Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

Vida

Não gosto

NÃO GOSTO
Não gosto de saber
Dessa vida tão passageira
Não gosto de não saber
Das necessidades não atendidas
Não gosto de querer
Impossibilidades
Não gosto de não querer aquilo que me cabe
Não gosto de me envolver naquilo que não tem sentido
Não gosto de estar à parte do que tem verdadeira importância!
Não gosto da ausência de respostas
Não gosto de parecer mal agradecida
Não gosto de não gostar
Tento muito gostar
Mesmo do que não mereça meu gosto, meu gozo, meu prazer…
Gostando ou não gostando,
Vou seguindo meu caminho
Fazendo meu viver
Enquanto não perecer.
Alda M S Santos

Alma cigana

ALMA CIGANA

Uma alma cigana intensamente sensível
Viajante, livre, terna, meio imprevisível
Que dança, que canta, que o corpo balança
Atravessa o mundo buscando a contradança
Alma cigana que gosta de natureza
Se esbalda em intensa beleza
Vê o amor como único caminho da felicidade
Por ele se entrega, se mostra, é a pura verdade
Numa vida de sonhos, de realidade
De alegria, de força, de coragem
Fazendo por aqui uma vida de intensidade

Alda M S Santos

É preciso

É PRECISO

Não dá para engolir ou segurar
Aquilo que fica preso no peito
Que parece que vai entalar ou machucar
Se não fizer algo a respeito

Sentimento foi feito para se expressar
Não importa se é bonito ou feio
Se está preso pode uma hora estourar
Não vale a pena por nele um freio

Se for tristeza deixe a lágrima lavar
Se for desarmonia deixe o diálogo acertar
Se for decepção ache espaço para o perdão
Se for solidão busque outro coração

Se for alegria deixe o sorriso iluminar
Se for amor, deixe ocupar seu lugar
Se for esperança deixe a alguém contagiar
É preciso, de todo modo, a alma extravasar

Alda M S Santos

Não sei

NÃO SEI

Não sei em qual parte do caminho eu estou
Sei que o que vivi já é bem mais do que restou
Quantativa ou qualitativamente
Não dá para saber acertadamente

Sei que por muito já passei, alegrias vivenciei
Trouxe vidas ao mundo, trabalhei, magoei, amei
Já ganhei, perdi, tive momento frustrante
Já fui amada, necessária, importante

Não sei se cumpri o script a mim designado
Se fiz ao menos boa parte do combinado
Ou se ficarei devendo algo para momento mais afortunado

Uma coisa afirmo com toda certeza, eu me entreguei
Sou humana, errei, acertei, desanimei, continuei
Mas em tudo dedicação e amor coloquei, nisso não falhei

Alda M S Santos

Poção mágica

POÇÃO MÁGICA

Preciso reaprender uma nova poção

Uma que seja mágica e que anime o coração
Que possa fazer para todos sem distinção
Que traga carinho e alegria de montão
Numa só colherada afaste a decepção

Preciso fazer uma nova poção

Num leve sopro leve para longe a solidão
Numa cachoeira forte restaure boa emoção
Uma gota apenas renove a fé na humanidade
Uma só pitada afaste a agonia e a ansiedade

Quero fazer uma nova poção

Uma poção para despertar sorrisos distantes
Para restaurar amor e amizades fragilizados
Um pó na ventania que torne a todos abençoados

Quero fazer uma nova poção

Se essa poção me for permitido fazer
Nunca mais hei de esquecer
Vou multiplicar e a todos oferecer

Alda M S Santos

Fragilidade

FRAGILIDADE

Dias que qualquer coisa te faz rir ou chorar
Emoções à flor da pele, sensibilidade total
Não importa se é algo bom que acontece
Ou a decepção que te enfraquece, já é normal
Acaba em lágrimas, como rio, desaguando
Não entende bem o porquê
Ou se entende não quer fazer fuzuê
A vida sacode, joga para baixo e para cima
Para ver se você se convence que essa é sua sina
Não adianta esconder, fugir, desaparecer
Sempre haverá algo para te fazer muito sorrir
Ou para te fazer chorar, sofrer
Ora querer seguir, ora desistir
Mas, como sempre, a vida segue suas trilhas
Será que faltam ainda muitas milhas?
Tem horas que gostaria de saber
Só para ver se valeria a pena esse viver

Alda M S Santos

Entre rosas e espinhos

DUETO POÉTICO

ANGOLA & BRASIL

ENTRE ROSA E ESPINHOS

Quem ama rosas, quem ama jardins
Sabe que entre tantas cores, perfume e suavidade
Há espinhos que fazem parte, são afins
Como a vida com seu pacote de maldade e bondade (AMSS)

Rosa encarcerada nos espinhos
que se vergam nos seus contornos
vive caçando orifício para sair
almeja turistas lá fora atrair (MK)

Não pode dizer que ama a rosa se não aceita seus espinhos
Não pode dizer que ama a vida e só aceita seus carinhos
Na rosa espinhos machucam, afastam invasores, são proteção
Na vida os espinhos servem de aprendizado, são lição para evolução(AMSS)

Espinhos seduzem raios ardentes do sol
para a rosa da vida murchar
a água nasce para a rosa regar
sorvando suas gotas sempre vai se erguer(MK)

A rosa é encanto, fala de amor, de atração
O jardim é seu espaço, mas pode estar em cada coração
Na vida é presente, é beleza, com espinhos ou não
É ofertada a quem se tem amor, admiração e devoção (AMSS)

