PARA ONDE VOLTAR

Ter pra onde ir, mesmo sem saber ao certo o lugar, é bom

Abrir caminhos nessa imensidão, com a precisão da lâmina afiada da foice da nossa ansiedade

Com a velocidade e força da vida que pulsa e corre em nossas veias

Desejo de conhecer o mundo além de nossas porteiras fechadas

Conquistá-lo, vencê-lo, fazer história,

Atrelar nossa história à história de alguém,

Deixar nossas boas sementes plantadas para a posteridade

Colher bons frutos, chorar pelos que não vingaram

E chega a hora de querer voltar…

Voltar pra onde?

Temos para onde voltar?

Aquela porteira de outrora abrirá para nós novamente?

Irá nos reconhecer?

Pais, avós, amigos, nós mesmos, o quanto nos distanciamos?

Caberemos lá dentro, agora que os sonhos foram satisfeitos ou esquecidos

As angústias controladas, os medos vencidos

E a vida já não pulsa tão forte em nós quanto águas de cachoeira na serra

Mas na tranquilidade das águas de um rio que segue seu curso, seu remanso

Sabendo-se vida para tantos…

Queremos sempre voltar em algum momento

Como se algo precioso tivesse ficado lá atrás

Alguém a quem prestar contas do que foi vivido, uma avaliação

Voltar para nós mesmos, nos reconhecer, é um bom começo

Olhar naquele espelho da casinha simples de adobe que muitas vezes buscamos

Ver nos olhos que aquele espelho reflete os olhos Dele a nos receber

E poder nos dizer “que bom que está aqui e, apesar de mudado, reconheço você, sua essência se preservou”

Alguém que encontrou o retorno dentro de si mesmo

E não tem do que se envergonhar, ou quase não tem

Isso é ter pra onde voltar…

E sem medo de não ser bem recebido!

Ter pra onde ir é muito bom

Ter pra onde voltar é maravilhoso…

Alda M S Santos