Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Autor

Alda M S Santos

Para mim, a vida é apaixonante, deixo o amor brotar, rego-o, alimento-o e o distribuo por onde passo.

Poção mágica

POÇÃO MÁGICA

Preciso reaprender uma nova poção

Uma que seja mágica e que anime o coração
Que possa fazer para todos sem distinção
Que traga carinho e alegria de montão
Numa só colherada afaste a decepção

Preciso fazer uma nova poção

Num leve sopro leve para longe a solidão
Numa cachoeira forte restaure boa emoção
Uma gota apenas renove a fé na humanidade
Uma só pitada afaste a agonia e a ansiedade

Quero fazer uma nova poção

Uma poção para despertar sorrisos distantes
Para restaurar amor e amizades fragilizados
Um pó na ventania que torne a todos abençoados

Quero fazer uma nova poção

Se essa poção me for permitido fazer
Nunca mais hei de esquecer
Vou multiplicar e a todos oferecer

Alda M S Santos

Pare o mundo que eu quero descer

PARE O MUNDO QUE EU QUERO DESCER
Pare esse mundo que eu quero descer!
Não quero tristezas, dor ou amargura
Não quero me sentir perdida na noite escura
Quero ter companhia, fazer companhia
Não quero sentir que tudo perdeu a magia
Quero ver de novo coisas lindas!
Quero a energia das crianças
As histórias das vovós
O abraço caloroso dos amigos
A compaixão e a bondade dos seres humanos
A paixão dos amantes
Quero sentir a alegria brotar de novo em mim
Quero levar o meu sorriso a quem dele precisar
Quero receber abraços de apertar
Não quero a ninguém magoar ou sufocar
Quero só poetizar e uma vida calma levar
Será pedir muito?
Pare esse mundo que eu quero descer…
Alda M S Santos

Oceano promissor

OCEANO PROMISSOR

Passarinhos nas tempestades recolhem-se nos ninhos
Famílias em dificuldades abraçam- se, juntinhos
Amigos nos revezes discutem, debatem, se acolhem
Mesmo que de angústias e lágrimas se molhem
Se o passarinho saiu ou foi expulso
Na tempestade ele morre ou aprende a viver só
Se um membro da família não se junta, sofre de dar dó
Se um amigo erra ou não se faz entender
É papel do outro sempre amar e acolher
Se a vida fosse feita só de dias bonitos
Não haveria necessidade de silêncios ou de gritos
A sabedoria está em não abandonar o barco
Ainda que ele esteja inundando seu coração de dor
E o oceano escuro lá fora pareça mais promissor
Logo irá amanhecer, novos rumos, novo viver
Mais forte e resistente pelas lambadas que a vida oferecer

Alda M S Santos

Mulheres

MULHERES

Ser de amor e complexidade inatas
Diz “tudo bem” quando nada está bem
Para não magoar ou entristecer um alguém
Diz “esqueça” quando ainda só faz se lembrar
De algo que a fez sofrer, se magoar
Pode abraçar e beijar só com o olhar
Mas também para não ferir pode se afastar
Pode dizer muito mais em silêncio
Do que quando está a discursar, a falar
Mas não é qualquer um que saberá lidar
É preciso entender a linguagem corporal
Magoada, tudo deixa de ser natural
O olhar que se desvia, o sorriso que não sacia
Mulher é poesia que o Poeta Maior escreveu
Colocou nela toda Sua sensibilidade
A capacidade intensa de amar e ser doar
E por amor se entregar, sorrir, sofrer, chorar
Mulher fala de tudo, de alegria, dor, sentimentos
E, mesmo contraditórios, eles refletem seus momentos
Fala quando gosta, quando ama, se importa
Quando quer manter aberta essa porta
Porque quando se cala, se fecha
Talvez não encontre mais brecha
Para chegar a sua emoção, seu coração
Aí talvez não tenha mais jeito não…
Mulher é poesia escrita no idioma do amor
Uns podem até ler, mas não saberão interpretar
Porque é uma escrita delicada e forte grafada em pétala de flor…

Alda M S Santos

A língua do amor

A LÍNGUA DO AMOR

A linguagem do amor é universal
Pode ser sintonizada em qualquer canal
Sempre será falada e entendida
Pelos mais necessitados, gente sofrida

Ela grita no silêncio das carências
Ela se cala na angústia das dependências
Ela se aninha no carinho do acolhimento
Ela se faz entender em cada sofrimento

Abraço fala, beijo fala, colo fala
Falam a linguagem dos anjos, do amor
Todos aqueles que sabem acalentar uma dor

Linguagem inata, mas que pode também ser aprendida
Por toda uma geração tão perdida
Que não encontra em ninguém uma guarida

Alda M S Santos

Fragilidade

FRAGILIDADE

Dias que qualquer coisa te faz rir ou chorar
Emoções à flor da pele, sensibilidade total
Não importa se é algo bom que acontece
Ou a decepção que te enfraquece, já é normal
Acaba em lágrimas, como rio, desaguando
Não entende bem o porquê
Ou se entende não quer fazer fuzuê
A vida sacode, joga para baixo e para cima
Para ver se você se convence que essa é sua sina
Não adianta esconder, fugir, desaparecer
Sempre haverá algo para te fazer muito sorrir
Ou para te fazer chorar, sofrer
Ora querer seguir, ora desistir
Mas, como sempre, a vida segue suas trilhas
Será que faltam ainda muitas milhas?
Tem horas que gostaria de saber
Só para ver se valeria a pena esse viver

Alda M S Santos

Não, não é por mim!

NÃO, NÃO É POR MIM!

Não é por mim que o Sol brilha ou aquece
Tampouco que a chuva cai e ensombrece
Não é por mim que a Lua ilumina a escuridão
Ou que tem fases a entontecer o coração

Não, não é por mim!

Não é por mim tão linda queda de cachoeira
Tampouco seu caminho lindo até o mar
Não é por mim que há sonhos a noite inteira
Nessa vida que a tantos quer encantar

Não, não é por mim!

Não é por mim que desabrocha a rosa
Tampouco que se cuida do jardim
Não é por mim que na vida é toda prosa
Mas estou aqui, faço meu próprio jardim

Não, não é por mim!

Não é por mim que vibram os sentimentos
Tampouco as loucuras de uma vida fugaz
Mas há que ser por e em mim, contentamentos
Para enfrentar todo e qualquer medo, ter paz

Não, não é por mim!

Alda M S Santos

Dona Helena

DONA HELENA
Dona Helena é uma senhora mineira de 80 anos que ressignificou a sua solidão.
Mora sozinha em sua casinha em São Gonçalo do Rio das Pedras, distrito de Serro, MG, onde montou um lindo presépio que fica ali o ano inteiro.
Quase nunca saiu da cidade, construiu ali sua vida, sua história.
Esse presépio atrai visitantes, muitos visitantes, e ela conta histórias, muitas histórias.
“Conversar é muito bom né, menina”?
Dona Helena é exímia comunicadora e contadora de casos.
“Menino Jesus é poderoso, né? Fica aí o ano inteiro e olha por nós”.
“Gosto mesmo é de conversar e Ele traz tanta gente para cá, como trouxe vocês”.
Lamentou que estava sob as ordens da vigilância de saúde por causa “dessa doença aí”, e que fazia tempo que seu presépio estava fechado.
Não pudemos entrar e ver seu presépio por causa da pandemia, mas o tempo que conversamos com ela foi rico.
Falava de todos que iam visitar o presépio e entravam sempre, conversavam, ocupavam seu tempo, gostavam de ouvir seus casos.
Noutros tempos, até cartas para os outros que “não conheciam as letras” ela escrevia.
Nunca recusava a atender ninguém.
Enquanto conversávamos na porta de sua linda e simples casinha, todos que passavam a cumprimentavam e ela respondia com carinho.
Ficou feliz que eu quis tirar uma foto com ela, ia me tocar, mas evitei expô-la. Ela disse que não tem medo, pois “Deus sabe a hora de  cada um”.
Uma senhora que com toda sua simplicidade ensina a viver e ser feliz…
Obrigada pelo carinho e do convite para voltarmos, Dona Helena!
Alda M S Santos

Entre rosas e espinhos

DUETO POÉTICO

ANGOLA & BRASIL

ENTRE ROSA E ESPINHOS

Quem ama rosas, quem ama jardins
Sabe que entre tantas cores, perfume e suavidade
Há espinhos que fazem parte, são afins
Como a vida com seu pacote de maldade e bondade (AMSS)

Rosa encarcerada nos espinhos
que se vergam nos seus contornos
vive caçando orifício para sair
almeja turistas lá fora atrair (MK)

Não pode dizer que ama a rosa se não aceita seus espinhos
Não pode dizer que ama a vida e só aceita seus carinhos
Na rosa espinhos machucam, afastam invasores, são proteção
Na vida os espinhos servem de aprendizado, são lição para evolução(AMSS)

Espinhos seduzem raios ardentes do sol
para a rosa da vida murchar
a água nasce para a rosa regar
sorvando suas gotas sempre vai se erguer(MK)

A rosa é encanto, fala de amor, de atração
O jardim é seu espaço, mas pode estar em cada coração
Na vida é presente, é beleza, com espinhos ou não
É ofertada a quem se tem amor, admiração e devoção (AMSS)

Rosa inserida nos espinhos
enfrenta raios ardentes
com gotas refrigerantes
não enterra sua fé
de algum dia se solevar (MK)

Amizade pode ferir, amor pode machucar
A vida é mesmo assim, tudo vem para nos ensinar
Se se aprende com beijinhos, também se aprende com espinhos
Tudo vale por aqui, nessa vida de (des)caminhos (AMSS)

Rosa que inocente é
é esmagada por espinhos
lírio que se abre como
boca que aufere um beijo
suga tanto e tanto fumo
não negreja o seu queijo
é rosa que sufoca espinhos
e está perto da mercê (MK)

Alda Maria Silva Santos
Moisés Kudimuena

Qual a cor do seu amor?

QUAL A COR DO SEU AMOR?

Se o amor tivesse cor
Qual seria a cor do seu amor?
Seria branco feito a neve
Amarelo como o sol brilhante
Negro como a noite envolvente
Vermelho como coração pulsante
Ou seria confuso, furta cor?

Qual a cor do seu amor?
Rosado feito rosa acanhada
Verde feito mata na chuvarada
Magenta feito moça assanhada
Rubro feito desejo em noite enluarada
Negro feito olhos de prazer na madrugada

Qual a cor do seu amor?
O amor tem a cor da emoção
A cor de uma saudade que aperta o coração
A cor de um beijo ardente de tensão
A cor de todo o arco-íris quando há afinação
A cor de um sorriso de prazer
Por sentir-se do viver a maior razão

Amor é de toda cor
Amor é da cor do prazer
Da cor de toda pele que brilha
Pelo intenso prazer de viver!

Alda M S Santos
Dia da consciência negra

A cura

A CURA

Qual a cura para um mundo de amargura
Para humanos tão sem ternura
Que pouco fazem por evolução
E não temem a própria extinção?

Qual a cura para um mundo tão sem compaixão
Egoísta, que vive na alienação
Quer tudo, é imediatista, destrói o futuro
E já não sabe mais como ser puro?

Qual a cura para você, para nós
Há como desatar tantos nós
Refazer os laços, oferecer mais abraços?

Já foi apontada a cura para tanto desengano
Houve um Alguém que disse, um Senhor
Que a cura para qualquer mal é o amor…

Alda M S Santos

Qual o tamanho do seu sonho?

QUAL O TAMANHO DO SEU SONHO?

Como medir um sonho que se tem?
Como fazer para bem dimensionar
Dá para mensurar pela (im)possibilidade de realizar?

Qual o tamanho do seu sonho?

É maior o que mais dinheiro gastaria
Ou aquele que mais abrir mão exigiria?

É de bom tamanho o que aproxima da realidade
Ou aquele que traria mais felicidade?

Qual o tamanho do seu sonho?

É maior o que for justo sem onerar ninguém
Ou aquele que engrandece a alma de quem o obtém?

É grande o bastante o que gera prazer e paz
Ou o que não se esvai, se eterniza, não é fugaz?

Qual o tamanho do seu sonho?

Alda M S Santos

Refém

REFÉM

A vida às vezes nos faz reféns
De emoções, sentimentos, situações
Que muitas vezes não nos convém
Pressões que vêm do outro
Energias diversas que vêm de alguém
É difícil e embaraçoso ser refém
Não dá para ser feliz, viver bem
Estando preso à negatividade de outrem
Bom mesmo é a livre consciência
Por mais complicado que seja se abstrair
É necessário trabalhar em si, evoluir
Lidar bem com o que entra e o que sai
Deixar ficar em nós só a benevolência
Mandar embora, extirpar, sem maledicência
Acender a luz, a paz, e a escuridão se esvai

Alda M S Santos

Seres especiais

SERES ESPECIAIS

É bom ser parte do todo, da multidão
Ser tratado como iguais, doce sensação
Sentir-nos valorizados acalenta o coração
Faz a vida ser bonita nessa dimensão
Mas também gostamos de ser especiais
Ser acolhidos, queridos, essenciais
Também tornar um alguém
Um ser valoroso, único, isso convém
Nossa essência é meio exigente
Ora queremos igualdade, equidade
Ora queremos mesmo é ser diferentes
E não ser tratado como toda a gente
Por essa diferença sermos escolhidos
E ter satisfeitos nosso amor, nossa vontade

Alda M S Santos

Quisera

QUISERA

Quisera ser uma fada e ter todo o conhecimento
Poderes do bem, do discernimento
Saber distinguir o que será de bom aproveitamento
E o que não irá trazer aborrecimento

Quisera poder afastar o mal com um simples toque
Despertar a todos para o bem, para a luz, sem choque
Não ser enganada, ter poderes sobrenaturais
Daqueles que nos fazem querer amar mais e mais

Quisera ser uma fada capaz de consertar o mundo
Colocar a Terra de novo nos eixos, em órbita
Despertar sentimentos nobres e profundos

Quisera ser uma fada, não ficar apavorada
Mas se conseguir a paz em minh’alma já estarei abençoada
Já poderei levar bons adeptos comigo nessa escalada

Alda M S Santos

Aprendendo a viver

APRENDENDO A VIVER

Na na vida há muitas coisas dolorosas
Aprender a lidar com angústia, medo frustração 
Pode levar tempo, apertar o coração
Mas sempre nos ensina algo, até mesmo a decepção
Pode ser um sonho que não se realiza
A fé que vez ou outra não avaliza
A saúde que, às vezes, fragiliza
Pode ser um amor que está longe
Uma amizade que nem sempre corresponde
Um alguém que não nos entende
Nós mesmos que nem sempre nos entendemos
Nos recolhemos, agimos mal ou nada fazemos
Mas doloroso mesmo é não conseguir dizer
Aquilo que machuca ou faz doer
Somos seres sociais, necessitamos comunicação
Um abraço, um carinho, apreciação
Mas nem sempre isso está disponível por aí
Bom mesmo é encontrar em nós mesmos a aprovação
Ativar a fé, o autoconhecimento, a boa ação
Ir atrás da natureza, lavar a alma, ativar o coração

Alda M S Santos

Amor enraizado

AMOR ENRAIZADO

Quando somos atingidos em nossa emoção
Quando abalam nossa estrutura, nos põem em reflexão
Melhor nos recolhermos, aguardarmos falar o coração
Nessas horas é bom sentir o carinho
O apoio de quem não nos deixa sozinhos
Tudo podem falar, dizer, demonstrar
Mas é algo que precisamos em nós trabalhar
Buscar o equilíbrio entre sentimento e razão
Nesses momentos nós crescemos, evoluímos
E Deus aproveita para fazer valer sua lição:
Onde há amor, fé, amizade e união
Não há ventania que arranque nossas raízes do chão

Alda M S Santos

Compreensão

COMPREENSÃO

Há quem seja pura sensibilidade e intuição
Mas também há quem seja uma negação
Em matéria de leitura e compreensão
Nem desenhando e colorindo entende não
Não entende quando a chuva cai
Tampouco quando a tempestade se vai
Se o Sol brilhar e fizer aquecer
Nem assim a alegria irá entender
Se o que o vento traz é harmonia
Fica bem, mesmo não entendendo a magia
Mas se não há brisa, há furacão
Luta, esbraveja, não entende a desconstrução
Se a noite chegar e trouxer a escuridão
Nem adianta gastar energia, tentar
Quem não conseguir ver quando o sol raiar
Tampouco enxergará na claridade de uma noite de luar
Mas deixa o barco seguir seu rumo
Logo a vida endireita, acerta seu prumo

Alda M S Santos

Queremos

QUEREMOS

Queremos alguém que nos faça amor, que nos tire a dor
Que nos beije com a delicadeza e a fome de um beija-flor

Queremos alguém que nos afaste os monstros, acenda a luz
Que seja o anjo amigo que por caminhos lindos nos conduz

Queremos alguém que goste de amar na chuva, na cachoeira se banhar
Que pule a janela e nos leve a caminhar de mãos dadas ao luar

Queremos alguém que nos abrace, nos dê colo, nos faça cafuné
Nos fortaleça e nos restaure a esperança e a fé

Queremos alguém que nos bote para dormir, acorde juntinho
E que seja, acordado ou dormindo, nosso sonho de carinho

Queremos alguém que nos mantenha junto a si, não nas grades de uma prisão
Mas alguém que nos enlace nos laços do amor e da proteção

Queremos alguém…

Alda M S Santos

Quero fazer um pedido

QUERO FAZER UM PEDIDO

Quero fazer um pedido à estrela cadente
Pode tornar realidade o meu sonho mais urgente?

Quero fazer um pedido ao gênio da lâmpada de Aladim
Pode trazer um amor na medida só para mim?

Quero fazer um pedido aos mais valentes ancestrais
Podem nos ensinar a não lutar por motivos tão banais?

Quero fazer um pedido à chuva que cai torrencial
Pode levar embora tudo aquilo que me faz mal?

Quero fazer um pedido à fada que mora em mim
Pode me afastar os medos de uma vida assim, assim?

Quero fazer um pedido ao Deus do amor e da paz
Pode nos ensinar um viver um pouco mais eficaz?

Quero fazer um pedido a todo mago, amigo da poesia
Promete não me deixar desistir de nela encontrar a magia?

Alda M S Santos

Onde foi parar?

ONDE FOI PARAR?

Onde foi parar a alegria de brincar na chuva
De correr na enxurrada, dispensar guarda-chuvas?

Onde foram parar as brincadeiras na rua
Aquelas com os amigos coloridos sob a Lua?

Onde foram parar os bate-papos na calçada à noitinha
Os abraços e amassos no alpendre da madrinha?

Onde foi parar a expectativa por uma carta
A dor de barriga por um amor que não se farta?

Onde foram parar os sonhos, os contos de fadas
A esperança no futuro, vidas mais amadas?

Onde foi parar a animação num banho de rio
De tanque, de mangueira por horas a fio?

Onde foi parar a alegria na simplicidade
Quando passamos a querer mais e mais numa insanidade?

Quando foi que passamos a enxergar só a maldade
E com isso encontramos só infelicidade?

Quando?

Alda M S Santos

Gentileza

GENTILEZA

Não é necessário tanta nobreza
Para mostrar um pouco sua natureza
Deixar sua humanidade falar por si
E espalhar um pouco de gentileza por aí

A vida carece de atos de amor, de carinho
Basta um olhar mais demorado
Para notar que em todo lugar
Sempre haverá um jeito de ajudar

Não precisa ter dinheiro, instrução
Basta um pouco de sentimento, emoção
Olhar além de si mesmo, ver o irmão
Oferecer a ele o que gostaria seu coração

Isso se chama gentileza
Um pouquinho de cada um
E a vida terá um bumerangue
De doçura, beleza, grandeza

Alda M S Santos

Rascunhos

RASCUNHOS

Somos meros rascunhos a viver
Uma página rabiscada, por escrever
Um verso torto, inacabado
Um sonho bom a ser realizado

Estamos sendo aqui rascunhados
Compondo uns poemas rimados
Em busca de uma prosa, um dueto
Ou de um amor versado em soneto

A composição será ainda mais bela
Quando passada a limpo, nova tela
O amor pintado com toda tinta da aquarela

Somos a folha, o verso, a trova, a poesia
O tinteiro, a pena, a tinta, a doce magia
Nossa história: realidade vivida ou boa fantasia?

Alda M S Santos

Por vezes

POR VEZES

Por vezes sou assim, indefinida, como hoje
Nuvens densas, pesadas, profunda introspecção
Prestes a desaguar forte, muita emoção
Buscando em mim mesma a razão do desejo de renovação

Por vezes sou sol forte, brilho, calor, luz
Aquecendo a vida, facilitando um desabrochar
Certa que há uma força maior que me conduz
Companheira, amiga, de mim sempre a cuidar

Por vezes sou saudade, sou nostalgia
Desejo de voltar no tempo, ser minha harmonia
Noutras sou sorriso rasgado, não quero o passado
O futuro é meu objetivo, sonho abençoado

Por vezes sou oceano, sou as ondas do mar
Que avançam e arrastam tudo na areia
Ou que buscam e levam para outro lugar
Aquilo que faz sofrer, faz doer, faz chorar

Por vezes sou sereia numa noite de Lua cheia
Em raios prateados simplesmente a cantar
Querendo a sedução, o encanto, a magia
E uma vida onde reine a leveza da poesia

Alda M S Santos

Quem cuida de mim?

QUEM CUIDA DE MIM?
Quem cuida de mim?
Há dias em que nos sentimos “abandonados”.
Cercados de pessoas, nos sentimos sós.
Queremos um abraço daqueles que têm mais que braços, mais que apertos, mais que calor.
Abraços com laços que enlacem nossa alma.
Abraços que digam “estou aqui para o que der e vier”.
Nada parece haver que justifique tal abandono.
Mas a sensação é persistente.
Buscamos na mente, no coração, na alma os “abraços” que queremos.
Uma oração, sempre bem vinda, sempre traz luz.
“Eu estarei contigo todos os dias até o fim
dos tempos”!
Sinto-me abraçada e protegida!
E o dia começa…
Alda M S Santos

Poder terapêutico

PODER TERAPÊUTICO

A poesia tem caráter catártico, terapêutico
Perceber, ler coisas lindas faz bem, sim
Aciona coisas boas dentro da gente
Mas escrever é uma necessidade vital
Para alguns, contistas, romancistas, poetas
Chega a ser algo algo muito profundo, intenso
Ainda que pareça corriqueiro ou banal
O que se escreve, se si ajuda de alguma forma
Pode ter certeza que ajudará alguém
Ainda que fale de dor, de desamor, de perda
De ausências, de vazios, de carências
Ler algo que nos faz nos enxergar ali
Pode nos acionar, nos mover para um agir
Mostrando que não estamos sós nessa dor
Que não é “privilégio” ou prerrogativa nossa
Sensação que diminui a frustração
Ver algo que sentimos em versos escritos
Clareia um pouco o caminho, irriga a emoção
“Alguém acolhe minha dor, sente meu sentir”
Isso tem poder fortalecedor, anima o seguir
Abre um pouco o o leque de perspectivas
Nos torna reais e aceitos nessas trilhas da vida

Alda M S Santos

Devagarzinho

DEVAGARZINHO

Chegou devagar, entrou, ficou na antessala
Foi avaliando o espaço, se aproximando
Trazia grande bagagem, estava cheia a mala
Ia aos poucos seu lugarzinho conquistando

Não quis saber de nada de falsidade
Seu desejo era de apenas partilhar o viver
Em busca de paz e tranquilidade
E de uma doce e recíproca amizade

Nos sonhos ela entrou, conquistou, ficou
Não quis mais fugir, seu coração se encantou
E daquele lugarzinho se apossou

Uma fada, um anjo protetor
Todos nós precisamos na vida
Na realidade, nos sonhos, seja como for…

Alda M S Santos

Perspectiva

PERSPECTIVA

Ver o lado bom é questão de escolha
Pode ser aprendido, um treino, uma opção
Admirar a sombra das árvores os frutos, a floração
Ao invés da sujeira que as folhas causam no chão
A maravilha que a chuva traz à vida que irriga, hidrata
Ao invés dos dias cinzentos e molhados, desconforto que maltrata
O Sol que aquece, colore, ilumina, instiga
Ao invés do calor excessivo que castiga
A dificuldade de uma trilha cansativa
Dá lugar à beleza do entorno que cativa
Optar pelo banho na água cristalina, forte e bela da cachoeira
Ao invés de reclamar do tempo, da canseira
Podemos até mergulhar em nossos próprios desertos
Mas ali ir em busca de um oásis, um refrigério
O melhor quase sempre está bem perto
É só uma questão de perspectiva
De uma alma que se pretende seguir evolutiva

Alda M S Santos

Caminhos do bem

CAMINHOS DO BEM

Que possamos ter a serenidade nos momentos de maior angústia
Que a sabedoria se apresente quando tudo parecer negativo e falho
Que a fé e esperança em dias melhores tenham supremacia
E se estabeleçam nos momentos de injustiça e descrença
Que encontremos anjos amigos quando o caminho for árduo
Que a coragem e vontade de fazer a diferença
Sejam maiores que qualquer dor ou mágoa
E não nos impeça de seguir no caminho do bem
Aquele em que jorre amor como água cristalina
Que vem do alto e caia suave e brilhante como purpurina
E ilumine a todos a nossa volta
Amém!

Alda M S Santos

De gota em gota

DE GOTA EM GOTA
De gota em gota ela cai lá fora
A terra sedenta a recebe de boca aberta
Suavemente é engolida, absorvida por sementes e mudas
Os brotos crescem a olhos vistos
A piscina já não se importa
Ali, desnecessária, “completa”
Está cheia, transborda, não tem carências …
O que é excesso para uns
Quase sempre é falta para outros
De gota em gota se mata uma sede
Mas uma tempestade também pode matar…
De gota em gota a chuvinha cai lá fora
Alimenta sonhos, desejos e esperanças
De gota em gota…
Alda M S Santos

Sexto sentido

SEXTO SENTIDO

Além dos cinco sentidos tão conhecidos
Visão, audição, olfato, paladar, tato
Todos temos um sexto sentido
Uns dão atenção, outros não, é fato

É aquela intuição, que num momento paralisa
Que interpreta uma expressão, analisa
Que em segundos capta a atração, o amor
É também capaz de prevenir, afastar uma dor

A intuição é o sexto sentido que nos diferencia
Nos faz confiar um no outro, o olhar sentencia
Que nos faz agir por emoção, sentir a sintonia

A intuição nos faz selecionar uns entre bilhões
Nos faz amar, encantar, abraçar, nos atrair
Faz confiar, nos entregar, sem medo do porvir

Alda M S Santos
Tarde de poesias: sexto sentido

Agradeça!

AGRADEÇA!
Se a alegria chegar, aproveite e agradeça
Se a saudade bater, curta-a e agradeça
Se o desânimo tomar conta, levante-se e agradeça
Se a descrença invadir a mente, avalie e agradeça
Se a tristeza tomar conta, chore, permita-se…
Mas retome a fé, ore e agradeça
Porque tudo nessa vida
Tem razão de ser
Só ficam sem propósito
As coisas das quais
Não extraímos o melhor.
A alegria, o sorriso, a fé
A esperança, o carinho,
A amizade e o amor,
Têm mais valor quando
Sentimos sua falta!
Alda M S Santos

A cada um

OBRIGADA A TODOS!

A CADA UM

Desejo a vocês a leveza do voo de um beija-flor
A suavidade e beleza da borboleta e sua cor
Que sejam atraídos pela natureza, para o amor
E que a vida seja sempre um colo acolhedor

Desejo a vocês o acalento de uma amizade
Que jorre como águas de uma  cachoeira
Que chegue de mansinho e pouse a felicidade
Que perceba, receba, aceite, não dê bobeira

Desejo a vocês a alegria, paz e satisfação
Que recebi com cada cuidado, cada emoção
O pulsar forte e animado de um coração

Desejo a vocês que de mim se lembraram
Por aqui passaram e fizeram meu dia feliz
Que tudo volte em dobro, que  crie raiz

Alda M S Santos

Um doce e suave pouso

Meu dia muito especial

MEU DIA MUITO ESPECIAL

Hoje é um dia pra mim especial
Dia de sentir que viver é privilégio
Dia de festejar e a vida agradecer
Dia de olhar para caminhos percorridos
Tantos obstáculos já vencidos
Tanta bênção, tanta luz, tanto amor recebido
Dia de rememorar, colocar na balança o aprendido
Dia de buscar em mim o que é valoroso
Esquecer o que machuca, é doloroso
Dia de desejar que ainda haja muito pra ser vivido
Dia de acionar a mente, o coração
Num momento só meu ser paz, reflexão, gratidão
Não é tempo de calcular, indagar
É tempo de amizades e amor comemorar
É tempo de me alegrar, valorizar
Lançar lá na frente o olhar, devagar
É sentir que viver é bênção
Isso é aniversariar…
Sou feliz por ter vocês e fazer parte desse lugar

Alda M S Santos

Que é felicidade?

QUE É FELICIDADE?
Que é felicidade?
Será abrir portas e escancarar janelas no muque
Conquistar espaços e corações com a força do desejo?
Que é felicidade?
Será quando os planos do universo coincidem com os nossos
E tudo se encaixa perfeitamente?
Que é felicidade?
Será quando deixamos tudo acontecer à nossa revelia
E vamos nos encaixando às brechas que nos cabem?
Que é felicidade?
Será a gratidão de aceitar o que a vida nos oferece
Sendo luz, amor, carinho, sem reclamar?
Que é felicidade?
Será quando nos entregamos nas mãos de uma Força Maior
Que nos rege e nos aponta a direção a caminhar?
Que é felicidade?
Será amar, nunca desistir e sempre, sempre prosseguir?
Que é felicidade?
Alda M S Santos

Somos fortes

SOMOS FORTES
Quando a gente ouve ou diz “você é forte, vai superar, isso vai passar”
Não quer dizer pouco caso com a dor ou sofrimento do outro
Quer dizer, quase sempre, “sei como é isso, uma hora há de passar”
Ainda que quem diz não tenha superado nada
Apenas tem tentado seguir a vida
Aprendendo a cada passo do caminhar, sozinho ou não
Que não é fingindo que a dor não existe
Ou engolindo o choro, tampouco se escondendo do mundo
Que tudo irá se encaixar…
Enfrentar o que fere e sangra dentro de si
Fazendo curativos de fé, usando compressas de amor
Tendo esperanças em dias mais amenos, apagando pesadelos, ativando sonhos bons
Evitando culpas, recriminações e autopiedade excessivas, confiando em si mesmo…
Isso fará o sol voltar a brilhar um dia
Isso é ser forte!
Essa capacidade de resistir todos temos
Chama-se sobrevivência e é forte em todo ser vivo
Apenas oscila e tem botões acionadores diferentes…
Somos fortes! 😇🙏
Alda M S Santos

Essa gente simples

ESSA GENTE SIMPLES

Em cada cantinho um gesto dessa gente
Que mostra a simplicidade no jeito de ser gente
O jeitinho de sorrir e cumprimentar
A doçura do olhar e o modo de prosear
A disponibilidade sempre em ajudar
Podem estar lavando a toalha na pedra
Trançando os cabelos sentada no quintal
Dependurando roupas no varal
Ou servindo um almoço caseiro pro pessoal
Nunca deixam de atender aquele que chega
Abrem as porteiras da sua fazenda
Oferecem um pouco de sua merenda
Deixam você colher jabuticaba no seu terreiro
Pegam a escada, nada cobram, seria um exagero
Essa simplicidade no agir que encanta
Que faz dessa alma simples e acolhedora
A beleza dessa terra e dessa gente encantadora
Quanto mais simples, mais humilde, mais se doa
Deus colocou nesse cantinho só gente boa…

Alda M S Santos

Amor, amar

AMOR, AMAR

Há vários tipos de amar
Mas o amor é um só
E o mais lindo jeito de amar
É aquele que sabe cuidar

Amor sorriso, luz, amor anseios
Amor pele, sonhos, amor abrigo
Amor de esperanças e desejos
Amor que se faz amigo, afasta o perigo

Amor que se entende num olhar
Amor que se eterniza no silenciar
Amor que busca na saudade um bom lugar

Amor natureza, beleza, intensidade
Amor em qualquer idade, sem maldade
Amor que faz da vida sua verdade….

Alda M S Santos

Em cada quarteirão

EM CADA QUARTEIRÃO

Uma igreja em cada quarteirão
Mostram a fé do povo, a devoção
Cada uma mais bonita, algumas centenárias
Com seus altares  e torres, muitas luminárias
Umas enormes, basílicas, outras capelas
Em cada coração brota uma prece singela
São histórias de um povo, de uma nação
Que teve sua base marcada na fé, na religião
Naquela imposta por medo, ou não
Assim as cidades foram crescendo
Em torno de suas igrejas, capelas e catedrais
Belos altares, ornamentos, paramentos e vitrais
A vida segue no seu entorno, rica ou pobre
Dos fiéis mais plebeus aos mais nobres
Bom mesmo, de verdade, é ser igreja
Carregar em si o amor e a bondade
A compaixão, a caridade e a solidariedade
Em cada esquina,  em cada quarteirão,  para cada irmão…

Alda M S Santos

O verso e o reverso

O VERSO E O REVERSO

Cada qual faz uso daquilo que possui
Uns usam o grito, a oração, a canção
Há quem faça uso do silêncio que intui
Vale tudo se for boa a intenção

O poeta tem papel de suma importância
Cabe a ele espalhar beleza, leveza, alegria
Também denunciar o mal, a intolerância
Lançar mão do amor, da magia, da poesia

Há quem diga que isso é utopia, tá falido
Que não há mais jeito, tudo bandido
Que esse mundo já era, tempo perdido

Prefiro acreditar no poder do verso
Da voz que se expressa no reverso
Do amor que insiste em ser a luz do universo

Alda M S Santos

Pinguela

PINGUELA

Quem tem medo de atravessar a pinguela?
Não há outro modo de chegar do outro lado
O jeito é atravessar essa instável passarela
Balançando para lá e para cá
Sentindo-se flutuar, a cabeça a girar
Lá vem ela querendo passar
Mas a coragem é pouca, não dá
A mão sua, coração palpita, mente aflita
Olha para frente,  para trás
Fica com a tez pálida, amarela
Tão longa e estreita é essa pinguela
Quase trava no mesmo lugar
Sua frio, olha o rio corrente lá embaixo
Os outros dizem “não pode olhar para baixo”
Não adianta, lembra da avó que nunca passou numa pinguela
Entende a situação da avó, faziam pouco dela
Deixa pra lá… há outras passarelas para desfilar
E quem não souber entender ou esperar
Que volte para o lado de cá
Ou que vá sozinho para o lado de lá
Cair dali ou empacar é que não dá…

Alda M S Santos

Coexistência

COEXISTÊNCIA
Vida e morte, morte e vida
No mesmo espaço, no mesmo cacho
Coexistência…
Fases de um viver, circularidade do existir
Por que tanta resistência em aceitar um partir?
Doloroso, fere fundo
A saudade que fica é paradoxal
Alimenta a ausência, machuca
Mas da vida é prova cabal
Quero a vida que há mesmo na morte
Aquela que nos deixa mais forte
E confiantes num poder maior
Num porvir que justifique esse existir
Saudade…
De tudo que partiu
De tudo que morreu em mim
Para mim
Saudade…
Um dia nos encontraremos
Em qualquer lugar, noutro plano
E, enfim, entenderemos…
Alda M S Santos

Aldá-cia

ALDÁ-CIA

É preciso um pouco de audácia para viver
Aldá-cia para enfrentar os medos,
Aldá-cia para nadar contra a corrente
Aldá-cia para seguir em frente

Aldá-cia nos faz acreditar no caminhar
Ter ânimo para o novo explorar
Não desistir quando a fragilidade surgir
Saber que na vida é preciso seguir

Aldá-cia é em nós a dose de ousadia
Que sonha o que se quer, fantasia
E conquista o desejado, alegria

Aldá-cia leva-nos a um novo patamar
De esperança e luz em qualquer lugar
Crendo sempre que há um Deus a nos amparar

Alda M S Santos

Queda livre

QUEDA LIVRE

Se tem água, rio, mar ou cachoeira
Eu vou atrás, embrenho em trilhas na mata
Enfrento qualquer tempo ou adversidade
Só pelo prazer de ver aquele mundão d’água
Escorrendo nas pedras, queda livre
Lavando a fundo a alma da gente
Há total sinergia entre ela e eu
Respeito sua força, sua soberania
Não me canso nunca de admirar
Dali tiro boa parte de minha energia
Ao alto uma prece, uma oração
Por cada beleza a nós ofertada, gratidão…

Alda M S Santos

Voando na poesia

VOANDO NA POESIA

Bruxa ou fada, travessura ou gostosura
No sol ou na chuva, noite ou dia
Vale mesmo é afastar a amargura
E voar nas doçuras da poesia

A natureza oferece os ingredientes
A magia vem de dentro da gente
Uma boa mistura no grande caldeirão
Anima, alegra, faz feliz um coração

Um passeio dentro de você
Ora fadinha, ora bruxinha
Alegre e saudável brincadeirinha

A vida carece da paz e harmonia
Onde as mágicas poções trazem a fantasia
Para um viver de amor, luz, perfeita sintonia

Alda M S Santos

Uma fada, uma bruxa

UMA FADA, UMA BRUXA

Duas faces da mesma pessoa
Duas fases da mesma mulher
Uma fada ou uma bruxa
Cada qual conquista a que puder

Amor e carinho despertam a fadinha
Também a ternura, doçura, bom coração
Já uma certa malícia, rebeldia, boa briga, olhar de sedução
Acordam a bruxinha, muita emoção

Todas carregamos ambas em nós
Fadinha ou bruxinha, tanto faz
Com nossa varinha ou vassoura seguimos
Numa vida intensa de magia, amor e paz…

Alda M S Santos

Gotas de magia

GOTAS DE MAGIA

Em cada gota que cai estrondosa
Arrepia a pele, sensação gostosa
Vem do alto, como chuva de magia
Tantos pedidos surgem, agradável sintonia

Imaginação corre solta, cria lendas
Quantas delas vivem ali, sem contendas
Gnomos, bruxas, magos e fadas
A proteger a natureza tão amada

É um mundo encantado, de paz
Conexão, harmonia que a natureza traz
Em cada detalhe, um pedido, uma oração
Se analisássemos bem, só seríamos gratidão

Alda M S Santos

A Lua mudou

A LUA MUDOU
A coluna dói mais quando a Lua muda de fase
Se o tempo esfria, aquela dor crônica nas articulações piora
Se o joelho incomoda já sabe que vem chuva
A Lua Cheia inspira os amantes
A maré baixa causa indisposição
A natureza dando sinais no corpo
Ou o corpo buscando justificativa para suas alegrias e mazelas?
Chuva, dias nublados, Sol, Lua, estrelas
Belezas, dores e amores inspiram poetas
Ou sua inspiração que faz com que vejam tudo isso
Onde ninguém mais vê?
Transformam em poemas o que veem lá fora
Ou o lá fora apenas ativa, atiça o que já têm cá dentro?
O joelho dói porque vai chover
Ou vai chover porque o joelho doeu?
Qual a mudança na Lua lá em cima
Que sensibiliza poetas cá embaixo?
Que marés são capazes de virar nossos ventos internos?
Ou será que a sensibilidade está bem mais perto daqui
E a Lua é apenas a Lua, o mar apenas o mar,
O amor apenas mais uma dor?…
A Lua mudou…
Alda M S Santos

Quem planta sonhos

QUEM PLANTA SONHOS

Quem planta a dor, colhe tristezas
Mas quem rega a paz, colhe belezas
Quem planta sorrisos, colhe alegria
Quem irriga o amor, colhe harmonia
Quem planta e não cuida perde a colheita
Mas quem rega frágil semente a fortalece
E uma árvore frondosa e bela agradece
Plantações e colheitas nos rejuvenescem
Em águas mornas corpo e mente espairecem
Sonhar, plantar, colher, uma vida em prece
Nunca desistir de plantar, mesmo que sejam sonhos
Pois se quem planta vento colhe tempestade
Também é importante verdade
Que quem planta sonho colhe realidade

Alda M S Santos

É preciso viver!

É PRECISO VIVER!

Construir um caminho
E não seguir sozinho
Ainda que sair do ninho
Não seja tão bom, passarinho

É preciso viver!

Não dá pra ser o próprio algoz
Nesse viver, às vezes, atroz
É como ser rio sem foz
Um desejo calado, um amor sem voz

É preciso viver!

Afrouxar os muitos nós
Fazer amor, apertar os abraços
Transformar “eu” em “nós”
Derreter nos amassos, criar eternos laços

É preciso viver!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: