QUANDO NADA TEM GRAÇA

O setembro é amarelo, amarelo-alerta

Alerta para um mundo cinzento e frio

Onde falta fome para poder se alimentar

Ânimo para se levantar, coragem para reagir

Não há desejo ou prazer para a vida colorir

Não há passado, não há futuro

Somente um presente pesado, frio, solitário e duro

Do qual o único desejo é fugir

Escapar desse mundo tão sofrido, sumir

Não falta Deus, não falta fé

Não falta o que fazer, falta tesão de viver

Sobra dor… e a fuga torna-se atraente, uma possibilidade

Para dentro do quarto, para dentro de si mesmo

Cada vez mais fundo mergulhar, total imersão

Encolhido e sufocado na própria depressão

Até a dor atingir o limite máximo, a exaustão

Aquele em que o instinto de sobrevivência falha

Nesse ponto nem sempre há como pedir ajuda, a dor estraçalha

O autoextermínio parece ser o fim do que machuca

É preciso que o mundo do entorno perceba

E resgate essas pessoas dessa morada escura

Que leve a um tratamento, busque a cura

Que possa devolver o prazer, a luz, o desejo de viver…

Já reparou nas pessoas que choram, se isolam, ou até sorriem a sua volta?

Podemos salvar uma vida em cinza, devolver a cor!

Podemos ser da vida o amor!

Viver deve ter graça, ser algo especial

Setembro Amarelo, porque querer morrer não é natural!

Alda M S Santos

#setembroamarelo