NA CACHOEIRA, AO LUAR…

Um dia ela acordou sem acordar, sabe como é, estava noutro mundo.

Andava nas trilhas da mata, pé ante pé. Ia em direção ao som que ouvia.

Era um som mágico. Não sabia se os outros também ouviam.

Não importava!

Ela só queria ir em direção à cachoeira. Seguia assim, toda faceira!

Buscava proteção!

Parecia ouvir passos indo na mesma direção, mas não via ninguém. Apenas sentia!

Sentia que alguém a seguia, mas nada temia. Era uma boa vibração, tal qual a que vinha da cachoeira e de seu coração.

Era noite ainda, o intenso luar iluminava o caminho.

Chegou à cachoeira, maravilhosa!

Sem sequer se despir, nela entrou. Lavou tudo, deixou lágrimas rolarem, lavou a alma…

Sua veste branca parecia uma segunda pele, grudada.

Foi atraída por uma força incomum.

E lá estava ele. Olhar profundo, doce, pidão!

Não teve medo, lentamente foi se aproximando…

E a ele estendeu a mão, os lábios, o corpo, a alma, o coração…

E toda a sua vida…

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

#flalfestival 2019

Miniconto- palavra “proteção”