QUE NÃO DOA TANTO SER GENTE
Algo errado, muito errado, desumano
Que acaba por acionar angústias e tristezas represadas em nós
Nossas comportas também se rompem
Sensação de não pertencimento a esse lugar
Desvalorização da vida, dos sentimentos, das conquistas
Vidas hierarquizadas, sem critério algum
Saudades de outros tempos, de outras pessoas
De uma época em que sabíamos valer algo
Talvez nem valêssemos, mas não percebíamos assim
A ignorância dos fatos é, muitas vezes, uma bênção
Pessoas lançadas umas contra as outras
Por questões políticas, religiosas, sociais, financeiras
Não se sabe mais ao certo o que é importante
Uma barragem se rompe lá e estoura algo aqui dentro da gente
Saudades…
Saudades de um tempo bom
Em que não éramos apenas números
Uma imagem embaçada na memória, um retrato na estante
Ou do que éramos noutro tempo
Quando não matávamos tudo, até sentimentos
Esse tempo existiu mesmo?
Quero um mundo novo, mais humano
Quero um lugar novo, onde não doa tanto ser gente
Quero ir embora daqui
Quero reencontrar a esperança e a capacidade de sonhar
E afastar o pesadelo da realidade…
Alda M S Santos