Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Pilotando

PILOTANDO

Quero sempre ser piloto de minha própria máquina
Sem medo, e nas estradas retas com boa visibilidade, acelerar
Com cuidado e firmeza nas curvas do caminho para não derrapar
Aproveitando a luminosidade natural para avançar
E nos espaços mais escuros parar e descansar
Não quero me deter diante de nada
Usar proteção boa, segura e adequada
Apenas avaliar e seguir minha jornada
Ser da vida uma boa e doce namorada
Dar umas caronas, levar amores e amigos
Eles fazem a travessia mais leve, são abrigo
Se a máquina der problema levo à oficina
Aquela que me faz refletir sobre os buracos nas trilhas dessa sina
Muitas vezes colocando mais amor como combustível
Após a grande largada parar só mesmo nos pit-stops
Trocar óleo, pneus, verificar freios, faróis
Até mesmo substituindo peças já avariadas
O que vale é seguir em frente até a chegada
Seja ela qual for…

Alda M S Santos

Ele nunca me abandona

ELE NUNCA ME ABANDONA
Ele é insistente, persistente
Não desiste, se intromete onde não lhe cabe
Mistura-se a situações complicadas, tristes
É invasor, arromba portas, faz barulho, acende a luz
Ou chega de mansinho, faz carinho, silencioso
Não gosta de lugares escuros,  mas nada teme
Caminha por espaços que desconhece
Algumas vezes é sapeca, fraterno, noutras, sensual
Ou ainda repleto de compaixão e amor
Às vezes parece arrastado, meio forçado, cansado
Mas nunca, nunca desiste, é sobrevivente
Nem sempre parece feliz ao espelho
Mas sabe que se não fosse por ele não haveria vida ali
Tampouco alegria nas vidas que acende quando se abre
Ainda que esteja umedecido pelas lágrimas
Ele não pode morrer nunca
Pois quando isso acontecer, levará consigo meu viver
Ele nunca poderá me abandonar
Ou sou eu que nunca poderei deixá-lo
Meu inseparável e amigo sorriso
Alda M S Santos

Esperança

ESPERANÇA
Esperança: motiva ou paralisa?
Instiga, encoraja, estimula, impele
Ou abate, esmorece, deprime, limita?
Dizem que é a última que morre.
Esgotadas as possibilidades, ela morre?
Ou quando morre, mata também as possibilidades?
Tudo vai depender dos aliados que a esperança amealha.
Ela sozinha é paralisante, único foco, coloca viseiras
Nada mais permite que se veja ou faça.
Mas se ela se une à força, à determinação,
A uma razão equilibrada com o coração,
Tem muitas chances de ser estimulante,
E levar à conquista do objetivo.
Esperança é inerente aos seres humanos de qualquer idade.
Uma pessoa sem esperanças é uma pessoa sem sonhos…
Uma pessoa sem sonhos…
É uma pessoa sem vida!
Alda M S Santos

A porteira da vida

A PORTEIRA DA VIDA
Nem todo dia o sol brilha na minha janela
Muitas vezes não está convidativo lá fora
Não quero sair, não quero levantar, quero ficar aqui
Tentando encontrar a luz que falta lá fora
Num cantinho qualquer dentro de mim
Mexo, remexo, troco as coisas de lugar
Escorrego em lugares em que já caí
Retorno, choro, saio logo dali
Busco espaços onde o amor mantém a vitalidade
Alguns são só saudade, outros em plena atividade
Tropeço em gargalhadas, me aconchego em abraços
Refaço algumas trilhas, aperto alguns laços
Encontro com o que já deixou de ser, aceno em paz
Outros prefiro nem passar perto, cicatriz nova ainda
Rolo para lá e para cá, olho de novo a janela
Um solzinho sem vergonha ameaça aparecer
Quer saber? Vou ficar por aqui hoje…
Assim que estiver menos nebuloso faço acontecer
Acendo meu próprio sol, abro o sorriso
Visto- me de esperança, meu vestido mais colorido
E abro a porteira da vida, ela precisa ser bem vivida…
Alda M S Santos

Versos

VERSOS
Os versos falam todo o tempo
Não há verso mudo, calado
São expressões infinitas de sentimento
Cada qual os recebe de acordo com seu entendimento
Há versos que falam de fazer amor
Outros de amizade, de intensidade
Há os gritos de aviso, denúncia ou alerta
Quase sempre estão na medida certa
Mas na medida meio confusa do poeta
Há versos que querem curar uma dor
Cicatrizar uma alma machucada, ferida
Há versos com raiva, compram uma briga
Há versos que tentam saldar uma saudade
Ou fazer do sonho uma realidade
Talvez no silêncio cantem uma vontade
Ou gritem aos quatro ventos sua necessidade
Os versos são uma linguagem única
Entende quem quer, quem pode
Quem aprecia, entra em sintonia
E faz do verbo, na rima, no verso
Sua vida, sua alma registrada em poesia
Alda M S Santos

Ele é amigo

ELE É AMIGO
Não tenha medo ou receio
Pode não parecer, mas ele é amigo
É paciente quando possibilita reflexões e aprendizados
Mesmo que nos faça não só sorrir, mas também chorar
É sábio mesmo quando é rápido e veloz
Quando parece nos abandonar ou deixar para trás
Quando parece nos limitar ou cortar nossas asas
Mesmo sem nos tocar ele nos atinge
Não há como fugir dele
Seu efeito é variável de pessoa para pessoa
Age de modo individual em cada mente
Influencia com doçura ou amargura cada coração
Ainda que pareça só fazer o mal
Ele é amigo, tenta parear conosco
É um remédio que se não cura, imuniza
De longe ou de perto, ele está sempre presente
Mesmo à nossa revelia o tempo age
E porque age é nosso amigo
Sempre!
Percepção que só se tem quando ele passa…
Alda M S Santos

Para todo o sempre, meu Pablinho

PARA TODO O SEMPRE, MEU PABLINHO

Saí do laboratório sem ainda conseguir captar a dimensão

Do que queria dizer aqueles 5000mlU/ml no BhCG

No peito bem alto e forte pulava o coração

Voltei à atendente e perguntei se não faltava uma vírgula

Ela disse “não, parabéns, você está muito grávida”!

Era tanta alegria misturada à sensação ainda indefinida

Saber que dentro de mim devagarzinho crescia uma vida…

Não pude pegar um ônibus, ele era pequeno pra me caber

Não, não, ainda não estava gorda, mas alegria ocupa espaço

Fui a pé para casa, três quilômetros, contando cada passo

Sorria, chorava, queria gritar para todos meu poder

O poder de gerar uma vida… como ninguém podia ver?

Parecia flutuar, na verdade, passos de algodão

Afinal, era um filho tão desejado, intensa emoção

Em casa aguardava a outra parte nesse milagre

Afinal, eu era poderosa, uma MÃE, mas não fiz sozinha

Queria contar de um jeito especial, um suspensezinho

Mas quando ele viu meu rosto, sorrisos e lágrimas

Soube que havia algo diferente, pus a mão na barriga inexistente

E começamos a dividir a expectativa, a alegria, a responsabilidade

Acho que meu pequeno sentiu a pressão sobre ele, tadinho

Seis meses depois veio ao mundo com 33 semanas, um tiquinho

Minha pressão ficou muito alta, parto antecipado

Meu lindo Pablinho, meu carinho, meu sonho primeiro de mãe

Bênção e presente maior de Deus, completa 29 anos de vida

Ainda hoje sinto, muitas vezes, que flutuo em nuvens de algodão

Admito que sempre encheu meu coração de preocupação

Por sentir que era o amor que Deus me confiou, mandou para ser cuidado

E, ao vê-lo tão bem encaminhado, abençoado, sei que não muito errei

Para sempre irei lembrar daquele caminho que fiz há quase 30 anos

Em cada passo já calculando, orando, planejando e pedindo

O que toda mãe deseja àquele que gerou e criou

Que cresça saudável, que encontre seu caminho, que seja feliz!

Devo ter feito algo de muito bom para merecer você

Não mora na minha casa mais, encontrou seu amor, fez seu ninho

Mas quem disse que meu coração também não é bem quentinho?

Aqui foi e sempre será sua morada, seu cantinho…

Te amo para todo o sempre, Pablo Vinícius, meu Pablinho!

Mamãe.

Alda M S Santos

Pintados de coragem

PINTADOS DE CORAGEM

Com o perdão da caricatura
Sei que ser índio tem sido vida dura
É mais que uma tanga, uma oca, um cocar
É para sobreviver ter que muito trabalhar
Sua arte, seus costumes, sua saúde cuidar
Não só na natureza bichos caçar
Na rede brincar, no rio nadar
Ou numa canoa nas águas namorar
É em cada nascer do sol bem acordar
Sabedor que precisa sua terra cultivar
E com outros bichos argumentar
Sua gente e sua cultura preservar
E não ter que a todo tempo seus direitos provar
Ser índio não é ser uma caricatura social
É em cada dia dançar, não só para festejar
É a cara pintar de coragem e enfrentar
Um mundo que nem sempre valoriza seu lugar
Um viva aos índios brasileiros e do mundo inteiro!

Alda M S Santos

Navegando

NAVEGANDO

Há três verdades irrefutáveis
Das quais não podemos abrir mão
O amor, a luz e a esperança são desejáveis
Essenciais na vida, em cada coração

São três que parecem um, na verdade
Quem tem amor tem os demais, tem felicidade
Luz e esperança em qualquer idade
Banham-se em rios caudalosos de bondade

Águas que vão e que vêm
Trocas de energia, o que de bom contém
Doce balanço, calor, alegria, vigor
Deitam-se em nós, desaguam amor

Navegando suavemente no rio da nossa alma
De matas ciliares  protetoras, acolhedoras
A vida se faz de desejos, vontades, sonhadora

Alda M S Santos

Quanto tempo falta?

QUANTO TEMPO FALTA?
Quanto tempo falta para não se ter mais tempo?
Falta o tempo que o coração for capaz de suportar
Tanta gente longe sem poder se amar
Falta o tempo em que a alma aguentar
Sem querer ir embora chateada com esse lugar
Falta o tempo em que for possível chorar
Mas sem aos outros decepcionar ou magoar
Falta o tempo em que ainda conseguir sorrir
Por mais que tudo pareça ruir
Falta o tempo em que conseguir se aquecer
Longe de tudo, de um colo, sem fenecer
Falta o tempo em que o silêncio puder dizer
Aquilo que o peito carrega em seu intenso sofrer
Falta o tempo em que a fé ainda for capaz de remover montanhas
Não desistindo de desfazer tantas artimanhas
Falta o tempo em que a vida ainda pulsar
Num peito cansado de lutar
Mas que não desiste de caminhar e amar…
Esse tempo que ainda falta…
Alda M S Santos

Livro e infância

HOMENAGEM AO LIVRO INFANTIL
MONTEIRO LOBATO

LIVRO E INFÂNCIA

Infância é feita de brincadeira e magia
De doces, festas, alegria e fantasia
E junto aos livros corre solta a imaginação
Tempo bom que faz bem ao coração

Monteiro Lobato era o rei da meninada
Era a animação para a criançada 
Em seu Sítio do Pica-pau Amarelo
As crianças viajavam em seus castelos

Não importa se com o livro na mão
Ou se diante da televisão
A aventura não tinha freio não

Quando queria passear nesse mundão
Ou nas doces asas da imaginação
O livro sempre foi uma boa opção

Alda M S Santos

Emília

EMÍLIA

Apresento Emília no País da Gramática
Um livro para mergulhar nos mistérios da língua
De um modo encantador, na prática
Na bela escrita de Monteiro Lobato

Na acidez sabida e engraçada da Emília
Podemos conhecer as tribos da linguagem
Em viagens etéreas e maravilhosas
Encantadoras e ricas passagens

Nos domínios da sintaxe,  etimologia
Na casa de pronomes, adjetivos, na casa da gritaria
Emília forma palavras e ensina a magia
O mundo infantil é rico em poesia

Alda M S Santos

Quintal fecundo

QUINTAL FECUNDO

A imaginação funciona assim
Muitas cabecinhas que estão a fim
De mergulhar num mundo de magia sem fim
Juntam-se a uma professora animada
E logo a festa está preparada
Emílias com sua astúcia e sapequice
A boneca de pano de nossa meninice
Viscondes que são a sapiência
Um sabugo de milho que é pura inteligência
Histórias e mais histórias , Narizinhos e Pedrinhos
Fazem parte dessa alegria que há no Sitio do Pica-pau Amarelo
Uma vida de simplicidade, amor puro e singelo
Morávamos todos na criatividade de Monteiro Lobato
Quem não viveu isso não sabe o que é bom de fato
Minotauro, Mula Sem Cabeça, Saci e Cuca
Era o que nos tirava o sono, deixava a mente maluca
Tempo bom, de viagem nos livros, mergulhos profundos
Nossa mente, nosso quintal mais fecundo

Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com

BARQUINHO AMARELO

BARQUINHO AMARELO

Esse livro é uma cartilha de alfabetização
Para quem entende um pouco, método global
Nele mergulhei no mundo das letras
Em mim deixou marca sensacional

Marcelo e Rosinha em belas aventuras
Cavalos, piabas, bolhas de sabão
Rios, amigos, bichos ativando a imaginação
Trazendo a quem o lê muita emoção

Tatuado em minha memória emocional
É minha mais bela lembrança desse mundo
O lindo mundo da literatura, encanto especial

Mais tarde o reencontrei, como professora, na escola
Já era ultrapassado, foi sobrepujado, mas amo assim mesmo
Tratei de guardar um para mim, feliz, sem demora

Alda M S Santos

Sou

SOU

Sou a brisa a tocar sua pele suavemente
Quando o sol queima e castiga perigosamente
Sou a chuva que esconde seu pranto
Quando quer mesmo é ficar só num canto

Sou a Lua que brilha e ilumina sua noite
Que afasta os maus pensamentos feito açoite
Sou o rio que com as águas te abraça
Que entende suas vontades, te enlaça

Sou o olhar que te deseja
A mão ativa e benfazeja
Sou a boca que quente te beija

Sou a paz, o afeto, a natureza
Sou o perfume, o fruto, a flor
Sou, na verdade, teu amor

Alda M S Santos
Mais no meu blog vidaintensavida.com
Tarde de Poesias: Sou…teu amor

Lapidação

LAPIDAÇÃO
O que somos, aquilo que nos tornamos
Vem sendo em nós lapidado ao longo do tempo
A cada momento diferente do viver
Uma camada nos é acrescentada
Ou, diferentemente, uma nos é retirada
Nosso ser é uma joia que vem sendo lapidada
Vamos sofrendo polimentos a cada amargura ou decepção
A cada medo, perda ou frustração
A cada confiança quebrada ou partida
A cada tristeza profunda sofrida
A cada caminhar ou estrada pelo outro interrompida
Nossa cerâmica abre trincas, fendas, fragiliza
Nossa alma sofre, chora, parece ruir
Mas a cada amor ou amizade que se vive
A cerâmica brilha, a alma se alegra
Se reconstrói, se refaz, fica mais bela
Nova camada polida e brilhante aparece
Mesmo que ainda possa doer ou amargar
Ela enfrenta novamente o viver
Mais experiente, mais forte, nem sempre mais feliz
Mas mais preparada para sofrer menos danos
No próximo polimento, na próxima lapidação
Viver é parecer inteiro, é construir laços
A despeito da alma ainda estar em pedaços
Alda M S Santos

Ferida

FERIDA
Aquela ferida que todos carregamos
Causada por um machucado doloroso
Relíquia de um tombo inesquecível
De bicicleta, da escada, do galho de uma árvore
De um sonho, do alto de uma esperança, de uma ilusão
Escorregando de um colo ou despencando de um coração qualquer
Ferida que está disfarçada, coberta por uma cicatriz
Para não chamar a atenção dos curiosos
Para não assustar os mais sensíveis
Para que se evite cutucar
Para que não sangre tudo outra vez
Para que cure, se cure, se cuide
Cicatrizes servem para nos lembrar que sobrevivemos
E que saudade é a bonita cicatriz da vida que doeu, sangrou
Que nos ensinou pela alegria e pela dor
Que ela pode ser bela
Mesmo com nossos machucados…
Alda M S Santos

Basta um toque

BASTA UM TOQUE

Basta que olhe com carinho
Que tenha um terno jeitinho
De acolher, de abraçar bem juntinho
Cantar, dancar, hipnotizar, ser bom caminho

Basta que saiba o que dizer
Mais importante ainda, o que não dizer
De um modo especial, saiba ouvir
Que esteja ali, capaz de fazer a dor sumir

Basta que tenha admiração, que seja calor
De um jeito gostoso, que faça amor
E regue esse jardim, cuide da flor

Basta que com um único toque
Seja capaz de fazer o mundo parar
E ainda assim, tudo ficar em seu devido lugar

Alda M S Santos

Era tão lindo

ERA TÃO LINDO
Fui entrando devagarinho, receosa, temerosa
Sem querer me expor, muito cuidado para não me machucar
Ganhando espaços,  abrindo portas
Aos poucos arrebentando comportas
Angariando simpatia, conquistando a confiança
Passeva por um mundo tão livre, tão lindo
Sem entraves, sem falsos pudores, sem censuras
Recheado de palavras doces,  mas também algumas duras
Havia muitas moradas, jardins maravilhosos
Janelas e portas abertas todo o tempo
Não havia muros ou grades, não precisava
Os abraços eram constantes, sorrisos idem
Era um mundo recheado de histórias, de versos
Era um mundo tão livre, tão belo
Era o mundo da alegria e magia
Era o mundo dos sonhos, da poesia
Que dura enquanto há sintonia
Alda M S Santos

Uma festa poética

UMA FESTA POÉTICA

Era uma linda festa, alegria, comemoração
Havia vinho, violino, música, animação
Um livro sendo lançado, grande divulgação
Moças e moços, à caráter, dançavam batendo os pés no chão

Era puro encanto, magia, vestes e dança cigana
Coisas de quem tem alma livre, que não se engana
Numa mesa bem exposta a bela e poética obra
Pelo visto, bem aceita, não haveria qualquer sobra

Poetas e poetisas sorridentes bailavam em roda
Atraíam, encantavam ao ritmo da moda
Quem não se adequava era expulso da roda

Tão bom quando o que se faz espalha amor
Só atrai coisas boas, gera doce calor
A poesia em festa perfumando como botão da flor

Alda M S Santos

De pouquinho em pouquinho

DE POUQUINHO EM POUQUINHO

A vida vai se fazendo de pouquinho em pouquinho
Um sonho de cada vez, devagarinho
Vamos construindo nossos castelos
Alguns espaços nem serão tão utilizados
Servirão apenas para manter nossos guardados
Esperando o momento certo de serem ativados

De pouquinho em pouquinho vamos nos alegrando
Nossos jardins podando, cuidando, regando
Deixando entrar rosas por nossas janelas, perfumando
Fazendo brilhar em nós a intensa magia
Aquela que o sonho traz, doce fantasia
Aquecendo em nós a lembrança durante todo o dia

De pouquinho em pouquinho vamos descartando o que faz mal
O que apenas entulha nossa mente, nosso quintal
Aproveitando para mandar lixos embora junto ao vendaval
Acolhendo só o que é inteiro, traz calor, é especial

De pouquinho em pouquinho, passo a passo
Somos amor, dançamos no mesmo compasso
Repartindo a alegria, a harmonia, apertando os laços
De pouquinho em pouquinho abrimo-nos para a vida em potencial
Banhados em prazer, fazemos desse mundo um lugar sensacional

Alda M S Santos

O bem contido no mal

O BEM CONTIDO NO MAL
Em todo mal, se olhado com cuidado, se melhor observado
Há algo de bom que possa ser aproveitado
A luz não teria tanto brilho, se a sombra não amedrontasse
A liberdade só é tão almejada por quem já viveu qualquer tipo de prisão
A saúde é percebida como um bem maior quando sofremos qualquer dor
O silêncio é melhor sentido pós barulho intenso
O amor é indispensável a quem sofreu com indiferença
A paz é maior bênção onde já se viveu a guerra
Alimento e abrigo são presentes para quem viveu ao relento e passou fome
A vida tem maior valor quando vencemos a morte dia a dia
Sentimos melhor a presença
Onde antes houve ausência
O cheio só tem valor onde houve vazio
A percepção da falta mensura a fartura
A iminência da perda evidencia qualquer preciosidade
Faz-nos valorizar e ser gratos ao que temos…
Alda M S Santos

Pra ser feliz

PRA SER FELIZ
Pra ser feliz o que procuras
O que necessitas para considerar-se pleno
Mais e mais dinheiro para saciar seu consumo
Pais e irmãos amorosos, família próxima, acolhedora
Mais amigos para dividir alegrias e problemas
Mais saúde, menos dor, mais fazer amor
Que necessitas para ser feliz
Mais desejos saciados, sonhos alcançados
Um amor companheiro de todas as horas
Sentir-se valorizado, desejado, amado
Ser prioridade na vida de alguém
Saber ser acolhimento não importando a quem
Que necessitas para ser feliz
Ser mais alto-mar, mais cais, mais porto
Encontrar na fé seu maior conforto
Um espaço confortável no hoje
Um passado saudoso, mas quieto lá atrás
Um futuro incerto, mas menos tenebroso
Um presente equilíbrado entre os desejos realizados
As pazes feitas com os sonhos desfeitos
E menos neura e ansiedade com o porvir
Que necessitas para ser feliz
Conquistar um lugarzinho no paraíso
Ou fazer do aqui, do agora e do coração de alguém
Sua morada mais preciosa e abençoada
Sua satisfação nessa longa jornada
O que necessitas para ser feliz?
Alda M S Santos

Ninguém te ama como eu

NINGUÉM TE AMA COMO EU
Amo você assim do jeitinho que és
Coração bondoso, estopim curto, acelerado, mas paciente
Sorriso tão fácil quanto as lágrimas
Energia a mil, dificuldade de dizer NÃO
Esforço grande para não melindrar pessoas
Amo você assim do jeitinho que és
Tão falante e tão introspectiva, ao mesmo tempo
Sua capacidade de doação, de perdão
De compreensão das falhas alheias mais que das próprias
Sua necessidade de amor, sua fragilidade
Que tantas vezes não percebe como força
Amo você assim do jeitinho que és
Falhas, erros, persistência na caminhada
A sabedoria em usar o que conseguiu conquistar
A revolta quando tiro seu “doce” para evitar que adoeça
Ou a tristeza por perder aquilo que afasto de você por proteção
Amo você assim do jeitinho que és
Ego meio problemático, emoções conflituosas
Mas isso não me impede de querer que você cresça
Que seja melhor a cada dia
Que te puxe as orelhas e te oriente
Para que possas ser o sol e as estrelas
Para si mesma e para os outros
Ninguém te ama como Eu, assim do jeitinho que és
Do jeitinho que Eu te criei
Amo você e Sempre Estarei Contigo
Para o que sempre precisar…
A mais linda declaração de amor que poderia ouvir
E veio num lindo sonho…
Alda M S Santos

Por detrás do seu sorriso

POR DETRÁS DE CADA SORRISO
Que há por detrás de seu sorriso?
Todo sorriso carrega algo especial, encantador
Objetiva levar alegria, trazer júbilo consigo
Mas nem sempre é assim
Que há por detrás de seu sorriso?
Esse sorriso largo, colorido e iluminado
É um modo de se proteger, de se curar
De dizer que é forte, que vai superar?
Que há por detrás do seu sorriso?
Você é capaz de assumir, de identificar
No seu, nos dos outros?
Ou prefere não se preocupar?
Que há por detrás de seu sorriso?
Felicidade, paz, fé, alegria, inocência
Animação, sapequice, sensualidade
Ou traumas, medos, culpas, saudades
Dor, decepção, tristeza, fuga?
Escondido atrás de um sorriso que pretende levar amor
Há quase sempre um forte desejo de trazê-lo de volta na mesma proporção
De apagar ou amenizar algum mal que poderia ser fatal
Que há por detrás de seu sorriso?
Independente do que seja, não abra mão dele
Amarelo, triste, feliz, brilhante, opaco, que não chega aos olhos, não importa
Ele é a porta de entrada para tudo que há de bom…
Alda M S Santos

Sonhos que podemos ter

SONHOS QUE PODEMOS TER
Quais os sonhos que podemos ter?
Existem limites para eles também?
Separados em caixas:
Fáceis, médios e difíceis, ou
Possíveis, impossíveis, loucura total, ou ainda
Realizáveis, impensáveis, impraticáveis.
Sonhos nascem, brotam, crescem
O que os faz florir e frutificar é
A crença que temos neles,
E a determinação de fazê-los acontecer.
Sonhos que podemos ter?
Aqueles que não nos causam lutas internas,
Pois só elas limitariam nossas forças,
Essenciais na realização de qualquer um deles.
Dos realizáveis aos impraticáveis.
Alda M S Santos

Um novo lar

UM NOVO LAR
E o isolamento acabou
Saímos de nossas cavernas internas
A luz forte até doía nas vistas
Mas a gente não se importava
Éramos só sorrisos, pura alegria
O mundo era um novo lugar
Todos se abraçavam, como nunca antes
As pessoas pareciam outras, eram outras
Energia renovada para essa nova morada
Tudo tinha mais cor e brilho
O coração era mais emoção, compaixão
Havia grande necessidade de união, de ser irmão
Muito havia sido destruído lá fora
Alguns não resistiram, foram embora
Vidas ceifadas nessa longa jornada de regeneração
Acolhidas seriam noutra dimensão
Havia muito para reconstruir na Terra
Mas cá dentro tudo estava em paz
E se dentro há paz ela será disseminada
Quem nos preparou para isso não erra
A humanidade tinha esperança, estava animada, renovada
Éramos novas pessoas para fazer um mundo novo
E esse despertar do amor só a fará ganhar
Vida, paz, um novo lar…
Em orações para que seja breve esse sonhar…
Alda M S Santos

Há luz no fim do túnel?

HÁ LUZ NO FIM DO TÚNEL?

Pode até haver uma luz no fim do túnel
Mas não quero dela depender
Não sei nem se chegarei até lá
Ou o que pode no caminho acontecer

Pode até haver uma luz no fim do túnel
Mas enquanto por aqui estiver enevoado
Prefiro ativar em mim algo abençoado
Para guiar meus passos, serem iluminados

Pode até haver luz no fim do túnel
Mas prefiro acender a luz que há em mim
Em algum lugarzinho bonito ela está sim

Pode até haver luz no fim do túnel
Mas confio em mim, nos abraços seus
Sei que essa luz não me abandona, vem de Deus

Alda M S Santos

A Chico e Francisco

A CHICO E FRANCISCO

Gosto de gente clara, transparente
Das quais sabemos o que esperar
São íntegras, leais, quase imponentes
Não se sentem superiores, sabem valorizar

Seu modo de agir é criterioso
Em todos os espaços são o bem
Em tudo encontram um jeito proveitoso
De não magoar ou ferir ninguém

Não há dois pesos ou duas medidas
O coração é quem dita a ordem
Ou cria-se bagunça e desordem

“Se o mesmo pau que bate em Chico bate em Francisco”
Pode-se esperar que o mesmo amor que se faz a João, se faz a Sebastião
E nessa vida não haverá tanta decepção

Alda M S Santos

Quarentena

QUARENTENA

Vou colocar um coração em quarentena
Isolado, afastado, separado para não (se) contaminar
Logo, logo ele se livra da pena
E poderá voltar a vibrar, a amar

Vou colocar um corpo em quarentena
Para acalmar músculos e nervos
A fadiga evitar, a inércia apagar
Em busca de uma vida mais amena

Vou colocar uma mente em quarentena
Descansar, renovar, reciclar, reavaliar
Evitar curtos-circuitos cerebrais
E voltar reenergizada, querendo mais

Vou colocar uma alma em quarentena
Apenas para ela acompanhar nessa missão
Um todo de corpo, mente, coração
E não deixá -los separados, sempre aliados

Vou colocar-me em quarentena
Para uma vida mais doce e plena…

Alda M S Santos

Em prece

EM PRECE

Que meu sorriso seja como o sol

Capaz de atravessar as densas nuvens emocionais do outro

Que minhas palavras, como preces

Possam atingir corações cansados ou machucados pela vida

Que meus abraços, como cobertores

Possam aquecer aqueles que padecem do frio da indiferença

Que toda eu, corpo, mente e alma, seja
apenas um ser

Colocado aqui para ser luz na vida de alguém

E que todos possam ser luz para mim também

Que possamos estar em comunhão, em oração

Que haja paz,  prece, compaixão e gratidão

Amém!

Dançando

DANÇANDO

A dança é um belo meio de comunicação
Ela expressa o que está dentro de nós
E vem carregada de segredos, de emoção
Deixando extravasar em gestos ternos
A magia intensa da alma, gerando conexão
Pode ser num ritmo forte, energia pura
Faz vibrar, suar, cansar, acalmar, relaxar
Pode ser um suave rodopiar, flutuar, ternura
Gestos leves, olhares que falam, pedem, candura
Às vezes é sensualidade, feitiço, sedução
Puro encanto que transborda do coração
Uma boa dança é expressão de forte sentimento
Traz alegria, paz, contentamento
Não importa se num grande e rico salão
Ou sob a lua e estrelas iluminando a escuridão
Num sonho doce, dormindo ou acordados
É sintonia, harmonia, doçura, tentação
Se houver parceria, tremor de satisfação
Faz a vida mais bela, ato de amor, atração, adoração

Alda M S Santos

De que adianta?

DE QUE ADIANTA?

De que adianta uma linda voz

Se quando é preciso, ela se cala?

De que adianta um belo sorriso, se apenas se abre para alguns,

E tantos necessitados são excluídos?

De que adianta tamanha inteligência,

Se não sabe agir ao sabor da emoção?

De que adianta tanta beleza, se não é possível mergulhar mais fundo,

Sob pena de “bater a cabeça” em rasa profundidade?

De que adianta tanta “cultura”,

Se as palavras mais doces não fazem parte de seu vocabulário?

De que adianta braços fortes e ombros largos,

Se não servem de abrigo ou de colo a quem precisa?

De que adianta o amor preso dentro de si,

Se ele é uma flor que precisa do sol

Que existe no outro,

Para crescer, se abrir e encantar?

De que adianta?

Alda M S Santos

Novo olhar

NOVO OLHAR

Precisamos todos de um novo olhar
Aquele que chega e fica a acariciar
Traz paz, ternura, um leve arrepiar
Acorda a alma da letargia, faz despertar

Precisamos de um olhar que demora
Que acalenta, acolhe, nada deixe de fora
Sabe ouvir os silêncios, os gritos
São quentes, ternos, pidões, nossos favoritos

Precisamos de um olhar de compaixão
De amor, luz, paixão e gratidão
Precisamos de quem se importe, lute pela união

Precisamos ter mais tempo para amar
Para sonhar, à vida se entregar, realizar
Fazendo valer por aqui esse breve ou longo caminhar

Alda M S Santos




Uma obra de arte

UMA OBRA DE ARTE
Tento entender esse quadro
Que freneticamente vem sendo pintado
Certamente uma grande obra de arte
Não identifico o estilo, a época
Talvez por ser único, especial
De um artista atemporal
Mas sinto que faço parte
Do tudo que se usa, abusa
Mexe com todas as cores, odores
Mistura dores, flores, amores
A cada ângulo ou perspectiva
Uma nova visão mais diretiva
Noutros pontos de vista
Há dor, escuridão, nada atrativa
Não quero ser apenas uma observadora
Quero ser parte ativa, ainda que amadora
Busco um lugar, tintas, pincéis
Ofereço beijos, flores, perfumes, anéis
Faço um quadro bem meu
Banho-me nessa cachoeira de tintas coloridas
Tentando entender e fazer valer a vida
E o que faz essa grande obra entre nós repartida
Busco ser uma parte bem linda, produtiva e amiga…
Uma obra de arte…
Alda M S Santos

Só um sonho?

SÓ UM SONHO?

É amor, é carinho, é aconchego
É abraço, é beijo, é terno sossego
É magia, atração, docura, tentação
É luz, é calor que aquece o coração

É passeio ao luar, é caminhada à beira-mar
É intensidade, arrepio, brilho no olhar
É prosa boa, é texto, é contexto, é poesia
É amor que se quer, que se faz, sintonia

É belo, é forte, até sobrenatural
Na calmaria, na tempestade ou no vendaval
É flor, é jardim, é perfume natural

Tudo tão desejado e perfeito
Será que é apenas um sonho
Algo irreal, sem qualquer efeito?

Alda M S Santos

Ah, se eu pudesse…

AH, SE EU PUDESSE…

Ah, se eu pudesse…
Daria a cada momento da vida
O verdadeiro valor que ela merece
Não lamentaria tanto pelo que nos faz fenecer
Sendo tristes, incrédulos, num eterno padecer

Ah, se eu pudesse…
Potencializaria o efeito revigorante de um sonho bom
Eternizaria a satisfação e paz do amor que se faz
Guardaria num potinho um sorriso especial
E aqueles versos sensíveis na memória emocional

Ah, se eu pudesse…
Levaria apenas o amor e a esperança
Basta de tanta frustração e lambança
Quero abraços, beijos, eterna aliança
Num mundo sem tanta desconfiança

Ah, se eu pudesse…
Fecharia meus olhos para o negativo
Abriria o coração para tudo que fosse positivo
Buscaria no outro que me fosse afim, um lenitivo
Jogaria fora o que faz mal, sem atrativo

Ah, se eu pudesse…ah, se eu pudesse…
Mas posso ir tentando, caminhando
E em cada passo que dou, me apetece
Deixo a alma livre, e o coração amolece

Alda M S Santos

Como confiar?

COMO CONFIAR?

Como confiar num mundo em que o Merthiolate não arde
Nas delícias da Coca-cola que desentopem sanitários
Nas sandálias Havaianas que arrebentam as tiras tão facilmente
No leite que não vira coalhada depois de três dias fora da geladeira
No Bombril que não tem mais mil e uma utilidades?

Como confiar?

Como confiar numa justiça com tantos pesos e medidas
Na palavra dada que de nada vale se não for documentada
Nos amores que não duram até que a morte os separe
Nas brigas entre rosas e cravos em que ambos não saiam despedaçados
Num “te amo para sempre” apenas se você me amar?

Como confiar?

Como confiar nas compatibilidades de gêneros, ao invés das incompatibilidades de gênios
Que “primeiro as damas” é coisa de feminismo ou machismo
Que ter um quintal sem muro é apenas utopia de Roberto Carlos?

Como confiar?

Nas crianças que dançam  “quadradinho” até o chão e não mais “Atiram o pau no gato”
Nos olhares dos pais que não são entendidos como alertas de perigo
Nos adultos isolados da infância e da velhice como seres inatingíveis?

Como confiar?

Como confiar na fé que se professa e não se vive
No ouro que não “compra” terreno no céu
Nos “homens de Deus” que têm doenças mundanas
Na felicidade encontrada apenas nas conquistas profanas?

Como confiar?

Nas amizades que, monetariamente, calculam perdas e ganhos
Na saudade que não dói, no machucado que não sangra
No abraço que não acalma, na família que não se enlaça
No beijinho que não cura qualquer mal?

Como confiar num mundo tão confuso, hipócrita e perdido?

Alda M S Santos

A primavera chegará

A PRIMAVERA CHEGARÁ

Podem deixar meus frutos cair
Minhas flores não vingarem
E as folhas voarem por aí
Meus galhos podem estar quebrados
E tudo parecer abandonado
Mas a primavera chegará …

Podem tirar tudo de mim
Deixar-me nua, frágil, exposta
Aos malefícios do desamor e do tempo
À mercê de todo contratempo
Mas a primavera chegará…

Minha raiz, minha base, minha essência
Estas estarão intocadas, recolhidas
Em intenso trabalho de regeneração
E, no tempo certo, com força total retornarão
A primavera chegará…

Assim é na natureza, nos seres humanos
Na seca, no deserto, nos corações mundanos
Assim também é no planeta, na Terra
Deus é bom, é Pai, nunca erra
A primavera chegará…

Alda M S Santos

Quero, posso, devo?

QUERO, POSSO, DEVO?

Quero, posso, devo?
O querer é o mais primário instinto
Satisfação, sobrevivência, aquilo que sinto
Invade sonhos, adentra nossa vontade
O poder passa pelo próprio interesse e capacidade
A constante busca por  prazer e felicidade
Alimentada pela imaginação e desejo de realização
O dever já é cerceado pela vida em comunidade
O que é adequado, avalizado, aprovado
Aquilo que não traria sanção ou danos ao coração
Entre quereres, poderes e  deveres
Entre ids, egos e superegos
Transitando entre vaidades satisfeitas e culpas
A vida vai se fazendo de dores e prazeres
Um caminho de sorrisos e alegrias
De tristezas, lágrimas,  fantasias
Um eterno cair e levantar, subir e descer
Encanto, conquista, vitórias e derrotas
Em busca do mais belo e intenso viver
Pelos caminhos que aprouver,  pelas melhores rotas

Alda M S Santos

Louvando

LOUVANDO

Louvo a vida, louvo o amanhecer, louvo a fé
Louvo o amor que se mantém de pé
Louvo a amizade, louvo a verdade
Louvo a liberdade de ser o que se é

Louvo a beleza, a que se encontra na natureza
Louvo a simplicidade da alma, a bondade
Louvo quem luta por um mundo mais irmão
E não desiste de espalhar a compaixão

Louvo a Deus, a união, louvo a esperança
Louvo quem a semeia em suas andanças
Louvo o amor, seja de que tipo for
Purificando e renovando em Nosso Senhor!

Alda M S Santos

Brilho

BRILHO
Buscamos o brilho das estrelas
Queremos a beleza e encanto da Lua
Almejamos um céu azul e ensolarado
Ou um destino de sombra e água fresca
Mas nem sempre o caminho até eles é brilhante
Ou a trilha sob nossos pés é plana
Tantas vezes teremos estradas esburacadas
Não haverá flores, perfume, brilho ou companhia
Mas não podemos desistir
É preciso persistir, insistir
E saber aproveitar quando houver luz sob nossos pés
Para seguir adiante, acreditando que tudo é possível
E que a roda da vida gira
Ora luz, ora escuridão
Ora companhia, ora solidão
Mas vale manter o brilho
Dentro de nós, sob nós…
Em frente! Enfrente!

Da minha varanda

DA MINHA VARANDA
A vista da minha varanda
Sou eu quem faço
Dizem que são sempre as mesmas árvores
As mesmas casas inacabadas, as mesmas aves
O mesmo vento, o mesmo sol, a mesma chuva
O mesmo céu…
Mas sou eu quem pinto esse quadro
Sou eu quem dou o tom, a intensidade
Sou eu quem estilizo, dou o brilho a cada cor
Personalizo meu quadro diário
Sou eu quem “fotografo” com e para a alma
Tudo que há de belo ali
Posso tornar tudo fosco, cinza, preto e branco
Ou posso pintar tudo multicolorido
Tudo dependerá das cores que houver em mim
Naquele momento que minha “objetiva” captar a imagem
Não há monotonia, não há rotina
Cada dia nova imagem que me absorve
Com encanto e magia…
Alda M S Santos

Na onda

NA ONDA
Onda que chega, pesada, crescente
Forte, carregada de opiniões e palpites
Cega, radical, violenta, destrutiva
Daquelas com as quais não compactuamos
E querem nos arrastar consigo
Contra nossa vontade ou desejo
Naquela avalanche de negativismo
Precisamos fincar pé, lutar, nadar contra a corrente
Ou, simplesmente, deixar-nos levar
Não desperdiçar energia
Ver até onde dá pra ir sem nos ferir
E escolher o melhor momento para sair fora
Nadar de volta e retomar do local onde fomos arrastados
Encontrar o ponto essencial
Aquele que não fere nossos princípios e nossa consciência
Aquele que nos torna humanos
Uma hora toda onda passa e se desfaz…
Alda M S Santos

Conexão

CONEXÃO

Era noite, total silêncio e escuridão
Saía devagarinho, passos de algodão, quase flutuação
Lá fora grilos, corujas, um céu de estrelas e Lua cheia
Encontro de almas afins em outra dimensão

Seguia um caminho que parecia ter na mente guardado
Um rio caudaloso, paz, amor, lugar abençoado
Sentava-se na raiz de uma árvore centenária
E esperava o momento certo, emoção primária

Não tinha necessidade de palavras, mas havia comunicação
Uma interação boa, total entrega e conexão
Uma dança bela, comunicação de corpos, mentes, almas, coração
Aquela que proporciona doçura, encanto, evolução

Nossa mente viaja, passeia, vai e volta
Travessia pacífica, mesmo na reviravolta
Abastecendo de luz e boas energias
Gerando tranquilidade, satisfação e magia

Alda M S Santos

Um teatro

UM TEATRO

A vida é muitas vezes um grande teatro
Ora estamos no iluminado palco atuando
Fazendo nosso papel, representando
Ora estamos na plateia aplaudindo, ou vaiando

Importante lembrar que essa peça está valendo
O tempo está passando, as cenas acontecendo
Drama, comédia, suspense, romance, não importa
Vale mesmo é como agimos, o que dela estamos fazendo

No palco ou na plateia, fazemos parte
Essa é nossa história, nossa obra de arte
Precisamos nos unir, não fazer apartes

O espetáculo só termina quando as cortinas se fecham
E cada um retorna para o camarim, dentro de si
E é aí que os aplausos mais interessam

Alda M S Santos

Enigmas

ENIGMAS
Sou feita de barulhos e de silêncios
Ora sou um, ora sou outro
Ambos necessários em mim…
Há quem goste dos barulhos
Há quem prefira os silêncios
Há quem não compreenda nem um, nem outro
Há quem desperte barulhos intensos
Há quem provoque silêncios profundos, tranquilos ou dolorosos
Há quem não saiba lidar com nenhum dos dois
Há quem consiga fazer a travessia de um para o outro
Sou feita de contrários, de antagonismos
E nessa luta frenética em mim
Vou desvendando meus enigmas
Tornando-me mais eu…
Alda M S Santos

Provisões

PROVISÕES

Arrumou bem arrumada sua bagagem
Nada queria deixar para trás naquela viagem
Seu intento era ter muitas provisões
Para enfrentar o que viesse, muitas emoções

Colocou boas memórias, muitas lembranças
Cada passo dado, estacionado, as andanças
Guardou na mala expectativas, sonho especial
O motor de tudo, suas vontades, seu natural

Seguiria em frente, não haveria um rumo
Certo é que buscaria onde quer que fosse
Um cantinho que oferecesse paz, um prumo

Abriria as porteiras da alma, sentaria à mesa, tomaria um café
Uma prosa longa, pacífica, demorada, desejada
Restaurando consigo a alegria, o autoconhecimento, a fé

Alda M S Santos

Ela é…

ELA É…

Ela caminha por aí vestida de luz
Transita por espaços tridimensionais
É força, beleza, energia que conduz
Está na natureza, em momentos sensacionais
Ela é sonho, é desejo, é realidade
É a esperança de um amor de verdade
Pode ser lágrima, sorriso, emoção
Dança, mistério, encanto, sedução
Ela está no canto dos passarinhos
No perfume das rosas, nos carinhos
No afeto irmão, na compaixão
No amor que se quer, que se faz
Nas lutas, nas derrotas e vitórias, na paz
Ela está por aí, é sonho, é real
Em busca de um poeta, seu igual
Poderia ser uma mulher, mas é a poesia
Que se faz, qualquer tema, qualquer lema
É um sonho,  um encanto de um poema…

Alda M S Santos

Sonhe!

SONHE!
Se a realidade parece intolerável
Está difícil manter a fé, acreditar
E a solidão está quase palpável
Sonhe!
Se o dia está muito nublado
À noite o céu não está estrelado
E você se sente abandonado
Sonhe!
Se o amanhã não dá para enxergar
O ontem já não permite voltar
A dor hoje não quer passar
Sonhe!
O sonho alimenta o coração
Renova a vida de esperança
Traz sossego, calma, renovação
Sonhe!
Mesmo que hoje pareça impossível
Sonhar reenergiza, anima
Quem sabe um dia tudo seja possível?
Permita-se sonhar…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: