Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

ventos

Dunas

DUNAS

Na natureza tudo tem sua razão de ser
Na interdependência que há entre diversos fenômenos
Buscando gerar estabilidade e harmonia
Vemos um equilíbrio vital, beleza, sintonia
Dunas se formam por ação dos ventos constantes
Movimento dos sedimentos ou grãos de areia soltos no ar
Ao encontrarem obstáculos naturais vão se acumulando
Uma beleza natural vai se formando
Proteção de solo, das áreas construídas, lençóis freáticos
Continuam seu movimento, até meio lunático
E vão se movendo, se protegendo
A natureza sendo rica, nos envolvendo
Nos ensinando que os ventos podem nos favorecer
Ainda que haja obstáculos e difícil possa parecer
Tudo pode ser bem aproveitado em nosso viver
Basta ter fé, coragem e nunca esmorecer

Alda M S Santos

Plantando ventos

PLANTANDO VENTOS

Dito popular: quem planta vento colhe tempestade
Será mesmo assim na realidade
E se semear uma brisa, um ventinho
Será que vou colher frescor, um carinho?

Se planto egoísmo, desânimo, tristeza
Certo que na colheita não haverá muita beleza
Mas se planto uma ventania de afeto e calor
Ah, quero colher um tornado de amor!

Não há dúvida que estamos sempre plantando
Todo o tempo, até sem saber, semeando
Passado, presente e futuro se encontrando

Quero plantar só bondade, beleza e amor
Mas se em minha imperfeição, impossível for
Posso pedir para replantar, por favor?

Alda M S Santos

Ventania

VENTANIA

Vento, ventinho, ventania
Brisa suave que lentamente acaricia
Tornado, monção, tufão
Daqueles que nos tiram do chão

Assim são as nossas emoções
Brincando com nossos corações
Ora leves, doces, suaves carícias
Ora tempestuosas, grandes malícias

Vento, ventinho, ventania
Sinalizando em nós a magia
Na pele que suavemente arrepia

Vendaval, ciclone, furacão
Nos levam para longe, sem permissão
Balança, sacode, quer nos roubar a razão

Alda M S Santos

Ventos e ventanias

VENTOS E VENTANIAS

Ventos e ventanias que vêm e que vão
Vendavais que nos tiram do chão
Tempestades que abalam estruturas
Mas põem em teste a força de muitas criaturas

Alguns apenas trazem um leve frescor
Outros mexem com nosso interior
Batem portas e quebram janelas
Que deixamos abertos ou com fracas tramelas

Há ainda aqueles tipo furacão
Que aparentam trazer somente destruição
Na verdade levam embora o que era apenas perdição
O que ficar vale a pena a reconstrução

Tudo bem pesado e medido
Depois de passado o perigo
É avaliar o que restou
E aproveitar o que de bom ficou…

Ventos, ventanias, tempestades, furacões
Fazem parte de toda vida que não almeja a perfeição
Mas, madura, sabe que é assim
Que se escala degraus na evolução

…Alda M S Santos

Ventos e ventanias

VENTOS E VENTANIAS

Ventos e ventanias que vêm e que vão

Vendavais que nos tiram do chão

Tempestades que abalam estruturas

Mas põem em teste a força de muitas criaturas

Alguns apenas trazem um leve frescor

Outros mexem com nosso interior

Batem portas e quebram janelas

Que deixamos abertos ou com fracas tramelas

Há ainda aqueles tipo furacão

Que aparentam trazer somente destruição

Na verdade levam embora o que era apenas perdição

O que ficar vale a pena a reconstrução

Tudo bem pesado e medido

Depois de passado o perigo

É avaliar o que restou

E aproveitar o que de bom ficou…

Ventos, ventanias, tempestades, furacões

Fazem parte de toda vida que não almeja a perfeição

Mas, madura, sabe que é assim

Que se escala degraus na evolução…

Alda M S Santos

Tempestade se armando

TEMPESTADE SE ARMANDO

Nuvens escuras se atropelam no céu

Numa corrida frenética e assustadora

Pássaros se recolhem desarvorados

Mulheres correm a recolher roupas na cerca

Folhas parecem ter asas na forte ventania

Crianças brincam nos redemoinhos de poeira felizes

Beija-flores fazem uma refeição na flor que balança

Um pai chama o filho para dentro

Um boi muge ao longe, cães procuram abrigo

Macacos gritam na mata, uma seriema passa correndo

As árvores sabiamente dançam ao sabor do vento,

Sabem que não adianta resistir…

Relâmpagos riscam o céu, trovões gritam sua força

E a água cai forte e certa do que está fazendo…

Molha, lava e leva tudo numa beleza impressionante

A terra absorve o que dá conta e deixa ir o que sobra

Confia que tudo está em seus devidos lugares…

Quiséramos ter a sabedoria da natureza!

A tudo observo maravilhada, sinto-me parte

Levanto da rede, deixo o livro, e vou passar um café…

Aceitam?

Alda M S Santos

Ventos

VENTOS

Brisa, ventinhos, ventanias, tempestades, tornados…

Alguns agradáveis como a brisa suave ou os ventinhos, 

Encantadores como as ventanias,

Toleráveis como as tempestades,

Assustadores e destruidores como os tornados…

Todos têm como base os ventos, 

A intensidade com que acontecem. 

Quase sempre temos que enfrentar todos eles em nossas vidas,

Podemos ser cada um deles em momentos diferentes! 

Há pessoas brisas, ventanias, tempestades e tornados.

Vamos aprendendo a identificar os sinais, os alertas,

Com os quais podemos lidar, 

E quando sair para o tempo e curtir, 

Ou nos fecharmos dentro de abrigos subterrâneos 

E aguardar nova calmaria.

A vida vai ensinando…entre sorrisos e lágrimas…

Alda M S Santos

Ventos

VENTOS

Uma brisa, um ventinho leve, uma ventania

Aprecio seus efeitos estimulantes ou calmantes.

Se felizes, senti-lo na pele é extremamente prazeroso.

Causa euforia, animação, energia.

Se tristes, tem o poder de relaxar, de acalmar.

Um desânimo, uma alma angustiada, um coração apertado

Uma saudade, uma mente inquieta, um corpo cansado…

Na sacada, no alto de um prédio,

No alto de uma montanha, sentados na relva.

Na rede, na varanda, de madrugada, olhando a lua

Pedalando furiosamente numa estrada qualquer

Numa motocicleta, sem capacete, com cuidado.

No lombo de um cavalo trotando em trilhas na mata.

Num carro, vidros abertos, música alta, velocidade máxima…

Apertando o pé e seguindo em frente.

Sentindo o vento secar as lágrimas insistentes

Desarrumando os cabelos já rebeldes.

Levando embora o que é ruim, trazendo o que é bom!

Arrumando as gavetas da alma e do coração…

Alda M S Santos

Caça e caçador

CAÇA E CAÇADOR

Aprender a sentir a direção do vento,

A perceber a luz, a aproveitar a sombra

A desviar-se dos obstáculos, a usar a força do outro contra si mesmo

A andar leve e atento sobre terrenos perigosos,

A ser silencioso e se camuflar quando necessário, 

A fazer barulho para se proteger

A considerar o medo como alerta, a nunca subestimar o inimigo 

A ser ágil e veloz na fuga ou busca de algo

A saber focar seu alvo, ou desviar-se de sua mira,

A não desconsiderar as próprias fragilidades e respeitar os próprios limites, 

A adquirir força e resistência nessa empreitada, pois 

Ora somos caça, ora caçadores,

E a mesma luz do luar ou vento leve que favorece a caça, 

Também favorece o caçador. 

Vence o mais hábil e melhor preparado. 

Alda M S Santos   

Resiliência

RESILIÊNCIA

Coqueiros…

Magnífico seu movimento ao sabor do vento.

Inclinam-se para um lado e para o outro

Folhas dançam ao ritmo da brisa ou ventania

Possibilitando um encantamento a mais 

Do alto, tudo veem

Raízes profundas, troncos fortes

Folhas flexíveis, frutos saborosos…

Tudo suportam…

Resiliência…

Doam seus frutos

Cedem algumas folhas

Mas mantêm firmes troncos e raízes.

Assim são as pessoas mais felizes

Aprendem, crescem, evoluem, mudam

Por si mesmas, pelos que amam,

Sabem a hora de falar, de silenciar, de recuar, de prosseguir, de se doar,

Cedem a vez, abrem caminho.

Esperam a tempestade passar

Sem perder a essência, a base, a raiz…

Encantos que traz na alma.

Resiliência.

Tudo em nome da vida

Tudo em nome do amor. 

 Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: