ERVAS DANINHAS NO JARDIM

Cuidando das plantas, retirando galhos com ervas de passarinho de uma mangueira

Observei o quanto é importante não perdermos o “timing” da vida

Retiramos as ervas já floridas perdendo inúmeros galhos, mas salvamos a mangueira

Um tempo a mais que demorasse talvez não fosse possível salvar a árvore

Como uma doença descoberta no início, podendo ser curada

A questão é identificar o mal, as ervas daninhas, os matos sufocantes e extraí-los

Mesmo amando plantas tenho dificuldade de identificar os matos e ervas “disfarçados” no jardim

Acho lindas as flores com suas cores maravilhosas e perfumes embriagantes e me perco

Tantas vezes não identificamos o mal que se apresenta em nossas vidas

E perdemos o momento certo de arrancá-los

Talvez nem seja uma erva daninha, apenas uma outra “flor” que ocupa espaço demais

Que impede de vermos, de recebermos a luz, nos afasta do essencial e nos sufoca

Mas, o que é importante sabermos e estarmos atentos

É que o momento certo de extirpar uma erva

Pode significar a diferença entre vida ou morte

Tanto para as roseiras quanto para as pessoas…

Alda M S Santos