Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Escolho o amor

ESCOLHO O AMOR

Num mundo tão dificil, complicado
Onde nossas escolhas envolvem tantas vidas
Implicando até mesmo no futuro ou passado
Não dá pra ser tolo, ficar alienado

Escolher entre o agir ou se omitir
Entre o sentar, ficar ou partir
Entre o se calar ou o amor gritar
Entre sorrir ou chorar, tudo irá nos afetar

As escolhas precisam ser conscientes
Entre muitas, ou não, sempre faremos uma opção
Envolvendo alegria, dor, esperança ou solidão

É preciso escolher a si mesmo, escolher o amor
Quem não escolhe amar a si mesmo primeiro
Não terá nada a oferecer a um terceiro

Alda M S Santos

Olhar sem vergonha

OLHAR SEM VERGONHA
Há olhos e olhos, modos e modos de enxergar
Já não notamos aquela nuvem que se modela,
A sombra engraçada à nossa frente
As flores viçosas naquele jardim na calçada cimentada
Um casal idoso de mãos dadas
Os olhares opacos de quem passa, o mendigo à margem
A pessoa ao nosso lado, as rugas no rosto de nossos pais
Se um observador atento diz “que lindo o dia”
Ainda pensamos, às vezes, “onde, tá louco”?
Sequer olhamos nosso próprio rosto!
Nosso olhar não se fixa mais, exceto no vazio.
Ou para recriminar e fazer críticas negativas
O feio está cada dia mais feio,
E o bonito tornou-se corriqueiro.
Acredito que precisamos “deseducar” nosso olhar,
Afastar a superficialidade, o ver sem ver.
Olhar sem vergonhas, sem princípios,
Sem direções, sem tutoriais, sem vícios.
Precisamos olhar com olhos infantis, olhos puros,
Olhos fixos, profundos e deslumbrados…
Olhos que descobrem, desvendam, olhos da alma.
Só assim, o muito visto, se nos apresentará como novo…
E encontraremos beleza em todos os cantos e recantos.
Alda M S Santos

Sem fronteiras

SEM FRONTEIRAS

Quisera romper toda e qualquer fronteira
Subir, escalar, derrubar, contornar
Não deixar que me limitem, não dar bobeira
Um multiverso de possibilidades a explorar

Quisera romper toda e qualquer fronteira
As impostas pelo medo, pela razão ou religião
Atravessar qualquer ponte ou trincheira
Para apenas poder ouvir as batidas do coração

Quisera romper toda e qualquer fronteira
Deixar a vida se impor, abrir a porteira
Ser nesse espaço livre a pioneira

Quisera romper toda e qualquer fronteira
Sendo alegre, sem culpas, faceira
Em busca de uma vida completa, mais inteira

Alda M S Santos

Sonhando

SONHANDO

Sonhou que brincava de flutuar
Era tão leve que as nuvens seguia
Encantada por poder voar para todo lugar
Dançava, girava, enfeitiçada pela magia

Sonhou que brincava de amar
Bailando faceira sob o luar
Olhos de amor intensos a brilhar
Ela era pluma, presa naquele olhar

Sonhou que a vida iria acabar
E ali que gostaria de ficar
Num mundo mágico a dançar e amar

O sonho acabou, ela acordou
Presa naquele mundo ficou
Ou será que o sonho continuou?

Alda M S Santos

Preste atenção

PRESTE ATENÇÃO
Olhe para o que te falta, busque
Mas veja aquilo que você tem de verdadeiramente seu
Olhe devagar, absorva o positivo, o divino
Preste atenção!
Inspire fundo, sinta o perfume doce da paz
Mesmo que precise inspirar muitas vezes
Sinta-se vivo! Preste atenção!
Olhe no seu entorno
Natureza viva, ar puro, brisa suave, calor humano
Entregue-se! Delicie-se!
Veja quem te estende a mão, quem te cuida
Quem te abraça, te acolhe, te ama
Quem reza por você, pensa em você
Quem sempre te coloca como prioridade
Preste atenção!
Veja com um novo olhar tudo aquilo que está dentro de você
Demore-se um pouco nesse olhar, tenha calma
Preste atenção! Sinta-se!
Ainda que seja apenas você mesmo
Olhe! Veja de verdade! Preste atenção!
E valorize! Valorize-se!
Onde você se encontra, também encontra Deus
A vida é aquilo que fazemos dela…
Alda M S Santos

Somos nós

SOMOS NÓS

Somos nós que podemos escolher
Aquilo que em nós deve prevalecer
Se deixamos a entrada livre, porta aberta
Ou se esperamos com calma a hora certa

Somos nós que damos permissão
A toda e qualquer invasão de emoção
Escolhendo o que em nós é melhor cultivar
Alimentando o que nos fará crescer, frutificar

Em nós pode haver embates
Lutas, vitórias, derrotas, empates
Que nossa alma seja forte, não se mate

Os ventos trazem de tudo sem piedade
Brisas leves ou fortes tempestades
Que prevaleça a liberdade com dignidade

Alda M S Santos

O poder

O PODER

Há poder num dia ensolarado
De encantar e se fazer admirado
Há poder num dia chuvoso
De ser nostálgico, meio dengoso

Há poder numa noite de amor
De reenergizar, aquecer, ser calor
Há poder numa amizade, na bondade
Aquela que traz aconchego, serenidade

Há poder no acolhimento, na empatia
Há luz, caminhos são vislumbrados
Num conselho há magia, sabedoria

Mas só nós podemos mudar nossa história
O poder de verdade está dentro da gente
Esperando para ser despertado e encarado de frente

Alda M S Santos

Pontes

PONTES
Pontes são convites, são chamados
Elos a permitir a ida de um lugar a um ainda não-lugar
Aquele que vemos apenas pelas frestas das persianas de nossa mente
Apresentar o desconhecido ao conhecido
Possibilitar o novo, encorajar
Passarelas ou pinguelas, as físicas ou as mentais
Assustadoras para muitos, paralisantes
Fundamentais para tantos…
Necessárias onde há falhas no caminho, obstáculos, interrupções
Rios, mares, montanhas, abismos
Aqueles da natureza ou dentro da gente
Não vale é ficar parado onde já esgotou possibilidades
Ou no meio da ponte a impedir o caminho dos outros
Ou ainda esperando até as forças faltarem para a travessia
Encontrar pessoas ponte, pessoas pinguela
A nos dar as mãos, acalmar nossos medos
Encorajar cada passo na pinguela
“Em frente, não olhe para baixo”
“Um passo de cada vez, tá quase lá, estou aqui”
São ouro num mundo tão cheio de muros…
Alda M S Santos

Deixe-se seduzir

DEIXE-SE SEDUZIR
Ela vem cheia de charme
Luz, brilho, cantos e encantos
Sedutora, tira você para dançar
Gira pelo salão, pelas ruas, na contramão
Sobe e desce, oferece flores, perfumes e delicadezas
Faz que vai, volta, te abraça
Você a segue no sol ou na chuva
Dia ou noite, cedo ou tarde
Anda sobre águas, mergulha, vai longe
Você quer fugir, às vezes, quer desistir, tem medo
Mas ela não deixa você se abater
Habilidosa, sabe de seu valor, sua supremacia
É soberana, poderosa, instintiva
E usa de todos os artifícios para manter sua atenção e desejo
Quer venha nua ou coberta de riquezas
Ela te vence, te embriaga, te encanta, te seduz
E você se entrega…
Ela é a vida, que nunca desiste de você
Não desista dela
Deixe-se seduzir…
Alda M S Santos

Só sei que dói


SÓ SEI QUE DÓI

Não dá para identificar ao certo
A dor está lá, crescendo, remexendo
Indefinida, dor de quê, em quê?
Dor da (in)existência, enfraquecendo

Aperta a garganta, parece que sufoca
Ora deixa lágrimas presas rolarem
De onde vem, fura feito broca
Excesso de passado, ausência de futuro?

Um presente de realidades meio indesejadas
Repleto de sonhos, desejos, anseios
Em corações e almas bastante alucinadas

É preciso sanar a dor, apagar essa sensação
De que tudo é meio impossível, em vão
Crer na cura no amor, na esperança, sem senão

Alda M S Santos

Errante

ERRANTE
Já sofri, já chorei, quis fugir, desaparecer
Já fui forte, frágil, ponte, muro, travessia
Já fui luz e sombra, frio e calor
Já fui arredia, também colo acolhedor
Já me doei, ja recebi, fui roubada
Andei meio perdida, desamparada
Amei e fui amada
Já fui arco-íris, céu azul, dia cinzento
Já fui falta e complemento
Já fui raiva, decepção, saudade e solidão
Fui também coragem, destruição, reconstrução
Não digo que nunca mais vá errar
Ou que não vá pela contramão
Sei apenas que a cada queda, um machucado
A cada levantar, mais vida, mais aprendizado
Sou apenas um ser errante, falho, aprendiz
Que procura por aqui ser e fazer feliz…
Alda M S Santos

Depois da tempestade

DEPOIS DA TEMPESTADE

O Sol sai entre nuvens, meio devagar
Talvez incerto do momento a brilhar
Desce sobre espaços antes alagados
Atravessa e invade cada cantinho molhado

Como nossa coragem ao acordar
Depois de uma noite fria, levantar
É preciso sair dos pesadelos, da lama
Sabendo que lá fora a vida chama

Pós- tempestades é reavaliação
O que fica, o que merece reconstituição
E o que já era, não tem salvação

Toda tempestade tem sua função
Em cada um de nós pode ser libertação
A chance de seguir, ser mais razão ou coração

Alda M S Santos

Levezas

LEVEZAS
Não quero pesos, encostos
Preciso dispensar excesso de bagagens
Particularmente cargas emocionais que subjugam a alma e o corpo
Distribuir com equidade os demais “pesos”
Tornando-os mais leves, prazerosos de carregar
Preciso de mais confiança, esperança e paz
Preciso de mais cores, mais brisa, mais brilho
Mais reflexos positivos de mim nos outros
Dos outros em mim
Preciso manter a fé na humanidade
A fé em mim mesma
Por um mundo onde reinem
A suavidade, a beleza, a delicadeza
O encanto, o amor e a magia
Que nos atinja a todos
E que aconteça em via dupla
Que haja reciprocidade!
Alda M S Santos

Difícil esquecer?

DIFÍCIL ESQUECER?

Que é por aqui mais difícil de esquecer
O que faz chorar, faz sofrer
O que mais faz feliz, faz sorrir
Ou o que declinou, quis partir?

É difícil esquecer as dores
Causadas por (des)afetos, (des)amores
Ou os carinhos, cuidados, sem enfado
De quem sempre esteve ao seu lado?

Se é difícil esquecer a criança que fomos
Também o é a pessoa que nos tornamos
E todos aqueles a quem amamos

Se pudéssemos escolher deixar desvanecer
Apagar da memória, fazer desaparecer
O que gostaríamos de em nós deixar morrer?

Alda M S Santos
Tarde de Poesias: Difícil de esquecer

Quanto vale uma vida?

QUANTO VALE UMA VIDA?
Uma pergunta difícil : quanto vale uma vida?
Uma vida vale tudo, mas não há nada que pague.
Também não vale nada, visto que não há valor material que possa sustentá-la
E tantas vezes parece estar presa a um único fio…e perdura
E outras, parece forte… e se perde
Vale o tamanho do nosso amor, da dor que fica
Da ausência deixada, da lacuna não preenchida
Como amor não tem medida, a vida também não tem…
Qualquer vida que se perde
Que permitimos que se vá
Que não conseguimos impedir a partida
É uma perda irreparável,
Independente de quem foi
Sexo, idade, classe social, instrução, religião, profissão…
É sempre um projeto de Deus interrompido…
E uma vida nunca pode substituir a outra
Cada vida é única e especial
Algumas são mais preciosas para a gente que outras
São aquelas que Deus nos entregou nas mãos e disse
“Cuida, confio em você”!
São aquelas pelas quais seremos cobrados
São aquelas que trazem tudo de bom que temos
Que fazem a nossa própria vida ser preciosa
Que nos alimentam de sorrisos e lágrimas
Que nos fazem acender, manter e fazer valer nossa porção divina…
Alda M S Santos

Meu pequeno mundo

MEU PEQUENO MUNDO

Meu mundo é pequeno diante desse mundão
Tantas vezes acredito que sairá de órbita
E ficará à deriva, perdido na escuridão
Numa nau desértica e inóspita

A pequenez dá a ideia que não faz diferença
Aquilo que faço ou desfaço, por (des)crença
Mas como num jogo de peças de dominós
Elas estão ligadas, ainda que pareçam sós

Não vamos sozinhos, somos partes do todo
Uma mexida qualquer abala, causa incômodo
Para o bem ou para o mal, sem engodo

Esse mundão é feito de pequenos mundos
Mudá-lo exige realizar sonhos profundos
Ativar em nós a paz, união e amor fecundos

Alda M S Santos

Tá no ar

TÁ NO AR

Não precisa ir muito longe, não há mistério
Tudo que precisa saber está ali, é sério
Basta um olhar atento, aguçar a percepção
Inspirar, expirar, pra captar no ar toda a emoção

Se quer algo direto é só as palavras ouvir
Mas cuidado, com elas é fácil fingir
Mas se quer algo verdadeiro busque o olhar
Ali poderá ver opacidade ou sua luz brilhar

Há profundidade na essência, ela não é superficial
É o que temos de autêntico, belo, bem natural
E quando atiçada causa até mesmo um vendaval

Mas se quer mesmo alguém desvendar
Veja as atitudes, o sorriso, inspire, tá no ar
Perfumada como rosa, linda e clara como a luz do luar

Alda M S Santos

Perdendo vida

PERDENDO VIDA
Perder documentos, óculos, carteira, chaves
Num bolso, na bolsa, no transporte público ou na rua
Talvez se recupere, talvez não
E a vida continua…
Mas perder ideias, sonhos, ideais, pessoas, sentimentos
Escondidos num coração ou numa alma
Que não se mostra para o mundo
Que teme a dor, a rejeição, o sofrimento
É muito mais danoso, é perder o rumo, é perder vida
E talvez de modo irreversível
Todo cuidado é pouco com o que deixamos se perder de nós por aí …
Alda M S Santos

Em qualquer lugar

EM QUALQUER LUGAR

Uma brisa que a pele toda arrepia
Acorda para a vida, expõe a magia
Capaz de tirar o fôlego, linda paisagem
A natureza é bela, independente da roupagem

O Sol dá um espetáculo ao nascer ou se por
A chuva refresca, hidrata o corpo ou a flor
O mar convida para em suas ondas brincar
Sob um céu salpicado de estrelas nos amar

Não há como não se encontrar nessa beleza
Mundo mágico, especial, muita grandeza
Por onde se olhe com atenção há leveza

Cada detalhe de amor para nos encantar
O Criador nos colocou aqui para usar e cuidar
Da natureza, uns dos outros, em qualquer lugar

Alda M S Santos

Encaixes

ENCAIXES
Quase tudo nessa vida depende de combinações e encaixes perfeitos
Bola na cesta do basquete, na raquete do tenista, na rede do gol
Veículos na pista, altitudes dos voos, barcos nas rotas
Portas nas casas, fechaduras nas portas, chaves nas fechaduras
Sapatos nos pés, roupas no corpo, alimentos no organismo
O anel no dedo, uma mão na outra, cabecinha no ombro
As palavras nas frases, as frases nos textos, os textos nos contextos
Passamos a vida buscando essas combinações
Afinando a percepção, aperfeiçoando esses encaixes
Mas nem tudo é tão prático e fácil assim
Alguns encaixes exigirão uma perícia maior
A fé e o indivíduo, o cidadão e sua profissão,
Uma pessoa com a outra, o indivíduo consigo mesmo
Mente, alma, coração num só corpo
Sorriso no rosto, alegria na alma, um abraço que se enlaça
Um corpo no outro… uma alma na outra.
Como crianças com seus Legos, vamos tentando
Encaixando, montando, desmontando, aprendendo
E, se possível, nos divertindo enquanto brincamos
Enquanto vivemos…
Alda M S Santos

A lista

A LISTA

Lista de coisas a fazer antes de morrer
Lista que se renova e faz renascer
Lista de medos, de desejos, de anseios
Lista de conquistas, vitórias, devaneios

Sempre conhecer um lugar novo
Reencontrar um amigo, abraço gostoso
Ser calmaria na vida desse povo
Ter na vida um amor intenso, fogoso

Pular de paraquedas, fazer um cruzeiro
Fazer o que der na telha o dia inteiro
Viajar,  voltar à terra natal
Descansar à sombra da mangueira no quintal

Banhar nua na cachoeira gelada
Ser na varanda aquela moça feliz, a namorada
Ler, escrever, fazer valer esse viver
Com ou sem lista, tudo por prazer…

Alda M S Santos

Não vou só

NÃO VOU SÓ

Não vou só por esses caminhos
Carrego lembranças de muitos carinhos
Menina, moça ou uma (in)segura mulher
Fragilidade e força para o que der e vier

Não vou só nessa viagem
Atenta, encanto-me com a paisagem
Se o que se apresenta é a solidão
Visto-me de sonhos, acalento do coração

Não vou só nessa jornada
Acompanha-me a fé, sou abençoada
Entre tudo e todos estou amparada

Não vou só nessa travessia
Em busca do bem, da alegria
Vou fazendo versos, espalhando a poesia

Alda M S Santos

Equilíbrio

EQUILÍBRIO

Busco um ponto firme de equilíbrio
Abro os braços, abro a mente e o coração
Tentando achar aquele ponto, a conexão
Aquela que mantém ativos corpo e emoção

Vou devagar, tateando, passo a passo
Balançando para lá e para cá, fazendo laços
Nesse caos de fora não me enlaço
Na desordem de dentro me desfaço

Fecho os olhos, quero o equilíbrio
A luz lá de dentro, a paz certeira
Busco em cada cantinho ser mais inteira

No abrir de braços e balançar do coração
Acho no amor, na intensa emoção
O ponto do equilíbrio, a sustentação

Alda M S Santos

Entre amigos

ENTRE AMIGOS
Entre amigos sorrisos brotam livremente
Entre amigos lágrimas são enxugadas
Alguns até as impedem de cair
Entre amigos não há necessidade de impressionar
Entre amigos não há medos ou desconfianças
Entre amigos temos certeza do aconchego ou do colo
Entre amigos o tempo voa, pois é um tempo de paz
Entre amigos a inveja não existe
Entre amigos há prazer nas conquistas do outro
Entre amigos até a distância é aproveitada
Para selar o que há de mais sublime:
O amor infinito presente numa amizade verdadeira
Aquela alicerçada no amor divino que os aproxima
Amizade é amor de Deus em forma humana
Disfarçado de sorrisos e delicadezas
A nos salvar quando tudo parecer sufocar …
Cultivemos!
Procuremos ver Deus em cada amigo que temos…
Alda M S Santos

Eu sonho

EU SONHO

Eu sonho com um mundo colorido
Também com um mundo cinzento, sofrido
Sonho com um mundo de amor
Também sonho com momentos de dor

Sonho com instantes mágicos, puro encanto
Sonho com abraços, aliviando o pranto
Também sonho com doces viagens
Buscando novos recantos e paragens

Sonho dormindo, sonho acordada
Sonho amando nessa longa jornada
Tentando fazer essa vida mais encantada

Transitar nesse mundo é viver a magia
A doçura que a vida permite, ser harmonia
Só não vale fugir do real, viver de fantasia

Alda M S Santos

Reclamações

RECLAMAÇÕES
Não podemos reclamar das flores murchas no jardim
Se não formos bons e zelosos jardineiros
Não podemos reclamar da destruição das tempestades
Se nós mesmos ignoramos as advertências da meteorologia
Não podemos reclamar da solidão
Se nós mesmos não cultivamos bons e saudáveis relacionamentos
Não podemos reclamar da saúde
Se negligenciamos cuidados mentais e físicos
Não podemos reclamar do tédio da vida
Se não buscamos algo de útil para nos ocupar
Não podemos reclamar do sol que nos castiga a pele
Se nós mesmos derrubamos as árvores que nos dariam sombra
Não podemos reclamar de dores físicas
Se nós mesmos criamos a carga a pesar nossos ombros
Não podemos reclamar pelo que não temos, por ausência de amor
Se nós mesmos que fizemos nossas escolhas
E não cultivamos o bom que se apresentou
Até podemos reclamar, mas que as reclamações se convertam em mudanças
Necessário é que deixemos o que faz mal ser levado,
Que possamos receber de braços abertos o novo, o correto, que faz bem
Buscar ações que partam de dentro de nós mesmos,
E nos tornem, a nós e aos outros, mais felizes…
Alda M S Santos

O que você lê?

O QUE VOCÊ LÊ?

Sou uma amante contumaz da leitura
De tudo aquilo que leio regularmente
O que vem escrito é o mais contundente
E quase sempre deixa dúvidas na mente

Mas a leitura que se faz de um olhar
De um toque, de uma expressão corporal
Até mesmo de um desconversar banal
Pode tornar essa leitura excepcional

Leio a natureza em toda sua grandeza
Leio pessoas em sua suave beleza
Leio e capto a poesia que fica no ar
Ou até mesmo um fugidio silenciar

Ler tudo que está a nossa volta
Com toda percepção e emoção
É um modo de demonstrar paixão
Pela literatura que sai do coração

Alda M S Santos

Sanidade

SANIDADE

De quantas pequenas loucuras se faz uma sanidade?
De quantas lágrimas e soluços se faz uma felicidade?

De quantas feridas e cicatrizes se faz uma cura
De quantos medos se faz a bravura?

Quantas dores esconde um sorriso?
Quantos silêncios são necessários para sufocar um grito?

A quanto dissabor ignorado sobrevive um amor?
Quanta emoção frustrada aguenta um coração?

Quantas fadas ou bruxas podem fazer essa magia
Quanto é preciso de poesia para se entrar em sintonia?

Alda M S Santos

Arte de viver

ARTE DE VIVER

Desenhei no caderno da vida um sonho colorido

Pintei na tela da existência um cérebro bem resolvido

Bordei na colcha macia um amor fantasia, pura sintonia

Escrevi no seu coração um poema cheio de emoção

Depositei beijinhos no seu corpo, com carinho

Acendi na nossa estrada a luz da Lua, encantada

Para uma noite de amor, dancei suave, sem pudor

Criei uma letra, uma música, uma melodia, uma história de amor

Mãos postas, um silêncio, uma oração, gratidão

Com minha ajuda o destino escreveu na linha do horizonte nosso apogeu

Deixei registrada por aqui nossa passagem em arte, magia, poesia

A vida e eu…

Alda M S Santos

Miragem

MIRAGEM

Quando o dia e a noite se misturam
Quando o real e imaginário se intercalam
Quando há elos entre o sonhar e o realizar
É a vida mostrando sua soberania
O existir em nós fazendo magia
O espetáculo das emoções em bela viagem
Por nós, para nós, eterna miragem
Alda M S Santos

Silêncio aquece

SILÊNCIO AQUECE

Silêncio amedronta, é aterrador
Na medida em que seu barulho ensurdecedor
Torna tudo em torno da gente assustador
Mexe e remexe nosso frágil interior

Silêncio acalma, é refrigério
Quando ativa nosso lado zen
Leva a meditar, nos encontrar
E nada há que nos tire do bem

Silêncio fala, é palavra, é comunicação
Quando o que há por dentro extravasa
Vai muito além da suportável emoção

Silêncio cala, emudece, ensurdece
Mas onde há esperança e amor
Ele é doce e quentinho cobertor, aquece…

Alda M S Santos

O quanto em você é saudade?

O QUANTO EM VOCÊ É SAUDADE?

O quanto em você é saudade
Daquela que aperta lá no fundo
Dói, faz sorrir, faz chorar
Desejo danado de lá ficar?

O quanto em você é saudade
Tem desejo de fundo mergulhar
Nos cantinhos secretos nadar
E nunca mais querer voltar?

O quanto em você é saudade
Doce ou meio amarga, leve ou pesada
Deixa a alma de magia enfeitiçada
Num gostoso torpor, embriagada?

O quanto em nós é saudade?
Essa é a real medida do vivido
Do que foi ou é em nós revivido
Registrada, digitalizada no HD da felicidade

Alda M S Santos

Dia da Saudade

DIA DA SAUDADE?

Dia da saudade não existe

Existe motivo da saudade

E esse é apenas viver

Quem vive sente saudades

Deixa saudades,

E isso acontece dia após dia

Até sermos apenas saudade…

Alda M S Santos

Esperança

ESPERANÇA
Perde-se folhas, flores e frutos, incontáveis vezes
Mas não se perde a capacidade de renovação
Quando se tem firmes raízes fincadas na emoção
Nos sonhos, na esperança viva no coração
Alda M S Santos

Obra da imaginação?

OBRA DA IMAGINAÇÃO?

A vida mostrada em muitas dimensões
Cheia de movimentos, emoções
Umas recheadas de belezas, amor, pureza
Em outras há medos, dores, incertezas
Não dá para saber ao certo o que é real
Ou o que é obra da imaginação, imaterial
Mas quase sempre um passeio intenso
De bastante história e revelação
Que faz essa viagem ser significativa
Repleta de questões, respostas, bem interativa
Sonhos que nos invadem, se impõem
Querendo ser parte daquilo que nos compõe
Que é real, que é imaginação
Que nos causa assim tanta emoção?

Alda M S Santos

Amor que conduz

AMOR QUE CONDUZ

Tudo parece tão fora de lugar
Ficamos sem chão, a divagar
Tudo está fora de foco, embaçado
Para onde ir, para que lado?

A esperança anda balançada
Em meio a tanta coisa errada
Está difícil essa parada
Vontade de fugir, fazer nada

Mas ela é intensa, poderosa
Brota do mais fundo de nós
De uma alma forte e vigorosa

A esperança no amanhã é a luz
Que ilumina o caminho, que reluz
Por e pelo amor que nos conduz

Alda M S Santos

Felicidade

FELICIDADE
Ela chega,  convida, pega pela mão
Outras vezes exige, insiste,  obriga
Mas ainda assim a gente insiste na contramão
Ora arrasta pelos pés, conquista o coração
Carrega no colo, dá uma carona
Ainda assim ficamos cheios de senão
Muitas vezes a felicidade até arromba o portão
Entra, senta, dança no salão
Até nos chama de meu amigão
E a gente ignora em dúvida, na indecisão
Fixamos o olhar comprido no impossível,  em vão
A vida faz até muito, mas não nos leva sem autorização
É preciso que  a gente queria ir…
Alda M S Santos

Essência do existir

ESSÊNCIA DO EXISTIR

Voltar é reavaliar, é reconsiderar
É refazer a memória, um lugar
É dar continuidade também
É repensar o que nem sempre faz bem
Voltar é um modo de restaurar
Ainda que momentaneamente
Algo que ficou lá atrás
Mas ainda nos atiça, se faz presente
Mesmo em momento fugaz
Voltar é possibilitar o prosseguir
Pois nesse constante ir e vir
Está a essência de nosso existir

Alda M S Santos

Saudade é bichinho intrometido

SAUDADE É BICHINHO INTROMETIDO
Saudade é bichinho meio intrometido
Sempre acha um lugarzinho para entrar
Mesmo que você o afaste firmemente
Ele costuma achar buraquinhos ou brechas
E ali se acomodar…
Se é num livro, ele torna-se personagem
Se for num filme, ele faz parte da cena
Num poema é a rima que falta
Numa canção é a harmonia da melodia
No sorriso é a dor camuflada
Nas lágrimas é o alívio desejado
Nos sonhos é desejo saciado
Saudade é bichinho meio intrometido
Sempre acha um lugarzinho para entrar
E ali se acomodar…
Nas companhias, às vezes é a ausência
Nas ausências faz-se presença
No jardim é o mais suave perfume
No barulho é o silêncio dolorido,
No silêncio é o grito contido,
Saudade é bichinho meio intrometido
Sempre acha um lugarzinho para entrar
E como borboleta, ali se aboletar…
Cansado de tanto se impor,
Esse bichinho de nome saudade
Nas orações torna-se pedido
De ali ficar e morar para sempre…
Alda M S Santos

Cúmplices

CÚMPLICES

Somos cúmplices, trocamos nossa magia
Tudo se encaixa perfeitamente em nós
Há sintonia, parceria, harmonia
Nossa vida é de laços, desfazendo nós

Meu mundo não é tão perfeito assim, eu tento
Mas junto dela sinto-me bem pequena
Apenas uma flor ao vento
Ainda assim, a natureza me faz plena

O que faz bem deixo em mim chegar
Para o belo e doce sempre haverá lugar
Fundo e repetidamente vou inspirar

Somos cúmplices e complementares 
Uma interação de amor e admiração
Sem ela não há vida, emoção ou proteção

Alda M S Santos

Preciso descansar

PRECISO DESCANSAR
Preciso descansar…
Ando meio esgotada de certas coisas
O corpo pode repousar em qualquer lugar
Deitou, dormiu, está novo…
Preciso descansar o coração, a alma
Necessito desanuviar a mente
Quero uma rede onde possa acomodá-los
Uma relva onde possa deixá-los admirando o horizonte
Um lago onde possa deixar que refresquem-se
Uma brisa que apare suas arestas e pontas soltas
E conecte novamente: corpo, alma, mente e coração.
Assim terei descanso.
Preciso descansar…
Alda M S Santos

Quero um mundo

QUERO UM MUNDO

Quero um mundo de brisa suave
Mas quando não for possível
Que eu curta e sobreviva à tempestade
Sem brigas, sem reservas, sem maldade

Quero ver um mundo de belo horizonte
Ainda que olhe para dentro de mim
Ou bem longe, atrás da serra, dos montes
Que eu possa ser minha própria fonte

Quero um mundo de luz, de paz
Que ilumine minha transitória escuridão
Nesse viver regado de solidão

Quero um mundo onde caiba amores e amizades
São esperança, alegria em qualquer idade
Afastam o mal, são energia, a verdadeira felicidade

Alda M S Santos

A magia

A MAGIA

Que tira você do foco, te deixa sem chão
Que abala sua mente, sua emoção
Te lança em alta voltagem
E faz da vida uma doce miragem?

Uma injustiça te deixa revoltado
A desigualdade te faz desanimado
A caridade faz crer que algo pode ser mudado
Nesse mundo que tudo parece abandonado?

Uma alma boa, um querer alucinado
Um alguém que te deixa atarantado
Ou a doce magia de um coração apaixonado?

Que te faz mover, agir, navegar
Nesse oceano sempre a avançar
Em busca da magia que vale a pena conquistar?

Alda M S Santos

Então, ele escreve…

ENTÃO, ELE ESCREVE…

Se chove forte, se está seco ou se se molha
Se há vendavais, tornados, tempestades de areia ou de neve
Ele escreve…

Se há sol forte, calor intenso, desnorteador
Se há alegria, tristeza, angústia ou dor
Ele escreve…

Se quer falar, gritar, alertar, se rebelar
Se quer se esconder, murchar, silenciar
Ele escreve…

Se há luz forte, breu intenso, escuridão
Se há só a luz da Lua e das estrelas, só solidão
Ele escreve…

Se está perdido, confuso ou irado
Se se encontra, se abraça, sente-se abençoado
Ele escreve…

Se tem medo, esperança ou saudade
Se quer fugir, ir embora, ter liberdade
Ele escreve…

Se está sozinho ou acompanhado
Fazendo amor, feliz ou apaixonado
Ele escreve…

Se falta amor, magia, sobra paixão
Se a vida machuca, corta, fere o coração
Ele escreve…

Se quer gritar e não consegue
Se quer falar e o medo persegue
Ele escreve…

Enfim, tudo serve de inspiração
Os versos brotam fundo, pura emoção
Poesia é para o poeta o ar que circula no coração…

Então, ele escreve…

Alda M S Santos

Eu sou…

EU SOU…

Sou aquela que intensa e alegre chega
Sou amor, carinho que se aconchega
Sou triste, desanimada, acabrunhada
Nessa vida tantas vezes desordenada

Sou aquela que se vai, que chora e sorri
Que briga pelo que quer, sem desistir
Ora frágil, ora forte, ora sem norte
Tentando não depender muito da sorte

Sou aquela que precisa de gente
Para ficar bem, ser mais contente
Não abro mão de um pouco de introspecção
Aquela que se obtém na solidão

Sou apenas mais um alguém
Que erra, que conserta, que acerta também
Encontro a paz na natureza, na simplicidade
Num amor pleno, verdadeiro e sem maldade

Alda M S Santos

Sorrisos

SORRISOS
Há sorrisos de todo tipo:
Sorriso tímido, olhar baixo, inseguro
Sorriso amarelo, sem graça, envergonhado
Sorriso largo, sem censura, contagiante
Sorriso triste, sofrido, saudoso
Sorriso falso, que repele
Sorriso nervoso, tenso, preocupado
Sorriso sensual, que atrai
Sorriso com os olhos, que traz a alma junto e nos cativa
Sorriso carinhoso, solidário, amigo, que conforta
Sorriso de amor, que vem do coração e nos abraça forte.
São sorrisos…Todos.
Distribuímos os nossos criteriosamente
Recebemos dos outros, nem sempre como gostaríamos.
De qualquer modo, já dizia o poeta:
“Não que a vida esteja assim tão boa,
Mas um sorriso ajuda a melhorar…”
Que sejamos mais democráticos ao distribuí-los e recebê-los.
Alda M S Santos

Somos poesia

SOMOS POESIA

A poesia tem o poder de unir
De o belo e o intenso atrair
Onde houver sentimentos, beleza
Haverá poetas expressando sua natureza

É a magia e encanto dos versos
A lucidez e interação dos reversos
É a sensibilidade que gera sintonia
E une num mesmo espaço tanta alegria

A poesia tem poder de salvar esse planeta
É uma arte a olho nu, ou sob luneta
Quem ama poemas, logo aproveita

É dos vícios o mais saudável
Cria um ambiente de paz, amigável
E faz do nosso um viver adorável

Alda M S Santos

A idade não permite

A IDADE NÃO PERMITE
A única coisa que a idade não permite
Seja ela pouca ou muita, iniciando ou já avançada
Masculina ou feminina, é a infelicidade
Se a felicidade pede, não é a idade que deverá impedir
Se a felicidade pede, não é o olhar maldoso do outro que irá impedir
Se a felicidade pede e não fere a consciência
Se a felicidade pede e não está retirando nada de ninguém
Se a felicidade pede e não põe em risco a felicidade do outro
Não é a idade que poderá impedir
Corpo e mente devem estar em uníssono, em sintonia
Para ouvir o que a alma precisa realmente para ser feliz
E não abrir mão da felicidade por preconceitos próprios ou alheios
A idade, seja ela qual for, não só permite
A idade pede, exige que façamos o que nos faz bem
A idade apenas nos mostra que o tempo tá passando veloz
E cabe a nós fazê-lo correr o mais prazerosamente possível
Para nós e para os outros
Enquanto há vida…
Minha idade não me permite ser infeliz!
Alda M S Santos

Não podemos!

NÃO PODEMOS!

Mesmo estando muitas vezes
Entre o Sol e as nuvens
Entre molhar na chuva ou se esconder
Entre a luz e a escuridão
Entre a saúde ou a doença
Entre a fé e a desesperança
Entre o amor ou a indiferença
Entre o sorriso ou as lágrimas
Entre a alegria ou a decepção
Entre a dor ou a forte emoção
Entre o ir ou ficar
Entre o fazer ou deixar rolar
Entre o ontem, o hoje
Ou o futuro do coração
Nosso lugar é só nosso
Nele só nós podemos agir
Não podemos desistir da vida…

Alda M S Santos

Não aceite menos

NÃO ACEITE MENOS

Não aceite menos que você merece
Corra atrás daquilo que te fortalece
Se não te anima, faz mal, enfraquece
Deixe de lado, não carece
Sol precisa brilhar, gerar calor
Chuva vem para irrigar, fazer brotar a flor
Ondas são para encantar, afastar a dor
Amor tem que ser delicadeza, cuidado
Carinho debaixo do cobertor
Olhar precisa agradar, atrair
Atenção que faz feliz, faz sorrir
Somos responsáveis por nossa felicidade
Por tudo que fazemos por aqui
Da vida devemos cobrar, exigir
Lutar, ir atrás, prosseguir
Mas nunca aceitar menos do que merecemos
Pois só assim vale esse viver, bem sabemos

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: