(RE)ENCONTRO DE ALMAS

Antes de virem para esse mundo

De um outro mundo bem diferente

Onde tudo é claro, nítido, sem subterfúgios

Será que as almas gêmeas ou afins

Fazem algum combinado para se reconhecerem por aqui?

Um olhar mais demorado

Um toque eletrizante, um poema emocionante

Talvez um sorriso sem igual

Ou até mesmo uma piscadela especial?

Um abraço mais demorado, um beijo assustado

Quem sabe uma palavra, como um código, abracadabra

Ou uma senha que só elas saberiam?

Poderia ser também um lugar marcado

Como uma cachoeira, local isolado

Onde se banhariam como no passado…

Saboreando sorvete no banco da praça

Na fila do cinema comprando pipoca, meio sem graça

Num hospital tomando uma injeção

Ganhando bala na festa de Cosme e Damião

Na igreja, na praia, na fazenda montada no alazão

Ou, simplesmente, no último lugar em que deitaram e rolaram

E, apaixonadamente, se amaram?

Penso que há sim esse código, senha

Ou seja lá como se chame

Se ficarmos mesmo atentos

Talvez a gente até possa ouvir os sinos

Ou os anjos dizendo:

“Até que enfim, sinto perfume de jasmim”!

Você já (re)encontrou alguma alma assim?

Alda M S Santos