Rosa inserida nos espinhos
enfrenta raios ardentes
com gotas refrigerantes
não enterra sua fé
de algum dia se solevar (MK)

Amizade pode ferir, amor pode machucar
A vida é mesmo assim, tudo vem para nos ensinar
Se se aprende com beijinhos, também se aprende com espinhos
Tudo vale por aqui, nessa vida de (des)caminhos (AMSS)

Rosa que inocente é
é esmagada por espinhos
lírio que se abre como
boca que aufere um beijo
suga tanto e tanto fumo
não negreja o seu queijo
é rosa que sufoca espinhos
e está perto da mercê (MK)

Alda Maria Silva Santos
Moisés Kudimuena

A cura

A CURA

Qual a cura para um mundo de amargura
Para humanos tão sem ternura
Que pouco fazem por evolução
E não temem a própria extinção?

Qual a cura para um mundo tão sem compaixão
Egoísta, que vive na alienação
Quer tudo, é imediatista, destrói o futuro
E já não sabe mais como ser puro?

Qual a cura para você, para nós
Há como desatar tantos nós
Refazer os laços, oferecer mais abraços?

Já foi apontada a cura para tanto desengano
Houve um Alguém que disse, um Senhor
Que a cura para qualquer mal é o amor…

Alda M S Santos

Aprendendo a viver

APRENDENDO A VIVER

Na na vida há muitas coisas dolorosas
Aprender a lidar com angústia, medo frustração 
Pode levar tempo, apertar o coração
Mas sempre nos ensina algo, até mesmo a decepção
Pode ser um sonho que não se realiza
A fé que vez ou outra não avaliza
A saúde que, às vezes, fragiliza
Pode ser um amor que está longe
Uma amizade que nem sempre corresponde
Um alguém que não nos entende
Nós mesmos que nem sempre nos entendemos
Nos recolhemos, agimos mal ou nada fazemos
Mas doloroso mesmo é não conseguir dizer
Aquilo que machuca ou faz doer
Somos seres sociais, necessitamos comunicação
Um abraço, um carinho, apreciação
Mas nem sempre isso está disponível por aí
Bom mesmo é encontrar em nós mesmos a aprovação
Ativar a fé, o autoconhecimento, a boa ação
Ir atrás da natureza, lavar a alma, ativar o coração

Alda M S Santos

Onde foi parar?

ONDE FOI PARAR?

Onde foi parar a alegria de brincar na chuva
De correr na enxurrada, dispensar guarda-chuvas?

Onde foram parar as brincadeiras na rua
Aquelas com os amigos coloridos sob a Lua?

Onde foram parar os bate-papos na calçada à noitinha
Os abraços e amassos no alpendre da madrinha?

Onde foi parar a expectativa por uma carta
A dor de barriga por um amor que não se farta?

Onde foram parar os sonhos, os contos de fadas
A esperança no futuro, vidas mais amadas?

Onde foi parar a animação num banho de rio
De tanque, de mangueira por horas a fio?

Onde foi parar a alegria na simplicidade
Quando passamos a querer mais e mais numa insanidade?

Quando foi que passamos a enxergar só a maldade
E com isso encontramos só infelicidade?

Quando?

Alda M S Santos

Rascunhos

RASCUNHOS

Somos meros rascunhos a viver
Uma página rabiscada, por escrever
Um verso torto, inacabado
Um sonho bom a ser realizado

Estamos sendo aqui rascunhados
Compondo uns poemas rimados
Em busca de uma prosa, um dueto
Ou de um amor versado em soneto

A composição será ainda mais bela
Quando passada a limpo, nova tela
O amor pintado com toda tinta da aquarela

Somos a folha, o verso, a trova, a poesia
O tinteiro, a pena, a tinta, a doce magia
Nossa história: realidade vivida ou boa fantasia?

Alda M S Santos

Perspectiva

PERSPECTIVA

Ver o lado bom é questão de escolha
Pode ser aprendido, um treino, uma opção
Admirar a sombra das árvores os frutos, a floração
Ao invés da sujeira que as folhas causam no chão
A maravilha que a chuva traz à vida que irriga, hidrata
Ao invés dos dias cinzentos e molhados, desconforto que maltrata
O Sol que aquece, colore, ilumina, instiga
Ao invés do calor excessivo que castiga
A dificuldade de uma trilha cansativa
Dá lugar à beleza do entorno que cativa
Optar pelo banho na água cristalina, forte e bela da cachoeira
Ao invés de reclamar do tempo, da canseira
Podemos até mergulhar em nossos próprios desertos
Mas ali ir em busca de um oásis, um refrigério
O melhor quase sempre está bem perto
É só uma questão de perspectiva
De uma alma que se pretende seguir evolutiva

Alda M S Santos

De gota em gota

DE GOTA EM GOTA
De gota em gota ela cai lá fora
A terra sedenta a recebe de boca aberta
Suavemente é engolida, absorvida por sementes e mudas
Os brotos crescem a olhos vistos
A piscina já não se importa
Ali, desnecessária, “completa”
Está cheia, transborda, não tem carências …
O que é excesso para uns
Quase sempre é falta para outros
De gota em gota se mata uma sede
Mas uma tempestade também pode matar…
De gota em gota a chuvinha cai lá fora
Alimenta sonhos, desejos e esperanças
De gota em gota…
Alda M S Santos

Coexistência

COEXISTÊNCIA
Vida e morte, morte e vida
No mesmo espaço, no mesmo cacho
Coexistência…
Fases de um viver, circularidade do existir
Por que tanta resistência em aceitar um partir?
Doloroso, fere fundo
A saudade que fica é paradoxal
Alimenta a ausência, machuca
Mas da vida é prova cabal
Quero a vida que há mesmo na morte
Aquela que nos deixa mais forte
E confiantes num poder maior
Num porvir que justifique esse existir
Saudade…
De tudo que partiu
De tudo que morreu em mim
Para mim
Saudade…
Um dia nos encontraremos
Em qualquer lugar, noutro plano
E, enfim, entenderemos…
Alda M S Santos

Aldá-cia

ALDÁ-CIA

É preciso um pouco de audácia para viver
Aldá-cia para enfrentar os medos,
Aldá-cia para nadar contra a corrente
Aldá-cia para seguir em frente

Aldá-cia nos faz acreditar no caminhar
Ter ânimo para o novo explorar
Não desistir quando a fragilidade surgir
Saber que na vida é preciso seguir

Aldá-cia é em nós a dose de ousadia
Que sonha o que se quer, fantasia
E conquista o desejado, alegria

Aldá-cia leva-nos a um novo patamar
De esperança e luz em qualquer lugar
Crendo sempre que há um Deus a nos amparar

Alda M S Santos

É a vida

É A VIDA

Tá no ar, na brisa a suavizar
No coração que ora bate forte
Ou que tantas vezes parece parar
Querendo encontrar seu norte

Tá na flor, no perfume, no beija-flor
Na suavidade, na delicadeza, na cor
No sol que ilumina, que traz calor
No céu de Lua e estrelas, em todo esplendor

Tá no abraço, no beijo, no olhar
Na ânsia de ser feliz, de amar
No desejo de ser luz, ajudar

Tá dentro de nós, é inspiração
É luminosidade em toda escuridão
É a vida nos acolhendo em toda dimensão

Alda M S Santos

Quero (re)escrever

QUERO (RE)ESCREVER

Quero fazer uso de um lápis mágico
Escrever, reescrever, desenhar, ilustrar
Uma vida cheia de sonhos para realizar
A cada traço do meu lápis mágico
Tornar o mundo mais belo e encantado
Nessa dimensão maluca poder girar, parar, descansar
Quando escrever amizade, poder unir amigos de qualquer idade
Se escrever cachoeira, logo estar banhando, sem bobeira
Se desenhar um jardim, sentir você perto de mim
Ao traçar uma rosa, nos envolvermos numa longa prosa
Ah, e se escrever amor, em qualquer cor
Que possamos ser doçura, intensidade, calor
Sem medos, sem culpas, sem pudor
Um lápis mágico que possa desenhar sem parar
E se errar, que possa redesenhar, sem magoar
Quero com meu lápis mágico traçar um destino
Navegar nele com alegria, mesmo em desatino
Não perder o norte, ser forte, suporte
Até reescrever o momento derradeiro da morte
Sabedora de que fui e fiz o que era preciso nesse plano
Voltar sem arrependimentos para casa…

Alda M S Santos
Tarde de poesias- Meu lápis mágico

Um anjo

UM ANJO
Ele me disse num sonho que seria o último dia
Quis saber último dia para quê
Não me disse, apenas reafirmou
Hoje é o último dia…
Intrigada, logo pensei: ou o mundo terá fim
Ou meu mundo irá se acabar
Que poderei fazer para melhor aproveitar
Para desse mundo louco e lindo me despedir
Quanto mais pensava, mais coisas desejava
Ficar agarradinha na família, entre os meus
Dar um passeio com amigos e amigas
Dirigir por aí, sem rumo, vento no rosto
Embrenhar numa mata com uma linda cachoeira e não voltar
Navegar em alto-mar até sumir de vista
Realizar aquele sonho louco que tanto quis
Infringir alguma lei, quebrar barreiras
Dizer os “te amo” que foram poupados por medo
Ficar entre as rosas perfumadas do jardim
Sorrir mais vezes, brincar mais, chorar menos
Num cantinho só meu, me despedir de mim…
Eram tantas coisas a fazer
Tanto que havia ainda por viver
Quando assustei o dia já chegava ao fim
E agora? Que irá acontecer?
O dia se foi, a noite veio, novo dia chegou …
E eu sempre pensando que aquele poderia ser o último
Fui aproveitando melhor o que de bom eu tinha
Lindo e amigo anjo que veio me avisar
Que a vida pode num sopro se acabar…

Alda M S Santos

Para onde irão?

PARA ONDE IRÃO ?
Roupas e calçados doados para caridade
Livros lidos e relidos, que estante ocuparão?
Aquelas fotos e CDs antigos, verdadeira raridade
Objetos de apego, perfume especial, animais de estimação
Para onde irão?
Crônicas e textos escritos, poemas e versos
Cartas e cartões, carinhos contidos, afeições declaradas
É a vida em seus direitos e avessos, versos e reversos
Rosas plantadas, flores regadas, ervas arrancadas
Para onde irão?
Versos de amor gravados na alma em doces melodias
Sorrisos e abraços que aqueceram e iluminaram nossos dias
Qualquer tentativa de lidar com a ausência, com a saudade, pura perda de tempo, embromação
Bom mesmo é ficar mesmo depois de ir embora, permanecer pra sempre gerando emoção…
Todo o resto não importa para onde irá, especulação
Se o que importa de verdade estiver tatuado no coração…
Alda M S Santos

Querer, poder, dever

QUERER, PODER, DEVER

Posso querer tanta coisa nessa vida
Não quer dizer que tudo me convém
Que posso tudo aquilo que quero
Mas sei que deveria querer o que posso
Seria mais fácil o viver, menos emocionante talvez
Ou menos produtivo e rico
Mas certamente menos doloroso
Mais feliz? Não dá para afirmar.
O querer é o estímulo primeiro
O poder é a limitação da sociedade
O dever é a consciência gerada, prioridade
Qual será nossa maior verdade?
Entre o querer, o poder e o dever vamos vivendo
Em cada situação evoluindo, aprendendo
Equilibrando nossa balança emocional
Evitando ser levado por qualquer vendaval
Deixando apenas nos refrescar nas águas desse canal
Em suma, o que fica em cada um de nós
É o que sobra ao desfazer tantos nós
Querer, poder e dever
E assim vai seguindo o viver…

Alda M S Santos

Encantação

ENCANTAÇÃO

Um pássaro que canta para atrair a namorada
Isso é encanto na bela e convidativa alvorada
O rio que corre sempre rumo ao mar, sem parar
É encanto e nos faz querer nos banhar
O sol que sempre nasce e a todos aquece
Isso é encanto que diariamente nos fortalece
As estrelas que salpicam a escuridão do céu
São encanto, todos desempenhando seu papel
A chuva, a fauna, a flora em todas as estações
Isso é encanto que enfeitiça nossos corações
Um casal apaixonado sob o luar abraçado
Isso é encanto de um viver enamorado
Viver nesse mundo já mágico, encantação
No bom e no mau caminhar para a evolução
Sempre, no bem e no mal, ser gratidão
Pois em tudo há dedo do amor
Há essência e energia amorosa da Criação
Isso tudo é encantação!

Alda M S Santos

Porque escolhi viver

PORQUE ESCOLHI VIVER
Porque escolhi viver nem sempre serei sorrisos.
Viver implica aceitar um pacote de possibilidades.
Tantas vezes é meter a cara onde parecia arriscado.
É pegar o ônibus em movimento.
Acordar cedo, dormir tarde, nem dormir…
É enfrentar humores oscilantes, humanos vacilantes.
É chorar de dor de dente, de dor de amor, sofrer pela dor do outro.
É dormir orando de preocupação ou agradecimento.
É ter dias nublados e outros ensolarados.
É encharcar-se até a alma nas tempestades próprias.
Poderia ter escolhido me recolher, não me envolver, não participar.
Sentar na janela e só observar a paisagem…
Mas eu escolhi viver.
Por isso, sou assim
Multifacetada…
Ora lágrimas, ora sorrisos…
Ora prazer, ora saudade…
Nem sempre sorrisos
Mas quando eles existem…
Sua luz é capaz de gerar brilho por dias…
Porque escolhi viver…
Alda M S Santos

Fecho os olhos

FECHO OS OLHOS
Fecho os olhos quando não quero ver algo
Fecho os olhos quando quero me isolar do exterior
Fecho os olhos quando quero ver melhor
Fecho os olhos quando quero me conectar com meu interior
Fecho os olhos quando não quero ver o que é feio, o que magoa
Fecho os olhos fingindo não ver, não perceber, não saber ou sentir
Fecho os olhos para me proteger do desamor, das decepções
Fecho os olhos quando quero ver o essencial
Fecho os olhos para ver com outros sentidos
Fecho os olhos para ver a brisa leve arrepiar a pele
Fecho os olhos para ver as ondas batendo nas pedras
Fecho os olhos para ver o voo livre das gaivotas
Fecho os olhos para me aquecer nos primeiros raios de sol da alvorada
Fecho os olhos para absorver bênçãos, para potencializar o bem
Fecho os olhos quando quero ver com os olhos do coração
Como num beijo de amor e entrega
Que tudo vê e sente com os olhos da alma…
Fecho os olhos, tudo vejo, tudo percebo…
Feche os olhos!
Alda M S Santos

A certeza

A CERTEZA

Quero a certeza que mesmo num dia nublado
O Sol está ali, bem ao nosso lado
Que ainda que não possa ser visto
Ele está lá, voltará, é bem quisto

Quero a certeza que há em toda a natureza
Da infinidade de grandeza, de beleza
Do alvorecer que se segue a cada anoitecer
Quero ter fé, nunca esmorecer

Quero a certeza que tudo vem para acrescentar
Que tanto o amor quanto a dor vão ensinar
Que é preciso seguir, acreditar, confiar

Quero a certeza que mesmo pequenina
Sou parte de um todo que não desanima
Sou da Criação uma alma menina

Alda M S Santos

Como é possível?

COMO É POSSÍVEL?
Como é possível, ao mesmo tempo
Estar tão perto, estando tão longe
Estar tão longe, estando tão perto
Estar tão dentro, sem haver cabimento
Como é possível, ao mesmo tempo
Ser tão doce sorriso, escondendo amargas lágrimas
Ser tão acolhedor colo, estando carente de aconchego
Ser reflexo de si mesmo, de tão brilhante luz,
Tendo apenas uma faísca acesa
Como é possível, ao mesmo tempo
Ser o amor em meio a tanta indiferença
A esperança em meio a dolorosa ingratidão
A paz em meio a tanta maldade e confusão
Como é possível, ao mesmo tempo
Ser o norte quando se está perdido
O recomeço depois de haver desistido
A continuidade de um viver intenso, meio sofrido
Quando sabemos que a qualquer hora
Seremos pelo tempo engolidos, consumidos?
Como é possível?
Alda M S Santos

Inteiros

INTEIROS
Não dá para viver com metades
Meias verdades não colam
Meias palavras não falam
Meios caminhos não levam a lugar algum
Meias certezas não descem
Meias vontades nada produzem
Meias curas não resolvem
Meios amores não acalentam
Meias vidas não satisfazem
Precisamos de totalidade
Precisamos de inteireza
Inteireza no amor, na paixão
Inteireza na compaixão, no amor irmão
Inteireza na alegria, na felicidade
Inteireza na verdade, na fraternidade
De metade em metade
Passamos a vida em pedaços
Partes que não se encaixam
Quebra-cabeças que não se completam
Não dá para buscar uma metade no outro
Nossas metades estão dentro de nós mesmos
Juntá-las nos torna inteiros
Prontos a encontrar outros inteiros, amiúde
E viver uma vida de completude…
Alda M S Santos

É preciso fazer as pazes

É PRECISO FAZER AS PAZES

É preciso fazer as pazes
Estar de bem consigo, novos ares
Buscar fora e dentro de si bons lugares
Deixar de fora as culpas, os males

É preciso fazer as pazes
Aceitar nossas falhas nessa jornada
O corpo que nem sempre agrada
A emoção que às vezes nos degrada

É preciso fazer as pazes
Com o outro que não nos aceita
Com a vida que nunca é perfeita
Conosco mesmos por tanta desfeita

É preciso fazer as pazes
Com o passado que nos magoou
Com o futuro que não chegou
Com o presente, que é onde estou

É preciso fazer as pazes…

Alda M S Santos

Aqui tem cachoeira

AQUI TEM CACHOEIRA

Aqui também tem cachoeira
Bela, forte, até assustadora
Se a gente der bobeira
Ela nos leva, arrebatadora

Atrás da queda, bem escondidinho
Os pássaros se reúnem, cantam juntinho
Saem ligeiros em revoada
Quem vê logo pensa
De onde veio essa passarada?

A queda d’água forma uma piscina
Onde nadam moças e moços fugindo da rotina
Sobre todos baila um sereno fininho
Ali, afoitos, roubam abraço e beijinho

Cachoeira, calor, sol, natureza
Venha se banhar, faça parte dessa beleza
Quer encanto, sossego, paz
Viva sem isso tudo se for capaz!

Alda M S Santos

Vamos?

VAMOS?

Enquanto houver vida embaixo desse céu
Não dá para deixar emoções ao léu
Inspira, expira, não pira, coloca no papel
Haverá alguém para brincar nesse carrossel

Enquanto houver voz, eu canto
Alívio para a alma, a dor, o pranto
Mesmo desafinada, desgastada
Minha voz ainda é expressão desenjaulada

Enquanto conseguir todo dia me levantar
Ver o Sol lá fora a brilhar, me chamar
Farei valer a pena a travessia nesse lugar

Enquanto houver caminho à vista, eu sigo
Trilhas construo, faço, refaço, prossigo
Levo quem tem afinidades comigo…vamos?

Alda M S Santos

A que vim

A QUE VIM

Nem sempre consigo identificar
A razão de por aqui estar
Não sei se faço bem em buscar
Um motivo, um objetivo para continuar

Tantas vezes já parece tão cheio o jardim
Já não me cabe, meio diferente assim
Abelhas, borboletas, beija-flores
Brincam entre os canteiros entre tantas cores

Ando para lá, voo para cá, dou o melhor de mim
Tento não ficar onde não estão a fim
Sigo buscando a que vim

Olho em volta, olho para dentro de mim
Busco força, um trampolim
Me descubro meu próprio jardim

Alda M S Santos

Porque vivo

PORQUE VIVO

Já chorei de alegria até a barriga doer
De emoção até não mais poder
Ou de angústia até amanhecer
Isso porque vivo…

Já tive medo de alguém perder
De não poder ver meus filhos crescer
De adoecer, envelhecer, dos outros depender
Isso porque vivo…

Já implorei pela vida, tive medo da morte, da escuridão
Rezei por todos, pedi perdão
Muitas vezes acompanhada, outras na solidão
Isso porque vivo…

Já tive muitas amizades, já fiquei na saudade
Brinquei, fui séria, lutei por liberdade
Nunca quis ser apenas uma metade
Isso porque vivo…

Já me organizei, arrumei o que estava bagunçado
Já fiz burradas, baguncei o que estava arrumado
Quase desisti de ver tudo de novo organizado
Isso porque vivo…

Já ganhei, vibrei, comemorei
Já perdi, sofri, quis sumir, revoltei
Amei, fui amada, correspondida, ignorada
Aprendi, cresci, me empolguei
Encontrei o caminho, voltei
Isso porque vivo…

Num saldo positivo vou vivendo, vou seguindo
Cada dia mais longe do começo
Não necessariamente perto do fim
Só de pensar, estremeço
Isso porque vivo…

Alda M S Santos

Onde você quer ficar?

ONDE VOCÊ QUER FICAR?

Na vida há cobertor que não aquece
Água que a sede não mata
Abraço que a dor não amortece
Amizade que nó não desata

Há estrelas que não amenizam a escuridão
Sol que não ilumina nosso caminhar
Saudades que nos tiram o chão
Rios que não chegam ao mar

Há males que não nos deixam arredar pé
Há compaixão para a alguém estender a mão
Também tem energia que nasce junto da fé
E sabedoria ao tocar com delicadeza um coração

Na vida há também luz que vem de dentro
Amor que nos põe no centro
Calor que brota e alastra da alma parceira
Beijo que aquece a vida inteira

Na vida há todo tipo de lugar
Só precisamos saber onde queremos ficar…

Alda M S Santos

Fada Coração

FADA CORAÇÃO

A Fada Luz queria tanto saber
Um modo de ser e fazer feliz
Resolveu rodar o mundo inteiro
Até descobrir o segredo

Num jardim, entre rosas,
Em meio a tanta luz e calor
Deu de cara com a Fadinha Sol
Que afirmou que para ser feliz
Era preciso saber a todos aquecer, fazer crescer…

Numa noite de lua e estrelas
Encantou-se com a Fadinha Estrela,
Sentada na Lua Cheia
E, brilhante, não tinha dúvidas:
A felicidade estava em iluminar caminhos…

Seguiu uma trilha até o horizonte
E foi dar no mar, numa praia distante
Ali estava satisfeita sob um coqueiro a Fadinha Água
Convicta, afirmou: ser feliz é matar a sede de viver

Fadinha Luz pensativa ficou, acreditava em todas elas
Era preciso aquecer, iluminar, matar a sede de vida
Mas sabia que algo ainda não estava completo
Sentia que ser feliz era mais que isso

E no meio de tanta criança feliz
Brincando, cantando, sorrindo e dançando
Encontrou, de olhos brilhantes, a Fada Coração
E ali descobriu que a felicidade
Estava em saber se doar, amar, ser irmão…

E Fada Luz aprendeu a lição:
Ser feliz é saber amar, é ser carinho
É ser pureza, é ser criança
É ser da vida o coração!

Alda M S Santos

Emendas

EMENDAS
Rasgar o verbo pode ser um modo inteligente
De ter um bom motivo para remendar a própria vida
Costurar aquelas bandas que estão separadas
Cerzir partes que estão puídas
Cortar sobras e pares desalinhados
Fazer bainha no que está sobrando
Ajustar o que está frouxo e deformado
Abrir partes para ter melhor caimento
Customizar o que já está repetitivo
Arrumar fechos, pregar ou arrancar botões de vez
Bordar umas flores, árvores ou montanhas
Um sol, um luar, uma praia, um mar..
Sei lá! Enfeitar!
Aproveitemos as oportunidades para nos renovar
Pois quando se trata de nós
Não dá pra jogar fora e comprar um novo viver…
Alda M S Santos

Tem poder

TEM PODER

Que mais sobre você tem poder
De fazer tudo do melhor acontecer
Não te deixar desanimar ou esmorecer
Te fazer vibrar, em belos tons florescer?

Que tem poder de te fazer mover
Te afastar da inércia, fazer efervescer
Tirar do lugar suas internas montanhas
Sem subterfúgios ou artimanhas

Se a banda passa você segue a dança
Se a menina sorri logo ativa sua esperança
Coração anda cansado de tanta andança

Quer um dia de chuva pra se sentir descansado
Se for ensolarado pra deixar mais animado
No fundo, quer mesmo o amor pra ficar mais encantado

Alda M S Santos

Desculpe!

DESCULPE!

Se nem sempre soube o que dizer
Se nem sempre consegui te ouvir, entender
Se não aceitei quando quis me acolher
Desculpe!

Pelos caminhos apertados onde entrei
Pelas vezes que fugi, te ignorei
E não soube ser grata, decepcionei
Desculpe!

Pelas dores que às vezes te culpei
Cobrei, e o erro era meu, bem sei
Pelas vezes que desesperei, não confiei
Desculpe!

Pela minha humanidade,  falhei
Em Sua bondade,  me reencontrei
A ti,  gratidão, não desistirei
Por isso… desculpe!

Alda M S Santos

Água ou fogo

ÁGUA OU FOGO?
Água ou fogo, calor ou frescor
Calmaria ou tempestade
Doçura, delicadeza e bondade
Ou atitude, agitação, lutas, felicidade
Sem falso pudor?
Água ou fogo?
Em qual deles encontramos o que mais precisamos
Voo livre ou terra firme
Asas ou raizes
Liberdade ou segurança
Troncos ou galhos, flores ou frutos?
Que buscamos?
Almejamos aquilo que nos atiça, energiza
Ou aquilo que nos acalma, tranquiliza
Qual elemento mais nos completa
Água ou fogo?
É preciso ficar alerta
Água que lava, refresca,
Nos leva em seu curso
Ou fogo que nos aquece, alimenta, instiga,
Consome o que nos faz mal
Ativa o bem e apaga toda intriga?
Água ou fogo?
Depende do que mais necessitamos no momento
Ambos podem nos limpar, purificar
Nos permitir recomeçar…
Água ou fogo?
Que saibamos escolher o elemento certo
No momento mais incerto…
Alda M S Santos

Tão pequenos

TÃO PEQUENOS
Tão pequenos somos nós
Diante da grandiosidade do universo
Tão grandes somos nós
Em busca de algo precioso
Tão pequenos somos nós
Quando nos recolhemos em nós mesmos
E ignoramos todo o resto
Tão grandes nos sentimos nós
Frente a tanta batalha inócua
Tão pequenos somos tantas vezes
Ao nos sentir perdidos e sem rumo
Tão grandes somos nós
Lutando, debatendo, ferindo, machucando a todos
Tão pequenos, tão grandes
Depende do referencial
O que vale de verdade, e é preponderante
É o que fazemos de especial
Quando nos sentimos tão grandes
Quando nos sentimos tão pequenos
Tão acompanhados ou tão solitários…
O mundo precisa de gente grande
Não de críticas ou julgamentos
O mundo precisa de gente grande
De sentimentos e de atitudes!
Alda M S Santos

Quero ser

QUERO SER

Quero ser a melhor brincadeira
Naqueles momentos mais sérios
O sorriso nos momentos de apreensão
A lágrima nos instantes mais alegres
O abraço na hora de solidão

Quero ser o forte analgésico
Nas dores crônicas, no mal agudo
A resposta nas dúvidas existenciais
A placa de largada para os desanimados
A esperança para os sonhos tão naturais

Quero ser a fé e a luz brilhante
Nos breus intensos do caminho
A saudade no coração de alguém
A coragem que brota insistente
A doçura para o amargor também

Quero ser broto de amor
Sementes colhidas do coração
Plantadas em terreno fértil
Nascidas nas terras da imaginação
E perpetuadas no jardim dos irmãos em comunhão

Quero ser…

Alda M S Santos

Melhor lugar do mundo

MELHOR LUGAR DO MUNDO

Andamos por tantos lugares por aí
Alguns bem marcantes, melhores que outros
Despertam desejo de ficar para sempre ali
Qual o melhor lugar do mundo
Do qual não sairia sem pensar um segundo?
No alto de uma montanha, observando o alvorecer
Nas areias mornas da praia vendo o sol se esconder
Sob um céu de estrelas e prateado luar, ao anoitecer
Junto de seu amor, debaixo de um cobertor
Num jardim encantado com perfume de flor
Na brisa de um paraíso tropical a se refrescar
No gelo do polo norte a esquiar
Numa mata densa e bela a caminhar
Numa imensa cachoeira a se banhar
Num rio de águas claras a mergulhar
Num dia chuvoso a dançar, se molhar
São tantas maravilhas a viver, apreciar
Qual seria do mundo o melhor lugar?
Vale mesmo é a companhia que se tem
O mais lindo deles nada é sem um alguém
Qualquer um pode ser tudo na paz que se obtém
No prazer de estar consigo mesmo em sintonia
O melhor lugar do mundo é onde repousa o coração em alegria

Alda M S Santos

E a vida se faz…

E A VIDA SE FAZ…

O futuro tem dúvidas, se recusa, vê perigo
O passado desistiu, não quer, foi abrigo
Resta o presente, o que tens de real consigo

Muitos ontens ficaram para trás
Amanhãs não sabe quantos serão
Não dá para do hoje abrir mão

Do ontem há lembranças, marcas, saudades
Do amanhã só há expectativas, vontades
Só o hoje permite iniciativa, atividades

Passado, futuro, presente na vida da gente
Transitamos entre eles, coração eloquente
Derrubando muros,  atravessando pontes, sendo agente

E a vida se faz…

Alda M S Santos

O risco

O RISCO

Corremos riscos todo o tempo
Riscos de sofrer, de morrer
Riscos de a vida só deixar correr
Sem saber bem ao certo o que fazer

Corremos riscos de o amor perder
De deixar a dor prevalecer
Da gente mesmo se perder
E não manter a essência do ser

Posso acordar e a vida avaliar
Que tudo foi apenas um sonho louco
E que quase nada consegui realizar

Posso tudo um dia perder, fazer o quê?
Mas não posso da vida me esconder
Pois o maior risco é de apenas aqui sobreviver

Alda M S Santos

Por aí…

POR AÍ…
Ando por aí…
Ora concentrada, absorta
Ora distraída, dispersa
Atenta ao que parece não importar
Mas, na verdade, quero a todos motivar
Ando por aí…
Notando cores, construções, edificações
Percebendo também destroços, demolições
Ando por aí…
Tentando parear com quem caminha só
Buscando direcionar o passo de quem parece perdido
Ando por aí…
Levando abraços, sorrisos, um pouco de fé e esperança
Porque nessa vida o que mais pesa na balança
O que mais nos trará valor positivo
É aquilo que de nós foi amor, foi abrigo
Ando por aí…
Alda M S Santos

É preciso descansar

É PRECISO DESCANSAR

É preciso descansar
O corpo, a mente, o coração
A alma pede paz, hibernação
Mas se para isso precisar
Vamos o corpo todo trabalhar
Ou buscar nesse vasto mundo um lugar
Onde possa a alma se recuperar
Tanto medo, tristeza, decepção
A esperança já perdeu o verde, desbotou
O amor necessita novo calor, esfriou
A beleza necessita novo viço, foscou
A fé já não move nem um barranco, arriou
“Felicidade não existe, diz a canção
“O que existe na vida são momentos felizes”
Nessa perspectiva, vamos vivendo
De momentos em momentos, sobrevivendo
É preciso descansar, respirar
Para nova energia encontrar
Para cada medo, tristeza, decepção, superar
E o amor, a esperança, a fé, a beleza, atiçar
Cansaço do corpo logo se recupera
Cansaço da alma é outra situação
Mas um bom meio é estender a mão
É saber que ao ajudar um irmão
Gera sinergia, de coração para coração
É preciso descansar…

Alda M S Santos

Como a Lua

COMO A LUA

Tantas vezes como a Lua
Ora soberana, na escuridão do céu
Cheia, brilhante, encanto dos amantes
Sabedora de si, de seu papel

Tantas vezes como a Lua
Solitária,  isolada, perdida no céu
Invisível, em eclipse, da luz escondida
Em si não se encontra, cansada, sofrida

Tantas vezes como a Lua
Crescente, bela, sentindo-se parte
Entre astros e estrelas, renascimento
Infinitamente, a rainha do firmamento

Tantas vezes como a Lua
Encanto, loucas fases, passageiras
Mistério, beleza, nua e crua, da paz mensageira 
Seguindo, amada, amante, da vida parceira

Alda M S Santos

Pequenos grandes prazeres

PEQUENOS GRANDES PRAZERES

Há prazeres de incomparável valor
Acordar ao lado do seu amor
Não mais sentir aquela dor
Dormir em paz com sua consciência
Conseguir ignorar toda maledicência

Há prazeres de incomparável valor
Encontrar dinheiro onde não esperava
Sorrir renovado onde antes chorava
Esquecer o que não vale a pena mais lembrar
Guardar no peito direitinho o que merece eternizar

Há prazeres de incomparável valor
Balançar numa gangorra na árvore presa
Sair de um trauma, quase ilesa
Ocupar-se ao outro dando a mão, sendo irmão
Tomar chuva em tardes de verão

Há prazeres de incomparável valor
Morar noutro coração por direito, não por favor
Nas noites frias sempre fazer amor
Perceber que não mais sangra aquela cicatriz
Responder aos enxeridos com “seu nariz” ou “isso nada me diz”

Há prazeres de incomparável valor
Rir até a barriga doer
Ser criança, sapeca, até não mais poder
Receber um abraço de carinho apertado
Ser sempre seu maior e melhor aliado…

Há pequenos grandes prazeres de incomparável valor…

Alda M S Santos

Não pode faltar…

NÃO PODE FALTAR…

A vida é um eterno precisar
Que vamos aos poucos tentando educar
Buscando satisfação para não pirar
Mas há aquilo que não pode faltar
Cada qual sabe em si determinar
Não dá para deixar de sonhar
Tampouco de tentar realizar
Ficar sem abraçar não dá
Ou a vida é um eterno lamentar
Não dá para deixar de caminhar
Na natureza, na mata, bom lugar
Brincar, cantar, passear, namorar
Fazer amor não pode faltar
Não dá para deixar de rezar
Na fé conseguir se harmonizar
Na areia da praia poder relaxar
Dançar, sorrir, cantar, poetizar
E toda dor e tristeza extravasar
Uma amizade verdadeira para acalentar
Sem amigos não dá para ficar
Não dá para faltar o amor
Esse, sim, tem que a alma animar
E fazê-la no céu bem alto voar
Que para você não pode faltar?

Alda M S Santos

Um portal

UM PORTAL

Atravessou um convidativo portal
Na esperança de encontrar algo especial
Um mundo mais humano, menos parcial
Onde viver não doesse tanto
Não houvesse tanto mal
Iluminou trilhas estreitas e escuras
Saltou obstáculos, recusou saídas obscuras
Recuou diante de muitas loucuras
Escalou montanhas altas, íngremes
Encontrou lindas pessoas, doçuras
Sorriu, chorou, sofreu, caiu, levantou
Esclareceu mentiras, lutou por verdades
Disse sim ao amor, enfrentou falsidades
Restaurou a fé, renovou a esperança
Finalmente percebeu que o portal é na realidade
Seu modo de encarar sua própria verdade
Com coragem, ânimo, dignidade
Aqui ou em qualquer dimensão
Viver com gratidão e intensidade

Alda M S Santos

É o desejo

É O DESEJO

É o desejo de saber mais que me faz compreender
É o desejo de entender que me faz aprender
É o desejo de descobrir que me impele a agir
É o desejo de mudar que me ensina a sonhar…

É o desejo de tudo conhecer que me faz crescer
É o desejo da grandiosidade que me ensina a humildade
É o desejo de viajar que me ensina a voar
É o desejo de não me afastar que me faz ficar…

É o desejo de me eternizar que me faz te amar
É o desejo de te ver feliz que me torna aprendiz
É o desejo de vencer a saudade que me torna realidade
É o desejo de promover a união que me leva a estender a mão…

É o desejo de não me perder que me leva a escrever
É o desejo de ter que me leva a ser
É o desejo de poetizar que me faz me emocionar
É o desejo de amar que me faz me encantar…

É o desejo que a tudo move
E também me move…

Alda M S Santos

Matemática da vida

MATEMÁTICA DA VIDA

A matemática da vida nem sempre é exata
Muitas incógnitas permanecem desconhecidas
Nem todo problema tem uma solução
Não dá para resolver toda equação

Nem toda adição gera ganho real
A subtração tantas vezes parece mais natural
Para multiplicar é preciso primeiro bem dividir
Para não zerar,  desanimar ou desistir

Regra de três no amor não funciona
Um mais um que é a verdadeira soma
Mas a capacidade do coração é incalculável
E o valor de X é muito variável

Mas não se preocupe com isso, não 
Se um problema não se resolve com a razão
Na matemática do viver use a emoção
Quase sempre ela dita a melhor solução

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: