SENTIMENTOS TÃO (DES)HUMANOS

Determinação : Você poderia me arrumar um emprego? Quero trabalhar!

Arrependimento: Vim de Pouso Alegre e acabei aqui sem pouso.

Fome: Pode repetir? Estou faminto hoje!

Depressão: Faço uns bicos durante o dia, durmo no abrigo, saio às vezes, a depressão bate fundo.

Fé: Um dia estarei do lado que vocês estão, se Deus quiser!

Tristeza: Meu filhinho de três anos está internado.

Maternidade: Preciso de roupas de criança. Lembra de mim e do meu filhinho loirinho e de olho azul?

Vaidade: Gosto de sabonete cheiroso, esse é bom!

Preferências: Não posso com esse cobertor, sou alérgico, pinica!

Simplicidade: Tem um chinelo ou tênis? Se for grande pode ser de mulher mesmo!

Humildade: Não tem mais blusa de frio? Tenho frio! Pode me dar essa sua?

Satisfação: Que massa! Ganhei uma blusa do Galo(Atlético MG)

Simpatia: A vida na rua dói, moça! Tem pasta de dente aí, ajuda a sorrir!

Mulher: Acabaram os absorventes? Estava precisando…

Oportunismo: Tem gente que pega coisa que tem, eu não faço isso, não!

Má índole: Pode me dar uma sacola grande? Se a gente não dormir por cima eles roubam!

Vícios: Não dê cobertores para aqueles lá, não, que vendem para comprar “cola”.

Gratidão: Deus abençoe e proteja vocês!

Realidade: E assim segue a vida nas ruas de Belo Horizonte

Nos cantos, nas filas de doações, nas camas improvisadas

No fogo para aquecer, na bebida ou droga para esquecer

Nas barracas de cobertores que servem de casa, dia ou noite…

Sentimentos tão (des)humanos que transbordam

No meio de todos nós…

Alda M S Santos