Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

poeta

Vida de poeta

VIDA DE POETA
Escrever é um ato catártico
Faz-me rever, me refazer
Construir, desconstruir, reconstruir
O papel aceita, a tela idem
Não há censura ou julgamento
Caneta ou teclado mandam ver
Aceitam bem todo sentimento  
Desde sempre, há muito tempo
Escrever me traz contentamento
Crónicas, contos, poemas
Uns partilháveis, outros não
Vale expressar a emoção
Sempre um olhar atento a captar
A poesia que há em todo lugar
No viver do outro, na natureza,
No amar, no chorar, no sofrer
No poeta tudo é inspiração
Tudo é poesia em combustão  
Com uma intensidade que assusta
Nessa vida nem sempre justa
O poeta é um ser que não cabe em si
Para estar pleno precisa repartir
A dor, o amor, a alegria, a saudade
Tudo aquilo que houver intensidade
Ser poeta é partilhar humanidade
Alda M S Santos

Uma paixão

UMA PAIXÃO
Escrevo sorrindo, escrevo chorando
Bem alerta ou meio em transe
Envolvida bastante na situação
Ou observando de fora uma emoção
Escrevo como ato de protesto ou indignação
Um grito de revolta ou rebelação
Ou um silêncio de frustração
Também em forma de oração
Quase sempre com muita satisfação
Ou pura expressão da gratidão
Escrevo para conversar com meus botões
Para dialogar também com o outro
Para tornar claro algo meio nebuloso
Para não me afogar em mim mesma
Em braçadas mergulho nesse mar gostoso
Em águas claras ou turvas da emoção
Minhas, do outro, da situação
Escrever é para mim revelação
Desde ontem, desde sempre, para sempre
Escrever é pura paixão…
Ser poeta é fazer da vida um constante ato de amor
De paz, luz, gratidão e reflexão …
Alda M S Santos

Você é um poeta?

VOCÊ É UM POETA?
Que é ser poeta?
É fazer versos, rimas, métricas
Descrever o amor, a dor, a natureza
Declarar paixões, desejos, anseios
A saudade, a alegria, a tristeza, a harmonia
Também …
Mas ser poeta é mais do que fazer poemas
Poeta é um jeito de ser e viver
É abrir janelas, escancarar portas, criar frestas
É descobrir atalhos, desbravar
Caminhar por caminhos desconhecidos
É se expor, ser o concreto e o abstrato
É um estilo de vida, de sensibilidade
De observação e maturidade
Ser poeta é ser emoção, coração
Ser luz na escuridão, aliviar a tensão
E a poesia que o poeta sente por aí
Ele expressa de modo escrito, expõe sua confusão
Nao importa se em versos, contos
Crônicas, romances, prosas
Ser poeta é parecer humanamente cheio e intenso
Mesmo quando estiver vazio, sem qualquer senso
Ser poeta é em tudo buscar o prazer
É ter tesão pela vida, mesmo no sofrer
É sempre estar propenso para o viver…
Você é um poeta?
Alda M S Santos

Simplesmente, amo…

SIMPLESMENTE, AMO…
Por que amo, poemas?
Por que me encanto pela poesia?
Amor não se explica, se sente
Poemas são sentimentos expressos em versos
São palavras potencializando o existir
São rimas evidenciando nossa sina
Poemas são a mais pura expressão da emoção
Neles os poetas dão vazão
A mais pura agonia que em si já não cabe
Que está além da capacidade do coração
E extravasa na mais límpida e intensa poesia
Não sei explicar porque amo poesia
Sei que somos parte uma da outra
Como uma boa interação entre o amor e a paixão
Sei que sem ela a vida não existiria
Na quase sempre confusa alma de um poeta…
Alda M S Santos

Registros

REGISTROS

Quisera buscar na poesia
Um toque de doçura, de magia

Quisera buscar na poesia
O alívio da dor, a cura da amargura

Quisera encontrar na poesia
Seu encanto, seu amor, sua alegria

Busquei na poesia a mais pura simplicidade
Num poema registrei meu desejo de felicidade…

Alda M S Santos

Versos

VERSOS
Os versos falam todo o tempo
Não há verso mudo, calado
São expressões infinitas de sentimento
Cada qual os recebe de acordo com seu entendimento
Há versos que falam de fazer amor
Outros de amizade, de intensidade
Há os gritos de aviso, denúncia ou alerta
Quase sempre estão na medida certa
Mas na medida meio confusa do poeta
Há versos que querem curar uma dor
Cicatrizar uma alma machucada, ferida
Há versos com raiva, compram uma briga
Há versos que tentam saldar uma saudade
Ou fazer do sonho uma realidade
Talvez no silêncio cantem uma vontade
Ou gritem aos quatro ventos sua necessidade
Os versos são uma linguagem única
Entende quem quer, quem pode
Quem aprecia, entra em sintonia
E faz do verbo, na rima, no verso
Sua vida, sua alma registrada em poesia
Alda M S Santos

Mundo sem poesia

MUNDO SEM POESIA
O que o poeta diz é o que sua sensibilidade captou, 
Processou dentro de si e transformou em versos
Um poema é o mundo revestido pela alma do poeta
Um mundo sem poeta é um mundo nu e cru…
Alda M S Santos

SEM POETA

SEM POETA
Dá para viver sem o poeta
A poesia não deixará de existir
Ela estará por aí…
Mas sem ninguém para captar
Ninguém para as belezas divulgar
Ou para com a vida se apaixonar
Dá para viver sem o poeta
Mas será triste e vazia
Como um jardim sem jardineiro para cuidar
Uma refeição sem ninguém para apreciar 
Uma mulher sem ninguém para admirar
Um amor sem ninguém para amar
A magia sem o mágico para alegrar
Uma criança sem ninguém para brincar
Dá para viver sem o poeta
Mas não serão tão belos
A cachoeira para alguém se purificar
O luar para enamorados se amar
A praia para em suas areias caminhar
O mar intenso para navegar
Um alguém encantador para amar
Uma curva feminina para derrapar
Dá para viver sem o poeta 
Mas os sentimentos ficarão sufocados
O amor não será divulgado
O universo não será admirado
Os somhos não serão alcançados
As lágrimas não serão choradas
Sobre o mal ninguém será alertado
Dá para viver sem o poeta
Mas a beleza será desperdiçada
Tudo estará em escala de cinza
Nada será tão encantado 
O mundo parecerá acabado…
Alda M S Santos

A poesia

A POESIA

A poesia ainda vai curar o mundo
Levar o amor e magia a toda criatura
Ao descrente, ao sensível, ao vagabundo
Ao culto, ao letrado, ao apaixonado
A poesia ainda vai nos livrar da dor
Sendo encanto, beleza, o peixe, o pescador
Sendo jardim, flor ou beija-flor
A poesia ainda vai nos ensinar a amar
Ser a fé, a esperança, a vibração
Ser atração, sedução, paixão, emoção
A poesia ainda vai nos tirar da indiferença
Sendo a luz, o silêncio, o barulho, a presença
Sendo nesse mundo tão superficial,
Nossa mais doce essência…

Alda M S Santos

Então, ele escreve…

ENTÃO, ELE ESCREVE…

Se chove forte, se está seco ou se se molha
Se há vendavais, tornados, tempestades de areia ou de neve
Ele escreve…

Se há sol forte, calor intenso, desnorteador
Se há alegria, tristeza, angústia ou dor
Ele escreve…

Se quer falar, gritar, alertar, se rebelar
Se quer se esconder, murchar, silenciar
Ele escreve…

Se há luz forte, breu intenso, escuridão
Se há só a luz da Lua e das estrelas, só solidão
Ele escreve…

Se está perdido, confuso ou irado
Se se encontra, se abraça, sente-se abençoado
Ele escreve…

Se tem medo, esperança ou saudade
Se quer fugir, ir embora, ter liberdade
Ele escreve…

Se está sozinho ou acompanhado
Fazendo amor, feliz ou apaixonado
Ele escreve…

Se falta amor, magia, sobra paixão
Se a vida machuca, corta, fere o coração
Ele escreve…

Se quer gritar e não consegue
Se quer falar e o medo persegue
Ele escreve…

Enfim, tudo serve de inspiração
Os versos brotam fundo, pura emoção
Poesia é para o poeta o ar que circula no coração…

Então, ele escreve…

Alda M S Santos

Na poesia

NA POESIA

Há quem use alucinógenos ou analgésicos

Há quem use soníferos ou anestésicos

Há quem use a fantasia

E há quem use a poesia

Há quem use os altos brados

Há quem na dor silencie

Há quem no desespero mergulhe

E há quem mergulhe na poesia

Há quem vibre por um amor declarado

Há quem prefira amar calado

Há quem busque um amor no passado

E há quem ame na poesia

Há quem vive de passado, de lembranças

Há quem vive de futuro, de esperanças

Há quem vive na ilusão, na solidão

E há quem vive na poesia

Há quem está perdido nessa vida

Há quem não vê nenhuma saída

Há quem perdeu seu abrigo

E há quem se abrigue na poesia

Há quem cansou de lutar

Há quem ainda quer brigar

Há quem quer da dor se curar

E há quem se cure na poesia

Alda M S Santos

Poetizando

POETIZANDO

Poetizar: ato ou efeito de transformar em versos

Aquilo que não sai da mente, da alma

Que é forte, intenso, pura emoção

Que machuca ou alegra, que aperta o coração

Poetizar é um modo de verbalizar

Aquilo que está intenso, que precisa extravasar

Que em versos rimados vai se transformar

Para o poeta não se sentir sufocar

Poetizar é dividir com o outro o que parece tormento

É lançar ao vento, ao tempo, a todo momento

Uma gama colorida e enorme de sentimento

Poetizar é se tratar, se auto-analisar

É buscar no outro um alguém para encantar

Se alegrar, se curar, se amar…

Alda M S Santos

O verso e o reverso

O VERSO E O REVERSO

Cada qual faz uso daquilo que possui

Uns usam o grito, a oração, a canção

Há quem faça uso do silêncio que intui

Vale tudo se for boa a intenção

O poeta tem papel de suma importância

Cabe a ele espalhar beleza, leveza, alegria

Também denunciar o mal, a intolerância

Lançar mão do amor, da magia, da poesia

Há quem diga que isso é utopia, tá falido

Que não há mais jeito, tudo bandido

Que esse mundo já era, tempo perdido

Prefiro acreditar no poder do verso

Da voz que se expressa no reverso

Do amor que insiste em ser a luz do universo

Alda M S Santos

Poetar

POETAR

A habilidade de os sentidos apurar

Acionar até o sexto sentido

Nada perder, tudo captar no ar

Até o que parece falido

Ter um novo olhar, mais atento

Ativar olfato, audição, aguda percepção

Ter em si mesmo novo alento

Potencializar ainda mais a intuição

Entraves enxergar, parcerias buscar

Não querer sozinho caminhar

Será que isso é poetar?

O poeta Estevam disse que poetar é

“Transmitir angelicais inspirações”

Vou mais além: é receber, processar e repartir sensações…

Alda M S Santos

A própria vida

A PRÓPRIA VIDA

Para uns, inspiração

Para outros, confusão

Alguns leem com a razão

Outros já sentem com o coração

E a alma de um poeta a versar

Segue organizando esse caos

Tentando fazer valer a pena

O que a pena nem sempre consegue registrar…

Para uns, encantamento

Para outros, fingimento

Finge que é feliz, finge que não dói

Que não se importa com o que se diz

Mas em tudo há deslumbramento

Pelo que vê, sente, ressente

E nisso tudo há muito contentamento…

Para uns, letras, versos, poemas

Para outros, um passatempo

Para o poeta, a própria vida

Um meio de viver com seu sentimento…

Alda M S Santos

Dia do poeta

DIA DO POETA

A arte de captar a poesia

E transformá-la em poemas…

Que possamos prosseguir

Nesse caminho terapêutico da poesia

Espalhando amor e alegria

Feliz do a do poeta a todos!

Alda M S Santos

Deixei poesia

DEIXEI POESIA

Qual foi sua contribuição

Para o mundo melhorar

Essa era a verdadeira questão

Feita a todos ali sem cessar

Uns diziam: curei males físicos e mentais

Outros: ensinei as lições fundamentais

Há quem tenha dito que levou paz a toda gente

Ou que tenha lutado na linha de frente

Entre tantas defesas e tanta melhoria

Num rompante de sabedoria

Há quem disse simplesmente:

Por onde andei eu levei poesia

Fiz a vida mais contente

Assim disse o poeta:

Fui flor, doei amor, tristezas dissipei

Desse modo muitos corações aflitos salvei!

Para o mundo melhorar

Deixo poesia fluindo no ar…

Alda M S Santos

Catarse

CATARSE

As letras iam saindo meio misturadas

Formavam umas palavras meio sem nexo

Juntas não pareciam fazer sentido algum

Mas ela sentia, sentia muito

Apertava o coração, doía a alma

Ainda assim, ela continuava

Deixava na tela do celular tudo que a incomodava

Tudo que estava “sobrando” dentro de si

Letras e mais letras, palavras, frases, versos

Iam se juntando, criando uma harmonia

Enfim, um poema… poesia…

Chorava, sentia-se mais leve

Meio esgotada, renovada, reabastecida

Assim funciona um poema catártico

Aquele que tem o poder de processar sentimentos

Construir, desconstruir, reconstruir

E fazer viver melhor

Poesia é terapia…

Alda M S Santos

Nasce um poema

NASCE UM POEMA

Todo nascimento é comemorado

Vem de gestações diferentes, é abençoado

Nove meses, nove dias, nove horas

Nove minutos ou segundos

Uma vida é gestada, um poema é cultivado

Plantado no coração de um poeta

Nos corações daqueles que amam

Alimentado pela lua, pela água, pelo ar ou pelo mar

Pela paixão, saudade ou desejo de amar

Por tudo que há de beleza, de grandeza

Nessa nossa tão terna natureza…

O poeta tão sensível o faz nascer

Uns vêm à luz mais facilmente

Outros são tirados à força, com raízes, dolorosamente

E nascem, desabrocham, crescem, intenso viver

Para fazer sorrir ou chorar o mundo

Para colorir o mundo de alguém…

Alda M S Santos

Só a poesia

SÓ A POESIA

Só a poesia nos permite ter um olhar especial

Para aquilo que todos veem como trivial

Só a poesia nos faz sentir algo, ser mensageiro

Daquilo que todos têm como corriqueiro

Só a poesia nos habilita a tocar fundo no sentimento

De perto, de longe, no pensamento

Só a poesia nos deixa a flutuar, a divagar

Mesmo quando a tendência é parar, estacionar

Só a poesia nos permite manter a sanidade

Em meio às nossas loucuras diárias

Só a poesia é capaz de enxergar o sorriso

Aquele que está atrás das lágrimas

E as lágrimas atrás de cada “tudo bem”

Só a poesia nos permite ainda amar

Mesmo que tudo aponte para a indiferença, para o odiar

Só a poesia nos capacita

A mirar o futuro com esperança

A atravessar o passado sem desconfiança

Sem perder o foco do presente

Sendo a interação, a boa energia

Poesia é a alma que se vê

Poesia é pura magia…

Alda M S Santos

Poeta

POETA

Poeta, aquilo que sai da sua cabeça

É algo que talvez nunca se esqueça

Aquilo que sai da sua cachola

E um pouco até extrapola

Vira versos, poemas, te ajuda a sair de sola

Poeta, aquilo que sai da sua alma

Que vem do coração até a palma da sua mão

Transborda sentimentos, escreve, extravasa

Vira versos, poemas, são levados pelo vento

Lavam a alma, atingem outro coração…

Poeta, o que passa por sua cabeça

Vira sonho, faz um atalho pelo coração

Deixa você mais leve, doce, sublime

Te lava por dentro, te redime

Isso se chama amor, revestido de inspiração

E te faz ser mais emoção…

Poeta, que se passa em seu coração?

Alda M S Santos

Musa inspiradora

MUSA INSPIRADORA

A cada poema, uma musa

A cada verso, uma inspiração

Venha da natureza, da fé, da emoção

Da beleza ou grandeza do coração

“Eu sinto, só não sei escrever”- já ouvi dizer

Traduzir em palavras os sentimentos

Próprios ou dos outros não é coisa fácil de fazer

Exige muita sensibilidade e muito querer

De onde vem sua inspiração?

Todo poeta já ouviu essa questão

Cada qual com sua “musa” inspiradora

Nessa vida nada animadora

Quase sempre vem de algo ou alguém que viu

Viveu, sentiu, ouviu, observou, despertou os sentidos

Atiçou a emoção, acendeu a imaginação

E logo está pronto um poema

Carregado de vida, mente, paixão e alma em ebulição…

Qual sua “musa”da inspiração?

Alda M S Santos

Poesia

POESIA

Poesia não é para entender, não é para explicar

Poesia é para sentir, para se fazer sentir

Poesia não é para racionalizar, equacionar

Poesia é para apreciar, emocionar

Pois é fruto das boas energias

Que transbordam de algo ou alguém

E viram versos, poemas

Poesia é para alguém faminto de magia, de encanto

Não são todos que sabem uma poesia apreciar

Poesia é para a alma de simplicidade alimentar

De emoções, de amor, de beleza e encanto

Poesia faz a vida fazer sentido

Sem precisar explicar!

Alda M S Santos

O tempo não conta

O TEMPO NÃO CONTA

Neles, os poetas, a brisa toca mais suavemente

As flores têm mais perfume, mais cor, mais espinhos

A chuva cai mais torrencial, assustadora

E o sol aquece mais rapidamente

Neles, os poetas, o abraço enlaça melhor

O olhar enxerga mais detalhes

Os beijos são pura emoção

E as conversas são longas e com melhor teor

Neles, os poetas, o amor se faz mais intenso, mais terno

O coração bate em uníssono, em harmonia

As ondas arrebentam suaves a seus pés

Numa explosão de pura alegria

Neles, os poetas, o tempo não se conta, se canta

O caminho se faz noutro ritmo, como um rio

O amor é a liga de tudo que há

E a vida sempre os encanta

Neles, os poetas, a vida é pura poesia

Nada há que não possa ser sentido

Eles são os escritores que fazem dela versos, poemas

E a abrem a todos por pura cortesia…

Alda M S Santos

A chave

A CHAVE

Uma porta, uma fechadura, uma chave

Inseriu, girou, abriu

Nem sempre é assim tão simples

Pode estar emperrada como nunca se viu…

Às vezes a chave não é aquela

A fechadura está enferrujada

Ou talvez te falte o jeitinho

Para enfrentar essa parada

Outras vezes a porta não está à vista

Exigirá muito tato e habilidade

A chave não é tão concreta

Mas feita de carinho e intimidade

Não há portas intransponíveis

Tampouco fechaduras invioláveis

O que nos falta é perícia e perseverança

Para torná-las acessíveis, maleáveis

Se a força bruta não adiantou

A chave também não serviu

Não adiantará de nada arrombar

Use o amor, seja doce, seja gentil

E pela porta poderá entrar e ficar…

Alda M S Santos

Censura poética

CENSURA POÉTICA

Nem tudo que se quer

Percebe, capta ou sente

Convém virar poema

Poderia ser mal interpretado

Traduzido do modo errado

Não condizente com o real

E tornar-se um grande mal

Censura poética…

Nem tudo que se quer

Percebe, capta ou sente

Seria recebido como poesia

Transmutada em palavras

Em versos, em rimas, em beleza, em magia

Censura poética…

Nem tudo que se quer

Percebe, capta ou sente

Pode ser gritado ou calado nos versos de um poema

O amor e a dor seriam confundidos

A alegria e tristeza mesclados

A esperança e a saudade exaltados

O erro ou o dolo perdoados

Censura poética…

Pura bobagem,

Não há censura que cale a voz da alma de um poeta

Não há censura que impeça a conexão com o leitor

Ou que tape seus ouvidos para o canto de um belo poema, faça-me o favor…

Censura poética? Que horror!

Alda M S Santos

Deixe virar poesia

DEIXE VIRAR POESIA

Aquilo que te leva ao êxtase

Que provoca risos sem fim

Deixe virar poesia

Aquilo que te machuca, corta

Que causa dores e cicatrizes

Deixe virar poesia

Aquilo que você agora desconhece

Que te magoa, enrijece

Deixe virar poesia

Aquilo que te sensibiliza, emociona

Que aperta o coração, e que você tanto ama

Deixe virar poesia

Aquilo que te amedronta, aterroriza

Causa pesadelos que nem a luz ameniza

Deixe virar poesia

Aquilo que é real, imaginário

Que é fugaz ou que virou saudade

Deixe virar poesia

Aquilo que é beleza, na simplicidade ou na sofisticação

Que traz sabor e aroma ao cotidiano

Deixe virar poesia

Tudo aquilo que é vida, que não se desperdiça ou economiza

Se eterniza

Deixe virar poesia…

Alda M S Santos

Poesia: analgésico, anestésico, estimulante

POESIA: ANALGÉSICO, ANESTÉSICO, ESTIMULANTE

Na dor, poesia é analgésico eficaz

Na saudade, poesia é anestésico poderoso e catártico

Na letargia, poesia é estimulante feroz

Na alegria, poesia é pura magia

Na descrença, poesia é a fé restaurada

Na vida poesia é a droga legalizada

No poeta, poesia, amor, fé e vida se fundem

Se confundem, se materializam, se transmutam

Em letras, versos, poemas, emoções…

Poesia é registro vivo, a prova irrefutável

Daquilo que ainda vive…

Alda M S Santos

DiRoma Parque- Caldas Novas

Licença poética

LICENÇA POÉTICA

Peço licença poética para enxergar o mundo

Quero vê-lo sob meu toque particular, sem regras

Gramaticais, ortográficas ou sintáticas

Quero tocá-lo com meu olhar perscrutador, amoroso ou invasivo

Quero flexionar gênero, número ou grau a meu bel prazer

Sem métricas, sem rimas, sem coesão, incoerentemente

Dá licença?

Quero plurais onde me apetecer, onde me sentir muito só

Singular onde acreditar ser mais conveniente

Ficar maiúscula onde me sentir melhor, puder ser o bem

Ser minúscula quando quiser sumir, me esconder como ênclise nas palavras sem nexo

Sempre iniciando, sem pontos finais, exclamando sempre

Sem separações de sílabas ou outras quaisquer

Em contínuas reticências

Questionando o que sangrar ou machucar…

Dá licença?

Quero conjugar os verbos viver, amar ou partir a meu modo, sem imperativos

Com os sujeitos que julgar adequados, simples, complexos ou ocultos

Sem pretextos ou pretéritos, sem objetos diretos ou indiretos

Usar a voz ativa e passiva quando for amor, sem preconceitos de pessoa, gênero ou qualquer tipo

Quero atribuir belos predicados, abusar de vícios de linguagem

Dá licença?

Quero ouvir o silêncio de um coração que grita ou a música das águas geladas de uma cachoeira

Ouvir a declaração de amor das estrelas numa noite quente ou a solidão da lua sem parceiros

Cegar-me com o brilho do sorriso de quem ama

Aquecer-me sob o sol escondido atrás das nuvens escuras

Chorar com a saudade em gotas que escorre e cria sulcos naquele rosto que insiste em sorrir

Dá licença?

Quero abraçar a poesia que há em mim, no outro

Fazer amor incansavelmente com a vida com a mesma paixão

De um casal que se “pega” e se beija com entrega apaixonada num canto escuro qualquer

Quero fazer desse viver o mais lindo poema

Usando nesses escritos a licença que só a alma pode conferir

Dá licença?

Alda M S Santos

Escrever é…

ESCREVER É…

Aqueles que se dispõem a traduzir em palavras

Em versos ou prosa o que se passa dentro de si

Que tentam organizar ou dar sentido ao caos

Escritores, poetas, profissionais ou amadores

Quase sempre são acusados de excêntricos, introvertidos, superiores

Ou frágeis, confusos, donos da verdade, narcisistas

Encontraram, ou ao menos buscam, na verdade, um modo de abrandar, silenciar

Todos os barulhos que ecoam e carregam dentro de si

Caminhos que trafegam sozinhos na escuridão ou luz interior

Levando alguns leitores e seguidores afins a fazer o mesmo

Escrever não é um ato superior ou inferior a qualquer outro

Mas é, sem sombra de dúvida, um misto de prazer, alívio, dor, necessidade vital e coragem

Escrever é abrir porteiras e deixar a luz entrar, ou a escuridão sair, tanto faz

Escreve-se não para mudar o mundo, os outros, ainda que possa fazê-lo

Mas uma pequena tentativa, às vezes vã, de mudar a si mesmo…

Alda M S Santos

Poesia

POESIA

Poesia é energia em estado bruto

Que o poeta lapida e transforma em poema.

Quem tem sensibilidade vê seu brilho,

Sente as emoções que ele partilha

Internaliza, complementa com lágrimas, sorrisos

Saudades, alegria ou amor e o espalha por aí….

Alda M S Santos

Poetas do amor

POETAS DO AMOR

Falar de amor é quase sempre controverso

Posto que muitos não amam ou amam de modos diversos.

Mas escrever sobre o amor pode ser polêmico

Visto que uma parte considerável nunca entende os versos, ou o amor que se mostra,

Acham brega, piegas ou algo qualquer similar.

E há ainda os que colocam em questão o poeta:

É algum frustrado que não ama- afirmam!

Ou talvez seja alguém que ama escondido -acusam!

Pois ninguém normal fala assim de amor-concluem!

E de questão em questão

Os poetas do amor vão observando e escrevendo

Sentindo, amando e compondo,

À revelia dos que sequer entendem o amor,

Pois para entendê-lo, ou fazer dessa linda poesia um poema,

É preciso mergulhar, se molhar por inteiro, vivê-lo, ou ao menos tê-lo vivido,

Intensamente!

Alda M S Santos

Olhar de poeta

OLHAR DE POETA

O poeta não vê tudo multicolorido, nem tudo cinza,

Ao contrário, vê todas as cores nitidamente,

Na natureza, nos seres, nos sentimentos,

Mas prefere misturá-las e descrevê-las,

E fazer da poesia que nelas existe, um poema.

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: