Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

cuidados

Preciso cuidar mais de mim

PRECISO CUIDAR MAIS DE MIM

Preciso cuidar mais de mim
Lustrar e dar brilho em algumas partes
Manter ao natural o que assim é belo, é arte
Deixar o fosco de lado, o que já é descarte

Preciso cuidar mais de mim
Selecionar quem passa por minha porteira
Quem vier trazendo o bem terá passagem
Colocar para fora o que não for camaradagem

Preciso cuidar mais de mim
Acender e alimentar meus cantinhos secretos
Valorizar quem está sempre por perto
E deixar ir quem não quer que dê certo

Preciso cuidar mais de mim
Para cada baú de tristezas que for aberto
Abrir a caixinha de alegrias, trazer para perto
E nesse doce balanço haverá equilíbrio, decerto

Preciso cuidar mais de mim
Para cada emoção gerada por uma decepção
Respirar fundo, chorar, aliviar a tensão
E ir em busca do que faz bem ao coração

Alda M S Santos

Como rosa

COMO ROSA

Como uma rosa quero receber feliz a chuva da madrugada
E amanhecer viçosa e alegre mais uma alvorada

Como rosa quero me aquecer ao sol agradecida
E exalar para todos meu perfume intenso, bem colorida

Como rosa que atrai borboletas e joaninhas para se alegrar
Quero encantar quem de mim se agradar

Como rosa quero de intrusos me proteger
Se preciso, usar meus espinhos para me defender

Como rosa quero estar entre flores num jardim
Ou nas mãos de alguém apaixonado, a fim, enfim…

Como rosa quero cor, perfume, delicadeza, intensidade
Ser prazer e alegria nesse mundo cheio de maldade

Como rosa quero carinho, amor, presença e cuidado
De um jardineiro que sabe o que faz, apaixonante, apaixonado

Como rosa quero deixar doçura numa alma impregnada
Quando minhas pétalas forem adubo na terra molhada

Alda M S Santos

Blindagem

BLINDAGEM

Lá fora há muita negatividade
Temos medos, receios, ansiedades
De nos expor ao que trará infelicidade
Nos blindamos, trancamos preciosidades

Queremos deixar entrar só o que faz bem
Nada de forçar passagem, não convém
Mas a mesma porta tão bem blindada
Não permite entrada, nem saída, nada

Se a luz não entra, ela também não sai
Se o medo toma conta, o sorriso se esvai
Cuidemos do que em nós sobressai

Não dá para da vida nos esconder, nos blindar
A mesma blindagem que pode do mal proteger
Pode impedir do bem e do amor acontecer

Alda M S Santos

Precisando de cuidados?

PRECISANDO DE CUIDADOS?

Num jardim há flores de todos os tipos

Cores, perfumes, texturas, tamanhos, resistência

Umas preferem o Sol, outras a sombra

Algumas precisam de muita irrigação, outras bem pouca

Umas são do dia, outras da noite

A floração também é muito variada

Algumas são bem frágeis, necessitam proteção

Inclusive exigindo sacrifício de outras, que se doam

Para garantir sua sobrevivência

Tratamento igual para todas poderá levá-las à morte

Única coisa que deve ser igual para todas é a dedicação do jardineiro

Conhecer bem cada uma e do que ela necessita

Aceitá-las em suas peculiaridades que as tornam únicas e belas

Até mesmo impedir que umas sufoquem as outras

Cada planta no jardim exige um cuidado e proteção especial

Assim é com as flores,

Assim é com as pessoas…

Somos flores, boa parte do tempo, precisando de cuidados

Somos também jardineiros, devendo cuidar…

Cuidemos de nós e dos outros, quando flores, quando jardineiros…

Alda M S Santos

Feridas abertas

FERIDAS ABERTAS

Aquela ferida profunda no dedo

Machucou fundo, doeu, sangrou muito

Ora fratura, atinge nervos importantes

Limpamos, higienizamos, medicamos, repousamos

Isolamos como podemos do ambiente externo

Por vezes são necessárias suturas, enfaixamento para fechamento e cura

E ausência de limitação de movimentos e cicatrizes grandes posteriores

Mas tudo parece atingi-la em primeiro lugar

O dedo ferido “chama” para si todo atrito

Encosta em tudo que atiça novamente a ferida

E, frágil, sequelado, sangra novamente…

Algo em nós que foi machucado ou ferido

Sempre será frágil, sempre terá marcas profundas

Sempre necessitará de cuidados especiais e controle

Sempre será atingido por coisas aparentemente banais

Vale para feridas da carne, do coração, da mente ou da alma…

Alda M S Santos

Quando…

QUANDO…

Quando alguém chegar, bater à sua porta, peça para se identificar

Exija um crachá, um cartão, um uniforme, um ingresso, um convite, uma credencial

Isso previne que você abra o portão para um ladrão

Além do documento oficial que pouco diz

Observe atentamente o olhar, que muito expressa, a “bagagem” que carrega nas costas

As expressões faciais que traduzem o que vai dentro

Deixe entrar no quintal, na varanda, aos poucos, ou dispense

Mas antes de adentrar sua casa você precisa saber:

Quem é esse alguém que se apresenta e chega assim tão perto?

Qual seu histórico de vida, seu Curriculum Vitae pessoal?

Que pode trazer de verdadeiramente bom para sua vida,

Que você pode contribuir para a vida dele?

Aceite a interação, ajude, permita-se ser ajudado

Mas, evite danos, seja guardião de seus tesouros

Internos e externos…

Independente da “casa” que possua!

“Na sociedade há muitas pessoas que colocam trancas nas portas,

Mas não têm proteção emocional”. (Augusto Cury)

Alda M S Santos

Ervas daninhas no jardim

ERVAS DANINHAS NO JARDIM

Cuidando das plantas, retirando galhos com ervas de passarinho de uma mangueira

Observei o quanto é importante não perdermos o “timing” da vida

Retiramos as ervas já floridas perdendo inúmeros galhos, mas salvamos a mangueira

Um tempo a mais que demorasse talvez não fosse possível salvar a árvore

Como uma doença descoberta no início, podendo ser curada

A questão é identificar o mal, as ervas daninhas, os matos sufocantes e extraí-los

Mesmo amando plantas tenho dificuldade de identificar os matos e ervas “disfarçados” no jardim

Acho lindas as flores com suas cores maravilhosas e perfumes embriagantes e me perco

Tantas vezes não identificamos o mal que se apresenta em nossas vidas

E perdemos o momento certo de arrancá-los

Talvez nem seja uma erva daninha, apenas uma outra “flor” que ocupa espaço demais

Que impede de vermos, de recebermos a luz, nos afasta do essencial e nos sufoca

Mas, o que é importante sabermos e estarmos atentos

É que o momento certo de extirpar uma erva

Pode significar a diferença entre vida ou morte

Tanto para as roseiras quanto para as pessoas…

Alda M S Santos

Flores e matinhos

FLORES E MATINHOS

Estive a cuidar de meu jardim

Não sou jardineira muito boa

Amo flores e jardins, mas não sei cuidar muito bem

Molho, admiro muito, cuido razoavelmente

Tenho dificuldade em identificar o que é mato ou erva daninha

Trato a todos, a princípio, como flores ou folhagens

Muito matinho com cara inocente se passando por flor…

E o jardim fica abarrotado, uns sufocando os outros

Disputa acirrada por espaço, por oxigênio, por luz

Até aparecer uma alma caridosa e me dizer o que podar, arrancar, jogar fora

Sobra quase nada! Que pesar!

Aí a gente cuida da terra e replanta tudo!

O mesmo vale para nossos jardins internos

Muitas vezes passamos pelas mesmas dificuldades…

E precisamos de um bom jardineiro ao nosso lado!

Alda M S Santos

Uma mãozinha

UMA MÃOZINHA

Percebemos o quanto o simples gesto de tocar as mãos, o rosto

Pode ser importante e valioso

Quando seguramos as mãos de pessoas carentes

Carentes de atenção, de carinho, de uma simples conversa

Não querem largar nossas mãos, nos soltar

Abrir mão de nossa presença

Fixam nossos olhos, os seus cheios de saudades, lembranças

Contam-nos histórias…

Reais ou imaginárias, ricas em detalhes

Pudessem, nos “prenderiam” ali

Onde, muitas vezes, sentem a vida indo embora aos pouquinhos…

Ainda assim, dizem rezar por nós!

E a gente se sente feliz por fazer parte dessa história

De um capítulo ao qual nossa vida chegará um dia…

Alda M S Santos

#carinhologos

Enfermos e enfermeiros

ENFERMOS E ENFERMEIROS

Ninguém gosta de hospital,

Mas ter alguém para cuidar da gente é desejo de todos

Imagine que enquanto vivemos

Haja alguém atento e disposto para nos aplicar esperança intravenosa

Um comprimido de alegria sublingual

Uma ampola de força intramuscular

Uma higienização da alma com palavras sábias e silêncios oportunos

Um banho que lave toda mágoa e decepção

Uma dosagem oral de amor de hora em hora

Uma pomada de fé e disposição!

A vida quase sempre é assim,

Ora cuidando, ora cuidados

Ora enfermos, ora enfermeiros.

Precisamos nos entregar…

Alda M S Santos

É preciso emagre(ser)!

É PRECISO EMAGRE(SER)!

A toda e qualquer criatura, masculina ou feminina,

Se for perguntado sobre o próprio corpo,

Maioria estará insatisfeita e certamente dirá:

Gostaria de emagrecer uns quilos,

Perder a barriga, uns culotes, ganhar músculos!

Os motivos são sempre estéticos: cuidar da aparência.

Pouquíssimos estarão preocupados com a saúde,

Ao contrário, fazem até procedimentos que a colocam em risco.

Num mundo em que uma boa “estampa”, uma boa imagem valem quase tudo,

É até compreensível que todos queiram cuidar do físico.

Estar bem com o próprio corpo, cuidar da autoestima,

É um modo de nos conectar melhor com nosso interior.

É preciso emagrecer, sim, se for nossa vontade, retirar os excessos do corpo pode fazer bem!

Mas é fundamental emagre(ser), retirar os excessos que engordam a alma,

Que nos impedem de nos amar e amar os outros.

Essa “gordura” é a mais difícil de perder.

Alda M S Santos

Cuidados

CUIDADOS

Para a palavra atrair mais que repelir

Para o sorriso alegrar mais que diminuir

Para o silêncio acalmar mais que irritar

Para o desejo de ser leve não pesar uma tonelada

Para o amor doer menos que o bem que proporciona…

Alda M S Santos

Vivo ou morto?

VIVO OU MORTO

Quem está mais perto da morte

Um semimorto ou um semivivo?

No semimorto supõe-se uma parte viva

No semivivo supõe-se uma parte morta

Ou a pergunta deveria ser

Quem ainda tem chances de sobrevida?

Depende do CTI que frequente,

Dos cuidados profissionais recebidos,

Das visitas especiais constantes,

Das motivações que receba em doses diárias,

Mas, principalmente, do desejo de viver,

E esse vem de dentro,

Quer seja no semivivo ou no semimorto.

Vivo ou morto?

Alda M S Santos

Nosso lugar

NOSSO LUGAR

Num jardim, como deveria ser, havia várias flores, todas lindas!

Numa parte reservada, algumas rosas recebiam água, nutrientes e eram protegidas das intempéries, de visitantes e invasores.

Eram perfeitas, poucas, lindas, mas qualquer vento as destruía.

Outras, mais à mostra, também eram cuidadas, podadas, adubadas, mas não se misturavam. 

Só ficavam entre suas iguais. Enfeitavam parte do jardim e tinham seus admiradores. 

Havia ainda outras que recebiam menos cuidados, estavam mais pro centro do jardim, enfrentavam o sol escaldante, a chuva, visitantes e algumas “pragas”. 

Todos podiam tocá-las, sentir seu perfume, admirar sua forma e cores.

Qualquer observador poderia ver que essas eram flores fortes, meio selvagens, que além de belas, cresciam e se alastravam.

Conosco também é assim. 

Quem muito se preserva, fica lindo, perfeitinho, mas, escondidos, falta-lhes algo, perde o melhor da festa. 

Não se misturar mantém a pureza, mas perde-se a possibilidade de crescimento com os demais.

 Quem está no meio da “bagunça”, no centro do canteiro, interage, perde folhas, flores, se espeta, espeta os outros, sofre nas tempestades, mas vive tudo de melhor que o jardim oferece.

Cada qual escolhe o lugar que melhor se adapta nesse jardim.

Alda M S Santos

Cuidados de amor

CUIDADOS DE AMOR

Pode ser um olhar penetrante, sapeca ou uma leve piscadela …

Um abraço apertado, que te levanta do chão, um tipo conchinha ou, simplesmente, que dure dois segundos a mais…

Um beijo longo e demorado, um selinho ou beijinho soprado de longe… 

Um leve toque no rosto, mãos que se dão, dedos que se cruzam…

Um bom dia ou boa noite, uma mensagem a qualquer hora, um telefonema…

Um botão de rosa, bombons, um livro, um perfume…

Um “se cuide”, “fique bem”, “Deus te proteja”…

Um “lembrei de você”, “achei a sua cara”, “estou com saudades”…

Um “não se vá”, “fique”, “senti sua falta hoje”, “como está?”…

Um “preocupado com você”, “quero ajudar”, “conte comigo”…

Uma parte maior da pizza, do edredom ou do sorvete…

O poema, a música, o filme ou livro preferidos de surpresa…

Sua foto na carteira, na tela do celular, num arquivo secreto, na mente, no coração…

Aquela apertadinha safada, uma bobagem sussurrada no ouvido, dentes cerrados para não morder…

Um apelido carinhoso, aquela brincadeira ou código que só ambos entendem, cúmplices…

Não há desculpas…

Muitas são as maneiras de dizer “eu te amo”! 

Ainda assim, as palavras são importantes. 

Vão direto ao coração, sem escalas! 

Não permitem a solidão ou abandono.

Já disse “eu te amo”, hoje? 

Alda M S Santos

Quem cuida de mim?

QUEM CUIDA DE MIM?

Quem cuida de mim? 

Há dias em que nos sentimos “abandonados”.

Cercados de pessoas, nos sentimos sós. 

Queremos um abraço daqueles que têm mais que braços, mais que apertos, mais que calor.

Abraços com laços que enlacem nossa alma. 

Abraços que digam “estou aqui para o que der e vier”. 

Nada parece haver que justifique tal abandono.

Mas a sensação é persistente.

Buscamos na mente, no coração, na alma os “abraços” que queremos. 

Uma oração, sempre bem vinda, sempre traz luz.

“Eu estarei contigo todos os dias até o fim dos tempos”! 

Sinto-me abraçada e protegida!

E o dia começa…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: