Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

tempestades

Oceano promissor

OCEANO PROMISSOR

Passarinhos nas tempestades recolhem-se nos ninhos
Famílias em dificuldades abraçam- se, juntinhos
Amigos nos revezes discutem, debatem, se acolhem
Mesmo que de angústias e lágrimas se molhem
Se o passarinho saiu ou foi expulso
Na tempestade ele morre ou aprende a viver só
Se um membro da família não se junta, sofre de dar dó
Se um amigo erra ou não se faz entender
É papel do outro sempre amar e acolher
Se a vida fosse feita só de dias bonitos
Não haveria necessidade de silêncios ou de gritos
A sabedoria está em não abandonar o barco
Ainda que ele esteja inundando seu coração de dor
E o oceano escuro lá fora pareça mais promissor
Logo irá amanhecer, novos rumos, novo viver
Mais forte e resistente pelas lambadas que a vida oferecer

Alda M S Santos

Garoa ou tempestade

GAROA OU TEMPESTADE
A vida é feita de chuvas, numa bela analogia com a natureza
Ora sereno, garoa, chuvinha constante
Ora tempestades fortes e passageiras
Assustam e encantam por sua grandeza
Mas, como toda tempestade, muitas vezes trazem destruição
Trazem também sabedoria, despertam em nós o desejo de reconstrução
Todas elas têm seu propósito renovador
Mas bom mesmo é a chuvinha calma e constante
Aquela que nos mantém irrigados todo o tempo
Aquela que abastece nossos lençóis freáticos
Aquela que é aconchego e repouso no inverno seco
Aquela que nos salva sem destruir, sem nada derrubar
Há empregos, amizades, amores, situações tempestade
Cumprem seu propósito de alerta e ensinar e se vão
O que fica é o que é verdadeiramente duradouro
Nossos dons, nossa família, nossas amizades, nossa fé
Esses são a chuvinha fina que vale toda uma vida
Alda M S Santos

Ventos e ventanias

VENTOS E VENTANIAS

Ventos e ventanias que vêm e que vão

Vendavais que nos tiram do chão

Tempestades que abalam estruturas

Mas põem em teste a força de muitas criaturas

Alguns apenas trazem um leve frescor

Outros mexem com nosso interior

Batem portas e quebram janelas

Que deixamos abertos ou com fracas tramelas

Há ainda aqueles tipo furacão

Que aparentam trazer somente destruição

Na verdade levam embora o que era apenas perdição

O que ficar vale a pena a reconstrução

Tudo bem pesado e medido

Depois de passado o perigo

É avaliar o que restou

E aproveitar o que de bom ficou…

Ventos, ventanias, tempestades, furacões

Fazem parte de toda vida que não almeja a perfeição

Mas, madura, sabe que é assim

Que se escala degraus na evolução…

Alda M S Santos

Abalando muralhas

ABALANDO MURALHAS

Aquelas tempestades que vêm e derrubam tudo

As que todos tememos e olhamos com desconfiança

Enxergando nelas apenas destruição e tragédias

Podem ser exatamente o que precisamos para recomeçar

Há muros que construímos ao redor de nós

Realidades que carregamos como verdades absolutas

Construídas sobre rochas aparentemente fortes

Que só uma boa tempestade para abalar suas estruturas

Mostrar sua real fragilidade e inconsequência

E nos permitir reconstruir, recomeçar

Mas há algumas construções que nenhuma tempestade derruba

São verdadeiras, reais, fortes, divinas

Construídas sobre a rocha do amor…

Muitas muralhas algumas tempestades conseguem derrubar e permitem reconstrução

Outras, é preciso cuidado, só com amor é possível derrubar

Pois carregam consigo estruturas que nos sustentam por inteiro

E que precisam ser resguardadas

Pois são impossíveis de serem reconstruídas…

Alda M S Santos

Verde-vivo

VERDE-VIVO

A chuva fora torrencial, derrubara árvores, ninhos e sonhos

Pássaros saíam a cantar, comemorando o que restou de bom

Humanos se fechavam a reclamar, contabilizando o que perderam

A chuva ainda insistia, agora leve, fininha

Mas o sol se infiltrava, sem pedir licença, soberano, dono da vida

Renovando calor e colorindo de verde-vivo a esperança

Como alguém que tenta sorrir banhado em lágrimas

Formando um arco-íris maravilhoso escorrendo no rosto

Como a árvore que brota sob o corte do machado

É a vida mostrando sua força, suas faces e fases

É a natureza vital se impondo…

Se não fomos o “machado” que destruiu a vida

Que derrubou florestas inteiras ou jardins

Ou até mesmo uma flor

Sempre mais fácil seguir

Se fomos, vamos reconstruir…

A vida sempre se impõe!

Alda M S Santos

Depois das tempestades

DEPOIS DAS TEMPESTADES…

Todo pássaro canta feliz depois da tempestade

A noite pode ter sido de muita chuva, barulhos e destruições

Mas eles saem felizes a cantar ao amanhecer

Ao surgirem os primeiros raios de sol…

Eles olham para a frente, para a vida que ainda existe

Não olham para trás, agradecem cantando

E seguem…

Talvez por terem ciência da finitude da vida

Que de uma hora para outra tudo pode se acabar

Não perdem tempo a lamentar

Vivem… e cantam…

Celebram como a dizer

Enquanto houver vida, cantarei…

Minúsculas, lindas e sábias criaturas,

Me levem a dar um voo cantante com vocês?

Alda M S Santos

Saturando

SATURANDO

A dor nem sempre é aguda como os raios que riscam de prata o céu escuro

A dor nem sempre faz barulho como os trovões que fazem tremer tudo abaixo das nuvens

A dor nem sempre é de devastação pontual e rápida como tornado ou tsunami

A dor, muitas vezes, pode ser crônica, fininha, contínua, persistente

Como a chuvinha silenciosa que cai insistente na terra já saturada

Atinge fundo, vai encharcando pouco a pouco

Com avisos ignorados ela vai pesando, trincando, rachando, devastando

Até que provoca grandes deslizamentos dos morros e encostas mais resistentes…

Quem vigia apenas as grandes tempestades

Acaba sendo atingido, levado pela garoa insistente e persistente

Como as dores crônicas físicas ou emocionais nossas de todo dia…

Alda M S Santos

Tempestades de fora e de dentro

TEMPESTADES DE FORA E DE DENTRO

A tempestade parece devastar o mundo lá fora

Barulho ensurdecedor, ventos uivantes

Granizo forte e gelado, doloroso

Atinge em cheio tudo que encontra pela frente

Destrói, amassa, assusta

Mais assustadora por ser fora de época

Relâmpagos riscando de luz o céu escuro

Uns, dormindo, acordam assustados

Outros sequer acordam…

Muitos, expostos nas ruas, tentam se abrigar, se proteger

Outros, caminham na chuva, se encharcam, levam “pedradas”

Será que também não acordaram?

Ou será exatamente por terem acordado? Não sei…

Muitos questionam o porquê dessa tempestade em pleno inverno

Sequer lembram que a loucura das tempestades se deve às insanidades humanas

Quantas vezes nós mesmos ignoramos alertas

Destruímos nosso planeta, poluição gerando superaquecimento global

Descuidos conosco gerando indiferenças

As tempestades não surgem do nada

Sempre vão dando sinais que fingimos não ver

Tanto aquelas no mundo lá fora ou no mundo cá dentro

E quando ela chega a gente se abriga e espera passar

Salva o que puder salvar

Ou sai às ruas e enfrenta o vendaval e as pedradas…

De todo modo, danos sempre existirão pós-tempestade

Avaliar o que restou, reconstruir o que foi destruído

Acostumar-se, “superar” o que não puder ser reconstruído

Devido a terrenos arenosos e frágeis

E aguardar a próxima, mais experientes para enfrentá-la

Com mais cuidados e proteção, sem os mesmos erros

Certamente parecerá menos dura, menos devastadora

Apenas uma chuva refrescante e deliciosa na qual vale a pena dançar

E amar…

Será?

Alda M S Santos

Naufrágios

NAUFRÁGIOS

Em naufrágios, quando ficamos à deriva

Não importa o tamanho da embarcação

Ou o valor da carga transportada

Navios, escunas, barquinhos…

Depois de tudo lançado ao mar pela força da tempestade

O que temos de mais valioso e poderá nos salvar é a tripulação

E o que trazemos dentro de nós…

Alda M S Santos

Tempestade se armando

TEMPESTADE SE ARMANDO

Nuvens escuras se atropelam no céu

Numa corrida frenética e assustadora

Pássaros se recolhem desarvorados

Mulheres correm a recolher roupas na cerca

Folhas parecem ter asas na forte ventania

Crianças brincam nos redemoinhos de poeira felizes

Beija-flores fazem uma refeição na flor que balança

Um pai chama o filho para dentro

Um boi muge ao longe, cães procuram abrigo

Macacos gritam na mata, uma seriema passa correndo

As árvores sabiamente dançam ao sabor do vento,

Sabem que não adianta resistir…

Relâmpagos riscam o céu, trovões gritam sua força

E a água cai forte e certa do que está fazendo…

Molha, lava e leva tudo numa beleza impressionante

A terra absorve o que dá conta e deixa ir o que sobra

Confia que tudo está em seus devidos lugares…

Quiséramos ter a sabedoria da natureza!

A tudo observo maravilhada, sinto-me parte

Levanto da rede, deixo o livro, e vou passar um café…

Aceitam?

Alda M S Santos

Tempestades

TEMPESTADES

Ainda que nosso céu pareça claro

Azul, brisa suave, águas limpas

Tempestades podem se aproximar, molhar tudo

Lançar raios e trovões sobre nossas paredes internas

Vendavais de areia cegar nosso olhar

Balançar nossa estrutura, nos lançar contra as pedras…

Fugir delas nem sempre é possível

Encarar, absorver o que der, abstrair-se do que for possível

Esperá-la passar, sempre passa!

E receber de braços abertos novo céu azul…

Alda M S Santos

Arco-íris ao longe

ARCO-ÍRIS AO LONGE

Sempre visível depois das chuvas, das tempestades

Cores lindas, vibrantes, energizantes

De um lado a outro do céu

Onde quer que a gente esteja

É possível vê-lo,

Se não nos concentrarmos nos obstáculos.

É preciso olhar além, mais à frente, no horizonte

Por perto, pode ainda haver os estragos da tempestade

As cercas farpadas que machucam, sangram

E vendam nossos olhos para as lindas cores adiante…

Se quisermos o “pote de ouro” que há além do arco-íris

Precisamos desfocar a cerca

E caminhar…

Alda M S Santos

Im ou explosão

IM OU EXPLOSÃO?

Implosão, explosão, ambas destruidoras

Derrubam, desmancham, apagam, zeram

Em se tratando de pessoas

Qual a que causa menos mal?

Explodir, quase sempre com os outros

E tudo que nos incomoda, machucar

Queimar tudo!

Implodir, para dentro de nós mesmos,

Estourar para o nosso interior,

Arrefecer por falta de alimento, de oxigênio, ferir-se

Como aqueles espirros contidos…

Qual o menos danoso?

Im ou explodir?

Alda M S Santos

Tempestades

TEMPESTADES

Tempestades quando vêm saem arrastando e levando tudo

Como no leito de um rio

As águas e ventania levam consigo plantas, peixes, pedras

Saem arrastando as matas ciliares, revolvem tudo.

Fauna e flora sofrem,

O curso d’água se perde, se suja, se mistura a outras águas.

Mas a tempestade uma hora passa, qualquer hora passa,

E o leito do rio deve ser reconstruído.

Recolher o que de bom sobrou, chorar pelo que morreu,

Alegrar-se pelo que ficou, sofrer pelo que se foi…

E organizar novamente o que for possível.

O rio será sempre um rio,

Mas um rio que passa por uma tempestade

Nunca mais será o mesmo!

Alda M S Santos

Ventos

VENTOS

Brisa, ventinhos, ventanias, tempestades, tornados…

Alguns agradáveis como a brisa suave ou os ventinhos, 

Encantadores como as ventanias,

Toleráveis como as tempestades,

Assustadores e destruidores como os tornados…

Todos têm como base os ventos, 

A intensidade com que acontecem. 

Quase sempre temos que enfrentar todos eles em nossas vidas,

Podemos ser cada um deles em momentos diferentes! 

Há pessoas brisas, ventanias, tempestades e tornados.

Vamos aprendendo a identificar os sinais, os alertas,

Com os quais podemos lidar, 

E quando sair para o tempo e curtir, 

Ou nos fecharmos dentro de abrigos subterrâneos 

E aguardar nova calmaria.

A vida vai ensinando…entre sorrisos e lágrimas…

Alda M S Santos

Pancadas de chuva

PANCADAS DE CHUVA
Facebook alertava hoje cedo: Previsão do tempo para BH:
Pancadas de chuva! Não saia de casa, Alda!
Onde, quando? – eu me perguntei!
Se for pancada de chuva pode bater com vontade
Abusar de raios, trovões, ventania e muita água.
Mas traga um frescor, por favor!
Prometo me esbaldar! Sem guarda-chuvas!
Não tinham noção do calor e abafamento por aqui.
E não é que ela veio, mesmo?
Não foram “pancadas”, apenas uns leves tapinhas.
Mas que delícia ver a água e a temperatura caindo
Sensação enorme de bem estar e prazer.
Que continue a noite toda!
Huuummmmmm!
Alda M S Santos

Sobrevivência

SOBREVIVÊNCIA

Após toda tempestade fazemos um levantamento minucioso dos prejuízos, verificamos o que não foi levado pelo vento ou pelas águas, o que ficou de pé, intacto, ou apenas com pequenas avarias.

Buscamos o que sobrou, o que precisa ser reconstruído e o que não vale a pena trazer de volta.

Queremos encontrar sobreviventes.

Nas nossas próprias tempestades acontece o mesmo.

Como náufragos, sós, buscamos o que restou.

Tentamos sobreviver!

Boas pessoas são levadas. Tantos bons sentimentos parecem morrer, se extinguir, deixam de existir ou não são aparentes mais…

Como em toda tempestade, o que é forte e verdadeiro fica, não é levado pelas águas ou circunstâncias alheias a nós.

Podem sofrer danos, se arranhar, machucar, tornar-se fosco, mas um pouco de limpeza, atenção e cuidado trará o brilho novamente. Pode ser um móvel, imóvel, pessoa, amizade, amor…

Não adianta tentar salvar o que está danificado demais ou que não quer ser salvo. Perda de tempo e energia.

Toda tempestade tem seu propósito. Uma casa, carro, pessoas ou sentimentos que não enfrentaram tempestades, não tiveram sua força e resistência postas à prova. Não têm garantia de durabilidade.

O que não queremos que seja levado pela tempestade fortalecemos suas bases, alimentamos suas raízes.

Importante saber que toda tempestade deixa algo de bom, irriga nossas emoções, aproxima do que é verdadeiro.

O que não nos mata nos fortalece, nos torna mais fortes e sábios para as próximas tormentas.

Somos sobreviventes!

Alda M S Santos

Tempestades

TEMPESTADES

Tempestades…

Elas chegam, quer a gente espere ou não

Goste ou tema, elas vêm.

Mas também sempre vão, cedo ou tarde.

O tempo de duração 

E o estrago deixado dependem de nós.

É preciso encontrar apoio pra enfrentá-la

Para não ficarmos ao sabor do vento.

Nunca é bom estarmos sós!

Em campo aberto,

Expostos à sua fúria, é risco certo.

Busquemos o ponto mais alto

Em nossos corações

No carinho de uma boa amizade,

Na doçura de um grande amor,

No aconchego de uma família unida,

No repouso do colo de nosso Pai,

Poderemos encontrar o apoio necessário.

Lá no alto, quando menos esperarmos

Veremos que o céu voltou a ser azul

O sol voltou a brilhar

A brisa é suave, a vista é linda…

O estrago foi pouco.

E nossos “apoios”, 

Preciosos em nossas vidas

Nos ajudarão a reconstruir. 

Alda M S Santos

Tempestades internas

TEMPESTADES INTERNAS

Toda tempestade costuma ser, se não anunciada, no mínimo, armada aos poucos. Muito calor, muita umidade, muita evaporação, aí é só aguardar.

Quanto mais tempo de evaporação, maior a quantidade de água na atmosfera, mais carregadas serão as nuvens

Quando vier o resfriamento, mais forte, torrencial, assustadora a chuva será.

Nossas tempestades internas também são anunciadas, armadas, formadas lentamente.

O problema é que as ignoramos. Às vezes, alguns nos alertam: de 

“Se trabalhar tanto vai adoecer”, “sorria mais e se estresse menos”, “não acumule angústias, raivas”, “desfrute de lazer, passeie”, “não gaste tanto, seu orçamento vai estourar”, “beba menos, vai desgastar sua imagem”, “evite tensões, ciúmes de qualquer tipo”, “ame e aceite amor”, “amor exagerado e não vivido também estoura”…

Tudo que vamos acumulando em nosso interior tem o mesmo efeito que as gotas d’água que evaporam e vão para a atmosfera.

Nossas nuvens emocionais estão agora negras e pesadas. Quando vier um resfriamento ou detonador qualquer nossa tempestade desabará torrencialmente. 

Pode fazer muito barulho, ou não, mas chama a atenção. Desabamos junto, literalmente. 

Muita água rola, muitas lágrimas, muita dor, rebeldia, revolta, depressão.

A diferença é que ninguém questiona a chuva. Ela é bem vinda, não presta contas a ninguém. 

Já nossa “chuva” é questionada por todos. Principalmente se vier forte e atingir terrenos alheios, o que quase sempre acontece.

Mas quando ela cair, não tem jeito. Deixe rolar… Chore tudo que tem direito, brigue, fale, se abra… Se aliviar, chore na chuva, as águas confundirão os curiosos! 

Para reparar os danos, depois das águas passarem, desculpe-se, procure um médico, um amigo, quem tiver que ser, se aprume e prepare-se. Sempre desabarão novas tempestades. 

Com a lição aprendida, poderemos reduzir a formação, amenizar a força e controlar os danos das próximas. 

Alda M S Santos 

Ele está no arco-íris

ELE ESTÁ NO ARCO-ÍRIS

Desconheço quem seja capaz de ignorar a beleza das cores, da luz e da vida que um arco-íris irradia. 

Por mais forte que tenha sido a tempestade, quando ele aparece tudo se renova! É o modo de Deus nos dizer que tudo ficará bem. 

Se pudéssemos pensar nas lindas cores durante a tormenta, passaríamos mais incólumes por ela. 

Se fôssemos capazes de sentir Deus, tanto na tempestade quanto no arco-íris, teríamos mais fé, mais força, seríamos mais felizes. Quem passa pela tempestade valoriza mais o arco-íris! 

Vê-Lo no arco-íris é fácil! Identificá-Lo na tempestade é bênção! Obter aprendizados de ambos é dádiva: Ele não nos abandona nunca! 

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: