Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

água

Água ou fogo

ÁGUA OU FOGO?
Água ou fogo, calor ou frescor
Calmaria ou tempestade
Doçura, delicadeza e bondade
Ou atitude, agitação, lutas, felicidade
Sem falso pudor?
Água ou fogo?
Em qual deles encontramos o que mais precisamos
Voo livre ou terra firme
Asas ou raizes
Liberdade ou segurança
Troncos ou galhos, flores ou frutos?
Que buscamos?
Almejamos aquilo que nos atiça, energiza
Ou aquilo que nos acalma, tranquiliza
Qual elemento mais nos completa
Água ou fogo?
É preciso ficar alerta
Água que lava, refresca,
Nos leva em seu curso
Ou fogo que nos aquece, alimenta, instiga,
Consome o que nos faz mal
Ativa o bem e apaga toda intriga?
Água ou fogo?
Depende do que mais necessitamos no momento
Ambos podem nos limpar, purificar
Nos permitir recomeçar…
Água ou fogo?
Que saibamos escolher o elemento certo
No momento mais incerto…
Alda M S Santos

Ele me trouxe

ELE ME TROUXE

Gosto de pensar que cheguei aqui trazida pelas águas

Isso explicaria meu encanto por elas, doces ou salgadas

Quando Ele decidiu que eu deveria vir para cá

Pensou que seria para mim um bom modo de chegar

Posso passar horas nelas admirando, olhando

Curtindo, andando, amando…

É uma fantasia multicor, surreal

Por vezes parece tão distante, outras tão real

Mas é um misto de encanto, respeito, medo, ansiedade

Será que também voltarei como cheguei, será verdade?

Nos braços das águas para minha definitiva morada na eternidade?

Enquanto isso não acontece

Não importa se amanhece, entardece ou anoitece

Vou por aqui admirando toda essa beleza

Quero mesmo é fazer parte dessa natureza…

Alda M S Santos

Quisera ser rio

QUISERA SER RIO

Quisera ser rio que sabe que seu destino é o mar

Que segue sempre em frente sem se preocupar

Levando vida e alegria por onde passar

Por vezes, leva até destruição

Pra quem com ele não sabe lidar não…

Quisera ser rio e das pedras saber desviar

Obstáculos contornar, afluentes aceitar

Ora tormenta, ora remanso, calmaria

A sede matar, doces amantes banhar

Mas sempre seguindo rumo ao mar

Quisera ser rio, ser vida, em qualquer situação

Sendo a paz e o amor que o mundo necessita

Sabendo que sua força brota do chão, renovação…

Alda M S Santos

Quero água

QUERO ÁGUA

Quero água!

Pode ser do rio ou do mar

Ou de uma bela cachoeira

Não sou tão exigente

Límpida, cristalina, quero é me banhar

Não dá para ficar de bobeira

Para não desidratar

O calor não tá de brincadeira

O ar tá seco, tá difícil respirar…

Quero água!

Uma piscina, uma ducha

Até mesmo um banho de mangueira

Mas bom mesmo seria

Uma boa chuva na moleira

Correr, brincar, me esbaldar

Poder na tempestade me encharcar

E depois, toda molhada, refrescada

Ter alguém para, toda faceira,

Poder abraçar e amar…

Quero água!

Alda M S Santos

Água ou fogo?

ÁGUA OU FOGO?

Água ou fogo, calor ou frescor

Calmaria ou tempestade

Doçura, delicadeza e bondade

Ou atitude, agitação, lutas, felicidade

Sem falso pudor?

Água ou fogo?

Em qual deles encontramos o que mais precisamos

Voo livre ou terra firme

Asas ou raizes

Liberdade ou segurança

Troncos ou galhos, flores ou frutos?

Que buscamos?

Almejamos aquilo que nos atiça, energiza

Ou aquilo que nos acalma, tranquiliza

Qual elemento mais nos completa

Água ou fogo?

É preciso ficar alerta

Água que lava, refresca,

Nos leva em seu curso

Ou fogo que nos aquece, alimenta, instiga,

Consome o que nos faz mal

Ativa o bem e apaga toda intriga?

Água ou fogo?

Depende do que mais necessitamos no momento

Ambos podem nos limpar, purificar

Nos permitir recomeçar…

Água ou fogo?

Que saibamos escolher o elemento certo

No momento mais incerto…

Alda M S Santos

Águas passadas

ÁGUAS PASSADAS

Águas passadas não movem moinhos

Diz sabiamente o ditado popular

Por que sempre voltamos ao mesmo moinho

Acreditando encontrar as mesmas águas a movê-lo

Ou buscando naquelas novas águas que agora o fazem rodar

As mesmas características anteriores?

Se o moinho é o mesmo, e continua sendo movido à água

Algo semelhante haverá entre essas e as águas passadas.

Buscamos nova familiarização, nova sintonia

O que nem sempre nos atentamos

É para o fato que o moinho também se modificou,

Não é o mesmo moinho de outrora

Tem fissuras, partes escurecidas, está mais silencioso ou barulhento

As mesmas águas que passaram e foram embora rio abaixo

Fizeram seu trabalho na roda do moinho

Deixaram ali sua marca…

Águas passadas não movem moinho

É verdade!

Mas o deixam cada vez mais forte e eficiente

E capaz de aproveitar melhor a força das novas águas …

Águas passadas são lições aprendidas

Nos livros dos moinhos de nossa existência…

Alda M S Santos

Mergulhos

MERGULHOS

Água: um delicioso e assustador mistério

Oceanos, mares, lagos, lagoas, rios, cachoeiras, poços

Caindo do céu, escorrendo nas pedras, formando lençóis freáticos

Minando da terra, evaporando no ar

Abastecendo a terra de vida nesse ciclo sem fim…

Leves, pesadas, fortes ou tempestuosas

Convidativas ao mergulho, a nelas se aventurar

E ali, deslizando suavemente, cada vez mais longe

Se perder…ou se encontrar…

Alda M S Santos

A primeira vez

A PRIMEIRA VEZ

Minha primeira vez foi aos 21 anos num único fim de semana

Apaixonei-me perdida e irremediavelmente

Será que meu olhar foi assim tão belo

De prazer, êxtase, encanto, espanto, admiração?

Dois anos mais tarde eu o apresentei ao meu marido na lua de mel

Extasiante!

Seis anos depois foi a vez dos nossos filhos conhecê-lo

Mistura de expectativa, satisfação, aventura e um leve medo

Diante de tão extensa maravilha…

E muitas outras vezes vieram, muitas alegrias nele vividas…

Agora eu o apresento ao meu pai e me pergunto:

Como pôde ter se negado esse prazer até os 75 anos de vida?

Água, areia, sal, força, tudo impressionando…

Mas nunca é tarde para aqui chegar

Para conhecer o mar, esse oceano de lindas possibilidades …

Oh mar! Saudades de você!

Como na primeira vez, cá estou eu novamente

A paixão cresceu, amadureceu e se transformou num amor eterno…

Alda M S Santos

Alma sedenta

ALMA SEDENTA

Basta um mínimo de água

Pode ser num copo, numa torneira

Em ondas revoltas do mar, contornando pedras numa cachoeira

Num pequeno riacho, caindo do céu ou escorrendo dos olhos

Para matar a sede, a saudade de um lugar

Para se refrescar, fazer uma tempestade ou se afogar …

A quantidade necessária a cada um

Ou o uso que dela se faz é individual

Pode ser apenas enxugando os olhos molhados

Refrescando os pés descalços, relaxados

Abrindo os braços para se encharcar

Mergulhando fundo até não mais voltar

Ou até obter abastecimento satisfatório da alma sedenta…

Alda M S Santos

Decantar para não desencantar

DECANTAR PARA NÃO DESENCANTAR

Diante da turbidez de nossas águas

Das impurezas acumuladas em nosso dia a dia

Tudo misturado, leve e pesado, transparente e escuro

Coisas que atraímos, outras que são jogadas em nós

Ou resultado do viver intenso, de afluentes gerados

Tornando difícil o nadar, o navegar, o respirar, o viver

É preciso um processo de decantação

Antes que nos desencantemos desse nado

Depois de tanto agito, parar um pouco, acalmar nossas águas

Deixar que se separem os elementos incompatíveis

Usar a fé, a sabedoria, a alegria de viver como decantadores

Tudo ficará mais claro, bem separado

O essencial e importante do supérfluo e desnecessário

Aí poderemos retirar os “excessos”

E voltar a nadar livremente…

Alda M S Santos

Paradoxal e intensa relação

PARADOXAL E INTENSA RELAÇÃO
Paradoxal encantamento e admiração
Associados a um medo gigantesco
Contraditória e intensa atração atrelada
À incapacidade de profunda proximidade e enfrentamento
Fascinante e envolvente como o canto de uma sereia
Assustadora como noite sem lua e estrelas
Chama, esfria e esquenta, encoraja e atemoriza
Atrai e repele, vai e vem
Tão necessária quanto o oxigênio
Tão completa, tão essencial
Amor incomparável
Doce ou salgada, parada ou corrente
Amor bandido, amor sem fim
Complexa essa minha relação
Jamais saberia viver sem ela
Mas nunca poderia mergulhar fundo nessas águas
Sob o risco de não mais voltar…
Vou, assim, “mergulhando”, mas com os pés firmes no chão…
Alda M S Santos

É natural…

É NATURAL…

É natural amar e querer reciprocidade no amor

É antinatural exigir o que deve ser gratuito

É natural buscar a paz, a tranquilidade

É antinatural fazê-lo em detrimentos dos outros

É natural sorrir, encantar, contagiar, espalhar vitalidade

É antinatural querer que todos sejam iguais nesse processo

É natural conquistar, evoluir, crescer

É antinatural passar por cima dos outros para consegui-lo

É natural chorar, sofrer, sentir dor

É antinatural causar isso nos outros

É natural valorizar a saúde, a vida, a sobrevivência, nossa e dos outros

É antinatural colocar tudo isso em risco conscientemente

É natural confiar, acreditar, ter fé e esperança, se entregar

É antinatural desconfiar de tudo e de todos, temendo se prejudicar

É natural a vida que se impõe sempre

É antinatural não se importar com ela

Alda M S Santos

Enxurrada

ENXURRADA

Desce os morros, nos cantos, a princípio

Espalha-se pela rua toda, clara em alguns pontos

Muita água corre nessa enxurrada

Está tão suja, barrenta!

Veio lavando muita sujeira pelo caminho

Ainda assim, parece convidativa

Uma enxurrada, ou desperta a criança em nós,

Desejo de andar naquelas águas, molhar-se, molhar o outro, dar gargalhadas

Ou desperta um adulto frustrado e triste, resmungão

Daqueles que têm medo e nojo de tudo, amargurados

Sob o risco de contaminação por uma doença qualquer

Ainda prefiro ser o adulto/criança que brinca na enxurrada

A ser aquele adulto que já matou a criança em si

E sofre de uma outra patologia mais grave: o medo de viver…

Alda M S Santos

Como água

COMO ÁGUA

As mesmas duas moléculas de hidrogênio ligadas à uma de oxigênio: água

Mas o que é capaz de fazer sempre irá depender daquilo que encontrar pela frente

Com quais outras substâncias irá se associar

Dos obstáculos que enfrentará, das aglutinações,

Pode ser capaz de produzir, construir, transformar ou destruir,

Até mesmo brotar de áreas inesperadas, das pedras

Somos como água!

Sempre contornando obstáculos, desviando de áreas difíceis,

Encontrando composições atraentes, repelindo o negativo

Até mesmo uma queda tão alta, que pode aparentar total destruição

Pode gerar energia, vida,

E seguir abrindo caminhos em leitos de rios caudalosos por aí,

Desde que, como ela, sempre tenhamos preservadas nossas “moléculas”, nossa essência,

Independente das associações ou quebras da vida…

Alda M S Santos

Nascentes

NASCENTES

Observando um olho d’água, uma pequena mina

Surgindo da terra tantas vezes árida

Mas sempre, sempre cercada de vegetação

Percebo o quanto há de belo nisso tudo!

Pequenas gotas que brotam vão se agigantando

Seguem, sempre em frente

Contornando os obstáculos

E formando nossos grandes rios. 

Somos terra, somos férteis

Se não cortarmos nossas “matas ciliares”, 

Sempre poderá brotar de nós algo de bom, de gota em gota

E que poderá irrigar a todos a nossa volta.

Natureza sábia que sempre nos ensina. 

Alda M S Santos

Banho

BANHO
Quero um banho profundo e demorado
De banheira, chuveiro, rio, mar, lago ou cachoeira.
Mas quero um banho que me lave por dentro
Que saiba o que levar e o que deixar
Que saiba o que renovar, hidratar, dar brilho
E deixar um delicioso perfume de gente boa
E de vida nova…
Alda M S Santos

Matas ciliares

MATAS CILIARES
Degradando nossas matas ciliares, que nos amparam e protegem,
Diminuindo nosso espelho d’água, que recebe e reflete luz,
Aumentando os obstáculos no leito do rio que chamamos Vida,
Ficamos represados num mesmo lugar, causamos grandes erosões internas…
Não há curso d’água, não há flora ou fauna,
Não há atrativos quaisquer,
Há apenas mágoa (má água),
Sem proteção, sem água corrente, sem luz, sem vida!
Faz-se necessário o equilíbrio!
Para que nosso reflexo seja visível e real.
Alda M S Santos

Sede de quê?

SEDE DE QUÊ?

Sedentos estamos todos

A água disponível não é a ideal

Parada, corrente, concentrada, com ou sem sabor.

Inúmeras opções de cores e odores.

E precisamos apenas da velha e boa H2O:

Insípida, incolor e inodora.

Mas perfeita no que lhe cabe: saciar a sede!

Alda M S Santos

Causando

CAUSANDO
Causar, abafar, abalar, agitar!
Entre tantas novas ondas,
Que vão e que vêm, que fazem barulho, que se esvaem,
Prefiro ser aquela água fresca que chega devagar
Refresca e deixa-se absorver pela areia
E, sem qualquer estardalhaço, unem-se
Como dois amantes,
Tornando a paisagem mais linda!
Alda M S Santos

Água

ÁGUA!

Sempre fui apaixonada por água

Não nado bem, tampouco bebo o bastante

Mas ela exerce verdadeiro fascínio em mim

Não importa como se apresente:

Rio, cachoeira, mar, lagoa, chuva, nascentes…

Posso ficar horas admirando!

Água tem o poder de me acalmar

Molho os pés, a nuca, lavo o rosto, sento à beira

Ouço o barulho suave do rio ou furioso da cachoeira ou tempestade,

Mergulho, sinto seu frescor, lavando tudo.

Tudo é encanto! 

Quero ali ficar até tudo de negativo ir embora

Encher-me de positividade

Restabelecer a confiança, o amor

A fé no ser humano, na vida, em mim mesma

Enquanto houver água correndo,

Haverá encanto, haverá vida. 

Água que nasce, que brota

Que corre, que cai, que vai, me leva…

Em busca de outros caminhos

De outras águas,

Em busca de mim…

Alda M S Santos

À beira-mar

À BEIRA-MAR

Caminhar é muito bom

Sensação de ir andando e deixando para trás tudo que faz mal

Buscar à nossa frente coisas novas, novos ares…

À beira-mar, prazer inenarrável.

A brisa ajuda a empurrar para trás o negativo

A areia macia dificulta os passos, acelera os pensamentos

Ajuda a mente a esquecer o que machuca 

A processar o novo que bate à nossa porta sempre

A água que vez ou outra nos convida a brincar

Como criança correndo, indo e vindo, barulhenta

Sol gostoso que aquece

Água fresca que molha

Numa troca boa de sensações…

Algumas pessoas para lá, outras para cá

Parecem fazer o mesmo

Umas acompanhadas, outras sós

Cada uma atrás de seus óculos escuros, mergulhadas em seu mundo particular

Para completar essa catarse

O convite para brincar é aceito

Saída de praia, chapéu e óculos na areia

Observam o mergulho naquelas águas que revitalizam

Se pensassem perceberiam o risco de serem ali abandonadas para todo o sempre…

Alda M S Santos

Natureza

NATUREZA
Água, natureza…
Reabastecedores naturais de energia.
Frescor, som, cheiro,
Encanto captado pelos sentidos,
Levados diretos para a alma…
Sem contra-indicações
Sem risco de super dosagem
Permite interações medicamentosas
Periodicidade individual
Eficácia de 100%.
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: