AQUELES DIAS

Aqueles dias em que ela sequer quer levantar

A luz do Sol passa pela janela, invasora

Os pássaros já cantam lá fora

Indiferentes ao que se passa dentro dela

Sonhos estranhos, medos, desejo de proteção

Movimento de gente cuja vida já começou

Seguindo a marcha…

Por que, às vezes, é tão difícil tocar em frente?

Não é preguiça, não é desânimo

É uma angústia estranha, que aperta

Ficar deitada até esse sentimento passar

Ou levantar e a vida enfrentar?

O portão se abre, um carro sai

Uma oração, ela espreguiça como uma gata

Se estica toda na frente do espelho

Tem saúde, tem um caminho pela frente

Sorri, levanta, a vida segue

Eram só pesadelos…

Não é o fim, ela pensa e vai enfrentar os medos

Seguindo a marcha, a própria marcha

“Tocando em frente”…

Alda M S Santos