TÃO FÁCIL

Tão fácil ficar aqui deitada
Vendo a chuva escorrendo na janela
Tentando não pensar em nada
Tão fácil fingir que não vejo
Que o relógio segue sem parar
Independente do que eu desejo
Tão fácil me ligar no silêncio de fora
Fingindo que o barulho de dentro
Vai passar a qualquer hora
Tão fácil brincar de faz-de-conta
Ser fada, deusa, sereia, rainha, bruxinha
Ignorar que a vida nem sempre é boazinha
Tão fácil ver sempre o lado bom
Ser Pollyanna, fazer o jogo do contente
Sem passado, sem futuro, só presente
Tão fácil…pode até não ser
Mas a gente vai tentando
Brincando, amando, versando, pra melhor viver
Alda M S Santos