TEMPESTADE SE ARMANDO

Nuvens escuras se atropelam no céu

Numa corrida frenética e assustadora

Pássaros se recolhem desarvorados

Mulheres correm a recolher roupas na cerca

Folhas parecem ter asas na forte ventania

Crianças brincam nos redemoinhos de poeira felizes

Beija-flores fazem uma refeição na flor que balança

Um pai chama o filho para dentro

Um boi muge ao longe, cães procuram abrigo

Macacos gritam na mata, uma seriema passa correndo

As árvores sabiamente dançam ao sabor do vento,

Sabem que não adianta resistir…

Relâmpagos riscam o céu, trovões gritam sua força

E a água cai forte e certa do que está fazendo…

Molha, lava e leva tudo numa beleza impressionante

A terra absorve o que dá conta e deixa ir o que sobra

Confia que tudo está em seus devidos lugares…

Quiséramos ter a sabedoria da natureza!

A tudo observo maravilhada, sinto-me parte

Levanto da rede, deixo o livro, e vou passar um café…

Aceitam?

Alda M S Santos