Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

Viver melhor

É o desejo

É O DESEJO

É o desejo de saber mais que me faz compreender
É o desejo de entender que me faz aprender
É o desejo de descobrir que me impele a agir
É o desejo de mudar que me ensina a sonhar…

É o desejo de tudo conhecer que me faz crescer
É o desejo da grandiosidade que me ensina a humildade
É o desejo de viajar que me ensina a voar
É o desejo de não me afastar que me faz ficar…

É o desejo de me eternizar que me faz te amar
É o desejo de te ver feliz que me torna aprendiz
É o desejo de vencer a saudade que me torna realidade
É o desejo de promover a união que me leva a estender a mão…

É o desejo de não me perder que me leva a escrever
É o desejo de ter que me leva a ser
É o desejo de poetizar que me faz me emocionar
É o desejo de amar que me faz me encantar…

É o desejo que a tudo move
E também me move…

Alda M S Santos

Injusta

INJUSTA

A vida pode ser cruel
Dolorosa, intensa, parcial
A cada um de nós caberá
Torná-la menos desigual

Muitas vezes parece tão longa
Noutras é por demais curta
Mas é o que fazemos por ela
Que a tornará menos injusta

Buscamos no outro a alegria
Ou a paz que de nós fugiu
Sequer percebemos que está na gente
O prazer de viver que um dia sumiu

Mesmo injusta ela é só nossa
Mas se torna mais bela
Quando destrancamos portas fechadas
E sorrisos abrimos em nossa janela…

Mesmo injusta ainda podemos fazer dela
Uma linda e encantadora aquarela…

Alda M S Santos

Onde o Sol nasce

ONDE O SOL NASCE

Quero ir lá onde o Sol nasce

Não aquele que se vê do alto de um edifício

Tampouco aquele que entra nas frestas da janela

Ou aquele que do avião parece uma bola amarela

Quero ir lá onde o Sol brilha mais bonito

Onde seu calor é mais forte, intenso, uma aquarela

Quero ir lá onde o Sol nasce

Talvez na linha do horizonte, no fim do mar

Ou atrás daquele pico bem alto que quero escalar

Onde nada possa haver entre ele e eu, quero conversar

Olhos nos olhos, pura luz a brilhar

Quero ir lá onde o Sol nasce

Quero senti-lo aquecer minha pele

Arrepiar, queimar, animar, me bronzear

Quero ir lá onde o Sol nasce, atrás da cachoeira

Preciso trocar uma ideia com ele, não posso dar bobeira

Quero perguntar para ele como se faz

Para todo dia morrer atrás do monte, tudo esquecer

E novamente lindo e forte renascer

A cada manhã num belo e novo alvorecer

E vver feliz com um amor, sem doer

Será que ele poderá me dizer?

Preciso aprender…

Alda M S Santos

Um dia

UM DIA 

Um dia ainda vamos acordar

E sermos livres para por aí caminhar

Mais que isso, poderemos confiar

Que o mundo se tornou um bom lugar 

Bastaria um leve e atento olhar 

Para saber que nada se deveria temer 

Pois haveria menos humanos a sofrer 

E sempre seria prazeroso viver

Um dia ainda iremos acordar 

E saberemos o valor de poder tocar 

Chegar perto, abraçar,  beijar, amar 

Deixar fluir a emoção…

Estamos em hibernação 

Juntando forças, recarregando bateria

E, ao despertar, tudo será energia 

Para ser usada em prol da vida 

Com muito mais amor e alegria 

Um dia…tudo será harmonia…

Alda M S Santos 

Revelação

REVELAÇÃO
Quero revelar todas as fotos que minha lente captou
Nem sempre tão objetivamente assim
Mas capturadas todas elas em momentos de intensa emoção
Numas pode haver luz e escuridão
Noutras alegria, descontração
Pode haver talvez insegurança e tristeza no olhar
Desejo, tensão, atração no modo de me expressar
Podem ter sido registradas num instante de puro amor
Alguns talvez sejam apenas lembranças
Outros são as atuais andanças
E há ainda os que alimentam esperanças
De um viver sempre em evolução
Quero, preciso revelar todas essas fotografias em mim
Registradas nessa longa trajetória
É fazer delas um grande álbum, enfim
De uma vida, de luta, de história
Onde possa mergulhar numa tarde de nostalgia
E tudo reviver, aprofundando a magia
Quero revelar todas as fotos contidas na lente do meu olhar…
Alda M S Santos

Feito menina

FEITO MENINA
Feito criança pequenina quero receber a vida
Acolher com prazer o amanhecer que ela me oferece
Como menina, abrir os grandes olhos brilhantes e sorrir
Não me importar com os cabelos ou a vida bagunçados
Andar descalça, correr na grama, cair, esfolar os joelhos
Aceitar os cuidados que me forem ofertados
Desembrulhar o dia como um grande presente
Aproveitar o sol e quintal lá fora para brincar
Sentir o frio na barriga do calor de viver
Feito menina quero curtir cada minuto que tiver
Sabendo que o entardecer chega, o anoitecer idem
Mas ser leve, sem preocupações excessivas
Chorar quando sentir vontade
Mas nunca deixar de sorrir, de sonhar, de acreditar
Confiante que novo amanhecer chegará
E tudo se repetirá, ou não, (in)finitamente
Mas que ele sempre será bom como tem que ser
E, feito menina, confiar e balançar ao sabor da vida…
Alda M S Santos

Canarinhos

CANARINHOS
Canarinhos na ameixeira, cantam, comem, fazem zoeira
São muitos, brigam, disputam uma fêmea
Fico a observar a fêmea namoradeira
Qual irá escolher, o mais amarelinho, o mais galante
Ou o que canta mais bonitinho, mais “falante”?
Banham-se no rodador do jardim
Divertem -se, encantam, encantam-se
Qual será desse romance o fim?
E a algazarra continua até o despertar da Lua
Vão-se embora, não sei qual deles venceu
Qual ficou com a fêmea que se ofereceu
Vida linda, doce, colorida e simples
Comer, cantar, namorar…
E nós aqui a vida a complicar…
Alda M S Santos

Arte de viver

ARTE DE VIVER

Desenhei no caderno da vida um sonho colorido

Pintei na tela da existência um cérebro bem resolvido

Bordei na colcha macia um amor fantasia, pura sintonia

Escrevi no seu coração um poema cheio de emoção

Depositei beijinhos no seu corpo, com carinho

Acendi na nossa estrada a luz da Lua, encantada

Para uma noite de amor, dancei suave, sem pudor

Criei uma letra, uma música, uma melodia, uma história de amor

Mãos postas, um silêncio, uma oração, gratidão

Com minha ajuda o destino escreveu na linha do horizonte nosso apogeu

Deixei registrada por aqui nossa passagem em arte magia, poesia

A vida e eu…

Alda M S Santos

De gota em gota

DE GOTA EM GOTA

De gota em gota vão chegando as alegrias

Aquelas que a vida nos presenteia dia a dia

E nós, tolos, queremos copo cheio

Nos perdemos e nos afogamos nesse meio

De gota em gota vai chegando um grande amor

Aquele que aos poucos faz a vida ser flor

Colorida, bela, perfumada, seja como for

E nos ensina que de beijo em beijo se satisfaz o beija-flor

Chuviscos, garoa ou furacão

Qualquer deles irriga um coração

Basta querer bem, ser atenção, (com)paixão

A conta-gotas também dá para ser feliz

Brotar, crescer, criar raiz

Ser árvore frondosa no céu de quem me quis

Alda M S Santos

Fadinha encantada

FADINHA ENCANTADA

Quisera ter alma limpa e purificada,

Muita leveza no gesto e no escrever

Certeira e destra em minha alçada,

Sempre amando a Natureza e o ser.

Quisera ser uma mágica fadinha,

Linda, sonhada, doce e bem amada,

De repente, de anjo à bruxinha,

Sendo mais que encantada, abençoada

Esta é a fadinha que eu sonho ser,

Em minhas poesias, que brinco, gracejo,

Quero levar luz, amor, beijos e desejo

E viva a fadinha purificada, sempre bem acompanhada

De poetas, bruxos, feiticeiras amadas

É a fadinha, aquela que sonho e parece encantada

Alda M S Santos

Quero ser vida

QUERO SER VIDA

Quero ser a chuva que cai incessante

Que irriga a terra, lava a alma inconstante

E tem efeito calmante…

Quero ser o sol que aquece

Que inebria, amortece

Causa sonolência, amolece, adormece…

Quero ser a brisa que acaricia

Que vem suave, a pele arrepia

E nos deixa em transe, pura magia…

Quero ser a lua que banha

Ilumina os amantes, sem barganha

E neles provoca grande façanha…

Quero ser vida, tensão, paixão, emoção

A energia que flui de coração para coração…

Alda M S Santos

Mais colorido

MAIS COLORIDO

Quero pintar esse mundo doido, doído

De azul, vermelho, amarelo, rosa choque, toda a cor

Fazer um grande e bonito colorido

Quem sabe assim não ofusque todo dissabor?

Pincelar bem tudo que estiver desbotado

O abraço, o beijo, o cuidado, o olhar, o sorriso

Aquele de humor nublado, calado

E tudo o mais que for preciso

Quero levar a cor neon, brilhante

Numa grande paleta, uma aquarela

Ao idoso, jovem ou infante

Um abraço , um sorriso e uma flor amarela

A todos que precisarem dela…

Alda M S Santos

Só assim

SÓ ASSIM

Um mundo de tantas conquistas e riquezas

Só valerá a pena se eu puder levar comigo aqueles que amo

Só assim será bom…

Um mundo de tanto luxo e sofisticação

Só valerá a pena se não houver tanta gente passando necessidade

Só assim será bom…

Um mundo cheio de grandes prazeres

Só valerá a pena se não tiver deixando ninguém para trás no sofrimento

Só assim será bom…

Um mundo de grandes conquistas só será valioso

Se não tiver tirando nada de ninguém

Só assim será bom…

Um mundo onde a vista é bela do alto de onde estivermos

Só será valioso se a vista de quem olha de baixo também for bela

Só assim será bom…

Um mundo só será realmente belo quando for mais igualitário

Enquanto isso, prefiro ficar do lado de cá

Só assim posso me sentir melhor…

Alda M S Santos

Vá lá e faça o melhor

VÁ LÁ E FAÇA O MELHOR

“Vá, filho, desça lá e faça o melhor que puder”

E, corajosos, tendo-o por perto naquele momento, descemos

E cá estamos errando e acertando

Tantas vezes trocando os pés pelas mãos

Outras tantas correspondendo a tão altas expectativas sobre nós

Pedindo ajuda em momentos de tristeza e solidão

Implorando perdão nas sucessivas burradas que cometemos

Agradecendo pela oportunidade de estar aqui

Pelas chances de crescimento e aprendizado

Pelos anjos bons que enviou para que não nos sentíssemos tão sozinhos

E, principalmente, por não nos ter abandonado

Mesmo que tantas vezes a gente se sinta só e triste

Em meio a tanta maldade, tanta desumanidade, tanta saudade

E queira logo voltar para casa…

Que nossas energias e fé se fortaleçam

E que nunca, nunca nos abandone

Que nos permita vê-Lo nos outros

E que os outros possam vê-Lo em nós

Amém!

Alda M S Santos

Uma festa

UMA FESTA

A vida é uma festa, independente da magnitude dela

Se uma pequena reunião ou um grande baile

Só precisamos nos situar

E saber em qual parte dela estamos

Na fase da preparação

Planejamento, expectativa, ansiedade, preocupação

No auge, a hora em que ela rola, pura emoção

É só curtição, alegria, brilho, animação

Mas se for fim de festa, quando todos vão embora

É cansaço, limpeza, organização

Aí vem a fase do “vazio”

Aquele que existe entre o fim de uma festa

E a preparação de outra

Fase do repouso e descanso, fase de germinação

E uma festa não acontece sem passar por cada etapa

Aproveitar o que cada uma oferece é essencial

Saber que o fim de uma festa

Não é o fim da vida ou da alegria

É início de outra fase de preparação

Novas festas sempre virão

Até o fechar definitivo do salão…

Alda M S Santos

Viver de quê?

VIVER DE QUÊ?

Busca por razões de viver

Algo que motive, instigue

Que faça tudo isso valer a pena

E nessa desenfreada busca

Atropela-se tudo, passa-se por cima dos outros

Das razões de viver do outro, inclusive de si mesmo

Sua própria vida vazia é soberana

Vale mais do que todas as outras

Automutilação, autoextermínio

Viver de quê, para quê, para quem?

Enquanto não se perceber que uma vida não se constrói

Destruindo outras vidas

Sendo governo, povo, instituição, indivíduo ou o escambau

Qualquer busca será em vão

Será inócuo qualquer estender de mão

Precisamos viver das boas ações, do amor

Da esperança que um mundo melhor começa em nós

Mas que nunca exclui o mundo do outro

Buscamos por razões de viver

Que façam com que a dor e a alegria

Tenham razão de ser, não sejam em vão…

Precisamos viver da fé

“Só não se sabe fé em quê”

Alda M S Santos

Respeitável público

RESPEITÁVEL PÚBLICO

Respeitável público

Bailarinas ficam tontas, desequilibram, caem

Sem nunca perderem o encanto

Palhaços choram, fazem sorrir, gargalham e se entristecem

Sem nunca perderem a graça

Mágicos engolem e cospem fogo, duplicam objetos, fazem aparecer e desaparecer coisas, menos o sofrimento

Sem nunca perderem a magia

O circo da vida é assim

Bailarinas, palhaços e mágicos

Com encanto, graça e magia

Tudo fazem para animar o respeitável público

Do qual também fazem parte

Mesmo que nem sempre esse público seja tão respeitável assim…

Alda M S Santos

Roda da vida

RODA DA VIDA

Intensa e contínua circularidade da vida

Tempos, fases, ciclos

Onde se encontram diversas gerações, todas as idades

Um verdadeiro entra e sai nessa roda

Um trajeto completado

Fim da linha? Reinício?

Linha de largada, linha de chegada

O que as difere?

A disposição, esperanças, expectativas

Frustrações, sensação de dever cumprido?

Entra mês, sai mês, dezembro, janeiro

Fim, início ou continuidade?

Tempo contado, marcado, demarcado

Para quê?

Será que assim temos a sensação de um mínimo de controle

Sobre aquilo que não sabemos quando irá se acabar?

Sei que em qualquer etapa é possível dar uma parada

Reavaliar a trajetória, redirecionar

Só não podemos estacionar

Sempre seremos levados na roda da vida…

Quanto tempo temos?

Alda M S Santos

Eu troco

EU TROCO

Troco uma noitada de músicas, danças e bebidas

Por um dia de caminhadas na praia tomando água de coco

Troco a tranquilidade de uma vida estendida na rede da varanda

Pela oportunidade de estender a mão, despertar sorrisos, ajudar

Troco os gritos calados de tristeza e desesperança

Pela chance de ouvir os silenciosos pedidos do olhar

Troco aquele rolê no shopping numa tarde de sábado

Por uma conversa amiga, tranquila, acolhedora debaixo da jabuticabeira

Troco aquela viagem por locais paradisíacos

Pelo prazer de viajar dentro daqueles que amo e que de mim precisam

Troco milhões de amigos e/ou expectadores

Por uma amizade sincera, que ore por mim, que seja confiável, que não me traia ou abandone

Troco a aquisição de qualquer bem material ou condição financeira

Pelo prazer de sentir um abraço sincero a dizer “você é bênção em nossas vidas”

Troco uma vida longa e cheia de “ganhos”

Por uma vida mais curta, na medida certa, de coração cheio

Troco qualquer coisa pelo prazer de ser eu mesma

Pela satisfação de viver para quem amo…

Eu troco!

Alda M S Santos

Dores e delícias do viver

DORES E DELÍCIAS DO VIVER

É dor ou delícia?

Dispor de um céu infinito para voar

E encontrar alimento num cativeiro alheio?

É dor ou delícia?

Ter asas leves e fortes capazes de alçar voo nos sonhos do coração

E precisar manter os pés firmes e pesados no chão?

É dor ou delícia?

Avistar um deslumbrante e convidativo horizonte além-mar a desbravar

E desejar um porto distante e inalcançável a um barquinho de papel?

É dor ou delícia?

Flutuar nas águas límpidas e leves do amor incondicional

E, afoito, se afogar nas águas turvas e densas da ilusão?

Viver é se molhar e se secar, tornar a se molhar e tornar a se secar

No brilho líquido e vibrante dos sorrisos e das lágrimas

Que nos tomam todo o tempo de delícias e dores….

É dor ou delícia?

Cada qual que responda por si…

Alda M S Santos

Do what you love

“DO WHAT YOU LOVE”

Faça o que você ama, diz a canção

Ainda que seja difícil, tente

Mesmo que o momento exija reflexão, introspecção, negação

Encare!

Faça o que você ama!

Chore, grite, silencie, permita-se sentir

Respeite seus tempos!

Faça o que você ama!

Busque a natureza, água, mato, bichos

Busque a sua natureza interior

Faça o que você ama!

Tome sol, tome chuva, tome coragem

Perca os medos, perca a vergonha, perca a preguiça

Só não perca o respeito por si, pelo outro

Faça o que você ama!

Mate as saudades, deixe lembranças jorrarem

Afogue as dores, faça boca a boca com a paixão

Faça o que você ama!

Abra bem os olhos para o que se mostra

Abra os braços para os abraços

Mergulhe na vida de cabeça!

Mas faça o que você ama!

Alda M S Santos

Autossustentáveis

AUTOSSUSTENTÁVEIS

Buscamos por um ambiente autossustentável

Uma água que siga seu ciclo e se renove

Árvores que nasçam, cresçam, se reproduzam e morram

Não sem antes nos fornecer seus frutos, sombra e madeira

Sem nos deixar na mão

Animais que nos sirvam de algum modo, que sejam “úteis”

Vegetais, animais e minerais à nossa mercê

Água, terra, fogo, ar, puros e infinitos para nosso prazer

Outros humanos a nos agradar e “servir”

E qual nossa parte nisso tudo?

Apenas usufruir sem contribuir?

Arriscando secar qualquer fonte de água, alimento ou amor?

Precisamos de humanos autossustentáveis

Brancos, amarelos, negros, vermelhos ou azuis

Ou, no mínimo, que não destruam irremediavelmente

Tudo aquilo de que precisam para se manter…

Como espécie e como indivíduos

A começar por si mesmos…

Alda M S Santos

Erro de Deus?

ERRO DE DEUS?

“Se há algo que Deus errou ao criar o mundo foi tê-lo entregue à “administração” masculina.”

A vendedora ambulante me dizia quando fui comprar toucas de lã e meias de cano longo.

Afirmou que quase não vendiam por serem usadas com botas e homens não queriam saber de trabalhar.

Falei que precisaria das meias longas, pois seriam brindes para a Festa Junina dos idosos dos asilos que meu grupo ajudava.

“Aposto que são apenas mulheres que ajudam!”

Expliquei que havia alguns homens no grupo, mas que a maioria era mesmo mulheres.

“Tenho minhas dúvidas quanto a Deus ter criado Eva a partir da costela de Adão.”

Sorri solidária.

“Como pode parte da costela ser algo bem melhor?”- não se conformava!

Apesar de brincar, parecia muito chateada e certamente carregava nas costas algum homem preguiçoso e folgado.

“O mundo será melhor quando as mulheres puderem tomar a frente de tudo”!

Consegui algumas meias e um bom desconto nas toucas.

“Para ajudar”- ela disse!

Fui embora pensando naquilo, quase esbarrei no carrinho de picolé de um senhor bem velhinho, bem pequeno, sorridente.

“Um picolé, moça distraída?”

Sorri e agradeci. Olhei para seus pés. Elogiei as botas que usava…

Pus-me a pensar nos homens e mulheres ao longo de minha vida.

O mundo seria melhor se fosse mais feminino.

Era mesmo uma questão de gênero!

Não de gênero físico, mas de gênero da alma.

Almas femininas são mais sensíveis e fortes, paradoxalmente, e administrariam bem melhor esse mundo!

Alda M S Santos

Brincar de ser feliz

BRINCAR DE SER FELIZ

Brincar…de ser feliz

Dançar, pular, correr

Chupar picolé até se lambuzar

Sorrir até a barriga doer

Despertar um sorriso em alguém

Brincar…pra ser feliz

Sentar no chão, gargalhar

Voltar a ser criança, confiar

Agarrar um bichinho de estimação

Aspirar o perfume de uma rosa

Brincar…de ser feliz

Namorar, abraçar, beijar, amar

Pedir colo, ser colo, fazer amor

Ser o amor de alguém

Chorar se der vontade, inútil engolir o choro

Dormir de conchinha, sonhar

Ler um livro, escrever um poema, ser a poesia

Brincar… pra ser feliz

Mergulhar numa cachoeira gelada

Cantar alto, rezar baixinho

Tomar um banho quentinho

Assistir filme no tapete, debaixo de edredom

Se empanturrando de pipoca

Brincar… de ser feliz

Declarar o amor, apaziguar a dor

Responder a um bom dia, contar uma piada

Rir de si mesmo, sorrir para o outro

Retirar os pesos das costas, ser leve

Perdoar, acreditar que ainda vale a pena…

Brincar de ser feliz…

Brincar pra ser feliz…

Brincar para fazer feliz…

Alda M S Santos

Saber ou não saber?

SABER OU NÃO SABER?

A ignorância ou o conhecimento, qual escolher?

Que a doença é incurável, que há pouco tempo?

Prefiro não saber!

Que sou importante, necessária, o amor de alguém?

Prefiro saber!

Que sou dispensável, indiferente, que não sou mais a razão daquela alegria, daquele sorriso?

Prefiro não saber!

Que os caminhos podem estar esburacados ou sem saída?

Prefiro não saber!

Saber ou não saber?

Que fiz o bem, que alegrei, que errei e acertei, que distribuí o amor?

Prefiro saber, sentir!

Fechar os olhos ou estar ciente de tudo?

Saber ou não saber?

Seguir sabendo “tudo” de antemão ou ser surpreendido pela emoção?

Há coisas que pela mágoa e paralisia que podem causar,

Melhor não saber, simplesmente, ignorar e mergulhar

Para manter um mínimo de sanidade e prazer de seguir, de viver…

Alda M S Santos

Contradições (des)humanas

CONTRADIÇÕES (DES)HUMANAS

Silenciar, quando o desejo é gritar

Conformar-se, quando a sombra deixada pede luz

Acreditar, quando há tantos incrédulos e mentirosos

Justificar um erro, apoiado em erros alheios

Agir de modo contrário ao que se apregoa

Querer o que é eterno, destruindo eternidades

Gostar de jardim florido, mas não regar, não cuidar da terra

Mascarar para si mesmo o que está óbvio para todos

Insistir no mesmo erro infinitas vezes

Apontar no outro uma falha que é sua

Querer colher aquilo que não plantou

Plantar ou construir em terreno que não é próprio, que não pode colher

Fazer ao outro o que não aceitaria que fizessem consigo

Confiar, gerando desconfianças

Querer mudanças, sem ações concretas, sendo sempre o mesmo

Amar, mesmo sendo derrubado infinitas vezes.

Viver, mesmo que a “morte” se insinue todo o tempo

Somos assim, humanos carregados de desumanidades, em evolução…

Alda M S Santos

Sim ou não

SIM OU NÃO?

Se é sim tudo é animação

Se é não quase sempre é frustração

Mas não se deixe enganar, meu irmão

O sim quando precisa ser não

Ou o não quando deveria ser sim

Fazem muita confusão na mente de qualquer Cristão

Sim ou não?

Pergunte ao seu coração

E o ouça com ajuda da razão

Sim ou não?

Porque em quase toda situação

É você quem paga o alto preço, ouve o sermão

E aguenta-se nos rochedos a forte arrebentação…

Alda M S Santos

Reclamações

RECLAMAÇÕES

Não podemos reclamar das flores murchas no jardim

Se não formos bons e zelosos jardineiros

Não podemos reclamar da destruição das tempestades

Se nós mesmos ignoramos as advertências da meteorologia

Não podemos reclamar da solidão

Se nós mesmos não cultivamos bons e saudáveis relacionamentos

Não podemos reclamar da saúde

Se negligenciamos cuidados mentais e físicos

Não podemos reclamar do tédio da vida

Se não buscamos algo de útil para nos ocupar

Não podemos reclamar do sol que nos castiga a pele

Se nós mesmos derrubamos as árvores que nos dariam sombra

Não podemos reclamar de dores físicas

Se nós mesmos criamos a carga a pesar nossos ombros

Não podemos reclamar pelo que não temos, por ausência de amor

Se nós mesmos que fizemos nossas escolhas

E não cultivamos o bom que se apresentou

Até podemos reclamar, mas que as reclamações se convertam em mudanças

Necessário é que deixemos o que faz mal ser levado,

Que possamos receber de braços abertos o novo, o correto, que faz bem

Buscar ações que partam de dentro de nós mesmos,

E nos tornem, a nós e aos outros, mais felizes…

Alda M S Santos

Perdas

PERDAS

Sempre sabemos lidar com perdas: as perdas alheias.

Para elas sempre temos algo a dizer, a aconselhar.

Mas quando a perda é com a gente, tudo muda de figura.

Não importa que tipo de perda seja: material, pessoal, humana…

Sempre irá doer, sempre irá machucar!

Perde-se emprego, casa, saúde, animais de estimação,

Amigos, familiares, amores…

Perde-se a paz, o sossego, a fé, a alegria!

Por que nunca somos ensinados a perder?

A família, a escola, a igreja, todos nos ensinam a conquistar.

Isso porque a teoria da perda de nada vale!

E, quase sempre, é essa teoria que passamos para os amigos “perdidos”.

Mas somente quem vivencia a perda é capaz de aprendê-la na prática.

Aprende-se a perder, perdendo: chorando, gritando, se recolhendo, sofrendo.

Não é lição que se ensina, é lição que se aprende só!

E o tempo que leva para se recuperar,

Depende do modo de ser de cada um.

Alguns rapidamente superam, esquecem, e a vida segue normal.

Outros demandam muito mais tempo, muitas lágrimas, muita tristeza…

Respeitar o próprio jeito, a própria dor, é fundamental no processo de cura!

Alda M S Santos

Dó Maior

DÓ MAIOR

Em dó maior, em mi menor

Não importa!

Sem dó, sem mimimi,

Precisamos é fazer essa orquestra funcionar

Tocar a mais harmoniosa de todas as melodias,

Na afinação que nos cabe,

Tocar o maior número possível de corações!

Alda M S Santos

Duas vidas

DUAS VIDAS

Vivemos duas vidas por aqui, quase sempre.

Aquela que entra em nossos pulmões todos os segundos,

Que corre em nossas veias e irriga todos os órgãos,

Que nos faz andar, falar, pensar, existir,

Que acontece involuntariamente, repetidamente.

E há aquela outra vida que precisamos buscar

Aquela que precisamos conquistar

Que nos leva de um objetivo ao outro

Que conecta um coração ao outro

Uma emoção à outra, independente ou, até mesmo, por causa das diferenças.

Muitos de nós cuidam apenas da primeira.

Óbvio que ela é fundamental, mas cuidar da segunda é prolongar e enriquecer a primeira.

Uma existência plena possibilita a coexistência de ambas.

Quando essas “duas vidas” em nós são harmônicas,

Permitem o encontro com outras “duas vidas”, e tudo fica mais intenso!

Somente assim…

Alda M S Santos

Os vários tons de nós

OS VÁRIOS TONS DE NÓS

Somos feitos em cores, brilhantes ou opacas

Amarelo, azul, vermelho 

Verde, laranja, branco, 

E as refletimos por aí…

Laranja é vida que grita

Cinza também é cor. 

Cinza é cor que se cala. 

É a cor da introspecção

A cor de quando estamos em nós

De quando queremos sossego

De quando “brigamos” com cores que nos invadem

Cinza é repouso, reflexão, 

De onde iremos brotar com novos tons

Renascidos! Mais fortes!

Fomos criados para “evoluir” do cinza. 

Buscar outros tons.

A mistura com outras cores permite isso.

Com respeito e amor às nossas cores,

Às cores do outro…

Cinza com cinza, laranja com laranja sao úteis. 

Mas é a mistura de todas elas

Que nos faz viver nosso arco-íris 

Em nós, nos outros…

Uma vida multicor a todos nós!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: