TÚNEL DO TEMPO

Estamos todos num longo túnel a passar

Momentos claros, outros escuros

Onde vãos ora rápidos, ora devagar

Por vezes há pontes, noutras há muros

Há momentos em que queremos estacionar

Cansados, não há desejo de avançar

Às vezes  pro passado vai o olhar

Noutras pro futuro quer saltar

Mas a máquina do tempo é traiçoeira

Com ela não se pode dar bobeira

Passado ou futuro não é brincadeira

O jeito é seguir a linha, sem sofrimento

Aquela que o trem vai faz tempo

Pra frente sempre, no ritmo do pensamento

Alda M S Santos