Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Categoria

Esperança

Esperança

ESPERANÇA
Esperança: motiva ou paralisa?
Instiga, encoraja, estimula, impele
Ou abate, esmorece, deprime, limita?
Dizem que é a última que morre.
Esgotadas as possibilidades, ela morre?
Ou quando morre, mata também as possibilidades?
Tudo vai depender dos aliados que a esperança amealha.
Ela sozinha é paralisante, único foco, coloca viseiras
Nada mais permite que se veja ou faça.
Mas se ela se une à força, à determinação,
A uma razão equilibrada com o coração,
Tem muitas chances de ser estimulante,
E levar à conquista do objetivo.
Esperança é inerente aos seres humanos de qualquer idade.
Uma pessoa sem esperanças é uma pessoa sem sonhos…
Uma pessoa sem sonhos…
É uma pessoa sem vida!
Alda M S Santos

Quero acreditar

QUERO ACREDITAR

Quero acreditar que tudo vai passar
Que logo vou poder sair, trabalhar
Brincar, passear, abraçar, amar
Ter a “vida” de novo para me ocupar

Mas não quero que volte a ser como antes
Quero que esse medo de tudo perder
Tenha mudado algo dentro de cada ser
Que tenham acordado para o que vale a pena viver

Que aproveitemos a reclusão e introspeção
Para autoanálise, autocrítica e autoavaliação
Que tudo sirva de aprendizado e lição

Que tenhamos sentido a nossa fragilidade
Também a força que brota na necessidade
E a importância da compaixão e solidariedade

Alda M S Santos

Adormecida

ADORMECIDA

Ela tem andado adormecida
Em alguns momentos desfalecida
Necessitando de uma boa sacudida
Que a traga logo de volta à vida

Que tal um mergulho no mar, no rio
Um banho de chuva, um desafio
Um abraço quente, apertado
Um beijo gostoso, demorado

Ela é essência, é eloquência
Nessa nau é persistência
Não vale fuga ou desistência

Maltratada, desnutrida, abandonada
A esperança não pode ser menosprezada
Precisamos dela, nossa eterna e doce aliada

Alda M S Santos

Esperança

ESPERANÇA
Perde-se folhas, flores e frutos, incontáveis vezes
Mas não se perde a capacidade de renovação
Quando se tem firmes raízes fincadas na emoção
Nos sonhos, na esperança viva no coração
Alda M S Santos

Desejado porvir( dueto Brasil e Angola)

DESEJADO PORVIR (dueto poético)

Sempre haverá tempo para sonhar
Para buscar, crescer, realizar
É hora de agir no bem, para o bem
É chegado o momento de ser e fazer feliz também

As vezes o presente
não enxerga o à frente
fechar os olhos da esperança
é tornar multilada a confiança

O sonhar é necessário, motivador, instigador
Ele aciona o agir, é seu motor
Esperança e fé, sinal de sabedoria
Se quiser algo mudar, é preciso fazer a magia

Novos tempos nascem
crescem e se erguem
como um rebento cortado
mas volta a ser desabrochado

Um livro se abre diante de nós
Não é um livro novo, tem muitos nós
Vamos continuar essa história passo a passo
Com amor, carinho, criando laços, oferecendo abraços

Quando se vive perdendo
o futuro vem germinando
com expectativas que crias
cedo ou tarde vêm tuas ânsias

Façamos assim: cada um oferece o que tem
Gritos, sussurros, sonhos, desejos
Versos, abrigo, pedidos e beijos
E a vida se fará bela em seus ensejos

O passado ensina o presente
como um professor ausente
viva livre do trauma que se foi
não ter resignação é que dói

Alda M S Santos Brasil
Moisés Kudimuena Angola

Uma conversa

UMA CONVERSA

Somente sentar ali naquele banco
Falar, ouvir, entender, silenciar, aceitar
Sem muito questionar, apenas confiar
Que nada foi em vão, tudo foi lição
Necessária para nos fazer crescer, evoluir
Por aqui saber que caminho seguir
E, mesmo se doer, se fizer sofrer
Num terno abraço me envolver, fortalecer
E voltar para a vida, para a lida
Sempre há uma esperança que nos faz seguir
Aquela motivação num belo porvir
Um recomeço que nos chama para caminhar
Sempre em frente, um horizonte a conquistar
Pois enquanto houver um alguém que se move
Alguém que um trabalho de amor desenvolve
Enquanto houver quem nos sonhos se realize
Haverá esperança para nós, para a humanidade
Em busca de encontrar no outro sua verdade
E que seja feita a Sua vontade…
Gratidão!

Alda M S Santos

Nossa criança

NOSSA CRIANÇA

O futuro passa pela educação
Começa cedo, brincadeira, concentração
Um mundo de possibilidades à espera
A ser conquistado, doce quimera

Letras, números, cores, pura magia
Sonhos,  histórias, desejos, fantasia
Que se passa nessa cabecinha
Tão inteligente, amada criaturinha

É preciso na infância investir
Esperança,  futuro, nosso porvir
Não deixemos nossa criança fugir

Na família, na escola, na sociedade
Criança deve ser nossa prioridade
Garantia de mais felicidade e equidade

Alda M S Santos

Eu acredito

EU ACREDITO

Eu acredito que há espaço para o amor
Sinto na cor, na textura, no perfume da flor
Entre tanta desavença e descrença
Quero viver, preciso crer, peço licença

Eu acredito no que é inerente à humanidade
À despeito de toda e qualquer maldade
A sobrevivência, o viver sempre se impõe
Ser e fazer feliz é tudo que se propõe

Eu acredito na energia atrativa dos abraços
Nos doces e suaves laços do bem
Na luz, na esperança que afaga, nos mantém

Eu acredito na capacidade de regeneração
Que brota da alma, é fogo, gera ação
É brasa que anima e aquece todo coração

Alda M S Santos

A primavera chegará

A PRIMAVERA CHEGARÁ 


Podem deixar meus frutos cair

Minhas flores não vingarem

E as folhas voarem por aí 

Meus galhos podem estar quebrados 

E tudo parecer abandonado 

Mas a primavera chegará  …


Podem tirar tudo de mim

Deixar-me nua, frágil, exposta

Aos malefícios do desamor e do tempo 

À mercê de todo contratempo 

Mas a primavera chegará…
Minha raiz, minha base, minha essência

 Estas estarão intocadas, recolhidas 

Em intenso trabalho de regeneração

 E, no tempo certo, com força total retornarão 

A primavera chegará…
Assim é na natureza, nos seres humanos

Na seca, no deserto, nos corações mundanos

Assim também é no planeta, na Terra Deus é bom, é Pai, nunca erra

A primavera chegará…
Alda M S Santos

Esperança

ESPERANÇA
Esperança é sinônimo de fé
Fé é para quem acredita em algo maior
A comandar essa grande nau
Da qual somos ora tripulantes, ora tripulação
Enfrentando todo e qualquer vendaval
Esperando por um bom final
Alda M S Santos

Que temos para hoje?

QUE TEMOS PARA HOJE?

O dia começa meio nebuloso
Não dá pra saber como irá ficar
Que irá nos proporcionar
Parece tudo meio duvidoso

Que temos para hoje?
Tempestade, calmaria
Trabalho, descanso, lazer, alegria
Paz, sossego, brisa ou ventania,?

Que temos para hoje?
Sorriso, amizade, saudade, bondade
Sonhos, esperança, fé, realidade?

Teremos para hoje aquilo que alimentarmos
Compaixão, autopiedade, solidão ou
Amor, amizade, caridade e Deus no coração

Alda M S Santos

Aquela estrela

AQUELA ESTRELA

São muitas as luzes por todos os lados

Nas árvores, nas praças, verdadeiras artes coloridas

Anjos, estrelas, cascatas, presépios

Papai Noel, presentes, renas e trenós

Criatividade e habilidade artística a mil

Noel descendo dos telhados das casas

Fachadas de mansões e casinhas iluminadas

Todas têm ao menos uma árvore com pisca-pisca

Atraem admiradores, visitantes e apreciadores do Natal

Mesmo nos exageros…

Pensar que mesmo tudo tão lindo e enfeitado

Só faz mesmo sentido se alguma luzinha dessas aí

Acender dentro de nós, lá no fundo

E nos guiar pelo caminho do amor, da fé, da compaixão

Maria e José foram guiados por uma única estrela

E encontraram na simplicidade o caminho

Do amor maior do mundo!

Que encontremos essa luz em meio a tantas lâmpadas coloridas….

Alda M S Santos

 

Medos

MEDOS

Medo do escuro, medo do desconhecido, medo de água

Medo de perder a luta, medo de perder-se

Medo de sofrer, medo de causar sofrimento

Medo de perder tudo que valha ter medo da perda

Medo de tornar-se indiferente a qualquer medo

Medo de não mais saber o que valorizar

Medos que movem ou que travam a humanidade

Medos que são usados e abusados

Por aqueles que não têm medo

Por aqueles que já não têm nada de valioso a perder

Ou por não saberem o que tem real valor

Medos todos temos,

Mas escolhemos quais nos mover quais nos paralisar…

Alda M S Santos

Plantei cacau na Páscoa!

PLANTEI CACAU NA PÁSCOA!

“Plantar uma árvore, ter um filho, escrever um livro, viver um amor.”

Acho que estou no caminho das tarefas cumpridas…

Brincadeiras à parte, é maravilhoso ver brotar o que a gente plantou

Cultivou, adubou com amor, irrigou com carinho

Deixar morrer, secar, não cuidar, ver ir embora

É sensação de impotência!

Plantei uma árvore de cacau na Páscoa, coincidentemente

Que o amor prevaleça, que a renovação aconteça !

Alda M S Santos

Relaxe: nada está sob controle

RELAXE: NADA ESTÁ SOB CONTROLE

Relaxe! Seja leve, deixe a vida no seu curso, deixe-se flutuar

Tentar manter o controle de tudo é desgastante

Muitas e muitas coisas se interdependem, não nos cabe mudar, mas nos ajeitar

E manter a ilusão de que tudo controlamos é pesado, frustrante

Relaxe! O melhor da vida está nas surpresas, na esperança

Segurar firmemente algo pode impedir de circular o sangue da renovação

Cercear o crescimento que vem com a liberdade contida na confiança

E, por mais que a gente faça, a vida tem seus próprios caminhos, dias melhores virão

Relaxe! Nada está sob nosso controle!

Confie no controle Superior! Sorria!

E faça disso sua alegria…

Alda M S Santos

E ela espera…

E ELA ESPERA…
É cedo, ele parte, vai se afastando, diminuindo até desaparecer
E ela senta, espera, confia…
Não sabe quando volta, ou o que enfrentará pela frente
Mas ela espera, confia…
Mar revolto, águas ora calmas, ora traiçoeiras, tempestades
E ela espera, confia…
Vai leve, sem carga, proa vazia, tripulação preciosa, coração abastecido
E ela espera, confia…
Saudades lá, saudades cá…
Aumentam na mesma medida da carga abastecida
E eles esperam, confiam na certeza do reencontro
O transporte, a carga, já não são tão preciosos
A distância dói, corações de marinheiros, cheios de ausências…
Pescadores de saudades…
Eles esperam, confiam
E ela fica ali, vivendo ora de esperanças, ora de saudades
Ainda que o coração balance mais que aquele barco,
Com o olhar tão salgado quanto o mar
Sempre ao longe, a encurtar distâncias…
Alda M S Santos

Universo paralelo

UNIVERSO PARALELO

Na balança da vida oscilei bastante

Sempre em busca do equilíbrio, do ponto neutro

Sorri muito, chorei bastante

Fui necessária a alguns

Precisei de tantos outros

Sem intenção, atraí ou afastei pessoas, situações

Trabalhei, me doei, mergulhei de cabeça

Acertei, errei, me decepcionei

Acreditei estar num universo paralelo

Vivendo num mundo do qual não faço parte

Fiquei perdida, um navio encalhado, à deriva

Caí, machuquei, levantei,

Sempre em busca do equilíbrio, da paz interior

Olho longe, olho para dentro de mim mesma

Busco conexões, elos perdidos

Encontro amigos, família, Deus…

Apenas um pedido:

Que no próximo ano vocês todos estejam comigo

E eu com vocês!

Feliz 2018!

Alda M S Santos

Tanto faz!

TANTO FAZ!

Tanto faz se é dia ou se é noite, se faz chuva ou se faz sol

Se as horas correm ou se arrastam-se

Tanto faz se rimos ou se choramos

Se o outro nos machuca ou nos faz bem

Tanto faz se ontem foi bom, se hoje não é

Ou se o amanhã é pura incerteza

Tanto faz se exercitamos o amor no outro ou se o guardamos apenas em nós

Tanto faz como tanto fez!

Modo estranho de viver,

Se esse “tanto faz” se aliar à indiferença e descaso…

À ausência de tesão pela vida!

Ideal seria se o tanto faz se devesse sempre ao prazer de viver

Independente do externo

Pois o que é bom e nos mantém vivos de verdade

Brota de dentro de nós como flores em dias de chuva…

Como o amor que não carece de nada

Apenas de existir para já fazer o bem…

Alda M S Santos

Cubro-me

CUBRO-ME!

Cubro-me com palavras faladas

Lidas, ouvidas, cantadas ou escritas

Cubro-me de silêncios profundos

Mudos, sussurrados ou gritados

Cubro-me de lembranças

Boas, ruins, adoráveis, com ou sem interação

Cubro-me de esperança, fé e confiança

Como um cacto espinhento que nos surpreende com lindas flores

Cubro-me de amor e amizade

Para que não possa sentir o frio da dor

Coberta, estou sempre protegida

Da vida ou da ausência dela…

Alda M S Santos

Um dia…

UM DIA

Um dia a angústia pode queimar o peito

Um dia as lágrimas podem inundar a fé

Um dia a tristeza pode fechar o sorriso

Um dia a desesperança pode secar a alegria

Um dia o amor pode ser só dor e saudade

Um dia a amizade pode não corresponder

Um dia um abraço, um beijo, um olhar podem não ser suficientes,

Um dia a amargura pode calar nossa voz,

Um dia a vida pode se assemelhar a um chão de folhas secas e mortas.

Quase sempre é um dia, alguns dias, semanas, meses…

Nesses dias é que precisamos buscar um pouquinho de alegria no fundo de nós

Sempre há!

E focar nela, regá-la, nutri-la

E, aos poucos, bem aos pouquinhos,

Ela se encarregará de inundar o resto.

Basta ter fé e esperar…

Alda M S Santos

Quero a certeza do Sol

QUERO A CERTEZA DO SOL

Quero a certeza do Sol

Aquela que o faz se “apagar”

Todos os dias, sempre belo…

Ou humilde ficar atrás das nuvens

E aguardar as tempestades passarem

Sabendo que na manhã seguinte

Ou no dia, semana, mês ou ano seguinte

Tudo será como antes:

Brilho, calor, beleza, vida.

Quero a certeza do Sol!

Alda M S Santos

Esperas

ESPERAS

Saber esperar é uma habilidade, um dom.

Seja qual tipo de espera for

Na fila do banco ou supermercado

Pelo banheiro quando se está apertado

Pelo resultado do exame

Ou até que passe um vexame

Pelo grito na garganta contido

Ou pela volta do amor perdido

Sentado num corredor de hospital

Na angústia de nada poder fazer

Pelo filho que demora a nascer,

Ou por seu renascer a cada situação-problema.

Saber esperar é habilidade difícil

Como tal, precisa ser desenvolvida

Alia-se à paciência, à fé.

Olhar para o céu, para o alto, para dentro

Saber esperar é saber cuidar-se, valorizar-se

É saber prolongar a vida…

Alda M S Santos

Esperança

ESPERANÇA

Esperança: sentimento nobre,

Importantíssimo e corajoso 

Que nos faz acreditar, 

Lutar e seguir em frente, 

Ainda que tudo pareça não valer o esforço.

Quase sempre, confundido com inércia,

Mas caminha ao lado da fé

E de um bom coração!

Alda M S Santos

Foto Deva Daya

Esperança

ESPERANÇA
Esperança: motiva ou paralisa?
Instiga, encoraja, estimula, impele
Ou abate, esmorece, deprime, limita?
Dizem que é a última que morre.
Esgotadas as possibilidades, ela morre?
Ou quando morre, mata também as possibilidades?
Tudo vai depender dos aliados que a esperança amealha.
Ela sozinha é paralisante, único foco, coloca viseiras
Nada mais permite que se veja ou faça.
Mas se ela se une à força, à determinação,
A uma razão equilibrada com o coração,
Tem muitas chances de ser estimulante,
E levar à conquista do objetivo.
Esperança é inerente aos seres humanos de qualquer idade.
Uma pessoa sem esperanças é uma pessoa sem sonhos…
Uma pessoa sem sonhos…
É uma pessoa sem vida!
Alda M S Santos

Balanços da vida

BALANÇOS DA VIDA
Não há quem não se encante com um balanço, uma gangorra. Eles nos remetem à infância, a brincadeiras, sorrisos, amigos, frio na barriga.
Os melhores são aqueles de madeira e corda amarrados numa árvore bem alta num quintal de terra batida. Se não for possível, um de ferro numa praça urbana também é válido.
A cada ir e vir da gangorra a árvore chia, folhas caem, pássaros revoam, a gente geme e gargalha. Por vezes, um amigo empurra.
Vejo nossa vida assim: um grande balanço.
Ora estamos no alto, ora embaixo, outra vez no alto…
Algumas vezes estamos sós, muitas vezes acompanhados. Tantas vezes precisamos de um empurrãozinho amigo para nos manter no ar!
Nisso consiste o viver. Derrubaremos folhas, afastaremos pássaros, faremos nossa árvore chiar, atrairemos amigos querendo brincar, amores para balançar junto, teremos muitos gemidos e gargalhadas, de prazer ou dor.
Só altos ou só baixos não é gangorra. Balanço não foi feito para ficar parado.
Quando a inércia, a letargia ou apatia quiserem de nós se apossar, além de um simples momento de descanso, devemos nos lembrar que balanço bom é o que está em constante movimento.
Portanto, inclinemo-nos para trás, estiquemos as pernas, olhemos para o alto, fechemos os olhos, se preferirmos…
A emoção toda consiste em balançar-se, sorrir, gritar e se entregar!
Alda M S Santos

Bola pra frente

BOLA PRA FRENTE
A maturidade diminui nossas urgências em algumas coisas. Porém, se algo estiver fora dos eixos, essa urgência só aumenta com a ideia de que o tempo está ficando mais e mais curto…
Algumas coisas queremos para agora, outras para ontem, e há ainda aquelas que para nunca!
Só nós podemos fazer essa escolha!
Escolha feita, agir, curtir e “bola” pra frente, pois o jogo só acaba aos 45′ do segundo tempo.
Alda M S Santos

Entrega

ENTREGA

Todos precisamos de ajuda,

De apoio, de alianças,

De confiança, de auto-confiança,

De entrega, de vida!

A natureza nos ensina.

Sempre. Só observar!

Boa noite!

Alda M S Santos

 

 

Ser maduros

SER MADUROS
A contagem do tempo é uma só, mas ele não se passa da mesma forma para todos. Há pessoas que se detêm nos pequenos prazeres, as que correm atrás de grandes gozos, e ainda aquelas que ficam atoladas na lama dos problemas e momentos difíceis.
Todos temos os três: pequenos e grandes prazeres e atribulações. O que nos difere, nos faz crescer, amadurecer e aparentar que carregamos uma carga mais leve é o tempo que dedicamos a cada um deles.
Maturidade não é idade cronológica, mas quase sempre coincide com ela. O tempo, cedo ou tarde, nos mostra que sempre saímos de uma situação, boa ou ruim. Se está bom, mergulhemos de cabeça, se está ruim, vamos prender a respiração e aguardar a onda passar. Se apertar, basta acessar nosso estoque de emoções que veremos por quantas já passamos.
Quando tudo parecer difícil cercar-nos de pessoas “luz”, crianças, natureza, bichos, esses seres sinceros, quase sempre traz paz. Outros preferem músicas, livros, filmes, jogos ou recolhimento.
Além do mais, nossa habilidade de escolher caminhos menos atribulados também se aprimora. Ser “verde” é bom, mas ser maduro pode ser excelente se soubermos extrair da maturidade o que ela, quase sempre, traz de melhor: a sabedoria.
Vamos lá?
Alda M S Santos

Quero os dedos e os anéis!

QUERO OS DEDOS E OS ANÉIS

Tantas vezes fomos treinados na técnica da compensação, da conformação, da aceitação. 

Não sou tão competente, mas sou responsável.

Não tenho o emprego dos sonhos, mas conformo-me com o que consegui.

Não tenho inteligência bastante, nem adianta estudar, fico assim mesmo.

Não tenho quem amo, mas aceito aquele que me ama. 

Não sou feliz, mas vivo alguns momentos felizes. 

Tudo bem! Todos nós precisamos saber lidar com as frustrações. Muitas vezes não teremos tudo que queremos. Nossas vontades não são soberanas. 

Porém, aceitar o imutável é uma coisa, nem tentar mudar é outra. 

Precisamos buscar, lutar, acreditar naquilo que queremos, que nos fará mais felizes, nos tornará um ser humano melhor. E aceitar ajuda é parte do processo. Deus não nos fez solitários! 

O risco de quem se conforma com a falta dos “anéis” é culpar quem os conseguiu e tornar-se amargo. 

Façamos assim: se os “anéis” foram perdidos, devemos valorizar os “dedos” que ficaram, sim, mas buscar, na medida do possível, novos anéis, e não apenas se conformar com sua falta. 

Deus nos criou para sermos felizes. Buscar o que pode proporcionar tal felicidade é parte do processo, portanto:

Eu quero os dedos e os anéis! E é atrás deles que eu vou! 

Alda M S Santos

Ele poderia estar entre nós

ELE PODERIA ESTAR ENTRE NÓS

Seríamos capazes de identificar um herói, um gênio, uma grande personalidade, até mesmo alguém especial entre nós?

Depois dos caminhos trilhados, fatos transcorridos, tramas esclarecidas, desfechos revelados, tudo torna-se claro, compreensível.

Porém, no momento em que a história está sendo construída, quantos de nós temos esse discernimento?

Quantas vezes algumas personalidades importantes em variadas áreas, admiradas e ovacionadas pelo mundo todo, não foram e não são reconhecidas entre os seus?

Como se precisássemos de um aval externo a dizer “vejam como fulano revolucionou a medicina, a educação, a política, a literatura, a arte, a fé”!

Isso aconteceu até mesmo com Jesus, “Só em sua própria terra, entre seus parentes e em sua própria casa, é que um profeta não tem honra”.(Marcos 6,4).

Necessário é que estejamos atentos. Retirar a venda dos olhos, aguçar o olhar, o coração. Pertinho de nós pode estar “crescendo” alguém que irá revolucionar o mundo, independente da área de atuação. Podemos contribuir, podemos usufruir.

Se Jesus nascesse novamente entre nós, ou se aparecesse no nosso meio, convivesse conosco, seríamos capazes de identificá-Lo? Em sua simplicidade? Aceitaríamos se Ele se destacasse? Teríamos que ver para crer?

O quanto de preconceito com o que, ou quem, é diferente de nós ou se destaca, há ainda em nós?

Sejamos sinceros!

Alda M S Santos

Sentimentos não se prendem

SENTIMENTOS NÃO SE PRENDEM!
Não somos guarda-volumes, caixas-fortes ou depósito de sentimentos. Sentimentos existem para serem expressados, transformados, sublimados ou eliminados, nunca estocados.
Se forem sentimentos ruins, negativos, que nos fazem mal ou aos outros, precisamos trabalhar para transformá-los ou eliminá-los. É o caso do ciúme, da inveja, da raiva, da negatividade, da superioridade, da possessividade. É necessário investigar as causas, analisá-las a fundo, buscar substituição por sentimentos melhores tipo confiança, fé, bondade, compaixão e amor.
Se forem sentimentos nobres, mas que, de alguma forma, não têm feito bem, é preciso alguma ação sobre eles. É o caso da fé cega, da compaixão, da solidariedade, da alegria, do amor. Sim! Eles também podem fazer mal.
A fé cega costuma gerar superioridade e preconceitos para com os demais. Ela precisa transformar-se em ação, humildade e compaixão. A fé sozinha, sem ação, é inútil!
A compaixão e a solidariedade excessivas podem paralisar e tornar dependentes aqueles que delas necessitam. Oferecer ajuda é carregar no colo primeiro, em seguida dar as mãos, mas depois deixar livre para seguir. E não pode também paralisar a vida de quem ajuda.
A alegria contagia, faz vibrar, mas perto de quem está muito mal soa “ofensiva”, portanto, não deve ser escondida, mas dosada.
O amor sempre será positivo. Sempre. Para quem sente e para quem o recebe. Porém, há os casos em que o amor tem que vir com uma dose de cobrança, de firmeza, como no caso do amor paternal. Mas nunca deve se esconder atrás da severidade.
Há os casos em que ele ocupa um só coração, então, deve ser transformado em amizade ou “direcionado” para outro beneficiário.
Há ainda os casos “proibidos”, se é que existe amor proibido. Pode ser por um esporte, inadequado fisicamente para quem o aprecia, por um hobby, oneroso demais para se manter, por um objeto, viciante, por uma pessoa, inacessível. Nesses casos, há a sublimação. A força desse amor deve ser sublimada em outra atividade que lhe dê prazer. Um “amor” excessivo ao fumo, por exemplo, pode ser sublimado numa habilidade musical. O amor por uma pessoa inacessível pode ser sublimado numa energia de amor fraternal e solidária, e por aí vai…
Não estou querendo de modo algum simplificar. Apenas afirmo que sentimento preso e estocado não produz coisas boas, ao contrário, pode gerar doenças.
Precisamos nos cercar de pessoas alegres e sábias que, de uma forma ou de outra, sempre nos ajudam.
Podemos pensar que não somos responsáveis por sentimentos que brotam em nós. Não somos mesmo! Sentimento é vivo, nasce, cresce, se expande, está em constante movimento. Brota por algum motivo. Mas uma coisa é certa, podemos escolher o que fazer com eles, quais vamos alimentar, deixar crescer e manter como nossa marca registrada.
Que seja o amor!


Alda M S Santos

 

Tapetes de Amor

TAPETES DE AMOR

A noite foi chuvosa, a manhã está fresquinha, depois de uma tarde muito quente no dia anterior.   

Céu nublado, ruas molhadas, lindos ipês floridos formam tapetes coloridos sobre a calçada. 

Algumas pessoas se escondem em agasalhos, semblante fechado, chateadas por terem que se levantar. Outras se “colorem” e se “abrem” para o novo dia, assim como as flores receberam o calor, a chuva, a brisa suave, a queda das flores. 

Deus, como Pai zeloso, prepara nosso caminho. Ouvimos “bom dia” da natureza, das pessoas… Até um tapete de flores Deus prepara para o nosso caminho. 

A natureza confia e espera. Nós, humanos, tão sábios, tantas vezes, ao invés de agradecer a chuva, nos enraivecemos com o trânsito que apresenta problemas, enxergamos as ruas com lixo acumulado, mas não notamos as árvores que agradecem a bênção recebida, reclamamos de tantas folhas e flores que sujam o quintal e as ruas, mas não admiramos o lindo tapete perfumado que formam, resmungamos ou acenamos a cabeça a um bom dia simpático que recebemos, ao invés de agradecer por estar vivo, poder se levantar, ter a chance de sempre recomeçar.

Seja de flores ou não, Deus sempre prepara um tapete para nosso caminho. Basta que a gente mantenha olhos e coração abertos para identificá-lo e curti-lo. Pode ser a família, o trabalho, um amigo, a natureza…

Qual é seu tapete hoje?  

Alda M S Santos 

Ele está no arco-íris

ELE ESTÁ NO ARCO-ÍRIS

Desconheço quem seja capaz de ignorar a beleza das cores, da luz e da vida que um arco-íris irradia. 

Por mais forte que tenha sido a tempestade, quando ele aparece tudo se renova! É o modo de Deus nos dizer que tudo ficará bem. 

Se pudéssemos pensar nas lindas cores durante a tormenta, passaríamos mais incólumes por ela. 

Se fôssemos capazes de sentir Deus, tanto na tempestade quanto no arco-íris, teríamos mais fé, mais força, seríamos mais felizes. Quem passa pela tempestade valoriza mais o arco-íris! 

Vê-Lo no arco-íris é fácil! Identificá-Lo na tempestade é bênção! Obter aprendizados de ambos é dádiva: Ele não nos abandona nunca! 

Alda M S Santos 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: