto…
Sem cobrar nada, tudo por encanto
Seu pouso, seu mais doce recanto
Alegria, gratidão, nada de pranto

Só Ele nos deu…

Alda M S Santos

Que você vê?

QUE VOCÊ VÊ?
Dá para ver tanta coisa aí
Que você vê?
Pássaros a plainar, peixes a nadar
Pessoas a mergulhar, se aventurar?
Que você vê?
Uma praia deserta, uma alma aberta
A pessoa certa, uma mulher desperta?
Que você vê?
Crianças a brincar, o sol a esquentar
Um casal a se olhar, se beijar, se apaixonar?
Que você vê?
Um horizonte, um entardecer
Uma briga, um romance, um momento de prazer
Ou a solidão de um ser?
Que você vê?
Dá para ver tanta coisa aí
Tanta cor, tanta luz, brilho, tanta escuridão e magia
Muita arte, beleza, imaginação, fotografia
Tudo irá depender do seu olhar
Da intensidade da sua poesia…
Que você vê?
Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar que estou no mundo das possibilidades
Que ainda que algo se quebre, não dê certo
Sempre haverá novas realidades

Quero acreditar que estou num mundo direito
Que ainda que ele se vire do avesso
Sempre será possível fazer de novo, bem feito

Quero acreditar que estou no mundo dos sonhos
Que ainda que eles se tornem pesadelos
Nunca serão cansativos, enfadonhos

Quero acreditar que estou no mundo das amizades
Que mesmo que a gente chore ou sofra
Sempre teremos nelas a reciprocidade

Quero acreditar que estou no mundo da beleza
Que mesmo que tudo fique seco ou frio
Ainda acharei refrigérios na natureza

Quero acreditar que estou no mundo do amor
Que mesmo que ele esteja repleto de medos
Sempre será pra nós bem sedutor

Quero, preciso acreditar!

Alda M S Santos

Muita sede ao pote

MUITA SEDE AO POTE
Quem vai com muita sede ao pote
Com muita ânsia e gula em busca de saciedade
Acaba por derrubá-lo e morrer de sede
Se se demora demais perde-se o pote para outro sedento
Bom mesmo é ir devagar
Gole por gole, um pouquinho de cada vez
Antecipando o prazer da satisfação
Saciando aos poucos o desejo que se apresenta
Vale para todo tipo de sede
De água, de vinho, de amor ou de carinho
Física, profissional, financeira ou emocional
Se não se busca pelo pote d’água morre-se de sede
Se se quebra o pote perde-se o conteúdo
Morrendo de sede à beira do rio…
Tudo é uma questão do tamanho da sede
E da sabedoria na hora de satisfazê-la…
Tá com sede?
Alda M S Santos

Já me faltou…

JÁ ME FALTOU…

Já faltou a luz, o norte, a direção
Mas nunca faltou o caminho, a oração
Já faltou o ânimo, o desejo, a vontade
Mas nunca faltou a esperança de felicidade
Já faltou a força,  a energia, a coragem
Mas a fé sempre foi bela paragem
Já faltou a crença na humanidade 
Mas Deus sempre renovou em mim a bondade
Em alguns momentos sobraram medo e solidão
E me abasteci de  sonhos e renovação
Já faltou autoestima, o amor-próprio
Na literatura, na poesia encontrei meu ópio
Já não me senti querida, amada, desejada
Mas quem nunca pensou em abandonar essa parada?
Já tive a fé estremecida, a esperança perdida
Mas nunca faltou amor à vida
E em mim mesma busquei guarida
Já me faltou o ar, o gás, o chão
E os sonhos foram meu céu, a rima do meu coração
Que já te faltou?

Alda M S Santos

A passeio?

A PASSEIO?

Não viemos por aqui a passeio
Temos uma missão, tarefas, anseios
Não significa que não possamos nos divertir
Há muitas maneiras de no bem agir

Temos dons, viemos abastecidos
Todos têm finalidade, dão nosso colorido
O tempo deve ser bem aproveitado
Para seguirmos juntos, mais lado a lado

Podemos ser a luz num caminho
A coreografia que une num passinho
A poesia que acolhe com jeitinho
O abraço que expressa muito carinho

O que tenho, o que sou, meu sentir
Vale mais se posso por aí distribuir
Se a vida se acabasse hoje, nesse momento
Teria bom fechamento, sem ressentimento?

Alda M S Santos

Delicadeza e espinhos

DELICADEZA E ESPINHOS

Porque a rosa tem muitos espinhos
Ela nos espeta em seus caminhos
A vida pede cuidado, delicadeza
Um pouco mais de amor e sutileza

Os espinhos de cada rosa são proteção
Mas não tiram sua beleza, não
Evitam que sofra grandes avarias ou danos
Daqueles afoitos cheios de desejos mundanos

Quem ama uma rosa aceita sua condição
Ama até mesmo seus espinhos, sua (im)perfeição
Em cada uma delas uma delicada sensação

Rosas e pessoas são mesmo assim
Encantos, cores, delicadezas e espinhos sem fim
Cada uma atrai e encanta a seu modo o seu jardim

Alda M S Santos
Tarde de Poesias: Porque as rosas têm espinhos

A que vim

A QUE VIM

Nem sempre consigo identificar
A razão de por aqui estar
Não sei se faço bem em buscar
Um motivo, um objetivo para continuar

Tantas vezes já parece tão cheio o jardim
Já não me cabe, meio diferente assim
Abelhas, borboletas, beija-flores
Brincam entre os canteiros entre tantas cores

Ando para lá, voo para cá, dou o melhor de mim
Tento não ficar onde não estão a fim
Sigo buscando a que vim

Olho em volta, olho para dentro de mim
Busco força, um trampolim
Me descubro meu próprio jardim

Alda M S Santos

O uso do cachimbo

O USO DO CACHIMBO

O uso do cachimbo faz a boca torta
Para o bem ou para o mal, quem se importa?
Na visão do vício pelo tabaco, pelo fumo
Já é sabido que faz mal, não me acostumo

Numa visão mais ampla e genérica
Há muitas coisas tortas, homéricas
Cada um sabe o tanto que é nocivo
O mal uso que se faz do que parece atrativo

Tudo que é excessivo faz mal
Bom mesmo é saber dosar, ser racional
Ainda que seja algo muito emocional

Se for para entortar ou endireitar
Que seja por atos de amor e compaixão
Um vício cujo uso faça bem ao nosso irmão

Alda M S Santos

Onde você quer ficar?

ONDE VOCÊ QUER FICAR?

Na vida há cobertor que não aquece
Água que a sede não mata
Abraço que a dor não amortece
Amizade que nó não desata

Há estrelas que não amenizam a escuridão
Sol que não ilumina nosso caminhar
Saudades que nos tiram o chão
Rios que não chegam ao mar

Há males que não nos deixam arredar pé
Há compaixão para a alguém estender a mão
Também tem energia que nasce junto da fé
E sabedoria ao tocar com delicadeza um coração

Na vida há também luz que vem de dentro
Amor que nos põe no centro
Calor que brota e alastra da alma parceira
Beijo que aquece a vida inteira

Na vida há todo tipo de lugar
Só precisamos saber onde queremos ficar…

Alda M S Santos

Escrevi

ESCREVI

No frio céu de brigadeiro
Escrevi um poema inteiro
Emoções em rimas e versos
Entreguei para um bom violeiro

Nas estradas de terra vermelha
Escrevi um soneto, mera centelha
De uma vida banhada na cachoeira
Os sonhos de uma moça namoradeira

Num jardim mágico e encantado escrevi
As rosas delicadas e perfumadas que colhi
As mais lindas e beijadas pelo amado colibri

Nas areias finas da praia escrevi
Num coração, aquilo que eu sempre quis
Lancei aos deuses aquilo que me faria feliz

Alda M S Santos

Pra ver se cola

PRA VER SE COLA

Quer ver se cola?
Ignore a tristeza, não dê bola
Dê adeus à frustração, mande embora
Seja melodia, seja canção que enamora
Dance, brinque, pule, vê se não enrola.

Quer ver se cola?
Acolha essa dádiva com afeição
Seja colo, abrigo, dê atenção
Brinde! Vinho, champanhe ou Coca-Cola
Quem sabe assim a vida decola?

Quer ver se cola?
Seja confiável, seja encantável
Não minta, não se engane, seja sociável
Não se esqueça que a vida é uma escola
O melhor nem sempre é o que cola…

Quer ver se cola?
Faça versos, seja poesia
Dê um sorriso, mostre alegria
Seja bondoso, desenhe um coração
Plante rosas, seja perfume e sedução

Pra ver se cola…

Alda M S Santos

A vida em cores e odores

A VIDA EM CORES E ODORES

Vejo a vida em muitas e misturadas cores
Em sonhos, devaneios, gente, bichos e flores
Numa amalucada e saudável interação
Essa viagem vai se tornando rica em emoção

Beija-flor que degusta o néctar no jardim
Flores que atraem, se abrem, felizes, enfim
Borboletas, abelhas e joaninhas
Fazem a cor, o odor e a beleza de manhãzinha

A vida tem a cor e o aroma que a gente pinta
Ainda que doa e alegria a gente não sinta
Vale ser Sol, ser oceano e a paz a gente pressinta

Gosto de gente que gosta de toda gente
Gosto de gente que se faz presente
Gosto de gente que é o amor que a gente sente

Alda M S Santos

Vida boa

VIDA BOA

Quero conquistar uma vida boa
Não aquela de pernas para o ar
Mas uma que não me deixe à toa
E permita oportunidades de amar

Vida boa que tenha muita saúde
Passeios, família, amigos, animação
Não precisa ter luxo, amiúde
Riqueza só quero a que vem do coração

Vida boa que a natureza proporciona
Que o amor verdadeiro traz, emociona
E a fé em Deus avaliza, adiciona

Vida boa que sabe ser compaixão
Ao outro acolher, estender a mão
Porque só é boa mesmo na fraternidade, no amor irmão

Alda M S Santos

Eis-me aqui

EIS-ME AQUI

Eis-me aqui, ora inteira, ora faltando pedaços
Mas ainda assim, eu mesma
Buscando a cola que irá reconectar
O pedaço que de mim se quebrar

Eis-me aqui, ora frágil, ora forte
Mas com a mesma essência
Procurando algo que possa preencher
O que hoje se tornou ausência

Eis-me aqui, ora louca, ora sã
Sem deixar de ser humana, machucada
Gritando silêncios em resposta a dores caladas

Eis-me aqui, ora amante, ora amada
Persistente em busca do que justifica todo o viver
A alegria do amor sempre fazer, refazer

Eis-me aqui, ora sorrisos, ora lágrimas
Sem nunca desistir dessa caminhada
Conquistando a reciprocidade que acalenta, a paz que alimenta…

Eis-me aqui…até quando?

Alda M S Santos

Editando

EDITANDO

Nossa vida é, muitas vezes, uma bela e controversa película
Que tantas vezes queremos voltar, mexer, apagar
Consertar umas partes, retirar, acrescentar
Mas nem sempre é possível editar
O que já ficou impresso não tem como desfazer
No máximo dá para gravar novas cenas por cima
Se sobrepondo às anteriores no intuito de turvar
Quiséramos ter o poder de copiar e colar
Desfazer, jogar para a lixeira, refazer
Escolher o que gostaríamos de salvar
E para a edição final poder eternizar o prazeroso
O que foi importante, rico, especial, gostoso
Esse filme que é a vida de cada um de nós
Precisa ter mais laços que nós
A verdade é que todo cuidado é pouco
Pois cenas não são desfeitas!
Apenas novos takes são acrescentados
Sem nenhuma emoção deixar de lado
Quero menos drama, menos suspense
Quero que meu filme seja uma doce comédia romântica
Daquelas que a gente sorri, chora, ama, luta
Mas o final sempre vale cada curva, cada dor, cada labuta
Sou autora, meu roteiro sou eu quem faço
E sigo conduzindo com minha batuta

Alda M S Santos

Moldados pela vida

MOLDADOS PELA VIDA
Não há nada que nunca mude, que nunca se transforme
Até mesmo as pedras, as rochas, inertes e imóveis no mar
Sofrem total interferência do meio
Aparentemente firmes e fortes, a água, o sol, o sal, os ventos
A matéria orgânica, animal e vegetal a modificam
A água abre reentrâncias, provoca sulcos, invade espaços
Quando não há, contorna, passa por cima e, ainda assim, é atingida
Adquire novas cores, novas formas, novo relevo
Muitas vezes nocivo, que corta fundo quem se aproxima
Causa dores, escorregões e tombos
Uma pedra nunca está totalmente isolada por estar parada no mesmo lugar, inerte
Cedo ou tarde, ela será “outra” pedra
Somos pedras sendo moldados pelas águas da vida em seu ir e vir incessante
Ora turbulentas, ora calmas, ora violentas e sempre incansáveis da vida…
Podemos escolher fazer parte, ou sermos modificados à nossa revelia…
Alda M S Santos

Não é sorte!

NÃO É SORTE!

A mim dizem que é sorte
O acaso que agiu a favor
Mas ao avaliar o empenho empregado
Afirmo que conquistei tal valor

Insistem que sou mulher de sorte
Esse adjetivo não é o mais adequado
Lutei, busquei, confiei, conquistei
Nada foi subtraído ou roubado
Prefiro dizer que meu mundo foi abençoado

Podem afirmar que é sorte
Mas melhor acreditar que é dedicação
Um tanto de trabalho e amor
E coragem para enfrentar qualquer atribulação

Sorte ou azar são obras do acaso, da dúvida, do temor
Bênção é obra da fé, do trabalho e do amor
Não é sorte, é Deus!

Alda M S Santos

E o barco da vida parte…

E O BARCO DA VIDA PARTE…

E o barco da vida parte
Leva quem tem coragem
Leves e com espaços a preencher
Ou pesados de tanta bagagem

E o barco da vida parte
Deixa a segurança do cais
Em busca de novas aventuras
Talvez de um novo caos

E o barco da vida parte
Vários rumos, vastos oceanos
E o que fica é a vontade
De ser feliz também nesse plano

E o barco da vida parte
Leva alguns, deixa outros
Na saudade do vivido
Do que ficou por viver
Do que há ainda para viver

E o barco da vida parte
Todos os dias, todo o tempo
Com ou sem passageiros e tripulantes
Nem sempre a contento
Ele parte…

Alda M S Santos

Pétalas caídas

PÉTALAS CAÍDAS

Um lindo jardim, um maravilhoso e colorido roseiral
Rosas em botões ou abertas enfeitando o quintal
Algumas já murchando, pétalas caindo
Se desfazendo, para onde será que estão indo?

Aos seus pés, bem junto à raiz, pétalas vão repousar
Cumpriram sua missão de embelezar e perfumar
Ali pelas intempéries serão consumidas
Pelo frio, vento, chuva, sol abastecerão a raiz, novas vidas

Nada se perde de nossas pétalas que caem, elas têm seu papel
São nossos momentos passados, ainda que pareça cruel
Elas alimentam e adubam nosso hoje, nosso amanhã
Mostram-nos que a esperança nunca é vã

Essa circularidade de vida, de momentos a sentir
Uns chegando, outros passados, outros por vir
São a certeza que há razão em todo existir
E que também há emoção, coração, não dá para desistir

Alda M S Santos

Bom mesmo

BOM MESMO

Bom mesmo é viver a vida
De tal modo que não deixe para ela saída
A não ser se aliar a nós
Nos ajudando a eliminar qualquer algoz

Bom mesmo é dar o melhor da gente
Para todos igualmente
E se isso parecer impossível
Que façamos, para tanto, todo o possível

Bom mesmo é cuidar direitinho
Com amor, respeito e muito carinho
Daqueles que recebemos como presente
Para dar sentido à vida da gente

Bom mesmo é ser agradecido
A tudo que nos foi consentido
Com sabedoria e muita calma
Aceitar o fim, quando chegar, com paz na alma…

Alda M S Santos

No caos

NO CAOS

Na confusão de meu caos busco caminhos reais
Nessa bagunça intensa tento encontrar um cais
Sem tantas dores, sem tantos ais
O caos exige medidas, às vezes, radicais

Não escondo meus caos, meus descaminhos
Não adianta fingir, sofro, retiro os espinhos
A cada ferida sarada, uma cicatriz a mais, é cura
Sobrevivência, na alma, marca que perdura

Em meus caos encontro tesouros, preciosidades
Não é fácil, exige persistência, habilidades
As lágrimas podem embaçar, escurecer, nublar
Mas quando se vão deixam luz no caminhar

O caos, por tudo remexer, tirar do lugar
A quem souber aproveitar e não se deixar estacionar
Tem capacidades intrínsecas de renovação
E trazer mais vida e energia a cada coração

Alda M S Santos

Enquanto houver vida

ENQUANTO HOUVER VIDA

Ela se impõe, é importante, é soberana
Não importa se num palácio ou choupana
Nada há que a faça menos bela e valiosa
É nossa, é única, intensidade contagiosa

Enquanto houver vida haverá desejos
De conviver, nos relacionar, em fortes lampejos
Enquanto houver vida o amor prevalece
Seja na dor ou na alegria ele não esmorece

Enquanto houver vida haverá luz e magia
Buscaremos paz, uma maior harmonia
Em cada coração que chegar, mais sintonia

Enquanto houver vida somos menos eu, mais nós
Em cada caminho fazendo laços, desatando nós
Somos abrigo, somos silêncio, somos voz

Alda M S Santos

Rascunhos

RASCUNHOS

Não há borrachas, tampouco corretivos
Não dá para apagar ou descartar
Não escrevemos nossa história a lápis
A vida é pintada à tinta
Com as cores que escolhemos
Direto na tela final

Não dá para viver de ensaio
Não dá para ficar rascunhando
A vida é um espetáculo ao vivo
Não se pode parar, retornar
Ou ficar aguardando boa luz

Essa obra-prima é original, única versão
É sempre uma finalização
Não faça rascunhos, não viva de esboços
Talvez não haja tempo para passar a limpo…

Alda M S Santos

Minha vida precisa de mim

MINHA VIDA PRECISA DE MIM

Um pouco de amor-próprio é essencial
Nossa vida precisa desse afeto natural
É bom cuidar dos outros, saber se doar
Levar carinho na alma, poder se entregar

Mas minha vida precisa de mim…

A alma se alegra na alegria espalhada
Estar junto, ser a mão estendida e abençoada
O coração pulsa forte ao apontar um norte
Mas não esquecer de si, ser seu próprio aporte

Minha vida precisa de mim…

Até para ser para o outro quem está por perto
Preciso ser para mim mesma mais afeto
Amor brota primeiro em mim, precisa ser cuidado
Para poder ser planta crescida no outro, ser doado

Minha vida precisa de mim…

Se a raiz não estiver grossa e profunda
Se machuca, não me reconheço, a alma afunda
Os galhos quebram, ficam enfraquecidos
Nem lá e nem cá acolhem, ficamos desprotegidos

Minha vida precisa de mim…

Alda M S Santos

Me faz bem…

ME FAZ BEM..

Andar na mata, cheiro de terra, sol nas frestas
Ouvir os pássaros, algazarra, todos em festa
Andar de mãos dadas, um abraço desavisado
Um silêncio, um olhar, um amor declarado

Me faz bem…

Um rio, um pôr do sol, uma cachoeira
Um mergulho, um banho que tira a zonzeira
Um amor realizado, delícia verdadeira
A vida em câmera lenta, bem faceira

Me faz bem…

Sonhar acordado, desejo realizado
Esperança alimentada, futuro almejado
Simplicidade, mundo sem maldade
Uma vida que se faz, pura felicidade

Me faz bem…

Alda M S Santos

Injusta

INJUSTA

A vida pode ser cruel
Dolorosa, intensa, parcial
A cada um de nós caberá
Torná-la menos desigual

Muitas vezes parece tão longa
Noutras é por demais curta
Mas é o que fazemos por ela
Que a tornará menos injusta

Buscamos no outro a alegria
Ou a paz que de nós fugiu
Sequer percebemos que está na gente
O prazer de viver que um dia sumiu

Mesmo injusta ela é só nossa
Mas se torna mais bela
Quando destrancamos portas fechadas
E sorrisos abrimos em nossa janela…

Mesmo injusta ainda podemos fazer dela
Uma linda e encantadora aquarela…

Alda M S Santos

Por aí

POR AÍ
Caminhando em busca de algo que ative o coração
Perdida, a esmo, por aí, até chegar aqui, sentir
Estacionando em mim mesma, acionando a emoção
Encontrando o que é preciso para a vida poder fluir
Olho lá fora,  olho bem longe, além do horizonte
Mas sei bem que não é lá que está
Aquilo que necessito para continuar
É em mim, nos meus recônditos mais secretos
Nas emoções e sentimentos mais profundos
Que estará a razão de meu existir, de meu mundo
Inspiro, expiro, me entrego suavemente
A essa vida que corre lá fora tão rapidamente
Sabedora que o que há aqui dentro
Só eu tenho controle, sou o meu pensamento
E farei dele o melhor, quero gerar contentamento
Minha vida sou eu que faço, não quero mais sofrimento
Quero minhas saudades, meu passado, meu presente, meu futuro
Mas só quero manter na vida as pontes, derrubo o que for muro

Alda M S Santos

Para quê?

PARA QUÊ?

Sem quê e nem para quê
Tantas vezes vivemos sem saber
A que viemos, fazer o quê?
São muitas as questões para responder

Se mergulharmos fundo em nós
Aquietarmos para desfazer os nós
Será que encontraremos as respostas
Para tanta coisa que nos é imposta?

Sei que o que preciso deve estar comigo
É bom que algo externo acione, sem perigo
E que isso não seja de modo algum um castigo

Talvez seja essa a causa e o porquê
De virmos nessa viagem para esclarecer
Quem somos, que buscamos, por quem e para quê fazer?

Alda M S Santos

Dessa fonte

DESSA FONTE

Quero beber dessa fonte…

Quero beber dessa fonte cristalina de vida
Que mata minha sede, me dá guarida

Quero beber dessa fonte de bondade, solidariedade
Que me torna.mais humana, sem tanta vaidade

Quero beber dessa fonte de sabedoria
Que abastece minh”alma de força e energia

Quero beber dessa fonte de calor fraterno
Que aquece tal qual lareira em pleno inverno

Quero beber dessa fonte de luz
Que me guia, me ampara, me conduz

Quero beber dessa fonte de carinho, de afeto
Que me dá conforto, uma morada, um teto

Quero beber dessa fonte do mais puro e singelo amor
Que é vida, luz, sabedoria, energia, calor

Também é morada, colo, desejo, ardor
Que pacífica e deixa minh’alma perfumada em flor

Quero beber dessa fonte…

Alda M S Santos

Imperfeita

IMPERFEITA

Ela é assim, imperfeita
Interessante, atraente, convidativa
Ora boa, outras nem tanto
Mas com fé a gente se ajeita

Ela é assim, imperfeita
Bela, cinzenta ou colorida, engraçada
Faça rir ou faça chorar
Ninguém nunca a rejeita

Ela é assim, imperfeita
Inteira ou faltando pedaços
Repleta de amores e desamores
E de coragem que a gente respeita

Ela é assim, imperfeita
Nem sempre como almejamos
Mas é a vida que a gente não enjeita
E a amamos mesmo assim:
Imperfeita!

Alda M S Santos

E se fosse autorizado?

E SE FOSSE AUTORIZADO?

E se num desses momentos loucos
Em que a Terra parece ter parado sua translação
A gente pudesse girar para onde quisesse
Fazendo nossa própria rotação?

E se nessa parada amalucada
Pudéssemos dar uma guinada
A ida para frente ou para trás autorizada
Onde você iria fazer sua parada?

Buscaria no passado algo que deixou
Aquilo que não fez, naufragou
O amor que não viveu, acovardou?

Ou no futuro a felicidade estaria
Mais experiente, o amor buscaria
E, sem medos, um.beijo roubaria…

Alda M S Santos

Sempre a esperar

SEMPRE A ESPERAR

Sempre, sempre, sempre a esperar
Que haja encontros bons a realizar
Que a cada sol que desponta em nova aurora
Saibamos que é sempre uma boa hora

Que possamos ver nele a continuidade
Paz, luz, harmonia, desejos e verdade
De uma vida que busca sem cessar
A alegria de sempre enxergar tempo para amar

Estaremos sempre a esperar
Que um dia não haja mais tristeza
Que como humanos nos encontremos em grandeza

Que a Lua que brilha num céu de estrelas salpicado
Seja a maior prova de Deus ao nosso lado
E que esse eterno esperar seja pra sempre abençoado

Alda M S Santos

Não me cabe

NÃO ME CABE

Nessa caixa não me cabe
Não é que eu não seja flexível
É que ela tende a me moldar
Colocar num padrão que me machuca
E que não vai me agradar

Nessa caixa não me cabe
Dobra daqui, dobra dali
Tira um pedaço desse lado
Aperta o outro, transfere de lugar
Até eu não mais me identificar

Nessa caixa não me cabe
E mesmo se coubesse eu não gostaria
É que prezo a liberdade de ser o que sou
Colocar-me ali me mataria

Nessa caixa não me cabe
Não sou boneca para viver em caixa, preciso de ar
Prefiro jardim, mata, rio, mar ou cachoeira
E assim quero viver a vida inteira…

Alda M S Santos

Só preferências

SÓ PREFERÊNCIAS
Prefiro assim:
Uma mente recheada do bem, ideia genial
A um bolso cheio do vil metal
Um coração em dor, mas colorido de amor
A um repleto de vazios, por isso incolor
Prefiro assim:
Um passeio na praia, um namoro ao luar
A um requintado restaurante para jantar
Um olhar suave e sincero que me desvenda, me entenda
A um visionário num mundo cheio de contendas e reprimendas
Prefiro assim:
Um sorvete na praça na gangorra a brincar
A um espetáculo grandioso que me deixe sem lugar
Percorrer uma trilha na mata para a cachoeira encontrar
A um passeio no shopping para compras realizar
Prefiro assim:
Ver o brilho no olhar ao seu amor me declarar
A uma joia preciosa que nem terei como usar
Seu carinho e delicadeza ao habilmente me despir
A alma, o corpo, o coração, para nunca mais fugir …
Só preferências…
Alda M S Santos

Quero brincar

QUERO BRINCAR

Quero levar a vida numa leve brincadeira
Sorrir, mesmo quando chorar, fazer zoeira
Sabendo que ela corre, é passageira
Não dá para perder tempo, dar bobeira

Quero brincar de passear, também de trabalhar
Por mim, pelo outro, o bem espalhar
Se a alegria fugir, quiser falhar
Lá dentro de mim outra vou encontrar

Quero brincar de namorar, de amar
De fazer carinho, me entregar
Quero brincar de ser a rainha desse lugar

E se a vida quiser ser dura, falar sério
Eu vou sorrir, sair de banda, fazer mistério
Buscar algo que seja pra mim doce refrigério

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: