Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

A cada um

OBRIGADA A TODOS!

A CADA UM

Desejo a vocês a leveza do voo de um beija-flor
A suavidade e beleza da borboleta e sua cor
Que sejam atraídos pela natureza, para o amor
E que a vida seja sempre um colo acolhedor

Desejo a vocês o acalento de uma amizade
Que jorre como águas de uma  cachoeira
Que chegue de mansinho e pouse a felicidade
Que perceba, receba, aceite, não dê bobeira

Desejo a vocês a alegria, paz e satisfação
Que recebi com cada cuidado, cada emoção
O pulsar forte e animado de um coração

Desejo a vocês que de mim se lembraram
Por aqui passaram e fizeram meu dia feliz
Que tudo volte em dobro, que  crie raiz

Alda M S Santos

Um doce e suave pouso

Meu dia muito especial

MEU DIA MUITO ESPECIAL

Hoje é um dia pra mim especial
Dia de sentir que viver é privilégio
Dia de festejar e a vida agradecer
Dia de olhar para caminhos percorridos
Tantos obstáculos já vencidos
Tanta bênção, tanta luz, tanto amor recebido
Dia de rememorar, colocar na balança o aprendido
Dia de buscar em mim o que é valoroso
Esquecer o que machuca, é doloroso
Dia de desejar que ainda haja muito pra ser vivido
Dia de acionar a mente, o coração
Num momento só meu ser paz, reflexão, gratidão
Não é tempo de calcular, indagar
É tempo de amizades e amor comemorar
É tempo de me alegrar, valorizar
Lançar lá na frente o olhar, devagar
É sentir que viver é bênção
Isso é aniversariar…
Sou feliz por ter vocês e fazer parte desse lugar

Alda M S Santos

Que é felicidade?

QUE É FELICIDADE?
Que é felicidade?
Será abrir portas e escancarar janelas no muque
Conquistar espaços e corações com a força do desejo?
Que é felicidade?
Será quando os planos do universo coincidem com os nossos
E tudo se encaixa perfeitamente?
Que é felicidade?
Será quando deixamos tudo acontecer à nossa revelia
E vamos nos encaixando às brechas que nos cabem?
Que é felicidade?
Será a gratidão de aceitar o que a vida nos oferece
Sendo luz, amor, carinho, sem reclamar?
Que é felicidade?
Será quando nos entregamos nas mãos de uma Força Maior
Que nos rege e nos aponta a direção a caminhar?
Que é felicidade?
Será amar, nunca desistir e sempre, sempre prosseguir?
Que é felicidade?
Alda M S Santos

Somos fortes

SOMOS FORTES
Quando a gente ouve ou diz “você é forte, vai superar, isso vai passar”
Não quer dizer pouco caso com a dor ou sofrimento do outro
Quer dizer, quase sempre, “sei como é isso, uma hora há de passar”
Ainda que quem diz não tenha superado nada
Apenas tem tentado seguir a vida
Aprendendo a cada passo do caminhar, sozinho ou não
Que não é fingindo que a dor não existe
Ou engolindo o choro, tampouco se escondendo do mundo
Que tudo irá se encaixar…
Enfrentar o que fere e sangra dentro de si
Fazendo curativos de fé, usando compressas de amor
Tendo esperanças em dias mais amenos, apagando pesadelos, ativando sonhos bons
Evitando culpas, recriminações e autopiedade excessivas, confiando em si mesmo…
Isso fará o sol voltar a brilhar um dia
Isso é ser forte!
Essa capacidade de resistir todos temos
Chama-se sobrevivência e é forte em todo ser vivo
Apenas oscila e tem botões acionadores diferentes…
Somos fortes! 😇🙏
Alda M S Santos

Essa gente simples

ESSA GENTE SIMPLES

Em cada cantinho um gesto dessa gente
Que mostra a simplicidade no jeito de ser gente
O jeitinho de sorrir e cumprimentar
A doçura do olhar e o modo de prosear
A disponibilidade sempre em ajudar
Podem estar lavando a toalha na pedra
Trançando os cabelos sentada no quintal
Dependurando roupas no varal
Ou servindo um almoço caseiro pro pessoal
Nunca deixam de atender aquele que chega
Abrem as porteiras da sua fazenda
Oferecem um pouco de sua merenda
Deixam você colher jabuticaba no seu terreiro
Pegam a escada, nada cobram, seria um exagero
Essa simplicidade no agir que encanta
Que faz dessa alma simples e acolhedora
A beleza dessa terra e dessa gente encantadora
Quanto mais simples, mais humilde, mais se doa
Deus colocou nesse cantinho só gente boa…

Alda M S Santos

Amor, amar

AMOR, AMAR

Há vários tipos de amar
Mas o amor é um só
E o mais lindo jeito de amar
É aquele que sabe cuidar

Amor sorriso, luz, amor anseios
Amor pele, sonhos, amor abrigo
Amor de esperanças e desejos
Amor que se faz amigo, afasta o perigo

Amor que se entende num olhar
Amor que se eterniza no silenciar
Amor que busca na saudade um bom lugar

Amor natureza, beleza, intensidade
Amor em qualquer idade, sem maldade
Amor que faz da vida sua verdade….

Alda M S Santos

Em cada quarteirão

EM CADA QUARTEIRÃO

Uma igreja em cada quarteirão
Mostram a fé do povo, a devoção
Cada uma mais bonita, algumas centenárias
Com seus altares  e torres, muitas luminárias
Umas enormes, basílicas, outras capelas
Em cada coração brota uma prece singela
São histórias de um povo, de uma nação
Que teve sua base marcada na fé, na religião
Naquela imposta por medo, ou não
Assim as cidades foram crescendo
Em torno de suas igrejas, capelas e catedrais
Belos altares, ornamentos, paramentos e vitrais
A vida segue no seu entorno, rica ou pobre
Dos fiéis mais plebeus aos mais nobres
Bom mesmo, de verdade, é ser igreja
Carregar em si o amor e a bondade
A compaixão, a caridade e a solidariedade
Em cada esquina,  em cada quarteirão,  para cada irmão…

Alda M S Santos

O verso e o reverso

O VERSO E O REVERSO

Cada qual faz uso daquilo que possui
Uns usam o grito, a oração, a canção
Há quem faça uso do silêncio que intui
Vale tudo se for boa a intenção

O poeta tem papel de suma importância
Cabe a ele espalhar beleza, leveza, alegria
Também denunciar o mal, a intolerância
Lançar mão do amor, da magia, da poesia

Há quem diga que isso é utopia, tá falido
Que não há mais jeito, tudo bandido
Que esse mundo já era, tempo perdido

Prefiro acreditar no poder do verso
Da voz que se expressa no reverso
Do amor que insiste em ser a luz do universo

Alda M S Santos

Pinguela

PINGUELA

Quem tem medo de atravessar a pinguela?
Não há outro modo de chegar do outro lado
O jeito é atravessar essa instável passarela
Balançando para lá e para cá
Sentindo-se flutuar, a cabeça a girar
Lá vem ela querendo passar
Mas a coragem é pouca, não dá
A mão sua, coração palpita, mente aflita
Olha para frente,  para trás
Fica com a tez pálida, amarela
Tão longa e estreita é essa pinguela
Quase trava no mesmo lugar
Sua frio, olha o rio corrente lá embaixo
Os outros dizem “não pode olhar para baixo”
Não adianta, lembra da avó que nunca passou numa pinguela
Entende a situação da avó, faziam pouco dela
Deixa pra lá… há outras passarelas para desfilar
E quem não souber entender ou esperar
Que volte para o lado de cá
Ou que vá sozinho para o lado de lá
Cair dali ou empacar é que não dá…

Alda M S Santos

Coexistência

COEXISTÊNCIA
Vida e morte, morte e vida
No mesmo espaço, no mesmo cacho
Coexistência…
Fases de um viver, circularidade do existir
Por que tanta resistência em aceitar um partir?
Doloroso, fere fundo
A saudade que fica é paradoxal
Alimenta a ausência, machuca
Mas da vida é prova cabal
Quero a vida que há mesmo na morte
Aquela que nos deixa mais forte
E confiantes num poder maior
Num porvir que justifique esse existir
Saudade…
De tudo que partiu
De tudo que morreu em mim
Para mim
Saudade…
Um dia nos encontraremos
Em qualquer lugar, noutro plano
E, enfim, entenderemos…
Alda M S Santos

Aldá-cia

ALDÁ-CIA

É preciso um pouco de audácia para viver
Aldá-cia para enfrentar os medos,
Aldá-cia para nadar contra a corrente
Aldá-cia para seguir em frente

Aldá-cia nos faz acreditar no caminhar
Ter ânimo para o novo explorar
Não desistir quando a fragilidade surgir
Saber que na vida é preciso seguir

Aldá-cia é em nós a dose de ousadia
Que sonha o que se quer, fantasia
E conquista o desejado, alegria

Aldá-cia leva-nos a um novo patamar
De esperança e luz em qualquer lugar
Crendo sempre que há um Deus a nos amparar

Alda M S Santos

Queda livre

QUEDA LIVRE

Se tem água, rio, mar ou cachoeira
Eu vou atrás, embrenho em trilhas na mata
Enfrento qualquer tempo ou adversidade
Só pelo prazer de ver aquele mundão d’água
Escorrendo nas pedras, queda livre
Lavando a fundo a alma da gente
Há total sinergia entre ela e eu
Respeito sua força, sua soberania
Não me canso nunca de admirar
Dali tiro boa parte de minha energia
Ao alto uma prece, uma oração
Por cada beleza a nós ofertada, gratidão…

Alda M S Santos

Voando na poesia

VOANDO NA POESIA

Bruxa ou fada, travessura ou gostosura
No sol ou na chuva, noite ou dia
Vale mesmo é afastar a amargura
E voar nas doçuras da poesia

A natureza oferece os ingredientes
A magia vem de dentro da gente
Uma boa mistura no grande caldeirão
Anima, alegra, faz feliz um coração

Um passeio dentro de você
Ora fadinha, ora bruxinha
Alegre e saudável brincadeirinha

A vida carece da paz e harmonia
Onde as mágicas poções trazem a fantasia
Para um viver de amor, luz, perfeita sintonia

Alda M S Santos

Uma fada, uma bruxa

UMA FADA, UMA BRUXA

Duas faces da mesma pessoa
Duas fases da mesma mulher
Uma fada ou uma bruxa
Cada qual conquista a que puder

Amor e carinho despertam a fadinha
Também a ternura, doçura, bom coração
Já uma certa malícia, rebeldia, boa briga, olhar de sedução
Acordam a bruxinha, muita emoção

Todas carregamos ambas em nós
Fadinha ou bruxinha, tanto faz
Com nossa varinha ou vassoura seguimos
Numa vida intensa de magia, amor e paz…

Alda M S Santos

Gotas de magia

GOTAS DE MAGIA

Em cada gota que cai estrondosa
Arrepia a pele, sensação gostosa
Vem do alto, como chuva de magia
Tantos pedidos surgem, agradável sintonia

Imaginação corre solta, cria lendas
Quantas delas vivem ali, sem contendas
Gnomos, bruxas, magos e fadas
A proteger a natureza tão amada

É um mundo encantado, de paz
Conexão, harmonia que a natureza traz
Em cada detalhe, um pedido, uma oração
Se analisássemos bem, só seríamos gratidão

Alda M S Santos

A Lua mudou

A LUA MUDOU
A coluna dói mais quando a Lua muda de fase
Se o tempo esfria, aquela dor crônica nas articulações piora
Se o joelho incomoda já sabe que vem chuva
A Lua Cheia inspira os amantes
A maré baixa causa indisposição
A natureza dando sinais no corpo
Ou o corpo buscando justificativa para suas alegrias e mazelas?
Chuva, dias nublados, Sol, Lua, estrelas
Belezas, dores e amores inspiram poetas
Ou sua inspiração que faz com que vejam tudo isso
Onde ninguém mais vê?
Transformam em poemas o que veem lá fora
Ou o lá fora apenas ativa, atiça o que já têm cá dentro?
O joelho dói porque vai chover
Ou vai chover porque o joelho doeu?
Qual a mudança na Lua lá em cima
Que sensibiliza poetas cá embaixo?
Que marés são capazes de virar nossos ventos internos?
Ou será que a sensibilidade está bem mais perto daqui
E a Lua é apenas a Lua, o mar apenas o mar,
O amor apenas mais uma dor?…
A Lua mudou…
Alda M S Santos

Quem planta sonhos

QUEM PLANTA SONHOS

Quem planta a dor, colhe tristezas
Mas quem rega a paz, colhe belezas
Quem planta sorrisos, colhe alegria
Quem irriga o amor, colhe harmonia
Quem planta e não cuida perde a colheita
Mas quem rega frágil semente a fortalece
E uma árvore frondosa e bela agradece
Plantações e colheitas nos rejuvenescem
Em águas mornas corpo e mente espairecem
Sonhar, plantar, colher, uma vida em prece
Nunca desistir de plantar, mesmo que sejam sonhos
Pois se quem planta vento colhe tempestade
Também é importante verdade
Que quem planta sonho colhe realidade

Alda M S Santos

É preciso viver!

É PRECISO VIVER!

Construir um caminho
E não seguir sozinho
Ainda que sair do ninho
Não seja tão bom, passarinho

É preciso viver!

Não dá pra ser o próprio algoz
Nesse viver, às vezes, atroz
É como ser rio sem foz
Um desejo calado, um amor sem voz

É preciso viver!

Afrouxar os muitos nós
Fazer amor, apertar os abraços
Transformar “eu” em “nós”
Derreter nos amassos, criar eternos laços

É preciso viver!

Alda M S Santos

É a vida

É A VIDA

Tá no ar, na brisa a suavizar
No coração que ora bate forte
Ou que tantas vezes parece parar
Querendo encontrar seu norte

Tá na flor, no perfume, no beija-flor
Na suavidade, na delicadeza, na cor
No sol que ilumina, que traz calor
No céu de Lua e estrelas, em todo esplendor

Tá no abraço, no beijo, no olhar
Na ânsia de ser feliz, de amar
No desejo de ser luz, ajudar

Tá dentro de nós, é inspiração
É luminosidade em toda escuridão
É a vida nos acolhendo em toda dimensão

Alda M S Santos

Sabedoria da flor

SABEDORIA DA FLOR

Para tudo que se deseja conquistar
Há meios e meios de se alcançar
Há quem use espinhos para se defender 
Outros a delicadeza para convencer

Nem sempre é certo que se chegará ao intento
Mas quem usa a sabedoria da flor a seu favor
Que quando mais apertada mais perfumada
Tem menos risco de sofrer nessa empreitada

Se há um caminho rápido, mais curto
Mas que põe a todos em surto, em exaustão
Não fará bem, será frágil competição

Se a estrada parece longa, demorada
Tente observar a natureza, a passarada
Algo de bom fará sua alma se sentir amada

Alda M S Santos

Num potinho

NUM POTINHO

Já pensou como seria bom
Se pudéssemos deixar num potinho
Bem fechado e guardadinho
Para ser acessado nos momentos de carência
Quando doer, machucar, for latência
Ou simplesmente quiser reviver
Um instante de alegria, de prazer?

Se o que machuca é a solidão
Você acessa no potinho um abração
Se o que incomoda é indiferença
Encontra no potinho amiga presença
Se há lágrima a atormentar
No potinho haverá sorrisos a resgatar

Um potinho bem especial
Nele nada ficará de mal
Ele será estoque de pureza, de lindeza
Fonte de energia, delícias da natureza
Não há maior e melhor riqueza
Joga-se fora o que for dor
Ali só delicadeza da flor, doçura do amor

Quero um potinho assim..

Alda M S Santos

Pão de meio

PÃO DE MEIO 

Pãozinho, “pão de sal”, pão de meio

Bisnaguinha, baguete, pão quentinho 

Duas crianças correndo no caminho

Daquela padaria que era sua rotina 

Uma paradinha e os nervosos dedinhos

Fazem um pequeno buraquinho 

Nas pontas do pão tão cheiroso

Morno, recém-saído do forno 

Fazem um oco no pão de meio

Que já não chega em casa tão inteiro 

Levadeza, sapequice, que a mãe finge não ver 

Pão com manteiga, com queijo 

Recheado de lembranças e esperanças

Lembram abraço, carinho e beijo 

Aconchego, família, colo, arrego

Acompanha uma história de vida 

De avós, pais, filhos e netos 

Escrita, sentida, falada ou declamada 

Guardada, reservada ou aos quatro ventos lançada 

É uma história de alimentos de amor

E o pãozinho sempre está ali 

Dando um toque de calor, de união e frescor…

Alda M S Santos

Desejos de amor

DESEJOS DE AMOR

De que se alimenta o amor?
Da imaginação, da saudade
Da alegria, da fé, da bondade
Dos doces sonhos de felicidade?

De que se alimenta o amor?
De atenção, de carinho, de sensualidade
De respeito, compreensão e amizade
Ou tudo isso faz parte da realidade?

De que se alimenta o amor?
De colo, aconchego e cobertor
De admiração, atração e calor?

Paira uma dúvida no pensamento
Amor se alimenta de desejos saciados
Ou o amor já é o próprio alimento?

Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com
Tarde de poesias -Desejos de.amor.

SEDUÇÃO

SEDUÇÃO

Um toque de sedução
Leve, irresistível, puro
Nos envolve em emoção
Seja na luz ou na escuridão

Como um sonho, vem suave
Aos poucos, devagarzinho
Nos abraça, nos acolhe
Nos aquece de mansinho

Logo é torrente, sensação
Como onda fria, intensa vibração
Nos encanta, nos invade
Forte, prazerosa, sem maldade

Pura sedução em forma de natureza
É vida, é prazer, é grandeza!
Entregue-se!

Alda M S Santos

Poema de amor

POEMA DE AMOR

É fácil falar de amor
Desde que também seja fácil amar
É sublime fazer poemas de amor
Se o coração estiver perfumado por essa flor
Basta fazer assim: feche os olhos
Deixe a alma livre a divagar
Não coloque freios, não deixe estacionar
Deixe-a ir para onde quiser voar
Fique apenas a observar seu doce imaginar
Onde ela suavemente irá pousar
Quando conseguir captar toda a singeleza de seu valsar
E o toque suave de seu olhar
Pegue a caneta e comece a versar
Só pare quando tudo no papel colocar
Aí seus versos românticos irão encantar
E talvez fazer alguém se apaixonar

Alda M S Santos
Sarau Meus versos românticos

As surpresas da vida

AS SURPRESAS DA VIDA
A vida todo o tempo a gente surpreende
Nem sempre como gostariamos, positivamente
Tantas vezes entristece, enraivece, esmorece
Crescemos quando aprendemos, dia a dia,
A aceitar e lidar corajosamente
Com os revezes e ventos contrários que ela nos traz
E até a sorrir e brincar na adversidade
Dançando na chuva, brincando nas poças d’água
Quando o sol se esconde, não aparece
Buscando uma sombra quando ele chega com total furor
E nos amolece de tanto calor
De nada adiantam a fúria, a amargura
Com o tempo aprendemos a colher frutos até nas desventuras
Sabedores que na circularidade do existir
Ora estamos em cima, ora embaixo
E dá para nos divertir aqui ou ali
Até chegar a hora de partir
Isso se chama maturidade
E não depende tanto da idade
Mas da sabedoria que cultivamos em qualquer realidade

Alda M S Santos

Poetar

POETAR

A habilidade de os sentidos apurar
Acionar até o sexto sentido
Nada perder, tudo captar no ar
Até o que parece falido

Ter um novo olhar, mais atento
Ativar olfato, audição, aguda percepção
Ter em si mesmo novo alento
Potencializar ainda mais a intuição

Entraves enxergar, parcerias buscar
Não querer sozinho caminhar
Será que isso é poetar?

O poeta Estevam Matiazzi disse que poetar é
“Transmitir angelicais inspirações”
Vou mais além: é receber, processar e repartir sensações…

Alda M S Santos

Só um dia de chuva

SÓ UM DIA DE CHUVA

Acordei com ela tamborilando no meu telhado
Janela molhada, embaçada, sabiá meio calado
Acho que ficou no ninho quentinho, bom namorado
O sol decidiu descansar, céu bastante nublado
Virei para o canto, sonolenta, me pus de lado
Tentando não me incomodar, peito apertado
Queria voltar a dormir, sonhar meu sonho abençoado
Daqueles que nos tiram do chão, nos fazem alados
O mundo se nubla lá fora, propõe recolhimento
Um tempinho para buscarmos abrigo na alma, discernimento
Entre poças d’água e ventanias internas
Encontrarmos nosso ninho, nossas cavernas
Ali ficar quietinhos, um tempo hibernando
Até abastecer toda a emoção para seguir caminhando
Com coragem, fé, vivendo, amando
Só mais um dia de chuva…

Alda M S Santos

A própria vida

A PRÓPRIA VIDA

Para uns, inspiração
Para outros, confusão
Alguns leem com a razão
Outros já sentem com o coração
E a alma de um poeta a versar
Segue organizando esse caos
Tentando fazer valer a pena
O que a pena nem sempre consegue registrar…

Para uns, encantamento
Para outros, fingimento
Finge que é feliz, finge que não dói
Que não se importa com o que se diz
Mas em tudo há deslumbramento
Pelo que vê, sente, ressente
E nisso tudo há muito contentamento…

Para uns, letras, versos, poemas
Para outros, um passatempo
Para o poeta, a própria vida
Um meio de viver com seu sentimento…

Alda M S Santos

O poeta maior escreveu

O POETA MAIOR ESCREVEU

“Falou em poesia, lembro de você”
Quer um elogio mais lindo que esse
Ser associado ao que de mais lindo há
Um bonito modo de na vida se expressar?

Poetas que vão nessa travessia
Pincelando em cada coração uma magia
Espalhando emoções, sentimentos
Fluindo alegrias, decantando sofrimentos

Você me lembra poesia
Poesia me lembra você
Sempre trazendo alento e alegria

Somos a mais bela e pura poesia
A luz brilhante que o Poeta Maior escreveu
E em alguns corações em versos floresceu

Alda M S Santos

Fome

FOME

Famintos por luz, por calor, por beleza
Famintos por simplicidade, por paz, por natureza
Famintos por um encanto qualquer, por magia
A vida vai se fazendo ora confusão, ora harmonia

Temos fome de atenção, de prazer
Temos fome de algo de bom fazer acontecer
Temos fome de carinho, de amizade
Temos fome de alegria, de felicidade

Nessa fome de aprender, de crescer
Buscamos matar a necessidade que nos faz viver
Vamos nos fartando nos momentos mais sublimes de nosso ser
E, saciados, sendo bálsamo, refrigério, enternecer

Alda M S Santos

A natureza

A NATUREZA

A natureza fala conosco todo o tempo
Usa de muitos recursos para se comunicar
É deslumbrante, fala de vida
Às vezes nos tira para dançar

Grita nos trovões, nas tempestades
Sussurra nas leves ondas do mar
Abraça-nos nos raios do sol escaldante
Acaricia dois corpos de amor ao luar

Como brisa em nossos ouvidos um canto entoa
Aquece nossa pele, doce verão
Ora nos refresca numa leve garoa
É sempre amor, não importa a estação

Nas águas de uma cachoeira
Ela mostra sua beleza, sua magia
E eu cá embaixo entendo, não dou bobeira
E logo registro a poesia…

Alda M S Santos

Faça três pedidos

FAÇA TRÊS PEDIDOS
Não encontrei a lâmpada de Aladim
Tampouco um gênio a me conceder três pedidos
Mas ele me disse: meu amor te concederá três desejos
Olhei para ele e não consegui identificar de onde o conhecia
Tinha um olhar terno de imensa bondade
Olhava fundo em meus olhos
Havia muito amor ali, parecia me conhecer até a alma
Eu não precisaria nada pedir
Ele chegou e me deu um longo abraço apertado
Daqueles que matam saudades seculares
“Este pedido não vale”- ele disse
“Não quero mais nada”- beijou as lágrimas que escorriam
Deu-me as mãos, levou-me com ele
Como se asas brotassem em mim
Voei alto, bem alto, tudo apreciando
Sentindo-me tão à vontade, total sintonia
Não havia medo, tampouco ansiedade
Sentamo-nos no alto de uma montanha
Da altura das nuvens, cachoeiras em cascata ao redor
Pássaros pousavam nas nossas mãos
“É sonho? Não quero acordar!”- afirmei
Uma veste branca, fina e leve cobria meu corpo
Balançava todo o tempo como um halo de luz
Eu flutuava, levitava, cheguei a uma imensa porta
Estendi as mãos para ele
“Não! Ainda não! Virei te buscar na hora certa”
Deu-me um longo beijo e me colocou de novo lá embaixo
“Siga seu caminho, você está indo bem”!
Falei que meu único pedido era ir com ele
“Ainda não é chegada a hora”
Soprou-me um beijo e sumiu…
Fiquei ali com meus três desejos
Fé, esperança e amor renovados…
O outro teria que esperar!
Alda M S Santos

Fazendo as pazes

FAZENDO AS PAZES

Somos a soma de tudo aquilo que vivemos
Das memórias que, querendo ou não,  cultivamos em nós
Mesmo aquelas que não gostamos de lembrar
Que gostaríamos de esquecer ou apagar
Que machucam, ferem, envergonham, são traumas
Tudo, tudo faz parte do que em nós há
Fazer as pazes com nossas memórias, com nosso jeito de ser
Viver feliz com as lembranças boas é importante
Mas estar em paz com nossos erros é fundamental
Um mergulho em nossas vivências nos faz nos reencontrar
Para podermos  a vida seguir e  melhor caminhar
Cada erro, cada acerto forma a liga de toda nossa estrutura
Eles precisam estar ali para nos manter de pé
Mas não precisam pesar ou doer, é preciso entender
São ressignificados em nós, mas não mais propulsores do viver
Mergulhar fundo,  buscar- nos sempre,  encontrar-nos, reconhecer-nos
Perdoar-nos, se preciso for, e seguir…

Alda M S Santos

Quero (re)escrever

QUERO (RE)ESCREVER

Quero fazer uso de um lápis mágico
Escrever, reescrever, desenhar, ilustrar
Uma vida cheia de sonhos para realizar
A cada traço do meu lápis mágico
Tornar o mundo mais belo e encantado
Nessa dimensão maluca poder girar, parar, descansar
Quando escrever amizade, poder unir amigos de qualquer idade
Se escrever cachoeira, logo estar banhando, sem bobeira
Se desenhar um jardim, sentir você perto de mim
Ao traçar uma rosa, nos envolvermos numa longa prosa
Ah, e se escrever amor, em qualquer cor
Que possamos ser doçura, intensidade, calor
Sem medos, sem culpas, sem pudor
Um lápis mágico que possa desenhar sem parar
E se errar, que possa redesenhar, sem magoar
Quero com meu lápis mágico traçar um destino
Navegar nele com alegria, mesmo em desatino
Não perder o norte, ser forte, suporte
Até reescrever o momento derradeiro da morte
Sabedora de que fui e fiz o que era preciso nesse plano
Voltar sem arrependimentos para casa…

Alda M S Santos
Tarde de poesias- Meu lápis mágico

Reencontro de almas

(RE)ENCONTRO DE ALMAS
Antes de virem para esse mundo
De um outro mundo bem diferente
Onde tudo é claro, nítido, sem subterfúgios
Será que as almas gêmeas ou afins
Fazem algum combinado para se reconhecerem por aqui?
Um olhar mais demorado
Um toque eletrizante, um poema emocionante
Talvez um sorriso sem igual
Ou até mesmo uma piscadela especial?
Um abraço mais demorado, um beijo assustado
Quem sabe uma palavra, como um código, abracadabra
Ou uma senha que só elas saberiam?
Poderia ser também um lugar marcado
Como uma cachoeira, local isolado
Onde se banhariam como no passado…
Saboreando sorvete no banco da praça
Na fila do cinema comprando pipoca, meio sem graça
Num hospital tomando uma injeção
Ganhando bala na festa de Cosme e Damião
Na igreja, na praia, na fazenda montada no alazão
Ou, simplesmente, no último lugar em que deitaram e rolaram
E, apaixonadamente, se amaram?
Penso que há sim esse código, senha
Ou seja lá como se chame
Se ficarmos mesmo atentos
Talvez a gente até possa ouvir os sinos
Ou os anjos dizendo:
“Até que enfim, sinto perfume de jasmim”!
Você já (re)encontrou alguma alma assim?
Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com

Caí no poço

CAÍ NO POÇO

-Caí no poço!

-Quem te tira?

-Meu bem!

-Seu bem é esse? É esse?

-Que você quer dele? Maçã, pera, uva ou salada mista?

E as crianças brincavam na rua, felizes, escolhendo seus “pares”

Ganhando beijos, abraços, apertos de mão

Sem saber que a brincadeira era “preconceituosa e sexista”

Que formava pessoas dependentes, inseguras e frágeis

Hoje, para ser politicamente correto, seria mais ou menos assim:

  • “Caí no poço!”
  • Tem certeza? Ninguém cai assim! Quem te jogou? Não aceite! Denuncie!
  • “Quem te tira?”
  • Seu “bem” que nada! Não dependa de ninguém, aprenda a se virar, empodere-se!
  • “Seu bem é esse?”
  • Nada isso! Você é seu próprio bem! Abra os olhos! Veja bem onde está se metendo! Não se iluda!
  • “Que você quer dele?”
  • O quê? Ninguém dá nada para ninguém! Devemos conquistar o que queremos e não esperar nada do outro, além de respeito!

Assim, o mundo vai ficando cada dia mais sem graça

Cessam as brincadeiras de rua, com amigos reais, que nos divertiam

Nos faziam crescer, nos ensinavam a lidar com diversidades e adversidades

E nos preparavam para enfrentar um mundo, cada dia mais chato e cruel

E não recebemos nada melhor em troca…

Com pretensões de não ser excludente, de se tornar mais justo e igualitário

O “novo mundo” exclui, e muito, nossa capacidade de lidar com ele

E com aqueles que o habitam, independente de gênero, cor, raça, cultura ou sexo…

-Caí no poço! Quero ajuda! Quem me tira?

E quero salada mista!

Alda M S Santos

Caí no poço

CAÍ NO POÇO

Paira uma certa angústia, ansiedade
Não se sabe bem de que, qual vontade
Apenas que é preciso seguir, ser liberdade
Ainda que de pensamentos e sonhos
Por um mundo mais justo, mais amoroso
Sem tanta injustiça ou desigualdade
Vontade de sentar num tronco de árvore
Conversar com fadas, duendes, anjos, borboletas
Ouvir o que tem a dizer a natureza
Banhar num riacho, na cachoeira
Captar um pouco dessa força e beleza
Sabedora de que ali irá encontrar
Como que por magia ou encanto
A fonte de luz e energia que afasta o pranto
Que abastece a alma de fé e esperança
E faz da vida uma paisagem de pureza
Acolhedora de todo aquele que em suas andanças
Busca um pouco de refrigério e descanso
Natureza é poço cheio de pura magia
Satisfaz toda e qualquer fantasia
Eu quero cair nesse poço!

Alda M S Santos

Dia dos professores

DIA DOS PROFESSORES
Ser professor é um desafio dos mais gratificantes
É ser transmissor de saberes, mas também de amor
É despertar desejos, é ajudar em sua realização
É plantar sementes em terreno macio e fértil
É também preparar terrenos mais resistentes
E contar que serão cuidados e irão florir
É dar afeto, acolher, aquecer corações
É lutar pela semente que não quer florescer
É continuar plantando, enquanto muitos dificultam a plantação
É se orgulhar das árvores frondosas e fortes que se tornaram
É perceber que a cada semente plantada e cuidada
Ela brota também dentro da gente
Cada dia mais linda…
É se emocionar diante de um beijo e de um abraço de gratidão
Daquele olhar feliz que diz “você foi minha professora”
Amo ser professora!
Alda M S Santos
Parabéns a todas(os) nós!
Alda M S Santos

Aos mestres com carinho

AOS MESTRES COM CARINHO
Neste deste dia que se aproxima, 15/10, a  homenagem vai para todos nós que escolhemos ser professores. Que investimos num sonho, estudamos e lutamos diariamente em meio a tantos percalços para transmitir conhecimentos a todas as crianças que nos são confiadas. Além disso, acumulamos as funções de educar para a vida, alimentar sonhos, criar esperanças, incentivar e encorajar a superação de obstáculos, possibilitar a realização de desejos num mundo injusto e desigual. Nesse dia especial,  apenas dois desejos: que a alegria de aprender e ensinar seja constante, e que as políticas de valorização do magistério sejam diretamente proporcionais à felicidade e gratidão que notamos nos olhinhos de nossos pequenos alunos. A todos os amigos professores, parabéns pela dedicação, coragem e por sempre acreditarem em dias melhores!
Alda M S Santos

Uma fada, um ogro

UMA FADA, UM OGRO

Uma fada invadiu suavemente meus sonhos
Brilhava, flutuava, chegava, desaparecia
Eu estendia os braços e ela a mim se unia

Numa brincadeira de luz e sombra, reluzia
Nesse constante vai e vem um ogro surgia
Amedrontada, frágil, ao lembrar dela me fortalecia

O ogro chegava, tentava, assustava
De gato e rato brincava, não agradava
Mas a fada sem medo se levantava, me ajudava

O ogro desistia, ia embora, se cansava
E para aquele mundo encantado eu voltava
Quase como uma só, a fada me acompanhava

No reino dos sonhos ela era parte de mim, me encorajava
Nenhum ogro mais se aproximava
Fugia daquela magia que até a ele encantava

Alda M S Santos

Escrever é…

ESCREVER É…
Aqueles que se dispõem a traduzir em palavras
Em versos ou prosa o que se passa dentro de si
Que tentam organizar ou dar sentido ao caos
Escritores, poetas, profissionais ou amadores
Quase sempre são acusados de excêntricos, introvertidos, superiores
Ou frágeis, confusos, donos da verdade, narcisistas
Encontraram, ou ao menos buscam, na verdade, um modo de abrandar, silenciar
Todos os barulhos que ecoam e carregam dentro de si
Caminhos que trafegam sozinhos na escuridão ou luz interior
Levando alguns leitores e seguidores afins a fazer o mesmo
Escrever não é um ato superior ou inferior a qualquer outro
Mas é, sem sombra de dúvida, um misto de prazer, alívio, dor, necessidade vital e coragem
Escrever é abrir porteiras e deixar a luz entrar, ou a escuridão sair, tanto faz
Escreve-se não para mudar o mundo, os outros, ainda que possa fazê-lo
Mas uma pequena tentativa, às vezes vã, de mudar a si mesmo…
Alda M S Santos

Mais colorido

MAIS COLORIDO

Quero pintar esse mundo doido, doído
De azul, vermelho, amarelo, rosa choque, toda a cor
Fazer um grande e bonito colorido
Quem sabe assim não ofusque todo dissabor?

Pincelar bem tudo que estiver desbotado
O abraço, o beijo, o cuidado, o olhar, o sorriso
Aquele de humor nublado, calado
E tudo o mais que for preciso

Quero levar a cor neon, brilhante
Numa grande paleta, uma aquarela
Ao idoso, jovem ou infante
Um abraço, um sorriso e uma flor amarela

A todos que precisarem dela…

Alda M S Santos

Amar é preciso

AMAR É PRECISO

Amar é preciso
Porque é preciso também viver
Amar é inerente a todo pequeno ou grande ser
Quem não ama, sofre, não vive
Passa por aqui num eterno padecer

Amar, dizem,  é coisa de gente corajosa
Que tem desejos de se misturar nessa prosa
Covardes não se metem nessa aventura
Têm medo, fazem inúmeras conjecturas

Amar é preciso, é fato
É um se doar intenso, belo ato
Melhor ainda quando há reciprocidade
Só perde quem não ama com vontade
Da infância à maturidade, em qualquer idade!

Amar é preciso!

Alda M S Santos

Menina grande

MENINA GRANDE

Fiquei tentando lembrar meus planos da infância
Quais eram meus sonhos, meus desejos
Se consegui realizar, não me decepcionar
Pensava em me formar professora
E me casar aos 20 anos, ter três filhos
Mas não era uma urgência, a vida seguia
O futuro estava tão longe, não me amedrontava
Penso mesmo que meus planos eram para o dia
O futuro não me ocupava tanto
Era mesmo o presente que me apetecia
O tempo passou, aqui estou
E percebo que uma diferença crucial entre infância e vida adulta
É o tamanho que o presente, o passado e o futuro têm na vida da gente
Criança sabe ser feliz por ter a maior medida no presente
Que é o que há de real ou de concreto
Quando perdemos essa medida essencial, sofremos
Ou não somos mais tão felizes…
É preciso que nos ocupemos mais do presente
Lembrando que somos crianças crescidas apenas
O futuro virá, e se tornará também um presente a seu tempo
Para o hoje é curtir o sol, até mesmo a chuva com bons amigos
Dormir, agradecer e acreditar que amanhã começaremos de novo
E brincar…nunca nos esquecer que na vida é preciso brincar!

Alda M S Santos

Vamos brincar?

VAMOS BRINCAR?
Dia das crianças chegando
Vamos brincar?
De bola, de pique-cola, de Maria viola
De finca, bolinha de gude ou mola maluca
Não importa, vale a diversão
Impera é o correr de pé no chão
Quer nadar no rio, escalar árvores, bambolear?
De cantigas de roda, esconde-esconde, gangorrar
Quer pedalar ou cair no poço
Quem te tira? Meu bem!
Pera, uva ou maçã, beijos ou abraços também
Pé de lata, pé de pano, sapatinho de algodão
Quem será a dona do seu coração?
Passando o anel, parando nas mãos de seu doce mel…
Vamos brincar?
De correr, de cantar, de dançar, de beijar, de amar…
De amar?
Sim, essa brincadeira é pra vida inteira
E como toda brincadeira boa
Não dá para brincar sozinho de qualquer maneira
Vamos brincar?
Alda M S Santos

Trajetórias

TRAJETÓRIAS
O destino é o mesmo,
Mas são tantas as trajetórias…
Longas, curvas, cheias de atalhos,
Alegrias, lágrimas, dores, saudades.
Muitos obstáculos, emoções, lutas…
Pequenas vitórias, enormes tropeços, grandes amores…
Valiosas lições, aprendizados ricos
Nas nossas, especialmente nas trajetórias dos outros…
Muitos milagres, bênçãos sem fim.
Tantas vezes estamos nas trajetórias alheias!
Podemos ser o amor, o sorriso, a lágrima
A alegria, o obstáculo
A lição ou a maior emoção.
Que saibamos deixar marcas eternas e positivas nos corações daqueles que tocarmos!
Alda M S Santos

Quisera ser rio

QUISERA SER RIO

Quisera ser rio que sabe que seu destino é o mar
Que segue sempre em frente sem se preocupar
Levando vida e alegria por onde passar
Por vezes, leva até destruição
Pra quem com ele não sabe lidar não…

Quisera ser rio e das pedras saber desviar
Obstáculos contornar, afluentes aceitar
Ora tormenta, ora remanso, calmaria
A sede matar, doces amantes banhar
Mas sempre seguindo rumo ao mar

Quisera ser rio, ser vida, em qualquer situação
Sendo a paz e o amor que o mundo necessita
Sabendo que sua força brota do chão, renovação…

Alda M S Santos

Histórias de amor

HISTÓRIAS DE AMOR

Há amor que começa de mansinho, outros de sopetão
Vai chegando devagarzinho e toma conta da emoção
As mais belas histórias que chegam ao coração
São envoltas por atração, deixam rastro de paixão

Há muito o que lembrar ou escrever
Vem do cantinho da alma, no fundo do ser
Passa para a tela, para o papel
Sempre haverá algo pra te levar ao céu

Bom esquecer se trouxe infelicidade
Se agradou e acabou ficou na saudade
Mas bom mesmo é matar a vontade

Muitas histórias podemos aqui registrar
Mas não serão tão belas e envolventes
Se não vivermos por amor, semeando a semente

Alda M S Santos

Nossos sonhos

NOSSOS SONHOS

Somos movidos por nossos sonhos
São eles que nos impulsionam
Nos empurram para a frente
São as asas que nos mantêm no ar
Quando tudo parece declinar

Somos movidos por nossos sonhos
São eles que nos fazem levantar
A cada dia ter mais garra, vontade de lutar
Ir em busca deles em qualquer lugar

Somos movidos por nossos sonhos
Eles crescem em nossos corações, adentram nossa alma
Criam asas, voam alto, invadem outros corações
E vivemos assim, plainando
Com eles nos atiçando

Somos movidos por nossos sonhos
Não importa se parecem impossíveis
Eles sempre nos parecerão cabíveis
Se um dia deixarem de existir
Já teremos deixado a vida de nós se esvair…

Qual sonho te impulsiona?

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: