À ESPREITA

“Vírus da conjuntivite atinge níveis epidêmicos.”

Outra hora é o da febre amarela, da influenza…

Parece que estão sempre por aí, à espreita.

Aguardando apenas uma fragilidade ou baixa imunidade para atacar e tomar nosso corpo.

Vírus não “sabem” ser diferentes, são parasitas, precisam de um organismo vivo para se reproduzirem.

Mas não atingem qualquer indivíduo, escolhem os mais frágeis, aqueles que não foram imunizados.

A boa notícia é que o mesmo vírus não ataca a mesma pessoa mais de uma vez, elas criam anticorpos.

A notícia que merece alerta é que eles são mutantes, como o Influenza, por isso gripamos tanto.

Como todo “ladrão”, entram por nossas portas deixadas abertas ou janelas mal trancadas, a qualquer hora do dia ou da noite.

Escolhem nosso calcanhar de Aquiles, sem alarde, ficam encubados ganhando força.

Descobrem nossas falhas, carências e necessidades e, como bons vendedores, nos atendem.

Apresentam-se em nossas TVs, invadem computadores de nossos filhos, usam colarinhos brancos, fazem promessas vãs, são nossos “amigos” da atualidade.

Como os vírus, usam nova roupagem, “enganam” nosso organismo, nossa mente, nossa boa fé, abalam nossa confiança.

Levam, além de bens materiais, o que temos de mais precioso: a saúde, o sossego, a confiança, a paz…

Como os vírus, quando conseguem seu objetivo, buscam novas vítimas!

Cabe-nos estar alertas e nos fortalecer

Proteger nossas “casas” e tudo que temos de mais valioso…

Alda M S Santos