LENDO A MINHA MÃO

A cigana quis ler a minha mão

Antes, porém, me pediu autorização

Ela olhou-me nos olhos, confiei

Seu olhar transmitia sabedoria, acreditei

Um pouco ansiosa, meio tensa, aguardei

Ela olhava minha mão, passava os dedos nas linhas

Olhou de novo em meu rosto, suspirei

Que será que ela tanto via que a detinha?

Disse que eu era firme em meus propósitos

Sabia bem o que queria ou não

E quando amava, amava de montão

Até aí estava tudo certo, então

Vais passar por mudança, perrengue sério

Não dá ainda para saber qual é o mistério

Mas depende só de você saber lidar com tal revertério

Assustei, preocupei, medrei, na oração busquei refrigério

Alda M S Santos