Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

chuva

Manhã de chuva

MANHÃ DE CHUVA

Espreguiçou-se toda feito gata
A claridade do dia passava pela persiana
Mas não havia sol, estava tudo acinzentado
O corpo meio descoberto, noite quente
Na janela a chuva batia fina e insistente
Sonhos bons da noite invadiram sua mente
A cama estava ainda com seu calor
Aquela música da chuva era inebriante
Um misto de agitação e alegria a atingia
“Bom dia, chuva! Que bom que deu o ar da sua graça!”
Dia de chuva era assim, ficava cheia de energia, de ideias …
Levantar, sair para se molhar, olhar os outros a correr
Ver a alegria de plantas e bichos
Ou ali ficar mais um pouco, só curtindo?
Tantas opções ela via para um dia de chuva…
Resolveu ficar um pouco mais na cama
Encostou-se ronronando ao seu “cobertor de orelha”
Ele abriu os olhos, sorriu, “bom dia”!
E o dia deles começou ali…

Alda M S Santos

Chuvinha

CHUVINHA

Chuvinha caindo lá fora

Ela continua ininterrupta

Despertando prazer, medo, nostalgia

Não atinge a todos da mesma forma

Alguns se molham por prazer

Outros por falta de opção ou abrigo

De alguns leva a tristeza, a incerteza

Irrigando o coração e a vida

Traz alegria, satisfação, magia

De outros leva bens, trabalho, afetos, um futuro

Traz dores, desespero, prejuízos, angústia, é duro!

Pode cair, chuvinha, mas seja boazinha

Não maltrate esse povo que já sofre tanta agonia

Que estejamos protegidos e abrigados

Que possamos ser o abrigo a quem precisar

Um lugar para o corpo, para a mente, para a alma se abrigar…

Alda M S Santos

Chuva combina com o quê?

CHUVA COMBINA COM O QUÊ?

Chuva combina com o quê?

Uma rede, um livro, um poema

Sofá, pipoca, filme, qual o tema?

Chuva combina com o quê?

Casaco, galocha, indisposição

Música, viola, animação?

Chuva combina com o quê?

Uma sesta depois do almoço

Um dia sem muito alvoroço?

Chuva combina com o quê?

Rosto rosado, nariz gelado

Um beijo sob o guarda-chuva, molhado?

Chuva combina com o quê?

Raios, medos, trovões

Um colo que acolhe corações?

Chuva combina com o quê?

Um banho longo e quentinho a dois

Um amor lento e gostoso depois?

Chuva combina com o quê?

Com natureza, beleza, poesia

Com poetas em perfeita sintonia?

Chuva combina com vida que se renova

A cada gota que abastece e bota nossa existência à prova…

Saudade de combinar com a chuva…

Alda M S Santos

Chuva lá fora

CHUVA LÁ FORA

Quero ouvir o tamborilar da chuva no telhado

E o bater do seu coração ao meu lado

Enxergar as gotas escorrendo na vidraça, tudo molhado

Enquanto aqui, deitados, sob o cobertor

Tudo é calor…

As árvores balançando, entregues ao vento

E nós aqui, entregues a esse momento

Uns raios lá fora iluminam a tarde escura

E trovões que apavoram rasgam o céu, total bravura

Mas aqui, tudo é paz, é doçura …

Amo a chuva lá fora, leve candura

Amo nós dois aqui dentro, doce aventura…

Alda M S Santos

Pede o quê?

PEDE O QUÊ?

“Hoje é domingo, pede cachimbo”

Que pede seu domingo?

Uma neblina baixa, friozinho

Chuvinha fina, insistente

As flores até demonstram um sorrisinho

Voam no céu, ignoram a chuva os canarinhos

Galos cantam ao longe, saracura saliente

Só os bichos acordaram, não estão sozinhos

E eu aqui na rede na varanda

Bom dia!

Meias nos pés, respirando essa poesia

Domingo pede descanso, pede calor

Pede café recém coado, um queijo coalhado

Pede um amor debaixo do cobertor

Domingo pede magia, pede poesia

Pede nós dois aqui em harmonia…

Hoje é domingo, pede um pingo de chuva, de vida

Agradeço, sem choramingo

A chuva, o amor, a paz e a magia de viver…

Seu domingo pede o quê?

Alda M S Santos

Quero chuva

QUERO CHUVA

Quero chuva na minha primavera

Abraços e amor quando tudo for solidão

Uma vida por demais sincera

E alegria constante no coração

Quero chuva para disfarçar meu pranto

Fazer brotar meus jardins internos

Dos pássaros ouvir o canto

E amigos cada vez mais ternos

Quero chuva para irrigar a vida

Lavar e levar para longe

Tudo que não for bênção, mão amiga

Em ouro, prata ou bronze

Quero chuva, quero alma, quero paz

Quero um viver mais eficaz

De humanos mais amigos

E que não seja tão fugaz!

Quero chuva!

Alda M S Santos

Deixe as águas rolarem

DEIXE AS ÁGUAS ROLAREM

Deixe as águas caírem e rolarem

Sejam das nuvens, das cachoeiras ou dos olhos

Águas represadas por muito tempo

Geram dores, malefícios, ficam ácidas, apodrecem

Águas paradas causam tragédias e destruição

E o que poderia ser uma chuvinha fina, uma garoa bem vinda

Torna-se um furacão perigoso e assustador

Deixe as águas rolarem

Elas sempre lavam o que está sujo

Elas sabem e encontram o caminho a seguir…

Alda M S Santos

Chuva lá fora

CHUVA LÁ FORA

Raios rasgam o céu e atravessam a janela

Trovões estremecem a porta, os tímpanos

Chuva forte no telhado, goteiras intensas

Enxurrada lava tudo

Ou suja tudo, diriam alguns

Cá dentro estamos seguros

As árvores se agitam nervosas

A terra se encharca, bueiros transbordam

O barulho lá de fora sobressai

E acalma o barulho cá de dentro

Uma boa chuva sempre molha

Até mesmo aqueles que dela se protegem

Ainda que não nos molhe por fora

Sempre nos irriga por dentro

E nos torna um terreno quente e úmido

Permitindo que algo de novo brote

E que faça o amanhecer em nós mais bonito…

Alda M S Santos

Louca-molhada

LOUCA-MOLHADA

Quero poder caminhar na chuva, me encharcar

Trocar fluidos com ela

Me embriagar, entorpecê-la

Louca?

Louca-varrida, louca-molhada, louca-feliz ou infeliz

Louca-menina, louca-mulher, louca de alma infantil

Simplesmente, louca!

Quero correr debaixo do temporal

Chutar água, abrir os braços, cantar, sorrir, chorar

Afastar todo o mal

Pedir e oferecer o perdão, a gratidão

Que a água leve, que a água traga

A vida que nasce e renasce em cada gota

Quero me inundar

Sem guarda-chuvas, sem proteção

Protegida pela emoção de viver

E de sonhar

E quem sabe num ponto qualquer te encontrar?

Alda M S Santos

Sol e chuva

SOL E CHUVA

Entardecer, o dia vai ceder o lugar para a noite

Ora sol, ora chuva, ora sol e chuva

Nessa disputa entre secos e molhados, quem vencerá?

Sei que o espetáculo sou eu quem curto

Cada flor, cada folha, cada matinho mais verde e brilhante

A cadelinha se espreguiça em busca de um carinho

Canarinhos já não se recolhem

Comem, voam, namoram na chuva e sol

Sequer se preocupam, acostumados a qualquer mudança

E às intempéries da natureza…

São resilientes!

Não carregam pesos desnecessários

São apenas o que são, criaturas do Criador

E se alegram por isso

Voam livres… vivem…

Alda M S Santos

Brotos de amor

BROTOS DE AMOR
A chuvinha está como a gente, vez ou outra
Será que está a nos copiar?
Cai intensa, forte, contínua, dura uns bons minutos
E para…
O tempo abre, o sol aquece, também dura pouco tempo
E a chuvinha volta a cair intensa…
Parece conosco quando temos muito a chorar
A alma para lavar, muitas mágoas presas a soltar
E, fortes, insistimos em manter nosso sorriso aberto
Algumas recaídas, mais lágrimas e soluços
E novamente sol, sorrisos…
E nesse troca-troca a vida se renova
Se abastece de água e calor, de lágrimas e sorrisos
Irrigando a semente de um amanhã promissor
Que brota insistente nas terras onde se plantou amor…
Alda M S Santos

Névoa

NÉVOA

Caía uma névoa fininha

Daquelas que embaçam o tempo

Esfriam até nossos ossos

Da varanda, tomando uma xícara de café recém coado eu observava

Como a natureza tem a capacidade de atingir nossas emoções!

Quando fica assim sinto-me em outro mundo

Dizem que é o momento em que a tristeza e depressão têm seu auge

Tem-se a percepção de que a Terra parou…

Poucos passarinhos se arriscavam a sair de suas casas

A cigarra sossegou seu canto

Beija-flor aparecia e beijava mais rápido que o normal

Para logo se recolher e se aquecer

Parece que a ordem geral em suspense era: recolham-se!

Uns recolhiam-se para dentro de suas casas

Outros, para dentro de suas lembranças e emoções

Outros para os recônditos de suas almas inquietas

Muitos não achavam para onde se recolher

Perdidos…

Esses que costumam não achar o caminho de volta…

Gosto de tempo assim!

Saio admirando as flores molhadas

Os bichos recolhidos, as pessoas que passam apressadas

Ou aquelas que nem se importam com aquela névoa

Que insistia em atingir os ossos

Volto e vou acender o fogão à lenha

Aquecendo…

Alda M S Santos

Saturando

SATURANDO

A dor nem sempre é aguda como os raios que riscam de prata o céu escuro

A dor nem sempre faz barulho como os trovões que fazem tremer tudo abaixo das nuvens

A dor nem sempre é de devastação pontual e rápida como tornado ou tsunami

A dor, muitas vezes, pode ser crônica, fininha, contínua, persistente

Como a chuvinha silenciosa que cai insistente na terra já saturada

Atinge fundo, vai encharcando pouco a pouco

Com avisos ignorados ela vai pesando, trincando, rachando, devastando

Até que provoca grandes deslizamentos dos morros e encostas mais resistentes…

Quem vigia apenas as grandes tempestades

Acaba sendo atingido, levado pela garoa insistente e persistente

Como as dores crônicas físicas ou emocionais nossas de todo dia…

Alda M S Santos

De gota em gota

DE GOTA EM GOTA

De gota em gota ela cai lá fora

A terra sedenta a recebe de boca aberta

Suavemente é engolida, absorvida por sementes e mudas

Os brotos crescem a olhos vistos

A piscina já não se importa

Ali, desnecessária, “completa”

Está cheia, transborda, não tem carências …

O que é excesso para uns

Quase sempre é falta para outros

De gota em gota se mata uma sede

Mas uma tempestade também pode matar…

De gota em gota a chuvinha cai lá fora

Alimenta sonhos, desejos e esperanças

De gota em gota…

Alda M S Santos

Nublado

NUBLADO

Quero um dia inteirinho de chuva

Daqueles cujo céu fique totalmente encoberto

Chuvinha constante, ora fininha, ora mais intensa

Daqueles que nos “autorizem” a ficar o dia todo sob as cobertas

Sem precisar justificar, sem precisar de um porquê

A nostalgia e introspecção comuns desses dias nos liberam para tal

Eles são, por si só, a razão do recolhimento

Sentindo o friozinho úmido lá de fora, as gotas da chuva escorrendo na janela

Cheirinho de terra molhada, flores agradecidas, pessoas correndo

Escondendo-se sob as marquises, dividindo guarda-chuvas

Umas felizes, outras praguejando, esbravejando

Os abraços molhados, os encontros, os reencontros

O amor, a saudade de infância que sempre fica no ar…

Crianças sempre amam, andam nas enxurradas, nada temem

Adoro observar as pessoas em dias assim

O cinza molhado ativa as cores ou ausência delas nas pessoas

Os cães sequer saem das casinhas

O bem-te-vi por certo também está em “casa”

Um pijama macio, uma meia velha, cabelos revoltos, uma xícara de chá

Um livro, um filme ou uma música

Uma história para escrever…

Sei lá…

Dias nublados e chuvosos são dias muito produtivos

Ainda que o produto seja apenas interno e invisível aos olhos de fora…

Alda M S Santos

Janela respingada

JANELA RESPINGADA

Dia cinzento, chuva fina, janela respingada

Corpo e mente pedem cama

Olha lá fora, a vida parece apagada

Entregar-se ao repouso, ao ócio é tudo que sua alma clama

Liga a TV, busca um filme, navega nos canais

Nada encontra de instigante, tudo nostálgico, reprisado

Vai à estante, busca um livro, encontra cartões, fotos, poemas, postais

Num armário abarrotado de memórias, por segurança emocional, poucas vezes visitado

Lembranças começam a jorrar, chover sobre ela, não há como fugir agora

Entrega-se, deixa-se molhar, se encharcar

Combinação perfeita com o tempo lá fora

Entra nesse barquinho de memórias, vai longe, tenciona mergulhar

Prepara remos, snoker, quer sentir tudo de novo, intensamente

Abre comportas, sorri, se compadece, no seu rosto lágrimas conhecem de cor o caminho

A janela e ela, ambas molhadas, respingadas, resignadamente

Toca-a com os dedos, sopra, no vapor desenha um coração, e se deixa levar nesse redemoinho…

Alda M S Santos

Neblina

NEBLINA

Neblina: parece que o mundo sinaliza para a introspecção

Lá fora está tudo fechado e escuro

“Volte para dentro de si, encontre-se”!

“A luz que precisa acende-se primeiro em você”!

Olhamos lá fora, tentamos identificar algo

Mas nada tem nitidez, tudo é sombra

As flores gostam, abrem-se viçosas para o dia

Os passarinhos não se importam

Cantam, felizes! Têm luz própria!

Alguns de nós voltam para dentro e se encasulam

Outros, descem as escadas e enfrentam a neblina

“Neblina na serra, chuva na terra”

“Neblina baixa, sol que racha”

Independente da hora que for, sol ou chuva

A vida não espera por ninguém…

Alda M S Santos

Chuva e lágrimas

CHUVA E LÁGRIMAS

Escorria ininterruptamente no para-brisas sem cessar

O limpador passava rapidamente, meio furioso e limpava

Escorria intermitente no rosto dela o tempo todo

Ela sequer pensava em limpar, deixava escorrer…

Chuva e lágrimas, o carro e ela

Embaçando o vidro, embaçando dentro dela

O mundo lá fora seguia seu curso

Uma linda canção parecia traduzir tudo

Que se passava no exterior e no interior

Do carro e dela…

Combinação cinzenta harmônica e perfeita

Chuva e lágrimas insistentes lavando, limpando, irrigando

Na esperança de desembaçar e trazer novo brilho

Nova vida…

Alda M S Santos

CHUVA E ALGUÉM

CHUVA E ALGUÉM

Chuva! Seu tamborilar no meu telhado é calmante, nostálgico

Instiga pensamentos saudosos, longínquos,

Simplicidade e doçura de alguém…

Suas gotas em minha mangueira e jardim são refrescantes,

Remetem à natureza de alguém…

Olhando ao longe, a cidade acesa, outros telhados,

Quantas impressões, quantas sensações?

Sua umidade nas ruas, debaixo das marquises,

Telhados de alguém,

Pode vir a ser deprimente…

Sua força nos barracos em áreas de risco,

Lares de alguém,

Pode se tornar desesperadora!

A mesma situação pode gerar diferentes emoções.

Qualquer sentimento em nós despertado por algo ou alguém

Sempre irá depender da posição emocional, física ou social em que estivermos…

Somos sempre um alguém dependendo de outros alguéns,

Num mundo que parece tantas vezes não ter ninguém!

Alda M S Santos

Vida Nublada

VIDA NUBLADA

Quem gosta de chuva e dias cinzentos

Tende à depressão- ouvi certa vez.

O tempo lá fora costuma influenciar dentro da gente.

Sol “exige” energia, animação, alegria, festa

Chuva “exige” introspecção, nostalgia, quietude…

Não necessariamente!

O sol ou a chuva apenas conectam o que já há em nós

Potencializam, trazem à tona, tornam visíveis.

Se houver animação, não há chuva que aquiete

Se houver introspecção, não há sol que dê energia

A verdade é que o sol ou a chuva estão dentro da gente

Uns são mais sol, outros são mais chuva

E quem disse que não precisamos de ambos?

Amo dias de sol, mas nada se compara a um

Nostálgico e lindo dia de chuva!

Alda M S Santos

Chuva, chova!

CHUVA, CHOVA!
Chuva, chova!
Só faltava você, seu cheiro
Seu tilintar no meu telhado
Seu pinga, pinga na minha janela
Para embalar meu sono,
Para encantar meus sonhos…
Mas venha com bastante calma,
Pois posso ficar tentada,
A ir aí pra fora
Fazer bagunça junto a ti…
E adeus sono….
Alda M S Santos

E a Natureza chora…

E A NATUREZA CHORA…

Quando a Natureza parece chorar,

Mergulhada num cinza profundo, 

Fria, molhada, ventania, silêncio, outono,

Convida-nos à reflexão, ao recolhimento…

Mostra-nos que em toda estação há beleza,

Incita-nos a aproveitar as possibilidades de cada uma,

Acreditar que há um círculo girando, sempre

Escolhemos o que levar, o que deixar,

E que tudo passa, bom ou ruim,

Basta saber esperar!

Alda M S Santos

Dias ruins?

DIAS RUINS?
Há dias que definimos como dias de sol: céu azul, nuvens branquinhas, temperatura agradável.
Normalmente, convidam à alegria, aos sorrisos, amigos, passeios, interação.
Há também os dias nublados, com chuvinha insistente, meio frios.
Convidam ao recolhimento, reflexão, introspecção, cama e edredom.
Mas não é regra!
Com sol ou chuva, independente do tempo lá fora, ele pode estar nublado dentro da gente.
Aquela sensação ruim, nó na garganta, vontade de chorar por tudo e por nada.
Qualquer coisa corriqueira parece chata, desanimadora.
Uma palavra menos dócil ou uma atitude mais compreensiva, de carinho, bastam para abrir as comportas.
Há quem identifique como TPM, uns como conflitos existenciais, outros de apenas um dia ruim.
Seja qual deles for, melhor mesmo é chorar. Lágrima presa afoga, sufoca, envenena, mata.
Uma amiga costumava dizer que, quando tinha vontade, chorava mesmo, e alto, como criança. Só assim se sentia melhor.
Somos feitos de sorrisos e lágrimas. Devemos respeitar nossas necessidades. Ambos têm razão de ser
Busquemos as que possam proporcionar mais sorrisos, mesmo com sombras no olhar.
Alda M S Santos

Pancadas de chuva

PANCADAS DE CHUVA
Facebook alertava hoje cedo: Previsão do tempo para BH:
Pancadas de chuva! Não saia de casa, Alda!
Onde, quando? – eu me perguntei!
Se for pancada de chuva pode bater com vontade
Abusar de raios, trovões, ventania e muita água.
Mas traga um frescor, por favor!
Prometo me esbaldar! Sem guarda-chuvas!
Não tinham noção do calor e abafamento por aqui.
E não é que ela veio, mesmo?
Não foram “pancadas”, apenas uns leves tapinhas.
Mas que delícia ver a água e a temperatura caindo
Sensação enorme de bem estar e prazer.
Que continue a noite toda!
Huuummmmmm!
Alda M S Santos

Câmera lenta

CÂMERA LENTA

O mundo está em câmera lenta

Passos lentos, trôpegos, olhar apagado, corpo encurvado pelo peso da tristeza

Olhos onde brilham apenas lágrimas, 

Que se confundem com a chuva que cai,

Em câmera lenta.

No intenso vai e vem

Pelas ruas da cidade se vão

Ela e tudo que carrega naquele corpo pequeno

Mal são notadas pelo intenso burburinho de início de manhã

Ouve buzinas ao longe e segue lentamente

Os olhos da cidade nada veem além de si mesmos

Cada qual com sua própria bagagem e peso

Tudo é cinza, opaco, lento, vácuo.

Uma trombada, um “olha onde anda”!

Está molhada por fora e por dentro

Quem se importa?

As lágrimas correm livres, 

Ao contrário dela, presa em suas divagações.

E a vida continua

Em câmera lenta…

Alda M S Santos

Chuvinha

CHUVINHA

Ela continua…ininterrupta

Irrigando terras e vidas.

Que todos tenham teto

Que nos molhemos apenas por opção

Que nossos corpos e mentes

Estejam protegidos e abrigados

Que possamos ser abrigo para quem precisar

Para o corpo, para a mente, para a alma…

Bom dia, amores…

🙏🏼🙏🏼😘😘

Eu amo a chuva! 

EU AMO A CHUVA! 

Seja pelo barulho, 

Pela vida que se renova, 

Pela alegria ou melancolia, 

Pela natureza agradecida, 

Pela saudade que se curte, 

Pelo amor que se vive, 

Pela paz que se aciona, 

Pela luz que se acende lá no fundo, 

Pela tristeza que insiste em tomar conta, 

Pelo cuidado de Deus,

Pelo arco-íris… 

Por tudo vale a pena. 

Chuva é maravilhosa! 

⛈⛈⛈⛈⛈⛈

Alda M S Santos

Chuva em mim

CHUVA EM MIM

Hoje o dia está indeciso

Ora chove, ora clareia

Esquenta, esfria…

A natureza, sábia, agradece e aproveita.

Sabe que tudo que Deus manda deve ser aproveitado! 

Absorve o que lhe convém

Deixa passar o que não cai bem

Águas sempre lavam 

Irrigam, hidratam.

E aguarda o Sol voltar a brilhar… 

Ele sempre volta.

Fora e dentro da gente.

Crê! A longa experiência a ensinou.

Ninguém perde por amar, acreditar e esperar. 

Alda M S Santos

Chuva!

CHUVA
Chuva lava as plantas
Lágrimas lavam a alma
Chuva irriga a terra
Lágrimas irrigam o coração
Juntas, chuva e lágrimas,
Geram beleza, vida e recomeços…
Unidas, fazem brilhar Sol e sorrisos,
Em todos os corações dispostos a amar…
E deixam a alma em êxtase.
Alda M S Santos

Alheia chuva

ALHEIA CHUVA

Lá fora ela cai constante, despretensiosa.

Sabe-se fundamental.

Alheia àqueles que não a apreciam.

Aumenta, diminui, lava, limpa, irriga…

Gera vida!

Leva consigo o que há pelo caminho.

Não escolhe beneficiários, atende a todos, sem exceção.

Tantos correm para não se molhar,

E eu, cá dentro, não recebo suas gotas na pele,

Mas na minha alma ela cai, penetra fundo.

Nostalgia, saudade, preguicinha boa,

Reflexão, oração, prazer…

Lá fora continua seu tamborilar, incontrolável.

Cá dentro, a certeza de nossa pequenez perante tal magnitude!

É infinita a gratidão por fazer parte disso tudo.

Alda M S Santos

Anoitecer

ANOITECER
Noite: chuvosa ou estrelada,
Lua cheia ou Nova
De brisa suave ou calor escaldante.
Escuridão que pode ser bênção.
Pra dormir, pra descansar corpo e mente.
Pra pensar, analisar, avaliar, planejar…
Pra sonhar, pra amar…
Agradecer!
Não é por acaso que ela é iluminada pelas estrelas e pela Lua.
Deus nos mostra o quanto a vida é cíclica…
Do quanto cada fase pode ser importante.
Se delas soubermos tirar proveito.
Por mais bela ou difícil,
Que tenha sido a noite.
A alvorada chega pra todos, pra recomeçarmos.
Sempre!
Alda M S Santos
Boa noite!!!!

Somos chuva

SOMOS CHUVA
Se as pessoas fossem chuva, haveria algumas caindo como uma leve garoa.
Outras, uma rápida tempestade de verão.
Há as que são intensas como um furacão.
E há ainda aquelas cuja água cai constante, persistente, duradoura.
Molha a terra e reabastece rios e lençóis d’água.
Cabe a nós decidir o que reter de cada uma delas.
A suavidade e nostalgia da garoa, a força e paixão do furacão, a beleza e urgência da tempestade, a profundidade, carinho e sabedoria da chuvinha constante…
Precisamos de todas elas! Com ou sem guarda-chuvas!
Alda M S Santos

Tapetes de Amor

TAPETES DE AMOR

A noite foi chuvosa, a manhã está fresquinha, depois de uma tarde muito quente no dia anterior.   

Céu nublado, ruas molhadas, lindos ipês floridos formam tapetes coloridos sobre a calçada. 

Algumas pessoas se escondem em agasalhos, semblante fechado, chateadas por terem que se levantar. Outras se “colorem” e se “abrem” para o novo dia, assim como as flores receberam o calor, a chuva, a brisa suave, a queda das flores. 

Deus, como Pai zeloso, prepara nosso caminho. Ouvimos “bom dia” da natureza, das pessoas… Até um tapete de flores Deus prepara para o nosso caminho. 

A natureza confia e espera. Nós, humanos, tão sábios, tantas vezes, ao invés de agradecer a chuva, nos enraivecemos com o trânsito que apresenta problemas, enxergamos as ruas com lixo acumulado, mas não notamos as árvores que agradecem a bênção recebida, reclamamos de tantas folhas e flores que sujam o quintal e as ruas, mas não admiramos o lindo tapete perfumado que formam, resmungamos ou acenamos a cabeça a um bom dia simpático que recebemos, ao invés de agradecer por estar vivo, poder se levantar, ter a chance de sempre recomeçar.

Seja de flores ou não, Deus sempre prepara um tapete para nosso caminho. Basta que a gente mantenha olhos e coração abertos para identificá-lo e curti-lo. Pode ser a família, o trabalho, um amigo, a natureza…

Qual é seu tapete hoje?  

Alda M S Santos 

Pessoas normais adoram a chuva

PESSOAS NORMAIS ADORAM A CHUVA

Desde criança quando digo que amo um dia de chuva ouço que não sou normal. Se completo que quanto mais barulhenta mais eu gosto, dizem que sou caso perdido.

Pequena, já gostava de andar na chuva, na enxurrada e de ouvir as goteiras nos baldes espalhados pela casa. Ficava no basculante da sala, nas pontas dos pés, vendo a água cair, as pessoas passarem correndo. Chegava ao colégio com as congas encharcadas e a alma lavada. Estava tudo perfeito.

Na juventude andava de motocicleta com chuva. Isso sim é liberdade! Os pingos queimavam no rosto!

Gosto de dormir com chuva, acordar, ir trabalhar, passear, assistir filme debaixo do edredom, ler, namorar… Tudo é melhor com chuva. Nadar também! As águas do mar, rio ou piscina ficam “quentinhas” quando chove.

Não sei exatamente o porquê dessa paixão! Nem considero os motivos óbvios de sobrevivência. Tampouco desconheço os malefícios das enchentes e alagamentos. Meu avô morreu eletrocutado por um raio numa noite de tempestade, dentro de casa. Sofremos com enchentes na infância e até hoje há riscos. Porém, isso não é a chuva que causa, mas o abuso, descuido e descaso dos homens.

A chuva potencializa em mim bons sentimentos. Fico mais terna, doce, romântica, mais apta a absorver e distribuir coisas boas por aí.

O cheiro de terra molhada, as gotas caindo nas poças d’água, os bichos procurando abrigo ou se esbaldando. A aparente fúria dos trovões e relâmpagos é um espetáculo a mais. Chuva leva à introspecção. Traz Deus pra mais perto. Tempo para repor energias mentais, reavaliar situações, sonhar, planejar…

Sou daquelas que já se alegram por antecipação com a previsão de chuva. Logo imagino um filme bem romântico com um lindo casal a dançar na chuva, um livro bom, uma música suave, um passeio de ônibus sentada na janela observando tudo. Mas nada, nada se compara ao prazer de caminhar na chuva, olhar para o céu e senti-la no rosto, encharcar-se, deixar escorrer água pelos cabelos, correr e pular feito criança levada. Quando a chuva passa, sair a observar as plantas e bichos. A luminosidade agradecida de todo ser vivente.

Se sentir-se assim é ser anormal, sou uma anormal feliz. Muito prazer!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: