Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

Autoimagem

Dona do meu destino

DONA DO MEU DESTINO

Sou assim meio louca, imperfeita

Já desisti de tentar a todo custo ser aceita

Quero apenas não decepcionar a mim mesma

Sem desatino, ser a dona do meu destino

Sou assim meio inquieta, mais coração, menos razão

Tentando ser um pouco menos emoção

Buscando em tudo a magia do existir

Querendo nada da vida prender, deixar fluir

Sou a que quer sempre mais atividade

Mas que se contenta na singela e rica simplicidade

A que sonha voar alto, puro encanto

Mas que se realiza na magia de um doce encontro…

Por aqui vou tentando não viver de favor

Não ser clandestina, inquilina

Apenas buscando ser a dona do meu destino…

Alda M S Santos

O que te salva

O QUE TE SALVA

Quanto mais coisas se perde

Mais valor têm as que ficam

Quanto mais pessoas vão embora, desistem

Mais valor têm as que ficam, insistem

O que vem fácil sempre vai facilmente também

O que é difícil, demorado

Quase sempre é mais duradouro, valorizado

Portanto, não é bom desanimar

Algo extraordinário pode-se conquistar

Clichê ou démodé, tanto faz

Mas uma verdade não se desfaz:

A felicidade não está na quantidade

Mas naquilo que possuímos com qualidade

Entre idas e vindas, ganhos e perdas

Decepções e superações, derrotas e vitórias

A admiração que tem por si mesmo nunca deixe desaparecer

Porque é ela que te salva

Quando tudo parecer se perder…

Alda M S Santos

Nudez

NUDEZ

Fiquemos nus!

É preciso ser autêntico, real

Retirar as máscaras

Que escondem o que é feio

Arrancar os disfarces

Que cobrem o que não é tão agradável

Lavar com água fria

Todo resquício de maquiagem

Apagar qualquer sinal

De adereços ou acessórios complementares

Mostrar exatamente aquilo que somos

Sem medos de rejeição

Para o outro, nosso espelho

Para nós mesmos, nossa autoaceitação

Silenciar qualquer artifício

Usado para impressionar

Fiquemos nus!

Beleza precisa se sustentar na nudez

Não na nudez do corpo

Beleza precisa se sustentar

Na nudez da alma

Límpida, clara, transparente e encantadora

És capaz de se apresentar nu?

Alda M S Santos

Sem pretensões

SEM PRETENSÕES

Não quero ser a mais inteligente que entende tudo de tudo

Ou que ignora pensadores e construtores do saber

Nem a mais culta ou sociável que agrada a todos

Tampouco a mais bela, a que para o trânsito

Ou a perfeitinha e boazinha que a todos atende

Aquela totalmente maleável, pacífica, que nunca se enerva

Sorrindo sob o peso do andor

Que molda-se ao gosto do freguês

Nem mesmo a madame mais chique ou luxuosa

Não quero! Impossível!

Não tenho essa pretensão

Seria impossível conquistar, pesado manter, difícil sustentar

E totalmente desnecessário…

Quero apenas ser eu mesma

Prefiro as imperfeições que vão sendo aparadas

Nas dificuldades e decepções diárias

Quero ser inteligente o bastante para sempre evoluir

Sabendo até onde ir

Sem contudo me afastar dos outros

Culta e sociável o suficiente para atrair boa gente

Bela o bastante por fora,

Mas de um modo a não ofuscar ou distorcer o que vier de dentro

Coração bondoso a ponto de me colocar no lugar do outro

Na medida exata para poder ajudar, ser útil, sem ser tola

Flexível, resiliente, mutável

Sem ferir meus princípios e essência

Aquela que procura sorrir sempre, mas que chora, que se enerva

Que ama, que sente saudade, que namora

Que às vezes quer sumir…

Chique o suficiente a ponto de trocar

Qualquer programa ou prato sofisticado

Por um banho de rio, um livro na rede e uma pizza gigante…

E sempre irei amar quem me aceitar como sou

Ainda que não seja desse jeitinho aí…

Tudo mais é pura falácia!

Alda M S Santos

Quando você deixa de ser você

QUANDO VOCÊ DEIXA DE SER VOCÊ

Um dia te levam uma moeda, você deixa

Era apenas uma moeda…

Noutro levam um objeto, sua bolsa, esvaziam seus bolsos

Não faz mal, você conquista outros

Tiram um direito, mais outro, substituem por deveres

E você vai cumprindo todos eles fielmente

Logo estão levando outros valores

Suas ideias, sua liberdade, seu sorriso, seus sonhos, sua essência

Seus ideais estão perdidos nesse mundo nublado

Não há mais brilho ou cor, você está opaco

Você sente um vazio, um desconforto

Não se reconhece no espelho

Não consegue reagir…

Mas segue acreditando que é por uma boa causa

“Para melhorar tem que piorar”-dizem

A quota de sacrifícios é de todos- propagam

Levam pouco a pouco até sua história

E te convencem que você sempre esteve enganado

Apagam tudo que um dia você foi

Quando percebe estão esvaziando sua alma

E a preenchendo com aquilo que eles querem

Com aquilo que não é você

Então, você deixa de ser você

Quando isso acontece você já morreu

Você tornou-se apenas um deles

Apenas uma cópia que caminha na multidão…

Reaja! Não deixe te roubarem de você!

Alda M S Santos

Pierrô, Arlequim ou Colombina?

PIERRÔ, ARLEQUIM OU COLOMBINA?

“Pierrô apaixonado que vivia só cantando…”

Vai Carnaval, vem Carnaval

E sempre serão encontrados

Pierrôs apaixonados, cantando ou chorando

Arlequins preguiçosos e malandros

Colombinas encantadoras, confusas e disputadas

Amores e desamores de teor teatral

Cenários tragicômicos, amores frustrados

Uma “peça” a nos pregar peças

Personagens que atravessam a linha do espaço e do tempo

Gênero, cultura, classes sociais

Histórias e releituras da mesma sátira social

O circo, o palhaço, a arte, a plateia

A vida imitando a arte

Ou a arte imitando a vida?

Rótulos quebrados ou reforçados

Amor não é só flor, é cego, é também dor

Palhaço não é só sorrisos ou alegrias

Cantar não imuniza contra qualquer dor

E, com toda certeza, Carnaval ou não

Vez ou outra, em algum momento da vida,

Não estamos a salvo, seremos tomados por um Pierrô, Arlequim ou Colombina

Independente se somos homem ou mulher

Palhaços somos, cantando ou chorando…

Alda M S Santos

Momentos ilha

MOMENTOS ILHA

Há momentos que somos mar

Imensidão encantadora e perdida

Há momentos que somos céu

Voo e livre imaginação

Há momentos que somos terra

Pés no chão, dor no coração

Há momentos que somos fogo

Irritabilidade e inconstância, desejo de mudança

E há momentos em que somos ilha

Isolados em nós mesmos em busca de nós

Sem perceber o que nos cerca

Que em nossos momentos ilha

Estejamos cercados do bem

Por todos os lados…

E que a gente possa se afinar com ele…

Alda M S Santos

Ainda estou em mim

AINDA ESTOU EM MIM

Quando encontro alguém que faz questão

De ressaltar alguma qualidade que não lembrava mais possuir

Algo que fiz por elas e que as marcou

Um defeito que reconheço que melhorei

Uma virtude perdida, uma deficiência amenizada

Ou uma mania que não passa de jeito nenhum

Sinto-me bem…

Sei que ainda estou em mim, que não me perdi pelo caminho

Que são bonitas as marcas que deixei

Que sou apenas uma criatura em evolução

E que posso melhorar muito ainda

É aí que percebo que o ”pão que o diabo amassou”

Não faz tão mal assim, pois Deus é quem dá o toque final

O diabo pode até sovar a massa, mas é Deus quem põe o pão para assar

E basta um toque divino para tudo se reverter

Tudo melhorar…

Eu ainda estou em mim, mesmo imperfeita

E gosto mesmo muito disso!

Alda M S Santos

Nadando em águas profundas

NADANDO EM ÁGUAS PROFUNDAS

O que leva um exímio nadador a se afogar

Não é a inabilidade, imperícia ou falta de treino

O que leva alguém a se afogar é a escassez ou o excesso de confiança em si mesmo

É a inércia perante as águas bravias que causa pavor

Falta-lhe a tranquilidade para lembrar o que possui

Tentar relaxar, mover-se ritmadamente e respirar devagar

Ou é o excesso de confiança que o faz se aventurar onde é perigoso e não mais conseguir voltar…

Quando nos afogamos mergulhados em problemas e tristezas

Advindos de mares profundos nos quais mergulhamos

Levados pelas circunstâncias ou por vontade própria

Quase sempre são por esses dois motivos:

Excesso ou falta de autoconfiança e coragem

Ambos podem ser danosos para o nadador e para quem tentar salvá-lo…

Que nossas águas sejam claras, que saibamos mergulhar e nadar bem…

Alda M S Santos

Seja você!

SEJA VOCÊ!

Não é necessário ser sempre o que querem

Sempre inteligente, bela, meiga, forte

Tantos adjetivos inalcançáveis, às vezes

Sensual, bondosa, amiga, independente, centrada

Muitas virtudes nos são impostas e cobradas a cada segundo

Várias delas não somos, ao menos não somos todo o tempo

Para quê?

Vale mesmo é ser sempre uma reedição de nós mesmas

Uma versão melhorada a cada passo, mesmo trôpego

E daí se para isso precisarmos ser frágeis, dependentes, perdidas ou malucas?

Se for necessário cair, chorar, ser “feia” aos olhos do mundo?

Nem sempre veem os campos minados que atravessamos

As batalhas dantescas que travamos

As lutas hercúleas em nosso interior

Querem-nos apenas inteiras, belas, inteligentes, bem humoradas

Seja você! Seja o que você quiser!

Pois quando a cabeça encosta no travesseiro

Quando se olha no espelho pela manhã

É a si mesma, à sua consciência que deve prestar contas

Você pode até atender às expectativas dos outros

Mas é a você mesma que nunca pode decepcionar ou abandonar!

Seja fiel a você!

Alda M S Santos

Ah, que saudades…

AH, QUE SAUDADES…

Tenho saudades das muitas de mim

Daquelas que foram ficando pelo caminho

Sufocas ou desnutridas pelas circunstâncias

Perdidas na escuridão das trilhas

Tenho saudades das muitas de mim

Daquelas de confiança cega e sorriso fácil

De entrega apaixonada e sem grandes expectativas

Tenho saudades das muitas de mim

Daquelas de brilho no olhar, coragem e romantismo

Muita energia e boa vontade, até uma certa ingenuidade

Tenho saudades das muitas de mim

Da audaciosa, da atrevida, da sapeca, da nerdzinha

Até da medrosa, chorona ou impaciente

Tenho saudades das muitas de mim

Que foram ficando pelo caminho

Que não me acompanharam até aqui

Que se ofuscaram pelo brilho falso de outras pedras

Que foram se apagando nas gotas das mágoas e decepções

Minguando, minguando até desaparecer…

Tenho saudades das muitas de mim

Mas logo percebo que “elas” todas não se foram

Apenas deram lugar a outra

Foram usadas como ingredientes essenciais

Diluídas na massa de uma grande forma para moldar o que sou hoje…

Quando as saudades de mim atingem forte

Percebo que basta ir para um cantinho

Garimpar bem, com calma e paciência

Que encontrarei meu tesouro: as muitas de mim

Aquelas sem as quais eu não existiria

E fazer as pazes com elas

Fazer as pazes comigo…

Alda M S Santos

Seja ímpar!

SEJA ÍMPAR!

Seja maluco, louco

Mas daqueles que encontram alegria na própria insanidade

Seja saudável, cuide de si

Mas ajude a cuidar dos outros

Seja sincero, seja honesto

Mas nunca use isso como desculpa para grosserias

Seja curioso, interessado, gentil

Mas cuidado ao se intrometer na vida de alguém

Seja infantil, seja criança, volte a ser pequeno

Mas seja grande na pureza e inocência

Seja intenso, alegre ou triste

Mas seja profundo, não aceite superficialidade no que é essencial

Seja contido, introspectivo

Mas não deixe de transmitir o que pensa ou sente

Seja luz, seja brilho, seja cor

Mas respeite quando tudo for sombra

Seja romântico, seja até mesmo piegas

Mas não seja frio ou indiferente

Seja original, seja único, seja ímpar

Mas respeite o modo ímpar de ser dos outros

Seja a esperança de um mundo melhor que começa em você!

Alda M S Santos

Os olhos que me veem

OS OLHOS QUE ME VEEM

Gosto de olhos que falam

As palavras ditas pelos olhos não são falsas

Podem até não agradar

Mas a linguagem do olhar é verdadeira

Alguns olhos são treinados

Aprendem a desviar, pestanejar

Mas não enganam outro olhar também treinado

A ler o que diz o olhar desviado

Gosto de olhos que me veem inteira

Sem aumentar ou diminuir

Sem enaltecer ou depreciar

Gosto de olhos que dizem

“Eu te entendo, estou aqui”!

Gosto de olhos perspicazes a me olhar

Que me olham sem esperar demais de mim

Tampouco sem diminuir-me perante si

Gosto de olhos que acolhem, não julgam

Gosto de olhos que realmente me veem como sou

De dentro para fora…

Alda M S Santos

Florescendo, flores(sendo)…

FLORESCENDO, FLORES(SENDO)…

Sob sol, sob chuva, sob tempestades

Florescendo, flores sendo…

Acolhendo abelhas, borboletas e beija-flores

Ensurdecendo com o canto das cigarras

Florescendo, flores sendo…

Sob o entardecer, sob o luar ou a aurora

Dividindo espaço, multiplicando belezas

Queimando e perdendo pedaços para as formigas

Florescendo, flores sendo…

Alimentando-me de brisa, de doçuras, de toques delicados

Fazendo minha fotossíntese

Purificando o ar, espetando os dedos com espinhos

Molhando a raiz de lágrimas salgadas

Florescendo, flores sendo…

Nascendo, crescendo, perfumando a vida, encantando, morrendo…

Florescendo, flores sendo…

Alda M S Santos

Nunca desistir de mim

NUNCA DESISTIR DE MIM

Seguir em frente, lutar sempre

Essa é minha promessa

Nem sempre fácil de manter

Curtir um dia de raios de sol que me aquecem

Mas também aceitar quando meu sol se esconder

Amar sob um céu estrelado e inspirador ou sobre nuvens de algodão

Mas aproveitar quando a Lua não aparecer e tudo for escuridão

Dançar na chuva entre abraços apertados e beijos molhados, aquecida

Mas saber suportar as fagulhas ameaçadoras das tempestades de gelo, sofrida

Enquanto nova alvorada não surge em mim, renascida

Retribuir o amor e carinho daqueles que me cercam e apoiam

Mas aceitar e respeitar o direito daqueles que não me querem por perto, não me amam

Sobretudo, amar a mim mesma, sempre

Ainda ou principalmente quando outros me abandonarem

Mesmo em minhas fragilidades, medos e carências

Ainda que erre, caia e não consiga levantar tão facilmente

Ou que nem sempre seja minha maior fã

E queira ficar escondida debaixo das cobertas…

Pois a promessa fundamental é, independente do que acontecer,

Cuidar do meu coração

E nunca desistir de mim mesma!

Alda M S Santos

Universo inexplorado

UNIVERSO INEXPLORADO

O universo que carregamos em nós

Por mais desbravado e explorado que tenha sido

Por mais terras, luas e planetas descobertos em nós

Sempre haverá aquela estrela escondida

Aquele meteoro veloz não acompanhado

Aquele cometa tão aguardado

Aqueles asteroides desconhecidos e esquecidos…

Somos um universo ainda muito inexplorado

Inclusive por nós mesmos

Cada um de nós carrega em sua galáxia interior

Regiões obscuras e carentes de luz e vida

Necessitando de uma remexida intergaláctica para ser ativada

E mostrar todo seu potencial…

Alda M S Santos

Mergulhos

MERGULHOS

Água: um delicioso e assustador mistério

Oceanos, mares, lagos, lagoas, rios, cachoeiras, poços

Caindo do céu, escorrendo nas pedras, formando lençóis freáticos

Minando da terra, evaporando no ar

Abastecendo a terra de vida nesse ciclo sem fim…

Leves, pesadas, fortes ou tempestuosas

Convidativas ao mergulho, a nelas se aventurar

E ali, deslizando suavemente, cada vez mais longe

Se perder…ou se encontrar…

Alda M S Santos

O melhor amigo

O MELHOR AMIGO

O melhor amigo te olha nos olhos

Encara, enfrenta, diz a verdade

Diz que tem saudade do que você era

Daquilo que você tem deixado de ser

O melhor amigo não desvia os olhos

Fala onde você errou, te ampara nos seus medos

Ralha com você, mas te dá carinho e atenção

O melhor amigo não te deixa desviar o olhar

Está presente, não foge, te cobra presença

Diz que se orgulha de você, não te deixa esmorecer

O melhor amigo sabe tudo de você

Não te deixa se tornar seu pior inimigo

Tampouco permite que você faça gol contra

Ou que seja atingido por fogo amigo

O melhor amigo te alertará se fizer mal aos outros

Mas, sobretudo, se fizer mal a si mesmo

O melhor amigo, se você permiti-lo agir, nunca deixará você cair

E, se isso acontecer, não te deixará lá por muito tempo

Ele te ajudará a se reerguer e seguir

Olhe para ele, não se esconda!

Seu melhor amigo está diante de você

Naquele espelho que você se olha todos os dias

E nem sempre se vê…

Dê um abraço apertado nele

E aquele sorriso que faz tudo se renovar…

Diga com convicção e sinceridade:

Eu te amo para sempre e nunca te abandonarei…

Alda M S Santos

Fases e faces

FASES E FACES
Fases, faces, brilho e sombra
Prerrogativas da Lua, das pessoas
Minguante, minguando, definhando em C invertido
Um ser recolhido perdendo luz, abraçando sombras, até ser Nova
Sombra total, escuridão, brilho oculto na outra face
Aquela escondida de todos, preservada, um ser em tempo de esperas
Sol, Lua, céu, pessoas…
Fases: construção do novo, maré, podas, plantação
Crescente, crescendo expectativas, alimentando esperancas, recebendo luz até ser Cheia, redondamente linda
Cheia de si, de brilho e orgulho, transparência
Sol, Lua, céu, pessoas…
Fases… dos seres vivos, dos amantes
Toda sombra esconde um brilho
Todo brilho esconde uma sombra
Fases, faces, brilho e sombra
Prerrogativa da Lua, das pessoas
Minguando, se escondendo, crescendo, aparecendo
Enquanto houver céu e sol
Dentro e fora de nós…

Alda M S Santos

Inteiros

INTEIROS

Numa mansão numa ilha paradisíaca,

Numa casinha branca à beira do rio

Numa gangorra na roça, descalça

Num barracão no morro do cafezal

Pilotando uma lancha veloz,

Um barquinho de pescador

Ou na suíte de um transatlântico

Não importa… o local é secundário

Prioritário é estarmos em nós mesmos

Estarmos bem encaixados em nossos direitos e avessos

Lidando bem com feridas e cicatrizes

Aceitando nossas imperfeições e inadequações

Nos perdoando de confiança excessiva, exposição exagerada de sentimentos

Ou de medos e traumas que nos travam

Sabendo que, independente dos outros,

Nós precisamos nos entender e aceitar

Destrinchar alegrias e dores, mágoas e regozijos

Onde estivermos por completo, inteiros

Onde nos sentirmos em total sintonia conosco

Sem máscaras, sem falsas alegrias ou autopiedade

Onde pudermos ser verdadeiramente

Corpo, mente, alma, coração

É que estaremos bem de verdade…

Alda M S Santos

Camuflagens

CAMUFLAGENS

Habilidade de passar despercebido onde quer que esteja

Meio de se proteger, assemelhando-se ao ambiente para não chamar a atenção

Tornar-se um igual a tantos outros iguais

Apagar algum brilho ou cor, acender outras

Gritar onde se grita, silenciar onde tudo é silêncio,

Ser cinza onde tudo é cinzento, desligar-se onde tudo está em off

Mexe daqui, mexe dali, e…pronto!

Tudo homogêneo, nada se destaca, todos uniformizados

Um bloco de iguais!

O risco é acabar esquecendo o que se é

E, na tentativa de se autoproteger ou agradar aos outros,

Acabar por não ser mais nem um e nem outro…

Pior, perder até o prazer de ser o que se é!

Alda M S Santos

Mata adentro

MATA ADENTRO

Quanto mais para dentro da mata, mais queremos entrar

Mata adentro as trilhas diminuem

O caminho torna-se mais difícil

É preciso abrir espaços à foice

Mas o desejo de mergulhar no silêncio é grande

A pureza do ar quase sufoca, as árvores tornam-se mais grossas

A impressão de estar sendo vigiado aumenta

A sensação de invadir o desconhecido é animadora e aterradora

Nesgas de luz passam por entre os galhos e copa das árvores

Anjos e fantasmas se apresentam, a gente escolhe

A gente se abraça ou se enfrenta

O céu azul e branco continua lá em cima a insistir: prossiga!

Não se sabe o que buscar, apenas que é preciso seguir

Quando for chegado o que procura, saberá

E poderá descansar em paz!

Alda M S Santos

Quem está aqui dentro da caixa?

QUEM ESTÁ AQUI DENTRO DA CAIXA?

Aqui dentro está uma pessoa muito importante e especial

É uma pessoa muito linda!

Ela é muito importante para todos nós!

Sem ela esse mundo não seria digno de ser vivido.

É uma pessoa forte, guerreira e muito lutadora.

Já passou por muita coisa nessa vida e nunca desistiu.

Já ganhou, já perdeu, e ainda está aqui com muita fé.

Eu amo conviver com essa pessoa maravilhosa e tê-la em minha vida.

Para o mundo ser melhor essa pessoa nunca poderia ser deixada de lado.

Ela é a pessoa mais importante da sua vida.

Adivinha quem é?

 (A reação de cada um ao se ver no espelho)

Alda M S Santos

#carinhologos

Enigmas

ENIGMAS

Sou feita de barulhos e de silêncios

Ora sou um, ora sou outro

Ambos necessários em mim…

Há quem goste dos barulhos

Há quem prefira os silêncios

Há quem não compreenda nem um, nem outro

Há quem desperte barulhos intensos

Há quem provoque silêncios profundos, tranquilos ou dolorosos

Há quem não saiba lidar com nenhum dos dois

Há quem consiga fazer a travessia de um para o outro

Sou feita de contrários, de antagonismos

E nessa luta frenética em mim

Vou desvendando meus enigmas

Tornando-me mais eu…

Alda M S Santos

Acendendo nossa luz

ACENDENDO NOSSA LUZ

Dons que todos temos, mas que pouco desenvolvemos

Acender ou apagar, ligar ou desligar

A energia necessária para viver e fazer nossa luz propagar

Uns encontram uma faísca de luz num completo breu

Outros apagam até um holofote

Uns transformam nossos cacos de vidro em diamante

Nossas pedras em ouro, nossas dores em esperança

Outros, apagam nosso sorriso com críticas, veem nossa alegria como algo irritante

Uns buscam o que há de bom até nos defeitos

Outros, ao contrário, querem, a todo custo, encontrar o que há de ruim nas qualidades

Na triste incapacidade patológica de verem qualidades em si mesmos

Tentam também não enxergá-las nos outros

Pior, enaltecem apenas o ruim dos demais e até de si mesmos

Visam apagar tudo que o outro tem e o faz um ser único, especial

Inconscientemente, acabam apagando a própria luz

E, talvez, um possível gerador de luz e brilho que o outro poderia vir a lhe ceder…

Alda M S Santos

O máximo

O MÁXIMO

Ser “o máximo”, ou identificar o máximo em alguém,

É uma questão de perspectiva, de percepção

De referencial, de pontos de vista, de preferências

Ou de amor…

Podemos ser o máximo para uns, o mínimo para outros

Podemos ser o máximo ou o mínimo até para nós mesmos

Dependendo do momento ou da situação

E, por mais que dermos de nós mesmos,

Sempre será pouco para alguém, para algumas pessoas

Sempre haverá quem não saiba valorizar, identificar o que de bom recebeu:

O máximo de alguém…e deixou ir embora

Em contrapartida, para outras, um mínimo de nós ou delas é o bastante

Para fazê-las felizes, para nos fazer felizes

Isso não é se contentar com pouco

É saber identificar o que é precioso, gratuito

Verdadeiro, imprescindível, único

Para poder corresponder com o nosso máximo, e conservar…

Alda M S Santos

Em casa

EM CASA

Sinto-me em casa quando posso ser quem sou

Sem constrangimentos, andar descalça, descabelada, ou não

Nua em pelo, de corpo e alma

Ou num moletom desbotado e nada sexy

Sem temer julgamentos ou represálias, sem falsos pudores

Com a certeza de ser aceita como sou

Dizer tudo que aprouver, ouvir sem resistência, com prazer

Ou silenciar, sem causar lacunas desagradáveis

Usar aquele baby-doll confortável que mais parece um abraço

Aqueles chinelos gastos como as memórias

Ouvir e cantar a música preferida bem desafinada, não importa

Esparramar na rede, ler um bom livro,

Entregar-me às boas memórias, às saudades, aos sonhos

Assistir um filme no sofá com um pote grande de pipoca

Ouvindo a chuva cantarolar feliz no telhado

Numa sintonia perfeita com minha alma

Aceitação total de quem sou, sem amargar culpas

Aceitando as pedras que aparecerem como oportunidade de superação

Sem ferir ou machucar ninguém, ajudando, se possível

Sabendo que Alguém lá em cima me ama e olha por mim

Isso é estar em casa!

Qualquer lugar ou pessoa que nos faça ser ou sentir diferente disso

São, no máximo, tolerados…

Estar em casa é um estado de espírito de graça

De simplicidade, harmonia e paz…

Alda M S Santos

Flertando

FLERTANDO

Viver na superfície, sentado num banco, confortavelmente

Observando as belezas à nossa volta, nada a nos surpreender

É uma opção suave e tranquila de vida…

Viver no entorno, entrar na mata, nadar nas lagoas, enfrentar espinhos

Pescar, refrescar a si e aos outros

É uma opção mais ativa, porém, mais riscos…

Viver de mergulhos profundos, buscando sempre o novo

Esbarrando nas paredes mais escuras do lago

É uma opção mais complicada!

Nós somos esse lago atraente, convidativo

Só nos conheceremos a fundo se mergulharmos

Nas profundezas obscuras de nós mesmos

Se flertarmos conosco, desvendarmos nossos mistérios sem medos

Em busca do melhor que pudermos ser,

Para nós, para os outros,

E sermos mais felizes…

Alda M S Santos

Aquela que passa

AQUELA QUE PASSA
Aquela que passa pode não ser o que você vê
Ora alegre, apressada, andar sensual
Ora compenetrada, sorridente, simpática, atenciosa,
Outra vez desligada, distraída, alheia a tudo, noutra dimensão
Pode ainda ser leve, em paz com a vida, consigo mesma,
Ou triste, cabisbaixa, solitária, perdida, querendo sumir
Ela pode não ser o que você vê
Mas o que prefere que você veja naquele momento
Ou talvez seja aquilo que não conseguiu esconder…
Aquela que passa pode não ser o que você vê
Ou talvez até seja, mas você nunca irá saber
Pois até mesmo ela ainda se perde nas muitas de si mesma
Provável que todas lá dentro sejam verdadeiras, buscando equilíbrio
E, no meio de tantas, almeja se encontrar
Aquela que passa pode não ser o que você vê
O que se passa dentro daquela que passa, só ela sabe
Aquela que passa pode não ser o que você vê
Mas é o que ela, autêntica, consegue ser…
Alda M S Santos

O que que a mineira tem?

O QUE QUE A MINEIRA TEM?

Um dia Caymmi perguntou:

O que que a baiana tem?

Tem acarajé, vatapá, tapioca e caruru…

Será que sabe responder:

O que que a mineira tem?

Tem pão-de-queijo, frango com quiabo, canjiquinha, queijo com goiabada…

O que que a baiana tem?

Tem gingado, tem pimenta e tem sabor…

O que que a mineira tem?

Tem carinho, tem jeitinho acanhado e tem calor…

O que que a baiana tem?

Tem mar que vem do horizonte,

Tem orixás e Senhor do Bonfim…

O que que a mineira tem?

Tem cachoeira que nasce na serra, escorre nas pedras

Tem uma fé em “Nossinhora”…

Mas o que que a baiana tem?

O que que a mineira tem?

Ânsia de viver, muito a oferecer à vida, ambas têm!

Oxente! Melhor deixar escondidinho…

Porque nem tudo é pra todos saberem, uai!

Mas, misturando as duas é um trem doido, “bichin”…

Alda M S Santos

Em casa

EM CASA

Verdadeiro fascínio, admiração, encanto pelas árvores

Preciso delas para viver

E não me refiro a oxigênio ou alimentação

Tenho necessidade emocional

Posso ficar horas sob algumas

Apenas a observar os detalhes, o movimento

E não há nenhuma que não me desperte o desejo

De subir, escalar seus galhos e troncos

Se um dia eu me perder,

Física ou emocionalmente de mim mesma,

Que seja entre árvores frondosas,

De alguma forma estarei em casa…

Alda M S Santos

Apelidos

APELIDOS
Apelidos podem ser marcantes
Quase sempre o são, sejam os carinhosos, pela delicadeza
Sejam os depreciativos, pela crueldade
Tanto faz se colocados pelos pais, amigos ou amores
Inimigos ou desafetos quaisquer
Doçura, princesa, gata, sapeca, anjinha, fadinha
Expedita, encrenca, pequena, “aldaciosa”
Baixinha, pretinha, branca, vida…
Príncipe, gato, amor, rei, anjo, tesouro, preto…
Sempre nos remeterão a alguém ou alguma situação
E nos levarão para lugares revisitados dentro de nós…
Alda M S Santos

Bagunça em mim

BAGUNÇA EM MIM

Há dias que estou tão bagunçada

Como aqueles jardins em que todas as flores disputam espaço

Perfumes, cores e formas se misturam…

Como um quarto de adolescente com livros, eletrônicos, roupas, calçados e pratos e talheres para todo lado

Nada se encontra ali…

Como uma criança numa loja de brinquedos deslumbrada com tudo, quer tudo

Não consegue se decidir…

Quando a bagunça é muita, não basta uma faxina

Precisa reorganização total e alguns descartes

Minha casa anda tão bagunçada,

Que tropeço em mim mesma, caio, machuco, choro,

Quase desisto! Quase!

Alda M S Santos

Devolve meu interruptor

DEVOLVE MEU INTERRUPTOR

Há caminhos que trilhamos sozinhos

Entre luzes e sombras

Precisa ser assim!

Apenas nossa luz interior o ilumina

Mas é necessário ficarmos atentos.

Para não caminharmos na escuridão,

Precisamos tirar o interruptor das mãos dos outros.

Nossa luz precisa depender mais de nós mesmos!

Alda M S Santos

Retirando camadas

RETIRANDO CAMADAS

Muitas vezes precisamos retirar todas as camadas

Que recobrem nossa mente, nossa alma

Como alguém que retira peça por peça de roupa

Inclusive as íntimas, totalmente despidos

Para ficar mais leve na balança

Com menos pesos adicionais.

São muitas as coisas que podem pesar:

Culpas, fracassos, sonhos perdidos, desejos impossíveis.

Ainda que seja apenas na frente do próprio espelho

É preciso começarmos a nos despir

Retirar tudo, jogar no chão, deixar lágrimas rolarem

Mostrar nossa verdadeira face para nós mesmos,

Antes da coragem de mostrá-la ao mundo

Ou não!

E nos sentirmos verdadeiramente leves…

Alda M S Santos

Irrigando com lágrimas

IRRIGANDO COM LÁGRIMAS 

Todo jardim precisa de água, sol e cuidados 

Como levamos tudo isso para nossos jardins internos?

Sol, levamos com sorrisos e carinhos

Cuidados, levamos com amor e amigos

Uma dúvida surge: como irrigar? 

Água das lágrimas servem para irrigá-los? 

Ou acabarão por matá-los?

Alda M S Santos

Autoproteção

AUTOPROTEÇÃO

Somos uma “máquina” inteligente

Cuja essência é a autoproteção

A preservação da vida

A saúde física e mental

À nossa revelia ela age, reage

Luta ou se recolhe 

Quando entendemos isso,

Paramos de lutar conosco mesmos,

E deixamos nossa inteligência

Emocional, racional ou “irracional” agir,

Lavar corpo, mente e alma.

Há tempo para tudo no nosso interior…

Observar isso leva-nos ao autoconhecimento,

Leva-nos à vida plena!

Alda M S Santos

Ultrassensível

ULTRASSENSÍVEL 

Aqueles dias que você sente que bastariam

A última gota d’água

Uma única faísca

Uma simples palavra 

Um breve olhar

Um suave toque, 

Um abraço singelo,

Para você: 

Cair no choro, na gargalhada

Querer sumir no mundo, desaparecer,

Explodir de raiva 

Alegria ou prazer…

Alda M S Santos

Melhor companhia do mundo

MELHOR COMPANHIA DO MUNDO
Viver é a habilidade de nos refazer sempre
Curtir cada momento, eternizando-os
Ou transformando-os em algo tolerável,
Que não nos machuque, não nos domine.
Viver é a capacidade de mergulhar em todos os sentimentos,
De neutralizar alguns, refazer outros, transformar outros tantos.
É manter-nos de pé, enquanto a roda da vida gira forte
Ou levantar, quando cair, mesmo que ainda tonto.
Viver é, principalmente, quando se está no chão, sofrido,
Ainda ser capaz de estender a mão e ajudar.
Viver é saber valorizar as companhias que se tem, todas elas,
Mas, essencialmente, estar acompanhado, ainda que só,
É encontrar em si mesmo a melhor companhia do mundo.
Alda M S Santos

Original

ORIGINAL

O que é ser diferente, ser original?

É se destacar entre iguais?

Quem determina o que é igual ou diferente?

Quem estabelece o que é original e o que é comum? 

Depende sempre do referencial de cada um.

Pode-se ser muito original para alguém,

Muito comum para a grande maioria. 

O temível e terrível é estabelecer valores, 

Melhores ou piores, pelas diferenças que se percebe.

Todos podemos ser diferentes ou iguais, depende sempre do olhar que nos observa! 

Vale mesmo é ser autêntico, respeitar a si mesmo, sem desrespeitar os demais.

E sempre consideraremos especiais quem nos admirar da forma que somos. 

Alda M S Santos

Espelhos

ESPELHOS
Nossa vida parece aqueles espelhos de parque de diversões.
Aquele que chamam Palácio do Riso.
Onde aparecemos distorcidos: muito gordos, muito magros, deformados, superestimados…
Sorrimos, nos divertimos.
A diferença é que aqui fora não tem graça.
Esses espelhos que tanto nos distorcem são os olhares que recebemos.
Olhares que nos enaltecem, que nos depreciam,
Que nos fazem melhores, esperando muito de nós.
Ou que nos fazem piores, nos desencorajando.
Quando encontramos um olhar real, verdadeiro, até estranhamos.
Queremos guardar esse espelho só pra nós.
Espelho, espelho meu, existe alguém mais tola do que eu?
O segredo é fazer da vida nosso palácio do riso
E sorrir, sempre…
Até encontrar um espelho fiel!
Alda M S Santos

Nossa luz

NOSSA LUZ

A luz que brilha em nós

Ou as sombras que a interceptam

Só nós permitimos que se apaguem

Só nós podemos fazê-las voltar a brilhar. 

Alguns podem até tentar,

Mas só conseguirão se autorizarmos

Ou dermos licença para tal.

A força que brilha em nós 

É forte e soberana, 

Sempre terá supremacia!

Alda M S Santos

Nude

NUDE
Em tempos de nudes, quase tudo se vê, nada se imagina.
Corpos nus, bronzeados, “bombados” e “preenchidos”.
À mostra, na vitrine, expostos para deleite, quase uniformes.
Competição acirrada, muitas ofertas, grandes negócios.
E se a nudez solicitada fosse a da alma?
Haveria tanta oferta, tanta competição?
Almas escondidas, vazias, murchas, quase inexistentes.
Onde poderiam ser bronzeadas, bombadas, preenchidas?
Lugar algum!
Alma não aceita acessórios ou aditivos.
Alma simplesmente é! Como a natureza!
E há muitas almas lindas escondidas em corpos nada uniformes por aí.
Procurando é que se acha!
Alda M S Santos

Coragem

CORAGEM
É preciso coragem para ser autêntico
Para se assumir como é, para se amar.
É preciso coragem para dizer, mesmo sem palavras,
A alguém que se ama: “eu sou assim”!
“Será que tem coragem para me amar assim?
Ou se acovarda e se esconde em medos,
Em padrões pré-estabelecidos
Que já provaram nada valer”?
É preciso coragem para crer, aceitar
Que não existe um único e correto modo de ser,
Que existem infinitas maneiras de ser gente,
De ser e fazer feliz!
A vida exige coragem!
Alda M S Santos

O prazer de aprender

O PRAZER DE APRENDER
Em casa, na escola, na igreja
No trabalho, num lar de idosos
Não importa onde ou quando
Com 8, 18 ou 80 anos,
Descobrir as letras, alfabetizar-se,
Aprender sempre será uma descoberta prazerosa
Presenciar esse prazer é extasiante.
Alda M S Santos
#carinhólogos

Amar é…

Amar é…
Desafiar a lei da gravidade
É viver em constante suspensão
É tornar o sonho, realidade
Ignorando a força que vem do chão.
Alda M S Santos

Soltemos as amarras

SOLTEMOS AS AMARRAS

Quando me sinto frágil e incapaz, pra baixo, sempre me lembro daquela história de um elefante preso pelo pé por uma corda a um tronco fraco. 

Todos se admiravam dele não se libertar dali. 

Desde pequenino foi colocado lá, preso.

Tentou sair inúmeras vezes e não conseguiu. 

Forças esgotadas, resignou-se.

Perdeu a crença em si mesmo. 

Cresceu, mas a corda e o tronco permaneciam os mesmos. 

Poderia arrancá-los num único movimento, mas perdeu a fé em sua capacidade. 

Sequer tentava mais. Acreditava que a corda e o tronco eram invencíveis.

Precisamos analisar se o que nos limita é real ou forte o bastante.

Se o inimigo é mesmo tão poderoso e assustador.

Há pessoas e situações que nos colocam uma corda, um tronco. Minam nossa fé em nós mesmos.

Fazem com que desacreditemos na maior mola propulsora que existe: a autoconfiança. 

Alguém pode nos alertar, mas só nós mesmos podemos fazer o movimento para arrancá-las! 

Soltemos as amarras! 

Que o voo seja livre e leve! 

Alda M S Santos

Sentinelas

SENTINELAS

Reclamamos muito dos juízes e carrascos da vida, que não são poucos!

Porém, muitas vezes, somos nós mesmos que nos julgamos, condenamos e executamos a pena: juízes, jurados e carrascos.

Por medo, preconceitos, desconhecimentos, falta de habilidade ou tato, por preguiça ou covardia, nos excluímos da vida.

Aquele curso, trabalho, empreendimento, ou proposta interessante que recusamos.

Uma atividade física que melhoraria nossa saúde e humor e não fazemos.

Uma viagem, um passeio, um convívio familiar dos quais não tomamos parte.

Novas amizades ou amores que abrimos mão, que fugimos, julgamos não merecer.

Nós mesmos abrimos mão, desistimos de algo que nos faria apenas o bem.

Somos nós mesmos, com nossa mente conturbada e volúvel, ora leão feroz e corajoso, ora ratinho amedrontado e covarde, que fazemos os caminhos de nossa vida.

Muitas vezes nós, como carrascos, não matamos de imediato, apenas somos sentinelas da cela nas quais nos colocamos.

Alda M S Santos

Diante do espelho

DIANTE DO ESPELHO

Diante do espelho eis a questão:

Quem é essa que me retribui o olhar?

Que olha além do brilho úmido, do tom castanho?

Dos cílios negros, do piscar intermitente?

Que tenta atravessar, ver em 3D, do outro lado?

O que vê? O que quer? Do que precisa?

Corajosa, mantém o olhar fixo em mim.

Mergulho profundamente, navego ali, temo me perder.

Vasculho recantos escondidos, cutuco pontos doloridos

Áreas obscuras, fechadas, há muito trancadas.

Retiro descartes jogados num canto, recupero itens da lixeira,

Troco “objetos” de lugar, demoro-me junto a alguns sentimentos

Sento, converso com eles, negocio, tento compreendê-los,

Aceitá-los, aproveitá-los, reativá-los ou descartá-los.

Tanta gente que já se foi e está ali. Reencontros, sorrisos. Para sempre serão amadas.

Vejo muito, vejo tudo, entendo tanto!

Hora de voltar!

Ela continua a me olhar. Lágrimas escorrem ali…

Lubrificaram o caminho difícil.

 Encaram-se. Sorriem.

Não foi difícil encontrar o caminho de volta.

Bastou seguir o amor, como migalhas de pão, deixado nas trilhas.

Apesar de tudo, são vitoriosas.

Lembram de um verso que leram:

  “Perdoa o que tiver que perdoar, abrace o que tiver que amar e o resto deixa, que a vida se encarrega de afastar”- (Tati Zanella)

Ou trazer de volta. 

Alda M S Santos

Ventos

VENTOS

Uma brisa, um ventinho leve, uma ventania

Aprecio seus efeitos estimulantes ou calmantes.

Se felizes, senti-lo na pele é extremamente prazeroso.

Causa euforia, animação, energia.

Se tristes, tem o poder de relaxar, de acalmar.

Um desânimo, uma alma angustiada, um coração apertado

Uma saudade, uma mente inquieta, um corpo cansado…

Na sacada, no alto de um prédio,

No alto de uma montanha, sentados na relva.

Na rede, na varanda, de madrugada, olhando a lua

Pedalando furiosamente numa estrada qualquer

Numa motocicleta, sem capacete, com cuidado.

No lombo de um cavalo trotando em trilhas na mata.

Num carro, vidros abertos, música alta, velocidade máxima…

Apertando o pé e seguindo em frente.

Sentindo o vento secar as lágrimas insistentes

Desarrumando os cabelos já rebeldes.

Levando embora o que é ruim, trazendo o que é bom!

Arrumando as gavetas da alma e do coração…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: