NÃO COMPRO

Não compro essa “felicidade” que se vende por aí

Vitrines abarrotadas de produtos reluzentes

Enchem os olhos, agradam, atraem

Compradores seduzidos e ávidos

Hipnotizados diante de “seu” objeto de desejo

Pagam qualquer preço pelo seu sonho de consumo

Estoques lotados de mercadorias devolvidas

Consumidores insatisfeitos

Com felicidade vendida, embrulhada em bonitos pacotes

Feita em formas, em série, massificadas

Numa medida que não é da gente

Não compro essa “felicidade” que se vende por aí

Que não é feita no meu número, no meu manequim

Que precisa de reformas e retoques

Que deforma o que tem de belo na gente

Alegria fugaz à base de porcaria

Conteúdo feio em embalagem atraente

Sorriso que se desmancha na primeira ventania

Coração que sofre e chora dentro de um modelo apertado

Uma alma que perde o encanto, a magia

Não compro esse modelo de felicidade

Na verdade não quero nem doado

Bom mesmo é escalar a própria alegria na simplicidade

A felicidade deve ser feita sob medida

De cada alma, de cada coração…

Alda M S Santos