IMPOTENTE

Sinto- me meio impotente tão parada
Mas não me sinto desconfortável, isolada
Por estar em casa, que tanto amo
O que me incomoda é não poder escolher
Onde e quando ficar, o que fazer
Ter a liberdade de ir e vir cercada é ruim
Sinto-me frágil, medos por aqueles que amo
Medo pela humanidade…
Mas nesse caos todo, sinto-me esperançosa
Podemos usar os dons que possuímos para ajudar
Ser aquela palavra amiga
Aquele ouvido atento
Na nossa família, entre os nossos
Um vírus que nos obriga o retorno ao lar
Que será que quer nos ensinar?
Creio que não é por acaso tudo isso
A vida sabe usar de muitos mecanismos
Para salvar a Terra e os seus
Sairemos diferentes dessa pandemia
Que possamos sair melhores
A vida se impõe
Podemos ajudar com boas conversas
Não espalhando o pânico, sendo amor e verdade
Sendo luz, levando a esperança, a caridade…

Alda M S Santos