Busca

vidaintensavida.com

poemas e reflexões da vida cotidiana

Tag

coragem

Vai passar

VAI PASSAR
A dor vai passar
O medo vai embora
Ficarão por aqui
O amor, a luz, a poesia
Numa Terra renovada
Onde reinará a alegria
Acreditemos!
Alda M S Santos

Um mundo novo

UM MUNDO NOVO
Tudo aponta para um mundo novo
Há medos, dúvidas, ansiedade
Inseguranças de toda a humanidade
O mundo como conhecemos está sendo testado, remexido
Mas há que se preservar a vida
Não é só aqui ou ali
O planeta todo está sendo ameaçado, sacudido
Precisamos mesmo de mudanças
Para garantir a vida, nossas andanças
Não é só um vírus que mata
Tudo o que ele traz consigo exige reflexões
Nesse momento de escolhas difíceis
Percebemos quais são nossas prioridades
De um, de outro, de toda uma comunidade
Que sobrará disso tudo?
Estamos prontos para lidar com isso
Para recomeçar do zero se preciso for
Há em nós suficiente coragem e amor?
Alda M S Santos

Ousadia de viver

OUSADIA DE VIVER

Quero viver sem perder a ousadia

A ousadia de ser quem eu sou

A despeito de opiniões em contrário

De palavras paralisantes ou silêncios cortantes

Quero manter a ousadia

De buscar aquilo que muitos acreditam ser impossível

De escalar os montes que acreditar valerem o esforço

De descer rolando se me aprouver

De sentar e esperar quando minha alma pedir isso

Quero viver com a ousadia

De descartar aquilo que não merece ser conservado

De lutar pelo que merece ser conquistado

E de ainda brigar mesmo quando a batalha parecer perdida

Quero viver com a ousadia

De ser maluca, às vezes, para manter a sanidade

De ser criança sempre, para não perder a simplicidade

De ser feliz, mesmo infeliz em alguns momentos de saudade

Quero nunca perder a ousadia de simplesmente viver

De ser “eu” em meio a tantos outros eus…

Que eu nunca perca a ousadia…

Alda M S Santos

O grito que não se cala

O GRITO QUE NÃO SE CALA

Há em nós um grito que não se cala

Um grito que luta contra tudo de mau e errado que há por aí

Mesmo que seja um grito sem barulho

Um grito feito de silêncio, de lágrimas ou de sorrisos

O grito feito de abraços, de acalento, de amparo

O grito feito de mãos estendidas

O grito feito de colo, de compreensão, de gratidão

O grito que não se esconde na covardia

O grito que não se esconde na saudade de tempos idos

O grito que não se esconde na saudade de tempos que não vieram

Mas um grito!

Um grito que impulsiona e não se cala

Um grito que se lança na frente para proteger familiares, amigos ou qualquer necessitado

Um grito que não aceita fazer ou ser o mal

Um grito que se expõe na defesa do outro

Num mundo tão individualista e desumano

Sejamos o grito que falta!

Alda M S Santos

De frente para a vida

DE FRENTE PARA A VIDA

De frente, braços abertos, receptivos

A vida nos manda de volta aquilo que a ela enviamos

Sorriso que envia fagulhas de esperança e alegrias

Atitudes que emitem amor em cada gesto

Palavras que são néctar a ouvidos sensíveis

E são ímãs de carinho e confiança a atrair levezas

De frente para a a vida, se emitirmos luz

Receberemos reflexos de calor e energia

Mas, se emitirmos negatividade

Receberemos decepções e mágoas…

Isso é lei do retorno, efeito bumerangue

Ele vai, ele volta…

De frente para vida…quero estar sempre…

Abram os braços!

Alda M S Santos

E quem poderá dizer?

E QUEM PODERÁ DIZER?

Quem poderá dizer do quanto de cada um de nós é autêntico ou fuga?

Os introvertidos, calados, que preferem a solidão

Ou a própria companhia, quase não se misturam

Não gostam de aglomerações nem de improvisos…

Os rebeldes que reclamam, brigam, sozinhos ou não, riem, choram, gritam, esbravejam

Nunca parecem quietos, estão sempre envolvidos, insistem, “comem” a vida…

E aqueles que participam de inúmeras atividades, gostam de tudo, dispostos e cheios de energia

Literalmente, abraçam o mundo, sempre sorrindo…

Quem é verdadeiramente feliz ou infeliz?

O quanto disso é autêntico ou quem está usando subterfúgios para se esconder de si e dos outros?

O quanto no modo de ser de cada um é prazer, alegria, insatisfação ou fuga?

Quem está verdadeiramente em paz consigo mesmo, com a própria consciência, com a vida?

Quem poderá dizer do quanto disso tudo não é sobrevivência?

Quem poderá saber ou julgar?

Quem não gostaria de ser diferente ou estar de outro modo, noutro lugar?

Afinal, cada qual luta com o que tem, com a arma que melhor conhece…

Ou levanta a bandeira branca!

Quem poderá dizer algo ou contradizer?

Alda M S Santos

Frágil ou forte?

FRÁGIL OU FORTE?

Somos fortes quando perdoamos a quem nos ofende e magoa

Somos frágeis quando não estendemos esse perdão a nós mesmos

Somos fortes quando dizemos sim às necessidades dos outros

Nos tornamos frágeis quando dizemos não às nossas próprias necessidades

Somos fortes quando escolhemos vencer nossos inimigos

Somos frágeis quando ignoramos o inimigo dentro de nós

Somos fortes quando temos autocontrole e autoestima

Somos frágeis quando escolhemos o autoflagelo e vitimização

Somos fortes ao identificar nossas falhas e medos

Somos frágeis ao nos concentrar apenas neles

Somos fortes quando vivemos o amor recebido

Somos mais fortes ainda quando amamos

Somos fortes não quando não temos fraquezas e medos ou não nos quebramos inteiros

Somos fortes por lidar com esses cacos sem nos ferir de morte

Sem ferir de morte aqueles que amamos e queremos bem

A força é evidenciada onde a fragilidade não foi desconsiderada…

Alda M S Santos

Coringa

CORINGA

Uma carta coringa assume qualquer valor

Habilidade de encaixar-se, de se sobrepor

Coringas são neutros, adaptam-se sem qualquer pudor

Uma roupa coringa cai bem em qualquer ocasião

Um prato coringa que atende qualquer refeição

Um programa coringa que alegra qualquer coração

Um sentimento coringa que lida bem ou substitui qualquer emoção

Uma pessoa coringa que acalma ou anima com prazer, sem razão, com paixão

Um palhaço que alegra, mesmo chorão

Que encanta, mesmo bobalhão

Que alegoricamente malicioso, da sua inteligência não abre mão…

Ser ou ter um coringa? A pergunta não é se…

Mas quando lançaremos mão dessa enigmática representação

Que muitas vezes nos salva de nossas próprias tolices, boas ou não…

Alda M S Santos

#carinhologos

Pode parecer

PODE PARECER

Pode parecer abandono, solidão, preguiça

Mas também pode ser opção, escolha, prazer em estar consigo mesmo

Pode parecer inquietude, ansiedade, impaciência

Mas também pode ser excesso de energia, vontade de cuidar do próprio coração

Usando o caminho que passa pelo coração do outro

Pode parecer tristeza, angústia, depressão, vazio

Mas também pode ser introspecção, reflexão, sabedoria, preenchimento

Pode parecer raiva, revolta, rebeldia

Mas também pode ser desânimo e repúdio com tudo que é falso

Pode parecer teimosia, falta de inteligência, obstinação, birra

Mas também pode ser persistência de alguém que não desiste

Pode parecer fuga, abandono, frivolidade, infantilidade

Mas também pode ser maturidade, carinho e proteção

Pode parecer medo, covardia, maldade

Mas também pode ser amor que, sábio, preserva a vida

Pode parecer sorriso, alegria, felicidade a toda prova

Mas também pode ser gratidão, fé na vida e Naquele que a criou

Em qualquer circunstância

Sempre…

Pode ser…

O que é, de verdade, só quem vive é capaz de dizer…

Alda M S Santos

Como andar de bicicleta

COMO ANDAR DE BICICLETA

Se a gente parar, reduzir, pensar demais,

A gente se distrai, amedronta, perde a confiança, cai!

Quando aprendemos a andar de bicicleta

Logo depois que retiramos o conforto e segurança das rodinhas

O equilíbrio se mantém e nos impede de tombar, de cair

Enquanto estamos em movimento, pedalando

Aos poucos, devagar, depois de alguns tombos, feridas

Vamos aprendendo a reduzir lentamente

Ouvindo alguns conselhos amigos

Descartando aqueles que, invejosos ou ciumentos,

Visam apenas nos ferir e desestabilizar

Avaliando os riscos, mantendo-nos sobre o selim,

Nas retas primeiro, fugindo das curvas.

Só então poderemos realmente sentir o passeio,

Aumentar nossa força e coragem, dar um tchauzinho

Observar a paisagem, sentir o vento no rosto,

As pessoas que passam, os outros ciclistas

Pedalar junto, dar carona, apostar uma corrida

Nos arriscar nas curvas convidativas, nos declives acentuados

Ajudar outros ciclistas, e curtir…

Certos e conhecedores dos pontos críticos

Que outros tombos podem ocorrer,

Mas que estaremos mais fortes.

A vida é, por vezes, como andar de bicicleta

Somos tantas vezes aprendizes!

Se a gente parar, reduzir, pensar demais,

A gente cai!

E o sentido, tanto de andar de bicicleta

Quanto de viver, está no prazer que se obtém disso

Basta observar uma criança em sua bicicleta

Que, apesar dos tombos, insiste, sorri, comemora

Vamos pedalar! Vamos viver!

Alda M S Santos

Em construção

EM CONSTRUÇÃO

Não somos somente aquilo que nosso olhar transmite

O que há em nós reflete no outro, diferentemente em cada um

E retorna para nós para processamento

Posso ser vista melhor do que sou, dado o grau do amor de quem me vê

Ou posso ser vista menos do que sou, pela (in)capacidade do receptor de entendimento

Ambos ajudam em minha construção do eu

Instigam melhorias, ainda que pós erros e decepções

Somos uma massa sendo “sovada” todo o tempo

Ora homogênea, ora heterogênea

E essa massa cresce ou míngua a cada contribuição recebida

Pode adquirir sabor e beleza ou desandar, azedar

Dependendo do que o outro nos oferece

Alguns ingredientes são essenciais, outros dispensáveis

E há aqueles que, como a cereja do bolo, são puro encanto

Uma receita antiga, mas cheia de atualizações

Tornamo-nos pessoas dia a dia

Seres incompletos e insossos ao nascer

Vamos recebendo do meio os ingredientes necessários

Para a concretização desse plano de Deus em nós…

Alda M S Santos

Quando acordas

QUANDO ACORDAS

Aquele primeiro pensamento que vem à sua mente quando acordas

Seja quando os raios de sol invadem sua janela ou quando a chuva tamborila no telhado

Seja quando tudo é sorriso, luz e brilho ou quando são lágrimas e sombras

Talvez o mesmo por dias, meses, anos a fio

Te estimula a seguir em frente, te anima, encoraja

Te faz sorrir para a vida, para os outros, ser alguém melhor

Acreditar que tudo pode ser possível, ser mais forte

Ou esse pensamento te entristece, desestimula, acovarda, te faz menos do que é?

Tantas vezes tirando até mesmo o desejo de levantar-se da cama?

Se é fonte de força, fé, amor, coragem e esperança

Não abra mão dele…torne-o real, alimente-o

Mas se apenas te joga para baixo, te faz desacreditar em seu poder de dar a volta por cima

Tá na hora de mudar o pensamento, substituir por algo mais benéfico

Ou mudar de atitude…

Alda M S Santos

Para viver é preciso sonhar

PRA VIVER É PRECISO SONHAR

Não há vida sem sonhos, há apenas a seca sobrevivência

Pra manter-se vivo de verdade, vibrante, é preciso sonhar

Mas há que se ter equilíbrio, saber dosar a água e o fubá

Um sonho sozinho não se sustenta por muito tempo

Desfaz-se feito nuvens negras em dias de verão

Tampouco a dura realidade se mantém íntegra sem a liga dos sonhos

Quem vive sem sonhos amarga duras realidades

Quem vive só de sonhos amarga dolorosas decepções

Até mesmo um sonho precisa de umas pitadas de realidade, vez ou outra

Para temperar a vida,

Para poder sobreviver…

Alda M S Santos

Flertando

FLERTANDO

Viver na superfície, sentado num banco, confortavelmente

Observando as belezas à nossa volta, nada a nos surpreender

É uma opção suave e tranquila de vida…

Viver no entorno, entrar na mata, nadar nas lagoas, enfrentar espinhos

Pescar, refrescar a si e aos outros

É uma opção mais ativa, porém, mais riscos…

Viver de mergulhos profundos, buscando sempre o novo

Esbarrando nas paredes mais escuras do lago

É uma opção mais complicada!

Nós somos esse lago atraente, convidativo

Só nos conheceremos a fundo se mergulharmos

Nas profundezas obscuras de nós mesmos

Se flertarmos conosco, desvendarmos nossos mistérios sem medos

Em busca do melhor que pudermos ser,

Para nós, para os outros,

E sermos mais felizes…

Alda M S Santos

Nos bancos da calçada

NOS BANCOS DA CALÇADA

Casinhas simples, receptividade gigante, janelas na divisa com a rua

Ao sabor do vento, do sol, da chuva

E dos olhares curiosos de quem passa…

Terreiros grandes que costumam dar num ribeirão

Muitas vezes com hortas, galinheiros, pomares, chiqueiros, cisternas…

Na calçada, banquinhos de todo tipo

Madeiras, troncos de árvores, tijolo, concreto, não importa

A prosa dos fins de tarde após a lida que eles possibilitam é que interessa

O tempo que virou, o filho que não apareceu, o netinho precisando benzer

As galinhas que pararam de botar, o Bingo da igreja,

A comadre que está ruim das vistas ou a teimosia do compadre

A filha que se formou, o neto que nasceu nos Estados Unidos e começou a andar

O prefeito que está envolvido em mais uma falcatrua ou corrupção

A sobrinha que foi para Belo Horizonte com o filhinho doente,

A Maria do João Neto que doou um bezerro para a rifa da festa de Nossa Senhora Aparecida…

Entre os estrepes dos pés e os estrepes da vida

Tudo é compartilhado nos bancos da calçada

E a vida se torna mais leve,

Numa boa prosa de fim de tarde olhando a rua,

Aguardando aquela visita ou telefonema que nem sempre chegam…

Alda M S Santos

Creche Gente Inocente

CRECHE GENTE INOCENTE

Percebe-se a insignificância da vida

Quando crianças inocentes sofrem atrocidades

Sem qualquer explicação razoável!

Um “doente” funcionário quer morrer e as leva junto covardemente,

Uma corajosa professora, mãe de três filhos, quer viver, quer que elas vivam

E também se vai…

Para cada covarde nesse mundo há ao menos um corajoso?

Creche Gente Inocente:

Que nome mais apropriado!

Alda M S Santos

É melhor…

É MELHOR…

Melhor que adormecer é fazê-lo suavemente nos ombros de alguém

Melhor que sorrir, é ter alguém especial para oferecer nosso sorriso

Melhor que acordar, é ter a luz do olhar de alguém a nos desejar bom dia

Melhor que nos aquecer numa xícara de chá quente, é ter alguém que nos aqueça num abraço

Melhor que não correr riscos, é ter alguém que nos ofereça proteção e cuidados, 

Melhor que ser forte, é nos dar o direito de fragilizar, de ter onde nos apoiar

Melhor que não cair, é encontrar um ponto de equilíbrio em qualquer situação

Melhor que levantar para a vida, é ter alguém que nos dê um bom motivo para viver…

Mas melhor mesmo que tudo isso, 

É termos a nós mesmos,

Sermos nosso melhor motivo para viver…

Alda M S Santos

Corações transparentes

CORAÇÕES TRANSPARENTES

Ser transparente é ser corajoso

É também ser acusado de tolo

Sempre tão aberto, tão claro, 

Não deixar dúvidas, doar-se…

Doar abraços, carinhos, colo

Proximidade, atenção,

Sentimentos, emoções…

É exaurir-se de tanta sinceridade e doação, 

Mas encher-se de tanta gratidão e prazer

Atrair sentimentos sinceros

Mas atrair também aproveitadores,

Aqueles acostumados à falsidade, 

Adeptos dos “joguinhos”. 

Amor bom é amor que não se esconde, 

Que se orgulha de aparecer.

Amor que a gente gosta é amor sincero

Amor que a gente precisa é amor transparente.

E isso não é ser tolo!

Isso é não perder tempo com o que não vale nosso tempo.

Alda M S Santos

Além das nuvens

ALÉM DAS NUVENS

Quando tudo parecer nebuloso e sombrio

E nenhuma luz ou calor der sinal de vida

Elevemos a altitude, voemos alto, busquemos o Alto.

Além das nuvens costumamos encontrar novo tempo,

Mais calor, mais luz, mais energia e paz.

Alda M S Santos

Presa

PRESA

Ser presa, sentir-se presa

Dos olhos, de uma arma, 

De uma situação, de outro ser.

Liberdade restringida, medo, escuro, abandono.

Lutar, brigar, vencer, sentir a proteção divina.

O desafio de toda presa

É não permanecer presa

De medos, pensamentos ou situações,

É continuar a acreditar na vida e no amor.

É seguir o caminho, ainda que pareça nebuloso,

Certamente voltará a brilhar…

Alda M S Santos

Coragem

CORAGEM
É preciso coragem para ser autêntico
Para se assumir como é, para se amar.
É preciso coragem para dizer, mesmo sem palavras,
A alguém que se ama: “eu sou assim”!
“Será que tem coragem para me amar assim?
Ou se acovarda e se esconde em medos,
Em padrões pré-estabelecidos
Que já provaram nada valer”?
É preciso coragem para crer, aceitar
Que não existe um único e correto modo de ser,
Que existem infinitas maneiras de ser gente,
De ser e fazer feliz!
A vida exige coragem!
Alda M S Santos

Soltemos as amarras

SOLTEMOS AS AMARRAS

Quando me sinto frágil e incapaz, pra baixo, sempre me lembro daquela história de um elefante preso pelo pé por uma corda a um tronco fraco. 

Todos se admiravam dele não se libertar dali. 

Desde pequenino foi colocado lá, preso.

Tentou sair inúmeras vezes e não conseguiu. 

Forças esgotadas, resignou-se.

Perdeu a crença em si mesmo. 

Cresceu, mas a corda e o tronco permaneciam os mesmos. 

Poderia arrancá-los num único movimento, mas perdeu a fé em sua capacidade. 

Sequer tentava mais. Acreditava que a corda e o tronco eram invencíveis.

Precisamos analisar se o que nos limita é real ou forte o bastante.

Se o inimigo é mesmo tão poderoso e assustador.

Há pessoas e situações que nos colocam uma corda, um tronco. Minam nossa fé em nós mesmos.

Fazem com que desacreditemos na maior mola propulsora que existe: a autoconfiança. 

Alguém pode nos alertar, mas só nós mesmos podemos fazer o movimento para arrancá-las! 

Soltemos as amarras! 

Que o voo seja livre e leve! 

Alda M S Santos

Sentinelas

SENTINELAS

Reclamamos muito dos juízes e carrascos da vida, que não são poucos!

Porém, muitas vezes, somos nós mesmos que nos julgamos, condenamos e executamos a pena: juízes, jurados e carrascos.

Por medo, preconceitos, desconhecimentos, falta de habilidade ou tato, por preguiça ou covardia, nos excluímos da vida.

Aquele curso, trabalho, empreendimento, ou proposta interessante que recusamos.

Uma atividade física que melhoraria nossa saúde e humor e não fazemos.

Uma viagem, um passeio, um convívio familiar dos quais não tomamos parte.

Novas amizades ou amores que abrimos mão, que fugimos, julgamos não merecer.

Nós mesmos abrimos mão, desistimos de algo que nos faria apenas o bem.

Somos nós mesmos, com nossa mente conturbada e volúvel, ora leão feroz e corajoso, ora ratinho amedrontado e covarde, que fazemos os caminhos de nossa vida.

Muitas vezes nós, como carrascos, não matamos de imediato, apenas somos sentinelas da cela nas quais nos colocamos.

Alda M S Santos

A Dona Aranha

A DONA ARANHA

“A Dona Aranha subiu pela parede, veio a chuva forte e a derrubou”…

Insistentes muitos de nós agimos como a dona aranha, subimos, escalamos, sob forte sol, com a confiança de chegarmos lá em cima.

Vem uma “chuva” forte e nos derruba.

E parece tudo desabar!

“Já passou a chuva, o sol já vai surgindo e a dona aranha continua a subir”.

Baqueamos, mas fortes e guerreiros que somos não ficamos ali parados. 

O sol volta a brilhar, novas paredes, novas aranhas, novas companhias… 

Continuamos a subir!

“Ela é teimosa e desobediente, sobe, sobe, sobe, nunca está contente!”

Afinal a chuva derrubou a aranha, não a parede.

Enquanto houver paredes ela irá acreditar que é possível subir.

Não é qualquer chuva que derruba de vez uma aranha! 

Não é qualquer coisa que derruba uma pessoa determinada.

Alda M S Santos

De peito aberto

DE PEITO ABERTO
De peito aberto, cara lavada, coragem
A melhor maneira, o jeito certo de enfrentar a vida
Mesmo que não haja tanta coragem assim
Nem sempre é o “ser alguma coisa” que resolve
Acreditar que se é, pode valer tanto quanto
Cabeça baixa, medos e covardias
Não nos ajudam em nada!
Acreditar-se lindo, forte, amado
Cheio de energia, saúde e sabedoria
Nos leva ao menos até a metade do caminho.
E tendo descoberto o trajeto
O restante torna-se bem mais leve e prazeroso.
Descobri que só nós mesmos podemos barrar nossos passos!
Alda M S Santos

Sob meu telhado

SOB MEU TELHADO

Vida que nasce, cresce, se desenvolve

Absorve tudo de bom à sua volta

Aprende, junta forças, coragem,

E se prepara para o primeiro voo.

Medos? Receios? Poucos.

Procura ignorar a imensidão lá fora 

Tão convidativa, tão amedrontadora!

Quantos pássaros temos em nós 

Encantados com o novo, desejosos de aventurar-se

Buscar aquilo que faz bem,

Mas com receio de voar?

Quantos ainda estão presos sob nossos “telhados”?

Alda M S Santos 

Coragem

CORAGEM

Sabe aquela história de que “desistir foi meu maior ato de coragem”? 

Pode parecer balela, desculpa esfarrapada, coisa de covardes, mas não é.

Muitas desistências são, sim, falta de vontade, de coragem ou persistência. 

Porém, quase toda desistência de algo implica que outra opção foi feita. Por n motivos.

Pode ser que o abrir mão de algo, aparentemente precioso, tenha ocorrido para benefício próprio, para proteger algo ou alguém amado, para o bem familiar ou coletivo…

Quer seja uma escolha profissional, pessoal, familiar, amorosa, não importa. 

Ao escolhermos trilhar o caminho A, sabemos que abrimos mão dos caminhos B e C. Ainda que eles permaneçam em nossas memórias por tempo indeterminado. 

Algumas bifurcações são muito estreitas e de decisão sofrida. 

Tantas vezes são escolhas difíceis, quase sempre dolorosas. 

Como temos apenas vaga ideia do porvir, decidimos com base no hoje, e só o tempo dirá se foi o caminho mais acertado.

Alguns caminhos não têm volta, mas de muitos deles é possível retornar e recomeçar, se se perceber que não foi a escolha mais acertada. 

Afinal, nossa vida não vem com GPS. E mesmo que viesse, poderíamos ser direcionados para caminhos errados.

Quando ouvirmos alguém dizer “desistir foi meu maior ato de coragem”, “abri mão por amor”, “optei em prol de alguém”, é melhor acreditar e se solidarizar. 

Ninguém está a salvo desse ato de coragem!

Alda M S Santos

No Espelho

NO ESPELHO
Cedinho, escuro ainda, meio sonolenta, horário de verão!
Olho-me no espelho. Ele me devolve o olhar. Ignoro, distraída, não quero papo, tampouco olhares perscrutadores.
Mas ele continua lá. Resolvo encará-lo. Não sou de fugir da “luta”.
Desvio um pouco dos olhos. Retiro pelos imaginários dos lábios, ajeito os cabelos, estico uma ruga, passo um batom, dou um leve sorriso.
Mas o olhar está lá, investigando, avaliando. Parece perguntar: está tudo bem? O que tem feito por si mesma? Pelos outros? Olhe para mim! Olhe para si!
Encaro-o, quer dizer, encaro-me.
Fisicamente, umas ajeitadas seriam necessárias. O tempo não perdoa.
Emocionalmente, apesar da intensidade exagerada, dos atropelos esporádicos, de alguns medos, de certas confusões mentais, prevalece um certo equilíbrio.
O tempo nesse caso favorece, traz sabedoria para quem se dispõe a aprender as lições diárias.
Encaro o espelho novamente, firme, corajosa. Coração sempre à frente, acelerado.
Digo, olhos nos olhos: você é capaz de vencer qualquer coisa a que se propuser. Acredite!Sorriso largo, lanço um beijo:
Bom dia, doidinha!
Alda M S Santos

O Sol está em nós

O SOL ESTÁ EM NÓS

 Ainda que tudo pareça nublado, frio, triste, o Sol está lá! Desistir, se apagar não é uma opção! 

Desde que o mundo é mundo vivemos em crises: políticas, religiosas, financeiras, territoriais, culturais, existenciais, emocionais, de caráter… 

Esperar o fim delas para fazer algo produtivo por nós mesmos e pelos outros não deveria ser uma opção! 

Muitos sabem extrair algo de bom das adversidades, até as aproveitam como combustível para mover o motor da vida, enfrentam a revolta e tristeza geradas de tais crises com mais amor, compreensão e atitudes positivas. Acendem, mesmo com dificuldade, o sol dentro de si. 

Em tempos de crise é que nós, humanos, devemos nos mostrar melhores… 

Não é fácil! Não, mesmo! A vontade de chutar o balde é grande. De se esconder dentro de si mesmo, idem. 

Porém, a parte que nos cabe em tais momentos é ilimitada! 

Grandes coisas foram criadas em tempos de crises, qualquer que tenha sido. A possibilidade de evolução espiritual e emocional é gigante. Para nós e para os que de nós se aproximarem. 

Que passe logo! E que Deus nos ajude a nos ajudarmos. 

Alda M S Santos

Do tamanho do meu desejo

DO TAMANHO DO MEU DESEJO
Sexta ou segunda-feira
Ensolarada ou chuvosa
Isso eu não escolho
Mas posso escolher a
Forma, a cor e o tamanho que ela terá
Posso optar pela alegria ou pela apatia
Pela simpatia ou pela antipatia
Pela coragem ou pelo desânimo
Debaixo do chuveiro quentinho
Deixo a água levar o que for negativo
E decido:
Hoje será maravilhoso!
Bom diaaaaa!
Alda M S Santos

O mundo não para

O MUNDO NÃO PARA
O mundo não para porque eu sinto-me parada.
O ônibus segue seu caminho, mesmo que eu desça.
O Sol continua a brilhar, mesmo que eu não veja.
As rosas continuam a perfumar, ainda que eu não sinta.
A alegria continua a existir, mesmo que ao meu redor.
O jogo continua, mesmo que eu não esteja em campo.
Os amigos continuam a existir, mesmo longe de mim.
O carinho continua nos outros, mesmo que eu o dispense.
Deus continua aqui, ainda que o ignore.
O mundo não para porque eu estacionei.
Minha apatia não cessa a roda da vida. Paralisa apenas meu viver.
A vida segue seu rumo com quem tem coragem para acompanhá-la.
Uns vão arrastados, outros ficam.
Aqueles que caíram, independente dos observadores, limpam os joelhos, ou coração esfolados, e retomam a caminhada. Tal qual criança que volta para a corda que continuou a bater e ignorou seu tombo. Insegura, olha para o alto, observa seu vai-e-vem, levanta as mãos, avalia, se prepara e volta a pular.
Com coragem pula até cem!
Alda M S Santos

Quero os dedos e os anéis!

QUERO OS DEDOS E OS ANÉIS

Tantas vezes fomos treinados na técnica da compensação, da conformação, da aceitação. 

Não sou tão competente, mas sou responsável.

Não tenho o emprego dos sonhos, mas conformo-me com o que consegui.

Não tenho inteligência bastante, nem adianta estudar, fico assim mesmo.

Não tenho quem amo, mas aceito aquele que me ama. 

Não sou feliz, mas vivo alguns momentos felizes. 

Tudo bem! Todos nós precisamos saber lidar com as frustrações. Muitas vezes não teremos tudo que queremos. Nossas vontades não são soberanas. 

Porém, aceitar o imutável é uma coisa, nem tentar mudar é outra. 

Precisamos buscar, lutar, acreditar naquilo que queremos, que nos fará mais felizes, nos tornará um ser humano melhor. E aceitar ajuda é parte do processo. Deus não nos fez solitários! 

O risco de quem se conforma com a falta dos “anéis” é culpar quem os conseguiu e tornar-se amargo. 

Façamos assim: se os “anéis” foram perdidos, devemos valorizar os “dedos” que ficaram, sim, mas buscar, na medida do possível, novos anéis, e não apenas se conformar com sua falta. 

Deus nos criou para sermos felizes. Buscar o que pode proporcionar tal felicidade é parte do processo, portanto:

Eu quero os dedos e os anéis! E é atrás deles que eu vou! 

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: