DEVOLVA-ME!

Não conseguir identificar humanidade 
Tira-me a paz, a luz, a alegria
Não notar no amor a reciprocidade
Tira-me o doce viver, a fantasia

Não perceber onde se quer atos de bondade
Tira-me a esperança, o brilho, a utilidade
Não ver futuro, nao ter boa perspectiva
Tira-me o desejo, a vontade, a iniciativa

Um mundo que nada doa, apenas tira
Onde a gente se vira e revira
Tentando não enlouquecer, quase pira
Exige coragem para afastar toda mentira

Não quero aquilo que tire minha magia
Ou meu viver na simplicidade, com alegria
Devolva-me o o que ilumina minha alma
E traga um sorriso e um pouco de calma

Alda M S Santos