VONTADE DE SUMIR
Quem nunca teve essa vontade, em alguma fase da vida, que atire a primeira acusação.
Não importa a causa, a razão ou a ausência de motivação…
Nem se para o outro não é motivo bastante. O que devemos considerar é que quando temos esse pensamento estamos sofrendo.
Estamos lidando com algo que, ao menos no momento, julgamos que seja superior às nossas forças.
Várias podem ser as causas: um prejuízo financeiro, perda de emprego, de um amor, de uma amizade, uma doença…
Somos únicos e lidamos de modo único com nossos problemas.
Pode ser que tenhamos acumulado coisas demais e a gota d’água tenha sido uma briga com o companheiro.
Desse modo, pode parecer que o desejo de sumir seja sem propósito e repentino, mas só quem o vive sabe o peso que tem.
Há, obviamente, os casos graves de depressão, em que esse desejo de fugir surge com mais frequência.
Esses casos, além da ajuda de familiares e amigos, torna-se necessário também o tratamento terapêutico e espiritual.
Mas quando ocorre entre os ditos “normais”, apenas alguns cuidados devem ser tomados.
Precisamos respeitar esse grito de nossa alma. A vontade de sumir é um pedido de socorro, um grito de pare, me dê um tempo.
Muitas vezes, tudo que precisamos é fugir para dentro de nós mesmos.
Pode haver coisas demais em conflito lá dentro, precisando sair, se organizar…
Fazermos uma faxina emocional. Descartar coisas, guardar outras com carinho, tirar algumas de evidência.
Talvez precisemos de ajuda externa, mas muitas vezes precisamos só de nós mesmos.
Chorar, gritar, ouvir música bem alto, orar, isolar-se, dirigir sem rumo, até mesmo viajar por uns tempos.
Respeitar nosso tempo. Até nos encontrarmos conosco mesmos.
A vontade de sumir é a vontade de nos reencontrarmos.
No fundo, sabemos que nosso lugar é onde estão aqueles que amamos e que nos amam.
Muitas vezes, ao ouvir isso de alguém, nossa tendência é “segurar” os que desejam ir.
Não adianta. Eles precisam de tempo para se encontrar. Devemos apenas estar por perto para ampará-los, abraçá-los, amá-los, quando voltarem.
Certo é que onde quer que a gente vá, levaremos conosco nossa mente, nosso coração, nossa alma…e tudo e todos que lá estiverem.
Que a gente vá, se encontre e volte ainda mais forte!

SetembroAmarelo

Alda M S Santos