Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

tempo

Quanto tempo falta?

QUANTO TEMPO FALTA?
Quanto tempo falta para não se ter mais tempo?
Falta o tempo que o coração for capaz de suportar
Tanta gente longe sem poder se amar
Falta o tempo em que a alma aguentar
Sem querer ir embora chateada com esse lugar
Falta o tempo em que for possível chorar
Mas sem aos outros decepcionar ou magoar
Falta o tempo em que ainda conseguir sorrir
Por mais que tudo pareça ruir
Falta o tempo em que conseguir se aquecer
Longe de tudo, de um colo, sem fenecer
Falta o tempo em que o silêncio puder dizer
Aquilo que o peito carrega em seu intenso sofrer
Falta o tempo em que a fé ainda for capaz de remover montanhas
Não desistindo de desfazer tantas artimanhas
Falta o tempo em que a vida ainda pulsar
Num peito cansado de lutar
Mas que não desiste de caminhar e amar…
Esse tempo que ainda falta…
Alda M S Santos

Quanto tempo?

QUANTO TEMPO?
Quanto tempo é preciso
Para curar um mal?
Um vírus demora uma semana
É canja de galinha e cama
Uma bactéria com antibióticos se trata
Na hora certinha o medicamento
Acaba com ela sem sofrimento
Se é dor de cabeça ou de dente
Um analgésico é bom combatente
Uma ferida ou fratura
Também no máximo um mês já se cura
E quando o mal é do coração
Aquele que carrega emoção
E precisa curar-se da decepção?
Quanto tempo leva nessa situação?
Qual o remédio para curar frustração?
Sei não…
Acho que vai depender do coração
E do que ele carrega de montão
Mas se for amor, melhor curar não
Deixa ele lá quietinho
Não é doença que necessita medicação
Na hora certa ele tudo entende e acerta
E terá sua compensação
O amor está além de qualquer ponderação
Alda M S Santos

Nunca é tarde!

NUNCA É TARDE

Nunca é tarde demais para preservar bom hábitos

Tampouco para novos hábitos criar…

Nunca é tarde demais para se arrepender e os erros corrigir

E um novo caminhar na vida seguir…

Nunca é tarde demais para encarar o fim como estágio vencido

E recomeçar a viver com novo sentido…

Nunca é tarde demais para ser jovem

A idade do coração e a juventude da alma é que nos movem…

Nunca é tarde para ser de verdade parte desse mundão

E aprender a viver em comunhão…

Nunca é tarde demais para reaprender a amar, ser mais

Pois, quase sempre, a vida vai embora cedo demais…

Alda M S Santos

Preciosidade pura

PRECIOSIDADE PURA

Que fazemos do nosso tempo?

Ele parece pouco, muito, sobra ou falta?

Ou veio para nós no ponto, na medida exata?

Nós o preenchemos com trabalho, descanso, lazer

Ou estamos sempre correndo em busca de mais prazer?

Que precisamos para o tempo nos satisfazer?

Dinheiro, amor, descanso, sexo, diversão

Família, passeios, amizade, simplicidade, oração

Ou apenas aquilo que deixe em paz nosso coração?

Não temos tempo para aquilo que precisamos realizar

Ou ele causa tédio, frustração, custa a passar?

Curtimos o agora ou sempre estamos pela “festa”a esperar?

Saber dividi-lo é o que melhor nos convém

Preencher bem esse presente que recebemos é arte

Não sabemos nunca quanto nos falta, qual nossa parte

Amor, solidariedade, poesia, compaixão

Descanso, amizades, diversão, oração

E logo o tempo se esvai sem dúvidas, dívidas ou senão…

Alda M S Santos

O barco do tempo

O BARCO DO TEMPO

Tão longo, tão curto, tão fugaz

Independente de nós o barco está passando

Inertes, estacionados ou correndo atrás

O tempo vamos curtindo, significando

Queremos espichá-lo quando há prazer

Encurtá-lo quando nos faz sofrer

Talvez até dar um bom replay

Pausar, voltar, avançar, atracar, não sei

Aqui é diferente do lado de lá do horizonte

Uma vida inteira aqui lá é um piscar

Mas não podemos escolher onde ficar

Melhor aceitar e aproveitar esse presente

Tão abstrato, ilusório, nada linear

E pra menos errar, procuremos mais amar

Alda M S Santos

Antiguidades

ANTIGUIDADES

Vivemos entre o novo e o antigo

Transitando num mundo nem sempre amigo

Daí tanta saudade, nostalgia

De uma época com menos tecnologia

Onde havia muito mais magia…

Faltavam máquinas e motores

Mas a força vinha de nossos corpos

Nossas mentes também trabalhavam

E os amores, esses sim nos comandavam…

Os amigos estavam por perto, eram reais

Nossas famílias eram grandes, especiais

Cantávamos, brincávamos, dançávamos, era demais

E nas lutas, vitórias e derrotas, éramos mais iguais…

O amor era para sempre

Tudo durava, não se acabava tão facilmente

Nada era tão descartável

Viver era coisa que se fazia naturalmente…

Sentimos saudades!

Alda M S Santos

O tempo cura?

O TEMPO CURA?

O tempo não cura nada

Ele passa, passa, e algumas coisas ficam mais leves

Ele, sabiamente, nos permite cobrir as feridas

Com uma grossa cicatriz de proteção

Perdem o tom vermelho brilhante

Tornam-se mais rosadas até quase parecerem sumir

E ela fica ali para ser vista e relembrada

Algumas cicatrizes todos podem ver

Outras, são muito internas

E só quem as possui tem acesso

Ficam escondidas atrás de sorrisos

De uma alma que se doa, de mãos que trabalham

O tempo não cura!

O tempo nos ensina a lidar com o que não tem cura

O tempo nos permite olhar para as cicatrizes

E retirar dali aprendizado em meio ao que já foi dor aguda

O tempo pode até nos ajudar

A fazer de uma cicatriz algo novo, útil e belo

Uma obra de arte que merece ser vista por todos

Cada qual lida do seu jeito

Com as feridas, o tempo e suas cicatrizes

Tornando-os aliados ou adversários…

Alda M S Santos

O tempo não conta

O TEMPO NÃO CONTA

Neles, os poetas, a brisa toca mais suavemente

As flores têm mais perfume, mais cor, mais espinhos

A chuva cai mais torrencial, assustadora

E o sol aquece mais rapidamente

Neles, os poetas, o abraço enlaça melhor

O olhar enxerga mais detalhes

Os beijos são pura emoção

E as conversas são longas e com melhor teor

Neles, os poetas, o amor se faz mais intenso, mais terno

O coração bate em uníssono, em harmonia

As ondas arrebentam suaves a seus pés

Numa explosão de pura alegria

Neles, os poetas, o tempo não se conta, se canta

O caminho se faz noutro ritmo, como um rio

O amor é a liga de tudo que há

E a vida sempre os encanta

Neles, os poetas, a vida é pura poesia

Nada há que não possa ser sentido

Eles são os escritores que fazem dela versos, poemas

E a abrem a todos por pura cortesia…

Alda M S Santos

Timing

TIMING

Tão triste é perder

Aquele instante certo

A conexão que se dá

Nos momentos mais incertos

Quando Lua e Terra se alinham

Na imensidão do universo

Também por aqui há pessoas

Num eclipse que se traduz em versos

Vagam astros, estrelas e planetas

Em rotação ou translação

Todos têm o timing ideal

Ora são luz, ora escuridão

O timing entre humanos é mais complexo

Vagam num céu individual

Buscam sintonias sem nexo

Num viver que se pretende plural…

Alda M S Santos

Houve um tempo

HOUVE UM TEMPO

Houve um tempo em que os dias eram pequenos

Para tanto que se havia a fazer

Também houve um tempo em que eram tão longos

Por não saber exatamente o que fazer…

Houve um tempo em que percebi

Que a extensão dos dias está diretamente ligada ao prazer de viver

Hoje os dias têm o tamanho que têm de ter

E a eles eu me adequo, tendo ou não o que fazer

Sabendo que haverá um tempo

Que não notarei sua extensão

E nada poderei fazer

Exceto lembrar do que fiz ou deixei de fazer

Houve um tempo…

Alda M S Santos

Cachoeira do Tabuleiro- Conceicao do Mato Dentro

Ele é amigo

ELE É AMIGO

Não tenha medo ou receio

Pode não parecer, mas ele é amigo

É paciente quando possibilita reflexões e aprendizados

Mesmo que nos faça não só sorrir, mas também chorar

É sábio mesmo quando é rápido e veloz

Quando parece nos abandonar ou deixar para trás

Quando parece nos limitar ou cortar nossas asas

Mesmo sem nos tocar ele nos atinge

Não há como fugir dele

Seu efeito é variável de pessoa para pessoa

Age de modo individual em cada mente

Influencia com doçura ou amargura cada coração

Ainda que pareça só fazer o mal

Ele é amigo, tenta parear conosco

É um remédio que se não cura, imuniza

De longe ou de perto, ele está sempre presente

Mesmo à nossa revelia o tempo age

E porque age é nosso amigo

Sempre!

Percepção que só se tem quando ele passa…

Alda M S Santos

Quanto tempo temos?

QUANTO TEMPO TEMOS?

As chamas intensas lambem monumentos centenários

As águas ruidosas das tempestades levam encostas, derrubam árvores e edificações

Vendavais arrastam tudo que encontram pela frente

Estruturas firmes sobre vigas e concreto “implodem” e soterram vidas

Nada está a salvo na terra, no ar ou no mar…

Tragédias, devastação, destruição… são tantas!

A vida como um todo se rebela, se revela frágil

Gritos de alerta que imploram por socorro

Todas elas deixam algo aterrador: sentimentos

Sentimentos de impotência e tristeza

A dor da destruição, da perda, da incapacidade de reagir

A angústia das histórias que “apagam” em nós

Que tentam deletar de nossa memória

Que acontecem além do oceano

Ou bem aqui ao nosso lado

E provocam curto-circuitos internos

Incendiando o que temos de bom

Ou acionando um sistema parado

Quanto tempo resistiremos

Sem ter nossa base, nossa estrutura abalada

Nossa liga emocional estremecida

Sem desmoronarmos também?

Quanto tempo temos?

Alda M S Santos

Meu tempo

MEU TEMPO

Meu tempo já não é mais o mesmo

Menos ansiedade ou afobação

Um leque maior de opções, sem tanta obrigação

Correria só por lazer ou diversão

O número de coisas a adquirir importa cada vez menos

É preferível despertar emoções saudáveis e bons sentimentos

Já aceito melhor a qualidade em detrimento da quantidade

Aprecio novos lugares, mas sei bem que “com quem” vale mais do que “onde”

Já não tenho tempo a perder remoendo raivas, ciúmes

Sofrendo culpas, me martirizando pelo que não tenho controle

Sei que dar soco em ponta de faca só fere a mim mesma

Prefiro me encontrar nos sorrisos, nos abraços

No carinho sincero, no amor declarado mesmo no silêncio

Assumo o produto de minhas escolhas, erros e acertos

Para o bem ou para o mal

Aceito melhor os tempos das outras pessoas diferentes de mim

Valorizo o amor que se apresenta

Não cobro, não peço, não imploro nada

Doar o que temos é o melhor modo de conquistar o que precisamos

Estou aprendendo que nadar contra a corrente suga a energia

Mas não é pior que seguir um curso indesejado e indefinido

Que quase sempre não leva a lugar algum …

Meu tempo não é mais o mesmo

Mas ainda estou aprendendo a lidar com ele

Qualquer hora dessas eu consigo

E atinjo todas essas metas!

Alda M S Santos

Roda da vida

RODA DA VIDA

Intensa e contínua circularidade da vida

Tempos, fases, ciclos

Onde se encontram diversas gerações, todas as idades

Um verdadeiro entra e sai nessa roda

Um trajeto completado

Fim da linha? Reinício?

Linha de largada, linha de chegada

O que as difere?

A disposição, esperanças, expectativas

Frustrações, sensação de dever cumprido?

Entra mês, sai mês, dezembro, janeiro

Fim, início ou continuidade?

Tempo contado, marcado, demarcado

Para quê?

Será que assim temos a sensação de um mínimo de controle

Sobre aquilo que não sabemos quando irá se acabar?

Sei que em qualquer etapa é possível dar uma parada

Reavaliar a trajetória, redirecionar

Só não podemos estacionar

Sempre seremos levados na roda da vida…

Quanto tempo temos?

Alda M S Santos

Atemporal

ATEMPORAL

Que não tem tempo, de qualquer tempo

Além de qualquer efeito advindo de temporalidades

Atravessa qualquer época, estação

Cai bem em qualquer tempo ou espaço

E permanece em nós, firme, forte, exigente

Que transpassa e perpassa sentimentos

Agrega, completa, faz parte

E se torna infinito em nós

Atemporal…

Alda M S Santos

Tarde demais?

TARDE DEMAIS?

Tarde demais para se tornar um esportista ou atleta profissional

Mas nunca é tarde demais para cuidar da saúde física e mental

Tarde demais para arrependimentos por atos que causaram algum mal

Mas nunca é tarde demais para aprender e fazer o bem a todos sem igual

Tarde demais para lamentar oportunidades perdidas

Mas nunca é tarde demais para caminhar por novas trilhas pretendidas

Tarde demais para voltar atrás e reescrever aquele capítulo favorito

Mas nunca é tarde demais para fazer do hoje um poema bonito

Cedo ou tarde? Quem poderá dizer?

Importante é viver e deixar viver…

Cedo ou tarde a vida se vai…

Alda M S Santos

Tic tac, tic tac

TIC TAC, TIC TAC

Tic tac, tic tac

O tempo passa para todos

Passa sempre, implacável

Tic tac, tic tac

Passa lento, vagaroso, doloroso

Na ansiedade de quem o marca

Na dor de quem deseja acelerá-lo

Na tristeza de quem não consegue retomá-lo

Tic tac, tic tac

Passa rápido e rasteiro

Na alegria excessiva de querer contê-lo

Na preocupação paralisante de não querer perdê-lo

No prazer intenso do existir e limitante do agir

Tic tac, tic tac

O tempo passa para todos

Passa sempre, implacável

Tic tac, tic tac

Passa o tempo todo o tempo

Passa o tempo no tempo certo, ideal

Nos momentos em que não é notado

Passa melhor para quem não se preocupa com ele

Vive com a sabedoria de sabê-lo finito

Mas age com a dedicação e intensidade

Amor e doação, como se o tivesse infinito…

Tic tac, tic tac

Passa o tempo, o tempo passa…

Vou vivendo…como sei…aprendendo…

No ontem, no hoje, no sempre…

Alda M S Santos

Previsão do tempo

PREVISÃO DO TEMPO

Tempo propenso a grandes instabilidades físicas e emocionais

O ar úmido e quente vindo dos trópicos alheios pode nos atingir em cheio

Avariando corpo, mente, alma e coração

Maré alta em nossos oceanos acabam por provocar grandes tormentas, frustrantes e dolorosas ressacas

Umidade interna intensa e sujeita a transbordamento ocular

Nebulosidade ao longo do dia turvam a visão ocasionando temporais isolados e destrutivos

Ventos polares fortes trazem a conhecida, terrível e viral massa de ar frio

Causadoras de males pulmonares, circulatórios e cardíacos

Agasalhe suas emoções! Movimente-se!

No oeste há chuvas torrenciais, cuidado com inundações e os lixos trazidos

Lembre-se do guarda-chuvas!

Granizos de variados tamanhos podem machucar, causar grandes danos e deixar marcas

Aproveite para colocar na enxurrada o que não mais lhe serve

No leste, chuva fina intermitente, daquelas que aguam o passado, baixam a resistência no presente, comprometem o futuro

No Sul possibilidade de alta luminosidade, sol forte e calor

Abra as janelas da alma, deixe a brisa suave e o sol entrar, aqueça-se

Coloque os guardados para tomar um ar

Tome um ar você também, inspire fundo, expire…

O tempo é só o tempo: mutável e instável

O clima é o que fazemos dele…

Escolha um clima bom para você viver!

Alda M S Santos

Era apenas o tempo…

ERA APENAS O TEMPO…

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que quase sempre torcemos para que passe rápido

Quando esperamos por algo que nunca chega

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que passa veloz, matreiro

Quando o desejo é que se eternize em nós

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que às vezes se arrastou, torturante

Quando a dor doía muito, sangrava, matava aos poucos

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que gostaríamos de ter melhor observado, aproveitado

Quando olhando longe, para trás ou para frente, o perdemos

Era apenas o tempo que passou…

Aquele que queremos retomar, recuperar, reverter, consertar

Quando percebemos o quanto erramos conosco e com os outros

Era apenas o tempo

Quando percebemos, se foi…

Foi apenas o tempo que passou…

E nós aqui ficamos resgatando lembranças

As pequenas e saudosas migalhas que ele nos deixa

Para reconstruir, ainda que mentalmente,

Tudo aquilo que ele “levou” de nós…

Era apenas o tempo que passou…

Alda M S Santos

O tempo

O TEMPO

Se ignorássemos que o relógio trabalha do mesmo modo para todos

Acreditaríamos que ele privilegia alguns: passa mais devagar, mais acelerado ou até pare, dependendo da pessoa

Os mesmos 50, 60 ou 70 anos não têm o mesmo efeito para todos

Pesos diferentes para rostos, corpos, mentes e almas diferentes

A genética e a questão sócio-econômica pesam, bem sei

Mas não é o que faz a diferença maior entre as mesmas sessentonas, setentonas ou cinquentões

O efeito do tempo parece amenizado em alguns rostos, corpos e almas

Valem-se muitas vezes de preenchimentos estéticos, próteses, cirurgias, cremes e botox

Mas não há nada, nenhum recurso estético que mantenha tão bem um olhar brilhante e terno

Um sorriso lindo, um colo acolhedor, um corpo ágil e alma leve

Quanto uma vida recheada de amor, carinho e compaixão

Que acabam por aumentar o poder de atração e prazer na companhia de alguns

E reduzem uns 10 anos de rugas no rosto e de “peso”nas costas daqueles que não se entregam

Amor não vivido, gritos calados, sonhos desfeitos, culpas e medos têm efeito terrível no corpo e na alma

Mais que marcado por rugas, o rosto se torna opaco e sem brilho

As costas parecem carregar o mundo, o passo reduz, a boca só emite amargor

A vida bem vivida, em paz consigo mesma, com amor, sem excessivas cobranças

Tem o poder de fazer o relógio ser mais lento, andar ao contrário, quase parar

Melhor, tem o poder de fazer cada segundo se eternizar no tempo…

Alda M S Santos

Ampulheta

AMPULHETA

Viemos de fábrica com uma ampulheta invisível

Cada qual com uma diferente

Com um tempo já contado

Mas vale o mesmo para todos

Se fixarmos nela nossas vistas, nossas energias, nossas preocupações

No tempo que ainda nos resta

Não conseguiremos segurá-lo ou fazer com que passe mais devagar, ou mais depressa

Apenas o tempo não terá qualidade, não será devidamente aproveitado.

Certo é que ele passa, a vida passa

Quem fica parado ou muito preocupado está tentando segurar a ampulheta.

E perdendo um tempo valioso de amor e alegrias!

Alda M S Santos

Imagem google

Amadurecer

AMADURECER

Envelhecer é sentir que o tempo que resta é pouco

Para o tamanho dos sonhos que se quer realizar.

Amadurecer é sonhar todos os sonhos possíveis,

E notar que o tempo se faz ao realizar cada um deles…

Alda M S Santos

Dores

DORES

Uma sombra escura, uma luz que não clareia,

Um sorriso que não ilumina, uma palavra que nada diz,

Uma fome insaciável, uma sede não identificada,

Um silêncio inoportuno, uma distância forçada,

Uma mágoa contida, um olhar apagado,

Um amor não correspondido, um desejo represado,

Um sonho tão sonhado, não realizado,

Um tempo tão longo, tão improdutivo,

Uma realidade dura, crua, não digerível,

Uma esperança que morre, por fim.

Ausências, ausências, ausências…

Uma energia que se esvai e se esgota,

De onde tudo deveria brotar…

Alda M S Santos

Tarde demais?

TARDE DEMAIS?
Cedo ou tarde,
Quem pode determinar
Além da vontade e da fé
De tudo realizar?
Cedo ou tarde,
Quem pode determinar
Além de uma alma lutadora
Que enxerga o amor em tudo?
Cedo ou tarde,
Quem pode determinar
Além do próprio desejo
De fazer acontecer?
Tarde demais?
Quem pode dizer além de você?
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: