Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Autor

Alda M S Santos

Para mim, a vida é apaixonante, deixo o amor brotar, rego-o, alimento-o e o distribuo por onde passo.

Como o vento

COMO O VENTO

Como o vento, às vezes sou brisa suave

Leve, delicada, que arrepia a pele de prazer

E deixa o coração calmo, doce enternecer…

Às vezes faço bagunça, sou ventania

Tiro tudo de lugar, misturo emoções, perco-me nessa agonia

E tento me satisfazer nessa tensão, intensa magia…

Às vezes sou furacão, emoção, paixão

Em poucos momentos, êxtase, explosão

E, aos poucos, feliz, tudo volta a antiga condição…

Sou assim, fenômeno da natureza

Delicadeza, força, magia, mistério, grandeza

E a cada transformação, sempre emoção

Encanto, evolução…

Alda M S Santos

Certezas

CERTEZAS

Quantas certezas já tivemos

E se desfizeram com o vento

Quantas dúvidas nos consumimos

E ainda assim, seguimos?

Quantas certezas nos sustentaram

E depois nos derrubaram

Quantas dúvidas nos derrubaram

E finalmente nos levantaram?

Quantas certezas nos salvaram

E depois nos enganaram

Quantas dúvidas nos enrijeceram

E, enfim, nos amoleceram?

Certezas e dúvidas…

Na dúvida, melhor não se fiar nas certezas

Nas certezas, um pouco de questionamento é de extrema nobreza…

Alda M S Santos

Faça três pedidos

FAÇA TRÊS PEDIDOS

Não encontrei a lâmpada de Aladim

Tampouco um gênio a me conceder três pedidos

Mas ele me disse: meu amor te concederá três desejos

Olhei para ele e não consegui identificar de onde o conhecia

Tinha um olhar terno de imensa bondade

Olhava fundo em meus olhos

Havia muito amor ali, parecia me conhecer até a alma

Eu não precisaria nada pedir

Ele chegou e me deu um longo abraço apertado

Daqueles que matam saudades seculares

“Este pedido não vale”- ele disse

“Não quero mais nada”- beijou as lágrimas que escorriam

Deu-me as mãos, levou-me com ele

Como se asas brotassem em mim

Voei alto, bem alto, tudo apreciando

Sentindo-me tão à vontade, total sintonia

Não havia medo, tampouco ansiedade

Sentamo-nos no alto de uma montanha

Da altura das nuvens, cachoeiras em cascata ao redor

Pássaros pousavam nas nossas mãos

“É sonho? Não quero acordar!”- afirmei

Uma veste branca, fina e leve cobria meu corpo

Balançava todo o tempo como um halo de luz

Eu flutuava, levitava, cheguei a uma imensa porta

Estendi as mãos para ele

“Não! Ainda não! Virei te buscar na hora certa”

Deu-me um longo beijo e me colocou de novo lá embaixo

“Siga seu caminho, você está indo bem”!

Falei que meu único pedido era ir com ele

“Ainda não é chegada a hora”

Soprou-me um beijo e sumiu…

Fiquei ali com meus três desejos

Fé, esperança e amor renovados…

O outro teria que esperar!

Alda M S Santos

(Re)encontro de almas

(RE)ENCONTRO DE ALMAS

Antes de virem para esse mundo

De um outro mundo bem diferente

Onde tudo é claro, nítido, sem subterfúgios

Será que as almas gêmeas ou afins

Fazem algum combinado para se reconhecerem por aqui?

Um olhar mais demorado

Um toque eletrizante, um poema emocionante

Talvez um sorriso sem igual

Ou até mesmo uma piscadela especial?

Um abraço mais demorado, um beijo assustado

Quem sabe uma palavra, como um código, abracadabra

Ou uma senha que só elas saberiam?

Poderia ser também um lugar marcado

Como uma cachoeira, local isolado

Onde se banhariam como no passado…

Saboreando sorvete no banco da praça

Na fila do cinema comprando pipoca, meio sem graça

Num hospital tomando uma injeção

Ganhando bala na festa de Cosme e Damião

Na igreja, na praia, na fazenda montada no alazão

Ou, simplesmente, no último lugar em que deitaram e rolaram

E, apaixonadamente, se amaram?

Penso que há sim esse código, senha

Ou seja lá como se chame

Se ficarmos mesmo atentos

Talvez a gente até possa ouvir os sinos

Ou os anjos dizendo:

“Até que enfim, sinto perfume de jasmim”!

Você já (re)encontrou alguma alma assim?

Alda M S Santos

Cara lavada

CARA LAVADA

A cara é pintada, enfeitada

Para chamar atenção ou esconder emoção

Que resta quando a cara é lavada?

Quase sempre faz estardalhaço

A vida de um palhaço é só embaraço

Que se desfaz num beijo, num abraço

Nessa vida de palhaçada

Vai levando toda a meninada

A sorrir dia, noite ou madrugada

Mas pode ser cilada, não se deixe enganar

Se o sorriso se abrir, mas o olhar não acompanhar

Ao palhaço feliz falta amar…

Que resta quando a cara é lavada?

Alda M S Santos

Quero a paz

QUERO A PAZ

Quero a paz de uma manhã de pássaros a cantar

Lembrando que a vida é breve, é bela

E que não vale a pena chorar

Quero a paz que sinto num abraço fraterno

Que diz “te amo” sem palavras

E faz todo meu mundo mais terno

Quero a paz que reina numa cachoeira

Um sorriso doce que ilumina até a alma

E na natureza, intensa à sua maneira

Quero a paz de um amor verdadeiro

Onde haja confiança, prazer, intensidade

Daqueles aos quais nos entregamos por inteiro…

Alda M S Santos

Cicatrizes

CICATRIZES

Cicatrizes carregam consigo uma trilha

Um caminho a lembrar do percorrido até ali

Caminho que nela teve fim

Da cicatriz para trás, o vivido, vencido, curado

Da cicatriz em diante nada há, exceto expectativas

Dali para a frente, novas trilhas, novos caminhos

Independentes do caminho anterior

As feridas passadas deixaram a marca

Mas não é ela que irá determinar para onde ir

Novos caminhos, novos aprendizados, novas feridas ou cicatrizes

Ou não!

É preciso seguir para descobrir …

Vamos?

Alda M S Santos

Lutos

LUTOS

Vivemos uma vida de lutos, de perdas

De despedidas, de adeus, de dores

Choramos, sofremos…

Mas toda morte e despedida trazem consigo um renascer

Um broto de vida, novo, lindo

Um recomeço…

Abrir a janela de nossos corações

Deixar a luz entrar, aquecer a terra fértil de nossa alma

Chorar, se preciso for, para irrigar

Deixar brotar nova flor, novo amor

Luto é fim de uma etapa

Recomeço de outra, nova semente pronta para crescer

Novo jardim florir, perfumar, encantar

Como ela será só depende dos jardineiros envolvidos

Sentir uma perda, viver o luto é natural e até necessário

Aceitar a mudança e cultivar o novo é essencial

Que sempre saibamos nos despedir

E acolher as novas sementes…

Alda M S Santos

Quero ser vida

QUERO SER VIDA

Quero ser a chuva que cai incessante

Que irriga a terra, lava a alma inconstante

E tem efeito calmante…

Quero ser o sol que aquece

Que inebria, amortece

Causa sonolência, amolece, adormece…

Quero ser a brisa que acaricia

Que vem suave, a pele arrepia

E nos deixa em transe, pura magia…

Quero ser a lua que banha

Ilumina os amantes, sem barganha

E neles provoca grande façanha…

Quero ser vida, tensão, paixão, emoção

A energia que flui de coração para coração…

Alda M S Santos

Dia dos professores

DIA DOS PROFESSORES

Ser professor é um desafio dos mais gratificantes

É ser transmissor de saberes, mas também de amor

É despertar desejos, é ajudar em sua realização

É plantar sementes em terreno macio e fértil

É também preparar terrenos mais resistentes

E contar que serão cuidados e irão florir

É dar afeto, acolher, aquecer corações

É lutar pela semente que não quer florescer

É continuar plantando, enquanto muitos dificultam a plantação

É se orgulhar das árvores frondosas e fortes que se tornaram

É perceber que a cada semente plantada e cuidada

Ela brota também dentro da gente

Cada dia mais linda…

É se emocionar diante de um beijo e de um abraço de gratidão

Daquele olhar feliz que diz “você foi minha professora”

Amo ser professora!

Alda M S Santos

Parabéns a todas(os) nós!

Brilha mais

BRILHA MAIS

Inspire fundo, expire lentamente

Feche os olhos, afaste todos os pensamentos

Leve sua mente para um lugar de paz e serenidade

Onde haja apenas você consigo mesmo

Você e seu desejo de em nada pensar

Apenas sentir o ar entrando e saindo de si

O sangue circulando em suas veias

Levando oxigenação e vida a todo seu corpo

Irrigando a mente e a alma

O coração pulsando…

Que há em sua mente?

O que permanece ali

Brilhando ainda mais quando os olhos se fecham

Que se mantém a despeito de tudo

Isso que brilha na escuridão de seus olhos fechados

Que se torna mais nítido num mundo calado

É aquilo pelo qual vale a pena viver…

Alda M S Santos

Uma fada, um ogro

UMA FADA, UM OGRO

Uma fada invadiu suavemente meus sonhos

Brilhava, flutuava, chegava, desaparecia

Eu estendia os braços e ela a mim se unia

Numa brincadeira de luz e sombra, reluzia

Nesse constante vai e vem um ogro surgia

Amedrontada, frágil, ao lembrar dela me fortalecia

O ogro chegava, tentava, assustava

De gato e rato brincava, não agradava

Mas a fada sem medo se levantava, me ajudava

O ogro desistia, ia embora, se cansava

E para aquele mundo encantado eu voltava

Quase como uma só, a fada me acompanhava

No reino dos sonhos ela era parte de mim, me encorajava

Nenhum ogro mais se aproximava

Fugia daquela magia que até a ele encantava

Alda M S Santos

Mais colorido

MAIS COLORIDO

Quero pintar esse mundo doido, doído

De azul, vermelho, amarelo, rosa choque, toda a cor

Fazer um grande e bonito colorido

Quem sabe assim não ofusque todo dissabor?

Pincelar bem tudo que estiver desbotado

O abraço, o beijo, o cuidado, o olhar, o sorriso

Aquele de humor nublado, calado

E tudo o mais que for preciso

Quero levar a cor neon, brilhante

Numa grande paleta, uma aquarela

Ao idoso, jovem ou infante

Um abraço , um sorriso e uma flor amarela

A todos que precisarem dela…

Alda M S Santos

É bom ser criança

É BOM SER CRIANÇA

Resgatar a criança que habita nos recônditos de nossa mente

Que nos faz desatar as amarras do viver

Escapar do tédio, fazer umas boas estripulias

E dos problemas esquecer…

Chamá-la quando estivermos feridos, não mais nos joelhos

E quisermos ser curados com carinho, com beijinho

Pular no colo de um alguém

Em busca do conforto que faz tão bem…

Sorrir muito, por qualquer coisa, sem rodeio

Ser aberto a todos, à amizade, ao amor

Chorar quando tiver vontade, sem receio

E quando não quiser,ou não gostar, dizer: não, por favor!

Brincar, brincar e brincar

Correr, pular, dançar, o rosto pintar

Essa regra sempre levar

E nunca, nunca se esquecer de confiar, de amar…

E se a vida não for tão boa hoje

Voltar para dentro, ir dormir

Certos que amanhã é outro dia, a aurora vai surgir

Nosso sol vai raiar, brilhar

E nova brincadeira iremos começar…

É bom ser criança todos os momentos…

Alda M S Santos

Infância

repostando

INFÂNCIA

Quanto tempo dura a infância?

Até a troca definitiva dos dentes de leite,

Ou até o corpo se transformar pelos hormônios?

Quanto tempo dura a infância?

Enquanto se empanturrar de doces sem se preocupar com formas redondas,

Ou até cair nas armadilhas da mente e do coração?

Quanto tempo dura a infância?

Enquanto a brincadeira de bonecas for mais interessante que paquerar um “boneco”,

Ou até o guarda-roupas não ter mais nada que agrade?

Quanto tempo dura a infância?

Enquanto uma mágoa durar apenas alguns minutos,

Ou até o perdão ser uma ação mais complicada?

Quanto tempo dura a infância?

Enquanto um beijinho curar qualquer ferida,

Ou até ser comum dormir chorando e acordar sem vontade de levantar?

Quanto tempo dura a infância?

Enquanto a valsa da bailarina for a maior preocupação do dia,

Ou até os sonhos bons serem atropelados mais vezes por pesadelos?

Quanto tempo dura a infância?

Enquanto um copo de leite for mais saboroso que uma taça de vinho,

Ou até o joelho ralado doer mais que coração partido?

A infância já ficou bem lá atrás quando nos fazemos todas essas perguntas,

Mas se for uma nostalgia e saudade gostosa,

Conservamos uma alma infantil,

Isso é que vale!

Alda M S Santos

Abraços e desejos de felicidades a todas as crianças, de qualquer idade! 🙏🏼🙏😘😘👶👦🏼👧👨🏻👩🏻👵🏼👴🏼

Deixei poesia

DEIXEI POESIA

Qual foi sua contribuição

Para o mundo melhorar

Essa era a verdadeira questão

Feita a todos ali sem cessar

Uns diziam: curei males físicos e mentais

Outros: ensinei as lições fundamentais

Há quem tenha dito que levou paz a toda gente

Ou que tenha lutado na linha de frente

Entre tantas defesas e tanta melhoria

Num rompante de sabedoria

Há quem disse simplesmente:

Por onde andei eu levei poesia

Fiz a vida mais contente

Assim disse o poeta:

Fui flor, doei amor, tristezas dissipei

Desse modo muitos corações aflitos salvei!

Para o mundo melhorar

Deixo poesia fluindo no ar…

Alda M S Santos

Quando dói

QUANDO DÓI

Quando dói a cabeça, o ouvido

A coluna, o estômago, o joelho

Tomamos um analgésico qualquer e resolve

Mas quando a dor vem de um lugar

Que a gente não identifica qual é

Que fazer?

Investigar os sintomas: angústia, tristeza, desânimo

Raiva, passividade, solidão, medo?

Seja ele qual for a alma precisa de cuidado

Precisa de ter alguém especial ao lado

Em doses homeopáticas ou cavalares

Para a dor do corpo vamos à farmácia

Para a dor do coração recorremos ao abraço de um irmão …

Quer um abraço?

Alda M S Santos

Quisera ser rio

QUISERA SER RIO

Quisera ser rio que sabe que seu destino é o mar

Que segue sempre em frente sem se preocupar

Levando vida e alegria por onde passar

Por vezes, leva até destruição

Pra quem com ele não sabe lidar não…

Quisera ser rio e das pedras saber desviar

Obstáculos contornar, afluentes aceitar

Ora tormenta, ora remanso, calmaria

A sede matar, doces amantes banhar

Mas sempre seguindo rumo ao mar

Quisera ser rio, ser vida, em qualquer situação

Sendo a paz e o amor que o mundo necessita

Sabendo que sua força brota do chão, renovação…

Alda M S Santos

Vamos brincar?

VAMOS BRINCAR?

Dia das crianças chegando

Vamos brincar?

De bola, de pique-cola, de Maria viola

De finca, bolinha de gude ou mola maluca

Não importa, vale a diversão

Impera é o correr de pé no chão

Quer nadar no rio, escalar árvores, bambolear?

De cantigas de roda, esconde-esconde, gangorrar

Quer pedalar ou cair no poço

Quem te tira? Meu bem!

Pera, uva ou maçã, beijos ou abraços também

Pé de lata, pé de pano, sapatinho de algodão

Quem será a dona do seu coração?

Passando o anel, parando nas mãos de seu doce mel…

Vamos brincar?

De correr, de cantar, de dançar, de amar…

De amar?

Sim, essa brincadeira é pra vida inteira

E como toda brincadeira boa

Não dá para brincar sozinho de qualquer maneira

Vamos brincar?

Alda M S Santos

Dançar

DANÇAR

Dançar, brincar com o corpo

Mexer-se em harmonia, sentindo a música

Sensualizar, deixar a alma se entregar

Fazer do movimento cadenciado

Um instante abençoado

Ao sabor da canção, da interação do momento

Ser bem mais que divertimento

Dançar é colocar corpo e alma

No mesmo fluxo, na mesma sintonia

É comunicar-se com outros corpos e almas afins

Dançar é escrever com o corpo uma poesia

E a alma entender cada verso, toda a magia …

Dançar é um modo de ser e fazer poesia

No espaço, no próprio corpo…

Dança comigo?

Alda M S Santos

Nossos sonhos

NOSSOS SONHOS

Somos movidos por nossos sonhos

São eles que nos impulsionam

Nos empurram para a frente

São as asas que nos mantêm no ar

Quando tudo parece declinar

Somos movidos por nossos sonhos

São eles que nos fazem levantar

A cada dia ter mais garra, vontade de lutar

Ir em busca deles em qualquer lugar

Somos movidos por nossos sonhos

Eles crescem em nossos corações, adentram nossa alma

Criam asas, voam alto, invadem outros corações

E vivemos assim, plainando

Com eles nos atiçando

Somos movidos por nossos sonhos

Não importa se parecem impossíveis

Eles sempre nos parecerão cabíveis

Se um dia deixarem de existir

Já teremos deixado a vida de nós se esvair…

Qual sonho te impulsiona?

Alda M S Santos

Rosa por dentro e por fora

Repostada

ROSA POR DENTRO E POR FORA

Estamos de rosa, por fora e por dentro

Delicadeza e firmeza que bem interagem

Estamos de rosa, por fora e por dentro

Ternura, carinho e força numa só imagem

Estamos de rosa, por fora e por dentro

Alertando para o cuidado da saúde feminina, sem rodeios

Estamos de rosa, por fora e por dentro

Abordando a necessidade de tocar os seios, sem receios

Estamos de rosa por fora e por dentro

Para sensibilizar a todos da necessidade de cuidar das mulheres queridas de suas vidas

Estamos de rosa, por fora e por dentro

Acreditando que o amor atento e cuidadoso vence todas as partidas

Estamos de rosa por fora e por dentro

Rosa bebê, rosa pink , rosa choque, nesse outubro rosa

Para nunca esquecermos: câncer de mama mata, mas tem cura!

Previna-se!

Quando você fez sua última mamografia?

Esse é nosso alerta, essa é nossa prosa

Em rosa…e em todas as cores do arco-íris…

Alda M S Santos

#outubrorosa

Mais no meu blog http://www.vidaintensavida.wordpress.com

Poesia

POESIA

Por onde passar, deixe poesia

A vida ficará mais bonita, doce

Colorida e florida para nossa travessia…

Alda

Uma fada me disse

UMA FADA ME DISSE

Um dia uma fada me disse

Que para ser feliz é preciso amor levar

Em qualquer situação, tempo ou lugar

Que tudo pode falhar, só o amor não pode faltar…

Ela é uma fada de grande coração

Sempre nos ensinando uma lição

O mundo precisa dar-se as mãos

Para, finalmente, serem mais irmãos…

A fada me fez ver a realidade

Que não devo me (pre)ocupar tanto com a humanidade

Se eu for carinho, luz, solidariedade

Já estarei agindo em nome da bondade

Fada é a luz da Natureza

E sempre encontra nela a maior riqueza

Aquela que nos aproxima de Deus, de Sua grandeza

Num encontro de rara e intensa beleza…

Um dia Fada Luz me falou

E seguindo seus passos estou…

Alda M S Santos

Seja repouso

SEJA REPOUSO

Quando tudo parecer pesar

A dor estiver difícil para suportar

Algo indefinido quiser te esmagar

É preciso repousar!

Busque um cantinho para descansar

O corpo, a mente, deixe a alma divagar

Entregue-se ao rio, ao mar

É preciso repousar!

Crie o hábito de meditar, ao sol se entregar

À sua natureza abraçar

Não deixe que a angústia tenha lugar

É preciso repousar!

Quando a descrença quiser se apossar

E nos outros não puder confiar

Dê a si mesmo uma chance,

Leve sua alma para passear

Permita-se amar…amar-se!

Alda M S Santos

Deixa

DEIXA

Deixa a luz entrar, devagar

Iluminar teu olhar, a todos encantar

Deixa a vida mexer, remexer

A dor arrefecer pra ninguém esmorecer

Deixa o mal virar pó

Todo ele, sem tempo, sem dó

Deixa o bem fluir, invadir

E a toda gente fazer sorrir

Deixa o amor acontecer

Não importa quando ou quanto

Seja prazer, faça aquecer

Da alvorada ao anoitecer

Deixa!

Alda M S Santos

Uma nova chance

UMA NOVA CHANCE

Ela ouvia a música no carro. Era noite, vidros semi abertos.

Cantarolava a canção pensando no mundo de coisas a fazer.

Dia seguinte seria o Dia das Mães, almoço, família…

Celular no colo para acionar GPS se precisasse. Ela se perdia facilmente.

O dia tinha sido puxado com a visita ao asilo. O porta-malas estava lotado de roupas para doação.

À noite tudo ficava mais confuso, lugares desconhecidos. Pegou umas fichas para o encontro de jovens na casa de um casal e já retornava para casa, queria descansar.

Descendo a rua o celular escorregou e caiu no chão do carro. Abaixou-se para pegar, reduziu a marcha e quando levantou já tinha uma arma apontada para a sua cabeça.

Foi tudo muito rápido, ele já entrou empurrando-a para o outro banco.

Ela tremia e chorava, enquanto ele gritava para ela calar a boca. Olhos vermelhos, moletom enorme, capuz. Era jovem e muito magro!

Ela implorou para ser deixada para trás. Que poderia levar tudo, mas que a deixasse.

“Cala a boca, cala a boca, cala a boca”- ele gritava enquanto passava as mãos na cabeça soltando o volante e segurando desajeitadamente a arma.

Com um medo enorme e com muita pena dele ela disse:

“Amanhã é Dia das Mães, sou mãe, tenho filhos, tenho mãe, por favor me deixe aqui”.

“Cala a boca, cala a boca”- drogado, ele gritava!

“Por favor, tenho dois filhos, você tem mãe”?

Nessa hora ela sentiu a arma batendo com muita força em sua fronte. Não viu mais nada!

Voltou a si sem saber onde estava ou quanto tempo tinha passado. A cabeça latejava…

Tentou se levantar, tudo escuro, bateu a cabeça, as pernas não conseguiam se esticar. O cheiro de amaciante e uma luzinha por uma pequena fresta fizeram-na perceber que estava trancada no porta-malas.

Claustrofobia e medo tomaram conta dela. Onde estava?

Carros ao longe, cachorros latiam. Estava num lugar deserto.

Esperou um pouco e teve medo de que tocassem fogo no carro. Tinha acontecido isso muito por ali!

Começou a forçar a tranca batendo forte os pés. Chutava o canto dos faróis e gritava por socorro!

“Por favor, alguém me ajude, fui sequestrada, socorro”- gritava e chorava e chutava o carro fazendo muito barulho.

“Quem está aí?- ouviu uma voz lá de fora .

“Fui assaltada, estou trancada no porta-malas, por favor me tira daqui!”

E ela chorava mais ainda, de medo, frustração, dor, agonia…

Mas quando ouviu vozes perto do carro, alguém acionando a polícia, e a porta do carro se abrindo para ela sair por dentro, entre tantos sentimentos prevaleceu o da alegria.

Estava a salvo, ele a tinha deixado sobreviver por algum motivo.

Estava a muitos quilômetros de casa.

As lágrimas rolavam insistentes, mas só pensava na alegria de estar viva para o Dia das Mães.

Uma oração silenciosa: “Obrigada, Senhor”!

Alda M S Santos

A vida pede

A VIDA PEDE

A vida pede muitas coisas todo o tempo

Se ela pede, a gente tenta buscar

E vai tentando de tudo para não decepcionar

Pede ao menos uma alegria diária

Um sorriso, um carinho, um abraço apertado

Não dá para se deixar de lado

Pede amigos de fé, leais

Que topam qualquer parada

E não nos abandonam na caminhada

Pede um trabalho prazeroso

Daqueles que se faz por diversão

Que seja bondoso, um pouco de doação

Pede um amor gostoso

Verdadeiro, ímpar, parceiro

Que nos faça nos sentir inteiros

Pede fé, paz, sintonia, harmonia

Daquelas que se tem com Deus, com a natureza

Ou com uma alma de pura beleza

A vida pede pra ser vivida

Com intensidade, sinceridade, entrega

É mais feliz quem a ela não se nega…

Que a vida te pede?

Alda M S Santos

A fé que me move

A FÉ QUE ME MOVE

Tenho fé e por isso caminho

Não importa o ritmo, a velocidade

Se entre flor ou espinho

Entre alegria, lágrima ou saudade

A fé que me move vem do alto, não tem hora

Move também montanhas

Descarta as tristezas, joga fora

E carrega consigo o amor, sem artimanhas

A fé que me move brota de dentro

Tem tronco, galhos, flores, frutos, tem raiz

Não é tão fácil arrancá-la de mim

Podem até tentar, mas ela é matriz

A fé que me move é soberana

O gatilho do outro pode acioná-la em mim

É forte, instigante, envolvente

É o que de melhor tenho, enfim

A fé que me move é a razão

Mas também a consequência

Do meu existir por aqui…

Alda M S Santos

Mito?

MITO?

Dragões são monstros,

Horrendos, alados, rastejantes

Que sopram fogo…

Amigos ou inimigos?

Mitos ou verdades bruxuleantes?

Eles estão por aí

A nos assustar ou a nos salvar?

Carregam o mal e a destruição

Ou são fonte de sabedoria e imaginação?

Que se esconde atrás de sua aparência horrenda?

Qual dragão “rege” nossas vidas?

Qual dragão habita em nós?

Ou você acredita que tudo isso é lenda?

Um dragão, quimera ou não

Não posso resolver essa contenda

Mas fico com meus diversos dragões

Feios ou bonitos, acolhedores ou assustadores

Eles acalmam meus furacões…

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

#flalfestival2019

Qual seu maior medo?

QUAL SEU MAIOR MEDO?

Qual seu maior medo?

Envelhecer, enfraquecer, adoecer

Dos outros depender?

Qual seu maior medo?

Perder dinheiro, o emprego

A segurança, a fé, a alegria, o prazer?

Qual seu maior medo?

Perder o amor, a admiração

Família, amigos, o desejo de viver?

Qual seu maior medo?

Não mais conseguir belezas admirar

Perder a capacidade de amar

De com qualquer coisa se importar?

Tenho medo dos meus medos

Que me assustam, me tiram o sono

Me estacionam muitas vezes

Porém, mais medo teria de não ter medos

Isso significaria nada ter de valioso a perder

Ou de que a vida não me bastaria…

Qual seu maior medo?

Alda M S Santos

O abismo

O ABISMO

A música tocava, ela seguia

Na estrada longa e vazia

Vez ou outra um carro surgia

E sumia…ela seguia

Pra onde não sabia, apenas ia…

O céu de intenso azul reluzia

Ela olhava, admirava, e a lágrima escorria

Que era aquilo lá longe na via

Algo naquele lugar a atraía

E, então, mais rápido ela seguia

Cansada, parou à margem de um abismo

Ele lá estava, muita agonia

Olhava lá para baixo, tão distante, intensa magia

Um medo estranho ela sentia

Ali ficou sentada, balançando os pés, nada resolvia

Sentindo o peso que o abatia

Olharam-se, um tácito acordo surgia

Por fim, olhou de novo para o sol que se punha no horizonte

Amanhã de novo ele nasceria

Então, decidiram-se: como o sol eles seriam

Todas as noites adormeceriam

Mas na manhã seguinte sempre acordariam

Dispostos a brilhar por mais um dia

E o abismo para trás deixariam…

Alda M S Santos

Com o coração

COM O CORAÇÃO

Quer que dê certo?

Coloque sempre o coração

Se ele se alegra, prossiga

Se ele chora, reavalie

Se faz alguém chorar

Mude de atitude

Se ele está só, dê-lhe atenção

Tantas vezes falta na solidão

É a própria companhia

Aquela da qual nunca podemos abrir mão

Sentar num cantinho qualquer

Vasculhar nossos cantinhos esquecidos

Cutucar mesmo onde dói, limpar as feridas

Deixar a luz entrar, arejar

E conversar conosco mesmos

Fazer as perguntas certas

Ser sincero nas respostas

E novas atitudes tomar:

Nunca desistir de nos amar!

Cuidar de nosso emocional

É fundamental…

Viver com o coração

É ter a melhor razão para nunca desistir de si

É ter munição de sobra para as batalhas cotidianas

Com o coração pode até demorar mais

Mas a vitória é garantida!

Alda M S Santos

Conexão perfeita

CONEXÃO PERFEITA

Busco a perfeita conexão

Que não use fibras, mas quero sintonia

Não quero cabos, fios, quero magia

E um ponto que ligue direto ao coração

Busco a perfeita conexão

Certeira, verdadeira, sem ilusão

Na natureza, na mata densa

No rio, na cachoeira, no humano que pensa

Encontro a perfeita conexão

No meio do nada, inspiro paz, ar apuro

Expiro amor, alivio a dor, a pressão

E daqui não saio não, eu juro!

Alda M S Santos

Onde você queria estar?

ONDE VOCÊ QUERIA ESTAR?

Onde você queria estar?

Num veleiro em alto-mar

Numa praia a caminhar

Ou numa rede a cochilar?

Onde você queria estar?

Na relva a observar uma noite de luar

Numa luxuosa sala de estar

Ou numa aeronave a viajar?

Onde você queria estar?

Numa cabana a namorar

Na beira do rio a vagar

Ou, desde que amando, em qualquer lugar?

Onde você queria estar?

Alda M S Santos

Um instante

UM INSTANTE

Por um único instante

Por mais fugaz que fosse

Gostaria de ir do outro lado

Aquele que fica além da vida

Apenas dar uma espiada e voltar

Saber se estou na rota certa

Se não desviei do caminho a que me propus

Se falta muito ainda para o game over

Ou se ainda tenho tempo para mudar de fase

Quanto falta ainda para conquistar ou realizar

Mas, principalmente, se não estou deixando ninguém para trás

Só por um instante!

Seria possível ir até lá?

Buscar mais munição, fazer reservas

Estocar suprimentos , sei lá

É que às vezes dá medo, parecemos jogar no escuro

Só por um instante…

Pode ser?

Alda M S Santos

Por você!

POR VOCÊ!

Por você eu sou sorriso

Eu enxugo todas as lágrimas

Desperto com coragem

E carrego qualquer bagagem

Por você eu sou alegria, poesia

Eu gero prazer, sou magia

Desfaço os nós, faço laço

No cansaço peço um abraço

Por você eu brinco com a Lua

Nado em paz na noite escura

Me desmancho, fico nua

Mostro uma alma despida e pura

Por você, vida, eu insisto

Sigo o caminho, persisto

Por você eu faço de tudo

Vida, de você nunca desisto!

Por você!

Alda M S Santos

Convite Festival de Literatura

CONVITE

Oi gente! Neste sábado, 05/10, as 19h estarei no FLAL: FESTIVAL DE LITERATURA E ARTE LITERÁRIA -Entrevista e bate-papo online. O FLAL prestigia e divulga escritores e autores nacionais. Mais arte, mais cultura, mais conhecimento! Venham! Será um prazer ter vocês comigo!

https://www.facebook.com/flal.festivaldeliteratura/

Idosos: nosso passado, nosso futuro

IDOSOS: NOSSO PASSADO, NOSSO FUTURO

Carentes de amor, carentes de afeto

Uma memória repleta de passado

Um futuro distante, meio incerto

Um presente às vezes magoado

De quem quer alguém ao seu lado

São idosos, muitos anos idos

Tempo para o o idoso é algo duvidoso

A barra de rolagem está quase no fim

Querem amor, abrigo, amigos

São nosso passado e futuro, enfim…

Dia dos idosos para quê?

Para nos lembrar de que o tempo passa

Para nos fazer as mãos estender

E para finalmente entender

Que essa é parte importante do viver…

Alda M S Santos

Por que rosa?

POR QUE ROSA?

Ele é rosa, o outubro é rosa

Todos os meses deveriam ser rosa

Rosa é coisa de mulherzinha, também de mulherão

Rosa é coisa de mulher, associado ao feminino, é força e fragilidade

Rosa cor, rosa flor, rosa amor, rosa de superação da dor

Somos rosa não apenas pela delicadeza

Somos rosa pela força que se agiganta quando preciso

Que brota do fundo, cresce e se alastra como roseiral

Somos jardim de rosas em luta pela saúde feminina

Rosa que conscientiza a fazer o autoexame dos seios

Rosa que nos leva a lutar pelo direito à saúde pública, a exames de imagem

Rosa que nos lembra da prevenção do câncer de mama

Rosa que nos faz guerreiras ao extirpar um tumor

Rosa que nos fortalece a encarar de peito aberto essa batalha pela vida

Rosa que nos leva a sensibilizar companheiros da importância do apoio familiar

Rosa que nos faz sentir sempre belas, queridas e desejadas

Rosas amadas, ainda que nos falte temporariamente uma parte bem feminina

Que tem o poder de alimentar outras pequenas vidas

Mas que nos lembra que somos femininas por muitas outras razões

Principalmente o amor, a bondade e a coragem

Nada chega ou se vai sem deixar algo importante

E o câncer de mama tem esse poder

Despertar a força adormecida em cada rosa desse lindo roseiral

O outubro é rosa, somos todas rosa

Somos rosas pela vida!

Cuidar desse jardim é responsabilidade de todos!

Alda M S Santos

#outubrorosa

Catarse

CATARSE

As letras iam saindo meio misturadas

Formavam umas palavras meio sem nexo

Juntas não pareciam fazer sentido algum

Mas ela sentia, sentia muito

Apertava o coração, doía a alma

Ainda assim, ela continuava

Deixava na tela do celular tudo que a incomodava

Tudo que estava “sobrando” dentro de si

Letras e mais letras, palavras, frases, versos

Iam se juntando, criando uma harmonia

Enfim, um poema… poesia…

Chorava, sentia-se mais leve

Meio esgotada, renovada, reabastecida

Assim funciona um poema catártico

Aquele que tem o poder de processar sentimentos

Construir, desconstruir, reconstruir

E fazer viver melhor

Poesia é terapia…

Alda M S Santos

Ai que saudade…rebobina!

AI QUE SAUDADE…REBOBINA!

Ontem: “Não chore mais não sofra assim”

“Porque posso te dar amor sem fim”

Hoje: “Minha eguinha pocotó”

Antes “Dona, desses traiçoeiros, sonhos sempre verdadeiros”

Agora: “São as cachorras, uhu hu hu hu”

Ontem: “Mesmo quando quis morrer de ciúme de você

Você me fez falta”

Hoje: “Pras cretinas do baile cheias de tesão

Popozão vai descendo até o chão”

Ontem: “Rimas de ventos e velas, vida que vem e que vai“

Hoje: “Cheguei chegando bagunçando a zorra toda”

Ontem: “Essa é a última canção que eu faço pra você”

Hoje: “Vai, malandra, an an

Ê, tá louca, tu brincando com o bumbum”

Ontem: “Se um um beija-flor invadir

A porta da sua casa

Te der um beijo e partir

Fui eu que mandei o beijo”

Não dá! Quero voltar! Rebobina!

Me mandem de volta para a década de 70!

“Ai que saudade de ocê”!

Falta amor? Falta amar?

Falta criatividade, se respeitar?

Em qual momento deixamos o romantismo

O respeito, o encanto e beleza da canção noutro lugar

E permitimos essa porcalhada toda nos enterrar?

“A solidão que fica e entra

me arremessando contra o cais…”

A música, o amor, o romantismo pedem socorro!

Alda M S Santos

Abrigo

ABRIGO

Tão bom poder voar

Bater asas, ser liberdade

Não ter algemas físicas ou emocionais

Deixar livre a quem se ama

Sendo colo, aconchego, abrigo

Ninguém fica com ninguém por obrigação

Mas quem ama fica por paixão

Pelo prazer de estar junto, por tesão

Pelo intenso desejo de amar

E por saber que ali sempre será seu melhor lugar

Atravessando época ou estação

Amar é encontrar a liberdade no abrigo

Nos braços abertos de um amor amigo…

Alda M S Santos

Chuva lá fora

CHUVA LÁ FORA

Quero ouvir o tamborilar da chuva no telhado

E o bater do seu coração ao meu lado

Enxergar as gotas escorrendo na vidraça, tudo molhado

Enquanto aqui, deitados, sob o cobertor

Tudo é calor…

As árvores balançando, entregues ao vento

E nós aqui, entregues a esse momento

Uns raios lá fora iluminam a tarde escura

E trovões que apavoram rasgam o céu, total bravura

Mas aqui, tudo é paz, é doçura …

Amo a chuva lá fora, leve candura

Amo nós dois aqui dentro, doce aventura…

Alda M S Santos

Pede o quê?

PEDE O QUÊ?

“Hoje é domingo, pede cachimbo”

Que pede seu domingo?

Uma neblina baixa, friozinho

Chuvinha fina, insistente

As flores até demonstram um sorrisinho

Voam no céu, ignoram a chuva os canarinhos

Galos cantam ao longe, saracura saliente

Só os bichos acordaram, não estão sozinhos

E eu aqui na rede na varanda

Bom dia!

Meias nos pés, respirando essa poesia

Domingo pede descanso, pede calor

Pede café recém coado, um queijo coalhado

Pede um amor debaixo do cobertor

Domingo pede magia, pede poesia

Pede nós dois aqui em harmonia…

Hoje é domingo, pede um pingo de chuva, de vida

Agradeço, sem choramingo

A chuva, o amor, a paz e a magia de viver…

Seu domingo pede o quê?

Alda M S Santos

Feche os olhos

FECHE OS OLHOS!

Fecho os olhos para não ver

Mas fecho os olhos para melhor ver também

Fecho os olhos para sentir a brisa fresca

Ou para sentir o calor do seu olhar

Fecho os olhos para voar na imaginação

Ou num beijo cheio de paixão

Fecho os olhos para ouvir uma bela canção

Ou para valsar contigo no salão

Fecho os olhos para não ver o que magoa

Ou para fingir existir o inexistente

Fecho os olhos para sentir o amor

Ou para fugir do descaso e me proteger da dor

Fecho os olhos para mergulhar na saudade

Ou para brincar de felicidade

Fecho os olhos para pedir ou receber bênçãos

Fecho os olhos para ver o essencial

Fecho os olhos para enxergar com a alma

Fechando os olhos vejo tudo

Fechando os olhos, potencializo os sentidos

Torno tudo real

E vejo como se estivessem abertos

Feche os olhos!

Alda M S Santos

Lendas

LENDAS

Entre tantas lendas, tantas crendices

De bruxas, fadas, ogros, muitas sapequices

Um fato, uma história, um conto

A cada relator aumenta-se um ponto

Transmuta-se o fato que era real

A cada acréscimo vai ficando surreal

E toda a gente que gosta de algo especial

Da lenda é fã incondicional

Há Saci, Curupira, Cuca,

Mula-sem-cabeça, lobisomem,

A Iara que encanta

Atrai com sua beleza e seu canto

E te leva para águas profundas

Há tantas…

Já eu quero ser apenas uma lenda

Aquela que diga e afirme que

Aconteça o que acontecer, sob qualquer oferenda

Sempre serei eu a sua prenda…

Alda M S Santos

Lotado de vazios

LOTADO DE VAZIOS

Sentir-se cheio, estufado

Extravasando, repleto

Incompleto, porém

Lotado de vazios…

Espaços preenchidos

Mas nada que atenda

Às necessidades da alma

Cantinhos esquecidos

Escuros, carentes, sofridos

Lotado de vazios…

Urge uma faxina

Limpar, separar o que for eficaz

E os entulhos descartar

Guardar apenas o que trouxer paz

Abrir espaços, vazios evidenciar…

Somente assim será possível

Encher-se de amor e compaixão

Um coração tão sensível

E, assim, preencher os vazios da solidão…

Lotado de vazios?

Não, quero poder dizer

Lotado de amor!

Alda M S Santos

Amora

AMORA

“Se te contar minha história

Debaixo de um pé de amora,

Você chora!”

Será assim mesmo?

Aqui debaixo tudo parece tão suave

Tão doce e terno…

Quantos pés de amora

Já ouviram uma alma que chora

Quantas histórias ali ficaram sem senão

E cada lágrima usada para irrigação

Quantas vezes não curou dores

Segredadas entre seus galhos e flores?

Quantos abraços não notou fortes quanto suas cores?

Amora, se eu te contar minha história

Você me acolhe em sua sombra, me abraça

Guarda meus segredos, respeita meus medos

Cuida de mim com carinho

Enquanto a dor não passa?

Alda M S Santos

Um anjo de mil asas

UM ANJO DE MIL ASAS

Um anjo de mil asas

Uma querida amiga assim me define

A voar, o bem espalhar

Será que isso me redime?

Tantas vezes as asas pesam

Se é que elas existem

Não seriam apenas bondade

De uma amiga sem maldade?

Anjo ou não, sigo meu caminho

Voando, correndo, caminhando

Tentando não me perder de mim

Sempre o amor propagando

Quisera mesmo ser um anjo

Daqueles com poderes de arcanjo

Apenas um par de asas bastaria

Para levar a todos que amo

Um mundo com menos desengano…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: