Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

aprendizado

O silêncio

O SILÊNCIO

Nada diz mais que um bom silêncio

Aquele que sentamos conosco e nos passamos a limpo

Boas perguntas, respostas sinceras

Sem medo de sermos devorados por famintas “panteras”

Um auto divã, real, sem expectativas vãs

Quem sou, o que gosto, o que me incomoda

Porque me deixo girar nessa roda

Que aceito, o que permito, o que me deixa aflito

Quem amo, quem tolero, quem evito

O que me mantém por aqui, ativo, cativo

Silêncio lá fora, barulho cá dentro

Ele muito diz para quem se dispõe a ouvir

Ou para quem não tem com quem falar, para onde ir

Silêncio, conhecido também como solidão

Pode ser um grande amigo nesse mundo nem sempre irmão…

Alda M S Santos

A luz brilha para todos?

A LUZ BRILHA PARA TODOS?
Num espetáculo de fogos no céu de Copacabana
Sob os braços abertos do Cristo Redentor
Uma música animada no palco ali armado
A luz pipocava no céu em cores e formas variadas
Uns nas festas luxuosas nas grandes coberturas
Outros deitados nos cantos, no asfalto, na vida dura
As vestes brancas pediam paz para o novo ano chegando
Uns mendigando, muitos vendendo, outros roubando
Alguns apenas esbanjando o que tinham
Outros festejando como podiam
Será que tentavam equalizar diferenças, injustiças
Equilibrar uma balança meio descalibrada?
Poucos com tanto, tantos com tão pouco
Será que não percebiam a parte errada
Tanto de quem dos outros tirava
Como daqueles que apenas esbanjavam?
E Iemanjá ia devolvendo as oferendas, matéria
Certamente queria essência…
Humanos de todo gênero, idade, nação, profissão
Condição social, financeira, religião
Todos de olhos no alto saudavam o novo ano que chegava
A luz maravilhosa no céu brilhava para todos
Será que iluminava a cada um do mesmo modo?
E a imagem do Cristo Redentor ali, sabedor de tudo, abençoava
E, mais que todos, pedia amor e paz para essa gente que tanto amava…
Alda M S Santos

Quisera

QUISERA

Quisera ser uma fada e ter todo o conhecimento

Poderes do bem, do discernimento

Saber distinguir o que será de bom aproveitamento

E o que não irá trazer aborrecimento

Quisera poder afastar o mal com um simples toque

Despertar a todos para o bem, para a luz, sem choque

Não ser enganada, ter poderes sobrenaturais

Daqueles que nos fazem querer amar mais e mais

Quisera ser uma fada capaz de consertar o mundo

Colocar a Terra de novo nos eixos, em órbita

Despertar sentimentos nobres e profundos

Quisera ser uma fada, não ficar apavorada

Mas se conseguir a paz em minh’alma já estarei abençoada

Já poderei levar bons adeptos comigo nessa escalada

Alda M S Santos

Uma fada me disse

UMA FADA ME DISSE

Um dia uma fada me disse

Que para ser feliz é preciso amor levar

Em qualquer situação, tempo ou lugar

Que tudo pode falhar, só o amor não pode faltar…

Ela é uma fada de grande coração

Sempre nos ensinando uma lição

O mundo precisa dar-se as mãos

Para, finalmente, serem mais irmãos…

A fada me fez ver a realidade

Que não devo me (pre)ocupar tanto com a humanidade

Se eu for carinho, luz, solidariedade

Já estarei agindo em nome da bondade

Fada é a luz da Natureza

E sempre encontra nela a maior riqueza

Aquela que nos aproxima de Deus, de Sua grandeza

Num encontro de rara e intensa beleza…

Um dia Fada Luz me falou

E seguindo seus passos estou…

Alda M S Santos

Como é possível?

COMO É POSSÍVEL?

Como é possível, ao mesmo tempo

Estar tão perto, estando tão longe

Estar tão longe, estando tão perto

Estar tão dentro, sem haver cabimento

Como é possível, ao mesmo tempo

Ser tão doce sorriso, escondendo amargas lágrimas

Ser tão acolhedor colo, estando carente de aconchego

Ser reflexo de si mesmo, de tão brilhante luz,

Tendo apenas uma faísca acesa

Como é possível, ao mesmo tempo

Ser o amor em meio a tanta indiferença

A esperança em meio a dolorosa ingratidão

A paz em meio a tanta maldade e confusão

Como é possível, ao mesmo tempo

Ser o norte quando se está perdido

O recomeço depois de haver desistido

A continuidade de um viver intenso, meio sofrido

Quando sabemos que a qualquer hora

Seremos pelo tempo engolidos, consumidos?

Como é possível?

Alda M S Santos

Minha política

MINHA POLÍTICA

Não, eu não discuto política

Ela me entristece, magoa, fere, me tira do eixo

Faz-me perder as esperanças num mundo melhor

Prefiro viver a política como posso: agindo

Tentando ser a leveza onde tudo pesa

A balança para equilibrar desigualdades

A mão que se estende a quem está só

O colo que abraça e acolhe quem está perdido

Mesmo que eu mesma precise de colo também

Que chore, perca as esperanças ou a fé

Que também ache que não tem mais jeito muitas vezes

Agindo como posso na posição que estou

Não gosto de radicalismos

E é só isso que tenho visto em ambas as partes

Óbvio que tenho minha posição

Eu sou pelo amor, sempre

Eu o utilizo como minha régua, minha ferramenta

Minha medida para qualquer coisa ou situação

“O quanto há de amor nisso?- sempre me questiono

Avalio a qualidade das pessoas pelo amor

Ele me permite ter a tolerância suficiente com os diferentes

Ele me permite tentar entender quem pensa diferente de mim

Ele me ajuda a olhar pela perspectiva do outro

Ele me faz questionar até que ponto estou certa

Minha política é viver o amor, levar o amor

Portanto, sou contra qualquer exclusão, de qualquer tipo

Minha política é amar e fazer o bem, sempre

Qualquer coisa que fugir a isso, não me interessa

Não terá meu apoio ou aprovação!

Qual sua medida, sua régua?

Alda M S Santos

Em preto e branco

EM PRETO E BRANCO

Muitas vezes sou cor, multicor, sou arco-íris

Noutras sou preto e branco

Nuances de cinza, em sombras

Há quem me veja só em cores

Brilho, sorrisos, flores e amores

E me ignore quando preto e branco

Quando saudade, dor, lágrimas e apatia

Sou assim, essa mistura, essa aquarela, essa energia

Mas nenhum arco-íris surge antes da tempestade

Sem a chuva, o cinza , o medo não há magia

Só merece o brilho e intensidade das cores do arco-íris

Quem soube aceitar, lidar com o cinza, ser sintonia

Das próprias tempestades e ventanias

E não fugiu dos vendavais dos outros

Soube ser cais, ser porto

Daqueles que fazem nosso clima mais ameno

Em qualquer tempo, cor ou intempérie…

Como você se vê, me vê?

Alda M S Santos

Na janela

NA JANELA

Na janela ela mergulha num mundo diferente

Ora tão longínquo, ora tão perto

Vive naquelas páginas uma história que não é sua

Mas que tantas vezes parecem escritas para ela

Mergulha nas dores e amores imaginários

Nas derrotas e vitórias, nos “personagens” tão diferentes

Chora e sorri, se alegra e se entristece

Aprende em cada página, em cada capítulo, uma lição:

A vida está em constante movimento

Nem tudo é sempre bom

Nem tudo é sempre ruim

Somos nós mesmos que construímos nosso caminho

E nele caminhamos…

Nem sempre levamos quem queremos

Há quem siga na frente

Há quem fique para trás

Há quem não queira ir conosco

Há quem a gente não quer levar

Mas a gente segue o nosso caminho

Na certeza de um dia chegar

A um lugar onde haja apenas paz…

E ela fica ali na janela…

Ora vivendo a história dos outros

Que no final das contas também são suas

Ora escrevendo a própria história

A história daqueles que caminham consigo

Juntos, à frente ou lá atrás

Todos fazem parte dessa história…

Alda M S Santos

A gente combina

A GENTE COMBINA…

Vento que uiva, que canta

Fala baixinho, sussurrando

Ora grita, nervoso, intenso

Traz e leva pensamentos e desejos

Vento que passa veloz

Muda o plano de voo das aves,

Traz consigo tempestade atroz

Balança galhos das árvores

Que se curvam ao seu poder

E, resilientes, retomam seu prumo, até sem querer

Vento que acaricia feito brisa suave, que atiça

Que arrepia cada centímetro da pele, que enfeitiça

E que esquenta corpo e alma, lá dentro, bem fundo

Ou que, devastador, gela tudo em nosso mundo

Vento que chega sem qualquer aviso

Deixa em alvoroço rios e mares, impreciso

Pega toda a gente desprevenida

Correndo em busca de boa guarida

Ou se entregando a ele, sem saída

Vento que vem e que vai

Uma hora a gente combina direitinho

Quem sabe a gente não vai juntos pro mesmo caminho?

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: