Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

suicídio

Seja empatia

SEJA EMPATIA

Dor que se apresenta, se agiganta
Aperta o peito, fecha a garganta
Os olhos minam, a voz não sai
Não há um propósito, só um ai

Viver parece difícil, um descaminho
Passa a ver o fim como caminho
Não se vê importante, tudo dói
Ou é a indiferença que corrói?

E a pergunta persiste: para quê viver?
Mas nao quer morrer, quer entender
Buscar meios de fazer a dor desaparecer
Reencontrar por aqui a sensação de pertencer

Tanta dor, solidão e incompreensão
Falta afeto, carinho, audição
Ter alguém presente, mais que corpo
Que seja empatia, não olhe torto

A palavra, o olhar, o acolher são a cura
Do desejo de morte, fonte de amargura
Olhe seu entorno, para frente, para trás
Ofereça atenção, carinho, leve a paz
Quase sempre basta, é eficaz
Pois a vida é um bem que não se desfaz

SetembroAmarelo

Alda M S Santos

CVV- Como vai você?

COMO VAI VOCÊ?

CVV- Como vai você?

O ouvido amigo, a palavra atenciosa

A doce “presença”, a parceria, a empatia

Num momento de nostalgia, tristeza, apatia

Quando a força mina, falta a energia

Como vai você?

Eu estou aqui para ouvir

Não quero julgar, tampouco remir

Quero que enxergue saídas para o agir

E boas razões para seu existir

Como vai você?

Há solidão, não há para quem dizer

Aquilo que te faz sofrer?

Ou se as companhias que tem não são o melhor ouvido

Conte comigo, posso ser um ouvido amigo

Aquele que talvez te faça encontrar um bom abrigo

Como vai você?

Não se feche, fale do que te incomoda

A cura talvez esteja aí, no silêncio que te sufoca

Que te fere a alma como uma broca

CVV- como vai você?

Conversar pode ser o caminho para se refazer

Para te levar de volta até você!

Alda M S Santos

Homenagem ao CVV- Centro de Valorização da Vida-188

Precisamos falar de dor

PRECISAMOS FALAR DE DOR

Eles podem estar chorando

Mas também podem estar aí sorrindo, tentando

Podem estar dentro do quarto, alheios

Mas podem estar dentro de si mesmos, aí no seu meio

Podem estar gritando em silêncio sua dor

E nós não termos jeito para lidar com amor

Podem estar flertando com a morte

Não vendo na vida nenhum pouco de sorte

Não é fraqueza, não é frescura,

É patologia, é doença, precisa tratamento

É dor que tem no amor e atenção parte da cura

É não sentir da vida a beleza, a candura

É querer sumir para um universo paralelo

Onde não sinta mais tanto medo, tanto flagelo

A morte é natural, faz parte da vida

Mas desejá-la não é normal

O setembro amarelo é para sensibilização

Podemos salvar um irmão

Vamos buscar informação?

Alda M S Santos

Quando nada tem graça

QUANDO NADA TEM GRAÇA

O setembro é amarelo, amarelo-alerta

Alerta para um mundo cinzento e frio

Onde falta fome para poder se alimentar

Ânimo para se levantar, coragem para reagir

Não há desejo ou prazer para a vida colorir

Não há passado, não há futuro

Somente um presente pesado, frio, solitário e duro

Do qual o único desejo é fugir

Escapar desse mundo tão sofrido, sumir

Não falta Deus, não falta fé

Não falta o que fazer, falta tesão de viver

Sobra dor… e a fuga torna-se atraente, uma possibilidade

Para dentro do quarto, para dentro de si mesmo

Cada vez mais fundo mergulhar, total imersão

Encolhido e sufocado na própria depressão

Até a dor atingir o limite máximo, a exaustão

Aquele em que o instinto de sobrevivência falha

Nesse ponto nem sempre há como pedir ajuda, a dor estraçalha

O autoextermínio parece ser o fim do que machuca

É preciso que o mundo do entorno perceba

E resgate essas pessoas dessa morada escura

Que leve a um tratamento, busque a cura

Que possa devolver o prazer, a luz, o desejo de viver…

Já reparou nas pessoas que choram, se isolam, ou até sorriem a sua volta?

Podemos salvar uma vida em cinza, devolver a cor!

Podemos ser da vida o amor!

Viver deve ter graça, ser algo especial

Setembro Amarelo, porque querer morrer não é natural!

Alda M S Santos

#setembroamarelo

A ausência de nós

A AUSÊNCIA DE NÓS

Depressão é não sentir presente

O aliado que nunca poderia faltar: nós mesmos

Aquele sem o qual todos os outros perdem o valor

A ausência de nós mesmos nos impede de identificar outras presenças

Muitas vezes, e inclusive, a presença da vida

Depressão nos rouba de nós mesmos

Nos faz nos desconhecer

É o roubo mais cruel que pode haver

É retirar o fluido vital, a alegria, a satisfação, o prazer

De um corpo que insiste em ficar de pé sem combustível

Mas age robótica e mecanicamente

Curar um depressivo é encontrar e devolver a ele

Esse fluido essencial que não se sabe onde está ou para onde foi

Perdido dentro de si mesmo…

Alda M S Santos

#setembroamarelo

#prevencaoaosuicidio

#disque188

Natural é querer viver…

NATURAL É QUERER VIVER…

O saudável é querer viver

O natural, até instintivo, é preservar a vida

A alegria em se renovar, em gerar brotos e buscar o sol

Em renascer em cores a cada decepção cinzenta

Em querer brilhar ainda que haja sombras

Em buscar oxigênio quando se sentir sufocar

Em estender raízes em busca de hidratação e nutrientes

Quando tudo parecer seco e sem esperanças

Perder umas folhas e galhos e manter raízes

É típico de tudo que vive, mesmo depois de parecer morrer …

O corpo se reabastece, fecha feridas, cicatriza, se fortalece

A mente se refaz em inúmeros circuitos, conecta-se com o bem

A alma resplandece de prazer, paz e luz

O coração clama por amor!

Uns momentos, horas, dias, temporadas de tristeza são normais

Talvez até necessários para tornar a vida mais valiosa

O que não é normal é desprezar o viver

Fazer dele um tanto faz como tanto fez

O que não é natural ou saudável é preferir o morrer

Isso é patológico, carece tratamento, não é fraqueza

É uma doença das mais cruéis: a da alma

Lutar pela vida é dever de todos nós

Pela nossa e pela dos outros que nos são caros

Ou simplesmente que estão por perto…

Somos todos responsáveis!

Alda M S Santos

#setembroamarelo

Fim de semana

FIM DE SEMANA

Sexta, sábado e domingo

Dias da semana associados a prazer e alegria

Fugida da rotina, da corrida frenética por não se sabe o quê

Descanso, sossego, lar, soneca, churrasco, família para alguns

Baladas, noitadas, bebidas, passeios, viagens, grandes programas para outros

Solidão, televisão, um livro, igreja, músicas para outros

Um novo vocábulo surge: “sextou”

Dando início a algo “novo e maravilhoso”

Euforia total que leva muitos que não seguem a corrente ao desespero

À tristeza com gosto amargo de solidão e abandono

A medicamentos controlados, alucinógenos, drogas

É quando o autoextermínio mais aumenta

Entre aqueles que se enfurnam a fazer um balanço da vida

E, frustrados, “invejam” o que os outros “têm” ou estão fazendo

Em quantos se divertem, comem pipoca debaixo do edredom

Vão a cinemas, viajam, fazem amigos, fazem amor…

Mas a balança estraga, pesa só o negativo para si e o positivo para os outros

E, paradoxalmente, os vazios são muito mais pesados

Focar no que é, aparentemente, presença no outro

É evidenciar a ausência em si mesmo

E isso acaba sendo doentio e ineficaz

Não existe nada e nem ninguém tão feliz e tão completo

Nem tão infeliz e tão incompleto

Comparações não são benéficas, são contraproducentes

Nada há de errado com o fim de semana de ninguém

Desde que nele se busque estar em paz consigo mesmo, sem ferir ninguém

Independente das vidas alheias

Todos estamos nesse grande barco aprendendo a remar, a nadar…

Até o cais final…

Alda M S Santos

Socorro

SOCORRO

“Socorro! Help-me!”

Quantos pedidos de socorro ouvimos, atendemos

Quantos ignoramos, não entendemos?

Nem sempre tão traduzidos assim em palavras

Uns muito óbvios, gritados, implorados, verbalizados claramente,

Telefonemas, mensagens, bilhetes, lágrimas

Outros calados nos lábios, gritados nos olhos, nas ausências, no silêncio, nos vícios

Nas mudanças de comportamento, na depressão…

E notamos apenas em retrospectiva, quando algo grave ocorre

Como uma tempestade que dá muitos sinais antes do aguaceiro desabar e inundar tudo

Nuvens negras, raios, trovões, vendavais

E corremos a procurar abrigo…

Sabemos dos estragos de outros tsunamis!

Tempestades internas se formam perto de nós

Dentro daqueles que amamos, dentro de nós

E não somos tão astutos para fechar as janelas, recolher as roupas, desviar, fugir, nos preparar

Muitas vezes, sem perceber, nos expomos, deixamos que se exponham a elas

Não nos atentamos para os pedidos de socorro, os alertas do tempo…

A meteorologia pode ser uma boa aliada se quisermos salvar vidas!

Alda M S Santos

Foto: Everaldo Alvarenga

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: