Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

Vida

Não é sorte!

NÃO É SORTE!

A mim dizem que é sorte
O acaso que agiu a favor
Mas ao avaliar o empenho empregado
Afirmo que conquistei tal valor

Insistem que sou mulher de sorte
Esse adjetivo não é o mais adequado
Lutei, busquei, confiei, conquistei
Nada foi subtraído ou roubado
Prefiro dizer que meu mundo foi abençoado

Podem afirmar que é sorte
Mas melhor acreditar que é dedicação
Um tanto de trabalho e amor
E coragem para enfrentar qualquer atribulação

Sorte ou azar são obras do acaso, da dúvida, do temor
Bênção é obra da fé, do trabalho e do amor
Não é sorte, é Deus!

Alda M S Santos

E o barco da vida parte…

E O BARCO DA VIDA PARTE…

E o barco da vida parte
Leva quem tem coragem
Leves e com espaços a preencher
Ou pesados de tanta bagagem

E o barco da vida parte
Deixa a segurança do cais
Em busca de novas aventuras
Talvez de um novo caos

E o barco da vida parte
Vários rumos, vastos oceanos
E o que fica é a vontade
De ser feliz também nesse plano

E o barco da vida parte
Leva alguns, deixa outros
Na saudade do vivido
Do que ficou por viver
Do que há ainda para viver

E o barco da vida parte
Todos os dias, todo o tempo
Com ou sem passageiros e tripulantes
Nem sempre a contento
Ele parte…

Alda M S Santos

Pétalas caídas

PÉTALAS CAÍDAS

Um lindo jardim, um maravilhoso e colorido roseiral
Rosas em botões ou abertas enfeitando o quintal
Algumas já murchando, pétalas caindo
Se desfazendo, para onde será que estão indo?

Aos seus pés, bem junto à raiz, pétalas vão repousar
Cumpriram sua missão de embelezar e perfumar
Ali pelas intempéries serão consumidas
Pelo frio, vento, chuva, sol abastecerão a raiz, novas vidas

Nada se perde de nossas pétalas que caem, elas têm seu papel
São nossos momentos passados, ainda que pareça cruel
Elas alimentam e adubam nosso hoje, nosso amanhã
Mostram-nos que a esperança nunca é vã

Essa circularidade de vida, de momentos a sentir
Uns chegando, outros passados, outros por vir
São a certeza que há razão em todo existir
E que também há emoção, coração, não dá para desistir

Alda M S Santos

Bom mesmo

BOM MESMO

Bom mesmo é viver a vida
De tal modo que não deixe para ela saída
A não ser se aliar a nós
Nos ajudando a eliminar qualquer algoz

Bom mesmo é dar o melhor da gente
Para todos igualmente
E se isso parecer impossível
Que façamos, para tanto, todo o possível

Bom mesmo é cuidar direitinho
Com amor, respeito e muito carinho
Daqueles que recebemos como presente
Para dar sentido à vida da gente

Bom mesmo é ser agradecido
A tudo que nos foi consentido
Com sabedoria e muita calma
Aceitar o fim, quando chegar, com paz na alma…

Alda M S Santos

No caos

NO CAOS

Na confusão de meu caos busco caminhos reais
Nessa bagunça intensa tento encontrar um cais
Sem tantas dores, sem tantos ais
O caos exige medidas, às vezes, radicais

Não escondo meus caos, meus descaminhos
Não adianta fingir, sofro, retiro os espinhos
A cada ferida sarada, uma cicatriz a mais, é cura
Sobrevivência, na alma, marca que perdura

Em meus caos encontro tesouros, preciosidades
Não é fácil, exige persistência, habilidades
As lágrimas podem embaçar, escurecer, nublar
Mas quando se vão deixam luz no caminhar

O caos, por tudo remexer, tirar do lugar
A quem souber aproveitar e não se deixar estacionar
Tem capacidades intrínsecas de renovação
E trazer mais vida e energia a cada coração

Alda M S Santos

Enquanto houver vida

ENQUANTO HOUVER VIDA

Ela se impõe, é importante, é soberana
Não importa se num palácio ou choupana
Nada há que a faça menos bela e valiosa
É nossa, é única, intensidade contagiosa

Enquanto houver vida haverá desejos
De conviver, nos relacionar, em fortes lampejos
Enquanto houver vida o amor prevalece
Seja na dor ou na alegria ele não esmorece

Enquanto houver vida haverá luz e magia
Buscaremos paz, uma maior harmonia
Em cada coração que chegar, mais sintonia

Enquanto houver vida somos menos eu, mais nós
Em cada caminho fazendo laços, desatando nós
Somos abrigo, somos silêncio, somos voz

Alda M S Santos

Rascunhos

RASCUNHOS

Não há borrachas, tampouco corretivos
Não dá para apagar ou descartar
Não escrevemos nossa história a lápis
A vida é pintada à tinta
Com as cores que escolhemos
Direto na tela final

Não dá para viver de ensaio
Não dá para ficar rascunhando
A vida é um espetáculo ao vivo
Não se pode parar, retornar
Ou ficar aguardando boa luz

Essa obra-prima é original, única versão
É sempre uma finalização
Não faça rascunhos, não viva de esboços
Talvez não haja tempo para passar a limpo…

Alda M S Santos

Minha vida precisa de mim

MINHA VIDA PRECISA DE MIM

Um pouco de amor-próprio é essencial
Nossa vida precisa desse afeto natural
É bom cuidar dos outros, saber se doar
Levar carinho na alma, poder se entregar

Mas minha vida precisa de mim…

A alma se alegra na alegria espalhada
Estar junto, ser a mão estendida e abençoada
O coração pulsa forte ao apontar um norte
Mas não esquecer de si, ser seu próprio aporte

Minha vida precisa de mim…

Até para ser para o outro quem está por perto
Preciso ser para mim mesma mais afeto
Amor brota primeiro em mim, precisa ser cuidado
Para poder ser planta crescida no outro, ser doado

Minha vida precisa de mim…

Se a raiz não estiver grossa e profunda
Se machuca, não me reconheço, a alma afunda
Os galhos quebram, ficam enfraquecidos
Nem lá e nem cá acolhem, ficamos desprotegidos

Minha vida precisa de mim…

Alda M S Santos

Me faz bem…

ME FAZ BEM..

Andar na mata, cheiro de terra, sol nas frestas
Ouvir os pássaros, algazarra, todos em festa
Andar de mãos dadas, um abraço desavisado
Um silêncio, um olhar, um amor declarado

Me faz bem…

Um rio, um pôr do sol, uma cachoeira
Um mergulho, um banho que tira a zonzeira
Um amor realizado, delícia verdadeira
A vida em câmera lenta, bem faceira

Me faz bem…

Sonhar acordado, desejo realizado
Esperança alimentada, futuro almejado
Simplicidade, mundo sem maldade
Uma vida que se faz, pura felicidade

Me faz bem…

Alda M S Santos

Injusta

INJUSTA

A vida pode ser cruel
Dolorosa, intensa, parcial
A cada um de nós caberá
Torná-la menos desigual

Muitas vezes parece tão longa
Noutras é por demais curta
Mas é o que fazemos por ela
Que a tornará menos injusta

Buscamos no outro a alegria
Ou a paz que de nós fugiu
Sequer percebemos que está na gente
O prazer de viver que um dia sumiu

Mesmo injusta ela é só nossa
Mas se torna mais bela
Quando destrancamos portas fechadas
E sorrisos abrimos em nossa janela…

Mesmo injusta ainda podemos fazer dela
Uma linda e encantadora aquarela…

Alda M S Santos

Por aí

POR AÍ
Caminhando em busca de algo que ative o coração
Perdida, a esmo, por aí, até chegar aqui, sentir
Estacionando em mim mesma, acionando a emoção
Encontrando o que é preciso para a vida poder fluir
Olho lá fora,  olho bem longe, além do horizonte
Mas sei bem que não é lá que está
Aquilo que necessito para continuar
É em mim, nos meus recônditos mais secretos
Nas emoções e sentimentos mais profundos
Que estará a razão de meu existir, de meu mundo
Inspiro, expiro, me entrego suavemente
A essa vida que corre lá fora tão rapidamente
Sabedora que o que há aqui dentro
Só eu tenho controle, sou o meu pensamento
E farei dele o melhor, quero gerar contentamento
Minha vida sou eu que faço, não quero mais sofrimento
Quero minhas saudades, meu passado, meu presente, meu futuro
Mas só quero manter na vida as pontes, derrubo o que for muro

Alda M S Santos

Para quê?

PARA QUÊ?

Sem quê e nem para quê
Tantas vezes vivemos sem saber
A que viemos, fazer o quê?
São muitas as questões para responder

Se mergulharmos fundo em nós
Aquietarmos para desfazer os nós
Será que encontraremos as respostas
Para tanta coisa que nos é imposta?

Sei que o que preciso deve estar comigo
É bom que algo externo acione, sem perigo
E que isso não seja de modo algum um castigo

Talvez seja essa a causa e o porquê
De virmos nessa viagem para esclarecer
Quem somos, que buscamos, por quem e para quê fazer?

Alda M S Santos

Dessa fonte

DESSA FONTE

Quero beber dessa fonte…

Quero beber dessa fonte cristalina de vida
Que mata minha sede, me dá guarida

Quero beber dessa fonte de bondade, solidariedade
Que me torna.mais humana, sem tanta vaidade

Quero beber dessa fonte de sabedoria
Que abastece minh”alma de força e energia

Quero beber dessa fonte de calor fraterno
Que aquece tal qual lareira em pleno inverno

Quero beber dessa fonte de luz
Que me guia, me ampara, me conduz

Quero beber dessa fonte de carinho, de afeto
Que me dá conforto, uma morada, um teto

Quero beber dessa fonte do mais puro e singelo amor
Que é vida, luz, sabedoria, energia, calor

Também é morada, colo, desejo, ardor
Que pacífica e deixa minh’alma perfumada em flor

Quero beber dessa fonte…

Alda M S Santos

Imperfeita

IMPERFEITA

Ela é assim, imperfeita
Interessante, atraente, convidativa
Ora boa, outras nem tanto
Mas com fé a gente se ajeita

Ela é assim, imperfeita
Bela, cinzenta ou colorida, engraçada
Faça rir ou faça chorar
Ninguém nunca a rejeita

Ela é assim, imperfeita
Inteira ou faltando pedaços
Repleta de amores e desamores
E de coragem que a gente respeita

Ela é assim, imperfeita
Nem sempre como almejamos
Mas é a vida que a gente não enjeita
E a amamos mesmo assim:
Imperfeita!

Alda M S Santos

E se fosse autorizado?

E SE FOSSE AUTORIZADO?

E se num desses momentos loucos
Em que a Terra parece ter parado sua translação
A gente pudesse girar para onde quisesse
Fazendo nossa própria rotação?

E se nessa parada amalucada
Pudéssemos dar uma guinada
A ida para frente ou para trás autorizada
Onde você iria fazer sua parada?

Buscaria no passado algo que deixou
Aquilo que não fez, naufragou
O amor que não viveu, acovardou?

Ou no futuro a felicidade estaria
Mais experiente, o amor buscaria
E, sem medos, um.beijo roubaria…

Alda M S Santos

Sempre a esperar

SEMPRE A ESPERAR

Sempre, sempre, sempre a esperar
Que haja encontros bons a realizar
Que a cada sol que desponta em nova aurora
Saibamos que é sempre uma boa hora

Que possamos ver nele a continuidade
Paz, luz, harmonia, desejos e verdade
De uma vida que busca sem cessar
A alegria de sempre enxergar tempo para amar

Estaremos sempre a esperar
Que um dia não haja mais tristeza
Que como humanos nos encontremos em grandeza

Que a Lua que brilha num céu de estrelas salpicado
Seja a maior prova de Deus ao nosso lado
E que esse eterno esperar seja pra sempre abençoado

Alda M S Santos

Não me cabe

NÃO ME CABE

Nessa caixa não me cabe
Não é que eu não seja flexível
É que ela tende a me moldar
Colocar num padrão que me machuca
E que não vai me agradar

Nessa caixa não me cabe
Dobra daqui, dobra dali
Tira um pedaço desse lado
Aperta o outro, transfere de lugar
Até eu não mais me identificar

Nessa caixa não me cabe
E mesmo se coubesse eu não gostaria
É que prezo a liberdade de ser o que sou
Colocar-me ali me mataria

Nessa caixa não me cabe
Não sou boneca para viver em caixa, preciso de ar
Prefiro jardim, mata, rio, mar ou cachoeira
E assim quero viver a vida inteira…

Alda M S Santos

Só preferências

SÓ PREFERÊNCIAS
Prefiro assim:
Uma mente recheada do bem, ideia genial
A um bolso cheio do vil metal
Um coração em dor, mas colorido de amor
A um repleto de vazios, por isso incolor
Prefiro assim:
Um passeio na praia, um namoro ao luar
A um requintado restaurante para jantar
Um olhar suave e sincero que me desvenda, me entenda
A um visionário num mundo cheio de contendas e reprimendas
Prefiro assim:
Um sorvete na praça na gangorra a brincar
A um espetáculo grandioso que me deixe sem lugar
Percorrer uma trilha na mata para a cachoeira encontrar
A um passeio no shopping para compras realizar
Prefiro assim:
Ver o brilho no olhar ao seu amor me declarar
A uma joia preciosa que nem terei como usar
Seu carinho e delicadeza ao habilmente me despir
A alma, o corpo, o coração, para nunca mais fugir …
Só preferências…
Alda M S Santos

Quero brincar

QUERO BRINCAR

Quero levar a vida numa leve brincadeira
Sorrir, mesmo quando chorar, fazer zoeira
Sabendo que ela corre, é passageira
Não dá para perder tempo, dar bobeira

Quero brincar de passear, também de trabalhar
Por mim, pelo outro, o bem espalhar
Se a alegria fugir, quiser falhar
Lá dentro de mim outra vou encontrar

Quero brincar de namorar, de amar
De fazer carinho, me entregar
Quero brincar de ser a rainha desse lugar

E se a vida quiser ser dura, falar sério
Eu vou sorrir, sair de banda, fazer mistério
Buscar algo que seja pra mim doce refrigério

Alda M S Santos

Mais abençoada

MAIS ABENÇOADA

Não dá para saber ao certo em tempos de grande tribulação
Se a vida vale mais ou menos em meio a tanta confusão
Ela se perde tão facilmente e por quase nada
Nem sempre sentimos que está abençoada

A emoção é sacudida, muito balançada
Pela dor, pela angústia, pela saudade, por quase nada
O coração precisa aconchego, o corpo pede abrigo
Somos gregários, precisamos de amigos

O risco tão eminente da perda a faz mais valorizada
Busquemos um momento de reflexão e introspecção
Para encontrar a paz em nós, na oração

Urge manter a alma elevada, a saúde preservada
Acreditar que juntos somos mais fortes
Sendo firmes na fé, sem perder nosso norte…

Alda M S Santos

Linhas tortas

LINHAS TORTAS

“Deus escreve certo por linhas tortas”
Será algo sem saída, fechamento de portas
Ou um novo caminho que se descortina
Abrindo nossa visão, iluminando nossa retina?

As linhas são tortas ou nossa visão é deturpada
Será que há à frente uma estrada encantada e iluminada
Em belas e longas curvas delineada, disfarçada
E a gente só enxerga escuridão, encruzilhada?

Quero transformar as linhas tortas do meu papel
Em belas gaivotas a namorar sob meu pincel
E acreditar que posso desenhar de novo nesse céu

Quero que as linhas tortas, curvas ou retas
Sejam para mim a maneira mais bela e certa
De me encontrar no amor nessa vida tão incerta

Alda M S Santos

Pedido de licença

PEDIDO DE LICENÇA

Quero pedir licença para poder passar
Com meu jeito emotivo de me apresentar
Ora sorrindo, chorando, me emocionando
Mas sabendo que errando ou acertando
Sou aprendiz, sigo evoluindo, não me envergonhando
Quero pedir licença por tantas vezes me entristecer
Querer desistir, fugir, quase esmorecer
Quero pedir licença a esse mundo
Que tantas vezes parece tão cruel
Dizer a ele que apesar do fel
Prefiro me concentrar no mel
Quero pedir licença aos amigos e inimigos
Que foram e são para mim lição e abrigo
Mas, sobretudo, a todos agradecer
Por me fazerem racional e emocionalmente crescer
Quero pedir licença à mãe natureza
Que é minha irrigação maior de força e beleza
Quero pedir licença ao que vem do alto, a Deus
Mas sobretudo agradecer, por não deixar os filhos seus
Quero pedir licença apenas para continuar meu viver…

Alda M S Santos

Encontro marcado

ENCONTRO MARCADO

Temos por aqui um encontro marcado
Desde sempre tentamos fazê-lo afinado
Sem fugir, correr ou deixar de lado
O ideal é querer, buscar, ser seu aliado

Um encontro especial que se faça presente
Que seja verdadeiro, forte na vida da gente
Que se faça importante, caliente, envolvente
Que nunca nos deixe na solidão, alma carente

Nessa travessia é preciso saber aproveitar
À nossa revelia, o tempo segue sem cessar
Queremos com o amor poder encontrar

Não importa se é através do outro que ele vem
Certo que é um encontro de amor que convém
Mas, o ideal,  que seja o amor-próprio também

Alda M S Santos

Que seja o bem

QUE SEJA O BEM
Se for para se esforçar
Que seja com o peso do bem
Se for para sorrir ou chorar
Que seja por motivos do bem
Se for para se apaixonar
Que seja pela graciosidade do bem
Se for para se perder ou se encantar
Que seja pelos caminhos do bem
Se for para se encontrar
Que seja nos recantos do bem
Se for para repousar
Que seja no colo do bem
Se for para copiar
Que seja o que dá certo no bem
Se for para confiar
Que seja naqueles que propagam o bem
Se for para amar
Que seja para transformar em nós o mal em bem…
Alda M S Santos

Melhor assim

MELHOR ASSIM
Distribuímos sorrisos não só porque somos ou estamos alegres
Somos alegres porque, ainda que, às vezes, ele nos falte, distribuímos sorrisos
É feliz quem doa aquilo que não precisa mais
Mais feliz ainda é quem compartilha o que poderia fazer falta
Nossas imperfeições, inquietações e insatisfações
Nos fazem buscar sempre mais e mais
Não é perfeito quem não possui imperfeições
Mas quem, apesar das imperfeições, não se limita
E busca ser cada dia melhor para si e para o outro…
Alda M S Santos

À caneta

À CANETA

A vida é vivida e registrada à caneta
Não dá para apagar as falsetas
Sem que fiquem marcas impressas
Desmanchar sem cuidado, com pressa
Faz buracos, rasga, danifica o papel
Se já está escrito e não é mais bonito
Vire a página, mude o capítulo, o livro
Bom mesmo é se munir de tinta e pincel
E pintar novamente por cima um novo céu
Com asas, anjos e arcanjos em festa
Voando, bailando, amando, flutuando
E em luz as trevas transformando
Nas novas cores, novos perfumes, novas flores
Mais vida, mais verdade, mais amores
Decepções enterradas, lições aprendidas
E um novo céu de estrelas salpicadas
Seguiremos de alma clara e lavada
À caneta a vida é registrada, tatuada
E sempre vale à pena, é abençoada

Alda M S Santos

Perto de você

PERTO DE VOCÊ

Perto de você eu não tenho medo
Nas situações difíceis não faço segredo
Peço sua presença todo o tempo
Com você enfrento qualquer contratempo

Você me aceita, me acolhe, me ampara
Afasta o negativo, do mal me separa
Me corrige, me dá colo, me anima
Sou mulher, sou terna, sou sua menina

Não tenho medo se tiver você
Longe ou perto, pode parecer clichê
Sinto sua proteção, seu amor, seu porquê

Você está comigo no sol, no céu, na lua
Em cada anjo que me manda, te sinto, sou tua
Com valentia, a ti me apresento de alma nua

Alda M S Santos
XLI Encontro Pôr Do Sol
Tema:” Não Tenho Medo Perto De Você

Eu gosto

EU GOSTO

Gosto de quem acredita que vale a pena
Não é superior, nivela, mantém a alma serena
Que sabe ser aconchego, acolhimento
Não desvaloriza dor, não desfaz do sofrimento

Gosto de quem sabe ser afeto, ser calor
Demonstra isso em atos e palavras com ardor
Esse mundo anda tão sem sentido, doloroso
Urge ser colo, ser abraço, ser amoroso

Gosto de quem sabe gostar, não machucar
Sabe compreender, ajudar, sem julgar
Gosto de gente que sabe ser gente, mesmo ao errar

Gosto de aprender com nossa humanidade
A cada passo ou descompasso ser verdade
Gratidão, liberdade, lealdade e simplicidade

Alda M S Santos

Põe na conta

PÕE NA CONTA

Aquele sorriso amarelo e sem graça
Aquela angústia que machuca e o peito amassa
Aquele arrependimento e vontade de chorar que não passa

Põe na conta das tristezas que nos fazem crescer

Aquele sol que nos acorda com alegria
Acompanhado de um beijo de bom dia
E de um café quente que anestesia

Põe na conta dos encantos que nos fazem florescer

Aquele sonho bom do qual não queremos acordar
Aquela lembrança ou saudade gostosa que nos faz vibrar
Aquele abraço e cuidado que só o amor é capaz de proporcionar

Põe na conta das esperanças que nos fazem viver…

Alda M S Santos

Espaços em branco

ESPAÇOS EM BRANCO
Ninguém precisa ter todos os espaços preenchidos
Ninguém precisa preencher “falhas” dos outros
Ou ter todos os seus “quadros” pintados
Precisamos de telas em branco
Para fazermos dia a dia nossa obra de arte
Todos nós necessitamos desse espaço livre dentro de nós
Para que haja oxigenação, livre transitar
Para que a imaginação cresça, o amor floresça
Para que a luz penetre, aqueça
Para que não soframos de excessos
Para que encontremos aquilo que procuramos
Para podermos acolher o que nos fizer crescer
Para que as emoções possam livremente se expressar
Para que não se crie bolor por falta de uso
Tampouco grandes feridas por fricção e uso inadequado
Para que quando voltarmos para casa
Tenhamos usufruído de todas as nossas possibilidades…
Alda M S Santos

Uns e outros

UNS E OUTROS
Há quem prefira encurtar caminhos
Outros optam por alongar-se nas distâncias
Há quem prefira devorar um biscoito
Outros o degustam saboreando pedacinho a pedacinho
Há quem prefira tomar e levar
Outros preferem conquistar e serem levados
Há quem prefira ganhar no grito
Outros gostam da suavidade encantadora de um sorriso
Há quem alce voos longínquos e inimagináveis
Outros preferem manter-se perto, não se afastar dos demais
Há quem prefira viver na segurança dos nados na superfície
Outros mergulham em busca de encantos escondidos
Há quem prefira ter fama, sucesso e veneração alheias
Outros contentam-se em não perder a própria admiração
Há uns e outros…
Todos lutando por um espaço!
Alda M S Santos

A namorada

A NAMORADA

Ela pode ser doce, meiga, linda, sedutora

Se apresentar nua, vestida, colorida, tentadora

Chegar de mansinho ou de supetão

Mas nunca irá te deixar na mão

Se você souber dela cuidar

Nunca irá se decepcionar

Pode ser sério ou com ela brincar

Sorrir, correr, se cansar, chorar

Mas jamais deixe de namorar, de amar

Se quiser ter um belo amor por toda a vida

Não fuja, seja verdadeiro, corajoso

Ela é valente, corajosa e boa de briga

É a namorada encantada, amada, querida

Não a perca, seja atraente, envolvente

Abrace forte sua namorada, confie

Aceite-a como ela é, deixe-se levar

Apaixone-se por ela todos os dias

Namore muito, namore com a vida…

Alda M S Santos

No pé

NO PÉ

Quero colher o que a vida oferecer
No momento certo, quando amadurecer
Ela tem sua hora, seu próprio tempo
Não adianta apressar, gera contratempos

Saberei o que fazer na hora apropriada
Há tempo para tudo, para cada jornada
Vou colher a fruta doce no pé
Serei feliz ao saboreá-la com boa-fé

Os sabores da vida são muito variados
Ácidos, amargos, doces ou salgados
A nós cabe escolher o mais adequado

Mas amor quase sempre é saboroso
É fruta boa em qualquer maturação
Agridoce, melado, até meio amargo, sabe ser gostoso

Alda M S Santos

Revelação

REVELAÇÃO
Quero revelar todas as fotos que minha lente captou
Nem sempre tão objetivamente assim
Mas capturadas todas elas em momentos de intensa emoção
Numas pode haver luz e escuridão
Noutras alegria, descontração
Pode haver talvez insegurança e tristeza no olhar
Desejo, tensão, atração no modo de me expressar
Podem ter sido registradas num instante de puro amor
Alguns talvez sejam apenas lembranças
Outros são as atuais andanças
E há ainda os que alimentam esperanças
De um viver sempre em evolução
Quero, preciso revelar todas essas fotografias em mim
Registradas nessa longa trajetória
É fazer delas um grande álbum, enfim
De uma vida, de luta, de história
Onde possa mergulhar numa tarde de nostalgia
E tudo reviver, aprofundando a magia
Quero revelar todas as fotos contidas na lente do meu olhar…
Alda M S Santos

Segue a rota

SEGUE A ROTA

Tantas vezes queremos deixar a vida escolher a rota, fazer o arco
Vontade de fechar os olhos, entrar no barco
Optar cansa, frustra, traz pesos e responsabilidades
Desejo de aguardar o que vier, entregar-me às novidades

Tipo o “deixa a vida me levar”, não quero optar
Quero brincar, passear, surtar, viajar, amar
Sem ter medo de não dar tempo ou do sonho acabar
Quero momentos lindos poder eternizar

Pode ser apenas um desejo de paz
Mesmo quando parecer coisa de gente maluca
Ou que tem preguiça, que não quer esquentar a cuca

Nesses momentos em que a vontade é de a vida entregar
Que sejamos raptados pelo amor, pelo bem
Que faça para nós aquilo que é certo, que convém

Alda M S Santos

Escuridão (Dueto Brasil e Angola)

ESCURIDÃO ( Dueto Brasil e Angola)

Eu me assusto e temo a escuridão
Ela faz ver o que assombra o coração
E esconde o que seria bonito para a emoção
Busco a luz para iluminar esse mundão

Busco eu aquelas estrelas
Para iluminar esse escuro,
Para haver um bom futuro
Para esse mundão ter uma boa explicação!

Quando me assusto com a escuridão
Fecho os olhos para o todo, busco a solidão
Assim vejo melhor meu interior
E de lá trago a luz para todo o exterior

Sim! Levo comigo aquela lanterna
Que brilha de forma eterna Eu não vou desistir , vou
persistir até conseguir
Vencer essa escuridão que aterroriza o meu coração

Alda M S Santos & Pe Dro

Canoa furada

CANOA FURADA

São tantas as canoas nas quais embarcamos nessa vida
Algumas por querer, por escolha, boa opção
Outras por não haver alternativa, imposição
E aquelas que parecem, na verdade, melhores do que são

Bem ou mal as canoas são transportes
Devagarinho, certo ou não, mostram-nos um norte
Mas todo cuidado é pouco com as canoas furadas
Elas podem nos fazer afundar e sofrer nessa jornada

Mau uso, super lotação, descaso ou abandono
Tudo isso pode quebrar ou furar a canoa
E fazer dessa nau uma viagem à toa

Quero uma canoa que seja forte para não me afogar
Que me leve a navegar, por aí passear, flutuar
E encontrar um bom cantinho, parar e amar…

Alda M S Santos

Ela exige

ELA EXIGE

Se eu quiserpreciso ir buscar
Não importa o tempo que irá levar
Cabe a mim a necessária dedicação
Todo desejo almeja sua realização

Na mente ele se constrói, pura imaginação
Se faz do alimento diário, da emoção
Aí você coloca amor, carinho, sedução
E está pronta a mesa, para degustação

A vida é mais feliz com nossas conquistas
Vamos aprendendo a ver caminhos, ler pistas
Para chegar ao topo é preciso ser otimista

Não culpar o outro, a vida, a situação
De cada um de nós ela exige aptidão
Usemos com equilíbrio razão e coração

Alda M S Santos

Pilotando

PILOTANDO

Quero sempre ser piloto de minha própria máquina
Sem medo, e nas estradas retas com boa visibilidade, acelerar
Com cuidado e firmeza nas curvas do caminho para não derrapar
Aproveitando a luminosidade natural para avançar
E nos espaços mais escuros parar e descansar
Não quero me deter diante de nada
Usar proteção boa, segura e adequada
Apenas avaliar e seguir minha jornada
Ser da vida uma boa e doce namorada
Dar umas caronas, levar amores e amigos
Eles fazem a travessia mais leve, são abrigo
Se a máquina der problema levo à oficina
Aquela que me faz refletir sobre os buracos nas trilhas dessa sina
Muitas vezes colocando mais amor como combustível
Após a grande largada parar só mesmo nos pit-stops
Trocar óleo, pneus, verificar freios, faróis
Até mesmo substituindo peças já avariadas
O que vale é seguir em frente até a chegada
Seja ela qual for…

Alda M S Santos

Ele nunca me abandona

ELE NUNCA ME ABANDONA
Ele é insistente, persistente
Não desiste, se intromete onde não lhe cabe
Mistura-se a situações complicadas, tristes
É invasor, arromba portas, faz barulho, acende a luz
Ou chega de mansinho, faz carinho, silencioso
Não gosta de lugares escuros,  mas nada teme
Caminha por espaços que desconhece
Algumas vezes é sapeca, fraterno, noutras, sensual
Ou ainda repleto de compaixão e amor
Às vezes parece arrastado, meio forçado, cansado
Mas nunca, nunca desiste, é sobrevivente
Nem sempre parece feliz ao espelho
Mas sabe que se não fosse por ele não haveria vida ali
Tampouco alegria nas vidas que acende quando se abre
Ainda que esteja umedecido pelas lágrimas
Ele não pode morrer nunca
Pois quando isso acontecer, levará consigo meu viver
Ele nunca poderá me abandonar
Ou sou eu que nunca poderei deixá-lo
Meu inseparável e amigo sorriso
Alda M S Santos

A porteira da vida

A PORTEIRA DA VIDA
Nem todo dia o sol brilha na minha janela
Muitas vezes não está convidativo lá fora
Não quero sair, não quero levantar, quero ficar aqui
Tentando encontrar a luz que falta lá fora
Num cantinho qualquer dentro de mim
Mexo, remexo, troco as coisas de lugar
Escorrego em lugares em que já caí
Retorno, choro, saio logo dali
Busco espaços onde o amor mantém a vitalidade
Alguns são só saudade, outros em plena atividade
Tropeço em gargalhadas, me aconchego em abraços
Refaço algumas trilhas, aperto alguns laços
Encontro com o que já deixou de ser, aceno em paz
Outros prefiro nem passar perto, cicatriz nova ainda
Rolo para lá e para cá, olho de novo a janela
Um solzinho sem vergonha ameaça aparecer
Quer saber? Vou ficar por aqui hoje…
Assim que estiver menos nebuloso faço acontecer
Acendo meu próprio sol, abro o sorriso
Visto- me de esperança, meu vestido mais colorido
E abro a porteira da vida, ela precisa ser bem vivida…
Alda M S Santos

Navegando

NAVEGANDO

Há três verdades irrefutáveis
Das quais não podemos abrir mão
O amor, a luz e a esperança são desejáveis
Essenciais na vida, em cada coração

São três que parecem um, na verdade
Quem tem amor tem os demais, tem felicidade
Luz e esperança em qualquer idade
Banham-se em rios caudalosos de bondade

Águas que vão e que vêm
Trocas de energia, o que de bom contém
Doce balanço, calor, alegria, vigor
Deitam-se em nós, desaguam amor

Navegando suavemente no rio da nossa alma
De matas ciliares  protetoras, acolhedoras
A vida se faz de desejos, vontades, sonhadora

Alda M S Santos

Lapidação

LAPIDAÇÃO
O que somos, aquilo que nos tornamos
Vem sendo em nós lapidado ao longo do tempo
A cada momento diferente do viver
Uma camada nos é acrescentada
Ou, diferentemente, uma nos é retirada
Nosso ser é uma joia que vem sendo lapidada
Vamos sofrendo polimentos a cada amargura ou decepção
A cada medo, perda ou frustração
A cada confiança quebrada ou partida
A cada tristeza profunda sofrida
A cada caminhar ou estrada pelo outro interrompida
Nossa cerâmica abre trincas, fendas, fragiliza
Nossa alma sofre, chora, parece ruir
Mas a cada amor ou amizade que se vive
A cerâmica brilha, a alma se alegra
Se reconstrói, se refaz, fica mais bela
Nova camada polida e brilhante aparece
Mesmo que ainda possa doer ou amargar
Ela enfrenta novamente o viver
Mais experiente, mais forte, nem sempre mais feliz
Mas mais preparada para sofrer menos danos
No próximo polimento, na próxima lapidação
Viver é parecer inteiro, é construir laços
A despeito da alma ainda estar em pedaços
Alda M S Santos

De pouquinho em pouquinho

DE POUQUINHO EM POUQUINHO

A vida vai se fazendo de pouquinho em pouquinho
Um sonho de cada vez, devagarinho
Vamos construindo nossos castelos
Alguns espaços nem serão tão utilizados
Servirão apenas para manter nossos guardados
Esperando o momento certo de serem ativados

De pouquinho em pouquinho vamos nos alegrando
Nossos jardins podando, cuidando, regando
Deixando entrar rosas por nossas janelas, perfumando
Fazendo brilhar em nós a intensa magia
Aquela que o sonho traz, doce fantasia
Aquecendo em nós a lembrança durante todo o dia

De pouquinho em pouquinho vamos descartando o que faz mal
O que apenas entulha nossa mente, nosso quintal
Aproveitando para mandar lixos embora junto ao vendaval
Acolhendo só o que é inteiro, traz calor, é especial

De pouquinho em pouquinho, passo a passo
Somos amor, dançamos no mesmo compasso
Repartindo a alegria, a harmonia, apertando os laços
De pouquinho em pouquinho abrimo-nos para a vida em potencial
Banhados em prazer, fazemos desse mundo um lugar sensacional

Alda M S Santos

A Chico e Francisco

A CHICO E FRANCISCO

Gosto de gente clara, transparente
Das quais sabemos o que esperar
São íntegras, leais, quase imponentes
Não se sentem superiores, sabem valorizar

Seu modo de agir é criterioso
Em todos os espaços são o bem
Em tudo encontram um jeito proveitoso
De não magoar ou ferir ninguém

Não há dois pesos ou duas medidas
O coração é quem dita a ordem
Ou cria-se bagunça e desordem

“Se o mesmo pau que bate em Chico bate em Francisco”
Pode-se esperar que o mesmo amor que se faz a João, se faz a Sebastião
E nessa vida não haverá tanta decepção

Alda M S Santos

Quarentena

QUARENTENA

Vou colocar um coração em quarentena
Isolado, afastado, separado para não (se) contaminar
Logo, logo ele se livra da pena
E poderá voltar a vibrar, a amar

Vou colocar um corpo em quarentena
Para acalmar músculos e nervos
A fadiga evitar, a inércia apagar
Em busca de uma vida mais amena

Vou colocar uma mente em quarentena
Descansar, renovar, reciclar, reavaliar
Evitar curtos-circuitos cerebrais
E voltar reenergizada, querendo mais

Vou colocar uma alma em quarentena
Apenas para ela acompanhar nessa missão
Um todo de corpo, mente, coração
E não deixá -los separados, sempre aliados

Vou colocar-me em quarentena
Para uma vida mais doce e plena…

Alda M S Santos

Quero, posso, devo?

QUERO, POSSO, DEVO?

Quero, posso, devo?
O querer é o mais primário instinto
Satisfação, sobrevivência, aquilo que sinto
Invade sonhos, adentra nossa vontade
O poder passa pelo próprio interesse e capacidade
A constante busca por  prazer e felicidade
Alimentada pela imaginação e desejo de realização
O dever já é cerceado pela vida em comunidade
O que é adequado, avalizado, aprovado
Aquilo que não traria sanção ou danos ao coração
Entre quereres, poderes e  deveres
Entre ids, egos e superegos
Transitando entre vaidades satisfeitas e culpas
A vida vai se fazendo de dores e prazeres
Um caminho de sorrisos e alegrias
De tristezas, lágrimas,  fantasias
Um eterno cair e levantar, subir e descer
Encanto, conquista, vitórias e derrotas
Em busca do mais belo e intenso viver
Pelos caminhos que aprouver,  pelas melhores rotas

Alda M S Santos

Brilho

BRILHO
Buscamos o brilho das estrelas
Queremos a beleza e encanto da Lua
Almejamos um céu azul e ensolarado
Ou um destino de sombra e água fresca
Mas nem sempre o caminho até eles é brilhante
Ou a trilha sob nossos pés é plana
Tantas vezes teremos estradas esburacadas
Não haverá flores, perfume, brilho ou companhia
Mas não podemos desistir
É preciso persistir, insistir
E saber aproveitar quando houver luz sob nossos pés
Para seguir adiante, acreditando que tudo é possível
E que a roda da vida gira
Ora luz, ora escuridão
Ora companhia, ora solidão
Mas vale manter o brilho
Dentro de nós, sob nós…
Em frente! Enfrente!

Da minha varanda

DA MINHA VARANDA
A vista da minha varanda
Sou eu quem faço
Dizem que são sempre as mesmas árvores
As mesmas casas inacabadas, as mesmas aves
O mesmo vento, o mesmo sol, a mesma chuva
O mesmo céu…
Mas sou eu quem pinto esse quadro
Sou eu quem dou o tom, a intensidade
Sou eu quem estilizo, dou o brilho a cada cor
Personalizo meu quadro diário
Sou eu quem “fotografo” com e para a alma
Tudo que há de belo ali
Posso tornar tudo fosco, cinza, preto e branco
Ou posso pintar tudo multicolorido
Tudo dependerá das cores que houver em mim
Naquele momento que minha “objetiva” captar a imagem
Não há monotonia, não há rotina
Cada dia nova imagem que me absorve
Com encanto e magia…
Alda M S Santos

Na onda

NA ONDA
Onda que chega, pesada, crescente
Forte, carregada de opiniões e palpites
Cega, radical, violenta, destrutiva
Daquelas com as quais não compactuamos
E querem nos arrastar consigo
Contra nossa vontade ou desejo
Naquela avalanche de negativismo
Precisamos fincar pé, lutar, nadar contra a corrente
Ou, simplesmente, deixar-nos levar
Não desperdiçar energia
Ver até onde dá pra ir sem nos ferir
E escolher o melhor momento para sair fora
Nadar de volta e retomar do local onde fomos arrastados
Encontrar o ponto essencial
Aquele que não fere nossos princípios e nossa consciência
Aquele que nos torna humanos
Uma hora toda onda passa e se desfaz…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: