Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

voo

Leveza

LEVEZA

Sonhei que estava a caminho do céu

Vestes brancas e leves a flutuar

Na cabeça uma tiara de rosas, um véu

Subia, girava, sorria, ia devagar

Vez ou outra parava no caminho

Sentava numa nuvem para baixo a olhar

Quem foi que deixei sozinho

Isso pesava, não me deixava viajar

Era tão bom poder plainar

Cada vez mais longe, mais alturas alcançar

Tal qual águia na imensidão a voar

Tudo ficava leve, pétalas de rosas a carregar

Mas algo não estava bem

Ainda não posso ir, preciso retornar

Aqui tinha ficado alguém

Mas já conhecia o caminho do céu a atravessar

Me despedi de mim mesma

Minha leveza, minha destreza

Quem sabe não chegaria o dia

Que iria com certeza pra lá

Enquanto não é possível

Quero de novo sonhar

E nas asas de uma borboleta

As alturas de novo chegar…

Alda M S Santos

Mais no meu blog vidaintensavida.com

Queria voar

QUERIA VOAR

Queria tanto voar…

Não a bordo de um avião

Ou dentro de máquina de aço qualquer

Queria bater minhas asas

Como águia, ou um gavião

Poder ir a qualquer canto

Onde não houvesse nenhum pranto

Queria tanto voar…

Lá do alto observar a tudo

Vista privilegiada desse mundão

Liberdade de ir e vir, sem prisão

E poder a quem precisar estender a mão

Queria tanto voar…

Mas sou um ser humano

A nós foram dadas outras habilidades

Podemos andar, pensar, falar, menos voar

Pensando bem, eu trocaria qualquer uma delas

Pela capacidade de subir, voar, plainar…

Queria tanto voar…

Já que isso não é possível

E confio no Senhor da Criação

Daqui fico curtindo e acenando

E voando apenas na imaginação…

Vamos voar?

Alda M S Santos

Nosso ninho

NOSSO NINHO

Alguns pássaros crescem, desenvolvem suas asas

E ainda um pouco imaturos e desajeitados

Na ânsia de voar com suas asas enormes

Ou buscar por espaços desconhecidos, convidativos

Na emoção do primeiro ou de novo voo solo

Ferem, machucam, maltratam

Quebram as asas daqueles que ficam no ninho

Desconhecem que nos primeiros voos tudo pode acontecer

Assim como em todo voo iremos aprender

Muitas vezes precisamos voltar para o aconchego do ninho

E ao calor daquelas asas já velhas

Que por muito tempo nos ampararam

Voemos, voemos alto

Mas tomemos cuidado para não destruir nosso ninho

E os que nele ficarem

Independente de quem seja nosso ninho

Pais, amigos, amores

Todos nós precisamos alcançar o céu

Mas é no ninho em que nos criamos

No qual recebemos tanto conhecimento

(Re)aprendemos a confiança e amor

Que restauramos nossas forças

Nunca desvalorizemos quem nos ensinou a andar

Quem nos (re)ensinou a amar

Quem nos (re)ensinou a voar …

Alda M S Santos

Sombras

SOMBRAS

As sombras são meio assustadoras

Por vezes, falta-nos coragem para encará-las

O medo toma conta, ficamos inertes

Ou fugimos apavorados

Outras vezes percebemos

Que ser forte e resistente

Não se resume à força física

Ser forte pode ser tantas vezes

Acalmar, buscar energia dentro da gente

Encarar a própria sombra escura que se agiganta

Acender ali uma luz que brota de nosso interior

Iluminar tudo e seguir…

Isso é força, é fé!

Quando o chão nos falta

É preciso aprender a voar

Buscar o céu para encontrar a paz!

Alda M S Santos

Pilotando um Boeing 787

PILOTANDO UM BOEING 787

Viver é comandar um Boeing 787, sem brevê

E aprender a fazê-lo, na prática

Sem aulas ou lições prévias

Manter-se no ar, em movimento, enfrentar intempéries mil

Ser submisso ao comando da “torre”

Pilotando na base da reflexão, por intuição

Baseando-se em aprendizados obtidos na tentativa e erro

Algumas vezes até dá pra deixar no piloto automático

Descansar, relaxar, confiar no trabalho da tripulação

Ou contar, ocasionalmente, com ajuda de um co-piloto

Mas viver é ir aprendendo a pilotar um 787 com coragem

Ser capitã da prática diária

É enfrentar inimigos externos e internos

Aprender a negociar, apaziguar, evitar danos na aeronave

É saber que carrega ali muitas vidas dependentes de sua habilidade

Que basta um erro para que todos sejam atingidos

Uma falha mais grave poderá ser fatal

E levar consigo para o chão toda a tripulação e passageiros

Não escolhemos quando começamos a voar

Tampouco saberemos o momento de parar

Mas, de todo modo, não deixa de ser um voo prazeroso e emocionante…

Alda M S Santos

Decolar

DECOLAR

Viagem…

Malas arrumadas, cheias

De utensílios, de acessórios

De sonhos, esperanças

Expectativas de descanso, diversão

As malas levam as necessidades do corpo

O coração leva as necessidades da alma

Vai nua, quer novo figurino

Veste um sorriso no rosto

Um abraço de agasalho

Descalça, deseja sentir melhor onde pisa

Por onde caminha, o destino almejado

Quer se abastecer do novo

Revigorar o que já está meio gasto pela vida

Fortalecer o que estiver frágil

Potencializar o que está apto a crescer

Trazer para dentro de si o infinito

A aeronave decola sabedora de seu destino

Ela decola junto, confiante

Fecha os olhos e sonha…

Alda M S Santos

Sob nova direção

SOB NOVA DIREÇÃO

“Mudamos para novo endereço”

“Aluga-se”, “Vende-se”

“Passa-se o ponto”

Perdedores, desistentes, fracassados?

Ou corajosos, persistentes, lutadores, guerreiros?

“Sob nova direção”

Novos proprietários ou os mesmos

Sob nova roupagem, novo layout?

“Sob nova direção”

Alguém que retomou as rédeas de sua montaria

O leme de sua embarcação

O manche de seu voo

O volante de sua estrada

O curso de sua vida…

Sob nova direção

Revista, atualizada, aprovada

Inspirada…e a vida segue…

Com novo rumo, mais certo, mais seu

Aproveitando os aprendizados adquiridos

Fazendo seu próprio caminho…

Alda M S Santos

Sem fronteiras

SEM FRONTEIRAS

Voam na imensidão do azul do céu

Não têm limites, não têm fronteiras

Sozinhas, em pares ou em grandes grupos

No céu dançam um lindo ballet

Em silêncio ou cantando, se comunicando

Simplesmente, voam…

Sem destino? Não sei!

Parecem livres, despretensiosas

Pousam numa árvore frondosa

Fazem muito barulho

Será uma reunião de revisão de rota?

Algum perigo? Temem algo?

Ou será apenas uma pausa para descanso?

Param todas na beira de um lago

Molham-se, hidratam-se, banham-se

E seguem seu caminho no espaço…

Haverá algo que possa interromper seu curso, seu voo?

Vão e voltam, fazem estações

Sem fronteiras….

Daqui de baixo a tudo observo, invejo tal liberdade de ser, de pouco precisar

Voo com elas… vou longe… e volto…

Pés no chão, coração no espaço…

Alda M S Santos

Efeito borboleta?

EFEITO BORBOLETA?

Entra voando janela adentro do meu quarto

É noite, tudo escuro lá fora

Talvez atraída pela luz, voa em círculos sobre a cama

E para na parede à minha frente

Fico encantada com o voo, as cores, a leveza, a liberdade

Eu me aproximo devagar, confiante, ela me permite tocá-la

Que veio fazer aqui, borboleta?

Não tem medo de aqui ficar presa ou perdida?

Veio buscar o quê, aventureira?

Ou será que veio me ensinar a leveza, a coragem de voar?

Suas cores e “digitais” parecem falar comigo

Dá mais uns voos rasantes pelo quarto e sai majestosa para a noite de luar…

Efeito borboleta? Que poder tem o bater de suas asas?

Leveza, liberdade, a fragilidade e fugacidade do viver …

Alda M S Santos

Sem plano de voo

SEM PLANO DE VOO

Na escuridão da noite que chega lentamente

Ela se despede temporariamente do sol

Tenta encontrar novas luzes brilhantes

Reacender outras já meio apagadas

Um vagalume que aparece meio receoso, certo de seu caminho

Mesmo sem plano de voo

Vênus que se apresenta radiante ao longe no céu

A Lua, orgulhosa e bela, que inspira os amantes

Mas também, solidária, acolhe os solitários

Quase pode ouvir o som de cada estrela que brilha no firmamento

Concentra-se nos sons diferentes do anoitecer

Esfria, abraça a si mesma se aquecendo

Fecha os olhos e, como os cegos, vê com o olfato, com a audição

Enxerga as doces lembranças guardadas na escuridão dentro de si, revive

Como vagalume, está acostumada a acender-se e enxergar a vida no escuro

Inspira fundo, expira, respira, suspira

Tenta não pirar…

Segue…não há necessidade de plano de voo

O destino é um só, o caminho a gente cria

Sabe que a luz é mais valiosa onde antes foi escuridão…

Alda M S Santos

Gaiolas para quê?

GAIOLAS PARA QUÊ?

Não precisamos prender

Joguemos fora nossas gaiolas

Se quisermos manter perto de nós

Conquistemos a confiança, cuidemos, alimentemos

Para atrair e manter perto quem amamos

Não cortemos as asas, não silenciemos o canto

Mostremos admiração, respeito, amor, cuidado

E sempre estarão ao alcance de nossas mãos, de nossos corações

Em plena sintonia…

Alda M S Santos

Ninhos vazios?

NINHOS VAZIOS?

Um ninho vazio, aparentemente um emaranhado, muito bem tecido

Fios, fiapos, pequenas linhas e folhas, galhos, tudo bem escolhido

Montado com o máximo capricho e cuidado

Amor e proteção em cada mínimo detalhe

Para realizar desejos, receber bênçãos, dar vida ao que foi sonhado

Há pouco eram só penugem, fome, pios, bicos abertos

Carinho ao alcance das mãos, ou melhor, dos bicos famintos

E logo se transformaram em penas, força, canto, asas, voo

Inseguro, a princípio, raso, baixo, assustado

Seguido de força, coragem, beleza e encanto

Proporcionando muito orgulho àqueles que no ninho ficaram

E, paradoxalmente, uma alegria salpicada de tristeza, de saudade

O amor tem o dom de alimentar quem trata de alimentar o outro

E o alimento parece faltar a quem não tem mais os alimentandos

Aquele ninho não é mais útil, não os cabe mais

Não para a mesma finalidade, ficou apertado para o tamanho de suas asas

O alimento dali já não é nutritivo o bastante

Mas quem aprendeu a se alimentar nesse bico

Quem cultivou o amor no pulsar desse coração

Quem ali desenvolveu os músculos das asas e alçou o primeiro voo

Não se esquece…

E se lembrará quando novo ninho for tecer

Com o mesmo amor e cuidado

Vida e amor se renovam

E mantêm os ninhos sempre cheios…

Alda M S Santos

Amadurecer

AMADURECER

Envelhecer é sentir que o tempo que resta é pouco

Para o tamanho dos sonhos que se quer realizar.

Amadurecer é sonhar todos os sonhos possíveis,

E notar que o tempo se faz ao realizar cada um deles…

Alda M S Santos

No corredor

NO CORREDOR

Na janela, no centro, no corredor,

Assim nos acomodamos para curtir o voo.

Cada qual curte essa viagem de um modo.

Dependendo do que “recebe” do ambiente

Do que busca, da sua disposição em mudar de lugar,

Do que consegue captar do local que ocupa. 

Uns querem “conquistar” tudo, curtir tudo, preferem a janela.

Outros estão sempre prontos para “sair” de qualquer situação, preferem o corredor.

Quem ocupa o meio, oscila, 

Espicha os olhos para a janela, olha para o corredor, indeciso,

Mas curte o que consegue de onde está.

Vale lembrar que o destino de todos é o mesmo.

Independente de nossa posição nesse voo,

É preciso aproveitar a viagem

Antes do destino final. 

Alda M S Santos 

Pouso

POUSO

Pista de pouso e decolagem
É área de trânsito intenso,

Ora para um lado, ora para o outro.

Observe se os ventos são favoráveis,

E pouse ou decole com segurança!

Tão importante quanto saber pousar

É também saber a hora de decolar!

Parado no mesmo lugar é arriscado

E não leva a lugar algum.

Alda M S Santos

Nostalgia do voo

NOSTALGIA DO VOO

Qual o objetivo de se aprender a voar?

Obviamente, ser capaz de realizar o voo sem ajuda.

Voo solo. Sem supervisão ou orientações, independente.

Todos que se dispõem a ensinar algo sofrem da nostalgia do mestre.

É a nostalgia do voo solo.

Aqueles que de alguma forma se dedicam a ensinar

A orientar, estimular, curar, possibilitar o crescimento

Apagando mágoas, traumas e inseguranças

Querem que seus pupilos cresçam e apareçam

É o caso dos professores, dos médicos, dos psicólogos

De modo mais pessoal, dos pais, das mães,

Dos amantes, dos amigos…

Veem dia-a-dia a evolução de seus aprendizes

O passo a passo do aprendizado, as lutas

As quedas, a impotência, os avanços, as vitórias

E chega o dia deles voarem sozinhos, longe dos “mestres”.

Mostrar que a lição foi válida, a que vieram,

Para que tanto se dedicaram e se esforçaram.

Alegres, seguem seus caminhos, voam alto.

Aos mestres, cabe o sentimento de orgulho e de dever cumprido

Mesclados à imensa saudade e sensação de perda.

Os alunos superaram os mestres e se foram.

Os mestres devem se recolher e ficar em segundo plano,

Muitas vezes até sair de cena. Deixá-los voar.

Como as aves, as borboletas e os beija-flores.

Seres feitos para voar não podem ser mantidos presos.

Se as lições foram mesmo aprendidas

Saberão que é bom ter pouso entre voos,

E um dia retornarão para um abraço.

Os alunos, os pacientes, os filhos, os amantes, os amigos…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: